Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Vamos abrir nossas Bíblias em 2 Coríntios 3. Ao concluirmos este maravilhoso estudo de um grande capítulo, um capítulo sobre a glória de uma nova aliança, eu tenho que pedir desculpas àqueles de vocês que não estiveram conosco durante esta série, porque nós tipo que estamos juntando os fios restantes. E peço desculpas pelo fato de que algumas delas podem ser um pouco difíceis de entender porque você não teve o benefício da fundação que foi lançada nos últimos dois meses enquanto estamos estudando este capítulo. Confiamos no Espírito de Deus, no entanto, para ministrar a verdade ao seu coração, como Ele é capaz de fazer.

Em nossa mensagem final sobre este rico capítulo chegamos a um versículo que tem sido um dos meus versículos favoritos por muitos anos. Na verdade muitas vezes quando eu assino meu nome em um livro ou numa Bíblia, coloco 2 Coríntios 3:18 sob o meu nome porque eu por anos e anos tenho amado este versículo. Na verdade eu costumava dizer que era o meu versículo favorito mas eu continuo vacilando e mudando para vários versículos diferentes de vez em quando como o Senhor os aplica na minha vida.

Em uma ocasião há alguns anos, talvez dez, eu fui convidado a escrever um livro sobre o meu versículo favorito, e naquele momento eu escolhi este versículo e escrevi um livro que alguns de vocês podem até se lembrar. Este versículo é um tesouro. Deixe-me ler para você versículo 18, "E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.”

Agora, esse versículo apresenta realmente qual é o processo do crescimento cristão. Apresenta qual é o processo de santificação pelo qual um crente está sendo conformado à imagem de Jesus Cristo. Permitam-me dar-lhes um breve resumo. Em Romanos 8:29 o apóstolo Paulo nos diz qual era o propósito de Deus salvar Seu povo. Ele diz o seguinte "Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho". O propósito salvador de Deus era criar uma humanidade redimida que seria como Seu Filho.

A imitação é a forma mais elevada de lisonja, e certamente era verdade na Trindade quando Deus fez uma promessa eterna com o Filho para criar uma humanidade redimida que seria feita como Ele. E assim fomos salvos para nos tornarmos como Cristo. É por isso que a Bíblia diz que "ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele". Essa é a meta. Esse é o propósito de nossa redenção. É por isso que Deus nos salvou para nos fazer como Cristo. E com o tempo, enquanto aguardamos a realidade disso, nós nos tornamos cada vez mais como Cristo. Isso é santificação esperando por glorificação. Estamos cada vez mais e mais como Cristo.

Paulo viu isso como a própria razão para a vida como crente. Ele disse "mas uma coisa faço." Essa é uma declaração bastante notável. Se você pode levar toda a teologia paulina em relação à vida cristã e reduzi-la a uma só coisa,essa é uma coisa muito importante. Se ele fez somente uma coisa, eu quero saber qual foi essa única coisa. "esquecendo-me das coisas que para trás ficam", disse ele, "prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus.”

Qual é o prêmio? A semelhança com Cristo. Isso é o que vamos ser quando chegarmos ao céu. Qual é o objetivo? O prêmio na eternidade é a semelhança de Cristo. Qual é o objetivo? O objetivo no tempo é a semelhança de Cristo. Paulo diz "Eu sei o que vou ser e estou em busca dele aqui e agora." Conhecer a Cristo, ter comunhão com seus sofrimentos, tornar-me conforme à Sua morte, experimentar o poder da Sua ressurreição; ser como Cristo foi a paixão de sua vida. Era a única coisa que ele estava envolvido. Foi a única coisa que ele fez.

Aqui neste versículo somos informados de que ao contemplarmos a glória do Senhor, quando nos concentramos na realidade de Jesus Cristo, Deus revelou em Cristo, demonstrando Sua glória. Ao olhar para essa glória somos transformados pelo Espírito Santo de um nível de glória para a mesma imagem. Em outras palavras, o Espírito Santo cada vez mais nos torna como Cristo. Isso é santificação. Este é o objetivo da vida cristã.

Mais do que qualquer outro versículo, este mostra como os crentes se movem para a semelhança de Cristo. Não há dúvida de que este é o objetivo de nossa vida; Todos nós devemos chegar à "medida da plenitude da estatura de Cristo" de acordo com Efésios 4. Paulo escrevendo aos Gálatas em 4:19 disse "meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós". Ele disse aos Colossenses que "Ensinamos a todo homem a fim de que possamos apresentar a cada homem perfeito.” Em outras palavras, "Queremos trazer cada um de vocês tão perto da própria imagem de Cristo quanto pudermos". Essa é a meta da vida cristã e é isso que esse versículo está dizendo. Deus, pelo Seu Espírito, nos move para a semelhança de Cristo levando-nos de um nível de glória para o próximo para o próximo para o próximo.

Portanto este versículo está realmente no coração da experiência cristã. É também um versículo que fala sobre glória, e a glória é um tema-chave nesta passagem como você sabe. E o que está dizendo aqui é que há uma obra de glória crescente na vida de um crente. Agora pegue isso. Há uma obra de glória crescente na vida de um crente. Os crentes da nova aliança experimentam uma glória crescente em contraste com Moisés que tinha em seu rosto, que tipo de glória? Uma glória decrescente. Uma glória desvanecida.

Agora, a glória de Deus, o fato de que ela foi revelada ao Seu povo, não é nova. Não há nada de novo na idéia de que Deus revelou Sua glória ao Seu povo. Ele o fez. Ele revelou Sua glória a Adão e Eva no Jardim quando Sua presença estava lá e eles andaram e conversaram com Ele no frio do dia. Ele revelou Sua glória aos filhos de Israel quando Ele apareceu como uma nuvem de dia e uma coluna de fogo à noite. E eu lhes disse no passado que Deus literalmente tomou todos os Seus atributos, misericórdia, graça, bondade, amor e santidade, e de alguma forma os transformou em luz visível. E essa foi a representação de Sua presença, Ele revelou Sua glória ao Seu povo.

Ele revelou Sua glória ao Seu povo quando Ele desceu ao Tabernáculo e a glória encheu o Tabernáculo para que os sacerdotes nem pudessem ministrar. Ele revelou Sua glória a Seu povo quando Ele desceu na conclusão do Templo, e Sua glória se manifestou. E os teólogos sempre chamaram isso de Shekinah que significa "presença". A presença de Deus é manifesta na luz. Desde que Deus é um espírito e você não pode ver um espírito Deus manifesta-se nesta luz ardente.

Mas certamente a manifestação mais incomum da Shekinah ocorreu em Êxodo 34. Em Êxodo 34, temos o registro de Moisés, e ele sobe na montanha. E vou refrescar sua memória, porque algumas pessoas podem ter perdido isso; está por trás deste texto, como observamos. Moisés subiu ao monte Sinai para receber a Lei de Deus e ali ele se encontrou face a face com a glória de Deus.

Diz em Êxodo 34:29, "Quando desceu Moisés do monte Sinai, tendo nas mãos as duas tábuas do Testemunho, sim, quando desceu do monte, não sabia Moisés que a pele do seu rosto resplandecia, depois de haver Deus falado com ele." O que tinha acontecido era que a glória de Deus estava por toda a face de Moisés. Estava sobre ele. Agora, a glória de Deus não havia chegado somente aos homens, mas estava sobre os homens. Pela primeira vez a glória de Deus estava literalmente na face de um homem. "Olhando Arão e todos os filhos de Israel para Moisés, eis que resplandecia a pele do seu rosto; e temeram chegar-se a ele.” Seria ardente como o sol.

“Então, Moisés os chamou; Arão e todos os príncipes da congregação tornaram a ele", depois de se protegerem por causa do brilho, "e Moisés lhes falou." E claro, falou-lhes as coisas que Deus havia dado E depois todos os filhos de Israel se aproximaram, e ordenou-lhes que fizessem tudo o que o Senhor lhe dissera no monte Sinai. Quando Moisés acabou de falar com eles pôs um véu sobre o rosto." Por quê? Para que pudessem olhar para ele. Para que pudessem ficar perto dele sem serem cegados.

“Porém, vindo Moisés perante o SENHOR para falar-lhe, removia o véu até sair; e, saindo, dizia aos filhos de Israel tudo o que lhe tinha sido ordenado. Assim, pois, viam os filhos de Israel o rosto de Moisés, viam que a pele do seu rosto resplandecia; porém Moisés cobria de novo o rosto com o véu até entrar a falar com ele.”

Quando ele estava conversando com Deus ele podia reover o véu. Quando ele saia para falar ao povo ele mantinha o véu para que eles pudessem ver que esta era a glória radiante de Deus. Veriam na verdade a glória da antiga aliança, a glória manifestada na antiga aliança, retratada em seu rosto. E então quando transmitia, da antiga aliança, o que Deus queria que ele dissesse, ele colocava o véu para não cegar o povo.

Assim vemos a partir desse incidente que a glória de Deus veio no tempo do Antigo Testamento, para as pessoas, e mesmo nesta ocasião sobre as pessoas. A antiga aliança tinha uma glória; tanto no seu componente civil quanto no cerimonial e no seu componente moral, a antiga aliança tinha uma glória. ERa de Deus. Era santa, justa e boa. Tinha características divinas. ERa a revelação divina. Isto quer dizer que revelou a natureza de Deus. Ela revelou a vontade de Deus. Ela revelou o propósito e o plano redentor de Deus. Sem dúvida tinha uma glória.

E Paulo quer tornar isso conhecido. Na verdade no versículo 7 ele diz, "E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de glória". Paulo foi acusado pelos judaizantes e pelo partido da circuncisão de depreciar, rebaixar e denigrar a Lei de Deus. E aqui ele diz "Não é assim. Ela veio com glória." De fato, tanta glóri,a ele diz no versículo 7, "a ponto de os filhos de Israel não poderem fitar a face de Moisés, por causa da glória do seu rosto.”

Sim, a antiga aliança tinha uma glória. Era de Deus. Demonstrava o caráter de Deus, a vontade de Deus para o homem e o plano e propósito redentor de Deus. Mas a nova aliança, diz Paulo, tem uma glória maior e ele diz no versículo 9 que a nova aliança chamada "ministério de justiça" abunda em glória. Tem no versículo 10 uma glória sobreexcelente. Tem no verso 11 uma glória permanente.

Agora, é essa glória, essa glória sobreexcelente, abundante e permanente da nova aliança, que é realmente o tema do versículo 18. Agora ouça como eu meio que puxo isso tudo junto. A antiga aliança tinha uma glória que foi dada aos homens, colocada sobre os homens. A nova aliança tem uma glória que é colocada nos homens; em homens. Deixe-me colocá-lo para você o mais simples que eu puder. Temos mais em comum com Cristo transfigurado do que com Moisés, porque, você se lembra em Mateus capítulo 17 que Cristo removeu o véu de Sua carne e Ele foi transfigurado diante deles. Ele foi metamorfoseado, transformado, e a glória veio de dentro, como João 1:14 diz. "Vimos Sua glória a glória como do unigênito de Deus cheio de graça e verdade.”

É uma glória interior que irradiava de Cristo. Com Moisés era uma aplicação tópica da glória. Era uma glória externa. Temos mais em comum com a glória que Cristo manifestou em Sua transfiguração do que a glória que Moisés manifestou no monte, porque em Cristo a nossa glória é uma glória interna. Por quê? Porque essa é a natureza da nova aliança. A glória é colocada dentro de nós. Por quê? Porque o Cristo vivo é colocado dentro de nós. "Cristo em vós a esperança" do quê? "da Glória.”

E assim quando os judaizantes viessem para a cidade de Corinto, ou em qualquer outro lugar como tinham feito aqui, e começassem a pregar a antiga glória da aliança, a antiga Lei da aliança, a cerimônia da aliança antiga, e defenderem o fato de que a antiga aliança era essencial para a Salvação, que a antiga aliança tinha um componente de salvação, o apóstolo Paulo negaria isso. E aqui nega-o de várias maneiras, como já observamos, culminando em dizer que a antiga aliança tinha uma glória externa mas a nova aliança tem uma interna. Na verdade ao contemplarmos a glória do Senhor somos movidos literalmente, transformados de um nível de glória para o outro pelo Espírito Santo.

A antiga aliança tinha uma glória. A nova aliança tem uma glória inesgotável. A antiga aliança tinha uma glória decrescente; Ela diminuiria na face de Moisés e ele teria que voltar e receber outra carga. A nova aliança não tem uma glória decrescente diminuindo; tem uma glória crescente. Não há nenhum reflexo de desvanecimento de uma aliança que não pode salvar. Há uma exposição cada vez maior de uma aliança que pode salvar e assim a nova aliança é superior à antiga aliança.

Esse é o ponto final de Paulo aqui; ele está se defendendo, e a todos os verdadeiros pregadores que pregam a nova aliança. Paulo reconhece que a antiga aliança, não salvadora, tinha uma glória mas era uma glória desbotada. Era uma glória velada. Tinha que ser substituída por uma nova aliança. A antiga aliança só podia ministrar a morte diz o versículo 7. Só podia ministrar a condenação, diz o versículo 9. Ela só poderia agitar o pecado e tornar os homens culpados; Ela não poderia salvá-los.

Por outro lado a nova aliança é muito superior. Por quê? Deixe-me lembrá-lo dos pontos. Ela dá vida, versículo 6. "A letra mata mas o Espírito" operando através da nova aliança "dá a vida." Em segundo lugar ela fornece a justiça. No versículo 9 ele chama a nova aliança de "o ministério da justiça". Ninguém, em virtude de guardar a Lei de Deus, poderia alcançar a justiça. Em terceiro lugar é permanente. É permanente. Permanece, diz o versículo 11. Permanece como em contraste com a antiga aliança que é substituída.

Em quarto lugar, a nova aliança é superior porque traz esperança; Versículo 12, "Tendo, pois, tal esperança, servimo-nos de muita ousadia no falar". A antiga aliança era uma coisa sem esperança; tudo o que fez foi levar o pecador a um ponto de culpa e vergonha esmagadora. Ele percebeu sua pecaminosidade. Ele percebeu que não havia nada nele que pudesse mudar isso. Ele não tinha capacidade para alcançar a retidão por conta própria. Isso o deixou em terrível desespero, clamando pela misericórdia de Deus. Mas a nova aliança traz esperança.

Em quinto lugar, notamos que a nova aliança é clara. Nos versículos 13 a 15 Paulo fala sobre o fato de que a glória da antiga aliança tinha de ser velada, e há uma ilustração da obscuridade da antiga aliança; tipos, símbolos, imagens, cerimônias e ofertas, nenhuma das quais eram a realidade, mas eram todas imagens da realidade por vir. E houve uma certa obscuridade para a antiga aliança que é revelada em Cristo. Os mistérios são revelados na nova aliança.

Sexto, a nova aliança é superior porque é centrada em Cristo. Eu amo isto; Ele diz, versículo 14 no final, o véu é removido em Cristo. Versículo 16, "Quando, porém, algum deles se converte ao Senhor, o véu lhe é retirado." Tudo se torna claro em uma vida centrada em Cristo. E assim a nova aliança é superior porque dá vida, proporciona justiça, é permanente, traz esperança, é clara, é centrada em Cristo e, número sete, é capacitada pelo Espírito. Gostaria que tivéssemos terminado este ponto na semana passada; mas não. Deixe-me terminar hoje.

Versículo 17, "Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade". A agência, a agência divina que opera através da nova aliança, é o Espírito Santo e o Espírito não é outro senão Iavé. Em outras palavras, o mesmo Deus que escreveu o Antigo Testamento, é aquele que escreveu o Novo, através de Seu Espírito. O mesmo Deus que escreveu a Lei moral que condena os homens, é o Deus que escreveu a nova aliança que os redime. O mesmo Deus que torna todo o mundo culpado e toda boca calada, é o mesmo Deus que se manifesta em Seu Espírito para liberar os homens e libertá-los. O mesmo Deus que os colocou na escravidão sob a Lei é o Deus que lhes traz a liberdade através de Seu Espírito.

Em outras palavras, não há conflito. Não é um Deus do Antigo Testamento com uma antiga aliança, e outro Deus do Novo Testamento com uma nova aliança. É o mesmo Deus. O Senhor é o próprio Espírito que liberta da escravidão da antiga aliança. Tudo o que a antiga aliança sempre pretendia fazer era levar os homens ao desespero, e no desespero implorarem misericórdia e graça de um Deus bondoso e amoroso. E o Espírito do Senhor é aquele poder salvador que aplica a salvação da nova aliança ao crente arrependido ouça isto: em qualquer idade.

Quando uma pessoa do Antigo Testamento via a Lei pelo que realmente era: um ministério de condenação um ministério de morte. E quando eles foram mortos, por assim dizer, e quando temeram o inferno, quando eles perceberam a sua pecaminosidade, quando a Lei fez o seu trabalho e eles tiveram um coração arrependido e vieram a Deus, imploraram por misericórdia e suplicaram pela graça e pediram perdão que eles não mereciam, mas eles pediram e Deus em Sua graça olhou para eles e os perdoou, essa obra de transformação que ocorreu lá foi obra do Espírito de Deus. E ele estava aplicando, ouça isso, a nova obra da aliança de Cristo retroativamente a esse pecador penitente. Mas era obra do Espírito. A salvação a qualquer momento, seja no Antigo Testamento ou no Novo Testamento sob a antiga aliança ou a nova aliança foi e será sempre a obra do Espírito que não é senão o Senhor. E não é maravilhoso, o mesmo Deus que escreveu a Lei é o mesmo Deus que liberta o pecador arrependido da escravidão da Lei como diz Romanos 8 e o deixa livre para guardar a Lei, não como um meio de morte mais. mas como um meio de vida e bênção.

Agora, ao falar sobre isso, e isso foi uma revisão; Ao falar sobre isso, surgiu a pergunta, qual era a função do Espírito Santo no Antigo Testamento? Porque se você esteve envolvido em um contexto dispensacional e estudando a Bíblia talvez tenha pensado que o Espírito Santo não fez nada no Antigo Testamento. Ele não chegou, até o dia de Pentecostes, e havia apenas um grande espaço em branco no Antigo Testamento em termos do ministério do Espírito Santo.

Nada poderia estar mais longe da verdade. Começamos a apontar isso na semana passada. Deixe-me lembrar o que dissemos. No Antigo Testamento vemos o Espírito Santo trabalhar em quatro áreas; Inquestionavelmente isto está claramente revelado na Escritura. Um, é criação; Nós entramos nisso. Dois, é fortalecimento; O Espírito Santo veio sobre tal e tal e ele fez isso. Três, é revelação; Todo o Antigo Testamento chegou aos escritores do Antigo Testamento por meio do Espírito Santo, muito claramente 2 Pedro 1:21. Em quarto lugar, e isto às vezes é onde as pessoas se confundem, o Espírito Santo trabalhou não somente na criação, capacitação, revelação, mas na regeneração; na regeneração.

Os crentes do Antigo Testamento foram regenerados. Eles nasceram de novo. Eles foram feitos novos. Eles foram transformados pelo poder de Deus por intermédio do Espírito Santo. Isso deve ser evidentemente óbvio. Por quê? Bem, antes de tudo, eram todos pecadores miseráveis. Todos eles eram totalmente depravados. Seus corações eram enganosos acima de todas as coisas e desesperadamente perversos. Eles não tinham capacidade de mudar. Eles não podiam fazer nada para alterar sua condição miserável. O etíope pode mudar sua cor?; O leopardo pode mudar suas manchas? Como profeta a resposta é "não".

Portanto há toda a humanidade presa nesta condição terrível de total depravação e incapacidade; Eles não podem fazer nada para agradar a Deus. Até mesmo a sua justiça é o quê? Trapo sujo. Agora, como, por si mesmos, eles vão começar a amar a Deus, agradar a Deus, odiar o pecado, servir a Deus e adorar a Deus? Não pode acontecer. Não pode acontecer. É trapo imundo. Eles precisam ser regenerados.

Também vimos no Antigo Testamento que o Espírito Santo convence do pecado. Veja em Gênesis 6 o esforço do Espírito Santo com os homens. Também vimos no Antigo Testamento que os crentes amaram a Deus; Eles amaram a Sua Palavra. Leia o Salmo 119 "Oh como eu amo tua lei." Isso não é verdade para alguém que não foi transformado. Eles foram transformados para amar a Deus eles foram transformados para amar e obedecer à Palavra, eles foram transformados para odiar o pecado. Isso foi obra do Espírito Santo. Eles foram regenerados, recém-nascidos. Eles foram pessoas transformadas, assim como nós. Não há dúvida sobre isso. Caso contrário eles nunca teriam a capacidade humanamente de mudar. Deus tinha que mudá-los.

Pense nisso desta maneira. Hebreus capítulo 11 você tem todos os heróis da fé começando com Abraão e assim por diante. Todos esses são heróis da fé e todos eles são exemplos para nós sobre como viver a vida da fé. Estamos cercados por uma nuvem de testemunhas, testemunhando o poder de uma vida de fé, e todos eles são crentes do Antigo Testamento. São nossos modelos. Abraão é o pai da nossa fé. Abraão era um homem regenerado.

Nós encerramos da última vez em João 3. Deixe-me levá-lo de volta lá, e apenas veja ligeiramente em João 3; A conversa de Jesus com Nicodemos. Agora lembre-se Jesus ainda não morreu. Ainda não houve uma ressurreição. Nenhum Pentecostes; O Espírito Santo não veio, a igreja não se formou, então o que você tem aqui é uma conversa do Antigo Testamento, antiga aliança. A nova aliança foi ratificada no sangue de Cristo. Seu sangue não tinha sido derramado, assim a nova aliança não havia se estabelecido ainda, dessa forma você tem as circunstâncias da antiga aliança.

E Jesus diz a Nicodemos, este príncipe dos judeus, "Em verdade em verdade te digo" no versículo 3 "a menos que um homem nasça de novo não pode ver o reino de Deus". E esse é um princípio estático no plano redentor de Deus; "Você não entrará em meu reino a menos que você seja regenerado." Isto não é algo que aconteceu depois do Pentecostes. Isso é muito antes. Isto é antes de Jesus até morrer. Isto está nos termos da era da antiga aliança. Ele diz ainda no versículo 6 "O que é nascido do Espírito é espírito" e depois no final do versículo 8 fala de alguém que é "nascido do Espírito". O Espírito é o agente desta regeneração. O Espírito é o agente desta transformação, deste novo nascimento, desta metamorfose que deve acontecer, porque se não acontecer você não poderá entrar no reino de Deus. E isso era verdade para Nicodemos, e Nicodemos estava vivendo antes que a nova aliança fosse ratificada.

Então quando você diz, "Bem, o que o Espírito Santo fez com relação à vida de um crente no Antigo Testamento?", eu vou lhe dizer o que ele fez. Em primeiro lugar ele forneceu a revelação da verdade, porque o Espírito Santo estava por trás da revelação, a verdade que o crente poderia crer. Então o Espírito Santo condenou o pecado. Depois, o Espírito Santo transformou a pessoa e energizou aquela pessoa para a ser obediente a Deus, a amá-Lo e a odiar o pecado. Além disso vou dar um passo além. Creio que o Espírito Santo manteve os crentes, do Antigo Testamento, assim como ele os mantém agora. Você não poderia se salvar, você não poderia se salvar. Quer saber de uma coisa? Você não poderia manter-se salvo também. Você é mantido pelo Seu poder e isso também teria que ser verdade no Antigo Testamento.

Creio que o Espírito Santo regenerou e preservou todo crente eleito; Foi Ele quem operou em seus corações. Pegue Sansão; Sansão que caiu no profundo e profundo pecado com Dalila. Como ele terminou tão triunfante? Eu vou lhe dizer como, porque ele foi mantido pelo Espírito. No meio de toda essa iniqüidade Deus nunca abandonou aquele homem. Ele era dependente do Espírito. Poderia ele ter se mantido na graça salvadora? Não; não mais do que ele poderia ter se colocado ali. Você se lembra do que Davi disse quando ele estava realmente sofrendo em seu coração a dor de sua própria confissão no Salmo 51, confessando o pecado de assassinar Urias e ter um caso com sua esposa Bate-Seba? Você se lembra do que ele disse?

“Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável." O que ele estava pedindo? Ele estava pedindo intervenção divina em sua vida; para uma lavagem e uma limpeza. Ele não disse "Senhor isso é difícil e ela era bonita mas eu vou vou vou fazer o meu melhor. Eu vou fazer isso e vou tentar resistir na próxima vez." Ele não estava sozinho. Ele sabia de onde viria a única fonte de purificação e força, e isso era Deus. "Cria em mim um coração puro ó Deus. Se você não fizer isso eu não posso fazê-lo." Ele sabia. Pureza, santidade, santificação, preservação, tudo é obra do Espírito Santo; tudo isso.

Deixe-me dar-lhe uma outra ilustração que talvez passaria por você e nunca pensaria nisso; Olhe para Lucas 8, e isso só me surpreendeu esta semana. Nunca tive esse pensamento antes, mas quando eu estava examinando, e lendo por todo o livro de Mateus, esta semana, e por todo o livro de Lucas para ver o que eu poderia encontrar sobre as referências ao Espírito Santo e encontrei Lucas 8:15. E foi um versículo surpreendente quando eu li no contexto da obra do Espírito Santo. É sobre o semeador e a semente; lembra-se disso? E diz assim, "A que caiu na boa terra são os que, tendo ouvido de bom e reto coração, retêm a palavra; estes frutificam com perseverança." E eu pensei, "Agora, quem no mundo são essas pessoas?" "os que, tendo ouvido de bom e reto coração"? Quem são esses?

Agora, você se lembra que o semeador saiu para semear e algumas caíram em terrenos rochosos, algumas cairam em solo de erva daninha ou espinhosa, algumas caíram em solo duro e não deram fruto. Mas parte dela caiu em terreno bom; Você se lembra disso? E a semente no bom solo; o que é bom solo? Você diz "Bem, isso é" o solo aqui é o quê? O que o solo representa? Coração humano, certo? O coração humano; duro cheio de preocupações, assuntos mundanos ou pouco disposto a sofrer. Então quem tem um bom coração? Existe um segmento da humanidade que só tem bons corações? Eu não penso assim. O coração do homem é o que? Enganoso e desesperadamente perverso. Não há quem faça o bem; nenhum sequer. Todos são miseráveis, vis; ficaram azedos como leite estragado. O veneno está sob seus lábios. Eles não conhecem senão a iniqüidade. Não existe tal coisa como um bom coração. Não há nada disso; Um coração honesto e bom? O que é isso?

Vou lhe dizer o que é; É um coração que foi trabalhado pelo Espírito Santo. Lá você tem que ter a agência do Espírito Santo para produzir isso. E aqueles que ouviram a Palavra num coração preparado, o mantêm firme e dão fruto com perseverança. Você acha que eles fazem isso porque há algo sobre eles melhor do que outras pessoas? Agora às vezes dizemos, "Você sabe, ah, fulano e siclano tem um bom coração." Bem, desculpe. Depois que o Espírito Santo operou nele, então tem um bom coração; mas antes disso não. Então você vê, tudo isso que lemos no Antigo Testamento e através dos Evangelhos sobre a salvação, assume a intervenção divina, a operação divina, e essa é a obra do Espírito Santo. Assim como o Espírito Santo pairava sobre a criação sem forma e vazia e lhe dava forma, Ele é o agente do novo nascimento, da recriação, da regeneração; nascido de novo pelo Espírito. A salvação como qualquer outra obra espiritual "não é por força ou por poder mas pelo Meu Espírito diz o Senhor" Zacarias 4:6.

Assim, os santos do Antigo Testamento, experimentaram a obra do Espírito. Além disso, penso que o Espírito estava lá com eles em sua vida. Deixe-me mostrar-lhe porquę. Olhe para João 14; João 14. E esta é uma parte muito muito definitiva das Escrituras, capítulo 14 versículos 16 e 17. Jesus está no discurso do Cenáculo deixando Seus discípulos e Ele está prestes a morrer e eles estão sentindo a perda severamente E Ele diz "Eu pedirei ao Pai e Ele lhes dará outro Ajudador assim como Eu". Outro allos não heteros, outro do mesmo. "Ele estará com vocês para sempre. Você não vai ficar sozinho. Não se preocupe. Eu estou saindo mas Alguém mais está vindo. "Quem é? Versículo 17 "o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece." Agora ouçam isto, "vós o conheceis, porque" o quê? "ele habita convosco.”

Agora, há uma palavra-chave; seria impossível que esses homens, esses discípulos, atuassem de alguma forma agradando a Deus se o Espírito Santo não estivesse com eles para guiá-los; guiá-los, protegê-los, preservá-los, capacitá-los. "Vocês O conhecem porque Ele permanece com vocês. Ele está vivendo com você." Então ele diz isso, "E estará "o quê? "em vós". Agora, nisto está a glória da nova aliança. Ele tem estado com vocês; Ele estará em vocês. Você diz "Bem, qual é a diferença? Isso é difícil de entender." Mas há uma plenitude, há um grau em que experimentamos o poder e a capacitação do Espírito de Deus que vai além da experiência de um crente da antiga aliança.

Volte comigo, por um momento, para João 7; João 7, e veja o versículo 37. Jesus diz "Se alguém tem sede venha a Mim e beba." E no versículo 38 "Quem crê em Mim como diz a Escritura", cita de Isaías, "de seu ínterior fluirão rios de água viva." "Quem crê em Mim terá uma fonte jorrando dentro dele, do seu ser mais ínterior." "De seu ventre" significa profundamente, seu homem interior. Versículo 39 " Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber". O que? Ele apenas disse em João 14 que Ele está com você. O que você quer dizer com que você vai recebê-Lo? Bem, você vai recebê-Lo porque o Espírito ainda não foi dado porque Jesus ainda não era glorificado. Ele está com você e ainda assim você não o recebeu. O que? Como Ele pode estar com você e você ainda não O recebeu? E a resposta é que os santos do Antigo Testamento experimentaram a presença do Espírito Santo ou nunca teriam sido santos do Antigo Testamento. Mas há uma plenitude e uma riqueza, um grau e uma profundidade a que o crente da nova aliança experimenta o Espírito Santo, desconhecido para eles. E é uma plenitude; É um rio jorrando de dentro e é por isso que digo de novo, somos mais como o Cristo transfigurado do que com o brilho de Moisés.

Qual é a diferença então entre a obra do Espírito em um cristão do Novo Testamento e um cristão do Antigo Testamento? A única resposta que eu sei é que o grau é diferente, a extensão é diferente, a manifestação, a plenitude é diferente e podemos ser gratos e louvar ao Senhor que temos o imenso privilégio de sermos crentes da nova aliança. É bastante difícil viver esta vida cristã. Eu tomarei cada bocado da plenitude do Espírito que eu possa conseguir, não é mesmo?

E para que você não pense que parece que talvez não seja exatamente justo que aquelas pessoas tenham menos do que nós, talvez, deste rio de poder, posso lembrar que temos menos do que o próximo grupo de gente que está vindo? É isso. Você diz, "Sobre o que você está falando?" Bom, o que aconteceu no dia de Pentecostes quando o Espírito Santo veio e Jesus foi glorificado e o Espírito veio e o rio começou a fluir de dentro dos crentes, e ainda flui hoje sob a maravilhosa obra de Deus ao nos dar seu Espírito, e nos tornamos o templo do Espírito Santo que você tem de Deus e Ele está em nós? Tão maravilhoso como aquele evento foi no dia de Pentecostes, que foi apenas uma prévia do que Joel disse em Joel capítulo 2.

E Joel disse, em Joel capítulo 2, e é repetido por Pedro no dia de Pentecostes em Atos capítulo 2, que virá um dia nos últimos dias quando "derramarei o meu Espírito sobre toda a humanidade; Seus filhos suas filhas profetizarão, seus jovens terão visões, seus velhos sonharão sonhos. Naqueles dias derramarei o meu Espírito. Eles profetizarão. Eu vou conceder maravilhas no céu acima e sinais na terra abaixo" e tudo isso. E do que ele está falando? Ele está falando sobre o grande e calamitoso Dia do Senhor e o estabelecimento do reino de Jesus Cristo. Ouça isto, há uma plenitude do Espírito Santo vindo no reino de Cristo que é maior do que o que estamos experimentando hoje.

Deus é livre para desdobrar essas plenitudes a qualquer nível e grau que Ele escolher. Os santos do Antigo Testamento não foram aperfeiçoados sem nós. Faltava-lhes algo do fluxo do poder do Espírito que desfrutamos, mas falta-nos algo da plenitude da expressão do Espírito Santo que será a experiência daqueles que estão no reino vindouro quando Jesus reina na terra.

Assim, os santos do Antigo Testamento, foram renovados. Eles foram salvos. Eles foram mantidos pelo poder do Espírito Santo. Eles foram assistidos pelo Espírito Santo. Ele estava lá com eles levando-os para o amor e a obediência, e para o ódio ao pecado. Mas na nova aliança, Ele vem para dentro, e há uma plenitude e uma riqueza que não foi conhecida antes. Eu penso que vem através de uma intimidade na força, no poder, na consistência, quando nos tornamos o templo em que Ele habita. E então, você tem que acrescentar a dimensão de 1 Coríntios 12:13, onde o Espírito Santo nos torna um corpo na constituição da igreja.

Assim essa é a obra do Espírito Santo. Volte para 2 Coríntios capítulo 3 e você pode ver que não é diferente em espécie; É apenas diferente em grau entre o velho e o novo. E a grande notícia é, versículo 17, que onde quer que o Espírito do Senhor venha e ministre regeneração, há liberdade, há liberdade. Não mais escravos da lei não mais escravos de Satanás não mais escravos do medo não mais escravos da corrupção não mais escravos do pecado não mais escravos da morte. O Espírito liberta as pessoas de toda aquela escravidão e isso lhes dirá que o Deus que deu a Lei não deu a lei para condenar os homens; Ele deu a Lei para levar os homens ao fato de que eles precisavam de um Salvador para que pudessem chegar à Sua provisão na nova aliança. O mesmo Deus, por Seu Espírito, revelando a antiga aliança, revelou a liberdade e libertação que vem da nova aliança.

Isso nos leva, então, ao último ponto. Finalmente chegamos ao versículo 18, parte do qual já discutimos. A nova aliança é superior porque dá vida, proporciona justiça, é permanente tem esperança, é clara centra-se em Cristo e é capacitada pelo Espírito. Por fim, a nova aliança está se transformando; Está se transformando. Está se transformando de uma maneira maravilhosa. Quando o véu é retirado, Cristo é visto. Capítulo 4, versículo 6 "Vemos a glória de Deus revelada na face de Jesus Cristo". Quando isso acontece somos transformados. Vejamos o versículo 18.

"Nós todos" não apenas um homem, não apenas Moisés, mas "todos nós com rosto desvendado vendo como em um espelho a glória do Senhor estamos sendo transformados." uma vez que você vê Cristo e você vê a glória de Deus revelado em Cristo; é o que está dizendo o capítulo 4, versículo 6. Deus revelou Sua glória na face de Cristo, e uma vez que você olha para o rosto de Cristo e você vê a, glória gloriosa de Deus que é tudo o que Deus é é revelado em Cristo uma vez que você vê que Cristo é Deus, que Deus é revelado nele. Uma vez que você O vê por quem Ele é isso está falando sobre a salvação.

Uma vez que o véu foi removido, e você olha tão claramente como se estivesse olhando em um espelho, bem na frente de seus olhos, sem qualquer obstrução, e você vê a glória do Senhor, um processo de transformação acontece. Metamorphoō é a palavra; contínua, ação progressiva de transformação. E em que nos transformamos? Na mesma imagem. O que? À imagem da glória de Deus; A imagem da glória de Deus revelada no rosto de Jesus Cristo. O que isso significa? Estamos continuamente sendo transformados na semelhança a Cristo; continuamente sendo transformados na semelhança a Cristo, passando de um nível de glória para outro nível, e para outro nível, e para outro nível, e para outro nível.

Isso está apenas falando sobre a santificação progressiva. Ao contrário da glória no rosto de Moisés que estava diminuindo, diminuindo, diminuindo, diminuindo, como crentes da nova aliança, a glória está aumentando, aumentando, aumentando. Não é uma glória desbotada. É uma glória sempre crescente e brilhante. Vamos como que no Salmo 84:7, "De força em força" de força em força. E quem está fazendo isso? Fim do versículo 18, "Assim como do Senhor o Espírito." O Espírito é o Espírito que nos dá a liberdade da Lei.

Ele não quer que voltemos à antiga aliança. "Não se enredem novamente com um jugo de escravidão. Cristo nos libertou " Gálatas 5 diz; não volte. Se você voltar para o jugo da escravidão você tornou Cristo sem efeito. Você tem a nova aliança; Por que voltar a uma glória decrescente e diminuída quando você pode chegar à nova aliança, olhar para a glória de Jesus Cristo, e, ao contemplar Sua glória, ser transformado de um nível de glória para outro? Nada pode parar com isso. A quem Ele conheceu Ele predestinou. A quem Ele predestinou Ele chamou. A quem Ele chamou justificou. A quem Ele justificou Ele o quê? Glorificou.

Nada pode parar o processo; Estamos apenas nos movendo de um nível de glória para um outro nível de manifestar Cristo para o próximo. Quando você é um novo cristão, Cristo é, você é um pouco como Cristo; Ele é um pouco manifesto em sua vida. Ei, tanto que os pagãos podem até chamá-los de cristãos. Eles fizeram isso como um termo zombeteiro, porque essas pessoas estavam agindo como Cristo. E à medida que você cresce, Cristo é cada vez mais evidente em sua vida. É nisso que estamos envolvidos. Essa é a única coisa em que estamos envolvidos, em santificação progressiva. Esse é o objetivo da minha vida. Eu só quero passar de um nível de glória para o outro, cada vez mais, como Cristo.

Você se lembra da história do patinho feio? Grande história. Ele era maior, mais estranho e menos atraente que os outros patinhos, e se divertiam com sua falta de jeito e sua aparência bizarra. Esmagado e desamparado procurou refúgio em uma casa cujos animais de estimação eram um gato e um frango, mas eles o desprezavam também porque ele não podia ronronar nem pôr ovos. "Vocês não me entendem" ele reclamou, mas eles só zombavam dele ainda mais.

Um dia enquanto ele estava nadando pela da lagoa, fazendo o possível para ser como os outros patos, viu alguns cisnes graciosos e elegantes. Ele pensou que eram os pássaros mais bonitos que ele já tinha visto. E enquanto observava os belos movimentos dos cisnes sentiu-se estranho. Ele não podia tirar os olhos deles e ele não podia abalar a nova sensação de destino, que de alguma forma o dominou. Os cisnes voavam e, enquanto esticava seu pescoço para tentar seguir seu vôo, pensou que amava aqueles cisnes mais do que qualquer coisa que amou sempre antes.

Chegou o inverno, e durante os meses frios, o patinho feio pensava nas lindas aves que vira; E ele não tinha idéia do que elas eram chamadas ou de onde elas vieram, mas ele esperava que algum dia pudesse vê-las novamente. Finalmente a primavera derreteu o gelo congelado na lagoa, e o patinho feio foi capaz de nadar novamente. E um dia, quando a primavera ainda era muito jovem, ele viu mais dois desses belos pássaros. Nadaram direto para ele e o medo agarrou seu coração. Ele estava envergonhado de ter tais criaturas graciosas vissem que patinho feio e desajeitado ele era.

E quando se aproximaram dele inclinou a cabeça com humildade e cobriu o rosto com as asas. Quando fez isso ficou espantado ao ver pela primeira vez o seu reflexo na água. Ele era exatamente como aquelas belas criaturas. Ele nunca foi feito para ser um pato. Ele era um cisne. Ao tirar as asas do rosto ergueu a cabeça; não ergueu como uma avestruz, mas ligeiramente inclinado em gratidão e humildade.

Eu posso ver uma analogia nisso. Minha própria experiência como cristão é semelhante. Meu primeiro olhar para Cristo foi como o de um patinho feio que viu pela primeira vez o cisne. Eu tive uma sensação esmagadora de pecaminosidade e indignidade e ainda uma irresistível atração por Cristo que transformou meu coração de dentro para fora. Eu respondi do meu ser mais íntimo, porque eu sabia que Ele representava o que fui criado para ser, e eu sou humilhado e animado pela percepção de que o processo de transformação está acontecendo, e eu estou me tornando mais e mais e mais como Ele, todo o tempo pelo Espírito Santo. E isso é uma operação da nova aliança.

Não é verdade, sabe, que finalmente nos tornamos como aquilo que adoramos? Se adoramos o dinheiro, tornamo-nos materialistas. Se adoramos poder e prestígio, ficamos frios e calosos. Se adoramos um ídolo, tornamo-nos espiritualmente mortos e sem vida como uma pedra. Por outro lado, se adorarmos a Cristo seremos conformados à Sua imagem. Se o véu estiver removido e contemplarmos a glória do Senhor que brilha no rosto de Jesus Cristo, se Ele é nossa preocupação cada vez maior, então nós somos imperceptivelmente transformados à Sua imagem pelo Espírito Santo.

Este é o objetivo da nova aliança, e este versículo monumental nos mostra a crescente glória da santificação que ocorre pelo Espírito Santo na nova aliança. Pessoal, cerimoniais, sacramentos, obras sacerdotais, sistemas de justiça, não nos oferecem nada. Não ofereceram nada aos coríntios e não oferecem nada para você também. Tudo que você precisa é de Cristo. Tudo que você precisa fazer é tirar o véu, olhar para o rosto de Jesus Cristo; O Espírito de Deus começa o processo de conformar cada vez mais à Sua imagem. Isso é o que é o cristianismo. Não são sinos e assobios. Não são velas e vestimentas. Não são papas e cardeais. O cristianismo é uma relação com Jesus Cristo. É uma vida de uma só coisa, contemplar a glória do Senhor que brilha no rosto de Jesus Cristo e sendo transformado à Sua imagem. É o relacionamento que importa. Vamos nos curvar em oração.

Pai, nós Te agradecemos novamente pela Tua verdade, o poder da Tua verdade. Nós Te agradecemos pelo privilégio de sermos crentes da nova aliança, que receberam todos os benefícios: vida, justiça, esperança, Cristo, Espírito Santo, transformação. Oh Pai nós Te agradecemos que não precisamos olhar além do puro evangelho; Tudo está lá. Ajuda-nos a fazer somente uma coisa, a nos concentrar em Cristo, para que a glória, que brilha dentro de nós, possa crescer, e o mundo possa verdadeiramente chamar-nos cristãos, pequenos Cristos, porque manifestamos Sua glória que brilha Nele. Oramos Senhor, para que retires de nossas vidas aquelas coisas que diminuem a glória; que Tu as substituiria com maior glória. Que ao nos concentrarmos, não em nós mesmos, mas na glória do Senhor revelada na face de Cristo, ao nos perdermos em Cristo, que nos movas pelo Teu Espírito para nos tornarmos semelhantes a Ele. Que Cristo seja o foco de nossa vida; que Ele seja nossa preocupação. E sabemos que, olhar para Ele e Sua glória, significa abrir a Palavra e vê-Lo em toda a Sua beleza. Torna-nos fiéis para contemplar aquele espelho que é a Escritura que nos reflete a glória de Cristo, e para nos tornarmos mais semelhantes a Ele a fim de que Ele possa realmente ser o primogênito entre muitos irmãos, não só na vida futura, mas nessa vida. Que possamos ser uma honra para Seu nome, cujo nome nós carregamos e em cujo nome nós oramos. Amém..

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize

Currently Playing

Today's Radio Broadcast

Playlist

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize