Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Temos estudado a respeito destes dons e sobre os principios pelos quais estes dons operam. Descobrimos que é muito importante que todo o crente ministre os seus dons para o crescimento do corpo. Se o corpo cresce, então o testemunho é efetivo porque o crescimento do corpo traz unidade, e a unidade traz um único testemunho para o mundo.

Começamos a enumerar especificamente os dons espirituais. Encontramos em 1 Coríntios 12 uma lista deles. Em Romanos 12, nós também encontramos uma lista. Nós juntamos estas duas listas e obtivemos, primeiramente, o que escolhemos chamar de dons de edificação permanentes. Estes dons foram dados para o crescimento dos crentes. Eles devem ser ministrados entre os crentes, fazendo com que eles cresçam individualmente, resultando no crescimento total.

Porém, houve alguns outros dons que não foram designados para a edificação do corpo. Foram designados para confirmar a Palavra aos incrédulos. Estes dons não tinham um projeto de conexão com a igreja em si, mas com os não crentes. Eles eram para confirmar a Palavra. Por exemplo, três pregadores vieram à cidade e pregaram três mensagens diferentes. Você está vivendo na epoca do Novo Testamento. Em quem você acreditaria? Bom, você provavelmente acreditaria naquele que fizesse milagres. Até mesmo Nicodemos disse a Jesus, “Nós sabemos que tu és mestre vindo da parte de Deus pois ninguém pode fazer o que fazes a não ser que,” o que? “que Deus esteja com ele.” Era óbvio que Jesus vinha de Deus porque havia milagres para confirmar o seu testemunho.

Ele afirmava e então dizia, “mas, se faço, e não me credes, crede,” no que? “nas obras.” A confirmação das afirmações de Cristo eram os milagres. Os milagres nunca eram um fim em si mesmos. Eles sempre eram sinais apontando para as suas afirmações.

Agora, quando a igreja continuou, a igreja primitiva, na era apostólica, estes dons foram dados para confirmar a palavra dos apóstolos e dos profetas. Isso está claro nas Escrituras. Eles receberam alguns dons miraculosos. Eles não eram para a igreja. Eles não eram para os crentes. Eles eram para os descrentes a fim de confirmar a eles que a mensagem pregada pelos apóstolos e pelos profetas era, de fato, de Deus.

Agora, existem quatro dons como estes listados no Novo Testamento: milagres, curas, linguas e interpretação de linguas – ou, melhor ainda, idioma e tradução de idioma. Esta é a tradução exata do grego. Agora, eles não têm um papel contínuo no corpo, isso nós cremos a partir das Escrituras, como veremos, mas eles existiram na era apostólica com o propósito de confirmar a Palavra antes do cânon do Novo Testamento ficar completo e especialmente enquanto Deus ainda fazia sinais diante de Israel. Nós vamos falar sobre isso.

Agora, deixe-me sugerir a sua natureza a partir de diversas passagens. Marcos, capítulo 16. Nós vamos apenas dar uma olhada nestas passagens. Eu oro e confio que você dará ouvidos ao que eu tenho a dizer nesta manhã. Eu acredito e tenho muitos amigos queridos e preciosos que estão envolvidos em movimentos que acreditam que estes dons são para hoje. Eu preguei em suas igrejas. Eu me relaciono com eles como crentes em Jesus Cristo. Com tudo isso, nós concordamos em discordar quando conversamos deste ponto. Eu não desejo que isso se torne um assunto fundamental. Eu confio e oro a Deus para que eu não seja tão dedutivo, mas que eu possa ser objetivo com a Escritura. Estou aberto a qualquer coisa que o Espírito de Deus me ensina. Eu oro por isso. Eu oro para que Deus freie minha lingua de falar qualquer coisa que não vem Dele. Ao mesmo tempo, eu sei que isso é algo muito difícil para Ele enxergar além das minhas limitações.

No entanto, o que eu digo, eu digo em amor e ao mesmo tempo com ousadia que vem de mim a partir do estudo da Palavra de Deus, e eu espero que vocês escutem isso desta forma. Isso não reflete na salvação e na autenticidade de todas as pessoas que estão envolvidas nisso.

Muito bem, Marcos 16:14. Tudo o que desejamos fazer é trazer isso à luz das Escrituras. Marcos 16:14, “Finalmente, apareceu Jesus aos onze quando estavam à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e dureza de coração, porque não deram crédito aos que o tinham visto já ressuscitado.” Você se lembra do testemunho que chegou aos discípulos de que Jesus tinha ressuscitado e eles ficaram com dúvidas a respeito disso. “E disse-lhes,” versículo 15, “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado. Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem.”

Agora, ele está dizendo aos 11 que estão ouvindo a sua mensagem para confimarem a fé daqueles que crêem que serão sinais específicos. “Em meu nome, expelirão demônios,” e aqui Ele está falando, eu creio, diretamente aos 11. “Falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados.”

Agora, aqui nós temos algo interessante. Aqui, a Escritura nos sugere que estes que saíriam para proclamar a mensagem teriam milagres como acompanhantes. Realmente, todos os quatro dons que nós falamos estão aqui. O dom de milagres, por exemplo, certamente daria a habilidade de pegar qualquer serpente e beber qualquer coisa mortífera e não se machucar. Isso é um milagre. O dom de cura é indicado aqui. Diz que eles vão poder impor as mãos sobre os doentes e eles se recuperarão. Línguas é indicado aqui quando diz que falariam novos idiomas.

Todos esses dons são então representados aqui quando o nosso Senhor promete aos 11 que eles devem ser confirmados com esses dons e esses milagres. Agora, se nós pensamos que alguém hoje tem isso que foi para eles naquela época, então também deveríamos concordar com os manipuladores de cobras, também com aqueles da Igreja do Primogenito, que bebem veneno e assim por diante. Nem sempre funciona como eles querem. No entanto, se tomarmos parte nisto, então devemos abranger tudo porque diz, “estes sinais hão de acompanhar aqueles que creem.” Se for uma coisa permanente, então estamos presos com a coisa toda.

Segunda Coríntios 12:12. Nós continuamos a olhar em algumas passagens para criar um quadro de referência. Segunda Coríntios 12:12. Paulo está falando sobre seu apostolado aqui, e ele está verificando o fato de que ele é um apóstolo dizendo isso, “Verdadeiramente,” agora preste atenção, um artigo definido, “pois as credenciais do apostolado foram apresentadas no meio de vós, com toda a persistência, por sinais, prodígios e poderes miraculosos.” Artigo definido. Não alguns sinais; “estes sinais.” Uma identificação definida de certos sinais dados aos apóstolos. “as credenciais do apostolado.” Os apóstolos tinham certas credenciais dadas a eles. Quais eram? Aparentemente elas foram dadas em Marcos 16.

Agora, mais adiante, eu gostaria que você percebesse Hebreus 2. Agora lembre, o livro de Hebreus foi escrito para quem disse ser escrito: aos Hebreus, para Judeus, o que torna muito importante. Versículo 3 do capítulo 2, “como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor,” Mas claro, eles não ouviram dele, mas “foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram.”

A palavra “confirmada” significa que foi feita acreditável ou finalmente verdadeira. Aquilo que foi afirmado ou dito foi confirmado e feito acreditável. Como? Versículo 4, “dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo.” Agora, esses dons específicos do Espirito, eram para confirmar a Palavra para esses judeus. E é exatamente isso que a passagem diz. “Foi-nos depois confirmada.” A pregação já foi feita. A confirmação veio através dos atos feitos pelo Espirito dado aos apóstolos.

Concluímos então dizendo que alguns dons específicos chamados de dons do Espirito Santo, eram sinais de um apóstolo. Eles tinham então, sua importância no ministério apostólico que foi um ministério fundamental. Na igreja primitiva, quando existiam muitas vozes diferentes pregando todo tipo de mensagens, Deus confirmou a verdade com esses dons especiais dado aos apóstolos para confirmar no ouvido daqueles que ouviam.

Warfield, Benjamin Warfield, provavelmente não visto como um erudito da Bíblia por ninguém, e isso não dá crédito para ele, é só um fato – disse, “Esses dons miraculosos eram parte das credenciais dos apóstolos como agentes autoritários de Deus na fundação da igreja. A função deles confinava-os distintamente à igreja apostólica e os apóstolos faleceram com eles.” Se nós acreditamos que Efésios 2:20 diz que os apóstolos e os profetas eram a fundação, e os sinais dos apóstolos foram embora quando os apóstolos foram embora. Se os sinais dos apóstolos eram dons confirmadores do Espirito Santo, então podemos amarrar todas as coisas juntas. Podemos ver, assim, que quando os apóstolos saíram de cena, os dons do Espírito dados a eles como sinais confirmadores saíram de cena também.

Agora, algumas passagens em Atos associam e dão esses dons especificamente para os apóstolos. Só um exemplo podemos ver em Atos 14:3, só para lhe dar uma ideia, diz, “Entretanto, demoraram-se ali muito tempo,” Paulo e Barnabé em Icônio, “falando ousadamente no Senhor, o qual confirmava a palavra da sua graça, concedendo que, por mão deles, se fizessem sinais e prodígios.”

Aqui está um exemplo de como Deus usou esses dons. Eles pregavam, e a pregação deles seria confirmada como divina porque eles faziam milagres. Agora, eu não acredito que a igreja hoje precisa desse tipo de confirmação. A igreja hoje não precisa de confirmação. Posso lhe dizer agora mesmo que se três pessoas vierem para a cidade e cada uma trazendo uma mensagem diferente, eu posso dizer imediatamente qual das três vem de Deus. O padrão não é quem faz milagres. Qual é o padrão? A Bíblia, porque aqui está o padrão que Deus nos deu para confirmar a mensagem de qualquer um.

Paulo até disse em 1 Coríntios 14 aos profetas, ele disse, “Quando profetizares, garanta que a sua profecia está de acordo com a doutrina que eu te ensinei”. Por isso, nós precisamos ter cuidado para perceber que a forma de verificar a mensagem de qualquer homem, a experiência de qualquer homem ou qualquer coisa espiritual é através da Palavra de Deus. Ela é o teste final, a autoridade final e nossa regra de fé e prática. Por isso, nós não podemos assumir que estes dons verificados ou confirmados são necessários para confirmar a Palavra. A Palavra já foi estabelecida.

Dizer que nós precisamos de sinais milagrosos hoje, especialmente, de todos os lugares, em nossa sociedade, na América, e nas igrejas onde a Palavra está nas mãos de todas as pessoas, é não perceber ou negar a finalidade e autoridade das Escrituras. Eu me lembro de Lucas 16:31 que diz, “Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos"” Quando você tem as Escrituras, isso é o suficiente. Este é o ponto. Até mesmo no período que Paulo escreveu Efésios, ele diz, “Haverá evangelistas e pastores mestres”. Ele diz, “Eles edificarão o corpo”. No entanto, ele não faz nenhuma menção destes dons milagrosos. Depois, você lê as cartas de Paulo a Timóteo e Tito, e você perceberá que a ferramenta é a Palavra de Deus. Ele diz continuamente, “Ensine a sã doutrina. Ensine a sã doutrina”.

Agora, se, de fato, estes dons de confirmação existem hoje, como alguns dizem, se eles ainda existem hoje, eles deveriam acompanhar grandes mestres da Bíblia, ou eles acompanhariam pessoas que estão espalhando o evangelho em lugares onde não existe a Bíblia para confirmar a sua mensagem. Mas eles não acompanhariam grupos de cristãos que têm as Escrituras em suas mãos. Isso não tem absolutamente nenhum significado. Isso não tem nada a ver com o dom bíblico. Os grandes mestres bíblicos da história concordam que estes dons não pertencem a eles. Se você voltar na história e vir os homens que se comprometeram conosco, com grandes obras de teologia, você verá que eles não estavam envolvidos nisso. Estes dons eram para o tempo apostólico, então, como um ministério fundamental.

Agora, vamos olhar para estes dons especificamente, e nós vamos apenas passar por eles. Primeiro, o dom de milagres, 1 Coríntios 12:10. Ao listar os dons, ele fala a respeito de milagres, a obra dos milagres. Então você diz, “MacArthur, você está me dizendo que os milagres cessaram?” Não, eu não acredito que os milagres cessaram. Eu acredito que eles acontecem em todos os lugares. Eu tenho visto milagres constantemente. Deus é um Deus de milagres. Aí você diz, “Bom, me dê uma definição de milagre”. Um milagre não é nada de mais. Todo mundo fica – o descrente fica chateado a respeito de um milagre. Não é nada. Não é nada.

Deixe-me lhe mostrar o que eu quero dizer com isso. Nós vivemos em um pequeno mundo natural. Vamos chamar isso de uma lagoa, tudo bem? Nossa pequena viveira. Nós dizemos que tudo em nossa pequena lagoa está do jeito que é para ser. Bom, um milagre não é diferente de Deus, se Ele existe, colocando o seu dedo na lagoa e fazendo uma ondulação. Se Deus existe, então um milagre não é nada de mais. É como jogar uma pedra em uma lagoa, você vê as ondas se mexendo. Depois, a lagoa se acalma e tudo volta ao normal. Leia o livro “Milagres” do C.S. Lewis. Ele trata do assunto de um jeito muito apropriado. Um milagre é quando Deus coloca o seu dedo na lagoa e faz uma onda. Se Deus existe, e se Ele fez a lagoa, Ele pode colocar o dedo dele na lagoa quando Ele quiser. Portanto, um milagre não deve ser a causa de um alvoroço. Na verdade, os milagres provam que Deus existe. É por isso que os alemães racionalistas crucificaram as suas almas quando eles eliminaram os milagres da Bíblia. Eles criaram uma filosofia humanista. Não. Deus faz milagres sim. Milagres acontecem o tempo todo; milagres de cura.

Eu até mesmo acredito que Deus poderia dar a um missionário a habilidade de falar uma língua que ele não conhece. Isso é um milagre. Eu não acho que esse é o dom bíblico de línguas. Aquilo foi um dom apostólico, mas eu acredito que Deus pode fazer milagres com a boca das pessoas assim como ele pode fazer com qualquer outra parte do corpo. Deus ainda faz milagres. Nós vemos ele fazer isso o tempo todo. O maior milagre que ele faz é o milagre do novo nascimento. Eu sou um milagre. Ele tinha que ser poderoso para me mudar. Como o menino disse, “Isso ainda não terminou”.

O nosso Senhor, quando ele estava aqui na terra, ele fez muitos milagres. Ele sempre os fazia para confirmar a sua verdade, mas Deus hoje pode fazer algum milagre para que você possa dar testemunho, e para que alguém diga, “Bom, um Deus que faz isso deve ser real”. Isso pode ser verdade, mas isso não é mais para confirmar a revelação, que é um sistema fechado. Portanto, eu não estou dizendo que os milagres cessaram. Eu estou apenas dizendo que os milagres de hoje são diferentes do dom de milagres que cessou porque ele era apostólico.

Você pode estudar a história dos milagres, e você perceberá que existiram quatro grandes períodos de milagres na Bíblia. Em outros momentos da Bíblia, eles não existiam. O período de Moisés, um período de milagres. O período de Elias e Eliseu, de novo. Depois houve um longo período sem milagres e depois vieram os períodos da vida de Cristo e a era apostólica. Os milagres sempre tinham um propósito limitado e um tempo limitado, por isso as pessoas não fazem milagres continuamente. O dom de milagres hoje, nós cremos, cessaram com o fim da era apostólica. Ter a capacidade de beber veneno, de sair por aí fazendo diversos tipos de maravilhas, sinais e coisas poderosas foi algo que pertenceu àquela era.

Não há nada nos escritos de Paulo a Timóteo a respeito de ser um evangelista e um pastor para Tito – não há nada a respeito de milagres. Não existe nenhum indício de obras miraculosas até mesmo como uma ênfase na vida do próprio Paulo. Depois que ele foi para Filipos por um período de pelo menos dois anos, ele não diz nada a respeito de milagres. Não houve nenhum registro de nenhum milagre em Antioquia, em Corinto, em Tessalônica, em Derbe, Bereia, etc, etc, etc. Muito limitado, muito temporário.

Eu estava dirigindo para o Lago Hume, e passei por uma tenda bem grande em um campo aberto com uma placa que dizia, “Cultos de milagres. Milagres de Segunda a Sexta”. Milagres de Segunda a Sexta. Milagres em linha de montagem.

Cremos que a Palavra de Deus não nos diz nada a respeito do dom de milagres para esta época, mas que estes dons eram dos apóstolos. Eles sempre foram temporários em qualquer época, e com o término da Escritura do Novo Testamento, a autenticidade de qualquer mensageiro não é a sua habilidade em fazer milagres, mas a sua habilidade de ensinar a Palavra de forma precisa. Fidelidade à Palavra é a confirmação de qualquer homem. Nós poderíamos dizer mais a respeito disso, mas vamos continuar.

Cura. E a cura? Isso é certamente um dom miraculoso em sua indicação básica em 1 Coríntios 12, como está descrito ali como sendo a habilidade de curar. “Ao outro” ele diz, “cura”, versículo 9. Agora, você quer dizer que Deus não cura o doente? É claro que não. Deus cura o doente. Ele restaura o doente, mas não existem pessoas andando por aí que, quando quiserem, podem curar qualquer um em resposta ao dom como foi na era apostólica. Hoje, Deus cura através de sua vontade soberana e em resposta a oração. Você pode até mesmo encontrar, se você for para o livro de Tiago...e talvez você deveria ir lá para o capítulo 5 comigo por um instante. Tiago, incidentalmente, foi escrito antes de 1 Coríntios. Ele diz no livro de Tiago, no versículo 13, “Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração”. Versículo 14, “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E a oração salvará o enfermo”. É isso que o texto diz. “E o Senhor o levantará”.

Até mesmo Tiago, que pode ter sido o primeiro livro do Novo Testamento a ser escrito de forma cronológica, talvez o mais antigo, até mesmo o livro de Tiago quando diz que alguém estava doente, ele não diz, “busque a pessoa que tem o dom da cura”. Ele diz, “Ore por ele”. Deus nunca teve como intenção que o dom de cura tivesse alguma relação particular com a igreja. Isso era um sinal para confirmar a Palavra aos descrentes. Você pode estudar a respeito de Jesus Cristo e você perceberá que os que ele curava eram descrentes. Ele estava envolvido em confirmar o que ele dizia na mente dos descrentes. Quando a igreja ficava doente, eles oravam uns pelos outros, e Deus respondia a oração.

Eu acredito que o dom da cura fez com que o apóstolo, ou o profeta como alguém que proclama a Palavra, fosse confirmado nas mentes dos descrentes através dos milagres. Eu digo novamente, se o dom da cura existisse hoje, ele não seria para os curandeiros de hoje. Ele pertenceria aos mestres da Bíblia. Ele pertenceria às pessoas que estão proclamando o evangelho como confirmação de que aquilo era verdade; ele não seria para um certo grupo de pessoas, reavivalistas, ou seja lá o que nós os chamamos.

Até mesmo nos últimos anos do ministério dos apóstolos, isso começou a diminuir. Não é interessante o que Paulo disse a Timóteo quando ele estava doente? Ele disse, “Eu sei o que vai fazer você melhorar. Tome um pouco de vinho para o seu estomago”. Agora, se o dom de cura estivesse acontecendo ainda, alguém poderia ter cuidado disso de uma forma muito mais fácil. Eu já pensei muitas vezes também, não é interessante, em 2 Timóteo 4, que Paulo diz, “Quanto a Trófimo, deixei-o doente em Mileto”. Agora, se Paulo tivesse o dom de milagres naquele tempo e o dom de cura, ele poderia ter curado Trófimo, porém este dom não parece ser praticado em nenhum instante do Novo Testamento em favor de um crente.

Ainda assim, em toda esta cura que anda acontecendo hoje, as pessoas nas filas de cura têm um histórico de vida na igreja. Isso não segue o padrão bíblico.

Eu fiquei interessado esta semana, e certamente não classificaria todos nesta categoria, mas fiquei interessado no testemunho de um Marjo Gortner. Eu não sei se você ouviu a respeito disso, mas ele finalmente revelou tudo. Ele foi um que, durante quatro anos, supostamente tinha o dom da cura, e seus pais o colocaram no palco como ele estava, e ele começou a ministrar cura e foi por aí. Foi interessante que eu estava com o meu pai nesta última semana e nós estávamos conversando sobre isso. Ele disse, “Sabe, eu deveria assistir aquele filme. Eles fizeram um filme sobre isso porque eles me chamaram no telefone quando fizeram esse filme” – meu pai disse – “e perguntaram para mim se eles poderiam usar uma entrevista que eu fiz em um jornal quando ele tinha apenas quatro anos de idade, e eles vieram na minha igreja para perguntar a minha opinião”. Ele disse, “Eu falei pra eles a minha opinião; que aquilo era uma fraude, que era mentira, etc e etc”.

Agora, eu não sei se ele estava naquele filme ou não. Ele também não sabe. Bom, aparentemente, o filme expõe a coisa toda como uma fraude. Ele disse, e eu ouvi ele dizer isso no programa do Dick Cabot ou em algum outro lugar, que ele não conheceu nenhuma cura física legítima em todos aqueles anos. Mas ele sabia que ele estava prestando um grande serviço às pessoas que tinham problemas psicológicos. Ele também sabia que as pessoas que estavam lá na segunda-feira voltavam na quinta-feira com uma nova doença. Isso era muito comum.

Eu fiz um estudo a respeito disso na faculdade, e isso aparecida, muitas, muitas, muitas e muitas vezes. Por isso, nós temos que ter muito cuidado para entender as regras bíblicas para a cura. Eu acredito que Deus cura, mas eu acredito que Ele cura como resposta a sua soberania e como resposta de oração. Se existem pessoas hoje que vêem Deus curar pessoas em resposta ao seu ministério, eu digo, pelas evidências bíblicas, que eles podem ter o dom da fé, pelo qual Deus responde conforme eles oram. Mas os dons de cura eram apostólicos, e eles saiam por aí curando os descrentes para confirmar a Palavra. Portanto, quando a Palavra veio, aquele dom cessou naquele momento.

Não se esqueça por um minuto de que algumas curas podem ser reais. Deus pode desejar curar alguém. O diabo também pode curar. Leia Mateus 7. Você pode ler a respeito disso em Atos 8. Você também pode ler a respeito disso em Atos 13. O diabo pode curar. Na verdade, Jesus Cristo fez tudo isso, e depois eles concluíram que Ele era do diabo, não é? Que o que Ele fez, tinha sido feito pelo poder de Belzebu. Eles estavam tão acostumados com o fato de que o diabo poderia falsificar tudo, que os judeus julgaram Jesus como sendo do diabo e disseram, “Foi o diabo que fez a cura. O diabo pode fazer estas coisas”. A ideia de que certas pessoas podem curar, fazendo com que as pessoas façam uma fila para receber a cura, não é bíblico. Eu já pensei que se eles tivessem o dom de cura, eles estariam nos hospitais e não em tendas. Eles deveriam ir aos incrédulos, e deveriam pregar o evangelho e confirmar a Palavra para eles.

Assim também o dom de cura, nós deveríamos estudar toda essa coisa futuramente porque é importante. Portanto, o dom de cura, novamente, nunca foi intencionado para os crentes, ele nunca foi intencionado para ser algo permanente. Ele era um sinal dos apóstolos. Ele foi um dos dons dos apóstolos. Hoje, e mesmo no livro mais antigo do Novo Testamento, Tiago, a ideia é, “Orem pelos doentes”.

Muito bem. Em terceiro lugar, chegamos às línguas e interpretação. Vamos falar dos dois juntos porque vamos gastar muito tempo aqui, mas vamos falar apenas algumas idéias bíblicas. Eu quero que você considere algumas coisas a respeito disso. O que foi o dom de línguas e qual foi o seu uso? Agora, o dom de línguas como é conhecido graças à versão King James, deveria ser conhecido como o dom de idiomas. A palavra é glossa. Esta é a palavra tradicional e histórica da palavra idioma. Ela não significa nada além de idioma. Este dom era uma habilidade dada pelo Espírito de falar uma língua estrangeira. Era apenas um milagre que Deus usou como sinal para confirmar a Palavra.

A coisa mais importante que aconteceu em Atos 2 foi a pregação de Pedro, certo? Um tremendo sermão. O arrependimento daquelas 3000 pessoas foi uma resposta àquele sermão, certo? Porém, o que realmente confirmou em suas mentes que o sermão de Pedro era de Deus? O que? Foi o fato de todas aquelas pessoas falarem em seus próprios idiomas as obras maravilhosas de Deus. Foi um dom de confirmação. Foi destinado aos incrédulos. Ele apenas apontava para o sermão. Nunca foi um fim em si mesmo. Estava apenas apontando, como sinal, para ouvirem o sermão. Era um dom de confirmação. De que outra forma eles saberiam que aquilo era de Deus? Bom, quando eles viram aquele milagre, ao que eles poderiam atribuir que era aquilo? Quando ouviram Pedro, depois de ter feito aquilo, levantar e pregar, na verdade eles disseram, “Oh! Depois desse milagre, devemos supor que esta é a mensagem de Deus”. Pelos menos 3000 pessoas creram nisso.

Agora, deixe-me ir um pouco mais adiante. Além disso, línguas era um sinal apenas – direi isso novamente – um sinal apenas para os Judeus. Ele não fazia nenhum sentido para os gentios. Em Atos 2, judeus. Em Atos 10, “Os da circuncisão ouviram e creram”. Por todo livro de Atos, todas as vezes que línguas acontecem, os judeus estão presentes. Isso não faz sentido para os gentios. Portanto, nós concluímos duas coisas: Ele era focado nos crentes; era inútil para os gentios. Por isso, veja o movimento hoje onde os muitos crentes gentios hoje fazem isso uns com os outros. Isso é completamente anti-bíblico.

Agora, deixe-me lhe mostrar o que eu quero dizer com isso. Veja o capítulo 14, versículo 21. 1 Coríntios 14:21 diz o seguinte, “Na lei está escrito”. Aqui, ele volta ao Antigo Testamento. Isaías 28:11, Isaías 28:11, “Na lei está escrito: Falarei a este povo por homens de outras línguas e por lábios de outros povos”. Esta pequena frase, “este povo” se refere, no contexto de Isaías, a Isael. Deus diz, “Eu vou falar a Israel, mas eu vou falar a Israel com outros” – ele não diz – “outros povos” no original. Ele apenas diz, “com outras línguas e outros lábios”. “Eu vou falar a Israel com o milagre da boca”, é isso que ele diz. “Com outras línguas e outros lábios, eu vou falar a Israel”.

Essa é a questão das línguas. Era algo para Israel. “Este povo” se refere somente a eles. Agora, veja o versículo 22, “De sorte que as línguas constituem um sinal. Constituem um sinal”. O que um sinal sempre faz? Ele aponta para outra coisa. Aqui ele está sempre apontando para o evangelho, sempre, sempre para o evangelho. Agora veja, “Um sinal não para os crentes”. As línguas nunca tiveram alguma utilidade para os crentes. Elas nunca tiveram nenhum significado para os crentes. Este era o problema todo em Corinto. Eles estavam exaltando isso, empurrando isso de qualquer jeito, confundindo isso com os oráculos que eles estavam tão acostumados nas adorações pagãs em que tinha muita fala insana. Eles tinham toda aquela coisa acontecendo ali e Paulo estava tentando ajeitar isso e acabar com isso totalmente porque ainda haviam muitos judeus em Corinto.

Ele sabe que em determinados momentos isso pode ser usado para confirmar a Palavra a um judeu incrédulo. Portanto, ao ajeitar isso, ele diz, “Primeiro, entendam direito isso. Isso não é para os que creem”. Porém, hoje neste movimento, tudo o que você vê é que você não é um cristão de verdade até que você tenha passado por isso. Todos estes cristãos – ou você não é o tipo mais completo de cristão que deveria ser. Eu não deveria dizer de verdade; isso não seria exato. Você ainda não experimentou a plenitude da coisa toda. Por isso, você tem um monte de crentes fazendo isso uns com os outros. Não há motivo para isso. Eles têm toda a revelação que Deus pretendeu aqui neste livro. Quando a Palavra de Cristo habita neles de forma plena, que é o que significa ser cheio do Espírito, eles experimentarão toda a experiência que devem experimentar. Portanto, nós vemos que isso precisa ser avaliado pelas Escrituras.

Agora, citando Isaías 28:11, Ele diz isso definitivamente para Israel. Agora, eu vou um passo além no versículo 22. “As línguas constituem um sinal não para os crentes, mas para os incrédulos”. O que? “para os incrédulos?” Os judeus que não creem. E então ele diz, “Por que você não busca pregar? Isso é bom para todas as pessoas. Isso é bom para os que creem”. Ele diz, com efeito, aos Coríntios, “Vocês não precisam de mais experiências, pessoal. Vocês precisam de doutrina”. Esse era o problema deles.

Agora, veja o versículo 23. Isso vai parecer confuso se você não entender. “Se, pois, toda a igreja se reunir”. O que está acontecendo em Corinto é o seguinte. Eles tinham todos os crentes no mesmo lugar. Era toda a igreja, os cristãos, em um lugar, e eles estavam todos falando em línguas. Talvez, a maioria delas nem eram línguas, mas um monte de sons aleatórios. Nós falaremos sobre isso daqui a pouco. “No caso de entrarem indoutos ou incrédulos, não dirão, porventura, que estais loucos?”

Agora, você diz, “Bom, espere um pouco. Isso não faz sentido”. No versículo 22 diz, “as línguas constituem um sinal não para os crentes”. O versículo 23 diz, “no caso de entrarem indoutos ou incrédulos, não dirão, porventura, que estais loucos?”. Você diz, “Qual a diferença?”. A diferença é esta: são um sinal para os judeus que não creem. Corinto não era uma cidade judaica. O que era? Ela era uma cidade gentia, de gregos. O problema é que os gentios estavam chegando, e eles não entendiam o que estava acontecendo. Eles estavam sendo expostos a um fenômeno que Deus nunca direcionou para um gentio. É isso que Paulo está dizendo aqui. Eles estão entrando na assembleia, e vocês estão todos fazendo isso.

Vou lhe dar uma ilustração. Eu tenho uma vizinha gentia que mora do meu lado, bem do meu lado, e estamos tentando compartilhar Cristo com esta mulher e seu marido. A minha esposa já compartilhou isso com ela. Eu já compartilhei isso com ela. Fui visitá-la no hospital quando ela teve um ataque do coração bem sério, orei com ela e expliquei para ela o evangelho. Nós temos passado por isso, realmente nos empenhando para ganhá-los para Cristo. Eles vêm de um contexto muito difícil, um contexto religioso, que torna a vinda deles a Cisto muito mais difícil por serem pessoas religiosas e muito boas.

Temos realmente trabalhado, orado e trocado informações com eles, dando fitas de vídeo, mostrando para eles na TV o programa “A voz do Calvário”, e fazendo tudo o que podemos fazer. Ela se aproximou da minha esposa outro dia – muito abalada e bem confusa e disse, “Escute, eu preciso lhe perguntar uma coisa”. Ela disse, “Uma mulher veio aqui e me levou a uma reunião”. E ela disse, “aquelas pessoas eram malucas”. Assim minha esposa foi sondando mais um pouco, e esta mulher veio e a levou, uma gentia incrédula, para essa coisa de línguas. Ela sentou ali e concluiu que toda essa coisa era confusão, e fechou a porta para a nossa oportunidade de comunicar Cristo a ela.

Ela acha que as pessoas que fazem isso são malucas. Como elas usam o nome de Cristo, carregam a Bíblia, e passam pela mesma coisa que a gente passa, devemos fazer parte deste negócio. Ela gosta de nós, por isso ela não vai até esse extremo, mas na mente dela, é isso que está acontecendo. Isso é exatamente o que Paulo disse, isso nunca foi para os gentios. Isso foi um sinal especial que Deus deu para os judeus em uma época especial.

Agora, anote isto, amados; está claro a partir das Escrituras que isso era para os judeus. Isso está claro. Nós não podemos argumentar com isso. É a Palavra de Deus que diz isso. Não se trata da minha opinião. Agora, se no ano 70 d.C., Deus destruiu Jerusalém, parou de lidar com Isael e se voltou para os gentios, então, por este simples fato, as línguas cessaram porque Deus não está mais com o negócio de dar sinais especiais para Israel, não é verdade? O que ele fez por um tempo com Israel? Ele os colocou de lado e o que mais? Ele os cegou. Os sinais para Israel já se passaram neste tempo presente; portanto, isso, como sinal a Israel, cessou. Se ele cessou como sinal a Israel, foi para isso que ele serviu. Mas agora ele cessou.

Agora, o que nós estamos dizendo? Estamos tentando trazer, para o testemunho das Escrituras, todas estas verdades. Agora, o que nós temos hoje é uma exaltação deste dom descrito no versículo 20 fora do contexto. Ele diz, “Irmãos, não sejais meninos no juízo; na malícia, sim, sede crianças; quanto ao juízo, sede homens amadurecidos”. A imaturidade é pegar um dom, sem olhar para o contexto, e usá-lo com um outro propósito, ou até mesmo pervertê-lo. Este dom tem um propósito claro para Deus. Sempre para os incrédulos. Ele nunca teve o propósito, nunca teve o propósito de edificar o corpo. Ele nunca teve um efeito no corpo, ele sempre foi para judeus incrédulos. Todas as vezes que as línguas são vistas no Novo Testamento, os judeus estão presentes. Por eles não estarem presentes em Corinto, isso foi condenado. Porém, ele permite que isso exista por causa da grande população judaica que entrava e saia do centro de comércio de Corinto.

Leia Atos 18. Havia judeus ali, assim, o dom precisava estar em Corinto por causa dos muitos judeus, e seria para com os judeus. Mas eles tinham distorcido isso, especialmente porque aqueles Coríntios vieram de um contexto de oráculos, que envolvia uma fala extática, que fazia parte de toda sua adoração. Existe um estudo recente sendo feito a respeito da história desta coisa. Foi revelado que eles falavam em línguas estranhas. Chamavam isso de “línguas dos deuses”, fazendo uma bagunça. Paulo, em amor, está lutando para por em ordem isso.

Deixe-me adicionar outra coisa. Sempre era uma língua conhecida. Ela poderia ser estranha para quem falava, mas ela sempre era genuína. Existem muitas razões para isso. Em Atos 2, glōssa significa idiomas, e o texto lista as línguas: partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia Judéia, Egito, cretenses e arábios. Bem aqui, ele diz exatamente quais eram as línguas. Ele até usa o termo gene glōssa em 1 Coríntios, que significa “tipos”. Gene, genos, de onde tiramos o termo “gênero”, tipos de linguagem, variedade de linguagens. Não poderia haver uma variedade de linguagem estranhas. Fala estranha é fala estranha. Portanto, tinha que ser linguagens e variedades.

Depois, quando ele diz, “o dom de interpretar línguas”, esta é a palavra hermēneia, que significa “tradução de línguas”. Elas eram idiomas. Em 1 Coríntios 14:7, ele até diz que deve haver uma estrutura gramatical. Ele diz, “é assim que instrumentos inanimados, como a flauta ou a cítara, quando emitem sons, se não os derem bem distintos, como se reconhecerá o que se toca na flauta ou cítara?” Seriam apenas barulhos. Estes coríntios tinham simplesmente pervertido tudo, e ele diz, “não eram sequer distintos. Não eram genuíno. Não podem ser traduzidos”. Portanto, nós devemos prestar atenção nisso.

Agora, de acordo com linguistas modernos, podemos olhar para o movimento da línguas de hoje e concluir que é um idioma? Bom, eu vou lhe dar o testemunho de um homem, e há muitas coisas sobre isto que poderíamos falar a respeito. Pense no seguinte. William Samarin escreveu um livro recentemente, e o título, se não me engano, é “As Línguas dos Homens e dos Anjos”. Agora, ele é um especialista linguístico. Sua vida foi gasta estudando lingüística. Ele tem um doutorado em linguística. É professor de linguística na Universidade de Toronto, no Canadá. Cresceu nos Estados Unidos na comunidade russa molokan, em uma parte totalmente absorvida por línguas. Ele passou toda a sua vida enquanto criança crescendo no meio a este contexto de línguas. Ele finalmente decidiu estudar este negócio e passou a maior parte da vida dele estudando isso.

Ele disse o seguinte, “Por muito anos, eu estive em encontros de línguas na Itália, na Holanda, na Jamaica, no Canadá, nos Estados Unidos” – etc – “eu tenho observado pentecostais tradicionais e neo-pentecostais”. Isso foi de 1960 em diante. Este é o novo movimento em todas as denominações. “Eu participei de pequenos encontros nas casas assim como de encontros públicos enormes. Vi diversos contextos culturais como dos porto riquenhos no Bronx, os domadores de cobras nos Apalaches, os russos molokans em Los Angeles, os Pocomanias na Jamaica e etc”. E ele continua.

“Entrevistei faladores de línguas, gravei e analisei inúmeras amostras de línguas. Em todos os casos, em todos os casos”, ele diz, “glossolalia acaba sendo linguisticamente sem nenhum sentido. Por mais que hajam similaridades superficiais, a glossolalia fundamentalmente não é uma linguagem”. Agora, este é o testemunho de um especialista em linguística. Esta tem sido a conclusão de muitos deles.

Agora, deixe me dizer o seguinte. Como eu disse antes, se você me disser, “Isso significa que Deus não poderia fazer isso hoje, que isso não poderia ser genuíno?” Não. Quem diria isso a respeito de Deus? Quem diria que Deus não pode fazer qualquer coisa a não ser mentir? É isso que a Bíblia diz. Mas vamos dizer que, se Deus desejasse dar para algum missionário a habilidade de falar um idioma que ele não conhece para comunicar o evangelho em uma situação de crise, Ele poderia sim fazer isso. Este não é o dom de línguas. Este é apenas um milagre que Deus fez naquele momento.

Este dom era para os judeus. Sempre foi uma linguagem conhecida. Não era para falar o evangelho, mas para mostrar uma ação sobrenatural para que eles pudessem ouvir o evangelho quando ele fosse pregado. O verdadeiro dom sempre foi de um idioma conhecido, sempre um sinal para o incrédulo, e sempre para um judeu descrente. Ele não faz sentido para os crentes, e é isso que é difícil para muitos entenderem. Existem crentes que ficam juntos e falam uns com os outros em línguas. Isso não é o padrão bíblico estabelecido.

Agora, você diz, “Bom, como que os coríntios abusavam disso?” Bom, quando estudamos 1 Coríntios, o que iremos fazer daqui há alguns anos, décadas, seja o que for, nós descobriremos que eles abusavam disso assim como eles abusavam de tudo. Qualquer coisa que fosse possível abusar, eles abusavam. Aquela igreja era uma bagunça. Havia divisão, carnalidade, perversão sexual, processos judiciais entre cristãos, abusos morais ao corpo do crente, ignorância a respeito da relação matrimonial, ignorância a respeito do propósito da virgindade, violação da liberdade cristã, insubordinação das mulheres, abusos da ceia do Senhor, ignorância a respeito de coisas espirituais e até mesmo negação da ressurreição do corpo. Aquela era uma igreja bagunçada.

Por isso, quando você chega no capítulo 14, você espera que eles estejam com os dons espirituais bagunçados também, e eles realmente estão. Então, Paulo escreve para corrigir os abusos. No versículo 1 ele diz, “Segui o amor”. Todos os dons que são ministrados, são verdadeiramente ministrados em amor. Os dons deles não eram ministrados em amor, mas em divisão, carnalidade; portanto, não eram dons reais. “Procurai, com zelo, os dons espirituais”. Isto é, quando a sua comunidade se reúne, deseje que Deus ministre a vocês através dos dons. “Mas principalmente que profetizeis ou pregueis”. Ele define esse dom no versículo 3 como falando para a edificação, exortação e consolação.

Então, no versículo 2, ele diz – e isso é o que eles estavam fazendo – “Pois quem fala em outra língua não fala a homens, senão a Deus”. Você está falando mistérios em seu espírito. Por que você não faz algo que todos nós possamos nos beneficiar? Como ensino, pregação, que pressupõe estudo, que é de onde você obtém verdade espiritual, que é a forma pela qual você cresce. No melhor das hipóteses, versículo 4, ele diz, “o que fala em outra língua a si mesmo se edifica”, o que é algo egoísta. Temos o mesmo problema hoje. É o egoísmo que está fazendo esta coisa. Ah, não devemos ser egoístas. O exercício do dom espiritual, em seu verdadeiro sentido, não é egoísta. Ele edifica você. Ele não me edifica. Ele não deve ser centrado em mim de forma alguma, mas para mim sair e criar algum tipo de experiência espiritual para eu mesmo é o ápice do egoísmo. Mas, ministrar edificação a todos é uma grande benção.

Como eu disse, Ele permitiu que isso existisse por causa dos judeus, por isso ele aponta algumas qualificações no versículo 27. Na igreja de Corinto, “no caso de alguém falar em outra língua, que não sejam mais do que dois ou quando muito três”, isso porque eles estavam bagunçando tudo. Somente dois ou três. Todas as vezes que eles se encontravam e Deus pretendia fazer aquilo, poderia haver judeus descrentes que precisavam ser ministrados. Somente dois ou três e isso, um de cada vez, com intérprete. Se você não tem um intérprete, de acordo com o versículo 28, você não deve dizer nada. Apenas fique sentado ali e ore. Versículo 28, “fale consigo mesmo e com Deus”.

Depois ele diz no versículo 34, “conservem-se as mulheres caladas nas igrejas”. Agora, se isso fosse seguido, 75% do movimento estaria terminado amanhã por ser tão dominado por mulheres. “porque não lhes é permitido falar”. Percebe, este era um problema. As mulheres tinham pego isso e estavam fazendo tudo acontecer.

Agora, o que vimos até então? Bom, nós vimos que Paulo colocou algumas regras bem rígidas sobre isso, até mesmo em Corinto, e depois nos mostrou seu significado. Nós sabemos que isso era para os judeus e para os judeus incrédulos. Portanto, quando Deus parou de lidar com os judeus, ele parou de dar sinais a Israel. Por isso, parou de haver qualquer necessidade deste dom porque ele era isso, um sinal para Israel. Em Corinto, ele se tornou uma grande confusão.

Agora, falamos sobre como sabemos que eles cessaram. A nossa teologia nos diz isso. Ele teve um propósito temporário; nós vemos isso. Mas deixe-me lhe dar outra idéia, 1 Coríntios 13:8. Se nós olharmos para o versículo 8, esse será um bom lugar para começar. “O amor jamais acaba”. Hmm, então ele deve comparar isso com alguma coisa que acaba. “mas, havendo profecias, elas katargeō”, serão inoperantes ou inúteis. “havendo línguas, cessarão” pauō, pararão. “havendo ciência, passará”. Agora, a palavra passará, em conexão com ciência, e a palavra desaparecerá, em conexão com a profecia, são a mesma palavra, katargeō. Ela significa inoperante ou inútil.

Agora, profecia e conhecimento serão inúteis. Isso significa que acontecerá um cumprimento em que toda a profecia e conhecimento serão inutilizados por um conhecimento completo. E as línguas? Bem, isso é uma palavra completamente diferente. As línguas não se tornarão inoperantes. As línguas nem aparecem nos versículos 9, 10, 11, 12 e 13, que falam a respeito de quando a perfeição vier. As línguas já se foram. Ele diz isso, “havendo línguas, pauō”, P-A-U-O, cessarão. A palavra na voz ativa significa fazer cessar. Na voz passiva, ela significa cessar por si só. As línguas cessarão por si só.

Agora, veja isto; é interessante. Ele diz, “havendo línguas, cessarão. Havendo profecias, desaparecerão”. E depois ele fala a respeito destas duas no versículo 9. “porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizados”. As línguas já cessaram. Ele continua falando a respeito da perfeição que está vindo. E depois, ele continua falando a respeito de profecia e conhecimento, mas ele não fala mais a respeito de línguas.

Agora, se nós entendemos que isso era um dom para os judeus, nós podemos pressupor que elas cessaram lá pelo ano 70 d.C., não é? Quando Jerusalém foi destruída e Deus começou a obra com os gentios. Quando prestamos atenção na palavra grega, e Paulo escolheu uma palavra muito distinta, podemos traduzi-la com um sentido vernacular, “As línguas cessarão por elas mesmas”. É isso que o texto significa. Elas cessarão sozinhas. Você percebe a diferença? Ele usa um verbo diferente, com uma voz diferente e com uma conjugação diferente. Ele deve querer dizer algo diferente.

Você diz, “Bom, quando que cessou então?” Bom, como eu disse, a indicação de que foi pelo menos no ano 70 d.C. parece um bom lugar para se começar. Veja o que George Dollar diz, lá do Seminário de Dallas. Eu vou ler, “Há 35 anos atrás, um grande educador americano, Dr. George Cutten da Universidade Colgate observou os acontecimentos históricos de falar em línguas. Depois de pesquisar, a conclusão de Cutten foi que na igreja primitiva, na igreja dos pais, não houve nenhum registro de alguma pessoa que exercitou a fala em línguas ou que até mesmo fingiu usar isso”.

“Na igreja primitiva,” ouça de novo, “a igreja dos pais da igreja, nos primeiros séculos, não houve nenhuma ocorrência de alguma pessoa exercitando o dom de línguas.”

Aparentemente, historicamente, o dom cessou sozinho, como Paulo disse que iria acabar. A voz da história da igreja daquela época é contra o movimento moderno e iria rotulá-lo como anti-histórico.

Cleon Rogers diz o seguinte, “Depois de examinar o testemunho dos primeiros líderes cristãos,” ele gastou muito tempo e estudou muito esse assunto enquanto historiador. Ele diz, “O ministério deles representa praticamente cada era do império Romano, de 100 até 400; parece que os dons miraculosos do primeiro século morreram.” Eles não conseguem ser encontrados naqueles primeiros 400 anos da igreja.”

Agora você pode dizer, “Sim, teve sim. Havia Montano, assim como houve também Tertuliano na igreja primitiva,” e você está certo. Mas Montano foi um herege, que foi tachado como um homem possesso por demônios, e afirmava que Deus só falava através dele, e o Espirito Santo habitava nele e somente nele. Esse homem tinha problemas, e Tertuliano foi seu discípulo.

No período da idade das Trevas, existiam católicos que falavam em línguas. Os Shakers foi a primeira seita Americana moderna. Eles praticavam o celibato. Eles eram comunistas, e seu líder era a Mãe Ann Lee, que dizia que a segunda vinda foi cumprida nela. O sétimo artigo da Fé dos Mórmons defende línguas. É uma parte do mormonismo. O movimento moderno nasceu na Reunião da Rua Azuza em 1914.

Agora, amados, ouçam isto. Se as línguas cessaram historicamente por volta de 70 d.C. ou no final do primeiro século, e depois por aproximadamente 1.800 anos não existiu, o que nos faz acreditar que o que existe hoje é real? Eu quero dizer que, será que o Espirito de Deus tirou esse dom estratégico durante 1.800 anos da igreja? Não há nada na Bíblia falando que vai retornar. Onde ele esteve por 1.800 anos se isso foi uma parte integral da vida da igreja? O Espírito de Deus cometeu um erro grave? Eu creio que não. Eu acho que devemos considerar o que acontece hoje à luz das Escrituras.

Você pode perguntar, “O que está acontecendo? O que é tudo isso então?” Bom, existem diversas explicações. Primeiro, parte disso – e mais uma vez, algumas pessoas são tão sinceras e tão genuínas e tão desejosas disso, e eu não quero denegrir isso de forma alguma. Eu quero ser preciso da melhor forma para avaliar isso. Primeiramente, um pouco do que tem acontecido é simplesmente falso, simplesmente falso.

Nunca vou esquecer uma vez em que eu estava pregando e uma mulher ficou em pé e começou a falar em línguas no meio da minha mensagem. Eu era um jovem no seminário, e eu fiquei um pouco incomodado sobre o que fazer. Então eu simplesmente disse, “Eu realmente acho que o Senhor provavelmente só quer que um de nós fale ao mesmo tempo. Já que o dom de profecia é maior, porque que você não senta e faça o seu depois?” Isso foi o melhor que eu pude pensar no momento. Eu realmente não sabia o que fazer naquela situação, mas o ponto foi que ela parou e sentou. Simplesmente parou e sentou. Se realmente era do Espírito, eu realmente duvido que eu teria aquela sensibilidade ou se viria e acabaria tão rapidamente assim.

Samarin, em seu livro disse, “fazer sons inarticulados é brincadeira de criança.” Se você ler o pequeno livro de Bredesen sobre como falar em línguas, ele é um dos maiores propagadores desse movimento, ele diz, “Fique repetindo ba, ba, ba muitas vezes o mais rápido possível.” Paulo diz, “Quando eu era criança, eu falava como criança. Quando me tornei homem, deixei de fazer coisas de criança.” Deus não quer uma linguagem de bebês. Ele diz, “Vou orar com meu Espirito, mas também vou orar com o meu,” o que? “com meu entendimento.” Não fale com Deus com esse tipo de palavra. Deus não está interessado em ouvir isso.

Então um pouco disso, penso eu, é simplesmente fingido. Algumas pessoas sentem tanto um desejo de experimentar alguma coisa assim, havendo também certa pressão de seu grupo, o que aumenta esse desejo, e eles ficam bons em fazer esse tipo de coisa. E uma parte disso se torna, eu acredito, até psicológico. Quando você para e considera que é uma coisa feita por muitos grupos e tem sido, historicamente, uma coisa que não tem nada a ver com o Cristianismo, isso pode ser catalogado como um fenômeno psicológico. Pessoas trazem sobre eles mesmos um estado de hipnose, etc, etc. Muito disso é psicológico.

Um pouco disso tudo é satânico, e eu já tive encontros pessoais com demônios falando através de um indivíduo. Não vou falar detalhes. Mas acreditem em mim; é verdade. Isaías capítulo 8 diz isso no versículo 19, “Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus?” Israel estava procurando um tipo de experiência sobrenatural, e eles conseguiram. Eles conseguiram alguns demônios que chilreia~vam e murmuravam. Na Septuaginta, a palavra grega eggastrimuthous traduz como “ventríloquo”. Demônios conseguem se fazer passar por outra pessoa. Existem demônios ventríloquos. Essa é a indicação do texto.

Alguém que eu li semana passada no jornal disse que eles tinham acabado de ter uma conversa com o Dr. Pike. Ninguém conversou com o Dr. Pike. O Dr. Pike foi removido, sendo que existe um abismo enorme entre eles. O que eles tiveram foi uma conversa com uma representação demoníaca do Dr. Pike, podendo falar e dizer o que eles queriam dizer. Só porque algo acontece, isso não significa que é verdadeiro. Você deve trazer a sua experiência à luz das Escrituras. Um escritor disse, “Você simplesmente fica em silêncio, resolvendo não falar nenhuma sílaba de nenhuma língua que já aprendeu. Os seus pensamentos devem ficar focados em Cristo, e você simplesmente ergue a sua voz, falando com confiança de que o Senhor tomará aquele som que você emitiu e o moldará em uma lingua”. O que é isso? Isso não é falar com Deus com o seu entendimento.

Paulo disse, “Eu orarei com o meu entendimento. Eu cantarei com o meu entendimento”. Você diz, “Bom, John, por que as pessoas buscam isso? Por que elas fazem isso?” Bom, eu vou te dar quatro razões. A primeira é que há um afastamento da interpretação sistemática da Bíblia. Eles não sabem o que faz parte do plano de Deus. Eu conversei com um rapaz que estava tendo problemas com isso. Ele não estava dentro do movimento, mas eu sabia que ele entraria nisso em breve porque ele não conseguia entender a segunda vinda de Cristo e ele nem entendia a distinção entre Israel e a igreja. Ele estava enrolado com a antiga aliança e a nova aliança.

Ele se graduou em um seminário nesta região, e ele não tinha nenhuma teologia definitiva de forma alguma; ele se perdia por toda a Bíblia. Tudo era uma espécie de espiritualização numa grande miscelânea. Ele disse, “eu decidi”. Ele realmente era uma alma frustrada por muito tempo. Finalmente ele disse, “Eu decidi aplicar tudo isso a todas as pessoas”. Eu disse, “Que bom. Que horas que serão os seus sacrifícios?” Você não pode aplicar tudo aquilo para todos. Isso não funciona. Deus opera em diversos momentos com diversas maneira de acordo com o seu próprio desígnio por razões específicas.

Quando as pessoas não entendem a interpretação bíblica sistemática, quando elas não entendem o que vai em qual categoria teologicamente, eles se deparam com todo o tipo de problema. Eu ouso dizer que há muitas pessoas que diriam poderia beber cianeto, etc, ou brincar com serpentes. Você não pode fazer isso. Deve haver uma interpretação bíblica sistemática, e se ele não forem ensinados nisso, eles serão vítimas destas coisas.

Em segundo lugar, eu penso que outra razão pela qual as pessoas entram nestas coisas é porque elas estão famintas pela Palavra de Deus e por uma experiência sobrenatural. Isso é muito verdadeiro, e meu coração vai ao encontro destas pessoas. O meu coração anseia por ensiná-las a Palavra de Deus porque isso é tudo. Quando a Palavra de Deus habita ricamente em você, tudo é seu, certo? Estas pessoas não têm isso, e portanto, ficam famintas pela Palavra de Deus. Elas estão famintas por algo real, por algo divino acontecendo em suas vidas, e elas agarram qualquer coisa que alcançarem. A culpa disso tudo cai sobre os pés daqueles que estão diante destas pessoas, que deveriam estar ensinando-as e não estão.

A terceira razão é que eu penso que muitas pessoas desejam um sentimento físico ou uma experiência emocional porque têm falta de fé. Elas não creem de verdade, precisam sempre que alguém mostre algo pra elas porque a sua fé é muito fraca. Isso é dúvida buscando provas. As pessoas desejam algum tipo de coisa espiritual para então crer. Elas continuam buscando.

A quarta razão que eu acredito que as pessoas buscam isso é porque isso foi oferecido para elas como uma forma rápida de alcançar espiritualidade; que você consegue chegar lá rápido. Você estará automaticamente no grupo mais alto. O que eu estou querendo dizer com isso? Bom, o movimento moderno não tem nenhum fundamento em doutrina bíblica. A experiência não pode ser o padrão. A carne e o diabo conseguem criar uma experiência falsa. Línguas não são algo singular dos cristãos. Nós não podemos dizer que a experiência autentica isso.

Você sabia que no ano 11 a.C., havia relatos de Byblos que na costa da Siro-fenícia havia línguas? Eles falavam línguas estranhas. De 429 a 347, os diálogos de Platão falam a respeito disso; Do ano 7 ao 19 a.C., Virgílio na Eneida descreve as sacerdotizas sibilinas na Ilha de Delos como quem falavam línguas estranhas. A pitonisa de Delphi registra que Crisóstomo fez isso. As religiões místicas, os cultos greco-romanos; todos eles estavam envolvidos com isso. Isso é algo antigo. Os maometanos faziam isso. Os dervixes da Pérsia hoje falam em nome de Alá e ficam tremendo violentamente, rodando, hipnotizados e falando em línguas estranhas. Os esquimós da Groenlândia fazem isso. Os seus cultos religiosos são guiados pelo Angekok, que é um padre ou um curandeiro, e eles fazem danças, ficam nus, e todo tipo de práticas de orgia. No meio disso tudo, eles falam em línguas, estas línguas não-existentes.

Freuchen na Aventura Ártica, que apareceu no National Geographic, disse, “De repente, um dos homens, Krisuk ficou fora de si. Estava incapaz de se controlar ao ritmo do culto, e ele ficou de pé, gritando como um corvo e uivando como um lobo. Neste êxtase todo, ele e a garota, Ivaloo, começaram a gritar em uma linguagem que eu não conseguia entender. Se existe algo como o falar em línguas, eu ouvi ali”.

Isso não é exclusivo do Cristianismo. Os monges tibetanos fazem isso. Na verdade, eles gravaram alguns monges tibetanos, e falam sobre algo demoníaco. Alguns deles falaram em Inglês e eles não têm a mínima ideia de como falar inglês. Outros citavam em inglês grandes peças de Shakespeare. Alguns deles até citavam Freud em Alemão, atividade demoníaca.

Nós devemos colocar tudo de baixo do teste das Escrituras. O perigo do movimento moderno: eles confundem a doutrina do batismo do Espírito. Eles subordinam Cristo com freqüência ao Espírito Santo. Eles criam dois níveis de cristãos; aqueles que têm e os que não têm; o grupo superior e o grupo inferior. Eles criam uma unidade falsa.

A Bíblia prediz em Apocalipse 17 que haverá uma única igreja. Eu costumava pensar como que isso aconteceria quando cada pessoa tem a sua própria teologia. Mas existe algo acontecendo hoje que, pela primeira vez na história, está destruindo as linhas denominacionais.

Trinta mil católicos estão agora envolvidos nas obras do movimento carismático. De 8 a 14 milhões de pessoas estão envolvidas nisso aqui. Isso está se espalhando por todas as denominações.

As pessoas estão se ajuntando diante de doutrinas. Não importa qual seja a sua doutrina desde que você tenha isso. Pode muito bem ser que isso pode ser um catalizador para trazer o movimento ecumênico que resultará na falsa igreja do Apocalipse.

Eu termino com o seguinte: veja 2 Pedro 1:3; isso é para você meditar. Ele diz, “Visto como, pelo seu divino poder”, isto é, Jesus Cristo, nosso Senhor. “Visto como, pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas”. O que ele nos deu? Algumas coisas? Nós precisaremos de mais coisas? “Todas as coisas que conduzem à vida e à piedade”. Como que nós conseguimos isso? “Pelo conhecimento completo daquele que nos chamou”. Quando você foi salvo, você recebeu tudo o que você precisa. Você não precisa buscar mais nada. Você busca conhecer a Palavra de Deus e você busca conhecer a Cristo da melhor forma. Não existe nenhuma comodidade espiritual, meu querido, que você precise e não tem. A única questão é a questão de se render em obediência ao que já é seu em Cristo. Vamos orar.

Pai, nós te agradecemos esta manhã por nos dar esse tempo para considerarmos essas verdades. Falamos com seriedade, Senhor, porque falamos através do Teu livro. Mas sabemos, Pai, que muitos queridos que nós amamos, que nós estimamos fazem parte disso. Não queremos ser grosseiros, não queremos agir sem amor; não queremos ser injustos. E muito menos, Deus, não queremos ser biblicamente errados. Por isso nos empenhamos para interpretar corretamente a Escritura. Pai, como pastor desse rebanho, eu sinto a responsabilidade de protegê-los, guardá-los dos que tentam ameaçá-los e destruir a união e desfazer a plenitude que eles têm em Cristo.

Então Pai, nós falamos dessas coisas, confiando no Espirito para Ele fazer Seu trabalho. Oramos para que cada um de nós olhe dentro do seu coração e reconheça que tudo que nós precisamos é nosso em Cristo Jesus, e que possamos ficar felizes com o que temos. Mas não satisfeitos até ministrarmos com fidelidade, com submissão, e em obediência. Obrigado Senhor, pela Tua Palavra e por esses que estão aprendendo dela. Nós oramos em nome de Jesus, amém.

Enquanto terminamos nosso culto essa manhã, devemos nos sentir chamados e enviados para algum lugar específico para levar o que aprendemos. Talvez Deus tenha um lugar específico para você ir. Talvez isso lhe ajudou a responder algumas questões no seu coração. Deixe-me dizer que quando você está lidando com gente envolvida com isso, não seja tão direto e firme como eu fui com vocês. Vá com amor. Compartilhe os princípios bíblicos. O que eu digo para vocês, digo porque vocês são meu rebanho.

Quando você estiver tentando compartilhar esses princípios, compartilhe com amor, para que não sejamos culpados de fazer o que não queremos fazer, exercitar nossos dons fora do contexto do amor.

Pai, Te agradecemos mais uma vez por essa manhã. Obrigado por cada vida preciosa presente aqui, por cada alma que o Senhor reivindicou. Deus, multiplique seus ministérios. Use todos eles. Una-nos num amor comum uns pelos outros porque nós te amamos. No nome de Jesus, amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize