Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Bem esta manhã vamos continuar no nosso estudo das questões do movimento carismático. E eu quero fazer um prefácio dizendo que eu sinto que as coisas que vamos compartilhar com vocês esta manhã são realmente vitais, que estamos falando de algo muito mais amplo do que apenas o movimento carismático, mas estamos falando de um batalha que a igreja teve que lutar por muitos anos agora para sua própria pureza em um certo ponto. E estou muito empolgado em meu espírito, estou muito animado em meu espírito e muito encorajado em meu espírito que esta seja a mensagem que o Senhor tem para nós. Há cristãos em toda a América e em todo o mundo que estão muito preocupados com esta questão e eu recebi alguns telefonemas nas últimas duas semanas de alguns líderes evangélicos que estão preocupados com esta questão que está enfrentando a igreja. E assim nesta manhã vamos mergulhar continuando nosso estudo do movimento carismático e particularmente a questão da experiência. A questão da experiência.

E eu quero que você entenda que esta não é a abordagem normal que geralmente estudams através de versículoo por versículo, e eu sei que esse é meu primeiro amor e seu primeiro amor. Mas a direção dos presbíteros e em meu próprio coração, tenho a grande convicção de que isso é o que Deus quer que façamos por agora para que entendamos onde é que devemos enfatizar e nos manter firmes e estar em um dia, que Satanás quer que a igreja esteja voando para além e perca o seu testemunho. Então isso é uma coisa vital e isto é como preparar as tropas para a batalha, então você estará conosco em espírito e pense através das coisas que eu digo a você esta manhã. Não é a abordagem típica do ensino da Bíblia. Vai sair mais como uma apologética ou um discurso na defesa, mas eu espero que você compreenda neste momento que esta é a coisa mais necessária como o Espírito de Deus nos dirigiu.

Para começar eu gostaria que você pegasse sua Bíblia e olhasse para 2 Pedro capítulo 1. 2 Pedro capítulo 1. E eu quero usar este texto como um ponto de partida para ilustrar o ponto à mão e então eu quero falar sobre isso com algum detalhe mais. Em 2 Pedro capítulo 1 o apóstolo Pedro está escrevendo aos crentes e a principal ênfase de muito do que ele disse em 1 Pedro e 2 Pedro é a vinda de Jesus Cristo. Como o coro cantou esta manhã "a maravilha de tudo isso Cristo vem por mim". Cristo está voltando e essa foi uma grande parte da pregação de Pedro que Cristo iria retornar que Cristo viria E queria que as pessoas realmente acreditassem nisso. Ele queria que as pessoas se convencessem de que isso era verdade, que não era apenas uma espécie de fantasia ou algum tipo de conto de fadas ou algum tipo de fábula, mas que Cristo viria.

E assim ele dá uma forte ênfase a isso no capítulo 1 versículo 16. Note isso lá. "Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas, mas nós mesmos fomos testemunhas oculares da sua majestade". Em outras palavras Pedro diz "Olhe quando eu proclamar a vinda de Cristo isto não é uma fantasia. Este não é um esquema inteligente. Ouça, eu fui uma testemunha ocular da majestade da Segunda Vinda." E você poderia dizer "Bem, agora espere um minuto Pedro, como isso poderia ter acontecido? Você está vivendo e Ele ainda não veio. Como você poderia ter sido uma testemunha ocular da glória de Sua Segunda Vinda, a Sua Segunda Vinda de Majestade?" Leia no versículo 17, "pois ele recebeu, da parte de Deus Pai, honra e glória, quando pela Glória Excelsa lhe foi enviada a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo." Agora Pedro diz, "Aqui é quando eu tenho aquele vislumbre da glória da Segunda Vinda. Foi quando o Pai disse, ‘Este é o Meu Filho amado em quem me comprazo.’" “Bem, quando Ele disse isso Pedro?" Versículo 18 "Ora, esta voz, vinda do céu, nós a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo.”

Agora você diz "Bem, quando foi isso Pedro?" Você se lembra em Mateus capítulo 16 e em Mateus capítulo 17, como Jesus levou Seus discípulos, Tiago, João e Pedro e subiram numa montanha E ali Jesus foi transfigurado diante deles. Você se lembra disso? A Bíblia diz que Ele retirou a Sua carne e revelou Sua glória e eles O viram em Sua Segunda Glória Excelsa. Cristo em glória e é um quadro total da Segunda Vinda ali naquela montanha. Por exemplo, Moisés estava lá e Moisés é um símbolo dos remidos que morreram. E Elias está lá e ele é um símbolo dos redimidos que foram glorificados. E Pedro, Tiago e João estavam ali na carne e eles são símbolos de Israel na terra quando Jesus vem. E a multidão de não-regenerados estava ao pé da montanha. Eles não estavam lá e eles imaginam os incrédulos que nunca entram em Sua segunda glória.

Assim toda a imagem está lá. Toda a cena está lá e Jesus estava dando a Pedro um vislumbre da Sua Segunda Glória excelsa. Então Pedro diz "Quando eu falo sobre a vinda de Cristo e quando eu falo sobre Sua glória da Segunda Vinda, isto não é alguma fantasia. Eu vi a glória da Segunda Vinda". Você diz, "Mas Pedro, John MacArthur diz que você não deve basear a teologia na experiência." E ele diz, "Eu sei disso." Leia o versículo 19, "Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética". Mais confirmada do que o quê? A experiência. "Ouça minha experiência foi fantástica. Minha experiência foi ótima, mas temos uma palavra mais segura e é a palavra"- O quê? - "profética. Para falar adiante. É o falar de Deus que é a palavra mais segura." Agora vá para o versículo 21 e deixe-me definir a profecia. "porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo".

Pedro diz, "Ouça, minha experiência está bem, mas uma palavra mais segura é a revelação de Deus que foi falada pelos santos homens movidos pelo Espírito Santo". Em outras palavras a revelação dos escritores da Escritura é mais segura do que a experiência de alguém até mesmo de Pedro. Essa é a questão. E Pedro está dizendo, "Você nunca prega a verdade na experiência a menos que essa experiência seja validada pela Escritura". Esse é o seu ponto e é um ponto básico. "Uma palavra mais certa." Isto é conclusivo. Isso é vital. É um ponto essencial que toda experiência deva ser validada em uma palavra mais segura que é a revelação divina da Escritura. E assim quando buscamos a verdade para a vida cristã, quando buscamos a verdade sobre a doutrina cristã, não queremos apenas que a experiência de alguém nos diga qual é a verdade. Queremos ter certeza de que a Palavra nos diz.

Não há experiência válida a menos que ela concorde com a Escritura já revelada. Isso é o que temos tentado dizer durante toda esta série.

Agora isso nos leva ao cerne de uma grande falha no movimento carismático e mesmo para além disso. E eu não estou mexendo com essas pessoas; muitos são nossos amados irmãos e irmãs em Cristo. Mas eu quero chamar toda a igreja para a posição de compromisso com a verdade. E diante de Deus devo fazer isso. E a principal falha que vejo no movimento carismático é que eles permitem que a experiência lhes diga o que é verdadeiro e não a Palavra de Deus. Agora em nosso último estudo falamos sobre essa característica do movimento pentecostal-carismático o problema de fundamentar a doutrina na experiência pessoal, na experiência subjetiva, e não na revelação objetiva e histórica. E eu sugeri a vocês que o movimento pentecostal-carismático flui para uma teologia da experiência ao invés de fluir para uma teologia da Palavra. E você vê, a razão é porque tudo começa com uma falta especial de ênfase. A única marca de identificação do movimento carismático é que depois que você é salvo você deve buscar a experiência do batismo do Espírito.

E quando você faz as pessoas pensarem que a única coisa importante que precisam ter é essa experiência e você as faz perseguir essa experiência então você abre as comportas, o que faz as pessoas acreditarem que toda a vida é apenas buscar a experiência, que a única maneira de viver a vida cristã é apenas ter algo mais, algo maior, algo melhor, outra experiência. E dizem que o batismo do Espírito será acompanhado por experiência física, emoção, sensação e sentimento. E as pessoas buscam isso. E uma vez que eles tiveram essa experiência, eu tenho alguns deles até que me dizem que você gasta o resto de sua vida tentando encontrar outra experiência. E eles têm toda a orientação errada. Eles começam a pensar que a vida cristã está em buscar o emocional, sentimentos subjetivos, fenômenos físicos, milagres e experiências, em vez de buscar o conhecimento da Palavra de Deus o único que pode mudar a vida.

E o triste é que a partir dessas experiências eles começam a formar sua doutrina. Por exemplo um homem disse, "Eu vi Jesus." Ele disse isso na televisão. "Eu estava dirigindo meu carro e Jesus, eu olhei para o lado, e Jesus estava sentado ao meu lado, no banco. Jesus estava em forma física ali mesmo tão real quanto você." E ele disse, "Foi tão maravilhoso, eu dirigia e conversava com Jesus sentado ao meu lado." E ele disse, "Se você tem fé o suficiente, você pode falar com Jesus e Jesus aparecerá para você". E assim a conclusão é que os cristãos podem ter uma aparição física de Jesus se tiverem fé suficiente. Essa é a teologia que eles tiram disso.

A Bíblia diz "A quem não vistes amais". Vê o que acontece? Bang. A experiência corre para a Escritura. Ou eles dizem "Eu voltei dos mortos". Agora temos muitos deles que dizem "Eu morri e eu fui para o céu e eu vi o paraíso." Nós conversamos sobre isso. "E eu voltei. E se você tem fé suficiente quando está doente não importa quão doente esteja, mesmo que você morra se você realmente acredita no poder de cura de Deus Ele o trará de volta. Portanto os cristãos podem voltar de entre os mortos." E a Bíblia diz, "Está determinado que os homens morram uma vez" vocês vêem? Então o que acontece é que a Escritura se depara com a experiência novamente. Mas, você vê, onde você torna a experiência o critério, então você seleciona a Escritura. Você diz "Bom, vamos ver, vamos corrigi-lo desta maneira para que isso se encaixe." E isso não é certo porque você encerra um sistema de doutrina baseado na experiência de todos. E o homem está ficando cada vez mais complexo. Há muitas pessoas com muita experiência.

Agora em nosso último estudo eu tentei apontar para você que este não é o caminho da ortodoxia cristã histórica. Esta não é a abordagem cristã histórica da vida. Esta não é a aproximação histórica à verdade, à teologia e à Palavra de Deus. Não é. Não estamos negando a experiência. Minha palavra, eu lhe digo, eu sou como Pedro. Às vezes tenho uma alegria indescritível e cheia de glória, você não? Eu não estou massacrando a experiência. Ninguém fica mais empolgado com as coisas do que eu. Eu gosto da minha alegria, e odeio a minha miséria, mas eu experimento tudo. Eu não estou negando a verdadeira experiência. O Cristianismo histórico nunca nega a verdadeira experiência, mas sempre valida a experiência sobre a autoridade da Palavra de Deus. Isso nunca leva a Bíblia a se adaptar. De fato não se trata de um cristianismo histórico; esta é a abordagem que tem sido tradicionalmente tomada pela Igreja Católica Romana, pelo liberalismo, pela neo-ortodoxia e pelo misticismo cristão. Mas nunca é a fé cristã histórica. Nunca.

Você diz "Bem John, quais são as raízes dessa abordagem?" Deixe-me lhe dar um pequeno estudo aqui. Aguente aí. Isso vai ser bom. Você vai achar interessante. As raízes dessa metodologia ou esta abordagem da verdade pela experiência, não são encontradas na doutrina cristã. Elas não são encontradas na história da igreja cristã mas são encontrados em falsas religiões e filosofias. Elas saem dos sistemas falsos dos homens.

Desejo adicionar uma nota neste ponto. Não estou negando a sinceridade dos carismáticos. Eles são sinceros. Acho que a maioria deles realmente acredita na sua abordagem. Mas eles são como os judeus dos quais Paulo disse, "Eu lhes dou testemunho de que eles têm um zelo por Deus mas não de acordo com" - O quê? - "o conhecimento." Eles têm zelo sem conhecimento. Eles têm entusiasmo sem iluminação. Os cristãos pentecostais que fazem da experiência o principal critério para a verdade revelam o que Stott chama de "um anti-intelectualismo declarado". Eles estão se aproximando da vida cristã sem suas mentes,sem o seu pensamento, sem realmente usar sua compreensão. E já em Isaías Deus diz "Vinde agora vamos raciocinar juntos". Toda a revelação de Deus se baseia num homem pensante que o receberá e raciocinará.

Alguns desses carismáticos até mesmo disseram que Deus está deliberadamente dando às pessoas uma expressão ininteligível para contornar e assim humilhar seus orgulhosos intelectos. Mas a gloriosa verdade é que Deus se revelou em uma revelação racional que exige que o homem pense. Isso requer do homem que ele raciocine; isso exige que o homem compreenda a verdade histórica e objetiva. A fé cristã sempre foi fundada em uma mente clara indo para a Palavra revelada não em algumas hiper emoções extrapolando da fantasia supostamente da verdade de Deus.

O falecido ministro, o Dr. Rufus Jones disse, "Sempre que vou à igreja sinto-me como que desparafusando minha cabeça e colocando-a debaixo do assento, porque eu nunca faço qualquer uso de qualquer coisa acima do meu botão do colarinho". Bom, eu tenho medo que isso seja muitas vezes verdade, que mesmo nós evangélicos não-carismáticos, não pentecostais, em muitos casos em nossas igrejas optamos por coisas emocionais. Como a igreja chegou a essa mentalidade experiencial, emocional? Harry Blamires que escreveu um livro chamado A Mente Cristã diz, "A mente cristã sucumbiu à deriva secular com um grau de fraqueza e nervosismo inigualável na história cristã. É difícil fazer justiça em palavras à completa perda de moral intelectual na igreja do século XX. Não se pode caracterizá-lo sem recorrer à linguagem que soará histérica e melodramática. Como um ser pensante o cristão moderno sucumbiu à secularização". Rapaz, ele está certo. Ele tem razão.

Nós colocamos nossas mentes no chão como a proverbial avestruz. E estamos apenas tentando, você sabe, emocionar, e determinar a verdade de Deus a partir de nosso sentimento e experiência. Ouça, a vida cristã não é construída sobre a emoção; é construído sobre a mente adquirindo a compreensão da verdade de Deus. Deixe-me ilustrar. Não tente me seguir mas escreva algumas delas se quiser. Efésios 1:17. Aqui está a oração de Paulo para você como cristão. Isto é o que ele disse "para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes". Você ouviu isso? Agora ouça, deixe-me repetir algumas dessas palavras. "vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes". Agora cada uma dessas coisas tem a ver com a mente. Sabedoria, conhecimento, iluminação e entendimento, para que possais saber. Essa é a oração de Paulo para o crente.

No capítulo 3 de Efésios, no versículo 18 "a fim de poderdes compreender." Versículo 19 "e conhecer". Esse é o plano de Deus. Você deve entender. Você deve saber o que Ele revelou como fato e verdade históricos. Em Romanos capítulo 12 Paulo diz "Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa"- O quê? - "mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." Você deve saber. E em Efésios novamente no capítulo 4 no versículo 23 ele diz, "e vos renoveis no espírito do vosso entendimento." E em Colossenses 3:10, "vos revestistes do novo homem que se refaz para o pleno conhecimento". Em Filipenses 4:8 "se alguma virtude há e se algum louvor existe" - Faça o quê? - "seja isso o que ocupe o vosso pensamento."

Toda a revelação de Deus está voltada para o entendimento. E é claro há uma condição moral na qual esse entendimento pode ter lugar e isso é quando conhecemos a Deus e conhecemos a Cristo. Mas devemos usar nossas mentes para apreender o que Deus já escreveu como verdade, não nossas emoções e sair por aí e tentar descobrir fantasias e experiências e extrapolar a verdade delas. Ou chegaremos a conclusões erradas.

James Orr em seu livro, A Visão Cristã de Deus e do Mundo, diz o seguinte "Se há uma religião no mundo que exalta o ofício de ensinar é seguro dizer que é a religião de Jesus Cristo. Tem sido freqüentemente observado que nas religiões pagãs o elemento doutrinário é reduzido ao mínimo. A principal coisa lá é a realização de um ritual. Mas é nisto precisamente onde o cristianismo se distingue de outras religiões. Contém uma doutrina. Trata-se de homens com ensino definitivo e positivo. Afirma ser a verdade. Ele baseia a religião no conhecimento embora um conhecimento que só é atingível em condições morais. Uma religião divorciada do pensamento sério e elevado sempre ao longo de toda a história da igreja tendeu a tornar-se fraca e insalubre".

Esta não é a abordagem que é histórica. Nunca no cristianismo, na corrente principal da grande fé cristã, tentamos determinar uma teologia da experiência de todos. No entanto dentro do movimento carismático temos todas essas pessoas tendo todas essas experiências e tirando conclusões sobre o que é verdadeiro e o que não é verdade de sua experiência, ao invés de aprender sistematicamente a Palavra de Deus. Você diz, "Como isso entrou na igreja John? Como isso aconteceu?" Vários elementos contribuíram para isso. Eu vou lhe dar três.

Agora pegue o seu - não - se você tiver a cabeça desparafusada sob o assento tire-a agora. Quero que pegue essas três. As três coisas filosóficas existentes em nosso mundo que têm sido o solo no qual coisas como a teologia experiencial tem crescido são: existencialismo, humanismo e paganismo. Não Cristianismo.

Deixe-me considerar o primeiro, o existencialismo. Você diz, "Existencialismo, o que é isso?" Parece uma espécie de omelete mas não é. O existencialismo não é um omelete. É uma definição de uma visão teológica ou uma visão filosófica. Deixe-me dizer o que isso significa. Muito simples, existencial, da palavra existência, significa simplesmente que a única coisa que importa é você. É isso aí. Agarre sua coisa e siga em frente. Você tem só uma vida. Aproveite tudo o que puder. É isso aí. Comer, beber e ser feliz. Amanhã morreremos. Viva isso, rapaz. E o existencialista diz, "Olha o que importa não é algum tipo de informação mas o que importa é o que você sente. E a única maneira de conhecer a verdade é encontrar o maior sentimento e a maior experiência. E a verdade sobre Deus é o que você pensa sobre Deus, a verdade sobre Deus é o que você sente sobre Deus e não há nenhuma autoridade bíblica de forma alguma." Isso é existencialismo. "Apenas o que você sente é a verdade. Tudo o que você quer, o que quer que agarre você; é isso." Agora, você vê isso em nossa sociedade, não é mesmo? Esse tipo de alta filosofia filtrou nossos anúncios publicitários.

O famoso filósofo escocês, David Hume, que não tinha nada a ver com Hume Lake aliás; O famoso filósofo escocês David Hume que viveu de 1711 a 1776 realmente tipo que deu inicio a isso. Este homem disse que "a razão deve ser criticada porque você pode nunca saber a verdade com a razão. A única maneira de encontrar a verdade é apenas experimentar, a experiência final." Agora, esse é um homem frustrado, vê. Quer dizer, ele passou uma grande parte de sua vida tentando encontrar a verdade com sua própria mente e ele não conseguiu, então ele simplesmente saltou sua mente e disse "Apenas viva." E o existencialismo nasceu e Hume teve um efeito profundo nas gerações seguintes. Ele teve um efeito profundo sobre um homem que você pode se lembrar com o nome de Aldous Huxley. Huxley viveu até 1963. E Huxley disse, "Ouça eu estou com Hume. A experiência é tudo o que importa. E ouça, vou lhe dizer, o caminho para realmente ter a experiência é através de drogas." E assim Huxley, em 1894, começou, e não muito depois, no início dos anos 1900, começou a defender as drogas. E você conhece o legado de Huxley hoje, não é mesmo?

Mas você vê, isso é tudo uma parte da filosofia de se viver para o momento. Pegue a experiência. E se as drogas aumentam a sua sensibilidade e lhe dão uma experiência mais selvagem, isso é super. De fato Huxley fez sua esposa prometer dar-lhe LSD quando ele estava morrendo para que ele pudesse morrer no meio de uma viagem existencial. Agora, as drogas são ainda periféricas, como um veículo para se obter a experiência final. E até o ocultismo se baseia nisso. Pessoas que entram no ocultismo e nesta vida após a morte, e todas essas coisas estranhas, estão tentando sair do mundo racional e ter alguma experiência sobrenatural, não estão? E assim, você vê, o existencialismo era o solo certo para gerar uma teologia da experiência. E infelizmente a igreja comprou isto; Mas nunca foi o Cristianismo histórico, nunca.

O segundo é o humanismo. Você sabe o que é o humanismo. É apenas a..., é a irmã gêmea do existencialismo. O humanismo apenas diz "Ei, rapaz, você sabe, se auto-autentique, sabe? Quer dizer, você tem que ser alguém. Não fique pendurado na massa. Você não quer ser apenas parte da bolha humana. Fique fora. Faça suas coisas. Escreva seus graffitis nas paredes da humanidade. Você sabe, seja alguém. Assine seu nome em algum lugar." Sabe, e as pessoas na era do computador, com conceitos de massa, estão lutando como gangues pelo reconhecimento pessoal. Quer dizer, há mais livros sendo escritos hoje por pessoas que não devem escrever livros só porque querem dizer algo. Há pessoas que publicam seus próprios livros. Simplesmente precisam ser ouvidos. Eles precisam ser ouvidos. E estes são dias do talk show, quando todo mundo tem algo a dizer porque eles simplesmente não querem ser um pedaço de destroço. Eles querem ficar de fora. Você sabe, eles querem ser alguém que importa. E assim é que é, são pessoas que tentam obter uma auto-imagem que vale a pena e se auto-autenticar com a sua própria coisa. Então eles vêm e dizem "Ei, você sabe o que aconteceu comigo? Eu tive a minha experiência", e de repente eles se tornam alguém como ninguém mais, porque ninguém nunca teve essa experiência.

E assim nós temos todas essas pessoas fazendo o que Francis Schaeffer chama de "saltando para a falta de razão" dizendo "Eu tive minha experiência e eu tive minha experiência" e eles saem do racional. "Esqueça isso, rapaz, nós só temos que experimentar não me importo com o que você diz." Eu ouvi até pessoas dizerem "Eu não me importo com o que a Bíblia diz" e como eu lhe disse, um homem havia escrito em sua Bíblia "Eu não me importo com o que a Bíblia diz. Eu tive uma experiência." E você vê isso na arte. Você costumava ver uma pintura - Francis Schaeffer aponta isso - e havia uma árvore e havia uma montanha e havia um cavalo e havia uma senhora. E agora você vê uma foto e você diz "O que é isso?" Vê? E eles vão dizer "Isso é uma árvore e isso é uma montanha. Isso é um cavalo. Isso é uma senhora." Você não consegue ver nenhum deles. Na verdade você não sabe nem de que maneira pendurar. E você não pergunta nada, porque você o desonra ao pedir isso a ele. Essa é a sua experiência. Deixe-o em paz. Não é racional.

Aconteceu na arte. Aconteceu na música. Algumas músicas soam como uma colisão de dois caminhões de lixo. Você não discute. É dissonante, discordante, não harmonioso e está tudo bem, você não se preocupa com isso. Essa é a experiência de alguém. Vê? Temos pessoas no final filosófico pulando por toda parte na experiência não-racional. E de alguma forma a igreja caiu de para-quedas e comprou o pacote do existencialismo. Viva o momento. Seja alguém. Levante-se e diga lá o que tem pra dizer, e essa é uma das razões pelas quais temos dificuldade na igreja hoje para convencer as pessoas de que a igreja deve ser governada por homens piedosos, porque todo mundo quer sua palavra. Esse é o espírito da época.

Assim, no existencialismo e no humanismo, essas coisas entraram na igreja. Entraram pela teologia escrita por dois homens em particular Soren Kierkegaard e Karl Barth. Esses dois homens tipo que cristianizaram o existencialismo e o humanismo, e o legado disso foi o liberalismo e a neo-ortodoxia. E o liberalismo hoje é basicamente o existencialismo humanista assim como a neo-ortodoxia. Eles não acreditam na Bíblia. Eles não acreditam que a Bíblia é uma autoridade. As igrejas liberais elas não acreditam que isso tenha verdade real verdade histórica e objetiva. Simplesmente dizem, "Ei se você ler a Bíblia e você tirar a sua experiência dela isso é ótimo. Essa é a sua energia e é aí que a Bíblia se torna verdade para você." Não há conteúdo histórico objetivo bíblico, e você chega a um cristianismo sem sentido. Este é o legado do existencialismo e do humanismo que vem através do liberalismo e da neo-ortodoxia. Tudo é baseado na experiência e esse é o espírito da época.

Agora, este programa que alguns de vocês podem ter assistido esta semana e é na sexta-feira ou na última sexta-feira, você notará uma coisa interessante. Há várias pessoas neste painel e eles estão discutindo a vida após a morte. Há um Sr. Wheeler que escreveu um livro sobre quando ele morreu e voltou dos mortos. E então há um Cientologista, um ocultista, uma espécie estranha de professor metafísico de Hollywood. E depois há um médico de Londres. E depois eu. E depois há o moderador. E assim, o homem que voltou dos mortos é meio que a chave, porque ele escreveu um livro. Ele e algumas outras pessoas ao longo dessa linha. E eu não sei o que vai estar no programa. Eu não sei toda a conversa que eles vão manter. Eu não sei o que eles vão cortar ou editar. Eu tenho uma idéia ou duis do que eles vão editar. Provavelmente sou eu mas de qualquer forma vou dar-lhe um pouco de direção.

Agora, quando eu conheci o homem na sala de maquiagem Sr. Wheeler, ele me perguntou o que eu era, e eu disse que eu era um ministro e ele disse, "Bom, você sabe" ele disse "eu quero que você entenda desde o início que sou um cristão e que sou um homem muito religioso." E então eu disse, "Bem, isso é bom de saber." E então ele passou a contar o seu testemunho de como ele tinha supostamente morrido e voltado dos mortos. E ele contou sua experiência, e foi uma experiência como todas aquelas outras experiências que estão no livro Vida Após a Vida ou os escritos de Kubler-Ross. O moderador lhe disse, "Bem, agora, quando você estava morto você foi declarado clinicamente morto no hospital?" Ele disse, "Não, não, eu não fui declarado clinicamente morto." "Bem" ele disse Então como sabemos que você estava morto? "Ele disse" Oh eu sei que eu estava morto. A única maneira que eu sei é porque eu experimentei. É como o amor. Você não pode provar isso. Você só pode experimentá-lo, então eu sei que eu estava morto." Bom, isso foi interessante.

A resposta do moderador foi esta, e eu não sei se isso foi em uma pausa ou o que quer seja, porque nós apenas continuamos passando por tudo, discutindo as coisas. Mas ele disse "Você sabe, isso é maravilhoso." Ele tinha um conhecimento do cristianismo, um conhecimento bastante adequado do cristianismo, o moderador tinha. Ele disse "Você sabe, isso é maravilhoso, porque você percebe que grande esperança isso é para o mundo? Porque quando você morreu, você vê"- e em primeiro lugar ele não sabia nada sobre o evangelho ou qualquer coisa sobre isso tudo, o homem que morreu. Assim sua idéia do cristianismo era a visão liberal. Ele realmente não tinha autoridade bíblica. Mas ele disse, "Você sabe, você percebe que o fato de você morrer, e que todas essas pessoas morreram, e em todos os casos, eles tiveram uma boa experiência e foi um sentimento caloroso e eles tinham paz e amor, eles viram uma luz brilhante, e esse sujeito diz no livro que ele encontrou a figura de Cristo e a figura de Cristo era tão quente e tão maravilhosa e alguém mencionou algo sobre o pecado e a figura de Cristo apenas riu e disse - Oh não nos preocupamos com isso aqui. Isso não é importante.’ Não houve julgamento. Havia toda a felicidade e a luz e tudo era maravilhoso e grande." E o homem diz, "Você percebe a grande esperança que você acabou de dar a todos nós? Porque agora não temos que temer toda aquela coisa antiga assutadora cristã sobre o julgamento porque vocês foram lá e voltaram e vocês sabem como é lá. Vê? Não importa o que isso diga. Vê, é a experiência.”

Bom, o médico então respondeu e desmentiu a coisa toda do ponto de vista médico. Ele disse, "Bem, em primeiro lugar, um por cento da população da América é paranóica." "Então" ele disse "eu acho que toda essa histeria sobre todo mundo voltando da morte pode ser explicada pelo seguinte: se uma pessoa pensou que viu um disco voador verde e chamou o jornal e informou isso, e apareceu no jornal no dia seguinte, eles receberiam uma centena de outros telefonemas de pessoas que viram o mesmo disco voador verde embora não houvesse um. Porque é assim que a sugestão acontece, e certas pessoas não têm a maquiagem psicológica para lidar com isso de outra maneira, senão pensar que eles viram". Ele também disse, "É apenas uma questão da tendência atual" e assim por diante. "E é uma questão de vender livros, você sabe." Ele sugeriu também que o fato de que todo mundo sempre desce um túnel escuro e vê essa figura branca, não significa necessariamente que isso é o que está lá, mas sim que é o que ocorre na faísca do sistema nervoso quando o corpo entra em trauma que está próximo à morte.

E eu sugeri que você poderia provavelmente obter o mesmo efeito ao banum sujeito na parte de trás da cabeça com um taco de beisebol. E o médico concordou e ele também disse, "Que a maior ansiedade humana é causada pela morte, e é natural que as pessoas desejem fantasiar que a vida após a morte é uma experiência positiva e feliz, e uma vez que alguém faz essa sugestão, haverá pilhas e pilhas de pessoas que vão fazer como a maioria." E eu sugeri ao médico que ele estava certo até onde ele não foi, mas não o suficiente. Que no ponto em que ele parou, a coisa toda é uma manobra satânica para convencer as pessoas de que não têm de crer no evangelho de Jesus Cristo, e anestesiar toda a sociedade contra a conseqüência do pecado. E o moderador disse para mim, "Sabe, se você estiver certo, isso responde a tudo." E eu disse "Estou e responde sim.”

Agora, você vê, o que acontece é: aqui está um sujeito apenas esperando para dizer, "Esta não é uma grande notícia?" E tudo é baseado em que este sujeito teve uma experiência. Vê? Agora, você vê o perigo disso? Satanás adoraria ter todo mundo por aí tirando sua teologia da experiência. Você vê por quê? Porque ele pode falsificar a experiência muito facilmente. Mas uma coisa que Satanás não pode falsificar está bem aqui.

Aqui é onde temos de ficar, pessoal. Não podemos sucumbir ao espírito da época. A atitude da teologia experiencial que você vê no movimento carismático não é o legado do cristianismo histórico; é o legado do existencialismo e do humanismo. E Clark Pinnock diz, abre aspas, "O mero fato de que um evento psicológico ter acontecido no cérebro de alguém, não pode estabelecer a veracidade do Evangelho. A sensação religiosa, por si só, só pode provar a si mesma." E prossegue dizendo, "A razão pela qual alguns teólogos favorecem o uso de drogas para aumentar a percepção religiosa é óbvia. Sempre que a carroça existencial é colocada diante do cavalo histórico, a teologia se torna uma síntese das superstições humanas e colocar o LSD no vinho da ceia é um jogo limpo". Fechar aspas. Por que não, certo? Se é tudo apenas experiência, vamos realmente ter algumas experiências. E freqüentemente em encontros carismáticos há uma emoção intensificada, sensacionalismo com as pessoas, tornando-as extáticas com música ou ritmos, ou com o que quer que seja, para induzir a uma experiência como que de drogas e gerar algum tipo de sentimento e emoção, e em seguida as coisas acontecem em suas mentes e eles extraem conclusões teológicas sobre elas que são inadequadas, porque não correspondem às Escrituras. E somos aprisionados pelo secularismo do momento: humanismo e existencialismo.

E você sabe de uma coisa, amado? Sempre que isso acontece a doutrina bíblica fica em segundo plano. Realmente fica, por isso que os carismáticos podem se dar bem com todo mundo, desde o extremo do catolicismo romano até os outros extremos do protestantismo, os distantes, e todos no meio, porque a doutrina não é a questão, vê? A autoridade da Palavra de Deus não é a questão. É experiência, e se você não experimentou, está tudo bem, e é por isso que você vai ouvir algumas dessas pessoas carismáticas dizer, "Bom, você sabe, não é maravilhoso que desde que tive essas experiências maravilhosas tenho uma maior devoção a Maria". O Espírito Santo fez isso acontecer? O Espírito Santo quer que tenhamos uma devoção a Maria? Bem, você vê, a doutrina não é a questão. A Palavra de Deus deixa de governar na igreja e a experiência se torna o rei, e a emoção é o seu príncipe. E Walter Chantry diz no livro Os Sinais dos Apóstolos, abre aspas "À medida que os dons aumentam a exposição da Palavra de Deus diminui. As reuniões são cheias de compartilhamentos de experiências, mas com apenas uma referência ocasional à santa Palavra de Deus. Muitos que foram atraídos após este movimento são lamentavelmente iletrados nos primeiros passos da fé através de uma negligência da Palavra. Eles vivem em função de experiências visíveis, emocionais e não da verdade. Mesmo alguns que passam horas folhando a Bíblia fazem isso, não com o propósito de agarrar a verdade, mas na esperança de induzir uma nova emoção em suas almas secas pela verdade." Ele também diz que "a prática pentecostal é uma negação de fato da suficiência da Escritura.”

Eu li um escritor esta semana que disse "Nós não queremos pensar que a Escritura é suficiente." Agora isso nega o testemunho da Palavra de Deus. E eu digo aos carismáticos, Deus abençoe seus corações, e eles estão na família, muitos deles, mas eu digo que eles têm uma visão curta da Escritura, eles têm uma visão curta da doutrina e é nisso que todo o cristianismo é baseado. E mais emoção é gerada em sua comunhão sobre uma profecia, ou uma língua, ou uma mensagem de êxtase de Deus, ou por um pregador engenhoso, manipulador, inteligente, atraente, do que de uma instrução clara razoável pensante da Palavra de Deus. E as supostas revelações, freqüentemente dadas ao pulsar do ritmo do órgão, são mais emocionantes do que as palavras reveladas de Cristo transmitidas pelos apóstolos.

De fato, recentemente, algumas pessoas me disseram que deixaram a Grace Church para ir a uma igreja carismática e elas queriam que eu entendesse que elas perceberam que o ensino era melhor na Grace, mas elas gostaram da emoção na outra igreja. Bom, Deus abençoe seus corações, essa é realmente a diferença. Eu espero que o verdadeiro ensinamento traga verdadeiro sentimento, verdadeira emoção, verdadeiro entusiasmo, mas algumas pessoas estão caindo no espírito da época. É o sentimento que elas querem. Porque elas têm uma experiência, estão satisfeitas.

Então é o existencialismo, o humanismo. Em terceiro lugar é paganismo. Realmente este é o legado do paganismo. Você sabia que as falsas religiões do mundo são baseadas no sentimento, na emoção, na experiência e no ritual? Não na doutrina do ensino. As religiões de mistério eram as falsas religiões geradas em Babel. Elas haviam crescido em proporções imensas no tempo de Cristo, de modo que em todo o mundo grego e romano as pessoas adoravam deuses múltiplos, todos os tipos de deuses que constituíam as religiões de mistério, essas coisas falsas, más, orgiásticas, sensuais, idólatras. E alguns dos historiadores que escreveram sobre essas religiões misteriosas nos disseram como é incrível que as pessoas, nessas religiões, tinham paz, alegria, felicidade e experiências, e se sentiam plenas e extasiantes. Todas essas coisas faziam parte das religiões mistéricas.

Deixe-me ler apenas uma citação de Angus, de seu livro As Religiões de Mistério. "As religiões de mistérios produziram santos, ascetas e mártires". As pessoas literalmente morreram por essas coisas, mesmo sendo mentiras de Satanás. "Além disso" diz ele "nesses cultos pessoais os verdadeiros adoradores eram unidos pelos laços de comunhão com a divindade de sua escolha, pela obrigação dos votos comuns, pelo dever da propaganda pessoal e pelo entusiasmo reavivalista".

Agora, vou parar por um minuto. Ele diz, ouça, eles tinham tremenda comunhão. Eles tinham um objetivo comum. Eles saiam e promoviam ou evangelizavam. Eles tinham fantástico entusiasmo reavivalista para chicotear-se, para manter esse compromisso ardente novamente. Eles fiziam isso apenas preenchendo todas as suas necessidades emocionais. "Além disso”, diz o Angus, “o piedoso poderia, em êxtase, sentir-se erguido acima de suas limitações ordinárias, para contemplar a visão beatífica" que é um termo para Deus "ou com entusiasmo acreditar-se inspirado por Deus ou cheio de Deus. Fenômenos em alguns aspectos semelhantes às experiências dos primeiros cristãos sobre o derramamento do Espírito". Vê? Satanás pode falsificar os mesmos sentimentos que foram os verdadeiros sentimentos que surgiram da verdadeira compreensão da doutrina de Deus. Você não pode ir da experiência à Palavra e tentar fazer com que a Bíblia se ajuste à sua experiência. Essa é a maneira pagã. Satanás está sempre ocupado fornecendo falsas experiências tentando levar as pessoas a conclusões não bíblicas ou levá-las a desestimular a Palavra e enfatizar a emoção, e então Satanás pode falsificar seus sentimentos e conduzi-los do caminho da prímula para o erro.

Você sabe, meditação transcendental, Islamismo, a cientologia, Roy Masters, quem quer que seja. É tudo sentimento, emoção, experiência. Ouça isso, da Meditação Transcendental de David Haddon. É um pequeno livro. Ele diz o seguinte, "A razão é abandonada em favor do paradoxo místico, não apenas como uma questão de princípio abstrato, mas por causa do efeito subjetivo da percepção do processo de condicionamento da MT". Em outras palavras se você quer entrar na MT, você tem que limpar seu cérebro. "Neste ponto" agora aqui isso é bom "a interferência da meditação com o pensamento lógico é total no sentido de que a razão é rejeitada em favor da experiência mística como um meio para discernir a verdade última.” Você pegou isso? Em outras palavras, a meditação transcendental diz que você obtém a verdade última através da experiência. Coloque sua mente de lado, e infelizmente esse é o legado do paganismo e encontrou seu caminho no cristianismo.

Temos sido vitimados pelo espírito da época. O espírito da época é o existencialismo, o humanismo, o paganismo. Compare isso com as palavras de Jesus. Jesus disse, "Pai santifica-os na Tua verdade" e então Ele disse "Tua Palavra é a verdade". É isso aí. Eu não sei sobre você, mas eu não estou procurando uma experiência. Pinnock diz "Uma experiência subjetiva centrada no homem é indistinguível de uma virada gástrica." Uma experiência pode ser psicológica. Pode ser fisiológica. Pode ser teológica ou pode ser demoníaca, mas não é maneira de avaliar a verdade. E a experiência religiosa não está sujeita a procedimentos de teste da Palavra de Deus, são usadas ​​para provar cada sistema falso. Não podemos ir por esse caminho. Amados, vamos ter que segurar este Livro, não vamos? Lindsell tinha razão. Ele não só nomeou um livro; Ele nomeou uma era "A Batalha pela Bíblia." Bom vamos orar.

Uma das questões que o movimento carismático introduziu para nós é a questão da experiência. Conversamos esta manhã sobre como eles parecem querer formar sua teologia com base em suas experiências, e sugerimos que esta não é a abordagem cristã histórica normal, a verdade que a igreja sempre tirou de sua verdade, da Palavra revelada de Deus. Não da experiência humana, não tendo extrapolado uma teologia por sentimento, emoção ou subjetividade. E eu sugeri a você que o lugar de onde isso vem, ou a metodologia que este movimento particular está usando hoje, encontra suas raízes no existencialismo, humanismo e paganismo.

Para lhe dar uma ilustração disso deixe-me ler para você um artigo que contrasta o Baalismo com a adoração de Jeová. Acho que é muito interessante. "Baalismo era a seita dos cananeus quando Israel ocupou a terra sob o comando de Josué. Continuou como uma ameaça competitiva à adoração de Israel até o tempo do exílio." E todos vocês sabem, se vocês conhecem o Antigo Testamento, sobre a adoração a Baal. "A ênfase do baalismo estava na relação psico-física e na experiência subjetiva. A transcendência da deidade era superada num êxtase de sentimentos. Participação sensorial era destaque; imagens eram necessárias. Quanto mais audacioso, colorido e mais sensacional, melhor. A música e a dança tornaram-se o meio de extrair pessoas de suas diversidades privadas e de fundí-las em uma resposta em massa. A atividade sexual na seita era freqüente, uma vez que alcançava o objetivo Baalistico primário tão completamente, o mergulho extático de toda a pessoa sensorial na paixão do momento religioso. A prostituição sagrada tornou-se assim a expressão suprema do Baalismo." E isso é verdade, porque, claro isso seria uma grande experiência para as pessoas que participaram.

Ele diz ainda "Baalismo é adoração reduzida à estatura espiritual do adorador. Seus cânones ou suas regras são que ele deve ser interessante, relevante e emocionante. O Javismo, ou a adoração de Jeová, estabeleceu uma forma de adoração que se centrou na proclamação da palavra do Deus da aliança. O apelo foi feito à vontade e a inteligência racional do homem, foi despertada para a atenção como ele foi chamado a responder como uma pessoa à vontade de Deus. No Javismo, ou a adoração de Jeová, algo foi dito, palavras que chamaram os homens para servir amar, obedecer, agir responsavelmente, decidir. Em contraste com Baalism, o Javismo exerceu pressão contínua para elevar adoração na esfera de inteligência consciente e conceitos claramente definidos. Israel em sua maturidade tinha um culto dominado pela Palavra profética de Deus. Nada foi feito simplesmente por causa da experiência sensorial envolvida. A distinção entre a adoração de Baal e a adoração de Javé é uma distinção entre aproximar-se da vontade do Deus da aliança que poderia ser compreendida, conhecida e obedecida, e a força de vida cega na natureza que só podia ser sentida. Hoje temos o neo-Baalismo", diz este escritor "e as frases são ‘Vamos ter uma experiência de adoração’ ou ‘Não recebo nada disso’. A frase ‘Vamos ter uma experiência de adoração’ é o substituto recente do antigo ‘Vamos adorar a Deus.’ A diferença é entre cultivar algo que faz sentido para um indivíduo e agir em resposta ao que faz sentido a Deus. Em uma experiência de adoração uma pessoa vê algo que excita seu interesse e tenta colocar invólucros religiosos em torno dele. A subjetividade é encorajada. O Baalismo é adoração aparada com as especificações emocionais e espirituais do adorador."

Isso é o que estamos vendo hoje, não é mesmo? Acho que ele está certo. Ele diz, "No tempo do Antigo Testamento o único lugar onde sabemos que a experiência de adoração era encorajada era no baalismo. Israel e a igreja cristã insistiam que a adoração era a proclamação da vontade de Deus e o chamado para a resposta humana a ela. Adoração era o ato de atender a essa revelação e envolver-se em obediência a ela".

Agora eu levei alguns minutos para ler isso a você, porque eu queria que você entendesse que o que eu disse esta manhã é verdade. As raízes da metodologia utilizada no movimento carismático para construir uma teologia experiencial estão no existencialismo, no humanismo e no paganismo que remontam ao culto de Baal. Foi exatamente assim que se aproximaram da adoração. Foi exatamente assim que se aproximaram do seu sistema religioso. Em vez de receber dados válidos da Bíblia e tomar uma decisão com base nisso, eles querem tomar a decisão com base em um sentimento e uma experiência, e fé é a palavra que eles usam. Eles dizem, "Bem temos fé" e sua falta de razão ou seu salto para o experiencial é chamado de "fé" e a fé deixa de ser algo baseado na verdade na Palavra, e transformada em uma espécie de uma varinha mágica existencial.

Mas se você voltar para a Bíblia, por exemplo, e você estudar Abraão, diz que Abraão realmente foi o pai da fé que Abraão foi o que começou a abordagem de Deus através da fé realmente em termos de um compromisso nacional. Ele era o pai de uma nação de pessoas fiéis. E nós como igreja somos a semente de Abraão no sentido de que nós também somos pessoas de fé em Deus. Mas a fé de Abraão não era uma varinha mágica, e não era uma experiência mística; a fé de Abraão era fundada na Palavra de Deus. Quando Deus veio a Abraão e disse "Isto é assim e isto é assim e isto é assim" e Abraão creu em Deus. Isso era fé. Abraão o pai da fé agiu sobre promessas divinas específicas.

Tomemos por exemplo outra ilustração do Novo Testamento o apóstolo Paulo. Na estrada de Damasco Paulo teve uma experiência incrível. Não há dúvida sobre isso. Ele ouviu uma voz do céu. Ele viu uma luz do céu que era tão brilhante que fez o que a ele? Cegou-o. Ananias teve uma visão do céu. Então você tem uma visão, uma luz ofuscante, uma voz do céu e fenômenos físicos. Paulo foi derrubado ao chão. Mas quando Paulo passou a pregar, quando Paulo passou a declarar a verdade sobre Jesus Cristo, não era sua experiência que estava no coração de sua pregação. Ele nunca apoiou seu caso em sua experiência.

No capítulo 9 de Atos temos a experiência de Paulo, o evento surpreendente na estrada de Damasco. Mas isso é apenas o começo, porque quando ele começou a pregar, imediatamente depois disso, o versículo 20 diz, "Ele pregava a Cristo." E o que ele disse? "Ouça eu sei que Cristo é quem Ele afirmou porque eu O vi na estrada de Damasco e aconteceu isso e isso e isso." Não, não foi isso. Versículo 22, "Saulo, porém, mais e mais se fortalecia e confundia" - ou replicava ou refutava ou ganhava um argumento sobre - "os judeus que moravam em Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo." Você vê? Em outras palavras, não era o suficiente declarar a experiência. Em algum lugar entre a experiência no capítulo 9 e a pregação no capítulo 9, Paulo fez algumas tarefas de casa na Palavra de Deus e pôde provar que Jesus era o Messias.

Mais tarde no capítulo 17 do livro de Atos, versículo 2 "Paulo, segundo o seu costume, foi procurá-los e, por três sábados, arrazoou com eles acerca das Escrituras, expondo e demonstrando ter sido necessário que o Cristo padecesse e ressurgisse dentre os mortos; e este, dizia ele, é o Cristo, Jesus, que eu vos anuncio." E a maneira que ele provou que este Jesus era seu Messias foi abrindo as Escrituras. Novamente vemos que o apóstolo Paulo não dependia de sua experiência como a validação da verdade.

Em Atos 28:23, quando Paulo chegou a Roma, veio a ele, em sua residência, alguns judeus, e diz, "lhes fez uma exposição em testemunho do reino de Deus." Agora ouçam "procurando persuadi-los a respeito de Jesus, tanto pela lei de Moisés como pelos profetas." Onde Paulo foi para sua prova? À Palavra de Deus. Ele nunca previu isso em sua experiência. E ele nos diz, com efeito, para fazermos o mesmo, onde, em 1 Coríntios 10:15 ele diz o que literalmente é parafraseado, "Usem suas cabeças".

Agora, eu temo que esta seja a abordagem bíblica, mas não o que vemos hoje tão freqüentemente no movimento carismático. E embora os carismáticos sigam o caminho que os liberais, os neo-ortodoxos, os existencialistas filosóficos, os humanistas e os pagãos seguem, eles queiram amarrar isso à Bíblia. Acreditem, eles o fazem porque é sua herança e porque eles diriam, se você lhes perguntasse, "Nós acreditamos na Bíblia e não queremos contradizer a Bíblia". E assim eles querem manter a Bíblia. Mas você vê, há uma experiência terrível, terrível, duas maneiras pela quais você tenta segurar isto como a única autoridade e também deixar sua experiência ser sua autoridade.

Charles Farah que é professor da Oral Roberts University escreveu um artigo na Christian Life Magazine no qual ele tenta harmonizar esses dois dessa maneira. Ele diz, "Há uma tensão entre a revelação de Deus e os êxtases" e ele diz dessa maneira. Ele diz "O logos" - e usa a palavra grega por palavra ali, palavra comum - "o logos é a palavra objetiva e histórica". "Mas" diz ele "o rhēma" - que é outra palavra grega - "é a palavra pessoal subjetiva". Em outras palavras o logos ou a Escritura é um fato objetivo histórico; Mas o rhēma é subjetivo. Agora ouça, ele diz "O que você quer é que o logos se torne o rhēma quando ele fala com você." Deixe-me dizer isso de outra maneira. Ele diz "O logos é legal mas o rhēma é experiencial." Em outras palavras há esta palavra histórica o logos mas não faz nada até que ela bate em você e então ela se torna o rhēma ou a sua Palavra pessoal de Deus.

E você sabe de uma coisa? Essa é uma abordagem assustadora. Você sabe porque? Porque diz que a Palavra de Deus, para você, é algo diferente do que a Palavra de Deus, e ponto final. Ouça, a Palavra de Deus para você não é diferente da Palavra de Deus, e é exatamente isso que os neo-ortodoxos têm dito. Isso não é uma solução para o problema. Eu não preciso ler a Bíblia até que eu crie uma experiência. Eu não preciso ler a Bíblia até que eu tenha algum sentimento ou êxtase. Ouça, se eu pegá-la e ler uma palavra dela, isso se aplica a mim porque Deus diz que se aplica a mim; Eu não preciso esperar por algum êxtase.

Em 2 Timóteo capítulo 3 no versículo 15 há uma declaração que eu acho que vale a pena o nossa reflexão. 2 Timóteo 3:15 diz, Paulo escrevendo a Timóteo, diz, "e que, desde a infância, sabes as sagradas letras." Agora ouça "que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus." Ouça, Paulo diz, "Este Livro é capaz de torná-lo sábio para a salvação. Você não precisa de nenhuma outra coisa. Você não precisa dele para se tornar outra coisa. Você não precisa ter uma espécie de apego extático. A Palavra é suficiente para salvá-lo." Então no versículo 16 ele diz, "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil." Toda a Escritura é útil. Tudo isso é proveitável. Você não tem que esperar para que se torne útil. É útil. "para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito." Ouça, esta Palavra pode torná-lo sábio para salvação e pode torná-lo maduro para toda boa obra. É tudo que você precisa, e você não precisa esperar por alguma experiência subjetiva.

Agora, esta é uma batalha que temos de lutar. Devemos lutar pela verdade, pela autoridade e pela suficiência das Escrituras, e não cair no espírito da época que nos quer fazer esperar por algum sentimento extático ou experiencial. Ouça se a Palavra de Deus fala à minha vida eu não tenho que esperar até ter um sentimento sobre isso. Eu vou obedecer. Esta é uma batalha. Aqueles que viveram duas gerações à nossa frente lutaram a mesma batalha em uma frente diferente. Alguns de vocês se lembram dos primeiros dias do Instituto Bíblico de Los Angeles. Alguns de vocês se lembram dos primeiros dias em que havia um conjunto de livros publicados chamados "Fundamentos". E algumas dessas pessoas estavam tentando lutar contra o liberalismo.

E o primeiro ataque aconteceu naquela época e esse ataque foi um ataque frontal, frontal e direto. Eles entraram pela porta da frente eles entraram e atacaram a autenticidade da Bíblia. E você sabe quem eles eram? Eles eram os teólogos liberais, e eles entraram diretamente na igreja e simplesmente começaram a explodir e a esmagar a autenticidade da Bíblia e foi direcionado para aqueles que enfatizaram o intelecto. Eles entraram nos seminários, chegaram aos estudiosos, chegaram aos líderes denominacionais, chegaram a todas as escolas nessas denominações e nós vimos as denominações desmoronarem como resultado, não é mesmo?

Bem, você sabe, ainda estamos lutando contra essa batalha. Ainda estamos lutando contra o liberalismo. Mas um segundo ataque veio sobre a Bíblia e não foi pela porta da frente. Mas pela porta de trás. Não é quase tão óbvio. É muito sutil. Está vindo pela porta dos fundos e atacando a autoridade e a suficiência da Escritura. E eu temo que os carismáticos estão liderando esse ataque, e é direcionado para as pessoas que enfatizam a experiência, e ela está chegando mesmo através do evangelicalismo e eles estão minando a autoridade da Bíblia, tentando substituir a autoridade pela experiência e insidiosamente atacando a validade da Bíblia. Então, estamos tentando lutar na frente e estamos tentando lutar nas costas ao mesmo tempo. Ambos estão seguindo o espírito da época que é atacar a autoridade da revelação de Deus.

Ouça, a Escritura é suficiente e as Escrituras exigem que toda experiência seja testada por ela. Nenhuma doutrina pode ser feita fora da Palavra revelada. Você ouve as pessoas dizerem "Bem, mas a Palavra é apenas a Palavra e o Espírito, a experiência espiritual, é o que buscamos". Quer saber de uma coisa? Na Bíblia a Palavra e o Espírito são sinônimos. João 6:63 não precisa abrir lá. Deixe-me ler para você. João 6:63, "O espírito é o que vivifica. O espírito é o que vivifica." E as pessoas dizem, "Oh sim, rapaz, temos que ter o Espírito, a experiência espiritual." "a carne para nada aproveita." Mas então ouça o que Jesus disse, "as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida." Vê? Jesus nunca viu qualquer dicotomia entre o Espírito, a experiência espiritual, e as palavras que Ele falou. Elas são suficientes.

Em João 4:24 Jesus diz, "Aqueles que adoram devem adorar em espírito e em" - O quê? - "verdade". Você não pode adorar a Deus em uma experiência que viola a verdade de Deus. Agora, deixe-me mostrar-lhe 1 Samuel 15. 1 Samuel 15. E eu compartilhei isso com você há muito tempo sobre Saul, mas eu quero apontá-lo porque é uma história tão fascinante. Primeiro Samuel 15. Aqui estava um homem que tentoava adorar a Deus em espírito mas não em verdade e vimos o que aconteceu. No versículo 3 de 1 Samuel 15 "Vai, pois, agora" o Senhor diz a Saul Rei de Israel, "Vai, pois, agora, e fere a Amaleque, e destrói totalmente a tudo o que tiver, e nada lhe poupes; porém matarás homem e mulher, meninos e crianças de peito, bois e ovelhas, camelos e jumentos." "Limpe toda essa influência, sem Deus, pagã, corruptora. Versículo 7, "Então, feriu Saul os amalequitas, desde Havilá até chegar a Sur, que está defronte do Egito." Ele simplesmente exterminou toda a nação. Mas no versículo 8 "Tomou vivo a Agague, rei dos amalequitas; porém a todo o povo destruiu a fio de espada." A razão porque ele tomou o rei foi: por ser um ato de orgulho. Ele queria mostrar a este rei que ele tinha conquistado. Mas Deus disse para destruir tudo. "E Saul e o povo pouparam Agague" e ouçam "E Saul e o povo pouparam Ae o melhor das ovelhas e dos bois, e os animais gordos, e os cordeiros, e o melhor que havia e não os quiseram destruir totalmentegague." Eles destruíram apenas as coisas que eles não queriam. Eles mantiveram o que queriam. Eles desobedeceram a Deus. Agora, observe o que acontece. "Então, veio a palavra do SENHOR a Samuel, dizendo: Arrependo-me de haver constituído Saul rei, porquanto deixou de me seguir e não executou as minhas palavras. Então, Samuel se contristou e toda a noite clamou ao SENHOR."

Você sabe o que o Senhor fez? Ele tirou o trono da casa de Saul. "Veio, pois, Samuel a Saul" no versículo 13, "e este lhe disse: Bendito sejas tu do SENHOR; executei as palavras do SENHOR"- que é uma grande mentira. “Então, disse Samuel: Que balido, pois, de ovelhas é este nos meus ouvidos e o mugido de bois que ouço? Respondeu Saul: De Amaleque os trouxeram; porque o povo poupou o melhor das ovelhas e dos bois, para os sacrificar ao SENHOR, teu Deus." Vê eu só quero adorar a Deus. Esta é apenas a minha maneira de adorar a Deus. E o versículo 17, "Prosseguiu Samuel: Porventura, sendo tu pequeno aos teus olhos, não foste por cabeça das tribos de Israel, e não te ungiu o SENHOR rei sobre ele? Enviou-te o SENHOR a este caminho e disse: Vai, e destrói totalmente estes pecadores, os amalequitas, e peleja contra eles, até exterminá-los. Por que, pois, não atentaste à voz do SENHOR, mas te lançaste ao despojo e fizeste o que era mal aos olhos do SENHOR? Então, disse Saul a Samuel: Pelo contrário, dei ouvidos à voz do SENHOR e segui o caminho pelo qual o SENHOR me enviou”

Então o versículo 21, "Mas o povo tomou do despojo." Então ele quer culpar o povo. Primeiro ele disse que ia adorar a Deus, mas veja o versículo 22, "Porém Samuel disse: Tem, porventura, o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a obstinação é como a idolatria e culto a ídolos do lar. Visto que rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei.”

Ouça você nunca pode adorar a Deus em seus próprios termos. Você deve adorá-Lo em espírito e em "- O quê? - "verdade". E as pessoas que dizem "Bom, é o meu modo de adoração. Bom, é a minha experiência. Estou procurando o meu próprio sentimento", estão violando uma verdade bíblica básica. Segundo Samuel capítulo 6; 2 Samuel capítulo 6. Eu quero mostrar-lhe uma outra ilustração muito rapidamente. Em 2 Samuel capítulo 6 eles estavam trazendo a arca. E o versículo 3 diz "Puseram a arca de Deus sobre um carro novo." Agora eles iam transportar a arca de Deus aqui. No versículo 5, saltando para baixo, "Davi e toda a casa de Israel alegravam-se perante o SENHOR, com toda sorte de instrumentos de pau de faia, com harpas, com saltérios, com tamboris, com pandeiros e com címbalos." Então, aqui estão eles levando a arca. Agora, Deus tinha feito uma regra sobre a arca e a regra era número um, que a arca era para ser transportada, como? Não sobre um carro sobre os ombros dos levitas em vigas. E Deus tinha outra regra sobre a arca e era que, sob nenhuma condição, alguém tocasse nela. "Quando chegaram à eira de Nacom, estendeu Uzá a mão à arca de Deus e a segurou, porque os bois tropeçaram".

Caro Uzá, deve ter sido um sujeito legal. Ele está andando. Talvez ele fizesse parte do comitê do carro. E você sabe, a arca de Deus é tão importante para Uzá, porque isto é uma coisa muito sagrada. E os bois batem numa protuberância e rapaz, a arca começa a cair. E Uzá a segurou, que ato de adoração! Que ato de honra! Por que arca, que simboliza Deus, cai no pó e na sujeira do caminho e ele a segurou com a mão, e a Bíblia diz no versículo 7, "Então, a ira do SENHOR se acendeu contra Uzá, e Deus o feriu ali por esta irreverência; e morreu ali junto à arca de Deus." Você diz, espere um minuto, que negócio é esse? Isso foi um ato de adoração de sua parte. Vocês nunca adoram a Deus violando os padrões de Deus, você vê? Só há uma maneira de adorar a Deus e isso é em Espírito e em verdade. E essa é a maneira que sempre foi, e é assim que sempre será, e você não pode dizer que você tem sua própria abordagem, ou a sua própria maneira, ou você sente que deveria fazê-lo desta forma, ou você sente que isso é certo. A adoração a Baal foi "O que eu ganho com isso?" Experiência. Mas a adoração a Deus sempre foi, "Como posso responder à verdade de Deus?" John Stott diz, abre aspas, "Todo culto cristão público e privado deve ser uma resposta inteligente à auto-revelação de Deus em Suas palavras e obras registradas nas Escrituras". Não há diferença entre adorar no espírito e na Palavra.

Em Efésios 5:18 ele diz "Enchei-vos do Espírito" certo? E em Colossenses 3:16 a passagem paralela diz "Que a palavra de Cristo habite em vós ricamente." Sendo cheios do Espírito e deixando a Palavra de Cristo habitar em vós ricamente são sinônimos. É a mesma coisa. Não há Espírito sem a Palavra, porque você não está em obediência a Deus, e o Espírito de Deus somente é energizado naqueles que obedecem. No Salmo 32, deixe-me mostrar-lhe uma passagem interessante, versículo 8. O Salmo 32:8 diz, "Instruir-te-ei e te ensinarei o caminho que deves seguir; e, sob as minhas vistas, te darei conselho." Que grande promessa. Deus diz, "Olha, eu vou guiar você do jeito que você deveria ir. Eu vou lhe ensinar, vou lhe instruir e eu vou lhe guiar." Agora observe o que ele diz no versículo 9, "Não sejais como o cavalo ou a mula, sem entendimento, os quais com freios e cabrestos são dominados; de outra sorte não te obedecem." Agora o que ele está dizendo? Quero guiá-lo, quero orientá-lo, quero direcioná-lo para a verdade, quero dirigi-lo para a adoração apropriada e quero direcioná-lo para a minha vontade e a única maneira que sou capaz de fazer isso é se você tiver compreensão.

Vê? Não seja como o cavalo e a mula que não tem entendimento. Como Deus nos conduz então? Através da nossa compreensão, através da nossa razão. E esse é o Seu plano, esse é o Seu desígnio, e é por isso que Paulo disse a Timóteo que prestasse atenção à doutrina.

No livro Cura Miraculosa escrito por Henry W. Frost, ele disse o seguinte, e eu sugeri isso nesta manhã. Ele disse, abre aspas, "Pode ser antecipado com confiança, à medida que a apostasia atual aumenta, que Cristo manifestará Sua divindade e senhorio em medida crescente através de sinais milagrosos. Não devemos dizer, portanto, que a Palavra é suficiente ". Essa é uma declaração de um carismático. A Palavra não é suficiente?

Volte comigo para o capítulo 14 de João. Você se lembra deste maravilhoso, maravilhoso capítulo. João capítulo 14 versículo 6. Jesus com os Seus discípulos no cenáculo. Ele diz isso, "Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. Se vós me tivésseis conhecido, conheceríeis também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto." Ah, isso é tão grande. Jesus tinha acabado de cristalizar em suas mentes que Ele ia deixá-los. E para consolá-los Ele diz "Ei pessoal, vocês realmente não precisam se preocupar, porque vocês virm o Pai em Mim e vocês conhecem Deus através de Mim e está tudo bem." Mas Filipe não ficou satisfeito. Não basta ter ouvido as palavras de Jesus. Não era suficiente ter o que tinha. Ele tem que ter algo mais. Ele quer outra experiência e assim no versículo 8, "Replicou-lhe Filipe: Senhor mostra-nos o Pai e isso nos basta." Em outras palavras, "O que Tu fizeste agora não é suficiente. Faça mais uma coisa. Apenas nos dê uma visão de Deus. Dê-nos uma maravilha, uma experiência." Ele implorou por um glorioso vislumbre do Pai, um êxtase, uma experiência.

E Jesus ficou sentido. No versículo 9, "Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?" Isso é doloroso. Ele está dizendo "Ei Filipe, eu não sou suficiente? Eu não sou, não sou suficiente? Tendo me visto, Minhas obras, ouvido Minhas palavras, você tem que ter mais?" Talvez ele quisesse ver a glória de Deus como Moisés, mas eu vou lhe dizer uma coisa, Moisés teria trocado ansiosamente esse breve vislumbre da glória de Deus por três anos com Deus em carne humana, não acha? Mas Filipe queria algo mais, e realmente é um insulto ao Filho de Deus, e eu tenho medo de que muitas pessoas hoje estão fazendo a mesma coisa. Eles estão insultando a Deus e estão insultando a Jesus Cristo - que se revelou completamente neste Livro - sempre querendo algo mais. Será que Filipe achava que uma visão de Deus seria mais satisfatória do que a presença de Jesus? Será que Filipe sentiu que alguma espécie de grande experiência era maior do que ouvir as palavras de Deus dos lábios de Seu Filho?

Não buscamos experiência. Procuramos conhecer a Deus e procuramos conhecer a Sua Palavra. E ouça-me, quando encontramos essas duas coisas, Deus e Sua Palavra para ser verdade, o dilúvio de experiências maravilhosas segue, não é mesmo? Não estou dizendo que não temos experiências. Ouça, no caminho para Emaús havia dois discípulos solitários, em Lucas 24; com o coração partido. Eu acho que eles estavam chorando, e de repente quando eles estão andando na estrada para Emaús, chorando, porque seu Messias está morto, seu Salvador se foi, Jesus caminha ao lado. Eles não o reconhecem. Eles andam um pouco. E de repente Ele começa a abrir a Escritura e começando por Moisés e os profetas Ele ensinou sobre eles as coisas concernentes a Si mesmo. Lembra-se disso? Essa é a verdade. Essa é a revelação. Essa é a Palavra. E mais tarde Jesus desapareceu e eles disseram uns aos outros, "Não foram nossos corações estranhamente aquecidos enquanto Ele falava conosco no caminho?" Ei, ouça eles tiveram uma experiência. Seus corações estavam aquecidos. Houve alegria emoção e entusiasmo. Ouça, Pedro disse, "Que às vezes o crente terá alegria indescritível, além das palavras." Isso mesmo.

Romanos 14:17 diz, "Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo". E todo cristão que realmente viveu a verdade conhece essa alegria e essa paz que entra em sua experiência. Em Mateus 22:37 "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento". O salmista disse no Salmo 34:8 “Oh! Provai e vede que o SENHOR é bom." Experimente Deus. E Malaquias disse, "provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida". São tantos lugares onde há tal alegria e tal experiência. Vem em resposta ao estudo e à obediência da Palavra de Deus.

Amados, eu não estou negando a experiência. Só estou dizendo que a experiência seguirá quando soubermos a verdade. Mas se buscarmos a experiência então o Adversário falsificará a experiência e tiraremos conclusões erradas sobre o que é verdadeiro e perderemos a verdade de Deus. Muitos de nossos irmãos carismáticos estão dizendo, "Essas experiências são o que todos nós temos que ter, mas elas realmente não estão na Bíblia".

Primeira Coríntios 15:14 é parafraseado por Clark Pinnock desta forma e eu acho que é uma paráfrase boa. Ele diz, "Não cantem sobre ressurreições espirituais e não se vangloriem de experiências religiosas, a menos que Cristo tenha sido realmente levantado na história do tempo-espaço". Em outras palavras se não há cristianismo histórico, não há qualquer experiência válida. E se há um cristianismo histórico então esse é o que temos de aderir.

Aqui está o que eu quero que você seja. Abra em Atos 17. Eu vou concluir com isso. Versículo 10, Atos 17 "E logo, durante a noite, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia; ali chegados, dirigiram-se à sinagoga dos judeus." Eles tiveram que fugir de Tessalônica porque tentaram matá-los. Então os irmãos colocam de Paulo e Silas para fora da cidade e eles fogem para Berea. "Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra" - observe isto, isso é tão bom. Estes são judeus agora, não cristãos. "pois receberam a palavra com toda" - O quê? - "a avidez, examinando" - O quê? - "as Escrituras" - Quantas vezes? - "todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim. Com isso, muitos deles"- O quê? - "creram." Rapaz, eu lhe digo isso é ótimo. Esse é o tipo de pessoa que você quer ser, não é mesmo? Ouça, Deus não espera que você tenha que descobrir o que não está escrito aqui. Tudo o que você precisa fazer é se comprometer a pesquisar as Escrituras diariamente para ver se essas coisas são assim. Eu posso lhe prometer, porque é verdade como a Palavra de Deus diz isso, uma e outra vez, você se alimenta disso e você experimentará a maior alegria e bênção imagináveis e estará enraizado e fundamentado na verdade divina.

Querido Pai, conseguimos esta noite, obrigado pela Tua Palavra. Obrigado pela família da Grace. Está tão além de nós que Tu farias isso aqui, construir esta família. Eu Te agradeço por todas as pessoas que estão aqui esta noite, que estão em lugares diferentes em sua vida em amadurecimento. E Pai, por toda essa família eu apenas faço uma oração. Faze-nos nobres como os bereanos que procuraram a Escritura para ver que as coisas são assim. E ajuda-nos a manter nossas convicções com amor e ternura. Gentilmente instruindo os outros não de forma contenciosa e fazendo de nós um povo que se destaque nesta parte do Vale e em todo o mundo como uma luz de quem se pode dizer "Eles são pessoas do Livro". Que possamos ser obedientes e adorar-Te em espírito e em verdade, sabendo que as palavras que Tu falas são Espírito e são vida. Realmente vivamos ouvindo Tuas Palavras. E assim é nossa oração. Esse é o nosso compromisso. E todo o povo de Deus disse, Amém.

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize