Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Estamos estudando o maravilhoso tema do crescimento espiritual, na verdade, olhando para as chaves do crescimento espiritual. Quais são os ingredientes vitais no processo do amadurecimento espiritual? Em nossa primeira lição, da última vez, nós focamos no conceito da glória de Deus, baseado em nosso estudo de 2 Coríntios 3:18, onde vimos que enquanto o crente foca sua vida e atenção na glória de Deus, enquanto ele faz isso, ele está sendo transformado à mesma imagem do Senhor em um nível de glória para o próximo, pelo Espírito Santo.

Agora, o Espírito Santo, então, é a energia no crescimento espiritual. Crescimento espiritual é tornar-se mais e mais igual a Cristo. E o que nos conduz a isso, que dá ao Espirito de Deus o impulso, é quando nos fixamos na glória de Deus. À medida que fixamos nossa atenção em dar glória a Deus, somos então conduzidos ao processo da maturidade espiritual.

Agora nós terminamos nosso último estudo dizendo que queríamos compartilhar algumas formas práticas em que glorificamos a Deus. Se glorificar a Deus é a chave mestre para o crescimento espiritual, quais são as outras chaves que tornam esta chave mestre?

Primeiramente, nós glorificamos a Deus confessando Jesus como Senhor. Agora, é aqui onde tudo começa. Se a minha vida é para ser focada em glorificar a Deus, isso quer dizer que inicialmente eu tenho que focar minha atenção no senhorio de Cristo. Agora o que eu quero dizer com isso? Bom, Filipenses 2:9-11 nos dá a resposta. Depois da maravilhosa passagem no kenosis [???], ou a humilhação, de Cristo, falando sobre como Ele se tornou um homem, e “tomou sobre Ele a forma de um servo, foi achado como um homem, humilhou-se, tornou-se obediente até a morte, e morte da cruz.” Então a Palavra de Deus diz isto. “Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra.” Agora preste atenção. “E toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor.”

Agora ouça, a humilhação de Jesus Cristo foi um ato de obediência ao Pai. Em resposta, o Pai glorificou Jesus Cristo, e O exaltou, e depois Ele convoca todo o universo para confessar que Jesus Cristo é Senhor, e então ele faz esta declaração final, “para a glória de Deus o Pai.” A razão, então, de nós confessarmos que Jesus é o Senhor é porque isso glorifica a Deus o Pai. Agora esse é o princípio básico para a salvação. Nós existimos para confessar Cristo como Senhor – isso é a salvação – para a glória de Deus.

Agora, eu acredito que a maioria das pessoas pensam que nós devemos ser salvos por outras razões além da glória de Deus. Se você perguntar a uma pessoa comum, “Porque você compartilha Jesus Cristo? Porque você comunica sua fé?” Ela provavelmente dirá, “Bem, porque Ele não quer deixar que as pessoas sejam enviadas para o inferno. Queremos que evitem a punição eterna.” Agora, isso é uma razão válida, mas não é a principal. A razão principal para as pessoas serem salvas não é para evitar o inferno.

Uma outra pessoa pode dizer, “Não. Eu apresento Cristo por causa do amor. O amor de Cristo me constrange. Porque Deus os ama e porque eu os amo, eu falo para eles sobre Cristo.” E isso é uma razão válida, mas não é a principal. E alguém pode dizer, “Bem, eu falo do evangelho porque recebi ordem para fazer isso. Recebi a ordem de ir por todo o mundo e pregar o evangelho, fazer discípulos, ensinar a eles todas as coisas que Cristo mandou.”

Recebi ordem, ou eu amo, ou eu quero deixar pessoas fora do inferno. Tudo isso é válido, e todas são razões bíblicas para o evangelismo. Mas elas não chegam no ápice. A razão principal para pregar o evangelho, a principal razão para se tornar um cristão é que é para a glória de Deus. Resume-se a isso. Pois, viver sem salvação é negar a Cristo, e negar a Cristo é a maior afronta possível a Deus. É o pecado que é imperdoável. Se uma pessoa continua sem crer, isso é um pecado imperdoável.

Na verdade, esse é o maior pecado do homem. Jesus disse em João 16 que Ele iria mandar o Espírito Santo para convencer o mundo do pecado. Que pecado? “Porque eles não creem em mim.” O maior pecado que o homem já cometeu é a falha de não crer em Jesus Cristo. Por que? Porque isso é dizer que Ele não é Deus, Ele não é o Salvador, Ele não deve ser adorado, Ele não é o Senhor. E afirmar isso é desonrar o Pai.

Em João 5:23, por exemplo, Jesus claramente diz, “a fim de que todos honrem o Filho - ”ouça“ – do modo por que honram o Pai. Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou.” Você não pode dar glória a Deus se não der honra ao Filho, que é pleno da Sua glória. Então ouça, nós começamos, então, a dar glória a Deus quando nós damos glória a Cristo. E como você faz isso? Confessando-O como Senhor, e isso simplesmente quer dizer salvação. Ele não está falando sobre um ato secundário. Você não diz, “Bem, uh, eu O tenho como Salvador, porém mais para frente eu O tornarei meu Senhor.” Não, não. Essas não são coisas diferentes. Quando você está salvo, você confessa Cristo como Senhor. Isso é salvação. Em Romanos 10:9-10, “Porque, se com tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo; pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.”

Em outras palavras, salvação é apenas uma questão de confessar o domínio de Cristo: que Ele é Deus, que Ele é Soberano, que Ele é Senhor, e isso é aplicação pessoal da realidade. Alguém me perguntou não muito tempo atrás se eu era um senhorio salvacionista. Eu não tinha certeza do que era isso. Eu pensei que você tivesse que ficar de pé em um canto e tocar um trompete ou tocar bateria se você era um daqueles. Mas não era isso que ele quis dizer. Um senhorio salvacionista, ele quis dizer, é alguém que acredita que você tem que crer que Jesus é o Senhor para ser salvo. Ele disse, “Você crê desta maneira?” eu disse, “Eu não sei nenhuma outra maneira de aceitar Cristo. Ele é Senhor, e eu aceitei a Ele nos termos Dele, não nos meus.” Eu não redefino Jesus como algo menor do que ele é, e O aceito desta maneira. “Ele é Senhor?” eu disse para essa pessoa. E ele disse, “Sim.” Eu disse, “Então como você o aceitou? Você tem que aceitá-Lo da forma que Ele é.” Se você confessar Jesus como Senhor, é para a glória de Deus.

Agora, estabelecido isso, ninguém tem a capacidade para ir além disso na maturidade espiritual. Ninguém consegue glorificar a Deus até que comece nesse ponto. Esse é o critério. Aí é onde tudo começa. Deixe-me dar um passo a frente para aqueles de nós que são cristãos. Eu acredito que se Cristo é Senhor em nossas vidas, se nós O tivéssemos recebido, e fôssemos nascidos de novo, e Ele reinasse – e Ele reina, aliás, na vida de todos nós. É simplesmente uma questão se nós o obedecemos, não se Ele reina. E enquanto Ele reina as nossas vidas, nós devemos manter em mente que a pregação do evangelho é principalmente para que Ele possa reinar nas vidas de outros para a glória Dele. Em outras palavras, o maior pecado do homem é viver e não glorificar a Deus.

Em Romanos capítulo 1, Paulo diz que nós pregamos obediência para as nações, pela misericórdia do nome. Ele diz, “Nós não pregamos o evangelho pela misericórdia deles. Nós pregamos o evangelho pela misericórdia Dele.” Terceira João 7, diz que nós saímos pregando pela misericórdia do Nome. Mesmo pensamento. Não pela misericórdia deles, pela misericórdia Dele. Para que Ele possa ser reconhecido como Senhor, e é aí onde tudo começa.

Se você não é cristão, você nunca confessou Cristo como Senhor, não há nenhuma possibilidade dentro de você para viver para a glória Dele. É uma impossibilidade absoluta. Não pode ser feito porque isso é onde tudo começa. Você não pode dizer, “Eu nego Cristo. Ele não é o meu Salvador. Ele não é o meu Senhor,” e depois continuar a tentar crescer espiritualmente ou prosseguir tentando glorifica-Lo de outra maneira. Você está dando um tapa na cara de Deus no ponto mais vital. Se você desonrar o Filho, você desonra o Pai.

Assim, glorificando a Deus, então, começa com o que Paulo diz em Filipenses 2, confessando Jesus como Senhor para a glória de Deus, Pai. E então nós dissemos que salvação é um começo necessário para o crescimento espiritual. O fato é que você não consegue crescer até que nasça.

Agora, segunda verdade. A segunda coisa que eu quero compartilhar com você nesta mesma linha é isso. Nós glorificamos a Deus primeiramente confessando Jesus como Senhor, e segundo por levar nossas vidas a obedecer o Seu senhorio. Em segundo lugar, por levar nossas vidas a obedecer ao domínio Dele. Quando permitimos que Deus nos vista com o manto da justiça Dele, Ele é glorificado. Quando abrimos os nossos corações e recebemos o Filho Dele, Ele é glorificado. Quando o Espírito Dele reside em nossas vidas, Ele é glorificado. Quando nós chamamos a Jesus de “Senhor,” Ele é glorificado. Mas aí há uma segunda consequência. Tendo recebido o Senhor, nós temos que responder ao Seu senhorio.

O versículo chave que eu quero que você entenda – que é 1 Coríntios 10:31 – diz isto, qualquer coisa que você faça, “quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.” Assim, você confessou Jesus como Senhor para a glória de Deus. Agora, qualquer coisa que faça, quer seja comer ou beber, ou qualquer coisa – aliás, comer e beber é simplesmente simbólico do mais básico, funções simples da vida. Até algo tão mínimo, tão rotineiro, tão corriqueiro, tão comum, tão constante como comer e beber deveria ter o foco na glória de Deus. E então isso realmente nos dá uma base para voltar e fazer algumas mensagens em como comer para a glória de Deus e como beber para a glória de Deus, porque começa até nas mínimas coisas da vida, as coisas rotineiras, e começa daí. Não importa o que você faça, faça tudo para a glória de Deus. A ideia, depois, é que aquilo se torna uma atitude sutil; não importa o que eu faça é para a glória de Deus que meu foco se dirige.

Agora certamente esta é a forma que Jesus viveu. Em João 8:50, Jesus diz isto. “Eu não procuro a minha própria glória; há quem a busque e julgue.” De volta no versículo 49, “honro meu Pai.” Jesus disse, “estou aqui por uma razão: não minha glória, mas a glória Dele.” É disso que realmente estamos falando. Você irá focar na glória Dele quando aquilo se tornar o elemento penetrante na sua vida.

Agora, o que um hipócrita procura fazer? O que homens procuram fazer? Ah, eles procuram roubar a glória de Deus e no seu lugar colocar a sua própria. Mateus 6:1, para ilustrar, nós encontramos o Senhor dizendo, “Guardai-vos de exercer a vossa justiça diante dos homens” isto é, a sua doação “com o fim de serdes vistos por eles; doutra sorte, não tereis galardão junto de vosso Pai celeste.” Em outras palavras, se você está tentando realizar para que todo mundo possa pensar que você é espiritual, você não será recompensado.

“Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas” veja isto “para serem glorificados pelos homens.”

O que sempre está no caminho da glorificação a Deus é procurarmos glória de homens. Isso é o que lemos, não é mesmo?, no Antigo Testamento, onde Jeremias diz, “Não seja orgulhoso, dê glória para Deus.” Então, se eu tenho que conduzir minha vida nisto, se eu vou me submeter em obediência ao domínio de Cristo, haverá uma atitude de humildade. Haverá morte do orgulho. Devemos estar cientes da glória própria. Devemos sempre nos conduzir somente na glória de Deus.

Agora, o que isso quer dizer? Dizer que eu me submeto em obediência ao senhorio Dele, dizer que eu conduzo minha vida naquilo, dizer que quer eu coma ou beba, ou faça qualquer outra coisa, eu faço tudo para a glória de Deus, exatamente o que isso quer dizer? Bom, deixe-me dizer desta maneira, e eu darei a vocês alguns sub-pontos aqui. Primeiramente, isso quer dizer que você dará glória a Deus não importa o que isso custe, não importa o que isso custe. Agora essa é uma afirmação meio pesada, mas a essência do que se quer dizer submeter ao senhorio Dele, para conduzir sua vida na glória Dele. Você irá glorificá-Lo não importa o que isso custe.

Em João 12:27, Jesus disse isto, “Agora, está angustiada a minha alma, e que direi eu? Pai, salva-me desta hora? Mas, precisamente com este propósito vim para esta hora.” Qual deve ser a Minha oração enquanto eu antecipo a cruz? “Deus, me tira desta?” Essa é a hora pela qual eu vim. “Pai, glorifica o teu nome. Então, veio uma voz do céu: Eu já o glorifiquei e ainda o glorificarei..” “Deus,” ele diz, “humanamente, eu gostaria de sair desta. Esse é um tremendo preço a pagar: dor, angustia, comportamento pecaminoso. Mas Pai, glorifica Teu nome não importa o que me custe.” Vê? Agora isso é o que quer dizer.

Enquanto você aprende a viver sua vida, disposto a fazer a vontade de Deus a qualquer preço, disposto a glorificá-lo não importa o preço, você estará cumprindo o segundo maior princípio de crescimento espiritual, a segunda melhor chave. Você estará abrindo a área de obediência para o Seu senhorio.

Deixe-me lhe dar uma outra ilustração enquanto você vai para o fim do livro de João, João capitulo 21. E aqui nós vamos para esta situação com o apostolo Pedro. Nós estaremos voltando para este mesmo incidente em nossa história porque ilustra muitas verdades de crescimento espiritual. Pedro foi marcado por Deus desde antes da fundação do mundo para funções muito importantes. Pedro é a chave para os primeiros 12 capítulos do livro de Atos. Ele é a chave na pregação apostólica da cruz enquanto a igreja nasce em Jerusalém e se move pelo mundo. Ele é um líder dinâmico e capacitado. Então é muito importante que ele seja firme, bem fundamentado, colocado no lugar para a tarefa para a qual Deus o chamou.

Mas infelizmente, Pedro é um pouco esquisito para colocar isso em um termo contemporâneo, e é muito difícil para Pedro fazer um compromisso. Ele tem todos os tipos de palavreados. Ele simplesmente não se encaixa aqui. Todas as vezes que lhe foi dado um teste, ele fracassou. Se ele fosse um aluno do seminário, ele teria desistido há muito tempo. E mesmo assim o Senhor sabe que esse é um homem com muita necessidade. E mesmo Ele tendo ajudado Pedro no passado, Ele sai do Seu caminho para mostrar o poder Dele, andando sobre as águas, alimentando os 5.000, ele estava lá na transfiguração, ele ouviu a grande confissão, e realmente saiu da boca dele, mas do coração de Deus, “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Pedro esteve em algumas aventuras tremendas com Cristo, onde ele viu exibições do poder até mesmo no jardim quando os soldados vieram, quando Jesus falou e todos caíram como dominó. Ou seja, Pedro viu algumas coisas incríveis. Ficou suficientemente maravilhado, ele até viu a Cristo ressuscitado no cenáculo, e nesse momento de João 21, teve uma audiência pessoal com Cristo ressuscitado.

E ainda assim, depois de tudo isso, ele ainda está esquisito, ele ainda – eu acho que ele se sentiu inadequado. Eu penso que ele olhou para ele mesmo e disse, “Pedro, toda vez que foi lhe dado um teste, você estragou. Quem diz que você vai passar agora?” E Jesus disse para ele, “Pedro, você vai para Galileia e vai para uma montanha e espere.”

Bom, Pedro está lá no capítulo 21, mas ele está pegando uma túnica que coça, e ele não conseguirá sentar-se ao lado daquele monte por muito tempo. Ele era meio que um sujeito hiperativo para começar, e é meio complicado ficar apenas sentado e esperando. Ele ficou esperando, e esperando, e esperando, e Cristo não aparecia, e então ele diz no versículo 3, “Eu vou pescar. Eu vou voltar ao que eu fazia. Eu nunca acreditei em mim mesmo neste ministério mesmo. Eu bombei toda vez que tive a oportunidade. Há uma coisa que eu consigo fazer, e é pescar, e estou voltando.” E ele era o líder, claro, e então todos os outros seis sujeitos como um monte de patinhos de plásticos vieram e falaram, “Nós estamos indo também.” Então eles desceram e entraram no barco. Pedro era o líder. Essa é a questão. Deus queria usá-lo.

O que aconteceu no versículo 3, “Eles entraram no barco,” é o que diz no grego, o que indica que eles foram e subiram o barco de Pedro. Ele estava voltando para sua profissão antiga e todos eles estavam indo com ele. Eles eram todos seus amigos de pesca. Mas se havia uma coisa que eles não podiam fazer era pescar, porque o Senhor tinha reencaminhado todos os peixes do Mar da Galileia para que eles não os pegassem para ter o Seu ponto de vista.

Assim, eles pescaram a noite toda e não pegaram nada. O Senhor apareceu pela manhã. Ele teve uma confrontação com Pedro, tinha constatado seu amor – e iremos voltar a esse texto depois. E então quando Pedro disse a Ele três vezes que O amava, Ele volta com isto no verso 18, “Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias.” Agora pare por um instante.

“Pedro, você basicamente teve tudo do seu jeito. Você tomava as decisões, colocava seu próprio cinto, e ia onde você queria ir.” “cingir-se” era a ilustração de preparação para uma jornada. Quando você queria fazer o que você queria fazer, você fazia. “porém, quando fores velho, - ” isso vai mudar, “estenderás as mãos.” E essa mesma frase é usada na literatura extra-bíblica para falar sobre uma crucificação. Você “estenderá as mãos e outro te cingirá, e te levará para onde tu não queres.” Versículo 19, veja isso agora, “Disse isto para significar com que gênero de morte Pedro” e aqui vem, “havia de glorificar a Deus.”

Agora note isso. Pedro chegaria a um ponto de sua vida onde ele glorificaria a Deus morrendo. Como? Porque ele estaria disposto a pagar qualquer preço, a ter que negar a vontade de Deus, ainda que diante da morte. Agora isso era novidade para Pedro, porque todas as outras vezes que ele se deparou com a morte, ele renegou em seu testemunho. Em certa ocasião, quando o confrontaram com o fato de que ele era um seguidor de Jesus Cristo, ele amaldiçoou, tomou o nome de Deus em vão e jurou que não era, e fez um juramento que nunca cumpriu. Então você vê, isso é novidade para Pedro. Mas o que o Senhor está dizendo é, “Pedro, virá um dia quando você irá morrer por mim, e ao morrendo, me glorificará.” Por que? “Porque essa será minha vontade, e você ficará contente em morrer por minha causa.”

Assim foi com Paulo, “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro”. “Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos.” Qual a diferença? Eu sou do Senhor. Você vê, para conduzir minha vida em direção à glória de Deus, agora que sou cristão, devo focar em fazer qualquer coisa, quer seja comer ou beber, para a glória de Deus, significa que se tiver de morrer por causa Dele, que seja assim, que seja assim.

Eu penso na tremenda história dos missionários por toda história da missões cristãs, história após história após história, tornando-se um grande composto histórico de pessoas dispostas a morrer por Cristo. Eu penso em Hebreus capítulo 11, os heróis da fé que estão listados que morreram na grande antecipação de glória e ressureição, de quem o mundo não era digno. Não havia preço tão alto para eles. Eu penso em Latimer e Ridley, que foram queimados na estaca pela fé deles, entoando cânticos a Jesus Cristo. Eu penso em Savonarola, o grande pregador na Itália, que pregou o evangelho de Jesus Cristo, e o sistema o tomou e o queimou na estaca. Diversas e diversas vezes por toda história houve aqueles que estavam dispostos a fazer tudo pela causa de Cristo.

E eu sempre volto na história de John Paton, aquele grande missionário foi para Novas Hébridas. Ele se formou e foi enviado para as Novas Hébridas com sua esposa, e havia somente canibais ali. E eles desembarcaram naquele pequeno lugar, naquele pequeno – tiveram que remar num bote, porque o barco foi embora, sequer chegando à costa. E eles remaram para a costa, não falavam a língua, não conheciam ninguém. Tudo o que sabiam é que pessoas que foram lá nunca voltaram. Eles tinham se tornado o almoço de alguém. E então eles foram para a costa. É bem difícil, sabe, chegar à costa de um lugar habitado por canibais cuja língua você não fala, e descobrir por onde começar, não é mesmo? Ou seja, você não coloca pequenas placas que dizem, “Escola Bíblica Dominical, Domingo as 9:30. Damos boas-vindas a todos.” Não é exatamente assim que se faz.

O que você faz? Você não sabe a língua, não conhece as pessoas, e o risco de vida paira sobre a sua cabeça. Lembro-me, lendo um livro em particular, algo dessa história. Mais tarde o chefe da tribo da área foi salvo e dirigiu-se a John Paton. E disse a ele, “Sr. Paton, eu quero fazer uma pergunta,” ele disse, “quem era o exercito que guardava o seu lugar de moradia toda noite e protegia vocês?” Os anjos de Deus aparentemente até se tornaram manifestos naquela hora de proteção.

Mas Paton permaneceu ali. Depois de algumas semanas a sua esposa deu à luz um bebê. O bebê morreu. Alguns dias depois, ela morreu. Ele dormiu na sepultura deles por três ou quatro noites para impedir os nativos de desenterrá-los e comê-los. Ele ficou lá sozinho, e ele ficou lá por 35 anos. Ele diz em sua própria biografia que no final daqueles 35 anos, “eu não conheço um nativo que não tenha feito uma profissão de fé em Jesus Cristo”. Ele foi para lá com grandes expectativas. A única coisa que ele realmente amava no mundo era sua esposa, e depois o querido bebê. Ele teve que dormir na sepultura deles e ficou só, mas Deus o usou porque ele estava contente em fazer a vontade de Deus, não importava o que lhe custasse. E é isso que quer dizer conduzir sua vida nos Seus propósitos.

Se você está mapeando sua própria rota; e se você está dizendo, “Senhor, aqui está o que eu farei e aqui está o que eu não farei,” se você está dizendo, “Senhor, já tenho tudo rascunhado aqui,” se você não está disposto a pagar o preço, humildemente, de ser difamado e desonrado pelo mundo, se você não está disposto a pagar o preço de ter menos posses nesta vida, então talvez você nunca saberá o que é estar contente com a vontade Dele a qualquer preço, e talvez você nunca saberá realmente o que é crescer espiritualmente porque você não está visando a glória Dele. É quando você está consumido com a glória Dele e não com seu próprio conforto, nem com suas próprias facilidades, nem com seus próprios planos, e sua vontade.

Assim se eu, então, mirar minha vida na Sua glória, não importa o que seja, desde comer e beber ou até morrer, significa que eu devo estar satisfeito com essa vontade, não importa o que me custe. Em segundo lugar, se eu conduzir minha vida em direção à Sua glória, significa que Sua glória se torna tão consumidora que eu me firo quando Ele é desonrado, e esse é um conceito muito importante.

Eu posso, geralmente, dizer quando alguém está conduzindo sua vida na direção da glória de Deus, pela maneira como reagem quando Deus está sendo desonrado. Por exemplo, Davi no Salmo 69:9 olhou para o templo, e viu a adoração de Israel, e seu coração quebrantou. Ele disse isto. “Pois o zelo da tua casa me consumiu.” Em outras palavras, Davi disse, “Eu tenho um amor tremendo por Ti, e um ódio tremendo pelo que Te desonra, eu me preocupo com o Teu templo, a Tua presença, e Tua adoração, então isso literalmente me enche de lágrimas.” E, assim, no restante do versículo ele fala isto, “e as injúrias dos que te ultrajam caem sobre mim.” Em outras palavras, “Quando você é desonrado, eu sou machucado.”

Agora, vou dizer a você, eu entendo isso um pouco como pai. Você machuca meu filho, você me machuca. Você machuca minha esposa, você me machuca. Você machuca alguém que eu amo, você me machuca. Eu chorei mais em vida por coisas que aconteceram com outras pessoas com quem eu me importo, do que eu tenho chorado por coisas que aconteceram comigo. É muito mais fácil eu chorar com alguém cujo coração foi quebrantado, por quem me importo. E isso é porque me identifico com eles em amor. E quando você se identifica com Deus, as coisas que quebram seu coração não serão as coisas que acontecem com você, mas as coisas que desonram a Deus. E esse é o tipo de mentalidade que realmente está dizendo, “eu estou tão focado na glória de Deus, que o que quebra o coração Dele, quebra o meu.” Você vive sua vida desta maneira? Isso é mirar na glória de Deus. Isso é mirar na glória de Deus.

Número um, você não se importa o quanto custe; número dois, você é consumido com coisas que afetam a Ele. Você sabe qual uma das grandes declarações feitas no livro de Apocalipse que é facilmente esquecida? Está no capítulo 2 em referência a igreja em Éfeso. É uma pequena palavra, mas é muito, muito importante. Da igreja de Éfeso era dito, “tu não podes suportar os que são maus.” Essa foi uma das grandes características daquela igreja. Eles não conseguiam tolerar pessoas que eram más. Porque? Porque eles sabiam que o mal imiscuía diante da santidade de Deus e de Sua vontade.

Fico impressionado como poucos cristãos entendem isso. Fico impressionado como quantos cristãos são consumidos por sua própria vontade, tão consumidos com seu próprio conforto, tão absorvidos em seus próprios problemas, que na verdade não sentem a dor quando Deus é desonrado, este é o foco errado. Mas de vez em quando, alguém entende a mensagem, e é emocionante.

Eu lembro uma jovem que veio para Califórnia alguns anos atrás. Ela veio para cá para morar com um rapaz estudante da Universidade da Califórnia em Los Angeles. Ela não era cristã. Ele não era cristão, óbvio. Eles estavam morando juntos. Ela era uma aluna do ensino médio. Depois de um tempo ele decidiu colocá-la para fora. Ela era de uma pequena cidade em West Virginia, e ele estava cansado dela e então como um trapo velho, usado, ele a jogou de lado. Ela vagueou um pouco e tentou tirar sua vida, e tinha se cortado várias vezes em vários lugares nas suas mãos e braços com lâmina de barbear, e sangrava. E de um jeito ou de outro sempre era poupada da morte. Nos deparamos com essa garota, e tivemos a oportunidade de levá-la a Cristo.

Eu nunca esquecerei daquele momento, minha irmã e eu, conversando com ela, e ela abriu seu coração para Cristo. Ela disse, “Minha vida está mudada e eu quero voltar para minha pequena cidade. Eu quero falar para minha mãe sobre Cristo, e quero falar para os meus amigos sobre Cristo, e eu quero acertar a minha vida.” E disse a ela, eu disse, “Bem, há uma igreja lá que você possa ir? Há alguém que possa discipular você?” Ela disse, “Não. Eu não sei de uma igreja em nossa pequena cidade, a não ser a igreja católica.” E ela disse, “eu realmente não sei de nenhum outro cristão lá, mas eu vou voltar.”

E eu dei a ela uma Bíblia, você sabe, com que grande temor eu a deixei com o Espirito Santo, certo? Ter certeza de que Ele poderia fazer o trabalho sem eu. Então, ela foi embora. E eu orei por ela. E ela decidiu ingressar num ensino médio católico, porque ela sabia que se voltasse para sua antiga escola, ela teria sua reputação acabada e cairia do mesmo jeito. Assim, ela queria conhecer algumas pessoas novas. E então, depois de ter ido embora por três a quatro meses, ela me escreveu uma carta. E enquanto eu lia a carta eu fiquei profundamente preocupado com o que ela falava, temoroso de que ela possivelmente tivesse desviado e estava escrevendo para pedir algum conselho em meio a uma situação terrível.

Mas isto foi o que eu li. “Espero que tudo esteja bem com você. Eu realmente, realmente comecei compreender as coisas na Bíblia. Lendo o Antigo Testamento, fui capaz de ver como Deus merece muito mais reconhecimento do que Ele está tendo. Posso ver o quanto Ele deu às pessoas tantas chances e como elas ainda continuam a partir o coração Dele adorando ídolos e pecando. Deus queria que o mundo pertencesse a Ele. Deus também queria que Israel sacrificasse cordeiros, bodes e bois, e coisas assim como uma expiação para Ele pelos pecados. Ele é Deus, apesar de tudo, e Ele tinha que ter algum pagamento pelos terríveis pecados dos homens.”

Deixe-me dizer neste ponto que ela não tinha nenhuma fita ou livro de estudos que eu soubesse. Isto foi apenas a leitura dela na Escritura. Ela diz mais para frente, “Pensar que Deus verdadeiramente falava e estava na presença visível destas pessoas, e mesmo assim eles continuavam reclamando e pecando. Veja, eu posso quase sentir a tristeza insuportável que Deus sente quando alguém O rejeita e não O glorifica.” Que visão maravilhosa para um novo crente. “Ele é Deus,” ela disse. “Ele nos fez. Ele nos deu tudo. Nós continuamos a duvidar e rejeitá-Lo. É horrível. Quando eu penso como eu O machuco, eu espero que possa consertar aquilo que eu fiz.”

É incrível, não é, que alguém tão novo na fé entendeu a ideia toda de viver para a glória de Deus, que você se machuca quando Deus é desonrado. Agora ouça, eu glorifico Deus por confessar Jesus como Senhor, e então eu glorifico Deus por submeter a minha vontade a este senhorio, não importa o que me custe, e então sinto a dor que Deus sente.

Há um terceiro elemento deste segundo ponto que é isto. Você aponta a sua vida para a glória de Deus – veja isso – quando você fica contente em ser superado por outros. Segure nisto aqui. Você sempre pode notar alguém que está realmente vivendo para a glória de Deus porque eles estão satisfeitos em ser superados por alguém que faz exatamente o que eles fazem, melhor. Isso é difícil.

Sabe, alguém disse que quando Satanás caiu ele caiu no coral. Agora eu não sei se isso é verdade, mas, você sabe, vez por outra quando você entra no coral, todo mundo quer cantar solos. E quando alguém não canta um solo, aí todo mundo começa a reclamar, vê? “Eu nunca canto o solo.” Eles não estão preocupados em Deus ser glorificado. Eles estão preocupados em eles serem ouvidos. Eu sei de um pastor que tem tanta gente incomodando-o para cantar solos que uma vez por ano em um domingo à noite ele tem a noite do solo. E todo mundo que quer cantar escolhe uma estrofe e desfilam pela plataforma, cantam a estrofe deles e vem o próximo. Ele resolve tudo em uma noite.

Agora isso não é apenas verdade no coral, não é somente verdade com as pessoas no banco da igreja, também é verdade quanto às pessoas no púlpito. Eu lembro dois pastores tendo uma competição para ver quem conseguiria ter mais pessoas na Escola Dominical, e o que perdeu ficou doente e vomitou. Ele não queria perder para um outro pastor.

A inveja é um fator na vida cristã. Você sabe porquê? Porque nós estamos mais preocupados com quem tem o crédito do que em Deus ser glorificado. Quando você se alegra porque alguém faz algo para o Senhor melhor do que você, então você está visando a glória de Deus. Quando você se alegra quando alguém prega melhor, quando alguém ensina melhor, quando alguém consegue fazer qualquer coisa que você consiga fazer, e fazer com uma benção maior, uma resposta melhor, então você está mirando para a glória de Deus.

Deixe-me lhe dar uma ilustração disso que eu penso que é muito, muito, maravilhosa. Está em Filipenses, capítulo 1, Filipenses, capítulo 1. E isto é uma tremenda verdade, ilustrada na vida de um homem maravilhoso que nós todos conhecemos e amamos, o apóstolo Paulo.

Agora, para colocar você a par do contexto deixe-me relembrar você disto. Enquanto Paulo escrevia aos Filipenses, é bem provável que ele fosse um prisioneiro. Mas foi nesse tipo de cenário que o apóstolo Paulo realmente estava vindo para o fim da sua linha. Ou seja, ele viveu todos os anos de glória, as grandes aventuras na expansão da igreja na Ásia Menor e na Grécia, e a admirável pregação em Atenas no Areópago, as grandes realizações em Corinto, a bênção de Tessalônica, a tremenda alegria dos Bereanos que buscavam nas Escrituras, todas as aventuras de voltar para Jerusalém, e viajando de novo o Mediterrâneo, o naufrágio, as vitórias, e todas as coisas que ocorreram em sua vida. Este homem está resumindo uma grande vida, mas ele está na prateleira. Ou seja, ele teve uma tremenda influência como nenhum homem que viveu naquela época no mundo gentio. Ele era o herói de todo mundo.

Aliás, quando ele pregou um sermão, ele poderia pregar a noite inteira, se ele quisesse, e eles amariam. Um jovem caiu da janela e morreu e eles simplesmente foram para andar debaixo, ressuscitaram ele dos mortos, voltaram para o andar de cima e pregou o resto do sermão. Eu lembrei alguém certa vez, você sabe, que Paulo pregava a noite toda até mesmo quando pessoas, sabe, morriam, ele continuava pregando. E disseram para mim, “Bom, quando você conseguir ressuscitá-los dos mortos você pode continuar, também.”

Mas de qualquer forma, Paulo era tão amado por todo mundo que eles o ouviam. E quando Paulo foi à cidade, eles o acolheram. Quando ele deixou a cidade, Atos 20, os anciãos Efésios se penduraram todos no pescoço dele e o beijaram e choravam porque eles não veriam sua face novamente, e eles o amavam tanto.

Agora vou lhes dizer algo. Sabe, viver no mundo daquele tipo de aceitação, viver no mundo daquele tipo de afeição, viver debaixo daquele tipo de amor seria uma experiência tremenda, não seria? Tremenda. Para ser tão amado, para ser tão aceito, para ter todo mundo apaixonado por você e mandando presentes de amor, tais como os filipenses demonstraram por ele. Ah, ele era amado. Mas você sabe o que estava acontecendo? Ele estava indo para a prateleira agora e uma nova geração de pregadores jovens estava vindo atrás dele. E, pessoal, eles estavam capturando a imaginação das pessoas, e eles tinham pequenos nuances, e novas maneiras. Eles tinham aprendido tudo do melhor que Paulo tinha e talvez avançado um pouco em técnica. E você sabe, eles eram os alvos certos de uma nova era, e eles estavam se movendo atrás de Paulo.

E agora Paulo é um prisioneiro. Ele não pode se mexer. Ele perdeu a mobilidade. E estas pessoas estavam atraindo a atenção do público, as pessoas estavam começando a apaixonar-se por eles, e eles esqueceram daqueles antigos que tinha passado, os apóstolos e, e Paulo. Essas são memórias.

Sabe, eu frequentemente encontro um homem idoso assim. Eu lembro ter encontrado um velho homem de Deus no Centro Oeste, e ele tinha 96. Ele não era capaz de pregar por uns 15 anos, mas ele pregou da época em que ele tinha vinte até quando ele teve 81. E ele se sentou na congregação com sua Bíblia velha e me ouviu pregar. E ele meio que tremia e os dentes não funcionavam tão bem. Eles batiam bastante, mas eu não sei se eles mastigavam bem. E ninguém nem sabia quem ele era, e ele era bem obscuro, um terno velho preto e uma gravata de corda, e ele se impressionava sobre todos os dias gloriosos e todos os grandes anos quando ele era uma espada brilhante na utilidade do Senhor.

Bom, Paulo estava meio que na prateleira por um tempo da sua vida. E não seria muito tempo depois que sua cabeça fosse colocada em um bloco, e um machado refletiria ao sol, e a separaria do corpo, e seria o fim dele neste mundo. E logo atrás dele estavam vindo estes jovens. E como os jovens são propensos a realizar, a encontrar seus próprios lugares no sol, eles invariavelmente criticam a geração anterior à deles. Bom, sabe, aquele pessoal da antiga realmente não tinha isso. Não conseguiam. Não sabiam lidar com as coisas. E eles diziam coisas como, “Bom, você vê, Paulo é um prisioneiro porque, você sabe, o Senhor meio que arquivou ele. Ou seja, ele não era contemporâneo. Ele pode ter desperdiçado a vida dele. Nós não sabemos de todas as coisas que aconteceram. Há uma razão do Senhor ter deixado ele de fora, assim.”

E então Paulo diz a respeito deles, no versículo 14, “e a maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais desassombro a palavra de Deus.” Algumas pessoas, sabe, agora que veem que sou um prisioneiro, têm se tornado mais ousadas. Elas dizem, “Se Paulo pode ser prisioneiro por Cristo, nós também podemos. Ele é o nosso modelo. Ele é o nosso exemplo.” Em outras palavras, alguns ainda estão me seguindo. Alguns ainda acreditam em mim. E rapaz, eles estão se tornando ousados, mesmo eu sendo prisioneiro.

Mas “alguns – ” versículo 15 “ – pregam a Cristo até por inveja e contenda.” O que você quer dizer Paulo? Bom, alguns estão aí fora pregando a Cristo, mas somente por inveja. Em outras palavras, são invejosos do que Deus tem feito em minha vida. Invejam minha reputação. São invejosos por meu lugar na igreja. São invejosos pelo amor que eu tenho. Então eles criam contenda no Corpo com a inveja deles. Versículo 16, “Estes por amor, sabendo que fui posto para a defesa do evangelho.”

Não basta que seja um prisioneiro, mas eles estão dando tiros em mim, estão me machucando em dobro. Você consegue imaginar isso? Você consegue imaginar um jovem vindo e dando tiros no apóstolo Paulo? Eu consigo. É fácil para um jovem. É fácil pensar que o sol levanta e se põe em você, e a geração passada desapareceu, o que eles sabem? Por isso que Deus levanta os mais velhos. Por isso que Deus fala sobre idosos, porque há algo que eles sabem que os jovens precisam muito aprender. Eles não têm todas as respostas. Quanto mais eu vivo, menos respostas eu tenho com certeza, e tanto mais eu olho para sabedoria do mais velho.

Mas eles estavam pregando Cristo e batendo em Paulo. Mas qual era a atitude dele? Eu amo isto. Versículo 18, “Todavia, que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer modo, está sendo pregado” Eu não me importo como eles pregam, “quer por pretexto, quer por verdade, também com isto me regozijo, sim, sempre me regozijarei.” Em outras palavras, o que Paulo está dizendo é, “Olha, se Cristo é pregado, quem se importa o que falam sobre mim?” Isso não é maravilhoso?

Vou lhe dizer uma coisa, pessoal. Isso é um nível de maturidade espiritual. Quando você confessa Jesus como Senhor, esse é o começo. Quando você se dobra ao senhorio Dele, a ponto de você estar satisfeito em oferecer a Ele a glória, não importa o que custe, quando você começa a sentir as coisas que desonram a Ele, e quando você não está se importando em ser desonrado se Ele é honrado, você está apontando sua vida para a glória Dele e você está se movendo em direção à maturidade.

Agora é aqui que tem que começar, com uma vida de submissão obediente a Cristo. Posso convidá-lo a olhar comigo em 1 Pedro por um momento? E talvez possamos resumir isto junto em 1 Pedro 4:14, 1 Pedro 4:14. Apenas ouça este maravilhoso pensamento. E lembre que Pedro está escrevendo para alguns crentes que estão realmente passando por isso. Ou seja, eles estão sendo perseguidos. Eles estão sendo tentados na fé deles. É difícil suportar o que eles estão suportando. Eles estão sofrendo. Eles estão sendo confrontados por pessoas que querem ter respostas sobre o que eles creem.

Versículo 14, “Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois.” Agora espere um minuto. A maioria dos cristãos não iria experimentar essa felicidade. A maioria das pessoas se fossem injuriadas por causa do nome de Cristo, ficariam iradas, reacionárias, retaliativas, vingativas. “Você não consegue fazer isso em mim.” Eu já vi pessoas no trabalho serem injuriadas por causa do nome de Cristo. Eu já vi atletas em times profissionais serem zombados por causa nome de Cristo. Posso dizer, “Sou feliz, sou feliz”?

Isso é o que Pedro diz. Você deveria ser feliz. É uma bênção especial. Isso quer dizer que Cristo é visível o suficiente para você ser zombado por causa dEle. Veja o que ele diz, “sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus.” Em outras palavras, se você está vivendo a sua vida em obediência à Sua vontade a ponto de o mundo não conseguir tolerar o seu estilo de vida, então acredite, o Espírito de glória é evidente em sua vida. Você obviamente está vivendo para a glória de Deus. Isso não é maravilhoso?

Agora se o mundo pode envolver você e você se deixa levar pelo sistema, você não está visando a glória Dele. Você não está progredindo. “quanto a eles, - ” versículo 14, Cristo “ – é blasfemado, mas quanto a vós é – ” o que? “ – glorificado.” Você sabe, ele diz, “Quando você é injuriado, eles podem falar mal. Esta é a visão deles. A visão Dele é de Ele sendo glorificado.”

E sabe de uma coisa? Isso não é ilustrado melhor em lugar algum senão na cruz. Enquanto parecia que o inferno estava tendo um carnaval, e Jesus estava sangrando, e zombavam, cuspindo, e reprovando, Deus estava sendo glorificado. Porque Jesus mesmo orou, “glorifica-me, ó Pai.” E Ele estava antecipando a cruz como parte dessa glória. Em João 13 Ele diz, “Eu serei glorificado,” e Ele estava apontando para a cruz.

Mas, o versículo 15 diz – isto é muito importante – 1 Pedro 4:15, “Não sofra, porém, nenhum de vós como assassino, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se intromete em negócios de outrem.” Que absurdo, como é que uma pessoa intrometida entrou ali com um homicida, um ladrão e um malfeitor? Mas o que ele está dizendo é, “Olha, se você vai sofrer – ” versículo 16 “ – sofra como um cristão, não se envergonhe disso, antes glorifique a Deus com esse nome.” Você deve ficar feliz em sofrer junto com Ele, para suportar a reprovação de Cristo.

Pessoal, ouça. É tão simples, e vou diminuir o ritmo enquanto concluímos. Se eu quiser crescer espiritualmente - e se eu não quero crescer espiritualmente há uma boa questão de se saber se sou realmente salvo. Porque eu penso como uma das características da vida é que ela reproduz, amadurece, progride. Se eu confessei a Jesus como Senhor, sou redimido, sou nascido de novo, e sou espiritualmente vivo, eu quero crescer além desse ponto. Então eu miro minha vida neste crescimento. Eu foco naquele crescimento do ponto de vista não de como eu estou crescendo, mas como Deus está sendo glorificado? E quando eu estiver contente em ser superado pelos outros para a glória Dele, quando eu estiver contente em suportar as Suas próprias ansiedades e injúrias, quando eu estiver contente em sofrer, não importa o que o custe, estarei vivendo para Sua glória.

E o resumo do que isso significa é muito simples. Significa que você estará vivendo acima do sistema. Você não consegue crescer espiritualmente e confortavelmente no mundo. Isso não tem como acontecer. Agora, eu não quero dizer com isso que você tem que ser algum tipo de pessoa obtusa que não se encaixa em nada. Eu não quero dizer que você tem que ser menos cativante. Não quero dizer que você tem que ser desagradável. Mas o que eu quero dizer é que se você vive uma vida em Cristo, você suportará a censura de Cristo.

Agora, ouça, nós vivemos em um tempo quando todo mundo quer tonar o cristianismo fácil. A Bíblia sempre quer torná-lo difícil. Nós vivemos dias em que todo mundo quer tornar os cristãos amáveis. Deus quer tornar os cristãos reprováveis. Por que? Porque eles são confrontadores, porque ele cruzam o sistema, porque eles lutam com o sistema, eles antagonizam o sistema. Você vê, o cristianismo tem que ser tão distinto que aponte os pecados antes de trazer a solução. Por isso não queremos graça barata, crença fácil, ame Jesus e você estará bem. Nós queremos confrontar um mundo maligno, e aí há uma reprovação a suportar.

Um escritor disse belamente, e eu encerro nosso estudo com isto. Ele disse, “Deixe minha vela apagar, se isso fizer que o Filho da Justiça cresça, com cura em Sua luz.” Vamos orar.

Nosso pai, ao compartilharmos novamente estas grandes verdades de viver para Tua glória, entendemos que o foco do crescimento espiritual deve ser colocado exatamente nesta área. Pai, que possamos entender que não há nenhuma fórmula mágica para o crescimento espiritual, não há nenhum segredo, não é alguma coisa instantânea, não é um zap divino. Mas, crescimento espiritual é um processo de focar em Tua glória até que alcancemos a Tua semelhança. Tudo começa quando vamos a Cristo e nos submetemos ao senhorio em obediência, não importa o que isto nos custe.

Nossa oração, Pai, é para que possamos começar ali. E então mover-nos, Senhor, enquanto colocamos nossas mãos cada vez mais nas chaves para o crescimento espiritual para destravar o que o Senhor tem para nós na maturidade em Cristo, te louvamos no nome Dele. Amém..

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize