Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Uma das apresentações mais poderosas e maravilhosas do cordeiro digno, o Filho de Deus, é dada em Apocalipse, capítulo 1. E ao chegarmos para o estudo da Palavra de Deus, nesta manhã, eu gostaria de convidá-lo a abrir a sua Bíblia em Apocalipse, capítulo 1; e quero compartilhar com vocês a primeira visão do Senhor Jesus Cristo dada nesta grande revelação. Começando em Apocalipse, capítulo 1, versículo 9, lemos:

"Eu, João, irmão vosso e companheiro na tribulação, no reino e na perseverança, em Jesus, achei-me na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus e do testemunho de Jesus. Achei-me em espírito, no dia do Senhor, e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta, dizendo: O que vês escreve em livro e manda às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. Voltei-me para ver quem falava comigo e, voltado, vi sete candeeiros de ouro e, no meio dos candeeiros, um semelhante a filho de homem, com vestes talares e cingido, à altura do peito, com uma cinta de ouro. A sua cabeça e cabelos eram brancos como alva lã, como neve; os olhos, como chama de fogo; os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas. Tinha na mão direita sete estrelas, e da boca saía-lhe uma afiada espada de dois gumes. O seu rosto brilhava como o sol na sua força."

João tem uma visão incrível; e o que ele vê não é outro senão o Senhor Jesus Cristo, o Alfa e o Omega; e ele vê Cristo, nesta visão, que se desloca entre sete candeeiros de ouro. Eles representam as sete igrejas no versículo 11. As sete estrelas na mão, de acordo com o versículo 20, são os sete ministros dessas igrejas. Então, o que você vê aqui? Você vê Cristo se movendo entre as suas igrejas. E as sete igrejas da Ásia menor listadas aqui, para o qual as cartas são escritas nos capítulos 2 e 3, são representativas de todos os tipos de igrejas em toda a história da igreja. E aqui você tem uma imagem do senhor movendo-se entre as suas igrejas, movendo-se entre seu povo, cuidando da igreja, que ele comprou com seu próprio sangue precioso; e isso não mudou.

Creio que o Senhor está tão vivo e ativo em sua igreja hoje como ele estava então; e a visão que João tem não é apenas uma visão para aquele lugar e para aquela época, mas uma visão de todos os tempos da igreja. Que Cristo está sempre vivo e se movendo em sua igreja; e você nota no versículo 13, que ele está vestido até os pés, cingindo-se com um cinturão de ouro. Se você olhar atentamente para isso, você verá que isso poderia ser o traje de um profeta. Poderia ser o traje de um sacerdote. Poderia ser a vestimenta de um rei. E isso não é apropriado que ele, de fato, seja rei, Profeta e sacerdote? Movendo-se em sua igreja, como o soberano, movendo-se em sua igreja, como aquele que fala de Deus, e que leva as pessoas a Deus. No versículo 14, consideramos a cabeça e o cabelo branco como a lã, tão branco como a neve, indicando sua santidade pura absoluta e total. E então o Santo filho de Deus, rei perfeito, sacerdote, profeta, move-se em sua igreja. E como ele se move na sua igreja, ele diz no versículo 14, "seus olhos eram como uma labareda de fogo." É um olhar penetrante. Enquanto Ele se move na igreja, os olhos dele estão procurando seus pontos fortes e fracos. Seus olhos são penetrantes por trás o que aparece na superfície para afirmar e verificar o que realmente está acontecendo.

Ah, que coisa maravilhosa é saber que Cristo está vivo em sua igreja; que este não é nosso trabalho, é trabalho Dele. Que não é determinado pela nossa inteligência ou deixado para que nossos dispositivos descubram o que está sendo feito certo ou o que deve ser feito; Mas Cristo está vivo em sua igreja; e ele busca com um olhar penetrante; e "os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas." E estes são os pés do julgamento e a voz do julgamento. Quando ele encontrar isso na igreja que lhe desagrada, ele vem em juízo. Ele fala em julgamento para aquela igreja.

Você diz, "Por que você está lendo isso?" Porque eu acho que é um bom lugar para começar hoje, para nos lembrar disto: que nós somos a igreja que Cristo está edificando, certo? Nós somos o candeeiro que Cristo está cuidando. Nós somos a luz, como deveríamos ser, que Cristo está aparando; e ele faz isso com um olhar penetrante. Ele procura encontrar aquilo que em nós não está bem e trazer para diante do trovão de sua própria voz, a força de seu próprio julgamento corretivo; porque ele procura refinar-nos. E se resistirmos a refinação, então ele irá remover a sua bênção. E uma das passagens mistas de toda a Escritura é Apocalipse 2 e 3, onde você encontra algumas igrejas que são elogiadas, mas que na maioria são condenadas; porque o senhor não encontrou lá o que Ele buscava.

Grace Church está de certa forma em Apocalipse 1; e Cristo se move através desta igreja; e acredito que ele elogia e condena. Eu acredito que Ele busca e abençoa. Eu acredito que ele busca e pune, quando ele descobre coisas que estão de acordo com sua vontade e que não estão. E assim minha oração é que, enquanto eu permanecer nesses dias compartilhando com vocês o meu coração, e estou apenas compartilhando meu coração, mas eu creio realmente que, enquanto faço isto, eu me coloque no lugar onde Cristo estaria. Eu me coloco em Seu nome para dizer-lhe o que os olhos perscrutadores desejam ver, e algumas vezes ver e outras não. Agora, eu não estou sob nenhuma ilusão de que sou um profeta ungido de Deus, distinto de qualquer outro. Acredito que o Espírito de Deus nos trouxe para este tempo em nossa igreja, e nos conduziu para essa série em particular. Quando eu comecei a falar sobre a anatomia de uma igreja há cinco semanas atrás, eu realmente não sabia por que estava fazendo isso. Senti-me compelido a fazê-lo. Pior que isao Espírito de Deus para me capacitar a ser o instrumento de Cristo enquanto a igreja é sondada, para tentar nos ajudar a ver o que Ele vê.

E vocês responderam tão bem, que eu sei é do espírito. Eu sei que é de Deus, o que já falamos. Eu vi em sua resposta. Tenho recebido mais correspondências dos últimos sermões do que qualquer outro que eu já tenha pregado, acho; e o correio varia a quantidade. Recebi duas cartas pelo que posso me lembrar, mais do que isso ontem, talvez cinco ou mais, mas duas delas eram interessantes. Uma delas dizia, "Eu gostaria que essa fosse uma igreja de negros, para poder me levantar e gritar, 'Pregue isso, irmão! Pregue!'" Tudo bem. Sabe, eu estive em uma igreja de negros onde eles levantavam e gritavam, "Toque sua trombeta," e, sabe, ou seja, era para você acelerar e se você não estivesse acelerando então que começasse. Ou seja, o tempo todo com esse tipo de resposta. Eu também vi uma carta ontem, e uma pessoa amada disse, "Estou envergonhado. Estou envergonhado. Estou envergonhado. Estou envergonhado" e assinou, "Uma pessoa arrependida" tendo encarado a realidade de estar muito aquém do que Deus queria onde sua igreja estivesse. Não sei onde você está na, na linha de se levantar e gritar, "Pregue isso, irmão," ou de sentir-se envergonhado em silêncio; mas eu, eu tenho visto Deus tocar em nossos corações, bem como no meu, através disto. E, assim, quero voltar, esta manhã, para nossa reflexão sobre a anatomia de uma igreja e deixar Cristo penetrar nossa igreja um pouco mais profundamente e, e revelar a nós coisas que precisamos ver.

Agora, já falamos sobre o esqueleto. Já falamos sobre se somos como um corpo, se estamos usando a analogia de um corpo. E nós somos como um corpo; temos que ter um esqueleto. E nós, nós falamos sobre essas coisas esqueléticas: uma visão elevada de Deus, a prioridade absoluta da Escritura, clareza doutrinária, santidade pessoal e a idéia da autoridade espiritual. E então passamos para os sistemas internos: a fluidez através dos princípios de vida. Como em um corpo, o corpo é dependente da vida na fluidez através desses sistemas. Então somos dependentes de certas atitudes espirituais; e essas atitudes tem que fluir através do corpo. E nós já sugerimos a você as atitudes que são mais críticas. Já falamos sobre obediência, que me parece ser uma atitude extremamente importante. A atitude de humildade, de amor, unidade, serviço, alegria, paz, agradecimento, auto-disciplina, prestação de contas; e acho que da última vez ficamos com o perdão.

Agora, todas estas são atitudes que devem ser cultivadas no povo de Deus; e quando o senhor se move através da sua igreja, acredito que essas são as coisas que ele procura. Para ver um povo que tem uma atitude de amor, uma atitude de paz, uma atitude de disciplina, uma atitude de obediência, de, do serviço, de alegria, de gratidão, de paz; todas essas coisas. Procurar por trás do exterior para ver o que está no coração, porque o Senhor busca o coração. Já falamos de onze delas; e eu vou lhes dar os cinco restantes esta manhã; e eu quero agrupa-los esta manhã, então eu vou tentar passar cinco deles. O número doze na minha lista..--não que isso importe..--é a dependência. Dependência. Se você quiser colocá-lo em termos negativos, que seria a atitude de insuficiência ou a sensação de que você é não é suficiente, para que haja em você uma dependência básica; e isto não vem fácil para pessoas capazes. Não é algo fácil para igrejas eficazes, abençoadas por Deus como a nossa. Veja, nossa igreja é tipo que bem lubrificada, em certo sentido. Ou seja, a máquina funciona. As coisas são feitas. Temos gente competente. Temos pessoas trabalhadoras. Temos pessoas criativas. Temos um desenvolvimento de programa no passado que diz: "Rapaz, estamos fazendo isso," vê. E, e vamos para o ponto onde perdemos o sentido de insuficiência. Perdemos o sentido de dependência, porque já descobrimos como fazê-lo; e o que você está realmente fazendo, se você não for cuidadoso, é eliminar a Deus. E você chega ao ponto em seu ministério onde, em virtude da robustez de sua força de trabalho, seu pessoal criativo e o programa que já está em vigor, você simplesmente diz tchauzinho a Deus e decola.

E talvez não seja tão fácil de fazer isso, se acontecer de você ser um pequeno grupo de crentes atrás da cortina de ferro que vive todos os dias sob o medo da morte com absolutamente nenhum recurso. Mas para nós que temos tanto, que tem sido abençoando tanto por Deus, como o Israel antigo, como mencionamos, que entrou na terra e herdou uma terra pela qual relmente não trabalhou, e participou de poços que não cavamos, esquecemos de Deus; e saímos em uma enxurrada de atividade e grandes idéias e brilhantes esperanças e pensamentos desafiadoras. Acho que o que eu estou dizendo, pessoal, é que realmente não queremos fazer nada já que não acreditamos seja o propósito perfeito de Deus para nós, então devemos manter uma atitude de dependência. Dependência.

E podemos falar sobre isso de muitos ângulos. No Salmo que li esta manhã, Salmo 19, Davi diz, "Também da soberba guarda o teu servo, que ela não me domine." É tão fácil sair na frente sem realmente ser dependente de Deus, sem procurar o coração de Deus e a mente de Deus. Você pode sentar-se em uma reunião e decidir fazer isso ou decidir fazer aquilo. E onde está a oração? E onde está a paciência? Onde está a comunhão duradoura com Deus, até que o coração não apenas esteja livre para fazê-lo, mas tenha o senso de estar fazendo a vontade de Deus? Sempre, por todo o meu ministério, fiquei temeroso de que fizesse alguma coisa que Deus não tomasse parte. Sempre quero ter certeza que eu vou no mesmo ritmo, na mesma direção, com o mesmo objetivo que Ele tem, porque Cristo está edificando sua igreja, e não quero competir com Ele. Isso é ser um perdedor. Mas podemos tão facilmente percorrer pelos pecados da presunção. Ótima idéia e lá vamos nós.

Lembro-me quando eu estava no seminário, no seminário de Talbot, todo mundo tinha que pregar naqueles dias, duas vezes na capela. Temos mais alunos agora; e não acho que todos tenham que fazer isso agora. Mas todos faziam; e quando pregávamos, a faculdade inteira sentava-se na plataforma atrás de nós. E eles tinham folhas de crítica em mãos; e o tempo todo que você está pregando, eles iam preenchendo, o que era um bom exercício para eles, porque isso os mantinha acordado durante os sermões mais chatos, eu acho. Mas eles sentavam lá, e você ouvia os papéis folheando; e se você falasse por dez minutos, o sujeito já estivesse trocando de página, você sabia que estava realmente numa fria, certo? Mas você fazia o seu melhor para pregar. E me foi designado 2 Samuel, capítulo 7; e 2 Samuel, capítulo 7, eu nunca mais esqueci. Quer dizer, eu queria aquele sermão pronto de modo que quando o preguei memorizei cada detalhe, até mesmo minhas pausas. Acho que até minha respiração calculei. Eu realmente ia ter cuidado com isso, e eu entrei no capítulo, e Davi olha para o seu palácio. Ele diz, "Eu tenho este belo palácio." Ele olha para a casa de Deus. Deus estava morando em uma tenda naqueles dias, você sabe, Tabernáculo. Ele diz, "não é apropriado que Deus deva habitar em uma tenda enquanto habito neste palácio enorme," ele diz. "Vou construir uma casa para Deus.” Louvável, não é mesmo? Muito louvável. E então ele vai para Natã, o profeta, e diz, "Natã, este é o meu desejo", e Natã diz, "louvável. Vá, faça tudo o que está em seu coração, Davi, uma ótima idéia." E Deus Pousa o grande gancho e arrancaram Nathan sobre e disse, "Natã, não checou. Quem te disse para dizer-lhe isso? Ele nunca construirá minha casa, pois ele é um homem de mãos ensangüentadasE Deus baixou um grande gancho e puxou Natã e disse "Natã você não conferiu. Quem lhe disse para dizer a ele isso? Ele nunca construirá Minha casa pois ele é um homem de mãos ensanguentadas." Foi Salomão que construiria a casa; mas quando Deus tirou algo, ele colocou outra coisa em seu lugar; e ele deu a Davi uma maravilhosa promessa.

Então eu preguei sobre o pecado de presumir em Deus, de aventurar-me em coisas boas que Deus não está interessado. Foi realmente uma experiência de mudança de vida para mim, porque essa mensagem tem estado em minha mente ao longo dos anos. É uma incidental nota de rodapé, no entanto, isso, quando eu estava saindo, Dr. Feinberg me entregou sua ficha crítica. Ele foi o deão. Dobrado, e eu me senti tão bem com essa mensagem porque ela falou ao meu coração; e eu a abri, e ele não se preocupou em verificar qualquer coisa. Ele só escreveu na frente, "Você perdeu todo o ponto da passagem." Foi um dia ruim, um dia muito ruim e uma lição muito boa. Ele pensou que eu deveria ter pregado a promessa do Reino. Foi uma escolha. Eu sabia que a passagem prometia o Reino, mas eu senti que meu coração precisava ouvir sobre presunção; porque tendo a ser esse tipo de pessoa que corre muito rápido em uma nova direção e talvez tenha grandes idéias ou grande visão para o que poderia ser feito; e eu preciso voltar até o ponto de dependência, sentir uma insuficiência que me impele a procurar o coração e a mente de Deus. Tudo o que você tem a fazer é iniciar algo por si mesmo em que Deus não está, sair de cena e assistir ser cortado algumas vezes. Ajuda a curá-lo. O que eu estou falando é a oração. A Igreja deve ter um espírito de dependência. Pessoal, veja, nós não chegamos lá. Quero dizer, nós caminhamos. Temos todas essas coisas. Aqui vamos nós. Tudo para nós pronto para seguirmos adiante, todos esses programas maravilhosos e ministérios; e temos a idéia de que não precisamos depender de Deus. Mas a coisa pode ter ido tão rápido. Deve haver uma dependência sustentável.

Veja comigo por um momento João 14, só para tocar este conceito de dependência de outro ângulo. Em João 14, você sabe da situação, tenho certeza, em João 14. O Senhor está indo embora. É o Cenáculo, o último discurso de nosso Senhor com seus discípulos, e ele está prometendo-lhes todos os tipos de coisas maravilhosas, porque eles estão realmente com medo. Eles dependiam Dele para tudo, tudo. Eles o seguiram por três anos. Ele fez a comida que os alimentou. Ele pegou o peixe para que pudessem pagar seus impostos. Ele lhes disse tudo o que precisavam saber sobre o Reino, sobre Deus, sobre o homem, sobre o pecado, a justiça. Eles eram totalmente dependentes Dele e agora ele estava indo embora, e eles estavam com problemas. Eles estavam profundamente perturbados, porque eles tinham despertado para sua dependência. Precisavam dele desesperadamente. Ou seja, mesmo quando ele estava lá, eles hesitavam bastante, constantemente, não é mesmo? E então eles sabiam de sua dependência.

E quando Ele lhes anunciou que estava indo embora, foi a hora do pânico. Realmente um momento de pânico. Mas no meio disso, Ele faz uma promessa para eles que é tão maravilhosa. Está no versículo 13 e 14 de João 14. "E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei." Você não consegue uma promessa melhor do que essa, não é? Qualquer coisa que pedirmos em nome Dele, Ele vai fazê-lo. Você diz, "Isso significa então, qualquer coisa que eu pedir?" Bem, não, qualquer coisa que pedir em Seu nome. Você diz, "Bom, o que isso significa? Colocar no final da sua oração, em nome de 'Jesus', Amém,' e Deus vai fazer isso? Algumas pessoas acham isso. Não é isso que significa. No antigo testamento, Deus disse, "Meu nome é, 'Eu sou o que eu sou'" em outras palavras, "Meu nome é tudo o que sou", e o nome de Cristo é tudo o que Ele é, então você pede algo consistente com quem Jesus é, com o que Sua obra é, com o que Sua vontade é, com o que Seu desejo é, com o que Seu plano é, com que Seu propósito é, e Ele então fará isso. Não significa que você pode pedir qualquer coisa e no final da sua oração obtê-lo. Isso significa que, quando você pede consistentemente com Sua vontade e Seu propósito, então Ele vai fazer isso.

E assim precisamos aprender, como crentes, a viver uma vida de constante dependência, da qual a oração é, "Oh, Senhor, o que for da Tua vontade fazer, faça-o. Faça-o." Portanto não há amargura se não sair se não for feito se não acontecer. Se dependermos dele para energizar isso e fazer acontecer será somente se estiver de acordo com sua perfeita vontade. E, veja, esta é a maneira com que o Pai é glorificado; porque então o Pai está fazendo o que o Pai quer fazer para a Sua própria glória; e então o que está sendo realizado no ministério é o ministério de Deus, em nome do Filho.

E, amados, isso é o que eu quero nesta igreja. Não quero o ministério de homens inteligentes. Não quero o ministério de pessoas criativas. Queremos o ministério do Espírito de Deus em nome do Filho de Deus para a glória do próprio Deus, não é isso? E eu estou falando com você, apenas num sentido de uma perspectiva geral; Mas é preciso haver em nossos corações um sentimento de insuficiência de saber o que fazer e qual a melhor forma de fazê-lo, o que nos leva à dependência de Deus, onde no meio de nossas orações podemos clamar por aquilo que Jesus quer fazer.

Tão importante, é o coração da oração dos discípulos Mateus 6, francamente, quando eles vieram a Jesus e disseram, "Ensina-nos a orar," Ele disse, "Ore assim. Pai nosso que estais no céu, santificado seja o teu nome." Em outras palavras, o glorioso seja o Teu nome. Santo seja o Teu nome. Exaltado seja Teu nome. Único seja Teu nome. Em outras palavras, Senhor, tudo o que realmente queremos é que Tu sejas glorificado, para que Teu nome seja exaltado por tudo o que Tu és, tudo o que Tu queres e tudo o que Tu desejas que aconteça. Em seguida, "Venha o teu reino": faça a Tua obra, da Tua maneira em Teu reino. "Seja feita a Tua vontade assim na terra como no céu." Assim essa oração não começa com dá-nos isso, dá-nos aquilo, dá-nos aquilo outro, mas: "santificado seja o Teu nome. Venha o teu reino. Seja feita a tua vontade." E até que tenhamos conseguido essa perspectiva não temos o direito de pedir nada. E assim somos ensinados, creio eu, a orar de forma dependente num sentido de insuficiência que clama a Deus para que Ele faça Sua obra à Sua maneira. Esse sempre foi nosso desejo aqui. Essa sempre foi nossa meta, que Cristo estaria edificando Sua igreja e que nós estaríamos apenas fazendo parte disso. E às vezes eu me preocupo com o fato de sermos tão orientados para o programa, que nos tornamos tão bons no que fazemos, que vamos para tão longe na linha com nossos planos que a oração não tem nenhuma parte exceto quando um desastre atinge. É depois do fato. Opa, tire-nos desta Senhor; E nós provavelmente não estaríamos nele se tivéssemos pedido.

Eu não sei sobre você mas eu não quero nada para mim que Deus não o queira para mim. Não é mesmo? Nada, e então eu acho que tem que haver uma atitude de dependência..--e, graças a Deus, tem havido..--e só encorajo você a que tenha essa atitude mais e mais. Temos que depender de Deus. Temos que depender de sua Palavra. Temos que depender da oração. Mas, precisamos de mais. Acho que fomos apanhados neste tipo de ambiente do cristianismo contemporâneo, onde trabalhamos muito e oramos muito pouco. Não há nada mais maravilhoso do que ter passado um tempo em oração, entrar em algo e sentir aquela tremenda liberdade que chega ao coração, que sabe que está andando por um caminho lado a lado com o Salvador cuja vontade está sendo expressa. Por isso que eu disse isso, porque, você sabe, isso nem sempre acontece dessa maneira; mas quando comecei esta série, não sabia onde o Senhor nos levaria. Nem sei ainda o que vou dizer até dizê-lo. Mas tive a sensação da companhia de Jesus Cristo passo a passo por tudo isso; porque eu realmente creio em meu coração que, quando eu o buscava quanto ao que nossa igreja precisava para este momento, e o que ele queria fazer em nossa comunhão nestes dias, ele me conduziu desta forma. E esta é a expressão do Seu coração para nós; e assim este é Ele movendo-se, se preferir, através dos candeeiros. Dependência. Fazemos bem muitas coisas, não tão bem quanto queremos fazê-las em carne e osso, certo?

Deixe-me dar-lhe outra atitude que precisa estar na igreja. Flexibilidade. Flexibilidade. Não vou falar muito tempo sobre isso, mas é importante: flexibilidade. Ou seja, precisamos ser capazes de mudar. Alguém que escreveu um livro, disse que as sete últimas palavras da igreja são, "Nunca fizemos isso desta forma antes." E isso realmente é verdade. Algumas pessoas têm substituído o que Jesus disse em Mateus 15. Lembra? Ele confrontou os fariseus e os escribas. Vieram até Ele. Eles o confrontaram, e disseram, "Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? Pois não lavam as mãos, quando comem." Eles estavam comendo, você sabe, sem se lavarem, não, não limpeza física, lavagem, mas o ritual cerimonial. E ele diz: "Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos?" Ele diz. E Jesus diz, "Por que transgredis vós também o mandamento de Deus?" Agora, deixe-me dizer-lhe. Todos já tivemos experiências. Igrejas podem ser empilhadas com tradições que se tornam uma parede de bloco para o que a Palavra de Deus diz para fazer, certo? Acontece o tempo todo: "Bom, nós certamente não podemos fazer isso em nossa igreja. Nós, nós temos esta tradição, vê." Igrejas podem ter uma organização que seja totalmente antibíblica. Podem ter um estilo de ministério que é totalmente antibíblica. E quando você tentar introduzir a coisa que Deus quer no âmbito do mandamento divino do próprio Deus, corre-se direto para a parede de pedra de tradição. E, portanto, deve haver na atitude da Igreja, flexibilidade. Agora, se você tem estado na Grace há muito tempo, tem que ser flexível. Quero dizer que nós continuamos a mudar. As pessoas dizem, "como, como sua igreja é organizada? Poderia nos enviar um organograma?" Recebemos cartas assim o tempo todo. Isso realmente é uma piada. Teria que ser um filme de 16 milímetros. Teria que estar se movendo, exatamente como isso, nunca para. Não podemos encaixotá-lo e capturá-lo, porque Deus age através de pessoas; E eles refletem e fluem, são fortes, fracos, comprometidos e menos comprometidos; E mais pessoas acumulam em algum lugar. Temos que fazer alguma coisa; e então, há uma alteração, tipo constante de função orgânica que acho que é tão maravilhoso; Porque nunca nos permite parar e administrar. Você nunca pode simplesmente sentar e pôr em andamento os papéis. São sempre pessoas; e está sempre pegando isso e fortalecendo e mudando e, e isso é maravilhoso; Porque nunca estamos confusos, espero, a diferença entre a rotina e a realidade. Nós não queremos estar confusos sobre isso. Quero dizer, não queremos substituir o falso pela verdade simplesmente porque sempre fizemos dessa forma.

Minha esposa tinha uma tia que faleceu há não muito tempo, ou um parente distante, acho que não é realmente uma tia. Mas de qualquer forma, nós costumávamos ir vê-la durante a temporada de férias, levar a ela cookies e outras coisas. E a última vez que fomos vê-la, era época de Natal. E ela disse, "Bem, John." (Ela ia na Metodista igreja.) Ela disse, "Você tem um culto de véspera de Natal?" Eu disse, "Não, não temos um culto de véspera de Natal." Ela disse, "Não"? Eu disse, "não, nós não temos. Apenas encorajamos todos a irem para casa e estarem com suas famílias e falarem sobre o significado do Natal e o nascimento do Senhor; Mas não temos um culto." Ela disse, "Oh, que pena." Ela estava muito triste. Ela disse, "Você sabe, em nossa igreja, sempre tivemos um culto de véspera de Natal." Eu disse, "Mesmo?" Ela: "Ah, sim." Eu disse, "Você vai?" Ela disse, "Ah, ninguém vai, mas sempre tivemos um culto de véspera de Natal." "Ninguém vai"? Eu disse. Ela encerrou a conversa, dizendo, "Oh, bem, é uma pena que você não tem um culto de véspera de Natal."

Rapaz, eu vou lhe dizer, que nós somos criaturas de hábitos. Você sabe disso? É bom e ruim. Você adquire bons hábitos, é uma coisa boa que você é uma criatura de hábitos. Você adquire maus hábitos. Eles são difíceis de quebrar, não são? Você junta todo um grupo de pessoas que basicamente são criadas com tendências habituais, elas ficam presas, de certa maneira, em fazer as coisas, e você tenta movê-las e é incrível como são resistentes a isso. Mas às vezes você tem de mudar as coisas para que as pessoas não se confundam entre a rotina e a realidade. Portanto precisa haver um pequeno fluxo e refluxo, uma pequena mudança, um pouco de flexibilidade. Todos temos que ser assim; E quando você liga isso com o ponto anterior que fizemos, para iniciar a mensagem sobre a dependência, temos que ser flexíveis porque dependemos de Deus e Deus pode estar fazendo coisas diferentes. Dói meu coração quando um jovem pastor entra em uma igreja, e ele tem um grande desejo de ensinar a palavra, aplicar a palavra e depara-se com um muro de pedra da tradição, e as pessoas não o deixam passar. Eles dizem, “Bom, nós realmente teremos problemas se tentarmos fazer isso, porque temos este negócio aqui. Rapaz, se eles, essas pessoas vão ficar muito chateadas." Mas, mas, mas por que vocês estão deixando as tradições de homens permanecerem no caminho dos mandamentos de Deus?

Você vê, isso é que é maravilhoso sobre esta igreja. Quando, quando começamos anos atrás a descobrir a palavra de Deus, dissemos, "Ei, isso está na Bíblia. Temos que mudar isso. Temos que mudar aquilo. Temos que mudar. Temos que estar em consonância com isto." E a Grace Church foi sempre assim. É tão maravilhoso. Às vezes, nós enviamos os jovens, e eles voltam, machucados e sangrando em seis meses, dizendo: "Estive me esmagando contra essa parede de tradição. Eu não sei se isso vai mudar." Mas temos de ser flexíveis.

Isso se aplica à vida pessoal, também. Eu sempre penso em atos 16, e Paulo foi uma espécie de sujeito vá-e-pegue-os, certo? Não acho que ele se acomodasse. Ele continuava se movendo o tempo todo. E ele tinha terminado seu ministério na Galácia e Frígia..--essa é a área de moderna Turquia..--e ele decidiu que nós vamos para a Ásia, para o Sul, na Ásia, ótimo lugar. Rapaz, um lugar significativo, as sete igrejas da Ásia menor ali, naquela área. E ele começou a ir para lá, e a Bíblia diz em Atos 16:6-10 que o Espírito Santo os impediu. Agora, não sei como o Espírito Santo fez isso, mas de alguma forma colocou um grande obstáculo. Disse, "não, não é isso, Paulo." O que você acha que Paulo fez? Volte para casa, para casa e simplesmente diga, "Bom, eles, eles não querem o meu ministério. Não há nenhuma abertura no ministério da Ásia." Não, ele disse, "tudo bem, não podemos ir. Já estivemos no leste. Não podemos ir para o sul. Vamos para o norte. Bitínia, rapazes. Aqui vamos nós. Vamos para Bitínia." Espírito Santo: whammo, "Não pode ir para lá." "Bom, vamos ver, nós já fomos para o leste, não podemos ir para o Sul, não podemos ir para o norte. Oeste, vamos para o oeste." Pssssssht, oceano. Então ele foi dormir, e ele deve ter ido dormir provavelmente orando sobre onde Deus queria que fosse, porque no meio da noite, ele teve uma visão. E havia um homem da Macedónia dizendo, "Passa a Macedônia e [o que]? Ajuda-nos." E ele foi, e o Evangelho tornou-se mais do que uma seita do Oriente Médio. Tocou o mundo. Flexibilidade. Flexibilidade.

Marty Wolf é um de nossos presbíteros. Eu escrevi sobre isso no meu livro sobre a vontade de Deus, e lembro-me quando ele estava indo embora, ele tinha o encargo de alcançar o povo judeu, sendo ele próprio judeu. E o encargo dele era ir para a França e alcançá-los em Paris. E este era seu grande objetivo. E então ele se envolveu com a Missão União Cristá Bíblica na França. E, rapaz, foi emocionante. Ele fez todo o seu treinamento e toda a sua preparação. Nós colocamos uma placa na igreja. Era a igreja do meu pai, e dizia, "Marty Wolf, França." E chegou o dia quando ele foi para o Canadá. Que é para onde ele foi. Judeus de língua francesa também vivem em Montreal. Deus tinham um lugar diferente. Flexibilidade. Assim é que é servir a Cristo; e a igreja precisa dessa flexibilidade, esse sentimento de dependência, esse sentido de flexibilidade que diz: "Deus, dependemos da maneira como nos guia, e flexionamos quando assim o fazes." Isso é tão importante. Deixe-me apenas encorajá-lo, quando as coisas na igreja são substituidas, mudam e são trocasas, ore conosco para que Deus nos conduza naquela direção e sejamos flexíveis para mudar com essa atitude muito importante.

Deixe-me te dar outra: crescimento. Atitude de crescimento. Atitude de crescimento. Acho que talvez seja tão importante quanto qualquer coisa, que tenhamos, fluindo através de nós, o desejo de crescer, o desejo de crescer, de estar no processo de crescimento. Primeira Peter 2:2 resume-se como, "desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação." Agora, essa analogia é maravilhosa, porque ele diz isso. Não é como o leite da Palavra se opondo à refeição solida. Essa é uma analogia diferente, 1 Coríntios 3. O que ele está falando ali, como se diz, Pedro está dizendo, "Da mesma maneira que os bebês desejam leite, você deve desejar a Palavra para crescer". Agora, quanto é que um bebê desejo leite? Tinha um bebê por aí agora pouco? Chutando, gritando, esperneando, birrento até ele ter o que queria, certo? Quero dizer, basicamente, os bebês só se preocupam com duas coisas. Dê a eles leite e se vire com as consequências. Esse é o começo, o objetivo do negócio todo. É essa devoção simples, vê. É esse desejo de consumo a que Pedro está se referindo. Quão forte é seu desejo pela Palavra? Você pode pegá-la ou deixá-la? Você está um pouco entediado com o que está acontecendo esta manhã? Você está olhando para o seu relógio e dizendo: "tenho que sair deste lugar. O sol brilha pela primeira vez em cinco dias." Quero dizer, você realmente tem fome pela Palavra? É algum tipo de exercício tirano que você tenha que abrir a Bíblia para lê-la? Ou há algo magnético nisso que atrai seu coração? Você realmente sente que está crescendo? Ou seja, é tão importante.

Agora, nem todos temos as mesmas capacidades para crescer. Mas qualquer que seja a capacidade que tehamos, precisamos cultivar a nessa extensão. E nós crescemos alimentando-nos da Palavra de Deus. Você sabe, temos um ministério maravilhoso em nossa igreja para algumas pessoas que são deficientes mentais, e alguns deles são grandes amigos meus, excelentes, bons amigos. Na verdade, acho que vejo Rodney aqui na segunda fila. Rodney é meu bom amigo, não é? Bem, bem, eu me lembro quando Rodney foi batizado. Você se lembra quando você foi batizado, Rodney? Isso foi há pouco tempo atrás. E naquele dia ele disse, "Sim", ele disse, "Eu quero ser batizado; eu quero ser batizado porque," ele disse, "John batiza todos os que têm Jesus em seu coração, e eu tenho Jesus em meu coração. Eu quero ser batizado." Então eu disse ao Greg Barshaw, "Ótimo". Então estávamos do lado aqui, e eu disse, "Agora, Rodney, só quero ter certeza sobre isso." Ele provavelmente não se lembra disso. Eu disse, "Rodney, porque você veio, e você vai dar seu testemunho." Eu disse, "Agora, apenas me diga. Quem é Jesus Cristo?" Ele enrugou o nariz e disse, "Quer dizer que você não sabe?" Eu disse: "Que pergunta boba. Claro, sei disso. Eu sou o pregador. Sou o ministro". E ele foi batizado, e ele deu seu testemunho do seu amor para com o Senhor. E, depois, eu, eu tive a oportunidade de lhe dar uma Bíblia, porque sua outra Bíblia estava surrada. E ele me disse que queria uma Bíblia com números grandes, porque ele podia ver o número dos versículos que eu falava, e assim por diante, e as pessoas o ajudavam. Algumas semanas depois disso..--não sei se se lembra disso, também..--você veio para a frente, e você disse, você disse, "Sente-se." Você disse, "Sente-se depois do culto." Então eu disse, "Okey". Então eu sentei nos degraus, e ele disse, "Eu tenho uma surpresa para você." E ele recitou o Salmo 23, e isso abençoou o meu coração.

Você sabe, nós temos habilidades diferentes, mas o Espírito de Deus opera no coração, não é mesmo, para levar-nos a amar a Sua palavra e crescer no, no ritmo que podemos crescer. E acho que a coisa que mais traria medo ao meu coração seria se a Igreja parasse de crescer. Se as pessoas simplesmente dissessem, "Bom, estou farto. Já tive teologia mais do que posso suportar. Já tive tanta exposição. Eu, eu realmente, eu, eu sei mais do que eu gostaria saber. Ou seja, não consigo nem achar lugar para as fitas. Tenho-as na garagem. Tenho no porta-malas. Eu e eu, não consigo nem achar alguém para dá-las, porque todos já as têm. Quer dizer, eu realmente não preciso saber mais. Eu, eu só, eu vou dobrar minha tenda e sai pela noite."

Mas, você sabe, é preciso haver aquela fome contínua para crescer, não é mesmo? Só peço a Deus que nunca percamos essa atitude. Sabe, Pedro disse de outra maneira em sua segunda epístola, capítulo 3, versículo 18. "Crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo." Não estamos só aprendendo fatos de um livro. Estamos crescendo no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Não vamos conhecer os fatos. Vamos conhecê-Lo, certo? Você vê, quando você nasce na família de Deus, 1 João 2:13 diz que você é um bebê, e você conhece o Pai: gugu-dadá, o básico. E então você se torna um jovem espiritual, a palavra de Deus habita em você. Você é forte. Você vence o maligno, mas não termina aí. Primeiro, você conhece a Deus de uma forma simples. Depois você conhece a doutrina, depois diz que você se torna um pai espiritual que conhece a Ele desde o princípio. Não estamos aprendendo para saber de doutrina. Estamos aprendendo a conhecer a Deus; e quanto mais você conhece a Deus, mais a comunhão é enriquecedora.

Ouça, pense na pessoa mais maravilhosa do mundo inteiro, a pessoa mais maravilhosa que você jamais conheceu, e pense como seria bom ver esse relacionamento crescer e crescer e crescer; e compare isso em conhecer o Santo Deus infinito do universo em um relacionamento crescente, crescente. Alimente-se da Palavra. Você tem fome dela? Você medita sobre ela? Suas verdades estão em sua mente? Ela é seu alimento diário? Você pode dizer com Jó que você ama a Palavra de Deus mais do que seu alimento necessário?

Devemos crescer, e você diz, "Bom, já estou aqui há muito tempo. Já sei muita coisa." Bom, se você já chegou ao ponto onde você acha que sabe muito, você está apenas no ponto onde você realmente não sabe o que você deveria saber; e isso é sinal de que não sabe o suficiente. Ah, você pode ter bastante fatos; Mas você está me dizendo que conhece a Deus assim como você gostaria de conhecê-lo? Veja, quando eu estudo uma passagem sempre procuro encontrar algo sobre o caráter de Deus ali, assim posso conhecê-Lo melhor; crescimento.

Deixe-me lhe dar mais duas atitudes: fidelidade, fidelidade. Rapaz, você sabe, há uma enorme quantidade de cristãos que são velocistas meio espirituais. Choooooo, já acabaram. Eles se inscrevem, disparam, boomp, está tudo acabado. Eles estão procurando por aposentadoria espiritual, e o que Deus está à procura é de maratonistas, pessoas de longo alcance, fundistas. "Ora, além disso," 1 Coríntios 4:2 diz, "o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado, [o que?] fiel." Algo a ser dito para a persistência, de compromisso espiritual a longo prazo: Amo quando as pessoas mais velhas me dizem, "Sabe, Ah, você sabe, poderia ir mais devagar, porque tenho dificuldade em anotar." E alguém me disse recentemente, está em seu 80s. Eu amo isso. Oitenta anos de idade tomando notas? Ainda animado, ainda fiel à Palavra de Deus, a verdade de Deus, a vida de Deus, a Igreja de Deus, o ministério; quer dizer, eles ainda não desistiram.

E há pessoas que ensinam ano após ano após ano, quem discipula ano após ano, que assume compromissos de longo alcance e segue adiante. No entanto, eles são os verdadeiros fiéis da fé; Porque, veja, o que eles fazem não é baseado em um apelo emocional. Isso não é baseado em uma resposta imediata. É baseada no caráter, e caráter tem aquela qualidade duradoura. Há muitas pessoas que vêm para a Grace Church, sempre que possível, e que até poderiam fazer alguma coisa, sempre que possível; Mas eles geralmente não podem porque eles têm outras coisas. E depois há aqueles que apenas fielmente seguem em frente. Oh, como precisamos do espírito de fidelidade. A marca do verdadeiro caráter é um compromisso duradouro, compromisso duradouro. Veja 2 Timóteo. Deixe-me usar de Paulo, que, claro, é um modelo. E em 2 Timóteo 4, versículo 6, ele diz, "Quanto a mim, estou sendo já oferecido por libação, [e ele sabia que passaria por um sacrifício] e o tempo da minha partida é chegado. Combati o bom combate, completei a carreira; guardei a fé." Rapaz que, que grande declaração. Ele, você sabe o que ele está dizendo? "Deus, eu posso morrer agora. Estou pronto. Estou pronto. Está tudo acabado. Cumpri meu papel. Terminei o carreira. Combati o combate. Guardei a fé."

Oh, você sabe, isso é maravilhoso. Acho que é meio triste quando você vê um santo envelhecer e indiferente, ou aquele que pertence a Cristo ficar velho e amargo; e às vezes você até vê pregadores ou professores ou quaisquer obreiros cristãos assim. Eles ficam velhos, e ficam tipo que azedos, tipo que amargos, tipo que egocêntricos ou o que seja; e você só quer saber o que deu errado. Mas, onde você tem aquela doce graça de crescer em uma vida de serviço fiel, isso é uma coisa tão bonita. Um espírito tão bonito: fidelidade, fidelidade.

Você tem uma responsabilidade e você está lá, você a cumpre; e quando o povo do senhor se reune, você está lá. Você sabe, nós sempre dissemos que se todos os que dizem que vêm para Grace Church na verdade viessem aqui, seria incrível. Seria incrível. Quer dizer, eu encontro pessoas assim o tempo todo. Ou seja, o tempo todo, não importa onde. Se eu vou ao mercado com minha esposa, eu empurro o carrinho, ela compra as coisas. Alguém vai vir ao altar e diz, "Oh, eu conheço você. Você é John MacArthur. Eu vou à sua igreja." "Ah, você vai? Bom, que maravilhoso. Uh, não tenho visto você lá."" Ah, bom, bom, eu vou. Sim, eu vou." " Ah, vai mesmo? Você estava lá no domingo?" "Ah, não, eu não estava lá domingo. Não, Ah, faz um tempo. Oh, nós amamos isso." "Oh, bom, bom." Isso émeio que, meio triste, sabe? Faz-me sentir um pouco mal. Ou ouvir dizer, "Bom, quando vamos, sempre vamos a Grace. Nós gostamos." Fidelidade. Fidelidade. Só de estar lá para adorar consistentemente, para servir de forma consistente, para orar consistentemente, todas estas coisas; E é uma sociedade tão distraída onde todos nós somos arrancados para muitas direções. É difícil manter as prioridades.

Uma última, desejo poder dizer mais sobre isso. O tempo se foi. Uma última atitude é esperança. Esperança. Ah, que grande palavra, esperança. Significa segurança para o futuro. Isso significa que não devemos temer a morte. Significa que estamos realmente ansiosos para o que está diante de nós em vida e morte. Na verdade, eu amo as expressões em Romanos 12:12, "Regozijando-se em esperança." Ei, a morte não coloca medo sobre nós. Quero dizer, nós temos um, um serviço funeral por aqui e isso é uma celebração. E nos alegramos e louvamos a Deus porque alguém que amamos passou neste vale de lágrimas para o lugar onde todas as lágrimas são enxugadas para sempre. Do lugar da doença para um lugar onde não há nenhuma doença mais. De um lugar de morte para um lugar onde não há morte; de um lugar de limitação, para um lugar de realização ilimitada. Podemos viver com esperança. Aprendemos isso em Romanos 8. Nós somos salvos em esperança. Nós somos salvos em esperança, e estamos ansiosos pela eternidade, para sermos como Cristo. Estamos ansiosos pelo cumprimento da promessa de Romanos 8 que nós teremos um corpo redimido com nossa alma remida, e seremos à imagem de Jesus Cristo. Podemos viver com esperança. Ah, pessoal, nós temos que ter uma atitude esperançosa. E o que isso nos diz praticamente é o seguinte. Nós não ficamos demasiadamente amarrados ao que está acontecendo aqui, certo? Quer dizer temos a idéia quando Jesus disse, "Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; [Mateus 6:19 a 21] mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração."

Então, se nosso coração está esperando pela eternidade, nosso tesouro estará lá em cima; e tudo o mais está indo com ele. Espero que você não esteja vivendo para o tempo. Espero que você não esteja vivendo para o temporal. Espero que você não esteja vivendo para o que é passageiro. Ouça pessoal, nós deveríamos viver na esperança, e esperança significa que estamos muito mais envolvidos em nosso compromisso de investir na eternidade do que no tempo. E então as nossas energias, nossos pensamentos, nossas orações, nossos sonhos, nossas visões, nosso dinheiro e tudo o que possuímos é realizado apenas como um meio para investir em uma realidade eterna. Podemos viver com esperança. Vivemos à luz da eternidade. É um dia maravilhoso, ao olharmos para o futuro.

Ontem, fui ao hospital. Jack Coleman..--que foi nosso diretor do coral, um homem caloroso, gentil e amoroso, maravilhoso..--estava com insuficiência cardíaca. E fui até o quarto e oramos com ele e Sarah, e ele disse, "há três dias, quase morri." E ele disse, "eu, eu sabia que tinha apenas algumas respirações, e ainda estou aqui." E Sarah disse, "você sabe, quando ele, quando ele estava quase morrendo há três dias, ele ficava dizendo, 'e eu bati nele com a direita e bati-lhe com a esquerda, e eu bati nele com a direita. Bati-lhe com a esquerda.'" E ela disse, "Eu não sei o que ele estava fazendo. Era como se estivesse boxeando, você sabe?" Então ela disse a ele depois que ele saiu daquilo, ela disse, "O que você estava fazendo?" Ela disse. Ele disse, "Eu estava batendo no diabo, e eu o nocauteei." Veja, ele teve a idéia de que o diabo estava tentando levá-lo mais cedo, e ele tinha algumas coisas ainda para fazer. E ele me disse, ele disse, "Eu lhe escrevi uma carta, e eu queria ter certeza que poderia escrever essa carta e enviar uma foto." Bom, isso é provavelmente uma das muitas pequenas coisas que ele ainda não fez; e então ele não estava pronto para dizer, "Eu acabei a carreira. Guardei a fé. Eu estou pronto. Leve-me daqui." Então ele na mente dele pensou que ele estava tendo uma luta de boxe com o diabo que estava tentando levá-lo cedo. Agora, não sei todas as ramificações espirituais disso, ou se, na verdade, isso era verdade; mas foi assim que ele percebeu isso. Mas nos alegramos juntos e oramos juntos, porque se ele vai estar com o senhor, essa é a última promoção. Essa é a esperança: você gostaria de viver neste mundo sem isso? Então dê graças a Deus por nossa esperança, certo? E se temos essa esperança, João diz que é uma esperança purificadora. Primeira João 3:3, "E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro".

Ouça, se você realmente vive para a eternidade, vai mudar dramaticamente a maneira que você vive no tempo. Realmete vai. Ah, atitudes que fluem pela Igreja fará o que Cristo quer que seja. Vamos orar.

Nosso pai, Te agradecemos que Tu novamente nos deste uma palavra tão clara. Chamaste-nos à obediência, humildade, amor, unidade, serviço, alegria, paz, gratidão, auto-disciplina, responsabilidade. Tu nos chamaste para o perdão, dependência, flexibilidade, crescimento, fidelidade, esperança. E, Senhor, isto, para que sejamos Tua igreja, glorificando, louvando e magnificando o Teu nome; para que você possa nos abençoar em resposta; mova-se através de nós, oh, Cristo e apare a lâmpada. Busca-nos. Veja onde estamos fracos, e dirija Tua mão amorosa de correção para nos conformarmos ao Teu propósito sagrado. Seja nosso sacerdote, profeta e rei, nosso exemplo de santidade pura, e possamos ser uma igreja em que Tu és glorificado.

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize