Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Essa é a mensagem número seis em nosso estudo de Gênesis, capítulo 1, em nosso estudo a respeito das origens. Algumas pessoas têm me perguntado, “Você vai passar por todo o livro de Gênesis?” A resposta é , “Não”. Outros me perguntaram, “Quantas mensagens serão?” A resposta é, “Eu não sei nesse momento”. Como você deve imaginar, nós estamos apenas tratando do eu está no texto. Foi perguntado para mim também se eu já preguei isso antes. A resposta seria não. Essa é a primeira vez que eu estou indo versículo por versículo a respeito do relato da criação. Obviamente, eu tenho estudado a respeito disso ao longo dos anos, é claro, escrevendo as anotações na Bíblia de estudo também, me aprofundando. Mas essa é a primeira vez para mim, assim eu estou compartilhando com você conforme eu caminho. Essa é a forma mais rica de se fazer isso.

Agora, nós chegamos a Gênesis, capítulo 1, nós chegamos nesse versículo muio familiar para nós. “No princípio, Deus criou os céus e a terra”. Isso responde as questões a respeito da origem. Os céus e a terra, que era uma frase judaica substituindo a falta de uma palavra para universo, pela qual eles descreviam o universo. Isso responde a questão da origem. “No princípio, Deus criou o universo”. Agora, nós temos acrescentado a isso conforme nós caminhamos pelo texto de Gênesis. Deixe-me resumir o que a Palavra de Deus em Gênesis ensina a respeito da origem. Não dá para errar. A linguagem é clara. Existe aqui um relato inescapável em Gênesis nos dizendo a respeito da origem do universo.

Para resumir, isso é o que o texto diz. O Deus eterno, em algum momento no passado, criou do nada, sem nenhum material pré-existente, o universo como está em seis dias solares. Ele capturou a criação no sexto dia ao criar o homem em sua própria imagem. Isso é, com inteligência, personalidade, com uma consciência e cognição, com a habilidade de pensar e raciocinar. Essa criação ocorreu em seis dias. No sétimo dia tudo estava encerrado, e Deus descansou de criar. Isso ocorreu por volta de 6000 anos atrás, e toda a criação estava madura e com uma idade completa no momento instantâneo de sua criação. No momento da criação, a morte não existia. Na verdade, nenhuma influência corrupta existia. Assim, não havia animais morrendo, plantas morrendo. Não poderia tem nenhum tipo de processo de seleção natural acontecendo. Não poderia haver nenhuma sobrevivência do mais forte porque tudo sobrevivia naquela criação perfeita.

A morte e a corrupção entraram na criação pela primeira vez quando Adão e Eva pecaram e desobedeceram a Deus. Então veio a morte e veio a corrupção. Porém, isso está descrito no capítulo 3, e não tem nada a ver com os seis dias da criação. Depois, depois da queda, a superfície dessa terra, agora com outra forma, foi drasticamente afetada por um dilúvio mundial. Isso foi tão profundo que cobriu completamente as montanhas por toda a face da terra. Foi um dilúvio mundial cataclismo que drasticamente mudou a superfície da terra, depositando todos os fósseis por todo o globo. Aquele dilúvio acabou com toda a humanidade, exceto com oito pessoas e os animais na arca de Noé. Eles foram os únicos sobreviventes.

Agora, esse é o relato de Gênesis da origem; da criação; da queda; do dilúvio que mudou cataclismamente a superfície da terra agora amaldiçoada e corrupta. Um grande julgamento cai sobre toda a humanidade ao ponto de que apenas oito sobrevivem. Todos nós então somos descendentes desses oito. Noé os seus três filhos, a esposa de Noé e suas esposas. Esse é o relato de Gênesis.

Agora, deixe-me dizer algo que você pode guardar no seu útil arquivo permanente. A ciência não é uma hermenêutica para interpretar Gênesis. Ou de interpretar qualquer porção das Escrituras. A ciência não é hermenêutica. Ela não é um princípio de interpretação. A Bíblia não se prostra a ciência. A precisão do texto de Gênesis não é diferente do que qualquer outra parte das Escrituras. Toda Escritura foi dado por inspiração de Deus. Toda Escritura é soprada por Deus. Toda Escritura não parte de uma interpretação particular, mas de homem santos com os quais Deus falou, movidos pelo Espírito Santo. Jesus resumiu isso quando ele disse, “A tua palavra é a verdade”. A Bíblia é verdade seja você falando a respeito do Apocalipse e da profecia escatológica ou seja você falando a respeito de G6eneis e de suas origens históricas. A Bíblia é verdade, seja você falando a respeito da história de Israel ou da história dos Cananeus. A Bíblia é verdade seja você falando a respeito da salvação ou da santificação, seja você falando a respeito da vida de Jesus ou da teologia de Jesus. O que a Bíblia diz é absolutamente verdade. E a Bíblia é tão verdadeira em Gênesis como em qualquer outro lugar.

Além disso, como a origem não é repetida, ela está fora do campo da ciência. Como a origem não pode ser observada, como existe somente um único Deus, ninguém pode comentar a respeito da origem a não ser Deus. Assim, o que você temem Gênesis é o único e preciso relato ocular da origem pelo próprio criador. Agora, mesmo com essa abordagem tão clara a respeito da Palavra de Deus, muitas pessoas, inclusive cristãos, se voltaram para a ciência e para cientistas que falam com autoridade a respeito de Gênesis.

Na verdade, existem teólogos, muitos deles, comentaristas da bíblia, pastores, pastores e pregadores muito conhecidos e populares, alguns que você pode até mesmo conhecer, que negam o relato de Gênesis. Eles negam abertamente o relato de Gênesis porque eles aceitam a ciência evolutiva de uma forma ou outra. Eu tenho dito isso para você sempre, e eu repetirei sem entrar em qualquer esclarecimento. A ciência não provou nada que negue o relato de Gênesis. Na verdade, o relato de Gênesis é o que responde o mistério da ciência. No entanto, infelizmente, cristãos e teólogos cristãos, comentaristas da bíblia, professores de seminários cristãos, assim como pastores e professores, têm negado o relato de Gênesis, sendo intimidados pela ciência.

Agora, existe um livro. Existe um livro que comenta a respeito de Gênesis; bastante. Um livro que eu diria que é absolutamente autoridade, e a o único livro com autoridade para isso. Um comentário verdadeiro, infalível, inerrante e com autoridade que foi escrito a respeito de Gênesis. Um livro sem duvidas divino, um comentário divinamente inspirado que fala com toda autoridade, sem dúvidas de sua veracidade. Honestamente, para mim, esse livro encerra, para sempre, a questão da precisão de Gênesis. Que livro é esse? O Novo Testamento. É o Novo Testamento.

Ele não foi escrito por nenhum cientista e nem por um cientista da criação. Ele não foi escrito por teólogos ou por um teólogo. Ele foi escrito por homens simples, que receberam as palavras para serem escritas de Deus, para que o Criador fosse o autor. Você tem em Gênesis o relato da criação. Você tem no Novo Testamento, o comentário inspirado pelo criador a respeito do relato de Gênesis. Se você for para o Novo Testamento, você encontrará lá uma afirmação de uma criação de seis dias. Existe uma afirmação de um fiat divino, de uma criação instantânea. Existe uma afirmação do homem sendo feito na imagem de Deus, uma afirmação de Adão sendo criado e depois Eva. Existe uma afirmação da queda com termos muito específicos. Existe uma afirmação do dilúvio com termos muito específicos. Existe uma afirmação de Noé e da família sobrevivente de Noé. Todo o relato de Gênesis é cuidadosamente referido pelo inspirado Novo Testamento.

Humbert Thomas, em seu livro francês a respeito de Gênesis 1 a 11, na introdução, escreve o seguinte, “Na verdade, três pontos são demonstrados ao lermos a lista que nós providenciamos. Esses três pontos podem confirmar que o Novo Testamento em nenhum momento apela para sustentar qualquer teoria evolutiva”. Ele está absolutamente certo. Você não pode encontrar nada a respeito da evolução em Gênesis. Não está ali. Você não consegue encontrar em nenhum lugar no Antigo Testamento e você não consegue encontrar em nenhum lugar no Novo Testamento onde, ao comentar a respeito de Gênesis, alguém colocando alguma luz evolutiva, ou algo de lenda, fantasia ou licença poética.

E então, o Thomas dá três razões, “Primeiro, sem exceção, referências a criação e especialmente a citações de Gênesis 1 a 11 apontam para eventos históricos. Eles não são nada diferentes do que a morte histórica do Senhor Jesus Cristo no Golgotá. De acordo com o Novo Testamento, a criação ex nihilo, do nada, a criação de Adão e Eva, Caim e Abel, Noé e o Diluvio; de acordo com o Novo Testamento, não existe nenhuma lenda ou parábola. Todos elas lidam com pessoas e eventos históricos e significados universais”.

“Em segundo lugar”, Thomas escreve, “sem exceção, a criação é sempre mencionada como um evento único que aconteceu em um momento particular no passado”, e não algo que está acontecendo o tempo todo, como é a teoria da evolução. Ele continua dizendo, “a criação aconteceu e terminou. Eventos aconteceram que corromperam o mundo e agora ele espera a nova criação que acontecerá no futuro em um determinado momento”.

“Em terceiro lugar”, Thomas disse, “recitações da criação dadas em Gênesis 1 a 3 são consideradas no Novo Testamento como sendo literalmente verdade, históricas e de grandiosa importância. A doutrina do Novo Testamento baseada nessas citações, a partir de Gênesis 1 a 3, não teria nenhuma validade e seria até errada se os eventos de Gênesis não fossem historicamente verdadeiros. Por exemplo, considere a entrada do pecado no mundo. Se Adão não fosse o cabeça de toda a raça humana, então Jesus Cristo, o último Adão, não é o cabeça da nova criação”, fim da citação. Ele está se referindo a Romanos onde diz que em Adão todos morreram e assim em Cristo todos se tornarão vivos. Claramente, o escritor do Novo Testamento, sob a inspiração do Espírito Santo, viu o pecado e a morte entrarem no mundo através do homem muito histórico, Adão, e através do seu ato histórico de desobediência.

Assim, isso resume a questão para nós. O Novo Testamento não faz pouca referência a Gênesis e a criação. E ele faz isso de forma muito natural. Ele não...eu não é afetado. Ele não parece incrédulo. Ele não parece dizer, “Ah, eu sei que isso é difícil de acreditar e eu sei que você...eu sei que você terá dificuldades de engolir isso...mas é assim que é”. Ele não faz isso. Não existe nenhuma tentativa de defender, nenhuma tentativa de explicar a incredulidade de alguém; ele é simplesmente citado como um fato.

Agora, por exemplo, Mateus 13:35, “Abrirei em parábolas a minha boca; publicarei coisas ocultas desde a criação do mundo”, indicando que houve um momento no tempo em que o mundo foi fundado. Marcos 13:19, “Porque aqueles dias serão de tamanha tribulação como nunca houve desde o princípio do mundo”. João 1:3, “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez”. Somente esse versículo cancelaria imediatamente a criação de qualquer coisa aleatoriamente por um processo aleatório. Tudo que foi feito foi feito por Deus.

Atos 4:24, “Tu, Soberano Senhor, que fizeste o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há”. Isso é o mais compreensíveis que você pode dizer. Atos 14:15, “para que destas coisas vãs vos convertais ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles”. Tudo, o céu, a terra, o mar e tudo que habita em tudo isso. Romanos 1:20, “Porque os atributos invisíveis de Deus...desde o princípio do mundo...sendo percebidos”. 2 Coríntios 4:6, “Porque Deus”, e nós estudados isso no último domingo a noite, “que disse: Das trevas resplandecerá a luz”. Foi exatamente isso que ele fez no primeiro dia. Ele comandou a luz para resplandecer das trevas.

Colossenses 1:16, “pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis...Tudo foi criado por meio dele e para ele”. Hebreus 1:10, “No princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos”. E nós veremos isso um pouco depois no segundo dia. Hebreus 11:3, “Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem”. Isso é o ex nihilo. Ele criou as coisas visíveis, mas elas não foram feitas de qualquer coisa que existiu antes.

Em Mateus 19 Jesus disse, “Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher”. Aqui novamente, ele fala a respeito da humanidade como sendo um resultado direto do ato criativo de Deus. Atos 17:26 diz, “de um só fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra, havendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os limites da sua habitação”. Ele é o criador de todas as nações de homens. 1 Coríntios 11:8 e 9, “Porque o homem não foi feito da mulher, e sim a mulher, do homem. Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, e sim a mulher, por causa do homem”. Novamente criado. 1 Timóteo 2:13 e 14, “Porque, primeiro, foi formado Adão, depois, Eva”. Romanos 5:14 nos leva para a queda, “Entretanto, reinou a morte desde Adão até Moisés”. Romanos 5:17, “Pela ofensa de um, Adão, e por meio de um só, reinou a morte”. 1 Coríntios 15:21, “Visto que a morte veio por um homem, também por um homem” – Cristo – “veio a ressurreição dos mortos”.

Eu gostaria de te lembrar novamente de 2 Pedro 3:5 e 6, quando Pedro se refere ao diluvio e até mesmo ao mundo não formado quando estava coberto de água, quando ele diz, “houve céus bem como terra, a qual surgiu da água e através da água pela palavra de Deus” e aí ele continua como vimos na última vez. Efésios 3:9, “o mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas”. Tiago 3:9, “Com ela, bendizemos ao Senhor e Pai; também, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus”. Novamente, Deus é o que fez o homem a sua imagem.

Apocalipse 4:11, “Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas”. Apocalipse 10:6, “e jurou por aquele que vive pelos séculos dos séculos, o mesmo que criou o céu, a terra, o mar e tudo quanto neles existe”. Apocalipse 14:7, “adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas”. Romanos 1:25, “adorando e servindo a criatura em lugar do Criador”. E por aí vai. Hebreus 2:10, “aquele por cuja causa e por quem todas as coisas existem”. E por aí vai. Por várias, várias e várias vezes no Novo Testamento, o relato da criação é referido.

Agora, como nós temos dito, a evolução tem sido introduzida realmente como uma alternativa ateísta, como uma alternativa sem Deus. A evolução demanda uma fé irracional em uma aleatoriedade impotente. A evolução não pode acontecer. É impossível. Tem sido provado pela ciência que ela não pode acontecer, como nós vimos, por causa do DNA, dos sistemas de informação do código genético. A criação é uma fé racional no Deus Todo-Poderoso. A evolução é uma fé irracional em uma aleatoriedade impotente. A evolução é um naturalismo. Qualquer tipo de evolução é uma forma de naturalismo.

O naturalismo acredita que Deus existe somente na mente dos não intelectuais, sobre na mente de pessoas religiosas de um baixo nível. O naturalismo diz que só existe a natureza. É só isso que existe. Essa é suposição que está por detrás de toda ciência natural. Ela está por detrás de toda filosofia humanista e naturalista. Ela está por detrás de toda obra intelectual. Ela está por detrás de toda moralidade; na verdade, de toda imoralidade. Em outras palavras, o fundamento de toda a nossa cultura é a ideia de que só existe a natureza.

Se o naturalismo é verdade, então o homem criou a Deus; Deus não criou o homem. A crença em Deus então se torna nada mais do que uma superstição sem fundamento e, mais importante, como é uma superstição, nós não precisamos dar ouvidos a nada na tola Bíblia; certamente não os 10 mandamentos, as leis morais e por aí vai. Assim, eles não estão interessados no que as pessoas religiosas pensam. Elas são uma ameaça. Elas não são intelectuais. Elas são mais do que uma inconveniência. Elas se intrometem na nossa liberdade moral. Na verdade, nós nem falamos mais a respeito de moralidade. Nós apenas falamos a respeito de direitos e valores, não é? Direitos e valores. E os direitos e valores devem ser decididos por cada indivíduo.

As pessoas não fazem coisas erradas por causa do pecado. Com tudo...diante de todo esse massacre em Littleton no Colorado, você não ouviu ninguém falando a respeito de pecado. As pessoas não fazem coisas erradas por causa do pecado. Elas fazem coisas erradas porque elas ultrapassaram os seus direitos. Elas, de alguma forma, distorceram valores. Elas são analisadas psicologicamente ao invés de teologicamente. Não existe Criador, não existe lei moral e não existe juiz moral. Não existe propósito para essa vida. Não existe razão para viver a não ser passar por ela com a maior felicidade possível. Não existe destino. Não existe uma verdadeira teologia. Pessoas, eu quero levar voc6es até lá porque essa é a coisa mais importante. Não existe em um mundo naturalista, em um mundo humanista, em um mundo evolutivo, uma verdadeira teologia. Assim, um teólogo é uma interrupção inútil. Na verdade, eles provavelmente esperariam que os teólogos estivessem tão baixo na escala evolutiva que eles não seriam capazes de sobreviver. Não existe nada como uma teologia verdadeira porque não existe nada como um Deus verdadeiro.

A questão para os evolucionistas não é que não e pode acreditar em Gênesis. Ele é um relato bem simples e direto. Não é que eles queiram debater se Gênesis verdadeiro ou não...nisso...nisso eles já ganharam a batalha. É por isso que eu estou voltando lá. Olha, eles já convenceram a maioria dos cristãos do mundo que Gênesis não é verdadeiro. Eles já atacaram com sucesso, com suas teorias incansáveis, ilusões científicas, truques e más interpretações. Eles já atacaram Gênesis com sucesso e fizeram com que a maioria dos cristãos evangélicos do mundo acreditassem que Gênesis não traz um relato verdadeiro. Mas isso não é...eles não estão buscando derrubar Gênesis. Isso não faz eles ganharem muita coisa.

A verdadeira questão com evolucionistas é que se Deus criou o homem e que ele se importa a tal ponto com o que ele faz para designar consequências eternas para o seu comportamento, essa é uma séria ameaça para os seus prazeres pecaminosos. O evolucionistas naturalista odeia Deus e ama o pecado. Você deveria ler o livro de Paul Johnson, o livro do historiador sobre os Intelectuais. Leia...as biografias. É incrível a leitura das biografias das pessoas que formaram a sociedade ocidental. Elas era perversas, sendo muito bonzinho, em suas vidas pessoais. O naturalista odeia Deus e ama o pecado. O evolucionista teísta que quer trazer a evolução e impor isso em Gênesis, juntando isso com Deus, dirá que ele ama a Deus e que odeia o pecado, mas na verdade ele ama Deus muito pouco e muito a sua reputação acadêmica.

Agora deixe-me dizer algo. Eu não quero me orgulhar. Por incrível que parece, isso se refere a mim. A disciplina que governa no mundo, a disciplina que governa todas as questões a respeito da vida nesse plano, o mais importante ambiente do pensamento, a mais importante área do entendimento não é a ciência. Você ouviu isso? Você pensava que seria. Você achava que seria. É pra isso que a nossa sociedade volta o tempo todo. E o que nós fazemos? Eu peguei três revistas nessa tarde para ler, Newsweek e a Time Magazine. Uma delas tipo um elo perdido na capa. A outra prometida mostrar a diferente do cérebro de um criminoso e de uma pessoa normal, tendo algumas fotos de análises médicas a respeito de padrões no cérebro. Então, a discussão é toda a respeito do processo de evolução que leva ou guia para longe desse tipo de comportamento.

Veja, a rainha das ciências em nosso mundo hoje, no âmbito do conhecimento, é a ciência naturalista. É para eles terem todas as respostas para tudo e o fato é que eles não têm. A disciplina que governa todas as questões da vida no universo em cada detalhe não é a ciência. A disciplina que governa tudo é a teologia. A única forma de você entender o universo, a única forma de você entender a história do homem, a única forma de você entender comportamento e porque as pessoas fazem o que elas fazem, a única forma de você entender o fluir da vida, de onde nós viemos, e para onde nós vamos, é quando você entende a verdadeira teologia. Essa é a única forma de você entender isso.

Nós não podemos permitir que a nossa teologia perca no seu trono no início da Bíblia enquanto a ciência ascende ao trono. A ciência e toda outra disciplina, todo campo, arena, esfera ou paradigma do pensamento humano se prostram diante do rei de todas as disciplinas. E o rei de todas as disciplinas é a verdadeira teologia, uma verdadeira teologia é uma teologia que vem da Palavra de Deus. Os teólogos não são respeitados hoje. Isso é trágico. De certa forma, eles não são respeitados porque eles abandonaram a sua posição. Os teólogos não são respeitados, os que ficam firmes em suas posições, porque eles são os inimigos.

Existe um esforço combinado para pinta-los como não sendo intelectuais; como pessoas que estão envolvidas em superstições e fantasia. Porém, cada um de vocês, como cristãos...e eu vou eleva-los. Vocês nem precisam fazer classes. Eu vou falar isso para vocês...vocês são todos teólogos. Eu quero que você entenda o que eu quero dizer com isso. Você entende teologia. Você pode não entender todas as nuanças da teologia.

Você pode não saber a diferença entre supralapsarianismo, infralapsarianismo e um labrador. Eu só joguei isso aí. Você pode não conhecer todas as terminologias. Você pode não saber todos os detalhes de cada conceito teológico. Mas, deixe-me dizer algo pessoal. Vocês são todos teológicos porque vocês conhecem o Deus vivo e verdadeiro, e vocês sabem a forma pelo qual Ele é conhecido. Além disso, vocês conhecem a Palavra do Deus vivo que é a substância de toda verdade na teologia.

Dê à evolução o trono e você tornará a Bíblia uma serva do homem, minando desastre. Porém, a rainha das ciências hoje é o naturalismo. Tudo volta para isso. O naturalismo é definido com termos evolutivos. O que rege toda a nossa sociedade é a evolução. Ela entrou até mesmo na teologia ao ponto de eu ler vários recursos onde os escritores dizem, “o próprio Deus também está evoluindo”. Ah sim. É o Deus se tornando o que ele gostaria de ser. Assim, até mesmo Deus tem sido tomado e Deus é apenas outra pequena peça do processo evolutivo.

Dê o trono à evolução e ela toma tudo. Dê a ela o trono nos primeiros versículos do primeiro livro da primeira página da Bíblia e você abdicou o resultado. Em um mundo que evolui, é muito difícil ter pontos fixos. É por isso que os educadores hoje são relativistas. Eles são praticamente relativistas em tudo. Você ouvir falar a respeito de todos esses problemas que nós temos nas escolas; que nós temos ouvido recentemente. “O que nós vamos fazer? O que nós vamos fazer? Nós não podemos ter crianças saindo por aí atirando nas escolas. O que nós vamos fazer a respeito disso? Nós precisamos ensina-los aos padrões. Nós precisamos ensina-los alguns padrões”.

Portanto, eu tenho uma grande solução. Leve para cada escola os melhores professores bíblicos de uma comunidade e deixa ele fiar com as crianças todos os dias por uma semana, e deixe eles ensinarem a Palavra de Deus para eles. Esse é o padrão. Esse é o padrão absoluto. Uma pequena chance. Isso não vai acontecer. Até que isso aconteça, as coisas ficarão piores porque não há respostas. O que eles estão falando...e quando um educador diz, “Nós precisamos de ajuda, nós precisamos fazer algo” eles usam a seguinte frase, “esclarecimento de valores”. Valores novamente.

O que significa clarificação? Bom, basicamente, eles definiram como você trabalhar duro e não ferir nenhuma pessoa. Razão moral que significa que eu tenho toda a liberdade para fazer o que eu quiser, mas minha liberdade acaba onde você começa. Se eu quiser sair e bater a minha cabeça contra a parede, seu eu quiser sair e me comportar desse jeito, tudo bem. Mas eu não pode pegar uma arma e atirar em você porque eu estaria invadindo o seu espaço. Assim, eu preciso aprender a raciocinar a moralidade e saque que as minhas liberdades tem limites morais; e o limite é quando, pelos padrões da sociedade, eu cruzo uma linha que afeta você.

Além disso, tudo fica muito, muito confuso, e a sociedade é tão confusa sobre isso que ela não sabe o que fazer a respeito disso. Eles estão deixando as pessoas produzirem vídeo games, programas de televisão, música, filmes que ultrapassam a linha de longe, criando influências nas vidas dos jovens que são tão perigosas como alguém colocar uma arma na cabeça e atirar. Não há esperança para uma sociedade onde a evolução naturalista é a rainha das ciências, onde tudo precisa se reportar a ela. Os alunos precisam receber esclarecimento de valores por professores que não têm nenhum padrão moral. Eles precisam aprender raciocínio moral de pessoas que não têm nenhum absoluto. Eles são ditos que eles precisam formar o seu próprio estilo de vida. Sem autoridade, sem pecado, em uma lei divina fixa, sem vergonha, sem culpa e sem consequências.

Porém, existe uma coisa na nossa sociedade em que ela não é relativista. Você sabe o que é? Evolução. Esse é o absoluto dominante na nossa sociedade. Se você diz que você não acredita na evolução, você literalmente é visto como um idiota, alguém que não pensa direito, alguém que não possui uma habilidade normal de raciocínio. Existe um grande relativismo até o absoluto fixo que faz o sistema relativista funcionar; a evolução. Você vem e diz, “Bom, sabe, eu não acredito na evolução; eu acredito na criação divina por Deus”. E toda a casa de cartas relativista entra em colapso por você...você precisa ter aleatoriedade, livre escolha e livre expressão.

Você não pode ter absolutos fixos. Você não pode ter alguém que dá a lei, a lei, um juiz e tudo mais. Assim, o único absoluto que persevera no meio desse relativismo é o absoluto da evolução. Isto é, eles estão absolutamente convencidos, além de qualquer argumento, de que tudo que existe hoje é o resultado de um processo aleatório. Como um escritor disse, e eu nunca vou esquecer essa afirmação, “O universo como nós conhecemos é apenas uma das coisas que acontece de tempo em tempo”.

Porém, contrário a tudo isso, a teologia é a rainha da ciência. Essa teologia é o campo do pensamento mais importante. A teologia é o elemento controlador de todo o entendimento humano. Uma fé inabalável na precisão e na veracidade da Bíblia está no coração de toda sã teologia. Isso começa com a crença no relato de Gênesis. Isso é algo fundamental para a cosmovisão cristã. Como eu disse a algumas semanas atrás, o Master’s College participa da Christian College Coalition, 110 faculdades cristãs, das quais cinco ou seis afirmam o relato de Gênesis. Assim, nós temos 100 faculdades cristãs que não têm uma cosmovisão cristã. O que é uma faculdade cristã? Bom, eu fico empolgado com isso mas vamos para o texto. Eu estou tentando te dar duas coisas nessas mensagens; um pensamento racional, um pouco de pensamento filosófico, um pouco de coisa científica antes de entrarmos no texto. Mas vamos para o texto.

Vamos olhar para o primeiro dia. “No princípio Deus criou os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia”...desolada e não habitada. Lembre-se, foi isso que nós dissemos que isso significa. Ela estava desolada e não habitada. Ela não tinha forma e nem era habitada por nenhum ser vivente. Ela estava completamente coberta de trevas. “A terra”...o texto diz...”estava coberta, coberta com água”. Ele diz, “havia trevas sobre a face do abismo”, que é uma palavra veterotestamentária para oceano, “e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas”.

Assim, o que você tem no primeiro dia, é que Deus cria o tempo, o espaço e a matéria. Esses são os elementos...tempo, espaço e matéria. Deus os criou do nada. E você tem esse tohu e bohu, essa massa sem forma e não habitada de elementos. Essa terra que ele tem...os elementos estão misturados talvez como lama, como estava, nada dividido, coberto completamente de água com trevas por todos os lados.

E então no primeiro dia, no versículo 3, “Disse Deus: Haja luz; e houve luz”. Assim, Deus criou a luz. “E viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas. Chamou Deus à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia”. Portanto, no primeiro dia, Deus criou os elementos essenciais do tempo, espaço e matéria. Deus, então, adicionou a luz. Ele fixou um ciclo de luz e trevas em uma continuidade permanente de dia e noite de dias solares de 24 horas.

É por isso que ele diz no versículo 5 que houve tarde e manhã. Alguém pode dizer, “Bom, o sol ainda não havia sido criado; nem a lua”. Tudo bem. Deus poderia circular a luz de qualquer forma que ele quisesse até ele fixar aquela luz nos corpos celestiais, o que ele faz, como veremos mais pra frente. Assim, basicamente, no primeiro dia os elementos são criados e eles são deixados sem forma e sem habitação, cobertos por trevas. Então a luz é criada e existe então uma mistura de luz e trevas em um ciclo normal de 24 horas. Esse é o primeiro dia.

Vamos para o segundo dia. Deus continuou a dar forma a esses elementos para transformar isso em um ambiente habitável para a vida que ele criaria. Então Deus disse no versículo 6, “Haja firmamento no meio das águas e separação entre águas e águas. Fez, pois, Deus o firmamento e separação entre as águas debaixo do firmamento e as águas sobre o firmamento. E assim se fez. E chamou Deus ao firmamento Céus. Houve tarde e manhã, o segundo dia”. Tudo bem. Vamos ver o que aconteceu aqui. No primeiro dia, Deus separou a luz das trevas.

No segundo dia, Deus separou os céus da terá. É a respeito disso que ele se refere como firmamento. No terceiro dia, como veremos, Deus separará as águas da terra da terra seca. Portanto, nós temos uma série de separação no primeiro, no segundo e no terceiro dia. Antes de Deus criar a vida, ele teve que separar a luz das trevas, criando uma continuidade de luz e trevas em um dia solar de 24 horas. Ele teve que separar o céu da terra, que ele faz no segundo dia. E então ele teve que separar a água que está cobrindo tudo no primeiro e no segundo dia; ele tem que separar isso da terra seca; assim, haverá um lugar para o peixe do mar e para a vida na terra na terra seca. Assim, o universo é deixado pronto para a vida nos primeiros três dias, uma abordagem muito sensata. Luz das trevas, céu da terra, terra da água.

Vamos ver então as coisas particulares. Versículo 6, “e disse Deus”, e eu preciso novamente te lembrar que a criação foi simplesmente pela Palavra de Deus. Ele falou e trouxe tudo a existência. Conforme o segundo dia começou, ao amanhecer do dia, o universo era luz e trevas, a terra era uma massa indiferente de elementos completamente coberta de água. Então Deus disse, “Haja firmamento no meio das águas e separação entre águas e águas”. Isso é muito interessante. No primeiro dia, a terra estava toda coberta de água. No segundo dia, Deus separou aquela água em dois lugares. É o que o texto está dizendo aqui. Ele colocou um firmamento entre algumas águas em cima e outras permaneceram na terra.

Assim, você tem a água que ainda estava na terra. Agora, parte da água é separada e levada para cima. É exatamente isso que ele está dizendo. Entre esses dois elementos de água existe um firmamento. A palavra “firmamento” é a palavra hebraica “raquia”. Ela significa...é uma palavra interessante. Ela significa firmamento. Ela significa espalhar de forma fina. Olhando para o Antigo Testamento a fim de encontrar o seu uso, ela está em Êxodo 39:9 quando eles estavam preparando as coisas para adorar a Deus no tabernáculo. Ali diz que eles pegaram o outro e eles fizeram...eles, martelando, fizeram folhas de ouro. Eles amassaram ele, espalharam e martelaram para ficar fino. Eles usam o mesmo verbo que é o verbo firmar.

A imagem é de uma área fina que Deus corta pelas águas que estão em volta da terra. Ao redor de toda a terra está essa água e Deus corta ela como se ele fosse com uma faca; ele corta toda a esfera de massa indiferenciada de elementos da terra, separando as duas partes. Ainda tem a parte esférica e a água que está ao seu redor, mas agora existe também água em cima, separada por esse firmamento. O firmamento tem a intensão de trazer a ideia de espaço...espaço.

Veja o versículo 8. Deus chamou esse firmamento do que? Céu. É o que nós entendemos como céu. É o que nós entendemos como o espaço acima de nós. O céu é “shamayim”, e isso significa literalmente céu, ou céus. Esse se refere ao universo e ao espaço que está acima de nós. Não havia céu. Não havia espaço como nós conhecemos até o segundo dia. Deus cortou toda aquela esfera, liberando parte da água, e mandou para cima, cirando um espaço entre as águas em cima e as águas em baixo do espaço. O escritor judeu, Cassuto, diz, “A partir disso nós podemos entender que, imediatamente depois de sua formação, o firmamento ocupou o seu próprio lugar apontado pela vontade de Deus, que é o céu visível que nós conhecemos”. Ele literalmente criou o espaço. “Portanto, assim que o firmamento foi estabelecido em meio aquela camada de água, ele começou a subir, fazendo um arco como uma redoma.

Isso é bem gráfico. Deus corta aquela água e ela começa a subir, e ela começa a expandir, ficando cada vez mais e mais distante, criando um espaço entre elas. Cassuto diz, “ao longo do seu percurso...ele expande como uma redoma, ao mesmo tempo em que ele se expande para cima com as águas no topo”. O firmamento levou-a para cima. “Isso marcou um avanço considerável na formação dos componentes do universo. Agora acima, está a redoma dos céus, com as águas de cima ao seu redor. Em baixo está expandida a água de baixo; isto é, as águas do vasto oceano que ainda cobre toda a matéria indiferenciada na terra. “O universo”, ele escreve, “está começando a criar forma”.

Agora, esse é um relato bem plausível de Moisés. Nisso...quando vo6e olha para a literatura antiga...você lê algumas outras lendas que foram desenvolvidas na mitologia da Mesopotâmia que são interessantes de comparar. As histórias pagãs, muitas delas buscam explicar a criação. Nenhuma delas ensina a evolução. Mas, por exemplo, a lenda da Mesopotâmia diz que depois de Deus, Marduk; e você pode dar ele muito nomes diferentes dependendo da nação que você pertence ou qual a versão que você preferir; Mas o Deus Marduk, aniquilou Tiamat, a deusa do mundo oceânico, descrita como sendo uma grande e poderosa serpente marinha, assim como outros monstros e monstruosidades que ela criou para auxilia-la no combate. Depois dele ter matado o inimigo principal com as suas armas, ele cortou a sua carcaça horizontalmente e dividiu ela em duas metades, uma que ele colocou em cima e outra que ele colocou em baixo, onde ele fez a terra, que incluía o mar.

Você pode ler a história toda no relato babilônico da criação. E ele realmente diz no texto, traduzido, “Ele dividiu=a como um peixe em duas partes. Uma metade dela ele estabeleceu e colocou nos céus. Ele puxou uma barra e colocou um relógio”, se referindo a terra em baixo. Para resumir, o mito sacerdotal babilônico, que os gregos seguiam, diz que a parte de cima do universo e a terra qui é o resultado do corte no meio do corpo de Tiamat, ou Tamtu, ou Tamte; muito nomes diferentes. E isso...eu conto isso para voc6es apenas para mostrar como são esquisitas e tolas essas lendas.

Mas o que a Bíblia diz é completamente plausível. Deus levou as águas para cima...para cima. Ele deixou um pouco cobrindo a terra, e criou um separador entre as águas que era o firmamento que nós chamados de céu, espaço...o grande espaço do universo. Vá para o versículo 7, e o versículo 7 basicamente reitera, “Fez, pois, Deus o firmamento e separação entre as águas debaixo do firmamento e as águas sobre o firmamento”. E, novamente, ele repete a mesma coisa para garantir que você entenda. Existe um firmamento e Deus separou isso. As águas foram para cima, algumas águas ficaram em baixo. Ele criou o espaço entre elas.

Agora apenas algumas anotações. É importante entender que isso é tudo criativo. Isso é, é um poder criativo de proporções que vão absolutamente além da nossa capacidade de compreensão. Eu quero que você...Eu digo isso com referência ao versículo 7 por causa da palavra usada ali; Deus fez o firmamento. Algumas pessoas têm dito, “Bom, isso não é criar; essa não é a palavra barah”. Essa é outra palavra, “asah”, no hebraico. Isso significa um outro tipo de atividade? Nós devemos fazer uma distinção aqui? Muitas vezes, os professores de Bíblia farão uma distinção que eles não deveriam fazer porque todas as línguas têm sinônimos, e até mesmo palavras que têm nuanças de variação podem ser usadas de forma sinônima.

A questão aqui é, a palavra “fez” muda a ação de Deus? A resposta é não. Ela não significa nenhuma atividade diferente da parte de Deus a não ser criar do nada. Na verdade, no capítulo 2, versículo 3, o versículo termina, e Deus descansou no sétimo dia, abençoou-o e santificou-o. Ele descansou de toda a sua obra que Deus criou e fez. A aqui você tem as duas palavras “barah” e “asah” e, basicamente, elas são apresentadas como sinônimas. Eu penso que essa é uma bela nota que o Espírito de Deus colocou aqui para que nós não precisássemos nos preocupar com alguma possível distinção.

A palavra “barah” é a palavra que define. Neste contexto...essa significa criar algo do nada, ou seja, fazer algo que transcende uma habilidade normal; fazer algo que não pode ser feito. Isso é o “barah” nesse texto. O “fazer” é apenas um sinônimo para usar outra palavra para se referir a mesma coisa. Agora, o barah pode ser usado simplesmente para algo normal. Ele é usado em Isaias 54:16, “Eis que eu criei o ferreiro, que assopra as brasas no fogo e que produz a arma”. Deus, em Isaias 57:19, diz, “Como fruto dos seus lábios criei a paz”. Essas são mais normais. Elas não falam necessariamente do mesmo poder da criação demonstrado em Gênesis.

Portanto, barah não significa sempre criar com o sentido de ex nihilo, uma criação divina fiat, mas nesse contexto é distintamente isso que significa. A palavra “fazer” é apenas outra palavra para afirmar a mesma coisa. Nós poderíamos dizer que é um sinônimo. Além disse, em Êxodo, para vocês estudiosos, Êxodo 34:10, “asah” é usado como sinônimo de “barah” em Êxodo 34:10. Assim, eu vejo elas sendo usadas de forma sinônima.

Nós poderíamos dizer desta forma. No contexto de Gênesis, essa palavra “asah” é usada especificamente para o tipo de “barah”, da criação da qual o versículo fala. Deus está criando e nessa criação ele faz algo que nunca existiu. Ele está criando. Porém, ao criar, como o versículo 1 indica, a grande ideia, ele está fazendo as coisas serem expressadas pelo uso de outra palavra. Assim, no versículo 7 ele faz essa expansão. Ainda era a criação, mas um componente da criação; ele estava fazendo algo que nunca havia existido antes.

Agora, eu vou mais rápido e terminarei. A separação da água de cima e de baixo levou a muita discussão pessoal, muita discussão. A pergunta é, “o que é essa água?” E eu preciso confessar para vocês que eu não sei. Eu não sei. Pode ser que no fim do espaço infinito tenha água. Nós sabemos que existe água no ar; isso nós sabemos. Nós sentimos a chuva. Pode ser algum tipo de coisa que nós não conhecemos...o fim do espaço celestial. Eu não sei. Existem muitos que acreditam que na criação havia ao redor da terra um dossel de água.

Essa é a visão de Whitcomb e Morris; que as águas acima do firmamento, as águas acima do firmamento eram como um vapor que cobria toda a terra e criou um ambiente de vapor. Isso, eles sugerem, é o motivo do porque os animais viviam por tanto tempo, assim como as plantas. Você tinha animais vivendo o suficiente para se tornarem dinossauros. Você tinha pessoas vivendo o suficiente para se tornarem como Metusalém, com mais de 900 anos de idade porque eles eram protegidos da luz ultra-violeta por causa dessa água do dossel. E então, no dilúvio, esse dossel arrebentou e cobriu a terra, junto com todo o cataclismo tectônico que ocorreu de baixo da terra que separou os elementos básicos da terra e criou o ambiente pós-dilúvio.

Mas nós não podemos saber disso ao certo. As sugestões são feitas que esse vapor era o vapor desse dossel de água acima da terra. Não há nada aqui a respeito disso. Entao pessoal, voc6es não podem ser dogmáticos com isso. Me parece uma explicação plausível. E a sugestão foi feito do vapor de água que tem a habilidade de transmitir a radiação solar que está vindo, guarda-la e dispersar grande parte dessa radiação refletida a partir da superfície da terra. Seria como uma estufa global, uma temperatura prazerosa, quente e uniforme por todo o mundo.

Eles dizem que com uma temperatura quase uniforme, grandes movimentos de massa seriam inibidos e tempestades de ventos seriam desconhecidas. Sem uma circulação de ar global o ciclo hidrológico do mundo presente não poderia ser implementado. Não poderia haver chuva a não ser diretamente sobre os corpos de água dos que elas evaporaram. Sem uma circulação global de ar, por todo ser protegido pelo dossel, não haveria turbulência, nem partículas de pó transportadas para a atmosfera. O vapor da água no dossel seria estável e não precipitaria.

Além disso, o planeta teria sido mantido não apenas com uma temperatura uniforme, mas com uma humidade uniforme confortável através de uma evaporação e condensação local, como uma neblina no chão. Além disso, a combinação da temperatura quente com uma humidade adequada em todo lugar seria conducente para grandes vegetações por todo o mundo. Nenhum deserto seco e nem calotas polares. Um dossel de vapor seria efetivo para filtrar a radiação ultra violeta, raios cósmicos, e outras energias destrutivas; e por aí vai

E então, no dilúvio, quando Deus quis afogar a terra, ele rompeu aquele negócio e jogou na terra; então, nós todos fomos expostos a luz ultra violeta e a vida foi encurtada e as pessoas passaram a viver 60 anos depois daquilo. Foi assim mesmo que aconteceu? Bom, ele não diz em Gênesis. O texto de Gênesis não especifica um dossel, mas diz que haviam águas em cima e águas em baixo. Houveram cientistas, bons cientistas da criação que disseram que essa teoria não dá certo.

Robert Whitelaw e Walter Brown resumiram as dificuldades assim, “o problema do calor, um grande valor ou um dossel de gelo aumentaria o calor fazendo com que todas as coisas vivas torrassem se você não tivesse nenhum movimento do ar, tendo apenas o calor. O problema da luz”, eles sugerem, “luzes estrelares, que Deus disse que marcariam os sinais e as estações, não poderiam ser vistas e a luz do sol não chegaria com calor o suficiente para sustentar as plantas tropicais. O problema da pressão, um vapor segurando mais de 12 metros de água teria uma pressão tão alta em sua base que a temperatura passaria dos 104 graus célsius.

“o problema da sustentação, nem valor, líquido ou gelo poderia sobreviver fisicamente por tanto séculos entre a criação e o dilúvio”, alguns milhares de anos. Ele condensaria, evaporaria, mas não ficaria ali. E então temos o problema ultra violeta. “um dossel ao redor da atmosfera não seria protegido da luz ultra violeta que desassociaria a água entre hidrogênio e oxigênio, destruindo imediatamente o dossel”. E por aí continua.

Olha. Eu não vou entrar nesse argumento. Eu não faço ideia. Tudo o que eu sei é que havia água aqui e água lá em cima. É só isso que eu sei. Agora, a questão do dossel faz sentido...havia um lá em cima; havia água lá em cima. Obviamente ela não fez tudo aqui...talvez aqueles primeiros grupos de cientistas disseram que era assim, e talvez não foi também o que o segundo grupo de cientistas disseram. Mas ela estava lá em cima.

Agora você diz, “Essa é uma explicação bem simples e não científica”. Bom, eu sou um teólogo. É isso que a Bíblia diz. Ela não dá uma explicação científica. Ela apenas diz que a água subiu e ficou lá. Nós podemos seguramente dizer isso. A resolução por ser simples assim. Deus criando esse dossel, essa redoma no universo, esse tipo de água na atmosfera que foi controlado para não produzir os efeitos ruins que o Whitelaw e o Brown mencionaram. Nós sabemos isso. Havia água lá em cima e o dilúvio, a água caiu, de acordo com Gênesis 7, e afogou toda a terra.

Assim, entre as águas, Deus criou espaço. Veja essa anotação. Isso é muito interessante. Versículo 7, no final do versículo, “E assim se fez”. Isso é redundante? Isso é redundante? Ele disse no versículo 6, “Haja firmamento no meio das águas”. No versículo 7, “Fez, pois, Deus o firmamento”. Por que ele adiciona, “E assim se fez”. Isso é uma redundância no comentário editorial? Não. Ele tem um propósito muito necessário; uma afirmação essencial. Não existe nenhum comentário assim no versículo 3. Deus disse, “Haja luz e houve luz”. Ele não diz, “E assim se fez”.

Eu vou te dizer porque. Essa pequena frase usada aqui no versículo 9, no versículo 11, no versículo 15 e no versículo 24 é usada para afirmar algo que está fixo, algo que não muda, algo que permanece para todo o tempo. Você não pode dizer isso depois do versículo 3, “Haja luz e houve luz”, porque existe luz e trevas, luz e trevas, luz e trevas. Não é algo fixo. Mas quando você diz que Deus criou os céus, isso é algo fixo. “E assim se fez” toma como entendimento algo fixo, de uma natureza imutável daquele elemento da criação.

O versículo 8 termina, “E chamou Deus ao firmamento Céus”. Além disso, ele ainda não diz que estava bom. Ele não disse no primeiro dia. Ele não disse no segundo dia. Ele não dirá até o versículo 10 quando a terra estiver habitável. Então ele dirá, “Era bom”, somente depois dela estar finalmente formada com uma condição habitável. No versículo 8 termina, “E chamou Deus ao firmamento Céus. Houve tarde e manhã, o segundo dia”. Ele fez isso em um dia. Ele criou o firmamento, os céus, o céu. Nós estamos prontos para o terceiro dia. Em algum lugar aqui, pense nisso, os anjos foram criados. Você sabe aonde? Aguarde. Eu falaria hoje mas eu não tenho mais tempo.

Eu gostaria de encerrar com um pequeno louvor, se eu pudesse. O Salmo 104 provavelmente é o melhor para isso. Preste atenção. Salmo 104, “Bendize, ó minha alma, ao Senhor! Senhor, Deus meu como tu és magnificente: sobrevestido de glória e majestade, coberto de luz como de um manto. Tu estendes o céu como uma cortina, pões nas águas o vigamento da tua morada, tomas as nuvens por teu caro e voas nas asas do vento. Fazes a teus anjos ventos e a teus ministros, labaredas de fogo”.

Agora, se houve vendo no momento da criação, então talvez o Whitecomb e o Morris estão errados mesmo...ou pelo menos eles exageraram com o efeito do dossel. Mas aqui está...aqui está a lembrança de louvor do salmista de Deus esticando os céus, de Deus levando a água aos vigamentos da tua morada. E ele louva a Deus dizendo, “Bendize, ó minha alma, ao Senhor”. No versículo 5 ele diz, “Lançaste os fundamentos da terra, para que ela não vacile em tempo nenhum. Tomaste o abismo por vestuário e a cobriste”. Você pode notar todas as alusões a criação afirmando o que aconteceu. E nós iremos ver mais no Salmo conforme Deus separa a terra do mar e cria fontes, vales e animais. É um texto tremendo; tremendo.

FIM

This sermon series includes the following messages:

< !--Study Guide -->

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize