Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Estamos estudando o livro de Efésios e estamos tendo um tempo maravilhoso em fazê-lo, e como chegamos no quinto capítulo, versículo 18, em nosso estudo da caminhada digna do crente, nós paramos para uma breve reflexão no que muitas pessoas têm levantado, a questão sobre o consumo de vinho. No versículo 18 lemos "E não vos embriagueis com vinho em que há dissolução mas enchei-vos do Espírito." Agora estudamos que, no contexto, levantou-se essa questão.

Sabemos que não devemos ficar embriagados, sabemos que a Bíblia proíbe-nos de embriagar-nos, que isso é um pecado, que essa é uma parte da nossa vida passada. As palavras de Pedro vêm recordando, "Por que você passaram tempo suficiente, no passado, fazendo o que os pagãos escolheram fazer." E então ele passa a falar sobre a vida em devassidão, luxúria, bebedeiras orgias, glutonarias e idolatria detestável. Sabemos que isso faz parte da vida passada, sabemos que a embriaguez é uma coisa proibida e sabemos que devemos ser cheios do Espírito. Mas a questão que se coloca é esta: Nós concordamos que a embriaguez é um pecado, mas e sobre beber vinho, afinal de contas? Qual deve ser a posição do cristão em relação a consumir bebidas alcoólicas? E uma vez que esta é uma questão tão importante hoje e uma discussão atual, necessária, temos que nos desviar do próprio texto para discutir essa mesma questão. Deve um cristão beber ou o que a Bíblia diz sobre o cristão e as bebidas alcoólicas?

Agora você vai se lembrar que nós tentamos compartilhar com vocês alguns princípios da última vez para usá-los como pontos de verificação nesta discussão. A Bíblia não diz que você não pode beber vinho. Eu disse para você, da última vez, que se ela dissesse isso eu teria lido o versículo e ido para casa. Não diz isso. E por isso temos de obter alguns outros princípios para determinar se isso está certo ou errado, e se está errado, então quando é que está, e quando não está, e assim por diante. Deve um Cristão tomar bebidas alcoólicas? Esta é uma questão muito importante. Assim, se a Palavra de Deus tem algo a dizer sobre isso então há uma vasta audiência de pessoas lá fora que devia ouvir.

Agora nós dissemos a vocÊs que haveria oito princípios ou postos de controle que temos de passar para chegar a uma resposta. Atravessamos os dois primeiros da última vez. Deixe-me lembrá-lo deles. A primeira pergunta que fizemos foi: É a mesma coisa? Em outras palavras o vinho é hoje o mesmo que o vinho consumido nos tempos bíblicos? E a razão que precisamos lidar com essa questão é porque as pessoas vão sempre dizer - isto é, o povo cristão, se beberem vinho ou bebidas alcoólicas - que bebiam nos tempos bíblicos e por isso se eles fizeram isso nos tempos bíblicos do Antigo Testamento e do Novo Testamento, então é certo fazê-lo hoje. E então a questão é: A bebida dos tempos bíblicos é a mesma de hoje? O produto era o mesmo? O vinho era o mesmo? Abordamos isso com grande detalhe no domingo passado e descobrimos que a resposta foi qual? Não. O vinho consumido nos tempos bíblicos não era o mesmo com 9 a 11 por cento de álcool no vinho que as pessoas bebem hoje.

Nós compartilhamos com você que existem três tipos de vinho realmente. Havia o gleukos, a palavra grega gleukos que tinham a ver com o vinho novo o vinho fresco. A palavra tirosh no Antigo Testamento, e que seria muito parecido com o suco de uva. Claro, podia fermentar muito rapidamente e por isso causar embriaguez e portanto era misturado com água e a diluição mais baixa seria três partes de água para uma parte de vinho reduzindo o seu teor de álcool para uma percentagem alcoólica muito baixa, insignificante, de modo que não seria classificado como uma bebida alcoólica e você teria que sentar e beber e beber e beber até que você ficasse cheio para se embriagar. Em seguida havia oinos - oinos e essa palavra é simplesmente a palavra para o vinho em geral. Em sua forma líquida vimos que o vinho era sempre misturado com água.

No Novo Testamento o vinho normal que tinha ficado por um longo tempo em um recipiente grande seria então misturado com água algo como 10 a 15 partes por 1, no máximo, e no mínimo com 3 partes por 1, de modo que ele não iria apresentar uma teor alcoólico e causar embriaguez. Então você tinha o vinho fresco que também era misturado com água, você tinha o vinho fermentado que também era misturado com água e então você tinha aquele vinho que se viu, que era uma pasta grossa fervida. Eles pegavam o vinho novo, fervia-o em água, evaporando toda a água e matando todas as bactérias - consequentemente não poderia fermentar - armazenando-o em odres de vinho, e então quando eles queriam beber eles o apertavam e saia como um mel, uma pasta grossa, e depois misturava novamente com água - Plínio o historiador romano dizia em misturar 20 partes para 1 porque era um concentrado espesso - e bebiasse nesse ponto e então era não fermentado.

Assim o vinho da Bíblia era ou o não-fermentado, uva pastosa misturada com água ou era misturado com água a partir de uma base líquida. Mas o que conhecemos hoje com um teor de álcool de 9 a 11 por cento teria sido classificado como shakar no Antigo Testamento, sikera no Novo, que pode ser traduzido por bebida forte. E nós lhe mostramos que tanto os historiadores pagãos quanto as Escrituras que viam como uma bebida dos bárbaros. Assim que o vinho como conhecemos hoje com um teor de álcool de 9 a 11 por cento não era consumido como norma pelo povo da Bíblia, sem falar do licor de hoje que varia de 15 por cento para 50 por cento de álcool que é o conteúdo de uma prova de 100. Por isso era diferente e nós temos que fazer essa afirmação porque não queremos basear nosso beber de hoje como sendo o mesmo do povo da Bíblia.

A segunda pergunta que fizemos, o segundo posto de controle Não só é o mesmo, mas é necessário? Dissemos que para a maioria das pessoas no Antigo Testamento, era como que necessário beber vinho. Eles tinham poucas opções entre a água, o leite de uma cabra ou uma vaca e vinho. Pode ter havido algumas outras coisas que eles inventavam, mas basicamente era isso e normalmente era muito necessário beber vinho de alguns tipos. Como eu disse era diluído para o uso normal, a menos que você quisesse beber bebida forte apenas para ficar bêbado ou como um sedativo para alguma doença grave. Mas na época da Bíblia eles tinham problema com a escolha. Eles tinham opções bastante limitadas. Mas hoje não temos esse problema por isso gostaria de dizer em seguida em segundo lugar, É necessário? A resposta qual é? Não, não é necessário hoje beber vinho. Em seguida se enquadra na categoria de uma opção, se enquadra na categoria de uma preferência, se enquadra na categoria de um desejo. Já ouvi algumas pessoas dizerem "Bem eu só gosto do gosto dele" tudo bem. Isso é gostar, ou ter uma preferência, ou um desejo mas não uma necessidade.

Nós não somos como algumas culturas - e aliás, pode haver algumas pessoas em algumas culturas do mundo que ouvirão esta fita e na sua situação particular eles são muito limitados, eles simplesmente não têm escolha alguma sob uma determinada circunstância em algum ponto no tempo e esse pode ser um caso diferente. Mas em nossa sociedade, e francamente em sua maior parte, claro ao redor do mundo, não é uma coisa necessária. Atrevo-me a dizer que em cada lugar que eu estive, em todas as línguas, em cada cultura, em cada clima, em qualquer lugar tem Coca-Cola. E além de Coca-Cola, mesmo em países árabes - estávamos no meio da área das pirâmides e eles vendiam refrigerante. Você tinha que verificar seu refrigerante para ver o que estava nadando nele, mas mesmo assim era refrigerante.

Então, realmente não é uma necessidade hoje. Temos sofisticação em termos de produção de bebidas e temos refrigeração e coisas assim para evitar a fermentação, e então não estamos na mesma categoria. Então, a primeira pergunta é: É a mesma coisa? Não. Segunda pergunta: É necessário? Não. Então chegamos à verdade de que é uma escolha. Se você optar por beber é porque você opta por beber. É uma escolha e as pessoas vão dizer "Bom, eu tenho liberdade em Cristo, eu estou livre, todas as coisas são lícitas diz em 1 Coríntios 6:12, todas as coisas são lícitas, não estou confinado, eu não estou sob lei, a comida não é mais sagrada, não há mais alimento limpo e imundo, Atos capítulo 10, Romanos capítulo 14, por isso não há necessidade de eu temer a bebida. Minha liberdade me permite essa prerrogativa. Por isso é uma escolha e eu posso escolher ou não escolher".

Deixe-me fazer-lhe a terceira pergunta então: É a melhor escolha? É a melhor escolha? Há um monte de coisas que são uma escolha, você sabe, a Bíblia não diz que você não pode colocar folhas em sua boca e acendê-las. A Bíblia não diz isso. Se você quiser colocar folhas em sua boca, acendê-las e soltar fumaça pelo seu nariz, você tem o direito de fazer isso. Isso não é proibido na Bíblia. Claro, alguém disse que se Deus tivesse feito você para fumar, Ele teria criado você com uma chaminé, mas isso pode não ser verdade. Mas, isso não é proibido na Bíblia, essa é uma escolha que você faz e algumas pessoas dizem a você que não é a melhor escolha. Você escolhe beber café ou não beber café. Algumas pessoas pensam que o café é maravilhoso; algumas pessoas pensam que a cafeína tem um efeito negativo e pode não ser a melhor escolha, embora você tenha liberdade para beber café, queimar nicotina em sua boca e também para beber vinho, se você optar por usar essa liberdade. Portanto é uma questão de escolha mas é a melhor escolha? E vamos lidar com essa categoria por alguns minutos.

Eu quero lhe mostrar uma progressão de verdades bíblicas para ajudá-lo a ver a melhor escolha, certo? Vamos voltar a Levítico capítulo 10. E eu acho que você vai achar que isto é fascinante. Agora, na economia básica de Deus em Israel, houve uma separação entre o povo. Havia padrões mais elevados para as pessoas com maior responsabilidade. Eu não sei se você realmente sabe disso mas é verdade. Isso pode ser ilustrado de muitas maneiras. Tomemos por exemplo a oferta pelo pecado. Lembre-se que certas pessoas tinham que vir - bem todo mundo tinha que vir e fazer uma oferta pelo pecado mas se fosse o pecado de uma congregação, seria um boi. Se fosse um pecado de um sumo sacerdote, seria um boi. Se foi o pecado de um governante, seria um bode. Se fosse um pecado de apenas de um indivíduo leigo, poderia ser duas rolas, poderia ser pombinhos, poderia até mesmo ser farinha. Em outras palavras parece que quanto mais alta fosse sua posição, maior seria o seu sacrifício. Quanto mais alta a classificação teocrática mais cara era a oferta. E uma vez que a própria congregação era uma nação sacerdotal, eles precisavam oferecer o que fosse equivalente ao do sumo sacerdote.

O sumo sacerdote tinha que dar a maior oferta, um boi. Abaixo dele, os governantes tinham que dar um bode; abaixo deles, o povo poderia dar pombas e coisas assim, porque quanto maior o grau mais séria era a responsabilidade e maior a culpa. Você vê, isso é o que diz em Tiago 3:1, parar muitos não se tornarem mestres, porque receberiam maior juizo. Essa é a razão pela qual o Senhor disse "A quem muito é dado" - o quê? - "Muito é exigido." Quanto maior a classificação teocrática, maior a responsabilidade e consequentemente mais grave o pecado. O pecado traz mais culpa quanto maior a posição, porque quando você peca em uma posição elevada suas ramificações são de longo alcance, não são? Um pecado no coração do sumo sacerdote, ou do governante, ou no do rei tinha uma enorme repercussão entre as pessoas, de longo alcance, e por isso está em termos dos padrões de Deus.

Agora Deus estabeleceu padrões para o seu povo, mas no tempo do Antigo Testamento, Ele chamou certas pessoas acima desses padrões, e Ele disse "Eu estou definindo um padrão mais elevado para você." E a primeira ilustração disso está em Levítico 10, versículo 8, e Deus está dando os requisitos para o sacerdócio aqui, e eles são mais interessantes. Ele diz a Arão que era sumo sacerdote "Não beba vinho nem bebida forte nem tu nem teus filhos contigo quando entrardes na tenda da congregação para que não morra." Agora isso é uma exigência muito forte sem vinho nem bebida forte. Agora você vê o que está acontecendo? Considerando que as pessoas bebiam vinho que era misturado com água, ou a pasta que saia do odre onde as pessoas bebiam isso, e algumas pessoas perversas que bebiam bebida forte, os sacerdotes foram chamados para um nível mais alto, você vê? "Você não vai fazer isso quando você entrar na tenda da congregação ou você vai morrer e isso será estatuto perpétuo pelas vossas gerações para que possam fazer diferença entre o santo e o profano entre o imundo e o limpo." Em outras palavras "Você é chamado para se colocar a parte, para uma separação, a uma consagração, a um nível mais elevado de devoção para um nível mais elevado de compromisso com Deus."

E alguns analistas dizem que isso tem a ver apenas com quando eles ministravam no tabernáculo, apenas quando eles ministravam perante o Senhor, e alguns dizem que tem a ver com toda a sua vida. Bom, de qualquer forma, o ponto é que quando eles ministravam para o Senhor, quando eram chamados para ministrar a Deus, eles tinham que ser completamente abstêmios. Completamente abstêmios. Por quê? Para que o seu julgamento ou suas funções sacerdotais não fossem obscurecida pela ingestão de qualquer bebida alcoólica. Deus queria suas mentes limpas, claras e puras e assim eles foram proibidos de fazer isso como se Deus estivesse elevando-os a um outro padrão, outro nível acima do povo.

Provérbios 31, último capítulo do livro, no versículo 4 - e aqui você vê o mesmo padrão novamente, não só para os sacerdotes, mas para os reis e os príncipes. Versículo 4 de Provérbios 31, diz "Não é próprio dos reis, ó Lemuel, não é próprio dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte." Por quê? "Para que não bebam, e se esqueçam da lei, e pervertam o direito de todos os aflitos." Em outras palavras, não eram só os sacerdotes chamados para uma posição de abstenção, mas assim também os reis e os príncipes. Deus não queria que seu julgamento ficasse nebuloso. Deus não queria seu pensamento distorcido ou nebuloso. Deus queria que se colocassem a parte. Deus queria que eles se consagrassem. Deus queria que eles se distinguissem e diferenciasse das pessoas. E o versículo 6 diz que se você for dar bebida forte a alguém deveria ser administrada somente a pessoas prestes a perecer. Em outras palavras, qualquer outra pessoa que a ingerisse era bárbara. Uma bebida forte, que seria o vinho puro, sem mistura, deveria ser dado a alguém que estivesse perecendo. Em outras palavras, como um sedativo para alguém na dor da morte.

Agora o vinho que era o vinho normal, misturado, devia ser dado para aqueles de coração pesado. Deixe-os beber e esquecer sua pobreza e não lembrem de sua miséria nunca mais. Deixe o calor e a alegria que vem do vinho para aqueles que têm problemas profundos, ou deixe a bebida forte para aqueles que estão morrendo, mas para reis, para príncipes e para os sacerdotes, se podemos adicionar Levítico a esse pensamento, eles devem ser abstêmios totais. Então havia um nível de consagração na liderança que exigia um padrão mais elevado.

Agora, vamos olhar Números capítulo 6 e eu vou lhe mostrar que não só os reis, os príncipes, os sacerdotes e os sumos sacerdotes mas havia certas pessoas na congregação de Israel que escolhiam esta norma também. Alguém poderia optar por adotar este padrão - Este era o mais alto padrão. E você vai se lembrar em Números capítulo 6 versículo 1, o Senhor falou a Moisés dizendo "Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando alguém, seja homem seja mulher, fizer voto especial, o voto de nazireu, a fim de consagrar-se para o SENHOR."

Agora pare por um minuto. Qualquer pessoa na congregação de Israel podia dizer "Quero consagrar toda a minha vida a Deus eu quero dedicar toda a minha vida ao Senhor, eu quero consagrar-me para Deus, eu quero dizer não para as coisas desta vida e sim para as coisas de Deus, eu quero ser diferente eu quero ser consagrado." Então Deus disse, "Tenho a honra de instituir o maior ato de consagração. E isso é chamado de um voto de nazireu e vem da palavra "nazir" e "nazir" significa o consagrado. Um nazireu é alguém consagrado. Assim quando um judeu queria colocar-se à parte e realmente comprometer-se, esse era o voto de nazireu. O nazireu iria fazer um voto de separação. O final do versículo 2 diz, "a fim de consagrar-se para o SENHOR." Um voto de santidade, um voto de consagração para separar-se.

E qual seria o caráter dele? Versículo 3 "abster-se-á de vinho e de bebida forte; não beberá vinagre de vinho, nem vinagre de bebida forte, nem tomará beberagens de uvas, nem comerá uvas frescas nem secas. Todos os dias do seu nazireado não comerá de coisa alguma que se faz da vinha, desde as sementes até às cascas. Todos os dias do seu voto de nazireado não passará navalha pela cabeça." Então havia o voto de nazireu. Você não cortava seu cabelo e não tocava em vinho. O nível mais alto de consagração envolvia abstinência. Era como se estivessem alcançando um outro nível e identificando-se com os sacerdotes, os reis, os príncipes e aqueles que foram separados para Deus. Eles poderiam fazer um voto Nazireu por 30 dias 60 dias 90 dias ou até mesmo para a vida toda, e havia três pessoas na Bíblia que eram nazireus para a vida toda: Samuel, Sansão e João Batista. E é mais fascinante que não só eles eram nazireus por toda a vida mas no caso da esposa de Manoá, a mãe de Sansão, o anjo veio até ela e disse "Você não deve beber vinho nem bebida forte bem como a criança que você está tendo."

De volta em Juízes capítulo 13, versículo 4, lemos a declaração sobre a mãe de Sansão, apenas para que você saiba onde está. "Agora, pois, guarda-te, não bebas vinho ou bebida forte, nem comas coisa imunda; porque eis que tu conceberás." Depois no versículo 7 a última parte do versículo 7, "porque o menino será nazireu consagrado a Deus, desde o ventre materno até ao dia de sua morte." Agora, quando você vem para o Novo Testamento, você o encontra em Lucas capítulo 1, versículo 15. O mais interessante. Zacarias e Isabel são avisados por um anjo que terão um filho - no versículo 13 - que ele vai lhes trazer grande alegria e júbilo, muitas pessoas se alegrarão com o seu nascimento. E o versículo 15 de Lucas 1 diz, "Pois ele será grande diante do Senhor, não beberá vinho nem bebida forte e será cheio do Espírito Santo, já do ventre materno."

Agora, aqui está o maior homem que já viveu. Jesus disse em Mateus 11:11, o maior homem que já viveu é João Batista. O maior homem que já viveu era um abstêmio total em toda a sua vida. Você vê, há um nível, há um nível mais elevado do que apenas o comum, que Deus tem elevado certas pessoas a este nível. O maior homem que já viveu. Então aqui, para momentos especiais, se sacerdotes ou reis ou príncipes ou grandes juízes como Sansão, ou grandes homens de Deus como Samuel, ou grandes homens de Deus como o profeta João Batista, havia um outro nível de consagração outro nível de devoção. O voto mais elevado que era pedido das pessoas comuns. E aliás, isso não era simplesmente comum a esses líderes. Qualquer um poderia fazer isso e havia muitas nazireus em Israel. Eu não acho que percebemos isso, mas realmente não sabemos quantos eram, mas que havia muitos.

Por exemplo, em Amós capítulo 2 diz, no versículo 11, que Deus diz, "Dentre os vossos filhos, suscitei profetas e, dentre os vossos jovens, nazireus. Não é isto assim, filhos de Israel? — diz o SENHOR." Em outras palavras, Deus diz,"Eu levantei profetas e eu também levantei nazireus. Eu levantei alguns e os coloquei à parte. Alguns que fizeram um voto superior. Alguns dos que tiveram o maior padrão ou um alto padrão de vida entre vocês. E, claro, ele continua a dizer como eles haviam se corrompido, Amos diz ao povo, "Mas vós aos nazireus destes a beber vinho e aos profetas ordenastes, dizendo: Não profetizeis." Eles profanaram esses nazireus, aqueles que Deus tinha separado e consagrado para Ele por abstinência total, o povo de Deus tinha realmente profanado e deram-lhes vinho. Agora parece-me que muitos destes em Amos 2, que Deus estabeleceu como nazireus pode muito bem ter sido nazireus para a vida toda, que foram profanados ou realmente forçados ou seduzidos à desobediência pelo resto do povo.

Então Deus estabeleceu esse voto de consagração e havia muitas pessoas que o fizeram. Deus estabeleceu esse elevado voto e Ele levantou pessoas para viverem neste nível, sacerdotes, reis, governantes, profetas especiais, juízes e homens especiais como Sansão e outros que ele levantou a esse nível, e por alguma estranha razão as pessoas sentiam que precisavam puxá-los para baixo, para o seu nível. Você sabe, é uma coisa engraçada sobre as pessoas. Em vez de almejarem o mais alto nível, eles queriam pegar as pessoas do mais alto nível e trazê-los ao seu próprio nível. Foi o que aconteceu em Israel. E Jeremias, quando viu o que estava acontecendo, Deus o usou para falar dessa questão, e ele disse a Judá "Você é desobediente, Judá." No capítulo 35 de Jeremias ele disse, "Você é desobediente."

Deixe-me dar um contraste. No capítulo 35 de Jeremias ele diz "Você se lembra dos recabitas? Recabitas filho de Jonadabe? Você se lembra que Jonadabe disse ao recabitas 'Você não vai beber vinho, nem bebida forte, você, seus filhos, suas filhas, suas esposas ou qualquer um em sua família para sempre'?" Em outras palavras, uma família inteira fez o voto de abstinência. Uma família inteira se aproximou do mais alto nível. E Deus diz, "E quando eu mesmo colocar taças de vinho na frente dos recabitas não quiseram beber." Jeremias 35 versículos 2 a 6. "Eu coloquei taças de vinho na frente deles e eles não beberam" E ele vai através desse capítulo, e em seguida ele finalmente resume ao dizer, "Olhe para as tentações que tiveram de beber vinho e eles nunca cederam à sua tentação, mas você - você tem sido desobediente para mim" “Você tem sido desobediente para mim.” Aqui estava um grupo de pessoas que foram obedientes e eles foram contrastados com o Israel desobediente e a questão da sua obediência era a abstinência total. Eles tinham chegado a esse nível e Deus os usou como exemplo.

Agora você diz "O que isso tem a ver comigo?" Bom, por implicação, um monte de coisas. II Coríntios 6:17 "Por isso, retirai-vos do meio deles" – e o quê? - "separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras." II Coríntios 7:1 "purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus." Somos todos chamados para o mais alto nível; estamos todos elevado a fazer as melhores escolhas. Quando você vem para o Novo Testamento, amado, eu não creio que o padrão mude, eu realmente não creio. Eu não acredito que muda. Eu não acho que no Novo Testamento Deus tenha baixado Seu padrão. Ouça, se um sacerdote devia ter a mente lúcida em todos os momentos e nunca dar-se a possibilidade de ser tentado, se isso era verdade para um rei, se era verdade para um príncipe, se era verdade para um juiz, se era verdade para um grande líder como Samuel, se era verdade para um profeta como João Batista, não é um padrão menor para aqueles que governam a igreja de Jesus Cristo que ele resgatou com seu próprio sangue precioso? Seria menos?

Bom, o que eu estou dizendo é o seguinte, há um alto padrão na Bíblia para aqueles em responsabilidade espiritual e liderança e isso para mim é a melhor escolha. Você sabe, se nós somos todos os sacerdotes, se somos todos aqueles que são separados para Deus como consagrados pelo Espírito Santo, se todos devemos - Romanos 12:1 - apresentar nosso corpo como um sacrifício vivo, se todos nós devemos vir como um holocausto, oferecendo-nos em plena consagração como um ato de adoração natural e normal, então me parece que todos nós bem poderíamos considere estar fazendo a melhor e a maior escolha.

Então perguntamos, é a mesma coisa? Não. É necessário? Não. É a melhor escolha? Bom, talvez não. Talvez a melhor opção é ficar com aqueles que se colocaram à parte no Antigo Testamento no Novo, e na igreja hoje, aqueles que lideram.

Vamos fazer uma quarta pergunta. Se vamos beber bebidas alcoólicas, devemos encarar a questão: é formador de hábito? É hábito-formando? Agora esta é uma questão difícil porque um monte de coisas são formadoras de hábito. Você diz "Eu coloco minha meia no meu pé esquerdo todos os dias antes de meu pé direito. Isso é hábito-formando porque eu venho fazendo isso por muito tempo, mas isso não me fere." Bom, implícito na idéia do hábito formado está um hábito que cria uma resposta negativa. Isso nos leva a 1 Coríntios 6:12. I Coríntios 6:12, eu o citei em parte momentos atrás, mas isso é o que diz "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm".

Todas as coisas não são convenientes. Há coisas que eu poderia fazer, mas elas vão me fazer tropeçar, vão me amarrar. Todas as coisas são permitidas mas algumas vão me impedir, algumas vão me enredar. E uma das coisas que o álcool faz embora possamos dizer, "Bom, eu tenho liberdade, eu tenho liberdade para fazer isso", podemos descobrir que o uso dessa liberdade torna-se uma coisa emaranhada porque no fim do versículo diz "Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei" - o quê? - "dominar por nenhuma delas." O álcool tem a capacidade de enredar-lo, mas mais do que isso ele leva você a estar sob o poder de alguma outra influência. Ele cria uma dependência, um hábito que pode causar um efeito avassalador de seus próprios processos de tomada de decisão e de pensamento.

E eu acho que chegamos a esse problema: eu quero evitar o pecado, certo? E eu acho que você também. Eu realmente quero. Se eu sei que algo é pecado, quero de coração evitar isso. Mas eu gostaria de dar um passo adiante e dizer que eu também quero evitar essas coisas que podem potencializar o pecado. Eu me sinto da mesma forma com os alimentos. A gula é um pecado e se eu não sei como lidar com comida, eu posso entrar em um monte de problemas. Agora eu não tenho muita opção sobre comer comida - eu tenho que me alimentar. Não é como beber vinho, nesse sentido. Mas você sabe o que eu gostaria de fazer? Eu gosto de variar minha alimentação e às vezes me abster totalmente do alimento com certa regularidade apenas para que eu ainda esteja no controle do que eu como de modo que isto não esteja me controlando. E eu acho que isso é uma coisa muito básica na vida cristã. Nós nunca queremos ficar sob o controle e o poder de coisas que são influências ímpias, que são coisas que podem causar-nos a queda no pecado. Então eu diria que a linha mais segura é evitar o pecado e também evitar o que pode potencializar a pecaminosidade.

As pessoas no Instituto do Álcool disseram que o álcool é formador de hábito porque ele tem uma capacidade de atacar o cérebro e criar essa dependência de formação de hábito, e todos nós sabemos disso. Todos nós sabemos sobre isso. Agora algumas pessoas podem fazê-lo e isso não se torna um hábito, mas tem esse potencial. Pode se tornar um hábito. Portanto temos de responder à pergunta. É formador de hábito? Bom, sim ele pode ser. Ele pode formar um hábito, pode criar uma dependência e pode nos colocar sob o seu poder para fazermos coisas, dizermos coisas, e pensarmos coisas que não são nossos próprios pensamentos, mas que nos são induzidos pelo poder e pela presença do álcool.

Vamos para uma quinta pergunta. Se então é formador de hábito é também potencialmente destrutivo? Se é formador de hábito ou potencialmente formador de hábito ele pode se tornar destrutiva? E a resposta é, sim. Eu tenho uma carta aqui na minha mão de uma jovem querida em nossa igreja, e eu não vou tomar o tempo para ler toda a carta esta manhã exceto para dizer que o conteúdo da carta - vou dar-lhe apenas um pouco de pensamento aqui brevemente. "No domingo passado durante o culto sobre Efésios 5:18 fui obrigada a compartilhar algo com você. Minha mãe no dia 15 de Agosto de 1978 morreu no Hospital Geral, na UTI, de uma parada cardíaca e insuficiência respiratória. Ela tinha esclerose do fígado, pressão arterial alta, rins danificados, e do meu próprio diagnóstico, um coração partido. Desnecessário dizer que minha querida mãe era alcoólatra. Ela tinha sido um alcoólatra de seus vinte e tantos anos até o dia em que morreu aos 66 anos.

"Quando eu entreguei minha vida a Cristo naturalmente eu tive uma profunda preocupação com a salvação da minha mãe. Eu compartilhei o evangelho com ela muitas vezes e ela disse que Deus não poderia ajudá-la porque ela era uma pessoa horrível. Gostaria de lhe dizer que Deus a amava, não importa o que ela fosse ou é agora, mas parecia impossível para ela. Quando eu ia falar ao telefone ou de outra forma, às vezes ela me pedia para orar por ela. Ela também lia a Bíblia de vez em quando e estava à procura de Deus. Seus últimos dias foram gastos em um antigo hotel fétido em Los Angeles onde ela já tinha sido espancada e roubada mais de uma vez.

"Um dia ela foi levada para o hospital por causa de um ataque de asma, e quando eu liguei para o hospital eles me disseram que ela estava em coma. Ela tinha tido duas paradas cardíacas e um ataque cardíaco. Bom, em coma não havia maneira de alcançá-la para Jesus, então eu tinha todos os meus amigos, incluindo o grupo de oração de emergência da Grace Church, orando para que ela saísse do coma. No dia seguinte ela voltou do coma. Ela tinha um respirador na boca para respirar por ela e eles tinham uma máquina de acompanhamento da freqüência cardíaca e algum tipo de máquina renal sobre ela. Era lamentável. Fiquei com ela e orei a maior parte do dia e compartilhei com ela o amor de Deus e o dom da salvação. Ela era muito inquieta e parecia não saber sempre que eu estava lá."

E ela continua a descrever um pouco mais dos fatores médicos. "Perguntei-lhe se ela acreditava que Jesus Cristo era o seu Salvador e que Ele morreu por seus pecados e se sim que ela apertasse minha mão e ela apertou minha mão. Depois disso sua freqüência cardíaca começou a descer e eventualmente desceu para 94 batimentos por minuto e ficou só com algumas batidas o tempo todo. Ela então se tornou mais pacífica, e dois dias depois o coração da minha mãe parou e ela morreu. O álcool, o tipo de vida que levou, e o fato de ser uma alcoólatra foi o que causou a morte dela." Ela continua.

Não há dúvida de que sabemos sobre isso. Eu não sei exatamente o que aconteceu no coração daquela querida senhora antes de morrer. Espero que ela confirmado o que quis dizer com apequele aperto da mão, não é? Mas você sabe os males do álcool e você sabe que ele é potencialmente destrutivo. Mas eu quero olhar para Efésios 5:18 e não apenas conhecê-lo a partir de um ponto de vista de testemunho, mas conhecê-lo a partir do texto. Em Efésios 5:18 há uma pequena palavra que é muito poderosa. "E não vos embriagueis com vinho em que há dissolução." Essa é a palavra asōtia A-S-O-T-I-A. Essa é uma palavra muito interessante e importante, asōtia. Originalmente significava - agora veja isso - originalmente significava ser irremediavelmente incuravelmente doente. Para ser irremediavelmente e incuravelmente doente. Agora leia o versículo dessa forma. "Não vos embriagueis com vinho que os leva a serem irremediavelmente e incuravelmente doente." Você acha que Deus sabe que a embriaguez pode levar a dissolução? Sim. sim.

Poderíamos dizer que o significado literal no tempo em que Paulo escreveu seria esta: Uma pessoa asōtia seria aquela que por seu modo de vida destruiu a si mesma. Aquela, que pelo seu modo de vida, destruiu a si mesma. A embriaguez leva a uma doença incurável, sem esperança e à destruição. Isso está na Bíblia. Aliás, em Lucas 15:13, você tem esta palavra asōtia sendo usada. Ela diz que um jovem foi para seu pai e disse "Pai, dá-me a parte dos bens que me cabe" e você se lembra que ele levou tudo o que ele tinha e partiu para uma terra distante e diz o texto que ele se engajou numa vida desregrada. Lembra-se disso? Vivendo dissolutamente. Lucas 15:13 é a palavra asōtia. Ele debochou si mesmo, envolveu-se numa vida que levava a uma doença incurável e sem esperança, ele teve uma vida de uma forma que levava à destruição, uma vida indisciplinada, selvagem, pervertida. Não há dúvida de que esta palavra está indicando que Deus está nos dizendo: embriaguez leva à dissolução, embriaguez leva à destruição. Você estuda isso por toda a Bíblia e encontra isto.

O vinho é escarnecedor e bebida forte causa violência, ele diz. Em Provérbios 4:17, que diz que se você beber vinho você encontrará a violência que o acompanha. Volte para o livro de Gênesis, e você vai encontrar que onde há embriaguez, há imoralidade; onde há embriaguez há incesto. Volte para Deuteronômio 21:20, onde há embriaguez há gula; onde há a embriaguez há rebelião; onde há embriaguez há desobediência aos pais; onde há embriaguez há uma vida dissoluta. É a isso que leva. Não vos embriagueis com vinho que produz uma doença incurável e sem esperança. A Bíblia diz, pessoal, que pode levar à destruição.

Eu não sei se você sabe disso mas um quarto de todos os pacientes internados em hospitais psiquiátricos têm problema alcoólico. Isso só rasga a mente em tiras. E nós sabemos que fisicamente ela produz esclerose do fígado. Fígado obstruído provoca balonismo. E ainda causa balonismo das veias do esôfago de acordo com um relatório médico que eu li. As veias dilatadas são mais propensas à ruptura quando o alimento é ingerido e provocam uma hemorragia grave e fatal, de modo que algumas pessoas que morrem disto, morrem por terem comido recentemente.

Além disso você provavelmente seria negligente se você não se lembrasse de que o álcool não só mata as pessoas que bebem, mas ele mata muitas outras pessoas inocentes que estão à sua volta. Você sabia que em 40 por cento de todas as mortes violentas o álcool é um fator responsável? Quase metade de todos que morre violentamente - quase metade - é resultado de um pouco de álcool. Um estudo realizado em Delaware indica que o álcool aparece em metade das nossas mortes no trânsito. Em Nova York um estudo conjunto feito pelo Departamento de Saúde e Universidade de Cornell Estado de Nova York revelou que 73 por cento dos condutores responsáveis pelos acidentes em que morreram tinham bebido - 73 por cento. Em Westchester County. Nova York, exames de sangue foram realizados em 83 motoristas que foram mortos em acidentes de veículos. Os testes revelaram que 79 por cento desses motoristas estavam sob a influência de bebidas alcoólicas.

O álcool é uma coisa mortal. Isso leva ao excesso, asōtia, doença incurável sem esperança e o livro de Provérbios simplesmente fala sobre isso por diversas e diversas vezes. Isaías capítulo 28 deixem-me ler o versículo 7. diz "Mas também estes cambaleiam” ouça isso “por causa do vinho e não podem ter-se em pé por causa da bebida forte; o sacerdote e o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, são vencidos pelo vinho, não podem ter-se em pé por causa da bebida forte; erram na visão, tropeçam no juízo. Porque todas as mesas estão cheias de vômitos, e não há lugar sem imundícia.

Então quem sobrou para ensinar o conhecimento? Quem sobrou para falar por Deus? Corromperam o sacerdócio, corromperam os profetas. É por isso, veja você, que Deus elevou todos acima que Ele queria na liderança. É por isso que Ele elevou as pessoas. Porque havia o potencial de levar um grupo de líderes a babarem, vomitarem e a ficarem nauseantes ao redor de uma mesa. E assim Deus levantou. Em Joel, Deus retirou o direito de beber. Joel 1:5 "Ébrios, despertai-vos e chorai; uivai, todos os que bebeis vinho, por causa do mosto, porque está ele tirado da vossa boca." Deus diz "Não há mais bebida para vocês." Por quê? Os gafanhotos vieram e destruíram as colheitas e Ele diz "Vocês nunca tomarão outra bebida enquanto você viverem.”

A iniqüidade de Efraim, em Oséias capítulo 7, estava ligada ao vinho. Amós escreve em vários lugares, capítulo 2, capítulo 4, capítulo 6, sobre o terrível deboche que vem da embriaguez e do vinho. Sabemos que ele pode levar a isso, e então a pergunta vem é que se ele pode levar a isso, por que nós devemos nos colocar diante de algo que pode levar a isso quando não temos que fazer isso? Habacuque 2:15 "Ai daquele que dá de beber ao seu companheiro, misturando à bebida o seu furor, e que o embebeda para lhe contemplar as vergonhas! Serás farto de opróbrio em vez de honra; bebe tu também e exibe a tua incircuncisão; chegará a tua vez de tomares o cálice da mão direita do SENHOR, e ignomínia cairá sobre a tua glória." Rapaz, que versículo. Você faz isso e Deus vai vomitar em você. Deus vai fazer você beber o seu copo de julgamento. Você faz seu vizinho ficar bêbado, ouça, e Deus vai vomitar em você. Isso é grave.

Você vê, Deus sabe no que isso resulta. Você já esteve em bairros mais pobres, você já viu o pobre que caminha na região, você sabe como agem esses esfaqueadores, e essas pessoas indefesas que não podem se defender de forma alguma contra um ataque razoavelmente, pelo menos. Você já viu esse tipo de vida. Eu cresci meus primeiros anos pregando nas missões missão após missão por lá, e eu sei o que é isso e você também. Você sabe ao que isso leva. Eu tenho que fazer a pergunta a mim mesmo: Tudo o que é potencialmente destrutivo, é sábio da minha parte me envolver nesse tipo de entretenimento de qualquer forma?

Então - é a mesma coisa? é necessário? é o melhor? é formador de hábito? é potencialmente destrutivo? Número seis - e vamos fazer as últimas três rapidinho. É ofensivo para os outros cristãos? Aqui está outro ponto de verificação. Você tem que perguntar a si mesmo: Se eu beber isso vai ofender outros cristãos? Você diz "Eu sou livre. Eu não quero entrar em algum tipo de escravidão legalista. Eu sou livre para fazer o que eu quero e eu posso lidar com isso." Um sujeito me disse na semana passada, ele disse, "Eu posso lidar com isso eu não sei porque você está tão chateado com isso. Eu só gosto de um pouco de uísque na parte da manhã e um pouco à noite, e eu posso lidar com isso não tem nenhum efeito sobre mim." Eu digo, "Bem talvez você possa lidar com isso. Talvez você possa. Mas talvez alguém que o veja fazer isso não possa.”

Agora ouça isso. Em 1 Coríntios capítulo 8 e versículo 9 há um princípio geral e em seguida torna-se muito específico em Romanos 14, mas 1 Coríntios 8:9 "Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos." Sabe, eu tenho pais que vêm a mim e dizem, "Olha, nós costumamos beber e bebemos até que nossos filhos se tornaram adolescentes, e em seguida paramos de beber, porque vimos que eles seguiram nosso exemplo e começaram a beber e não podiam lidar com isso." Sabe, muitos pais viram isso acontecer. Quando então a polícia os chama e diz, "Estamos com seu filho aqui. Ele estava bêbado. Nós o encontramos deitado na rua." Você vê, você pode ter a liberdade, pode ter moderação, você pode ter maturidade e força, mas você pode dar o exemplo para alguém que não pode lidar com isso.

Além disso na época de Paulo a embriaguez era associada com a religião pagã, lembra disso? Baco e Dionísio e todas as coisas que vimos da última vez. A embriaguez estava associada com a religião pagã, e quando as pessoas se tornavam cristãs, assim como não queriam comer nunca mais carne que era oferecida aos ídolos, muitos deles também não queriam se envolver com a bebida. E rapaz, quando se tornavam cristãos, uma das coisas que eles se livravam era da bebida. Eles se tornavam abstêmios. E quando cristãos chegavam e diziam, "Nós temos liberdade para beber" e bebiam vinho, era muito ofensivo para essas pessoas que tiveram toda a sua vida no paganismo associando bebida com as cerimônias de Satanás.

Agora vá para Romanos 14 e eu vou mostrar-lhe que por causa disso é precisamente a questão sobre a qual Paulo fala. Ali estavam algumas pessoas que, em Roma, tinham sido expostas a todo esse mal da embriaguez, relacionado com a adoração pagã e agora eles eram cristãos, e alguns desses outros cristãos foram - talvez eles fosse judeus cristãos, e não tinham esse contexto e não tinham problema com a bebida, mas rapaz, alguns desses cristãos gentios, que haviam associado a embriaguez à devassidão, à imoralidade, à gula, ao mal e toda a terrível dissolução que vinha com a embriaguez, quando eles se tornaram cristãos, rapaz, eles não queriam qualquer coisa associada com isso. E alguns cristãos chegavam a dizer, "Aff, beber, não é um bom negócio" e eles ficavam profundamente ofendidos. E achavam que não tinham essa liberdade porque, para eles, isso era a velha vida, e agora na nova vida deveria ser diferente.

E alguns cristãos que exerciam essa sua liberdade de beber na frente daqueles cristãos que não podiam ter essa liberdade por causa de seu passado, tornavam-se muito ofensivos e faziam aquele irmão tropeçar, faziam aquele irmão ficar ferido e triste e assim, em Romanos 14, Paulo diz que você não deve fazer isso. No versículo 13 ele diz - olhe o final do versículo 13, " tomai o propósito de não pordes tropeço ou escândalo ao vosso irmão." Não faça isso, vai ofendê-lo.

Além disso há uma outra categoria de pessoas. Há algumas pessoas que não podem lidar com algumas coisas. Mas se você fizer isso elas vão dizer, "Oh, deve estar tudo bem" eles vão fazê-lo e se tornar alcoólatras, você vê? Você não só vai ofender algumas pessoas, mas você vai fazer alguns tropeçarem e tornarem-se fracos. Então ele diz, não faça isso, não faça as pessoas tropeçarem, seja fazendo algo que elas sentem que seja tão errado, ou fazendo algo que elas pensem que têm o direito de fazer e em seguida quando o fazem eles se tornam alcoólatras.

Você sabe eu conheci muitos alcoólatras. Eu vi Jesus Cristo transformar muitos alcoólatras. Eu fui a muitas reuniões dos Alcoólicos Anônimos e sentava-me na parte de trás e via o que se passava. Já estive em muitas dessas coisas por não querer ser responsável, em minha vida, em dar a ninguém a idéia de que podem ir em frente e beberem o que quiserem. Porque eu não tenho controle sobre quem vai seguir o meu exemplo e acabar com uma vida desastrada. Mas ele diz aqui, veja "nenhuma coisa é de si mesma imunda" - versículo 14. Essa não é a questão, não em si mesma. Mas se o seu irmão se entristece com a sua comida - versículo 15 – "já não andas segundo o amor fraternal" Em outras palavras você está dizendo "Olha, eu não me importo com o que você pensa. Eu vou beber se eu gosto, e você pode ter certeza disso." Então você não ama seu irmão. Você não ama seu irmão. O versículo 17 diz "Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo." O que você quer cultivar é justiça, paz e alegria não a liberdade para beber e comer.

Então - versículo 19 - "Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros." Basta fazer o que vai edificar alguém, não o que vai derrubá-la. Não faça o que os levará a tropeçar, torná-los fracos ou torná-los ofendidos. "Não destruas a obra de Deus por causa da comida" - versículo 20, "Todas as coisas, na verdade, são limpas, mas é mau para o homem o comer com escândalo." Pode estar tudo bem em beber, nada de errado com o vinho em si mesmo, se ele é diluído corretamente e não tira os seus sentidos, mas se você fizer isso vai deixar alguém ofendido? Então o versículo 21 convida a uma total abstinência em determinadas situações. "É bom não comer carne nem beber vinho." Não beba de forma alguma, "nem fazer qualquer outra coisa com que teu irmão venha a tropeçar [ou se ofender ou se enfraquecer]." Vê? Deixe isso de lado. Ele está falando aqui não é sobre qualquer comida mas sobre a carne oferecida aos ídolos, então ele está dizendo para não comer carne oferecida aos ídolos e não beber nenhum vinho se isso ofende alguém, ou faz tropeçar alguém.

Você diz "Rapaz, você poderia passar toda a sua vida ajustando com a das outras pessoas." Essa é a idéia. Isso é o que Deus quer que você faça. Sabe, há pessoas que saíram do alcoolismo e é uma das coisas mais maravilhosas do mundo, que Jesus Cristo as libertou. É a coisa mais emocionante que eles podem pensar, que Cristo os libertou, os salvou e os lavou removendo esse pecado do alcoolismo e embriaguez, e para um cristão chegar e se exaltar da liberdade na frente deles é muito ofensivo, sem falar o que fazer isso na frente de seus filhos ou de algum irmão mais fraco, e eles caírem em um terrível, terrível poço.

Então fazemos a pergunta: É a mesma coisa? E a resposta é não. Isso é necessário? E a resposta é não. É a melhor escolha? A resposta é não. É formador de hábito? Sim pode ser. É potencialmente destrutivo? Ah, sim. É ofensivo para os outros cristãos? Muitas vezes é. Pode haver alguns lugares no mundo onde isso não seja verdade, mas em uma sociedade pós-proibicionista como a nossa, o cristianismo sempre tem sido associado a não beber e certamente é ofensivo para muitas pessoas, e para os outros um tropeço e serem terrivelmente ofendidos, porque eles vêem isso como parte de sua antiga vida.

Deixe-me fazer-lhe mais duas perguntas rapidamente. Será que vai prejudicar o meu testemunho cristão? Bom, as pessoas dizem "Ah, você sabe, se eu beber eu posso chegar às pessoas. Se eu fizer o que elas fazem, vão me aceitar." Será que vai realmente ajudar o seu testemunho, ou por outro lado vai prejudicá-lo? Bom, em Romanos 14:16 diz "Não seja, pois, vituperado o vosso bem." É muito possível que você seja um bom rapaz com um bom ministério, mas se você exercita sua liberdade para beber e isso ofende outras pessoas, eles irão depreciar o seu testemunho e seu ministério, e pensar menos de você. Eu sei que isto é um fato. Se eu me levantar no púlpito e disser a você, "Agora eu quero que você saiba que eu bebo, mas posso lidar com isso." Você vai perder o fôlego, alguns de vocês. Alguns de vocês vão se agarrar a sua Bíblia Scofield e correr para os cantos, sabia? "John MacArthur bebe." E cada vez que eu me levantar para falar novamente você se lembrará "Ele bebe. Ele bebe. Eu me pergunto se ele realmente tem uma mente clara." Vê? E isso incomoda muitos de vocês. Alguns de vocês não se incomodariam de jeito nenhum, mas para alguns de vocês, isso incomodaria.

Então se não por outra razão, eu não quero que ninguém fique perturbado ou chateado, e eu não quero que meu testemunho cristão seja diminuído de forma alguma em tudo por eu ter feito alguma coisa. E assim eu faço a pergunta: Será que os outros pensarão menos de mim, como um cristão, se eu fizer isso? E eu sei que nos círculos da igreja, nos círculos cristãos, há muitas pessoas que pensaria muito menos de mim se eu fizesse isso. E assim eu não quero ofendê-los. Mas o que dizer do mundo? E sobre os perdidos?

Veja 1 Coríntios 10. Primeira Coríntios 10:31. É muito interessante. Primeira Coríntios 10:31 diz, “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.” Agora como você vai fazer isso para a glória de Deus? Versículo 32 "Não vos" - o quê? - "torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus". Então eu não quero fazer aquilo que vá ofender a igreja. Eu não quero exercitar uma liberdade que vá ofender todo um grupo de pessoas cristãs e fazê-los pensar menos de meu testemunho, nem quero ofender a judeus ou gregos. Agora: "também eu procuro, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o meu próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos." Eles podem ser salvos. Você sabe o que Paulo está realmente dizendo aqui? Se você quiser alcançar as pessoas que não são salvas pare de beber e pare de comer comida oferecida aos ídolos. Deixe-os ver a diferença. Pegou essa? Deixe-os ver a diferença. Eu não procuro fazer o que eu quero fazer. Eu posso ter a liberdade de fazer uma determinada coisa, mas eu tenho padrões. Um, para glorificar a Deus; dois, não ofender absolutamente ninguém; três, para me certificar que eu faça a diferença, para que as pessoas possam ser salvas e façam a distinção.

E finalmente se você conseguiu passar pelos primeiros sete postos de controle aqui está o número oito. Pergunte-se: Você tem certeza que é certo beber? Ouseja, você está absolutamente certo disso? Porque se você tem qualquer convicção sobre isso, de qualquer forma, você tem que lidar com isso. Teve um sujeito que veio a mim na semana passada, e ele disse, "Você sabe" ele disse "eu tomo cerveja com os amigos." Ele disse "Isso é errado?" Eu disse "O que você acha?" Ele disse, "Bom, eu não acho que é errado mas isso me incomoda." Eu disse "Você gosta de ser incomodado?" "Não eu não gosto de ser incomodado." Disse "Você sabe como parar de ser incomodado?" "Sim, não faça isso." Sim ele disse, "Eu não acho que é errado mas isso me incomoda." Sabe de uma coisa? Romanos 14:23 é um versículo útil nessa área e eu não tenho tempo para entrar em toda a exegese dele mas só para lhe dar uma idéia nisso, diz isto "Mas aquele que tem dúvidas é condenado se comer, porque o que faz não provém de fé; e tudo o que não provém de fé é pecado."

Agora o quadro é este, certo? Vamos levar isso para o lado de beber. Você tem uma pessoa aqui, ela veio do contexto de uma religião pagã, rapaz, ela diz que é errado beber essa coisa toda, que é tudo parte dos cultos pagãos e não vou tocar nessa coisa. Mas algum irmão liberado diz "Ah, vamos lá, Charlie, não fique preso a isso, homem, somos livres em Cristo, então vá em frente e beba." Mas ele bebe com dúvida, então o que acontece é que ele já está em servidão ao seu legalismo, ele é uma espécie de irmão mais fraco, ele já não pode desfrutar de sua liberdade, assim você o força a fazer algo contra sua consciência, e tudo o que você está fazendo é empurrando-o mais fundo em dúvidas, mais fundo em condenação, mais fundo em questionamentos doo que ele tem a liberdade de fazer, e porque ele não faz isso, crendo que era livre para fazê-lo, torna-se pecado para ele.

Porque se você não pode fazer algo com uma consciência completamente livre, crendo de todo o coração que é certo, não faça isso porque o que isso vai fazer é empurrá-lo mais fundo em condenação, e eu vou adicionar outra coisa. Quando você viola sua consciência, você está fazendo uma coisa ruim porque quanto mais você violar sua consciência, mais você cauterizará sua consciência com um ferro quente, e se você continuar acumulando o tecido da cicatriz, quando Deus realmente quiser tocá-lo numa questão sensível, você não vai sentir isso. A consciência é o instrumento através do qual Deus convence você. E se você violar a consciência de novo e de novo e de novo e de novo o que vai acontecer é que quando você precisar dele ele não vai estar lá.

Portanto há alguns padrões a seguir e você tem que verificar, você mesmo, sobre estes e seguir o seu rumo através deles e fazer a si mesmo as mesmas perguntas que eu me pergunto. É a mesma coisa? Isso é necessário? É o melhor? É formador de hábito? É potencialmente destrutivo? É ofensivo para os outros cristãos? É prejudicial para o meu testemunho? Tenho certeza de que é certo? E eu posso fazê-lo totalmente acreditando na fé em Deus que isso é certo? E, amados, tudo isso é simplesmente uma dimensão do andar prudentemente, não como néscios mas como sábios remindo o tempo porque os dias são maus. Se você quiser caminhar como cristão sábio, esta é uma maneira de traçar o seu curso. Você tem que lidar com esta questão. Vamos orar.

Pai obrigado por nosso tempo esta manhã para dar-nos a oportunidade de discutir e compartilhar sobre esse importantíssimo assunto. Senhor não queremos ser legalistas, sem amor ou simplesmente adaptar-nos a uma situação cultural, mas apenas queremos lidar com a Tua verdade e a Tua Palavra. Ajuda-nos a colocar os peças juntas e tomar uma decisão sábia. Em nome de Jesus, amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize