Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Vamos pegar nossas Bíblias neste momento, enquanto nos voltamos ao estudo da Palavra de Deus nesta noite, e abrir no capítulo 4 de 1 Pedro. Nós estamos olhando o texto dos versículos 12 a 19, sob o título "A Prova Ardente". Agora, como observei na última vez, é muito provável que esta epístola de 1 Pedro tenha sido escrita no final do ano 64 d.C. Isso a colocaria em alguns meses depois do incêndio de Roma. Você se lembra que Nero incendiou Roma querendo, sem dúvida, construir um edifício maior para sua própria glória. E quando Roma estava queimando e alguém precisava ser culpado por isso, ele culpou os cristãos. E assim, a partir desse ano de 64 d.C, surgiu uma perseguição cada vez mais intensa, ultrajante e crescente dos cristãos. É nesse contexto que Pedro está escrevendo sua epístola. Seus leitores já estariam sentindo a fúria de um povo que era anticristão, para começar, e que agora responsabilizaria os cristãos pela tragédia do incêndio de Roma e pela morte das pessoas que estavam naquela cidade. Seus leitores espalhados por todo o mundo romano também começariam a sentir a pressão da perseguição. Então, Pedro estava escrevendo aos crentes que estavam começando a pegar fogo, por assim dizer, por causa daqueles que estavam em uma “função de incrédulo” no mundo, e quando digo “função de incrédulo” quero dizer que eles eram como enganadores e agentes de Satanás contra a igreja de Cristo.

Para entendermos um pouco mais sobre isso, volte ao capítulo 1 e identifique-se com os personagens dessa epístola. Capítulo 1, versículo 6: "Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações". Ele menciona no versículo 7 que tais provações estão testando sua fé. Então, no capítulo 2, repare os versículos 11 e 12, “Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma, mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação”. Então, surge a ideia de que eles eram caluniados como malfeitores e perseguidos por causa da justiça. Eles estavam sofrendo dificuldades e várias provações.

No versículo 19 do capítulo 2, Pedro se refere novamente a isso. Ele diz: "Porque é coisa agradável, que alguém, por causa da consciência para com Deus, sofra agravos, padecendo injustamente.Porque, que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas se, fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a Deus" No capítulo 3, versículo 8, ele diz, para resumir: "Finalmente, sede todos de igual ânimo, compadecidos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes" e diz isso: "não pagando mal por mal ou injúria por injúria;". E novamente, indicando que eles estavam sendo maltratados e estavam sendo insultados também. O versículo 14 diz: "Mas, ainda que venhais a sofrer por causa da justiça, bem-aventurados sois. Não vos amedronteis, portanto, com as suas ameaças, nem fiqueis alarmados;" O versículo 17 diz: "porque, se for da vontade de Deus, é melhor que sofrais por praticardes o que é bom do que praticando o mal". Então, no capítulo 4 versículo 1: "Ora, tendo Cristo sofrido na carne, armai-vos também vós do mesmo pensamento; pois aquele que sofreu na carne já cessou do pecado" Espere por isso; também aconteceu com o Senhor. Capítulo 5 versículo 10: "Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar.”

Agora, você pode dizer, então, que em cada capítulo há alguma referência feita ao sofrimento injusto. A igreja estava sendo perseguida. Quando Pedro começa aqui no capítulo 4, versículo 12, que é, na verdade, a última seção de sua epístola, indo até o capítulo 5, ele toca novamente nesse mesmo tema. Ele está preocupado com o sofrimento por causa da justiça, o sofrimento pela causa de Jesus Cristo. É interessante para mim olhar para o mundo que nos rodeia. Estamos olhando para uma igreja na Europa Oriental e uma igreja na Rússia, União Soviética, que sofreu muito por vários anos, várias décadas. Essa igreja está emergindo de seu sofrimento e receberá liberdade. De certa forma, essa igreja poderá ter maior liberdade do que nós como cristãos na América. Parece-me que a tendência aqui é bem o contrário. Ao invés de uma igreja que emerge de uma sociedade humanista ateísta, como estamos vendo na Europa Oriental, aqui temos o ateísmo e o humanismo emergindo de uma, entre aspas, cultura cristã. E o ateísmo e o humanismo acabarão, em nossa própria nação, se tornando mais agressivamente os perseguidores da igreja.

O que Pedro está dizendo aqui, então, é atual para a nossa vida, e atual para a vida de nossos filhos. À medida que nossa nação se torna cada vez mais intolerante com a fé cristã em sua busca por cumprir seu estilo de vida amoral, nos tornaremos uma ameaça cada vez maior. Então, as palavras de Pedro devem ser levadas em consideração. Já há uma crescente perseguição contra aqueles que citam o nome de Jesus Cristo. Se você falar, por exemplo, publicamente contra os pecados de nossa cultura, pecados sexuais, em particular o pecado da homossexualidade, você encontrará uma hostilidade que pode até mesmo ser fatal. Vivemos em dias que aqueles que vivem fortemente para Cristo e que enfrentam a cultura, e cujo testemunho está na linha de frente, e que dizem o que deve ser dito, onde deve ser dito, podem encontrar problemas, angústia e perseguição. Que assim seja, devemos estar preparados para isso.

Para estarmos prontos, se isso vier, e mesmo para suportar o que já estamos experimentando, precisamos guardar em nosso coração os versículos 12 a 19. Aqui, Pedro nos mostra a maneira correta de lidar com o sofrimento por causa da justiça. E eu tenho que lhe dizer que eu examinei isso repetidamente em minha mente, porque eu experimento um pouco disso. É impressionante para mim que, às vezes, o sofrimento pela justiça venha da igreja, de dentro da estrutura do cristianismo. Pode haver hostilidade, indignação, ameaças, e quem sabe o que mais... Eu me encontrei voltando para as verdades desta passagem em várias ocasiões, e mais recentemente do que em qualquer outro momento da minha vida. Mas deixe-me ler os versículos 12 a 19, apenas para definir isso em sua mente. "Amados, não estranheis a prova ardente que surge no meio de vós, destinada a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo; pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois coparticipantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando. Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus. Não sofra, porém, nenhum de vós como assassino, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se intromete em negócios de outrem; mas, se sofrer como cristão, não se envergonhe disso; antes, glorifique a Deus com esse nome. Porque a ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? E, se é com dificuldade que o justo é salvo, onde vai comparecer o ímpio, sim, o pecador? Por isso, também os que sofrem segundo a vontade de Deus encomendem a sua alma ao fiel Criador, na prática do bem.".

Agora, isso tudo é muito valioso, uma verdade valiosa. Para analisar um pouco mais esse texto e torná-lo maleável, você tem aqui várias grandes verdades que resumem nossa resposta ao sofrimento injusto. Agora, deixe-me falar algo antes de me aprofundar nesse tema. Você só sofre por causa da justiça quando você é visivelmente justo. É somente quando você tem uma vida santa em uma cultura injusta que você gera a hostilidade. Se você consegue esconder sua virtude, se você consegue esconder seu testemunho por Cristo, se você consegue esconder o fato de que é cristão para que ninguém possa perceber, então é improvável que você sofra. Mas para aqueles que vivem como justos, aqueles que demonstram seu compromisso com Cristo, aqueles que falam com ousadia, aqueles que dizem o que precisa ser dito, onde precisa ser dito, haverá uma reação hostil.

Agora, quando isso acontece, há uma série de coisas que você deve levar em consideração. Em primeiro lugar, o primeiro ponto neste maravilhoso resumo de Pedro é esperar pelo sofrimento. Versículo 12, "não estranheis". Nós já estamos nisso; Esta é apenas uma revisão. Espere o sofrimento, ele é inevitável. E Deus permite o sofrimento para nos testar. O sofrimento chega a você para testá-lo, para verificar a autenticidade do seu cristianismo, para moldar a sua vida para uma maior santidade. É o teste de Deus para mostrar que você é realmente como o ouro. E quando o fogo chega, arde em você e se dissipa, você ainda está lá, sem se inflamar, puro, refinado, moldado para ser usado ainda mais por Deus. Então, como Deus quer que você seja totalmente útil, e como Ele quer que você tenha seu chamado para a eleição assegurado, Ele traz o sofrimento inevitavelmente em sua vida para provar e testar a autenticidade de sua fé. Se a sua fé não é genuína, quando a prova vem, como a semente lançada contra o solo duro, você pode mostrar alguns sinais de fé, mas não terá frutos e diante da tribulação, você irá murchar e morrer. Então, a prova ardente irá mostrar-lhe a realidade da sua fé. Espere pelo sofrimento, ele é inevitável, é o propósito de Deus. Ele também é inevitável porque uma vida justa em uma cultura injusta é um confronto que essa cultura não consegue tolerar bem, ela vai revidar.

Em segundo lugar, não só espere pelo sofrimento, mas alegre-se com ele. O versículo 13 diz: "na medida em que sois coparticipantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando. Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus." Aqui, ele diz para simplesmente nos alegrarmos com isso. Por quê? Porque você participa dos sofrimentos de Cristo. Por quê? Porque você irá compartilhar a glória de Cristo na Sua revelação. Por quê? Porque enquanto você sofre agora, o Espírito de Deus repousa sobre você. Ele assume o comando para te renovar, fortalecer e moldar. Então, você pode se alegrar. E para ser honesto, às vezes isso é bastante desafiador. Quando sou um pouco maltratado eu falo para mim mesmo: "Bem, eu deveria esperar por isso, afinal, se eu desejo viver uma vida piedosa e pregar a verdade de Deus, e se eu quero manter meu padrão de santidade muito elevado, e se eu quero manter o padrão da pureza doutrinária e de verdade bíblica muito elevado, eu devo esperar por isso, então eu devo estar pronto para isso." Eu posso lidar com isso normalmente. E isso me leva para a segunda parte, em que me alegro pelo que me desafia. E eu digo: "Obrigado, Senhor, isso é realmente maravilhoso, eu amo cada minuto disso". Eu acho que às vezes, esse sofrimento é demais. Mas, pela graça de Deus, se eu tiver o tempo de meditar sobre isso e colocar o problema diante do Senhor, encontro o Espírito de Deus enchendo meu coração com alegria e geralmente é a alegria dobrada, a alegria de participação no sentido de que, não importa o que eu possa sofrer, é sempre pouco em comparação com o que Jesus Cristo sofreu, e ainda posso participar do Seu sofrimento. E a segunda coisa que penso é que qualquer sofrimento que possa me atingir nesta vida será mais do que recompensado pela alegria eterna que será minha para sempre na presença do Senhor. Alegre-se com isso.

A terceira perspectiva muito necessária em relação ao sofrimento é avaliá-lo. Espere pelo sofrimento, regozije-se com ele e o avalie. Em outras palavras, quando você está sofrendo, olhe para o porquê. Versículo 15, "Não sofra, porém, nenhum de vós como assassino, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se intromete em negócios de outrem". Há quatro males mencionados ali, que são realmente típicos de um estilo de vida não regenerado e são usados ​​para ilustrar um caráter de sofrimento inaceitável. Eles são muito óbvios, pelo menos os três primeiros. Não sofra como um assassino. Quer dizer, se você assassinar alguém e sofrer por isso, e for perseguido, e colocado na prisão ou tirarem a sua vida, não resmungue nem reclame. A mesma coisa se você for um ladrão. Não sofra como um ladrão ou um malfeitor. Aliás, a palavra "malfeitor" deve cobrir todos os crimes não mencionados nas duas primeiras palavras. Esses dois primeiros são bastante amplos: assassinato e roubo. E então, resumindo todo o resto, não sofra como um malfeitor, como quem comete todas as formas de maldade e pecado. Então, ele acrescenta uma outra palavra muito interessante, ele diz: "ou um intrometido." Você diz: "Bem, como você coloca um intrometido no mesmo pacote que um assassino, um ladrão e um malfeitor?" Porque esta é uma palavra muito, muito interessante. Por sinal, é usada apenas aqui em todo o Novo Testamento. Isso sempre desafia o lexicógrafo, ou a pessoa que tem que definir os termos. É o único uso da palavra, então temos de ter certeza de que entendemos o que significa. Alguns dizem que significa uma pessoa intrometida, curiosa. Você conhece pessoas intrometidas? Sempre cuidando da vida dos outros, mas não da sua própria vida? Algumas pessoas pensam que significa isso. Algumas pessoas pensam que significa uma espécie de pessoa que busca confusão, barraqueira. Outras pessoas pensam que significa um revolucionário, quer dizer, um revolucionário absoluto que apenas perturba a sociedade. É uma palavra muito interessante.

A palavra é allotrioepiskopos. Episkoposis é a palavra para superintendente. E se você combinar as duas palavras, significa alguém que observa, ou alguém que se intromete em coisas que pertencem a outra pessoa. Alguém que observa ou se intromete em coisas que pertencem a outra pessoa. Essa palavra parece significar "cuide da vida alheia".

Agora, porque ele inclui um intrometido com os demais? Não seria o mesmo que um malfeitor? Bem, há mais do que isso. Essa palavra, penso eu, tem um significado mais específico do que aparenta. Deixe-me apenas dar-lhe algumas outras escrituras que podem ajudá-lo a entender seu significado. De volta a 1 Tessalonicenses 4:11, não é necessário acompanhar, mas Paulo diz aos tessalonicenses: "E procureis viver tranquilamente, cuidar do que é vosso e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos" Você não deve ser um causador de confusão. Você não deve ser um rebelde. Você não deve ser um subversivo na sua sociedade. Você deve levar uma vida tranquila. Você deve cuidar do seu próprio negócio e trabalhar com suas próprias mãos. Cumpra suas próprias obrigações. Fique fora de outros assuntos. Em 2 Tessalonicenses, capítulo 3, versículo 11, ele diz aos tessalonicenses: "Pois, de fato, estamos informados de que, entre vós, há pessoas que andam desordenadamente, não trabalhando; antes, se intrometem na vida alheia". Há uma palavra diferente aqui. Você está agindo como um intrometido. "A elas, porém, determinamos e exortamos, no Senhor Jesus Cristo, que, trabalhando tranquilamente, comam o seu próprio pão". Em outras palavras: recue, fique quieto, faça seu próprio trabalho.

Então, quando Paulo escreveu a Timóteo na carta que está logo em seguida, pela ordem do Novo Testamento, no capítulo 5, versículo 13, ele está falando sobre mulheres jovens. Ele diz que elas devem aprender, bem, quando elas são casadas, elas aprendem a estar ociosas enquanto andam de casa em casa e não apenas estão ociosas, mas também fofocando e se intrometendo em vidas alheias, falando sobre coisas que não são apropriadas para se mencionar. Agora, aquiele está falando sobre algo diferente. É o mesmo sentido de intrometido, que investiga coisas que não são seus próprios assuntos. Mas me parece que aqui ele está especificamente falando sobre uma mulher que é viúva, e que não tem nada para fazer, e então ela fica vagando e colocando seu nariz onde não é chamada, enquanto na primeira e na segunda carta aos Tessalonicenses , ele está falando sobre como você o comportamento, nem tanto entre as pessoas que você conhece, como a viúva aqui, mas seu comportamento na sociedade. E acredito que é precisamente disso que Pedro está falando. Com isso em mente, considere novamente o que Pedro diz: Você não deve ser um intrometido, importuno.

Agora, algumas pessoas acham, e eu tendo a concordar com elas, que o que ele quis dizer aqui tem uma referência especial à agitação política, que ele está falando aqui sobre o envolvimento na atividade revolucionáriadisruptiva, interferindo, intrometendo-se na função e no fluxo de governo. Isso certamente levaria o governo a tomar medidas, que então a pessoa poderia ver como perseguição. Poderia ser na empresa, trabalhando no seu emprego, que você se tornaria intrometido pensando que, porque você é cristão, você deveria ser tratado de maneira diferente, e porque você tem padrões cristãos, você deveria forçar sua empresa a aplicar esses padrões, e assim você se torna um perturbador, um intrometido, você se torna revolucionário de uma forma ou de outra. E isso o levaria ao sofrimento.

Agora, o que está sendo dito é isso, que é muito, muito importante. Você é um cristão, e está vivendo em uma cultura não-cristã, faça o seu trabalho, viva uma vida tranquila, exalte a Jesus Cristo, pregue o evangelho, mas não tente mudar a cultura. Não se torne um revolucionário. Não se intrometa. Ou, se você faz isso e está sendo perseguido pelo governo como um agitador e intrometido, isso é vergonhoso. Isso não é honroso para um cristão.

Então, você precisa se perguntar: por que estou sofrendo? Se você está vivendo sua vida cristã, vivendo uma vida correta e piedosa, apresentando a Jesus Cristo em todas as oportunidades que lhe são dadas, mas trabalhando silenciosamente com suas mãos, sendo fiel à sua tarefa, sendo um cidadão nobre em todos os sentidos, sendo responsável ao cumprir suas obrigações dentro da cultura, não sendo uma força disruptiva, e você é perseguido, então é por causa da justiça. Mas, se você quiser forçar seu pensamento cristão sobre sua cultura, seja a cultura corporativa em que você trabalha, ou a loja em que você trabalha, ou o estado ou governo onde você mora ou, você ultrapassou os limites. E acho que Pedro está apenas ressaltando aqui o que ele disse no capítulo 2, que devemos ser cidadãos que são modelos de submissão a todas as instituições humanas e a todas as autoridades. Então, Pedro está dizendo: "Veja, se você é como um assassino e o governo te prende, se você é como ladrão e o governo te condena , se você é como algum tipo de malfeitor, envolvendo qualquer outra infração penal, e o governo te leva como prisioneiro, ou se você se tornou um agitador do status quo e um revolucionário social, então não conte isso como sofrimento por causa da justiça. Você deveria ter vergonha disso.”

Então, você precisa fazer uma lista. Você deve avaliar o sofrimento. Você diz: "Estou sofrendo. Porque estou sofrendo?" O versículo 16 diz: "se sofrer como cristão" em outras palavras, você sofre apenas por ser cristão "não se envergonhe disso". A implicação é: se você está sofrendo porque você é um assassino, um ladrão, um criminoso de algum tipo, ou você é um intrometido, agitador da sociedade, você deveria ter vergonha. Mas se você sofre enquanto faz o seu trabalho, vive uma vida tranquila, sossegada e pacífica, honrando a Jesus Cristo, sendo o melhor cidadão possível, e proclamando fielmente o evangelho de Cristo, você faz tudo isso e sofre, então você não tem motivo para ter vergonha. Na verdade, "antes, glorifique a Deus com esse nome". Que afirmação! Se alguém sofre como cristão, nesse nome, o nome Cristão, você irá glorificar a Deus.

É um belo termo, aliás, Cristão. Os primeiros cristãos referiam-se a si mesmos como irmãos. Eles falavam de si mesmos como os santos, o povo consagrado. Eles falavam de si mesmos, eu amo essa expressão, como “os do caminho”; Jesus sendo o caminho, a verdade e a vida. Mas, os adversários judeus os estigmatizavam como “os nazarenos”. Eles também lhes deram um nome que pretendiam que fosse um nome de escárnio. Eles os chamavam de cristãos. Esse não era, primeiramente, um nome que os cristãos assumiram. Eu não acho que eles teriam sido tão ousados a ponto de assumir que eles poderiam usar o mesmo nome de seu Cristo. Foi-lhes dado pelo mundo. Primeiro em Antioquia, de acordo com Atos 11. Agripa, novamente em Atos 26, acho que no versículo 28, faz referência a isso. E, eventualmente, veio a ser usado pelos crentes. Mas primeiro, foi um termo zombador, que evoluiu até ser um termo amado, como é para nós. Então, ele diz, se você sofre porque você é cristão, não se envergonhe. Mas nesse nome, o nome Cristão, nesse nome, como um seguidor de Jesus Cristo, que ele glorifique a Deus. O que isso significa? Louve a Deus pelo privilégio. Por quê? Porque você está compartilhando os sofrimentos de Cristo, porque o Espírito de glória o fortalece, porque você está se fortalecendo para a glória eterna. Todos esses três motivos.

E há mais um motivo no versículo 17. "Porque a ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus?" Este é um versículo interessante. Ele está dizendo que, se você sofre como cristão, então, por causa do nome Cristão, você deve estar feliz de sofrer e você deve louvar a Deus pelo privilégio, porque está compartilhando os sofrimentos de Cristo, porque o Espírito de glória repousa Sobre você e te fortalece , e você deve se alegrar com a força do Espírito, e porque você também está fortalecendo a sua eterna recompensa. Então, ele acrescenta aqui: "Você deve olhar para o sofrimento como um sinal de que o fim está próximo, e que é hora de limpar a casa de Deus". É uma declaração importante. Volte ao versículo 7, você notou como ele começa? "Ora, o fim de todas as coisas está próximo". O fim de todas as coisas está às portas. Então, ele diz lá no versículo 17: é chegada a hora do julgamento. E, a propósito, a palavra "hora" aqui não é cronômetro. Não é hora do relógio; é kairos. Isso significa que é o momento crucial, é o ponto, é a época para o julgamento começar. Esta é uma ótima afirmação.

Com a vinda de Jesus Cristo, quero que você siga meu raciocínio aqui, com a chegada de Jesus Cristo, veio a dispensação cristã que conhecemos como a dispensação da igreja. Cristo veio, sofreu e morreu. Esse é o começo do fim. Esses já são os últimos tempos. Cristo apareceu no final da era. Estamos vivendo no fim dos tempos, nos últimos tempos. Então, Pedro diz que já é hora de começar o julgamento. Por onde começou? Começou na cruz, quando nossos pecados foram julgados em Cristo. E estamos vivendo num período de julgamento. Os sofrimentos dos cristãos, então, são parte do plano de Deus para um julgamento que se desenrola, que culmina no Grande Trono Branco.

Agora, pense nisso. Quando usa a palavra julgamento, Pedro não está falando de condenação. Ele está falando de correção, de teste, de purificação. O que ele está fazendo é nos dando uma dica sobre essa dispensação. Ele está dizendo que nesta dispensação, Deus estará julgando. E para começar seu julgamento, ele está purificando, ou julgando, ou testando, ou castigando, sua igreja. Começa assim e termina com a condenação final dos ímpios. É o que ele diz. Se o julgamento começa na purificação da casa de Deus, então ele começa por nós , qual será o resultado para aqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? Em outras palavras, se Deus tem um julgamento para aqueles que creem, e é tão importante e sério como é, então, qual será o julgamento para aqueles que não creem? O povo de Deus está sendo julgado, testado, para remover a palha, eles estão sendo peneirados, limpos para remover a sujeira. A igreja está sempre em processo de purificação. A casa de Deus aqui significa a igreja, a assembleia de pessoas remidas de forma coletiva. De volta ao capítulo 2, verso 5, somos chamados de casa espiritual, uma casa espiritual. Em 1 Timóteo 3:15, a casa de Deus é a igreja do Deus vivo. Primeira Timóteo 3:15 diz: "A casa de Deus é a igreja do Deus vivo". É isso o que ele está dizendo. Pedro está falando sobre a igreja. E ele realmente está falando coletivamente aqui. E ele está dizendo que se Deus já purificou Sua igreja, e se houver alguma purificação em andamento, ela é necessária.

Agora, como será quando ele trouxer seu julgamento final para aqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? Esta purificação, essa avaliação, esse teste é necessário neste tempo. Há uma analogia maravilhosa sobre isso em Ezequiel 9:6. Voltamos a Ezequiel, quando Deus olhou para o povo pecador da Terra, e Ele queria purificá-los, Ele disse: "Eu quero limpar a terra", essa foi a intenção dele e Ele disse isso, e cito: "Começai pelo meu santuário. Comece com Israel." Deus finalmente julgará os ímpios. mas agora, ele está limpando e purificando a Sua igreja. Então, quando você sofre por causa da justiça, é a purificação de Deus, o teste de Deus. E eu estou lhe dizendo que, quando você olha para a igreja que foi purificada, que foi testada, que foi perseguida, você encontra a igreja pura, não é mesmo? Então, olhe sua perseguição. Veja pelo que está sendo perseguido.A perseguição é Deus começando o julgamento na casa que Ele ama, e começando a purificação do seu juízo durante esta era? Veja, antes do julgamento final, a igreja deve evangelizar o mundo. E, para ser eficaz na evangelização do mundo, a igreja deve ser purificada do pecado, a verdade separada do que é falso, e a carnalidade limpa ou removida. E então, a igreja pura pode sair.

E assim, olhe para a perseguição como o julgamento de Deus que deve vir, e deve vir primeiro na casa de Deus antes de chegar aos estranhos. Primeiro, ele purificará sua igreja; Então Ele julgará os ímpios. Se começar primeiro a partir nós, e começará, o que será daqueles que não creem? O julgamento de Deus começa em Sua casa. Mas não é lá que termina. Pedro olha para além da tragédia do julgamento eterno. E o que ele está dizendo? Este é o ponto. Entenda isto. "É muito melhor suportar o sofrimento enquanto o Senhor purifica a Sua igreja, e suportá-lo com alegria, do que suportar o o sofrimento futuro, que é eterno". Entendeu seu ponto de vista? Olhe para o seu sofrimento e considere isso. Você diz que é difícil de sofrer, mas melhor você sofrer agora, enquanto Ele te prova, purifica e lhe molda para a sua glória, do que não sofrer agora, mas então sofrer para sempre e sempre. Isso é muito pior. E isso virá sobre aqueles, do versículo 17, que não obedecem ao evangelho de Deus. Isso é uma lembrança de Romanos 1:1 a 5, quando Paulo usa a mesma frase, "o evangelho de Deus, o qual foi por Deus, outrora, prometido.”

Qual será o resultado, ele pergunta? Eu direi qual será: um julgamento terrível e a condenação eterna. 2 Tessalonicenses 1:4 em diante, fala sobre a igreja perseguida e como ela perseverou na fé em meio a perseguição e aflição. E então, no versículo 5, ele diz: "Sinal evidente do reto juízo de Deus, para que sejais considerados dignos do reino de Deus, pelo qual, com efeito, estais sofrendo". Ele está dizendo que você deveria saber que isso é um indicação clara, toda essa tribulação, todo esse problema, todo esse sofrimento são indicações muito claras de que Deus está lhe julgando, Ele está purificando você, Ele está limpando você, Ele está testando você, tornando-o mais útil. Ele está deixando você compartilhar os sofrimentos de Cristo. Ele está fortalecendo você para a sua eterna glória. E isso é muito melhor do que o que o resto do mundo vai experimentar. "Se, de fato, é justo para com Deus que ele dê em paga tribulação aos que vos atribulam e a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição" Então, não se queixem de sofrer agora e ter glória mais tarde. Há muitos que deixam de sofrer agora, mas sofrerão para sempre e sempre.

Pedro, em seguida, apoia o seu ponto com uma citação no versículo 18. Esta citação é tirada de Provérbios 11:31. Pedro diz: "E, se é com dificuldade que o justo é salvo, onde vai comparecer o ímpio, sim, o pecador?" Provérbios 11:31, na verdade, diz: " Eis que o justo recebe na terra a retribuição; quanto mais o ímpio e o pecador!" Pedro interpreta livremente as palavras. Quando ele diz: "E, se é com dificuldade que o justo é salvo", essa dificuldade se refere ao momento difícil que a perseguição traz para o crente. Nossa salvação traz perseguição. Nossa salvação traz dificuldade, julgamento, teste disciplinar, correção, purificação, instrução através do sofrimento que nos impedem de cometer pecados condenatórios. Esse julgamento continuará na igreja até o Arrebatamento, e mesmo depois disso. Quando Deus remir uma nova geração de pessoas, elas também sofrerão. E se é tão difícil, e há tanto sofrimento na purificação de um cristão, o que será do ímpio e pecador? Ele pergunta. Que tipo de sofrimento eles sofrerão se já suportamos isso? E a resposta é: um sofrimento muito maior. Eles serão lançados no lago de fogo, que queima com fogo e enxofre para sempre e sempre, onde não morre o verme, nem o fogo se apaga.

Então, todas essas coisas nos ajudam a enxergar a importância de uma avaliação clara do nosso sofrimento. Tem que ser por causa justiça, não pelo pecado. Não devemos nos envergonhar quando sofremos, mas honrar a Deus porque Ele está purificando Sua igreja, que é onde o julgamento precisa começar, se seremos um povo puro que alcançará o mundo. E assim, quando você se vê sofrendo, olhe para o sofrimento, veja suas causas, avalie-o. Ele deve ser uma boa lembrança de quanto o julgamento poderia ser e será mais severo para aqueles que não têm Cristo. Como você lida com o sofrimento? Espere por ele, regozije-se com ele, avalie-o, veja seus reais motivos. É Deus purificando graciosamente a Sua igreja para ser frutífera, pela comunhão com Cristo, para um peso de glória maior. Não deve ser comparado com aquele terrível sofrimento que os pecadores e os ímpios sofrerão para sempre.

Um último ponto: espere pelo sofrimento, alegre-se com ele, avalie-o; e em quarto lugar, confie sua vida a Deus. Um homem ímpio não pode fazer isso. O pecador não pode fazer isso; seria tarde demais. Mas você e eu podemos fazer isso no meio do nosso sofrimento. Versículo 19, "Por isso, também os que sofrem segundo a vontade de Deus encomendem a sua alma ao fiel Criador, na prática do bem". A palavra, “por isso” está ali para resumir a verdadeira perspectiva do sofrimento. Porque agora você entende o sofrimento, agora entende que é para correção, purificação, instrução. Você entende o que Deus usa para te testar, para te purificar, para te moldar e para fortalecê-lo para a glória. "Por isso, também os que sofrem segundo a vontade de Deus" isso está na Sua vontade enquanto Ele mesmo purifica a sua igreja "encomendem a sua alma".

Estamos sofrendo de acordo com a vontade de Deus. É o propósito dEle, é a finalidade dEle para Seus filhos: purificar, castigar, tornar-nos mansos, para nos tornar capazes. A palavra "encomendar", por sinal, é um termo bancário. Significa depositar para que esteja guardado em um lugar seguro, o que é simplesmente atravessar o sofrimento tomando sua alma e depositando-a em Deus. A palavra "alma" significa sua vida, seu ser, sua pessoa. "Entregue-a ao fiel Criador". Esse é o único lugar na Bíblia onde essa frase é usada. Por que ele a usa? Ouça: ele usa a palavra "criador" para nos lembrar que estamos simplesmente devolvendo a Deus o que Ele criou, o que significa que ele é o mais capaz para cuidar dela, certo? E quando dizemos que Ele é um criador fiel, podemos confiar nEle. Como criador, Ele conhece melhor as necessidades de suas criaturas amadas. Como um criador fiel, Ele vai suprir essas necessidades porque Ele é fiel à Sua promessa. "Há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades". Por sinal, a palavra "encomendar", encomendar suas almas a um criador fiel, paratithēmi, é a mesma palavra usada por Jesus quando na cruz confiou seu Espírito ao Pai . A mesma palavra. No meio do Seu sofrimento, Ele se entregou a Deus. Pedro diz: dê sua vida a Deus para que Ele o sustente no meio do maior sofrimento, e Ele é confiável, e Ele será fiel. E esse verso termina com: "na prática do bem".

Aí é onde devemos estar. Nós fazemos o que é certo; nos comprometemos com Deus. Nós sofremos, confiamos nossas almas a um criador fiel e fazemos o que é certo. Para dizer de outra forma: enquanto você faz o que é certo, suporte o que vier; comprometa-se com Deus. Sem desistir, com obediência, compromisso, fidelidade. Apenas continue fazendo o que é certo. Então, quando o sofrimento vem ao crente, nós esperamos por ele, nós nos alegramos com ele, olhamos de perto e avaliamos: É consequência do pecado ou é consequência da justiça? E Deus está apenas nos purificando, testando, para que possamos ser mais frutíferos, mais gloriosos?

Eu estava pensando em Geoffrey Bull. Aos 30 anos, ele foi preso por três anos e dois meses pelos comunistas chineses. Parte do tempo em que ele foi mantido na solitária, ele estava morrendo de fome aos poucos, sendo ameaçado, perseguido, submetido a técnicas infernais de lavagem cerebral. Ele estava desesperadamente tentando ocupar sua mente fazendo um estudo especial sobre os seis tipos diferentes de mosquitos que havia em sua cela, apenas para manter sua sanidade mental. Em meio a tudo isso, ele compôs um longo, um longo poema que eu nunca poderia ter tempo para ler, mas vou ler cinco breves estrofes. Esta foi a sua oração no meio de um sofrimento horrível: "Não deixe o Teu rosto desvanecer, querido Deus, nem a Tua presença se afastar. Não deixe que a lembrança da Tua Palavra seja apenas uma pequena chama dentro do meu coração. Não deixe meu espírito, Senhor, adormecer com a solidão ou com os medos. Não deixe meu coração ceder à dúvida, e mantenha meus olhos longe das lágrimas. Não deixe a distância aumentar, à medida que os meses e os anos aumentam. Não deixe a escuridão me enclausurar. Não me deixe perder a Tua paz. Não deixe a pressão do inimigo esmagar o meu amor por Ti. Não deixe o cansaço e o mal escurecerem a Tua vitória." O último verso, "Porque a Tua alegria é a minha alegria; E minha esperança, o Teu dia; E o Teu reino, Deus gracioso, nunca passará." Temos que viver nesse tipo de confiança. Vamos nos curvar em oração.

Pai, agradecemos o testemunho de um santo fiel, que em meio a circunstâncias insuportáveis, ​​encontrou força em Ti. Agradecemos a Ti, Senhor, e reconhecemos que é Tua vontade nos limpar e purificar, em meio às dificuldades, e particularmente, através da perseguição, enquanto somos ousados ​​por Cristo. Que possamos saber que, se não formos ousados ​​por Cristo, não conheceremos o sofrimento nem a glória da comunhão com o Salvador sofredor nem a glória do Espírito que está sobre nós nem a Glória eterna. Não, Senhor, se não estivermos dispostos a ser ousados ​​por Cristo, podemos escapar, mas não podemos ser vasos testados, refinados, purificados, fortificados e úteis. Então, teste-nos, Senhor, enquanto somos fiéis. Comece esse julgamento conosco, para que Tua igreja possa estar limpa, útil para Ti, e te agradeceremos por tão grande privilégio; e, apesar de sermos julgados aqui e agora, seremos eternamente livres de qualquer julgamento, apenas para compartilhar Tua eterna glória. Pai, oramos por qualquer um em nosso meio esta noite que tenha deixou de sofrer pela justiça nesta vida, mas que sofrerá pelo pecado para sempre. Que este seja o dia em que eles venham ao Salvador para se arrependerem dos seus pecados e reconhecê-Lo como Senhor e Deus, Redentor. Oramos em Seu nome. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize