Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Esta manhã vamos, como você sabe, se você esteve aqui a última vez, nos desviar um pouco do nosso texto de Efésios 5:18. Em nosso estudo contínuo no livro de Efésios, nos encontramos, na semana passada, no versículo 18 e esse versículo nos apresenta o tema da embriaguez e isso nos introduz o tema da embriaguez. E porque tem havido muitas, muitas perguntas sobre esta área muito importante, muitos de vocês perguntaram - certo? O cristão deve consumir bebidas alcoólicas? O que a Bíblia ensina? e assim por diante e assim por diante - que nós decidimos parar aqui e compartilhar alguns pensamentos sobre isso.

Alguém estava me dizendo que quando estavam vindo à igreja nesta manhã eles viram um novo cartaz que dizia "O que é Natal sem Jim Beam?" Talvez isso reflita algo da doença da sociedade em que vivemos. Apresenta-nos um problema que é de fato um problema. Efésios 5:18 diz "E não vos embriagueis com vinho em que há dissolução mas enchei-vos do Espírito." Esta é uma ordem direta contra a embriaguez. Espírito de Deus está dizendo que não devemos ficar bêbados.

Podemos dizer com segurança que os Estados Unidos tem um problema com a bebida forte, e suponho que fiqemos muito surpresos com isso. Seria de esperar que uma sociedade orgulhosa, auto-indulgente, pecaminosa, louca pelo prazer, que está repleta da consequente culpa, ansiedade, frustração e depressão, tentar tanto viver quanto esquecer tudo por meio da bebida. Nós não ficamos chocados com isso, de forma alguma. Mas o que pode ser um pouco estranho para nós é o fato de que os cristãos, que por definição de nosso Senhor são mansos, altruístas, absolutamente perdoados, consolados pelo Espírito Santo, cheios da alegria do Senhor, devam procurar o seu consolo e sua alegria em um garrafa. Esta é uma questão muito importante e muita discussão e muita confusão acontece nesse debate. Algumas pessoas dizem que um cristão não deve beber nada, absolutamente nsda, é proibido, é errado, é pecado. Outros dizem que um cristão pode beber sim com moderação é bom, especialmente porque a Bíblia indica que o povo de Deus bebia vinho e se você o fizer com moderação, tudo bem.

Eu estive com os cristãos neste país, na Europa, América Latina e outros lugares, alguns que bebiam e outros que não. Alguns vão jantar e nem pensariam em pedir vinho e outros pendem primeiro e depois pensam no jantar. Eu estive com pessoas em vários campos missionários que me disseram para ficar em tal e tal lugar porque o vinho era o melhor que existia. E eu estive, por outro lado, com pessoas que estavam numa sociedade no campo missionário, por muitos, muitos anos e nunca consumiram nada. Não parece ser uma questão se você está aqui geograficamente ou em outro lugar, mas o que há realmente é um misto de sentimento sobre se é certo.

Tive pessoas vieram a mim e disseram, "Quando é que você vai pregar contra a bebida?" E tive pessoas vieram a mim e disseram "Você não vai pregar contra a bebida, não é?" Você teria gostado de estar na minha casa ontem e ouvir a ambivalência sobre os telefonemas que recebi. "Bem nós estamos apenas ligando para perguntar - você não vai dizer isso amanhã, você vai?". Eu respondia, "Venha e descobra" Eu diria que eu sei que há muita preocupação e a última coisa que eu quero fazer é colocar todos sob uma pesada culpa e a última coisa que eu quero fazer é fazer com que você acha que se você beber ou não beber é um símbolo e emblema da sua espiritualidade. A espiritualidade é o que você é. O que você faz é somente uma manifestação disso.

Agora lembre-se que em nosso último estudo de Efésios 5:18 nós dissemos-lhe que beber é usado em contraste aqui com o enchimento do Espírito Santo, porque não era tanto uma coisa social o que Paulo estava olhando, era teológica. Claro, as pessoas naquela sociedade - assim como nesta sociedade e em todas as outras sociedades em todo o mundo através da história do homem - bebem para esquecer seus problemas, bebem para induzir a alegria, bebem para induzir alguma sensação de bem-estar. É verdade que há um elemento social nisso. Mas o que Paulo tem em mente vai muito além disso e é teológico.

Você vê, o vinho foi utilizado para induzir a embriaguez nas religiões pagãs, na adoração de deuses pagãos, pelos gregos e os romanos a fim de induzir o que eles pensavam fosse uma maior consciência religiosa. Eles acreditavam que quanto mais bêbados ficassem, um nível mais elevado de consciência alcançavam para comungar com os seus deuses. É exatamente o que Paulo estava dizendo em 1 Coríntios 10 quando ele disse que você não pode beber o cálice dos demônios e o cálice do Senhor, você não pode ir e beber o cálice que faz você ficar bêbado para comungar com os deuses, e em seguida vir e tomar o cálice da comunhão pelo qual você tem comunhão com Jesus Cristo. A nossa comunhão exige a plena utilização da suas faculdades quando se é energizado pela plenitude do Espírito em contraste com a comunhão deles que é realmente a ausência de suas faculdades induzidas pelo teor alcoólico de alguma bebida.

Lembra que eu disse que Satanás havia falsificado todo o evangelho, realmente? Falamos sobre o deus Zeus que é uma espécie de falso pai de Satanás. Ele é uma espécie de semelhança ao Deus Pai. E Zeus deu à luz um filho que foi então dilacerado e renasceu, que é a falsa ressurreição. Você se lembra que esse filho foi originalmente concebido sem Zeus nunca ter se encontrado com a mãe, o que era uma espécie de concepção virginal? E você vai lembrar que Zeus decidiu fazer desse filho o senhor da terra, indicando novamente a mesma falsificação? E assim este tornou-se o senhor da terra, este filho de Zeus que renasceu. Seu nome era Dionísio e ele é conhecido como o deus do vinho. Por quê? Porque a religião pagã foi induzida pela embriaguez. Isso era tudo uma parte do sistema.

Então quando Paulo está dizendo "Não vos embriagueis com vinho no qual há dissolução mas enchei-vos do Espírito" ele está dizendo que seu velho tipo de culto religioso está for a, o novo se encontra e é pelo Espírito Santo e não pela embriaguez. Então essa é a base de seu contraste. Essa é a base da sua comparação. É muito mais do que apenas uma questão social; ele está falando religiosamente. Ele está dizendo que se você estiver em sua caminhada de maneira digna, você vai andar em humildade, em unidade e você vai andar diferente de como os gentios andam, você vai andar em amor, luz e sabedoria, então você não vai induzir a sua comunhão com Deus através da embriaguez, você vai fazê-lo pelo enchimento do Espírito de Deus.

O questão é que a embriaguez é proibida porque é uma manifestação de uma velha maneira de vida incompatível com a nova vida, certo? "E não vos embriagueis com vinho" é uma ordem. A embriaguez é proibida na Escritura. É um padrão que pertence à vida anterior. Em Romanos capítulo 13, isso é muito claro no versículo 13 "Andemos dignamente, como em pleno dia, não em orgias e bebedices" Em Gálatas capítulo 5, verso 21 encontramos palavras semelhantes a estas. No versículo 17 fala sobre a carne; no versículo 19 das obras da carne; e depois em 21 ele lista quais são: invejas, bebedices, glutonarias. Essas coisas não fazem parte da nossa nova vida. "a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam." I Coríntios 6:10 diz a mesma coisa "Bêbados não herdarão o reino de Deus." Primeira Pedro capítulo 4, versículo 3 "Porque basta o tempo decorrido para terdes executado a vontade dos gentios, tendo andado em dissoluções, concupiscências, borracheiras, orgias, bebedices e em detestáveis idolatrias."

Esse é o passado da nossa vida, isso é suficiente, isso permanece lá, pertence àquela época, isso é tudo. É parte da escuridão do passado. Já não - ele diz em 1 Tessalonicenses 5:6 "Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrário, vigiemos e sejamos sóbrios. Ora, os que dormem dormem de noite, e os que se embriagam é de noite que se embriagam." A questão é que a embriaguez é uma parte da noite da da qual ós viemos. Entramos para o dia em Jesus Cristo e aí não há lugar para a embriaguez.

Portanto a Bíblia adverte contra a embriaguez. O crente não é para ficar bêbado. E as pessoas sempre vão dizer "Bom, o que ficar bêbado significa?" A embriaguez pode ser definida como qualquer ponto em que o álcool assume o controle de qualquer parte de suas faculdades. Isso é a embriaguez. Agora, há todo tipo de graus, e eu não sei para todos onde essa linha fina está, mas sempre que você perde o controle de suas faculdades, em qualquer sentido, para o álcool, isso se torna embriaguez.

Agora a Bíblia tem muito a dizer sobre isso. Eu gostaria de salientar algumas dessas coisas para você. Provérbios capítulo 20, versículo 1 a Bíblia diz "O vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora; todo aquele que por eles é vencido não é sábio." O vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora; todo aquele que por eles é vencido não é sábio. A questão é essa, que uma pessoa que se torna bêbado é tola, e se engana pensando que está fazendo que seja positivo. Isso é um engano de Satanás; isso é escarnecedor. Você acha que está fazendo algo para você e zomba de você mesmo no próprio ato. Provérbios - Eu quero que você olhe comigo no capítulo 23 uma das descrições mais interessantes de embriaguez em toda a Bíblia. Provérbios 23, versículo 19.

O livro de Provérbios, é claro, era um livro que os pais ensinavam seus filhos, e assim, por todo o caminho através do livro de Provérbios você ouve o pai falar com seu filho, e no capítulo 23, versículo 19 você o ouve novamente "Ouve, filho meu, e sê sábio; guia retamente no caminho o teu coração." em outras palavras se você é um filho do reino, um filho do Rei, se você faz parte do mundo de Deus e do domínio de Deus, se você anda na luz, se você no caminho, então, mantenha-se no caminho, dirija seu coração coração por esse caminho. No versículo 20 ele diz "Não estejas entre os bebedores de vinho". Em outras palavras a sua nova vida é incompatível com a embriaguez daqueles de onde você veio. "Não estejas entre os bebedores de vinho" e aliás, "entre os comilões de carne." E poderemos falar sobre isso em algum momento no futuro, "Porque o beberrão e o comilão caem em pobreza; e a sonolência vestirá de trapos o homem."

Uma pessoa que se torna alcoólatra acaba em trapos, e você pode ver isso se você assistir ao noticiário desta semana, tipo que nesses lugares mais carentes, pessoas que são esfaqueadas e que estão exatamente nesta situação. Tenho pregado de tempos em tempos nas missões. Na verdade quando eu era muito jovem, eu costumava descer até a Third Street noite após noite e pregar na missão e ver as pessoas vestidas em trapos por causa de sua embriaguez. O que uma bebida enganadora fazia. Você sabe, ela não estava tornando os homens distintos, eram homens com roupas em farrapos e ficava muito aparente. Tudo que você precisa fazer é dar uma pequena olhada nessa área e você pode ver por si mesmo.

Agora, ele vai até o versículo 29 e descreve aqui qual é a imagem da embriaguez. Aliás, no meio ele fala sobre prostituição, porque a embriaguez e a imoralidade sexual são muito semelhantes. Ele fala sobre a prostituta no versículo 27, porque isso acompanha. Mas, no versículo 29 ele descreve a situação da embriaguez. Eu quero que você veja isso. "Para quem são os ais? Para quem, os pesares? Para quem, as rixas? Para quem, as queixas? Para quem, as feridas sem causa? E para quem, os olhos vermelhos? Para os que se demoram em beber vinho, para os que andam buscando bebida misturada." Agora, vamos apenas olhar para isso por um minuto. Quem tem o ai, quem fica com mágoas, tristezas, lutas, quem fica balbuciando com a boca, que tem feridas sem causa, quem é que - sem uma boa razão morre em um pilar de auto-estrada, é executado em um hidrante, em dar de frente com uma parede, cai por uma janela? Quem é esse? Quem é que tem os olhos vermelhos, quem é que só fica com problemas, tristeza e lutas e balbucia com a boca? É o bêbado. É ele que anda buscando bebida misturada.

Agora a fim de evitar cair nessa cova ele diz "Não olhes para o vinho, quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente." Em outras palavras, simplesmente não fique olhando para isso, porque é uma coisa sedutora. Você olha para isso - e você sabe o que aquelas - você já viu essas pessoas, você sabe, elas seguram esses anúncios, e ficam piscando luzes, e olham para isso e derramam como que em câmera lenta e se jogam, e você tem pessoas que são bebedores profissionais de vinho e provadores. É brincar com o que é um incentivo. E claro, ele diz no versículo 32, "Pois ao cabo morderá como a cobra e picará como o basilisco. Os teus olhos verão coisas esquisitas". Eu não vou pedir a todos vocês que tiveram essa experiência para se levantar e dar seu testemunho - podemos supor isso. "E o teu coração falará perversidades." Você vê coisas engraçadas, elefantes cor de rosa e todo o resto e seu coração profere coisas perversas.

E você vai ser como uma pessoa que se deita no meio do mar encontrando-se no topo do mastro. O versículo significa aqui um navio no meio do mar e você, quando você está bêbado, é como um sujeito que está tentando dormir no mastro. Se você sabe alguma coisa sobre navios, é óbvio que, o que o movimento cria na parte inferior, irá ao extremo na parte superior, e assim o sujeito no mastro vai ficar desse jeito. E eu falei com alguém esta semana que me disse que ele tinha tido a experiência de ficar bêbado freqüentemente, e que esta é a descrição mais apropriada que ele já ouviu em sua vida.

Mas você sabe qual a parte surpreendente disso? Ele vai dizer: me espancaram e não doeu, me bateram e eu não senti, quando eu despertar tornarei a beber. Surpreendente. Todo esse problema e o que você faz quando você se levanta? Volta direto para a bebida. Um dos grandes comentaristas do Antigo Testamento Delitzsch, diz "O autor passa, neste texto, começando com o pecado da prostituição e impureza, ao da embriaguez porque eles são quase relacionados, porque a embriaguez excita o desejo carnal, e a chafurdar-se no delírio da lama da sensualidade, um homem criado à imagem de Deus deve primeiro brutalizar-se por algum tipo de intoxicação."

E assim a Bíblia é muito clara sobre a embriaguez. Em Isaías capítulo 5, versículo 11 "Ai dos que se levantam pela manhã e seguem a bebedice e continuam até alta noite, até que o vinho os esquenta!" Uma das marcas características de um alcoólatra é que ele bebe logo de manhã. Ai daqueles que começam de manhã e bebem até à noite. E aliás, como veremos mais tarde, você teria que fazer isso naquela hora do dia para ficar bêbado porque o teor do álcool era muito baixo. Você teria que realmente fazer iss durante todo o dia a menos, claro, que você bebesse bebida forte como indicado aqui. Se você estivesse apenas bebendo vinho, levaria um longo tempo por causa da diferença do tipo de vinho o que veremos em um minuto.

Mas a pessoa que se levanta e bebe durante todo o dia vai ter um ai daqueles. Capítulo 28 de Isaías, e há muitas outras passagens - Eu só vou dar-lhe algumas amostras. Capítulo 28 de Isaías, Deus faz uma acusação contra Efraim, os filhos do Senhor, que é muito muito contundente. Ele diz "Mas também estes cambaleiam" - Isaías 28:7 - "por causa do vinho e não podem ter-se em pé por causa da bebida forte" Em outras palavras, a bebida levou-os para fora da perspectiva adequada para com Deus. Veja isto O sacerdote e o profeta erram por causa da bebida forte.

Agora, vou lhe dizer uma coisa, o sacerdote foi proibido de beber de qualquer forma. E vamos ver isso da próxima vez. Por quê? Porque um sacerdote estava na posição de representar Deus e se ele ficasse bêbado e comeesse um erro de julgamento ou declaração falsa, ele poderia carregar todo um grupo de pessoas com ele. E aqui o sacerdote e o profeta de Deus estavam bêbados e eles tinha cometido um erro, fizeram declarações que não eram verdadeiras e eles estavam absorvidos pelo vinho. Eles estavam fora do caminho com a bebida forte, eles erravam na visão e tropeçavam no juízo. Eles estavam dizendo coisas erradas, eles estavam induzindo as pessoas ao erro. E diz como realmente haviam se tornado repugnantes pela bebida, no versículo 8, "Porque todas as mesas estão cheias de vômitos, e não há lugar sem imundícia." Eles vomitavam e estavam evacuando bem no lugar onde eles estavam bebendo. Um deboche incrível por parte do sacerdote e do profeta, quando Deus os havia chamado para o lugar que Ele os chamou. Não admira que Deus os julgou.

No capítulo 56 de Isaías encontramos novamente nos versos 11 e 12 uma coisa semelhante. Fala sobre as pessoas que deveriam ser as sentinelas de Israel, pessoas que deveriam estar cuidando das pessoas. E ele diz "Tais cães são gulosos, nunca se fartam; são pastores que nada compreendem, e todos se tornam para o seu caminho, cada um para a sua ganância, todos sem exceção. Vinde, dizem eles, trarei vinho, e nos encharcaremos de bebida forte; o dia de amanhã será como este e ainda maior e mais famoso." Nós apenas estamos indo nos embriagar. E você sabe, Deus literalmente acusa essas pessoas. Toda vez que qualquer pessoa em qualquer posição de responsabilidade espiritual, que beba e se embriaga, eles realmente são acusados por Deus de maneiras terríveis. Em Oséias capítulo 4, versículo 11 "A sensualidade, o vinho e o mosto tiram o entendimento." E aqui você tem Deus que ligando a bebida com o adultério, a bebida com a prostituição.

Muito bem, agora vamos parar ali por um minuto, certo? Eu acho que você teve um quadro de como Deus se sente sobre a embriaguez. Você viu a miséria mal da embriaguez em Gênesis, onde o resultado foi um terrível incesto. Sabemos que Deus proíbe a embriaguez. É repetido de novo e de novo e de novo e de novo. Em nenhum momento na vida de um crente, ele ou ela nunca devem perder controle de suas faculdades por causa álcool. Somos todos sacerdotes para com Deus. Todos temos responsabilidade espiritual, todos devemos falar palavras adequadas que representem a correta representação de Deus, fazer coisas que representem a Deus em todos os momentos, não desistindo de nossas faculdades em qualquer instante, em qualquer ato de embriaguez, não importa o quão mínimo isso seria, sem violar o padrão de Deus por estarmos de acordo com o Espírito de Deus.

Mas por outro lado você sabia que o vinho também é elogiado na Bíblia? Agora alguns de vocês estão dizendo "Ah, não, eu estava tão bem com essa primeira parte." Mas o vinho também é elogiado na Bíblia e temos que ser justos. É isso. Você sabia que em Êxodo 29 e Levítico 23 as pessoas deviam trazer libações ao templo para oferecer a Deus? E essas libações eram vinho? E em Juízes 9:13 e no Salmo 104:15 diz que há um tipo especial de vinho que alegra, que faz você feliz. E em Isaías 55:1-2 - e isto é um choque - Isaías 55:1-2, Isaías compara o vinho com a salvação. Ele diz "Venha e compre vinho" e ele está realmente fazendo um convite para a salvação.

Nosso Senhor Jesus Cristo bebeu vinho e ordenou a Ceia do Senhor a Mesa do Senhor. Paulo disse a Timóteo, em 1 Timóteo capítulo 5, versículo 23 para beber um pouco de vinho por causa do seu estômago. E é óbvio que no Antigo e no Novo Testamento a bebida mais importante do povo era o vinho. E aliás, quando o Bom Samaritano desceu o caminho e encontrou o homem na beira da estrada, diz em Lucas 10:34 que quando ele colocou tudo em ordem, ele derramou vinho em suas feridas. E em Provérbios 31 diz que quando alguém fica velho, muito doente e está prestes a morrer para dar-lhe um pouco de vinho para agir como um sedativo, para aliviar a dor como um anestésico.

Então, você vê, na Escritura temos o vinho como um destruidor, como um zombador, como algo que se dissipa, como algo que provoca embriaguez, o que é proibido por Deus. Por outro lado, você tem o vinho como uma coisa aceitável em muitos lugares na Escritura, até mesmo indicado. Você diz, "O que você está tentando dizer?" Bom, eu estou tentando dizer que é como qualquer outra coisa. Aquela pequena uva que está pendurada na videira tem um potencial para o bem e um potencial para o mal. Agora você diz "Bom, podemos saber o que fazer? Podemos saber se devemos beber ou não? A Bíblia não diz nada para nos ajudar? "Bom, sim ela diz, e eu vou mostrar isso para você.

Isto é o que eu chamo de a Carta de Vinhos do Cristão. Vou dar-lhe oito postos de controle. Eu não sei quais são seus pressupostos e eu quero que você saiba que eu amo todos vocês e eu não estou tentando apenas, você sabe, chorar longe de vocês. Vou fazer a vocês estas oito perguntas e vocês têm que pensar nelas comigo, e vamos cobrir as duas primeiras e um pouco da terceira hoje, certo? E eu realmente acredito em primeiro lugar, que isso vai ajudá-lo a tomar uma decisão. Agora deixe-me dizer-lhe isto: A Bíblia não proíbe beber vinho. Agora não diga "Amém." Você não vai fazer isso porque alguém perto de você pode estar chocado, vê. A Bíblia não proíbe beber vinho. Se o fizesse eu tinha acabado de ler o versículo, orar e teria ido para casa. Eu teria que pregar outro sermão, certo? Isso estaria encerrado. O Bíblia não diz isso. Ela não diz que o vinho é proibido. Mas ela diz algumas coisas que nos ajudam a saber o que devemos fazer.

Número 1, e esta é a primeira pergunta que me veio à mente. É a mesma coisa? O que quero dizer com isso? Beber hoje é o mesmo que nos tempos bíblicos? Melhor, o vinho hoje é o mesmo que daquela época? Agora, a razão porque eu pergunto isso é porque inevitavelmente os cristãos defendem - os cristãos que bebem, sim, defendem fortemente o seu direito de beber baseados na Bíblia. Eles dizem "Bom, Jesus bebeu, os apóstolos beberam, beberam no Antigo Testamento, beberam, beberam no Novo Testamento. Não pode haver nada de errado com isso." E eu pensei sobre isso. Eu pensei "Bom, isso é bom. Quero dizer, querem usar uma base bíblica "O povo da Bíblia fez isso então qual é o problema?" "E uma vez que eles não tinham" dizem eles "refrigeração então, certamente era fermentado e eles bebiam fermentado e nós estamos bebendo-fermentado. Qual é o problema?" Então eu imediatamente começei a pensar “Bom, eu me pergunto se o vinho é hoje o mesm que daquela época." Assim,nas últimas três semanas eu estive perseguindo isto por aí tentando descobrir se era o mesmo, e eu encontrei algumas informações fabulosas e eu vou compartilhar com vocês, por isso esperem.

Eu quero dizer a vocês algumas palavras, para começar. Estas são as palavras bíblicas e depois vou para integrar essas ao que discutimos. Era, o vinho que bebiam o mesmo que o nosso? Se vamos usar o hábito deles de consumir vinho como base para o nosso consumo, então ele tem que ser o mesmo. Se não for então esse princípio está for a, e vamos encontrar um outro. Muito bem, antes de tudo a palavra mais comum no Novo Testamento é oinos O-I-N-O-S a palavra grega oinos. É uma palavra que simplesmente se refere ao suco de uvas. É uma palavra muito geral, ela é usada com muita frequência e é a palavra normal, no Novo Testamento, para o vinho.

Agora o equivalente no Antigo Testamento para oinos é yayin Y-A-Y-I-N. Essa é a palavra hebraica. É usada 141 vezes no Antigo Testamento. E a palavra yayin está se referindo - veja este - ao vinho que é misturado. Certo? Misturado. Não com outros vinhos mas geralmente com água. Às vezes com mel, às vezes com ervas e às vezes com mirra mas sempre misturados. E mesmo que ftenha sido misturado com mel, mirra e ervas também pode ser misturado com água. Então eles tinham algumas várias misturas.

Agora, yayin, a propósito, significa vinho misturado. Descobri isso na enciclopédia judaica 1901. Essa não é uma interpretação cristã, isso não é apenas algo que só se pensava. Os próprios judeus, olhando para o seu próprio texto hebraico, e examinando seu próprio uso das palavras, dizem que yayin significa vinho misturado. Há mais duas palavras que temos de considerar. Gleukos da qual nós temos "glicose" que é um tipo de algo a base de açucar. Gleukos significa vinho novo. Vinho novo. É usado em Atos 2:13 quando disseram dos apóstolos no dia de Pentecostes, "Eles estão cheios de mosto." Aquele vinho fresco, mas veja: Ele ainda é fermentado. Não levaria muitos dias para fermentar. E mesmo o vinho fresco acabado de sair das uvas, sem um processo de refrigeração, seria fermentado muito rapidamente. Assim embora fosse relativamente fresco e não tivesse envelhecido ainda era potencialmente intoxicante. É por isso que em Atos 2:13 eles disseram "Estes homens estão embriagados com vinho novo." O fato de que era o vinho novo não significa que ele não intoxicava. Seria fermentava mjito rápido.

Agora, se você tivesse acabado de espremer da uva e o bebesse, obviamente não seria necessariamente fermentado. Mas o que era chamado gleukos ou de vinho novo, poderia se ter apenas alguns dias, semanas, ou alguns meses de refrigeração absoluta e ainda seria fermentado. Aliás, a palavra do Antigo Testamento para isso é tirosh T-I-R-O-S-H e tirosh também significa vinho novo. Eu li para você antes em Oséias 4:11 e lá diz que o vinho novo é tirosh e ouça isto: Diz no mesmo versículo, que a embriaguez vem com o vinho novo. Então o vinho novo tirosh, o vinho novo gleukos ambos os casos poderiam causar a embriaguez. Assim o fato de que era o vinho novo não significa que isso não fosse acontecer.

Tudo bem, agora eu quero dar-lhe uma outra palavra. Outra palavra que você precisa saber, no Antigo Testamento, é shakar e shakar significa bebida forte e isso significa que não é misturada. A palavra do Novo Testamento é sikera isso significa não misturada. Então agora você tem três coisas. Número um oinos e yayin são misturadas, vinho misturado com água. Esse é o uso predominante. E depois há gleukos e tirosh esse é o vinho novo, fresco que, por sinal, também foi misturado com água tanto quanto a história nos diz. Em terceiro lugar havia shakar e sikera que era sem mistura, vinho puro, tirado direto da uva coocado no copo e ingerido, sem mais nada. Agora com base nestes termos - e eu quero lhe dar alguns dicernimentos históricos e todas as coisas que vêm juntas, e eu acho que você vai achar isso fascinante - a minha conclusão é esta – Essa é a primeira conclusão, e aí você sabe onde quero chegar: o vinho dos tempos bíblicos não era necessariamente o mesmo que o vinho que temos hoje.

O vinho bebido hoje é sem mistura com água. É vinho direto. Isso não é verdade sobre o vinho bíblico e eu vou mostrar-lhe porquê. Primeiro de tudo, um pouco do vinho dos tempos bíblicos era absolutamente não intoxicante. Ele só não era fermentado. Era não intoxicante em qualquer sentido. O professor Samuel Lee da Universidade de Cambridge diz isso, ele diz que yayin que é vinho misturado ou oinos a palavra no Novo Testamento, não se refere apenas às bebidas alcoólicas feitas pela fermentação, mas mais frequentemente refere-se a um xarope espesso não intoxicante ou compota produzida por – veja isto - ebulição para torná-lo armazenável, o que indica que ele era muito comum para eles pegar o que saia da uva, o vinho que saia da uva, e em seguida ferver, o que causaria a evaporação de todo o líquido, a perda da capacidade de fermentação quando o líquido saia, e eles tinham um tipo armazenagem em pasta que eles colocavam em frascos. Agora isso não é diferente do que as mulheres enlatam coisas hoje para preservá-las, e isso iria preservar esta substância espessa e viscosa. O suco de uva a propósito, que foi deixado após o processo de ebulição, não poderia fermentar nessa condição. Ele era em seguida armazenado em peles novas de vinho.

Houve tempos e lugares quando eles definitivamente queriam eliminar qualquer capacidade alcoólica ou fermentação do que eles iriam usar. Portanto, não é simples o suficiente apenas dizer que eles bebiam bebidas alcoólicas porque não havia refrigeração. Eles faziam as coisas desse jeito. E a calda grossa, semelhante a geléia de uva, aliás, muito frequentemente era espremida no pão como geléia. Você sabia disso? E quando eles queriam beber eles apertavam isso em algo e misturavam, de acordo com Plínio, o historiador romano, com até 20 partes de água. Se você tivesse uma pasta grossa teria que colocar a água de volta que tinha saído com a evaporação, certo? Eles misturavam novamente e bebiam, de modo que não era fermentado e totalmente não intoxicante. E pelo jeito o melhor que eu posso dizer, de minha pesquisa, que era o tipo preferido para se beber. É por isso que Samuel Lee disse que era a forma mais comum de armazenamento e preparação de vinho. E você sabia que era obviamente mais fácil para armazená-lo dessa maneira do que para armazená-lo em forma líquida porque seria muito o quê? Demasiado volumoso. Então essa é a maneira que era comum fazer.

Agora escritores clássicos têm falado sobre isso e eu quero mostrar isso para você, para que você saiba que há algumas fontes reais. Horácio em 35 a.C. - voltando um pouco no tempo - diz "Você pode sorver, sob uma sombra, copos de vinho não intoxicantes". Então eles reconheciam que eles tinham isso. Plutarco, em 60 A.D., escreveu que o vinho filtrado nem inflama o cérebro, nem infecta a mente e as paixões, e é muito mais agradável de beber. Em outras palavras, Plutarco está dizendo "Eu gosto do tipo que não tem qualquer teor alcoólico, não inflamar a mente ou qualquer coisa. É muito mais agradável para beber." Aristóteles disse, "O vinho de Arcadia era tão espesso que era necessário raspá-lo da garrafa em que ele fora armazenado e dissolver as raspas em água." Virgílio em 30 a.C., falou sobre o tipo de vinho que era fervido para o suco delicioso e depois preservado.

Homero, no nono livro de sua Odisséia, diz-nos que Ulysses levou em seu barco uma pele de cabra de vinho doce preto e quando ele estava bêbado diluiu-se com 20 partes de água. Claro, porque era tão espesso tinha que ter água para poder ser consumido como uma bebida. Columella e outros escritores que foram contemporâneos aos apóstolos, nos informa que na Itália e na Grécia era comum ferver os vinhos que naturalmente não teriam sido feitos se eles quisessem preservar o teor alcoólico. O arcebispo Potter, nascido em 1674 A.D., em suas Antiguidades Gregas edição de Edimburgo 1813, volume II, página 360, diz que os lacedemônios costumavam ferver seus vinhos sobre o fogo e depois bebê-los. Ele se refere a Demócrito, um filósofo célebre que viajou através da maior parte da Europa Ásia e África que morreu em 300 a.C. a Paládio, um médico grego, como fazer uma declaração similar.

Agora essas autoridades antigas chamavam de o suco fervido do vinho de uva. E alguns de vocês podem ter ouvido falar do vinho Opimiano, mencionado por Plínio, o historiador romano, e ele disse que tinha a consistência de mel. Então, eu só estou tentando dar-lhe ilustrações do fato de que este foi realmente um fato histórico. O Professor Donovan diz, em um comentário bíblico, "A fim de preservar os seus vinhos para as eras, os romanos concentravam o sumo de uvas que eram feito por evaporação." Ele fala sobre como eles faziam isso para torná-los espesso e viscoso. Isso não era só os romanos. Os judeus faziam isso. A Mishná, que é a codificação da lei judaica, afirma que os judeus tinham o hábito de usar o vinho fervido. W.G. Brown que viajou por toda a África, Europa e Ásia no século 18 afirma que os vinhos da Síria são principalmente preparados fervendo imediatamente após serem espremidos da uva, até que eles sejam reduzidos em quantidade, quando são colocados em frascos ou garrafas e preservados para utilização. Depois há um Dr. Newman que disse - um professor de química em Berlim, no século 18, que disse que é observável que quando sucos doces são cozidos a uma consistência espessa eles não só não fermentam nesse estado mas não são facilmente levados à fermentação, mesmo quando diluídos em água. Assim, mesmo diluindo-os de volta e deixando-os descansar, eles podem fermentar mas eles fermentam muito lentamente.

Assim, a questão é esta, pessoal, que havia uma pasta que era usada que era não-intoxicante. Suco de uva concentrado, aliás, ainda está por aí e é chamado de dibs hoje D-I-B-S. Ele é usado hoje em vinhedos na Palestina, Jordânia e Líbano. Ele é usado para temperar alimentos. É usado até mesmo para colocar no pão e dispensa a necessidade de refrigeração para preservar uma bebida não-fermentada. Então tudo que eu quero que vocês entendam disso, pessoal, é isto: que o vinho que era consumido então, não era necessariamente o que nós conhecemos como o vinho hoje. Era um suco de uva concentrado com sua fermentação e propriedade inebriante removidos. O ponto em que estou tocando é este: Você não pode defender beber vinho hoje com base em que eles bebiam vinho naquela época, a menos que você possa provar que você está bebendo a mesma coisa que eles estavam bebendo. Certo? Se você não pode fazer isso, então você tem que deixar de lado esse argumento e tem que dizer, "Bom eu posso beber vinho por outra razão" e tudo bem, vamos para outra razão, mas não vai funcionar a menos que seja a mesma.

Deixe-me acrescentar uma outra coisa. Eles não só tinha essa pasta, mas eles também armazenavam-na como um líquido ao longo do tempo e líquido fermentaria. Agora de acordo com Robert Stein, que fez uma pesquisa sobre isto, em 1975, e a colocou na revista Cristianismo Hoje, eles costumavam manter a forma líquida do vinho que seria usado diariamente, e talvez eles não quisessem sempre ter que pegar a pasta e misturá-la se não pudessem - se eles não tivessem tempo ou por qualquer motivo. Eles teriam de armazená-lo em grandes jarros chamados ânforas. E eles fariam isso: das ânforas eles tiriam o vinho vinho puro sem mistura com água. Eles teriam que derramá-lo em kraters K-R-A-T-E-R-S. E lá no krater eles o misturavam com água, para que pudessem derramar água dentro para misturá-lo e o krater ia para o kylix que é a taça. Eles nunca serviam vinho das ânforas no kylix sem passar pelo krater. Em outras palavras eles não serviam vinho não misturado com água. Se não fosse a pasta, se fosse líquido e estivesse fermentado, então eles misturavam com água. E, a propósito, descobrimos que as misturas como vimos na história, poderia ser tão alta quanto 20-para-l ou tão baixo quanto 3-para-1 - que é o menor que eu encontrei. De 20-para-1 a 3-para-1 misturavam com água.

Agora ouça isso: Beber vinho sem mistura era considerado, até mesmo por pessoas que não eram salvas, como bárbaro. Bárbaro. Atanásio cita Menesteu de Atenas com a seguinte afirmação "Os deuses revelaram o vinho aos mortais como sendo a maior bênção para aqueles que o usarem corretamente mas para aqueles que o usarem sem medida, o inverso." Agora observe "Porque ele fornece comida aos que o levam e fortalece a mente e o corpo. Na medicina, é mais benéfico" Veja "Pode ser misturado com líquido e drogas, e auxilia aos feridos. No curso diário, ou seja, para aqueles que misturam e bebem moderadamente dá bom ânimo. Se você ultrapassar os limites traz violência. Misture-o meio a meio e você fica maluco; sem mistura, o corpo entra em colapso."

Você vê, as pessoas misturavam, e até mesmo misturar-1-por-1 era considerado bárbaro. O menor que eu pude encontrar foi de 3 para 1. É evidente que o vinho era visto nos tempos antigos como um medicamento e, é claro, como uma bebida. E como bebida ele sempre era concebido como misturado. Quer fosse misturado numa base de pasta ou misturado a partir de uma ânfora em um krater e em seguida servido – sem ser misturado. A proporção de água pode variar, mas apenas bárbaros bebiam sem mistura, e uma mistura de água e vinho de partes iguais uma-a-uma era considerada bebida forte e desaprovada. Assim, o termo vinho ou oinos ou yayin no Antigo e Novo Testamentos é para ser entendido como vinho misturado com água. E quando eles queriam dizer vinho puro eles diziam que o vinho era akratesteron em outras palavras era akrater - não havia krater no meio, ele era retirado direto das ânforas para o kylix sem se misturar.

Agora o ponto que eu estou tentando ressaltar, pessoal, é que este vinho sem mistura era ainda inaceitável para essa cultura. Bebida forte era sem mistura e era para bárbaros beberem. À medida em que nos afastamos da igreja do Novo Testamento, entramos na igreja após igreja do Novo Testamento, a igreja primitiva, como chamamos, eles escreveram sobre isso em um volume chamado a Tradição Apostólica. E na Tradição Apostólica diz que a igreja primitiva seguia esse mesmo costume, servindo apenas vinho misturado fosse um xarope ou uma base líquida.

Agora você diz "Bom, qual é o significado de tudo isso? O que você está tentando dizer?" O que eu estou tentando dizer é o seguinte? Se você quer defender o fato de que você pode beber vinho hoje com base no fato de que eles bebiam na Bíblia, então você precisa reexaminar se o que bebemos hoje é o mesmo que o que eles bebiam naquela época. E descobrimos, conforme nos aprofundamos no assunto, que eles bebiam o que era ou totalmente não intoxicante, tais como a base de xarope, ou o que era diluído com água em que o seu nível de intoxicação era muito, muito baixo. Deixe-me ilustrar isso para você. Liguei para o Conselho do Álcool, em seu centro de informações na biblioteca, e descobri esta informação. Cerveja tem 4 por cento de álcool, vinho tem de 9 a 11 por cento de álcool - e que não importa quanto tempo ele possa aderir, esse é apenas o intervalo de álcool que produz que é o nível de fermentação de 9 a 11 por cento. Brandy, que é vinho fortificado, tem de 15 a 20 por cento de álcool, e licor, seja qual for, scotch e de centeio, tudo isso tem 40 por cento ou 50 por cento. Em outras palavras se é 80 provado, tem 40 por cento de álcool; se é 100 provado tem 50 por cento de álcool.

Agora, qualquer pessoa que bebesse uma bebida com teor de álcool de 15 a 50 por cento, nos tempos bíblicos, teria sido considerado definitivamente um bárbaro. Então eu não acho que nós ainda precisemos discutir se um cristão deve beber bebidas, bebidas pesadas, destiladas. Eu acho que fica muito evidente - na verdade, você percebe que beber isso, de qualquer forma, e manter a sua sanidade mental, você teria que tomar minúsculos e bem pequenos goles por causa do poder que ele tem. Isso é quanto isso tem de álcool. E eu não estou nem mesmo tendo tempo para entrar nos fatores médicos envolvidos que o álcool faz. Tudo que você tem a fazer é encontrar alguém numa sarjeta em algum momento, levá-lo a um hospital e vê-lo morrer de esclerose do fígado e você terá uma pequena idéia.

Mas vamos dar uma estimativa muito conservadora. Vamos dizer, certo, o vinho fermenta a um teor alcoólico de 9 a 11 por cento, está bem? Muito bem, vamos aplicar - vamos dar o menor nível de mistura que eu pude encontrar, 3-para-1. Apenas o menor que eu pude encontrar - sem falar de 5-para-l 10-para-1 15-para-1 ou o que seja - 3-para-1 o menor que eu pude encontrar. Tudo bem, se você pegar esse 9 a 11 por cento de álcool fermentado do vinho de ânforas, você o mistura em um krater, com uma proporção de água de 3 para l, o resultado seria este: O teor de álcool no produto final, misturado com água, seria de 2,25-a-2,75 por cento de álcool. Agora isso é muito baixo. Aliás, algo tem que ser de 3,2 por cento de álcool para ser classificada como uma bebida alcoólica. Então você tem uma bebida sub-alcoólica, a questão é esta: Para que você fique bêbado com vinho misturado em três partes de água você teria que ficar lá o dia todo bebendo isso. E é exatamente por isso que a Bíblia diz dos presbíteros na igreja "Não se demore muito tempo ao lado de seu vinho."

Em outras palavras, para embebedar-se naqueles tempos com vinho, você teria que ter o propósito de ficar bêbado, porque você teria que substituir a visícula por uma coisa. Se você apenas determinou em sua mente que você vai ficar bêbado, você iria sair e tomar todo tipo de bebida forte, certo? Você não iria misturá-la, você agiria como um bárbaro. Mas as advertência da Escritura é esta: que o vinho com - tal baixo teor alcoólico, é preciso tomar cuidado para que você não fique lá sentado tanto tempo que acabe por fazer efeito em você. Mas a idéia é essa, que o vinho que foi consumido em seguida se fosse 3-para-l seria 2,25 ou uma média de 2,50 de teor de álcool, que é tão mínima que nem sequer classifica-se como uma bebida alcoólica.

Assim o ponto é este, pessoal, se você está falando sobre a pasta ou se você está falando sobre a mistura, o vinho que era consumido naqueles dias, era um vinho com um inexistente ou um teor de álcool insignificante. E embriaguez era algo que você se propunha a fazer para ficar bêbado, e as pessoas que faziam isso demoravam muito tempo até que ficassem bêbadas. Sabe de uma coisa? Eu vi um sujeito perder suas faculdades sobre o vinho em 45 minutos tomando apenas três ou quatro copos dele. Bom, isso não poderia ter acontecido nos tempos bíblicos. Você teria que ficar com o seu vinho muito tempo para isso acontecer. Assim, a questão, pessoal,é apenas essa. Você não pode usar aquilo que foi consumido na Bíblia como base para o que bebemos hoje. Eles vistos como bárbaros com o que se bebe hoje. Bárbaros. Isso não era o que eles consumiam.

Então – a primeira pergunta: É a mesma coisa? Resposta: Não. Segunda pergunta: É necessário? Isso é necessário? Agora percebo que nos tempos bíblicos era um pouco necessário beber vinho. E pode haver momentos hoje quando seja necessário. Quero dizer que a Bíblia não diz que você não pode fazer isso porque a Bíblia sabe que em tempos na história haverá situações em que você não tenha muita escolha. Ou seja, se você está num determinado país do mundo onde isso é tudo o que existe e você estivesse morrendo de sede e assim por diante, e você tem pouca escolha, então você vai tirar proveito do que está disponível. Assim, a Bíblia não elimina essa possibilidade. Então, nós temos que fazer esta pergunta - É necessário? - hoje.

O Senhor produziu o vinho e o Senhor falou sobre beber vinho, e eles usaram vinho no Antigo Testamento porque era a necessidade em sua sociedade, mas não conclua que era fermentado e não conclua que era inebriante, porque não podia ser. Pode ter havido momentos em que eles tinham vinho que era uma mistura l-para-1 porque é o que o anfitrião oferecia e isso é tudo o que estava disponível e eles tinham que ter muito cuidado. Pode ter havido momentos em que a bebida forte fosse oferecida e, em meio a sede, eles levavam uma pequena quantidade, porque não tinham escolha. Pode ter havido momentos em que todas essas coisas estavam lá, mas temos que ter em mente que naqueles dias e naquela época, e talvez em algumas partes do mundo de hoje, há uma necessidade para isso e é por isso que Deus não nos dá uma declaração genérica.

Mas a questão é esta. Se perguntarmos a nós mesmos "Meu hábito de beber é necessário?" Essa é uma pergunta muito importante. Naqueles dias talvez eles tivessem vinho, suco de fruta, leite e água. Era isso. Eles tinham pouca escolha. Hoje, você pode beber qualquer coisa, ou seja, as prateleiras dos supermercados estão atoladas de opções – tudo o que for concebível. Nós teríamos que dizer isto: beber vinho é necessário hoje? Qual é a resposta? Não, não é necessário. Então isso se move da categoria de uma necessidade para a categoria de preferência, certo? Tem que ser na categoria de uma preferência, de uma procura. Esse é o único lugar que podemos colocá-lo. Então realmente, se você vai dizer que você bebe, você não pode dizer, "Eu bebo porque eles faziam isso na Bíblia." Basta dizer que você faz porque você quer. Isso é justo, você prefere isso. Você prefere beber vinho do que Coca-Cola, ou chá, chá gelado ou eu não sei o que. Apenas admita isso e isso é basicamente o que acontece em nossa sociedade.

Mas não use este argumento. As pessoas dizem, "Bom, eu realmente acho que é necessário porque se eu não fizer isso então as pessoas vão ficar ofendidas. Eu tenho um monte de amigos que não foram salvos e bebem, e eu sinto que eu preciso apenas tomar uma cerveja com eles ou eu preciso beber um pouco disso com a turma, e o que quero dizer é que eu realmente preciso disso para fazer parte. Eu só acho que não quero ofendê-los." Francamente, pessoal, esse é o argumento mais estúpido que já ouvi. Sério. Isso não é argumento de forma alguma. Isso não é argumento de jeito nenhum. Ou seja, se um grupo inteiro de pessoas se reúne e todos eles coçam atrás da orelha esquerda, você então coça atrás da sua orelha esquerda assim você vai fazer parte da turma? Ou seja, se todos em sua vizinhança não usam desodorante, você tambem não usa desodorante? O que é isso? Isso não é argumento de jeito nenhum. Isso é um non sequitur. Isso não quer dizer nada. Isso é bobagem. Sabe, há provavelmente tantos não-cristãos que não bebem, quanto há cristãos que não o fazem, nesta era.

Há um monte de pessoas não salvas que não bebem. Você pode encontrá-las todas em um lugar se você for a uma reunião dos Alcoólicos Anônimos. Há um monte de pessoas que juram por completo. Você vai conhecer pessoas o tempo todo que não são povo cristão, que não bebem. Eu mesmo estive em uma situação com os cristãos e não-cristãos onde os cristãos bebiam e os não-cristãos não. Isso não é argumento. As pessoas não vão chegar a uma grande conclusão teológica sobre sua incapacidade de desenvolver relacionamentos humanos porque você não bebe. Eles não vão dizer isso. Na verdade há um grande número de pessoas que desejam a Deus e que não bebem - um monte delas.

Então eu realmente não compro o argumento que você tem que faz isso para ser aceito. Eu estive na América do Sul, fui para baixo na América Latina onde as pessoas bebem, eu estive no México onde as pessoas bebem, fui a todos os jogos de beisebol que jogamos por vários anos, depois fui até lá para esses torneios de beisebol, jogamos contra os campeões nacionais do México há alguns anos, e toda vez que ia a algum lugar, depois de cada jogo, eles faziam uma enorme, grande festa para nós – das grandes mesmo. Eles nos levavam para o restaurante local ou clube de campo, qualquer que fosse, e olha,estou lhe dizendo, as coisas fluiam. Lembro-me que fomos a este um lugar e na frente de cada placa, havia uma garrafa enorme de coisas, simplesmente enorme. Quer dizer eu não sei o que era, era provavelmente muitos litros. Uma coisa realmente enorme. E nós todos tipo que olhávamos um para o outro e pedíamos coca-cola, você sabe, mas eles aproveitavam aquele grande momento.

Ou seja, eles bebiam os deles, bebiam os nossos, sabe? E a melhor parte disso era, que todos nós tivemos um momento ótimo, só nós sabíamos o que estava acontecendo. Nós aproveitamos a realidade do momento; e eles, sua fantasia. E quando tudo acabou, eles adoraram estar com a gente, colocaram os braços em torno de nós nos convidando para voltar no próximo ano, foi o máximo – essa não era a questão. Isso não foi um problema no México. Eu estive em Israel, eu estive na Europa eu nunca vi isso ser um problema em que alguém iria denegrir o meu cristianismo ou alguém pensaria menos de mim porque eu escolhi não fazer isso. Eu não acho que isso seja um argumento. Eu digo isto: Se existe uma necessidade, se você estiver em uma situação em que isso é o que está disponível, e é isso que está lá e você tem pouca ou nenhuma escolha então com discrição você precisa lidar com isso como uma necessidade. Mas admitir na nossa sociedade, é uma preferência. É uma preferência.

Então eu tenho que fazer uma terceira pergunta e eu só vou apresentá-la e então eu vou parar e vamos terminar na próxima vez. Eu apenas dei-lhe duas - há mais seis. Mas agora ouça esta terceira questão muito rapidamente: É a melhor escolha? Tudo bem, admita-o, você vai optar por fazê-lo. É a melhor escolha? Você diz, "Bom, é muito melhor para você do que o café. É muito melhor para você do que Coca-Cola." Alguém diz, "Eu nunca vi um sujeito beber oito cocas e não conseguir andar em linha reta." Assim podemos discutir sobre isso. É a melhor escolha? Deixe-me mostrar-lhe uma coisa e então vamos entrar nisto na próxima vez. Eu vou lhe mostrar quem era proibido por Deus de beber, de qualquer forma, na Bíblia, e vamos descobrir se é a melhor escolha.

Mas antes de eu fazer isso e apenas para encerrar, Lucas 1:15. Eu quero que você conheça o maior homem que já viveu, certo? Este é o maior homem que já viveu - que foi o que Jesus disse. Até em seu próprio tempo - Mateus 11:11 - não houve nenhum nascido de mulher, não há ninguém maior do que João Batista. Mateus 11:11, Jesus disse que até em sua época, ele foi o maior ser humano que já viveu. Um homem muito, muito grande. E veja o que diz em Lucas 1:15, "Pois ele será grande diante do Senhor" - agora observe - "não beberá vinho" - oinos - "nem sikera" - bebida forte. "Ele será cheio do Espírito Santo já desde o ventre de sua mãe." Agora o que está acontecendo aqui? O maior homem que já viveu era um abstêmio. Deus lhe proibiu de beber, uma gota. Por quê? Isso é para a próxima vez. Vamos orar.

Nosso Pai, sabemos que é fácil para nós avaliarmos nossa vida espiritual sobre o que fazer e o que não fazer, esse não é realmente o problema. Sabemos que não proibiste o consumo de vinho e ainda há algumas coisas que são claras na Escritura que vamos tentar ver para nos ajudar a tomar uma decisão. Mas Deus, que possamos sempre saber que não são as pessoas que não bebem que são espirituais e que as pessoas que o fazem não o sejam. Não é tão simples. Há outras coisas a considerar. Não fazer alguma coisa nunca nos torna em algo. O que nós somos é que é o problema, e Senhor, onde quer que estejamos, onde quer que estejamos nesta questão, ajuda-nos a ver da maneira que Tu vês, ajuda-nos a compreender da maneira que o Senhor entende. É tão maravilhoso Senhor que Tu nos deste tanta verdade para lidar com tantas coisas, para nos proteger. Sabemos que não só devemos evitar o pecado, mas devemos evitar qualquer coisa que poderia até precipitar em pecado. Então nos ajude, Pai, a julgar retamente para nós mesmos, o que queres que façamos.

Apenas enquanto você está meditando por um momento deixe-me dizer isto para encerrar. Esta mensagem é incomum para nós por lidar com algo que é técnico, e ainda estar no fluxo da Palavra de Deus. É tão maravilhoso como isso toca cada parte da vida. Mas você pode ter vindo esta manhã e você diz, "Rapaz, eu vim aqui esperando ouvir sobre Deus e Jesus Cristo e obter uma resposta para a minha vida, para os meus problemas para as dificuldades e lutas do meu coração e você falou sobre isso e isso realmente não supriu minha necessidade."

Bom, deixe-me dizer o seguinte, eu vou orar, e dispensá-lo em apenas um minuto. À minha direita na frente do auditório ao lado do piano está uma sala de oração e um centro de aconselhamento. Nós temos pessoas lá que gostariam de orar com você e compartilhar com você. Eles vão dizer-lhe como você pode conhecer a Cristo, eles vão lhe dizer como Ele pode entrar e preencher o vazio que talvez você tenha tentado preencher com a bebida, de vez em quando, eles vão dizer-lhe como Ele pode tornar sua vida alegre e como Ele fará isso dando-lhe a paz ao seu coração perturbado. Eles vão dizer-lhe como Ele pode perdoar o seu pecado e limpar seu coração, dando-lhe a vida eterna. E assim convidamos você para que venha, enquanto nos despedimos. Não há nenhuma obrigação, nenhuma coerção, nada para participar, ou comprar ou qualquer coisa. Nós apenas queremos orar com você e amar você e compartilhar com você. Seja qual for o seu problema eles vão estar lá.

E se por acaso alguns de vocês têm problemas com esta área de bebida, podemos ter alguns aqui que seriam identificados como alcoólatras, você tem um problema de bebida. O Senhor Jesus pode mudar isso. Você não precisa ser um bêbado, você pode vir a Jesus Cristo e Ele pode lavá-lo tornando-o alvo como a neve. Alguns de vocês, como cristãos, talvez tenham problemas com a bebida; Deus pode cuidar disso. Enquanto você se rende ao Seu Espírito Santo, Ele pode começar a mover a sua vontade e sua inclinação disso para a pessoa de Jesus Cristo. Não vos embriagueis com vinho em que há dissolução, mas enchei-vos do Espírito. Se Deus pede isso, então Deus capacita para isso e Ele vai fazê-lo em sua vida. Ele te ama em qualquer estado em que esteja. Mesmo se você é um alcoólatra ou beberrão Ele te ama e nós também, mas ele quer transformá-lo em pleno uso de suas faculdades para a Sua glória. Deixe-O fazer isso hoje. Nossos conselheiros ficarão felizes em orar com você sobre isso.

Pai obrigado por nosso tempo esta manhã para ajudar-nos a ver pelo menos o início de uma visão sobre esta área. Nós O amamos porque sabemos que Tu te importas tanto conosco, o suficiente para nos dizer sobre estas coisas, para que possamos proteger nossas vidas na tomada de decisão para a Tua glória. Abençoe todos aqui Senhor. Conduza-nos a todos para estarmos de novo hoje à noite e consideramos o que é ser pacificadores. Agradecemos-Te em nome de Cristo. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize