Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Não sei o quanto é verdade, mas alguém me disse esta semana, “As pensam em você como uma máquina de pregação, e não sabem realmente o que se passa em seu coração, porque raramente você está desconectado de um texto." E eu disse, "Bom, então esse domingo vai ajudar, poque vou compartilhar o que está em meu coração." Nós, em nossa série em Mateus, normalmente iniciaríamos o capítulo 21, que começa na última semana de vida de nosso Senhor. Mas antes de entrar nesse grande e glorioso clímax do livro de Mateus pelo qual todos nós esperamos cerca de cinco anos, incluindo eu mesmo, tenho só algumas coisas em meu coração para compartilhar com você.

Quando saio e ministro em outros lugares, prego em outros lugares, falo a outras pessoas, gasto tempo em oração na Palara e lendo alguns livros e outras coisas, normalmente sou capaz de afastar a pressão e pensar com clareza. Quando estou aqui é difícil ter tempo para fazer isso; e como resultado disso, o Senhor parece pressionar meu coração com coisas que são necessárias para eu entender, para eu enfatizar em meu próprio coração e vida, e, e para eu compartilhar com você; e eu, eu estou preocupado com nossa igreja. Eu, eu quero que você saiba que esta igreja é a minha vida. É o coração e a alma da minha vida. Não sinto que o ministério tenha se estabilizado aqui. Não sinto que tenhamos feito isto, agora vamos nos deter nisto. Sinto que apenas começamos isso e, seja qual for a energia que eu tenha despendido nos últimos 15 anos é apenas preliminar à energia que eu quero gastar nos próximos – se o Senhor tardar — 15 anos ou o que seja. Creio que o futuro ainda está diante de nós. É emocionante, repleto de alegria e expectativa e, e um enorme potencial de possibilidades. Mas também acho que estamos em um ponto em nossa vida da igreja onde estamos de fato em um intervalo de crise; e pode haver um grande futuro para nós ou não, dependendo do que fazemos com o momento de oportunidade que temos em nossas mãos agora.

Eu estava jogando golfe pela primeira vez em minhas férias outro dia, e eu tinha esperando bastante tempo para chega minha vez de fazer isso, mesmo enquanto estava de férias. Normalmente encontro alguns lugares para pregar quando estou de férias, então isso toma algum tempo. Mas eu, eu estava jogando golfe com um pastor, ele queria saber sobre edificar uma igreja e tinha isso em seu coração, edificar um aigreja, e realmente estava com fome de edificar uma igreja. Ele já estivera em nossa conferência para pastores, e de fato estive aqui por duas vezes, e preguei em sua igreja no Leste. E, e ele disse, "Rapaz, eu só eu quero ver Deus fazer isso. Quero ver uma igreja edificada" e assim por diante. E assim ele estava me perguntando sobre o ministério e em seguida ele disse, "Você sabe, uma igreja como a sua, como que é, como que é uma igreja tão grande quanto a sua e com tantas coisas acontecendo, tantos ministérios e assim por diante. É difícil? Ou é...” A implicação do seu interrogatório era, "Agora que chegou lá, você tipo que pode descansar?" E eu disse, "Deixe-me lhe contar algo." Eu disse, "Ser parte da edificação de uma igreja é fácil. Quero dizer que é como estar em um veleiro. Outra pessoa está soprando. Você está apenas sentado ali. E eu, eu posso honestamente dizer que o crescimento da Grace Church, os grandes anos de um crescimento tremendo, quando começamos com quatro ou cinco centenas de pessoas, e simplesmente decolou e cresceu, cresceu, cresceu; e todas estas coisas maravilhosas estavam acontecendo; isso foi fácil."

Quer dizer, eu não sabia o que estava acontecendo, para ser honesto com você. Eu vinha aqui todos os domingos só para ver o que estava acontecendo. Na verdade foi tudo obra de Deus. Foi tão emocionante, tão emocionante. Claro, havia princípios que aplicávamos da Palavra de Deus, havia ênfases e havia uma unidade de excelência e assim por diante, mas aqueles eram tempos de euforia. Quero dizer aqueles eram apenas momentos de êxtase. Eu, eu gosto de chamar aqueles anos de descoberta. Cheguei aqui. Eu não sabia muita coisa e por isso toda semana eu vinha estudar e nós aprendíamos juntos e então eu dizia a eles o que a Bíblia diz. E todos diziam, "Uau, e é isso que a Bíblia quer dizer lá. Então é isso que ele está nos dizendo." Ficamos animados com isso, e demos outro passo passo grande em termos de nosso crescimento espiritual e compreensão, e o Senhor acrescentava à igreja, e a coisa continuava dessa maneira. E, realmente, era tipo, tipo uma lua de mel prolongada. Havia energia por todos os lados. Havia emoção e entusiasmo, e, e todos estavam emocionados, e sequer estávamos fazendo naquels anos o que estamos fazendo agora, mas, mas ninguem sequer esperava qualquer coisa. E assim tudo o que veio foi simplesmente maravilhoso.

Meu objetivo sinceramente quando cheguei aqui era manter as pessoas que já estavam aqui e não deixá-las partir. Esse era o meu objetivo básico. Se eu conseguisse fazer isso e nao se fossem, isso seria uma vitória moral. Eu nunca imaginava isso. É por isso que eu disse que o versículo na Bíblia que se tornava mais real para a minha compreensão nos anos de ministério aqui é Efésios 3:20, "Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos." Eu via Deus fazendo isso.

Mas naqueles primeiros anos estávamos todos animados. Havia um tremendo êxtase. Havia um tremendo sacrifício. Todo mundo fazia parte da edificação e cresciam juntos. Um dos companheiros da equipe me disse há algumas semanas, ele disse, "Se você olhar para a história em praticamente todas as áreas da vida da igreja e da vida do povo de Deus, segue como que uma espécie de padrão muito interessante. A primeira geração luta para descobrir e estabelecer a verdade," e é isso que nós fizemos. Quero dizer que, o primeiro fluxo de anos foi de descoberta, de estabelecimneto da verdade e de tremenda empolgação. E então ele disse, "A segunda geração lutas para manter a verdade e proclamar a verdade." E vimos isso: de modo que registramos em livros e fitas; e nós, nós a enviar homens para pregar isso em todos os lugares; e atraimos as pessoas aqui, ensinando-as, enviando-as e trabalhando com os pastores; começamos a querer manter a verdade e e proclamar a verdade. E então ele disse, "A terceira geração poderia se importar menos. Uma vez que ela não fazia parte da luta em cada frente, eles realmente não tinham nada em jogo. Davam-se por garantidos." Rapaz isso me assusta. Isso realmente me assusta. "A coisa mais difícil" eu disse a este pastor "a coisa mais difícil de lidar no ministério é a indiferença ou apatia, complacência." Você não pode lidar com isso. Não há nenhuma maneira de lidar com isso a não ser para apenas esforçar-se da melhor maneira possível na pregação, e assim por diante. Isso é difícil.

Alguém vem a mim e você sabe nós temos problemas como qualquer igreja teria. Na verdade temos mais problemas, é claro, porque temos mais gente. Não existe ninguém que não tenha nenhum problema, entende. Mas quando alguém vem a mim e diz, "Oh John temos realmente um problema. Temos realmente um problema." Agora vou voltar. Eu tenho ido e voltado várias vezes no verão. Toda vez que eu volto alguém me diz, "Temos um problema. Temos realmente um problema. Sabe o que aconteceu? Assim e assim e assim e assim." E a minha resposta a isso é, "Incrível! Rapaz isso é emocionante! Nós temos um problema, sabemos o que é e nós podemos resolvê-lo com a verdade da Palavra de Deus. Incrível!" Quer dizer essa é a graça do ministério. Quem poderia ficar uma igreja sem problemas? Quer dizer se você encontrar uma igreja-- direi isso aos jovens pastores o tempo todo--se você encontrar uma igreja sem problemas, não vá lá. Você vai destruir-la. Quer dizer, que coisa incrível é ter problemas, porque os problemas podem ser resolvidos com a aplicação da verdade divina. Então eu fico animado com isso.

Mas complacência, indiferença ou apatia isso é de partir o coração. E pensar que poderíamos produzir uma geração de pessoas que não fizesse parte dessa luta, que simplesmente se dessem por garantidos, simplesmente chegassem e se acumulassem e, tipo que sentassem por aí e dissessem, "Bem, está tudo aqui, pessoal, tudo certo. Tudo isso sempre estará aqui." E uma vez que não sabiam o custo disso tudo, não podem sequer provar o gosto da vitória. Eles nem sequer sabem o que é ter passado por toda a batalha. Quer dizer, você só tem uma chance na vida, e olho para isso como se Deus me tivesse dado a maior, mais maravilhosa, emocionante chance que jamais tive. Ele me colocou bem aqui, e não acho que já tenha terminado. Mas a coisa que temo é que o pessoal que não fez parte desse processo de edificação, do processo de luta, descoberta, não participou de nada disso e pegou a coisa toda andando, vai chegar aqui e não será capaz de apreciar o que Deus tem feito.

Sou lembrado de uma passagem, e eu gostaria que você abrisse sua Bíblia em Deuteronômio capítulo 6 e eu acho que há uma boa ilustração, um trecho escrito para o nosso exemplo deste mesmo tipo de coisa. Deus é claro em Sua maravilhosa graça escolheu o Seu povo Israel; misericordiosamente os tirou do cativeiro; e os levou para a Terra Prometida; literalmente inundando-os com profusa graça divina e bênção. E Ele diz no versículo 3 de Deuteronômio 6, "Ouve, pois, ó Israel, e atenta em os cumprires, para que bem te suceda, e muito te multipliques na terra que mana leite e mel, como te disse o SENHOR, Deus de teus pais."

Ele diz que é melhor você guardar os mandamentos é melhor você ser fiel à fé. “Ouve, Israel [versículo 4]: o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força." Primeira coisa que Ele diz é, "Veja, se você for manter-se fiel à fé você tem que amar a Deus com todo o teu coração, alma e com toda tua força." Ame a Deus. Ame a Deus. Ame a Deus mais do que você ama o mundo. Ame a Deus mais do que você ama seu carro novo, sua casa, seu trabalho, seu dinheiro, seu guarda-roupa, qualquer um, qualquer coisa, qualquer lugar.

Estive lendo esta semana um clássico sobre o amor de Deus de Bernard de Clairvaux. Muito convincente. muito convincente. Ele diz, "Tenho três grandes desejos em minha alma: lembrar de Deus, contemplar a Deus e amar a Deus." Isto está muito longe de alguns de nós. Se nos pedissem para listar os três maiores desejos de nossa alma, ficaria admirado se fosse: lembrar de Deus em todas as coisas, contemplar a Deus em todos os momentos, amar a Deus. E então ele diz que isso começa no interior. “Coloquei vocês em uma terra com leite e mel. Coloquei você no melhor lugar de bênção, e vocês terão de assumir um compromisso interior de amar a Deus."

E então ele segue para o versículo 6. "Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos." Não só em seu coração mas em seus lábios; ensinar a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando você andar pelo caminho, quando se deitar, quando se levantar. Como é a sua conversa? Você fala sobre a piedade? Você fala sobre Deus? Você fala sobre Cristo? Fala sobre o Espírito Santo? Fala sobre a Bíblia? Fala sobre a virtude? Fala sobre coisas que são boas, honestas, puro e amáveis? Quero dizer, você viaja com alguém num final de semana e nunca fala sobre Deus, nunca fala sobre coisas espirituais, nunca fala sobre coisas as quais você deve prestar contas em termos de obediência? Ou seja, qual é a sua coversa?

Veja, se vamos agarrar estas coisas, temos que amar a Deus com todo o nosso coração. Também temos que falar sobre isso o tempo todo para que estimule nossas mentes; e precisamos ser expostos a isso. Acredito que uma razão de Deus tem levantado rádios cristãs hoje, fitas de ministérios é porque é a única maneira que eu conheço de resistir ao ataque da impiedade que lida com as pessoas através do rádio e televisão. Ou seja, houve um dia quando você não era bombardeado na sociedade com todo esse lixo. Você ia para casa falava com as pessoas, com as pessoas que viviam lá. Agora você tem o mundo inteiro falando com você vendendo para você uma filosofia sem Deus a partir de todos os ângulos possíveis. E você dificilmente consegue fazer isso de domingo a domingo sem se desviar em termos de seu compromisso espiritual; então o Senhor provê recursos. Devemos mergulhar nesse tipo de coisa até cultivar uma mente pura. Precisamos falar sobre isso o tempo todo. É sobre isso que você fala? Essa é a sua conversa? Ou seja, não há problema em falar sobre os Dodgers de vez em quando, mas essa não é a questão real nem todas as outras coisas que não importam.

E em seguida, no versículo 8, ele diz para fazer algo mais. Coloque lembretes. "Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas." Em outras palavras Ele diz, "Refresque sua memória com alguns símbolos." Quer dizer, eu acredito que nas casas dos cristãos e, e nos escritórios e onde quer que estejamos precisamos ter lembretes para ativar nossas memórias em coisas que deveríamos estar pensando. Onde quer que todas essas coisas estejam, estão ali para nos reavivar a mente e nos fazer lembrar, porque elas lembram aquilo que se supõe estar comprometido. Precisamos ter essas coisas por perto, também, para nos lembrar do que nos esquecemos. Então começa no coração, sai pelos lábios e deve correr por nossas mentes por sinais e símbolos. Você diz, "Por que tudo isto?" Vou lhe dizer por quê. Porque: "Havendo-te, pois, o SENHOR, teu Deus, introduzido na terra que, sob juramento, prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, te daria, grandes e boas cidades, que tu não edificaste; e casas cheias de tudo o que é bom, casas que não encheste; e poços abertos, que não abriste; vinhais e olivais, que não plantaste; e, quando comeres e te fartares, guarda-te, para que não esqueças o SENHOR."

Ou seja, a tendência é de quando você não fez parte do processo, você dá por certos os resultados. E temo que alguns, mesmo que fizeram parte do processo possa se esquecer desse processo, possam se esquecer da mão de Deus, da maneira que vimos Deus se mover. E muita gente nova vem chegando; e você nem sabe o preço que foi pago. Você sequer compreende o sacrifício do tempo, talento, esforço e dinheiro que as pessoas fizeram. Lembro-me de um jovem casal que perdeu sua lua de mel porque queriam ofertar. Ou seja, essa é apenas uma das milhares e milhares de ilustrações; mas algumas pessoas simplesmente chegam e já está tudo lá. Está tudo bem feito. Tudo feito de maneira correta.

O que acontece é, é que pequenas coisas vão mal, e elas se tornam de fato exigentes. Não entendem que a batalha real, não entendem a luta real e as grandes questões de modo que tergiversam sobre o resto das coisas. É como um sujeito disse uma vez, "Eles estão reorganizando as cadeiras no convés do Titanic." E às vezes a pessoas me dizem coisas, coisas de menor importância, e minha resposta lá dentro, nem sempre o menciono, algumas vezes sim, é "Quem se importa? Eu não me importo com isso. O que me importo é com isto aqui." E eles dizem, "Oh, oh." Vamos continuar com a coisa real. Por que as pessoas querem mexer com as coisas não essenciais? Vamos em frente com o reino. Algumas pessoas consomem toda sua vida em torno de trivialidades e coisas sem importâncias. Elas não entendem, e eu, eu acho que o filho da apatia é a crítica. Então é fácil, sabe, chegar num lugar onde tudo já está pronto, e você fica meio que indiferente com tudo, e então começa a criticar e a reparar em todas imperfeiçoes que você pode ver. Você sabe, como Thomas Hardy. Ele disse que podia, ele tinha um amigo que podia entrar em qualquer prado bonito e imediatamente encontrar o monte de esterco. Bem isso é uma perspectiva. Essa é uma perspectiva que você não quer ter.

Eu sei que Deus nos deu pessoas maravilhosas e nós nós somos a igreja mais rica no mundo em termos das pessoas maravilhosas que Deus nos deu. Bendizemos Seu nome por isso. Mas também sei que há muitas pessoas que só vêm quando é conveniente. Sei que alguns de vocês vêm apenas quando é conveniente. Era conveniente hoje então você veio. Se não fosse conveniente você não viria. E você olha para a igreja como você olha para tudo na vida; e se serve a uma necessidade para você então você vai. Se você puder encontrar algo que sirva suas necessidades melhor você vai lá. Quer dizer, se você acha que é melhor para você escapar você escapa. Se não há problema em ir à igreja você vai à igreja. Para algumas pessoas, é uma espécie de, de limite de alternativas, quando orçamento está baixo no fim de semana. Para outras pessoas eles vêm quando querem. Eles não vêem, eles não vêem qualquer necessidade real de compromisso; e domingo à noite para eles é apenas algo com que nunca se envolvem. Eles acham que um sermão por semana é suficiente. Se você acha que isso é verdade, você precisa de 200 sermões pelo menos esta semana, talvez. Tipo como explodir você para fora de sua complacência. Como alguém disse, acho que foi Kierkegaard quem disse, "As pessoas pensam que o pregador é um ator e eles deveriam vir e ser seus críticos." O que eles não sabem é que eles são os atores e ele é o que dirige, fora do palco, lembrando-lhes de suas linhas perdidas.

Portanto, é fácil para nós chegar ao ponto em que, você sabe, vivemos em um mundo onde tudo é voltado para você. Ou seja, faça suas coisas. Siga seu caminho. Tudo converge para você, tudo vem para você; e até mesmo o nosso mundo chamado cristão gera o mesmo tipo de sentimento. E assim você olha para a igreja; e se ela tem algo a oferecer você aparece. Você não entende a lealdade de apoiar o pastor quando ele está lá em cima ou o homem de Deus que está falando. E eu me preocupo com o que ouço às vezes quando os outros estão falando, e as pessoas dizem, "Bem, é apenas assim e assim falando. Vamos embora. Ou nós não vamos." E você percebe, é claro, o que isso quer dizer a essa pessoa. Eles não são cegos. Eles não são estúpidos. Eles entendem o que isso quer dizer; isso que dizem a eles, "É só você não é?" E esse é o tipo de atitude que gera complacência em uma igreja e esse é o tipo de coisa que pode matar um grande ministério.

Você vê, isso era exatamente o que acontecia em Éfeso. Eles deixaram o seu primeiro amor e precisavam ser sacudidos para lembrarem-se de como costumava ser. Você esqueceu como era? Então eu disse a este pastor, "Edificar uma igreja é fácil. Tentar lidar com uma grande igreja é que é difícil. É tentar colocar os braços em torno da coisa, evitar que as pessoas fiquem complacentes, indiferentes, dando-se por satisfeitas, e não compreendendo que elas têm. Ou seja, o ensino aqui é tão bom, a música aqui é tão grandiosa, tão gloriosa. Nós simplesmente nos damos por satisfeitos. E as pessoas trabalham com muito empenho para cuidar de nossas crianças e ensinar nossos pequenos e tudo o que eles fazem, é muito fácil para nós nos darmos por satisfeitos, e sequer temos que orar como deveríamos.

Ou seja, você ora por mim, regularmente? Ah, algumas pessoas me dizem, como muita frequencia, pessoas que amo me dirão, "Eu, eu oro por você o tempo todo." Eu dependo disso. Eu me agarro a isso, porque você não entende. Isto é uma batalha. Eu sei. Sou uma máquina de pregação. Eu subo aqui e blllllrrrrr, despejo tudo. E você, você dá uma nota de 1 a 10, talvez. E de vez em quando “um” é bom o suficiente para mantê-lo vindo para o outro “um” à procura de outro bom; e está tudo bem. Eu entendo isso. Mas você ora? E o que acontece com os outros? Você ora por eles também os outros que ensinam e pregam aqui? Pelos outros que lideram e servem? Ou seja, algumas pessoas são rápidas para criticar e não tão rápidas para orar. E o que acontece com aqueles dentre vocês na liderança? Você está orando pelas pessoas que você lidera? Ou pensamos que está tudo sendo feito tão bem que não se precisa mais de Deus? Veja você não entende a batalha. Você não entende a guerra. Você só vê o resultado. Tudo parece tão fácil. Você não entende as lágrimas e a labuta. Você não entende como, nós que estamos na liderança na igreja, temos que estar ao lado um do outro, algumas vezes, apenas para dar suporte um ao outro, porque fica muito doloroso, muito dificil. E eu só quero que você se lembre que precisamos de você para ser uma parte. Precisamos que você esteja totalmente comprometido. Precisamos de você para orar. Precisamos usar os seus dons, para servir.

Eu trouxe isso de casa no meu coração, acho bastante forte,através de uma carta que recebi de um jovem pastor e eu quero compartilhar com você. É realmente o tipo de coisa que desencadeia minha fala a vocês, do meu coração, esta semana e provavelmente na próxima semana também. Mas a minha grande alegria no ministério é ver os jovens que vão para o ministério. Recebi uma carta de alguém que está pensando em deixar o ministério e isso realmente, tipo de quebrou meu coração. Isto é o que ele disse:

"Esta carta chama a sua atenção por várias razões; e embora nós não nos conheçamos pessoalmente eu li alguns de seus livros e o ouvi no rádio várias vezes. Deixe-me explicar a minha grande preocupação, a qual não tenho sido capaz de superar e que está me levando a considerar deixar o ministério. Talvez suas idéias, o Senhor vá usar para me dar alguma luz.

"Primeiro de tudo, a minha posição: Acredito firmemente que a liderança da igreja deve ser a melhor, não só em suas vidas espirituais pessoais mas também na definição do ritmo para com as pessoas que lideram. Agora apresso-me a acrescentar que eu não estou falando sobre a perfeição ou qualquer tipo de super-humanidade, apenas uma vida de crescente relacionamento pessoal com o nosso Senhor. Acredito firmemente que se os líderes da igreja não apresentam um estilo de vida de compromisso e dedicação ao seu Senhor e ao corpo local, que este tampouco os seguirão.

"O problema: Pastor MacArthur dois terços dos nossos oficiais eleitos participam de apenas um culto por semana. Novamente eu não estou falando sobre estar ou ter que estar presente cada vez que as portas estão abertas. Mas eu acredito que exceto em situações imprevistas como doenças e férias, que a liderança da igreja deve fazer um esforço dobrado para estar presente nos cultos, ao menos tendo em vista o encorajamento dos santos e do pastor. Acho que é extremamente difícil de acreditar que a liderança adequada é ou pode ser concebida quando os líderes não passam tempo suficiente com o seu povo até ao ponto de saber quais sejam as suas mágoas e medos. Eu vou a reuniões do conselho e descubro que, de longe, a maior parte do tempo é gasta em itens que não têm relação direta com as necessidades e dores de pessoas. Eu acredito que por causa disso nossa igreja chegou a um impasse que é igual a andar para trás em vez de avançar.

"Expressei isso diante do nosso conselho em diversas ocasiões, e para ser honesto nem todos eles são fiéis em sua presença - e expressei a minha preocupação, csem que tivesse absolutamente nenhum resultado.

"Novamente eu não estou falando de homens e mulheres que simplesmente não podem fazer isso, mas sobre aqueles que podiam mas não fazem. Eu recebo as respostas de sempre, "Minha agenda está muito ocupada. Eu estou, eu estou muito cansado no final do dia." Ou eles nem sequer oferecem uma desculpa. Mas essas mesmas pessoas não têm receio de me lembrar, muitas vezes, que eles são os poderosos da igreja. Acontece com frequência.

"Pastor, cheguei ao ponto em que estou, que se isso continuar no próximo ano, estou pronto a renunciar o pastorado. Como é possível para um pastor dirigir seu rebanho, estabelecer os programas necessários, desenvolver uma liderança espiritual, se ele não pode sequer ter o apoio para começar? Estou aberto ao seu conselho. Creio que a nossa igreja tem grandes possibilidades, mas enquanto permanecermos mornos o Senhor não nos abençoará nem nos usará."

Essa carta poderia ter sido escrita por milhares de diferentes pastores, porque isso é tão comum – e podemos nos dar por satisfeitos com as coisas boas que Deus nos deu. Mas não quero que você faça isso. Nã quero que você se dê por satisfeito. Não quero que você se esqueça do Senhor. Quero que você siga em frente temendo Seu nome.

Veja comigo por um momento Segunda Pedro capítulo 1, e eu vou lhe dizer exatamente onde eu estou nas palavras de Pedro versículo 12. Segunda Pedro 1:12: "Por esta razão [Pedro diz, escrevendo a sua congregação, em certo um sentido] sempre estarei pronto para trazer-vos lembrados acerca destas coisas." Eu posso entender isso. Você está dando uma oportunidade por Deus; você não quer dar um golpe. É uma santa vocação, uma vocação, um grande privilégio pelo qual você é responsável, é responsável. Mas ele diz, "Eu não quero ser negligente em meu chamado, por isso não vou ser negligente em exortar-vos sempre." E eu estou aqui hoje para fazer o mesmo. Eu não vou dizer nada novo. Vou dizer algumas coisas que são antigas que você precisa se lembrar. Ele diz, "Eu quero lembrar estas coisas a vocês ainda que vocês a conheçam e estejam estabelecidos na presente verdade. Eu sei que você já sabem sobre elas. Vocês só precisam ser lembrados. Vocês só precisam de algo para sacudir sua memória. E eu vou continuar fazendo isso enquanto estou neste corpo de modo que quando eu deixar este corpo, este tabernáculo terreno,” versículo 14 e versículo 15 dizem, "vocês se lembrarão, meso depois que eu estiver morto." Há uma certa virtude em trilhar novamente pelas mesmas coisas básicas que não podem ser esquecidas; e é isso que eu gostaria de fazer, apenas compartilhar meu coração ao longo da consideração dessas coisas.

Muitos pastores vêm aqui para descobrir por que nossa igreja cresce e o que estamos fazendo; e eles geralmente vêm querendo pegar alguns programas que possam aplicar em suas próprias igrejas quando para lá voltarem. Eles vêm para Conferência do Pastor. Teremos uma em outubro. Espero que você participe. Nós vamos ter 250 novos pastores aqui e eles estão desejosos de saber que Deus está fazendo. E eles geralmente vêm pensando que podem pegar os métodos, ferramentas, programas, idéias, e levá-los e aplicá-los em suas igrejas, o que seria como obter um corpo e apenas carregar consigo a pele. Ou seja, eles estão procurando como concretizar o nosso ministério. O que eles não entendem é a coisa toda que está dentro. E assim quando eles vêm para a Conferência do Pastor tentamos ensinar-lhes que--que há uma enorme quantidade sob a superfície que você não vê que é fundamental para levar tudo o mais a fazer sentido. Você vê um ministério funcionando, mas o que você tem que entender é o que está por trás das cenas, que você não pode ver. E assim eu gostaria emprestar uma analogia, se eu puder, do apóstolo Paulo, a analogia de um corpo. Creio que podemos chamar isto de "A Anatomia de uma Igreja." Mas creio que o corpo pode ser visto em quatro funcionalidades. Isto não é clínico. É apenas por uma questão de nossa analogia. Ossos ou esqueleto, sistemas internos, músculos, e carne, e uma igreja, tem que, tem que entender-se dessa forma. Tem que haver uma estrutura, o esqueleto. Tem de haver sistemas internos, que eu chamo aquilo que flui através de certas atitudes. E então tem que haver músculo, que é tipo a função que fazemos, e então iso se materializa na forma de nosso ministério.

Mas a forma não é suficiente. Você não pode simplesmente reproduzir a forma sem o resto. Não vai sobreviver. Não vai ficar de pé. Não vai funcionar. Então eu quero nos levar de volta, se eu puder e, e começar de onde estamos, no início; e é isso que eu acredito que Cristo quer que nossa igreja seja. É nisto que estamos comprometidos, e estamos comprometidos com isto desde o inicio, e continuamos comprometidos, e o futuro é maior que o presente, e muito, se realmente atuarmos juntos. Quer dizer, nós olhamos ao redor e dizemos, "Ei, veja como cheia." Veja, temos uma galeria que estamos esperando para colocar neste lugar. Estamos prontos para colocá-la tão logo sentamos que haja necessidade para isso e deve haver uma necessidade para isso. Nós temos um milhão de pessoas bem aqui neste pequeno vale, e em qualquer domingo, no máximo vinte mil delas estão em uma igreja onde eles estão indo para ouvir a verdade. E isso nos deixa muito aquem, hum? Talvez 980 mil? Podemos ter algum tipo de perspectiva distorcida quando pensamos que tudo já foi feito. Temos pessoas bem aqui ao redor do quarteirão que nunca estiveram na porta deste lugar. Queremos fazer o que temos de fazer no futuro porque Deus nos deu a fundação. Nós não queremos dizer, "Ei, nós construímos as bases. Esta não é uma base encantadora?" Queremos continuar e terminar a casa.

Assim, movendo-nos para aquela metáfora paulina familiar e emprestando-a de seu padrão bíblico, se pudermos, quero, primeiramente falar sobre a estrutura; e acho que isso seja tudo sobre que vou falar essa manhã, somente isso, a estrutura. Para o corpo a funcionar e trabalhar ele tem que ter o esqueleto. Tem de ter estrutura, tem que ter forma. É o esqueleto que dá a estrutura básica, que forma ao corpo. Agora eu creio que há certas verdades esqueléticas com que temos de estar comprometidos. Estas são inegociáveis. São inalteráveis. São invariáveis. São coisas as quais não cederemos de forma alguma; e estas coisas são os esqueleto; e creio que a igreja deve estar comprometida com essas coisas. Quando digo isso, amados, quero dizer você. Você; a igreja é você. Não estou falando sobre algo nebuloso. Estou falando sobre você. Ouseja, estou falando sobre mim também.

Deixe-me mostrar a você o que penso ser as questões esqueléticas inegociáveis, primeiro: uma visão elevada de Deus, uma visão elevada de Deus. Agora eu poderia fazer um retrospecto em todos esses anos e trazer à memória todos os tipos de coisas que nós tentamos ensinar sobre isso, mas eu vou confiar em sua memória para isso e dizer algumas coisas gerais. É absolutamente essencial que a igreja perceba a si mesma como uma instituição para a glória de Deus. Você entende isso? Agora isso é tão básico que simplesmente—que parece que você não precisa nem mesmo dizê-lo. Mas, creio que a igreja, em geral, em nosso país, desceu daquele nível para se tornar uma igreja que ajuda as pessoas. A igreja pensa que seu objetivo é ajudar as pessoas a se sentirem melhor sobre si mesmas, brincar de jogos psicológicos com elas, para consertar seus casamentos, para lhes dar placebos, você sabe, como remendar um casamento; como Marabel Morgan disse, colocando em um traje preto, uma rosa em seus dentes, e ficar debaixo da mesa da sala de jantar, piscando para o seu marido, esse tipo de coisa. Quer dizer se você tem um casamento danificado, você pode fazer isso e ainda ter um casamento danificado, porque há alguns fundamentos bíblicos, e há relacionamentos com Deus que são necessários entre as pessoas se elas querem ter um relacionamento correto umas com as outras. E esses tipos de placebos realmente não são a resposta; mas nós reduzimos a igreja a um órgão ou um organismo que em vez de ter como objetivo conhecer e glorificar a Deus, a uma organização que tem o objetivo de fazer as pessoas se sentirem melhor sobre si mesmas. E essa não é a questão.

Se você conhecer a Deus da maneira correta, em última análise, você será muito melhor. A resposta a tudo em sua vida é conhecer a Deus, não é verdade? Claro, o Senhor é o pricípio de toda a sabedoria. E quando você tem um relacionamento correto com Deus, e você leva Deus a sério, e você se conectada corretamente com Deus então todas as outras coisas ficam em seu devido lugar. Isso não quer dizer que não nos preocupamos com as necessidades das pessoas. Estamos preocupados como Deus está, como Cristo está. Mas quero dizer que há um equilíbrio e tudo começa com uma visão elevada de Deus. Devemos levar Deus a sério. Como eu disse antes, eu, eu algumas vezes penso que Deus fulminaria algumas pessoas durante o momento das ofertas. Quer dizer eu não desejo isso tão fortemente real, mas eu, porque poderia ser eu. Mas o que quero dizer, de uma forma dramática, para ilustrar que Deus precisa ser levado a sério. Nós dizemos, oh, você sabe, alguém morre ou algo acontece, "Como Deus poderia deixar isso acontecer?" Ouça amigo, essa nem é a questão. A questão é, o que você e eu estamos fazendo vivos? O Deus santo já poderia nos ter explodido para fora da existência há muito tempo atrás. Essa é a questão. E porque Deus é misericordioso não há nenhuma razão para você e eu sejamos complacentes e indiferentes. Temos que levar Deus a sério.

Eu, eu fico indignado com esses pregadores que arrastam Deus para fora de Seu trono e o transformam num tipo de servo para os homens, que tem que fazer tudo tudo o que eles pedem. Esta é uma era irreverente. Irreverente. Não sabe como adorar. Mesmo o que chamam de adoração, basicamente, em muitos casos, é simplesmente induzir uma sensação de calor e eles pensam que isso é culto. Sabe-se pouco sobre Deus, e como eu disse na série sobre adoração, somos muito mais Martas e não Marias suficientes. Estamos ocupados servindo o tempo todo, e não sabemos o que é inclinar-nos e lavar os pés de Jesus. Nós não sabemos o que é a tremer diante da Palavra de Deus. Nós não sabemos o que é ter um confronto impressionante com um Deus infinitamente santo que nos deixa quebrados sobre o nosso próprio pecado e portanto utilizável por Ele para a Sua glória. Queremos nos sentir bem em nós mesmos. Queremos nos sentir bem. Queremos ter tudo o que precisamos, ter todos os nossos problemas resolvidos e assim estamos sendo vendidos a um saco de psicologia religiosa que se chama a igreja.

Ouça, eu realmente vou dar um passo adiante e dizer que você poderia pegar 90 por cento de todos os livros que estão sendo escritos hoje e enterrá-los no mar e não iria perder nada com isso. Porque eles são apenas um bando de placebos, superficialmente atacando-os, atacando problemas que não podem resolver. Eu volto na história para épocas quando a igreja era santa e tinham bem poucas coisas para ler, mas as coisas que liam diziam a elas como conectar-se com Deus. Nós temos zilhões de coisas e parecem não resolver o problema. Fiquei espantado recentemente. Disseram-me no Moody que na última conferência para pastores fizeram uma pesquisa com os pastores em que dizia, "No que você precisa de ajuda acima de tudo?" E a resposta foi “na família.” E eu disse, "Espere um minuto. Você não quer me dizer isso. Ou seja, você quer me dizer que, com toda essa coisa sobre esse assunto aí fora, vocês ainda querem mais coisas sobre como ajudar as famílias?" Não é isso. Não é que você precisa mais material. É que, com tudo que já se tem dito, as pessoas não levam Deus a sério, e assim não andam de acordo com as Suas leis, e então eles se vêem no meio dessa bagunça toda.

Então nós continuamos a exaltar a Deus. É por isso que atravessamos uma série sobre adoração, e o livro está lá fora e eu espero que você o leia. Realmente espero. Eu espero que você o leia. Eu conheço você, alguns dizem, "Eu comprei. Eu comprei." Eu sei. Espero que você o leia. Sabe, Tiago diz isso, ele diz, "Chegai-vos a Deus [em Tiago 4:8] e Ele [o que?] chegará a vós outros." Agora o que poderia ser melhor do que isso? Como você gostaria de viver a vida com Deus perto de você? Você não gostaria disso? Bem, com certeza. Você se aproxima de Deus; e Ele vai se aproximar de você. Você diz, "Sim, mas quando você chega perto de Deus, ah rapaz, ele fica nervoso." Com certeza, é por isso que ele diz na frase seguinte, "Purificai as mãos, pecadores." Quanto mais perto você chega de Deus mais você vê o seu pecado, certo? Humilhe-se. Lamente e chore. Converta o vosso riso em pranto, e assim por diante. E então quando você está esfarelado ele diz, "e ele vos exaltará." Mas levaremos Deus a sério, e cremos que Deus deve ser exaltado e enaltecido, e não teremos uma igreja centralizada no homem. Queremos alcançar a todos no amor de Cristo, no amor de Deus. Mas Deus será o foco da nossa adoração, nossa vida. Não olhemos para a Bíblia, portanto, como um lugar que encontramos pequenas formulas para resolver todos os nossos problemas. Olhamos para ela como o livro que revela Deus. Revela Deus.

Há um segundo aspecto inegociável que flui do primeiro que é a autoridade absoluta das Escrituras. A autoridade absoluta das Escrituras; nós não vamos transigir a isto. A Bíblia está sendo atacada constantemente. Li outro dia a resenha de um livro novo de Lewis Smedes do Seminário Fuller em que ele diz que é perfeitamente admissível que dois homens homossexuais tenham um relacionamento porque está dentro da tolerância de Deus. E se você quer manter esse ponto de vista tudo que você tem a fazer é simplesmente eliminar a Bíblia; muito, muito conveniente. E se você é um professor no seminário, parece-me ser um pouco inconsistente estar treinando jovens para ministrar a Palavra de Deus enquanto você a nega. Mas é onde nós chegamos. Agora, isso é um ataque frontal.

Eu acredito que há, há carismáticos que estão atacando a Bíblia, acrescentando todas as suas visões, todas as suas revelações e todas as suas outras coisas como compartilhamos com você no passado. E, e eles, Jesus está dizendo a eles isso; e Jesus está dizendo a eles aquilo; e Deus está lhes falando aqui e ali; e eles tem todo esse material que está sendo empilhado; e eles subitamente e sutilmente minam a Bíblia, porque ela já não é a única autoridade. Talvez eu já tenha lhe contado, mas um homem disse que Jesus veio no banheiro e colocou Seu braço sobre ele, e ele disse, "Enquanto eu estava barbeando." Minha resposta a isso foi, em minha mente, "Você continua se barbeando? Você continua se barbeando?" Porque se você continua se barbeando, não é Jesus, porque se o Deus santo veio no banheiro enquanto você estava se barbeando, você se mataria porque cairia duro no chão. É uma coisa incrível enfrentar um Deus infinitamente santo. Então esse tipo de bobagem; e então pegar estas pequenas mensagens especiais como sendo de Deus.

Ouça, vamos sustentar a Palavra de Deus como a autoridade absoluta. A Bíblia é sempre atacada. O pior ataque de todos vem das pessoas que dizem que creem e não sabem o que ela ensina, não é isso? Esse é o pior ataque de todos. Esse é o mais sutil que há. Mas há pessoas por toda a America que dizem, "Creio na Bíblia de capa a capa." Elas não a conhecem: ponto, parágrafo. Só creem no que não sabem, que é o ponto elevado de uma coisa ou outra.

Jesus disse, "Não só de pão viverá o homem, mas de toda paalvra que procede da boca de Deus." Ouça, é por isso que eu sou um pregador expositivo. Se vamos, se somos alimentados de toda palavra que sai da boca de Deus, então devemos estudar cada palavra, e eu, eu acho que pregação perdeu isso. Agora, pregar, é todo tipo de coisa diferente, menos ensinar a Palavra de Deus, e temos que retornar a isso. Temos que estar examente onde estamos. Precisamos ensinar. Precisamos ensinar toda palavra. Toda palavra, e se você não tem apetite por ela, isso não vai a mudar a maneira como nos sentimos.

Você diz, "Bem, eu, você sabe, nós não precisamos de outro sermão. Nós gostamos de ter comunhão." Bem, isso é bom. Espero que você possa encontrar alguma comunhão. Nós vamos continuar lhe dando a Palavra, simplesmente alimentando você com a Palavra, porque sabemos que faz você crescer. Comunhão é importante; tudo isso é importante, mas não como substituta da Palavra de Deus. Na verdade, se você quer conhecer a verdade, saberá que a melhor, a mais pura, a mais doce e recompensadora comunhão está sempre em torna da Escritura, sempre em torno da Escritura. A prioridade absoluta da Palavra de Deus, é ali que meu coração está. Espero que é onde esteja o seu; e eu vou lhe dizer. Você diz, "Bem já sabemos tanto. Fomos ensinados por tanto tempo." Ouça, isso é o cúmulo do orgulho dizer isso. Quero dizer, o processo de descoberta nunca pára. Nunca para. Para mim não pára, e como eu disse antes, a grande alegria do, do meu ministério da pregação não é a pregação. A pregação é a parte do trabalho. A alegria é a parte da descoberta. É chegar lá, encontrar coisas que nunca vi antes, que nunca soube antes, que nunca compreendi completamente; e isso acontece toda semana em minha vida. Agora, essa é uma aventura que ninguém deveria perder.

Lembro-me de um pastor ele me disse quando eu estava de volta a Michigan uma vez ele disse "Bem" disse ele, "Eu pastoreio dois anos num mesmo lugar, e depois vou embora." Eu disse, "Mesmo?" Ele disse, eu disse, "Você tem feito isso a muito tempo?" "Sim eu estive dois anos aqui, dois anos aqui, dois anos aqui, dois anos aqui, dois anos aqui." Eu perguntei, "Por que?" Ele disse, "Eu tenho 52 sermões. Eu os prego duas vezes. Evou embora." Essa é uma maneira engraçada. Aí perguntei, "E sobre todo o conselho de Deus?" "Eu não dou tudo. Apenas a parte que eu acho que é importante." Ah, eu acho que toda palavra que procede da boca de Deus é importante. Isso é inegociável.

Terceiro: e este flui novamente da segunda sã doutrina. Você começa com uma visão elevada de Deus, e se você se compromete com Deus, então você vai ter que ficar com Sua revelação, a Sua Palavra. Se você faz um compromisso com a Palavra de Deus você vai ficar preso com o que ela ensina e isso é doutrina, sã doutrina. Sabe, amados, há uma espécie de imprecisão doutrinária através Cristianismo Uma espécie de coisa difusa; sermonetes para cristianetes; você sabe, que é legal, pequenas coisas úteis. Eu não sei o propósito final que preencham. Mas eles podem; eles são legais; e às vezes eles são interessantes; e às vezes eles fazem você se sentir emocionado e você se sente aquecido e confuso; e, ah, você se sente triste ou o que quer seja; ou você fica inflado ou seja lá o que for, e assim por diante. Mas não há sã doutrina.

Em outras palavras ninguém proclamando a verdade sobre Deus, a verdade sobre a vida, morte, céu, inferno, a verdade sobre o homem, o pecado, Cristo, anjos, Espírito Santo, a posição do crente, a carne, o mundo, ou o que for. Ou seja, dê-me algo em que possa por mãos à obra. Dê-me uma verdade. É por isso que nós sempre falamos sobre principializar o texto. Você pega um texto. Você descobre o que ele diz e então você vê o que isso significa. Você extrai dele uma verdade divina, e você estabelece essa verdade na mente das pessoas martelando essa verdade cerca de dez maneiras diferentes. Caso você não saiba, é isso que faço quando prego. Conduzo você através da passagem, puxo uma verdade divina e bato em você de dez maneiras. A partir dessa passagem e daquela passagem comparativa, e desta passagem e daquela outra passagem, e assim por diante, até que tenha estabelecido em sua mente em sua mente uma verdade, uma verdade sólida. Eu fazia isso quando era jovem, porque meu pai me deu uma Bíblia quando saí do ensino médio. E, diante dela, ele me encorajava a ler 1 e 2 Timóteo; e eu lia. E eu continuava a ouvir Paulo dizendo a Timóteo, "Ensina a sã doutrina. Ensina a sã doutrina. Ensina a sã doutrina. Nutra-se a você mesmo, seu próprio coração e comunique ao seu povo. Sã doutrina."

Houve uma época em que os pastores eram teólogos. Agora eu não sei. Eu, quando eu penso sobre o fato que Dick e eu voltamos ao Congresso ICBI, em Chicago, não sei. Foi há um ano atrás, acho, Dick. E havia três pastores, eu acho, fora uma centena de estudiosos – bem, quatro incluindo eu você, quatro de nós, e mais 96 sujeitos de faculdades e seminários. Quando eles reuniram as pessoas para discutir a Bíblia, eles nem sequer pensaram nos pastores; e aquilo não era necessariamente uma reflexão, como se não houvesse uma. Simplesmente que eles não estavam em busca de alguém que pudesse lidar com a Escritura, francamente, não sei porque estávamos lá. Mas, mas perdemos essa, essa clareza doutrinária e distintiva da pregação, que realmente pertence ao púlpito. As pessoas precisam de respostas, respostas sólidas da Palavra de Deus.

Escrevi uma carta algumas semanas atrás a tdos os vários ministérios que conhecemos que estão no rádio, e colocamos uma questão diante deles. Respondemos questões bíblicas todo o tempo. Colocamos uma questão apenas para ver como todos responderiam. Uma questão foi enviada, e todos que responderam nos deram respostas diferentes. Assim se você tivesse buscado aconselhamento de todos esses ministérios, cada um deles lhe daria uma resposta diferente. Agora isso, isso é triste de certa maneira. Há muita confusão sobre coisas que deveriam ser, e que na verdade são, claras na Palavra de Deus.

Estamos comprometidos em esboçar algumas conclusões bíblicas. Lembro de quando atravessava o livro de Efésios cedo no ministério aqui e estabelecia a posição do crente em Cristo, que era fundamental para esta igreja. E outro dia eu estava, eu estava com meu treinador de futebol do coloegial. E fazia tempo que não o via, exceto uma vez quando ele veio à igreja e ele se foi com o Senhor, e ele está, eles está ensinando a Palavra de Deus. Ele é uma pessoa maravilhosa, e estávamos rememorando algumas das coisas tolas que aconteciam quando jogávamos bola na escola. E ele me disse, "Sabe de uma coisa, John?" Ele disse, "Você firmou como que no concreto minha vida na medida em que eu compreendia a posição do crente porque ouvi as fitas de Efésios capítulo 1 diversas e diversas vezes, e então passei a ensiná-la por muitos e muitos anos aos jovens, e”, ele disse, “a sólida compreensão da doutrina da posição do crente em Jesus Cristo deu fundamento a toda a minha vida." Bom, você vê, não estou recomendando a mim mesmo. Isso está no livro de Efésios. Esse é o Espírito Santo. Mas o que eu estou dizendo é que é o tipo de coisa que as pessoas podem construir uma vida sobre uma doutrina saudável e sólida. E creio que devemos ensinar a Palavra de Deus, e ensiná-la com princípios que são verdades divinas; que são fundamentais para a vida, muito essenciais. Assim, se você quer saber sobre anjos, temos que ter verdade que seja concreta e, e clara sobre anjos. Você quer saber sobre demônios, então devemos ser capazes de estabelecer o que a Bíblia ensina sobre isso, então vamos sempre nos apoiar sobre um conteúdo sólido.

Um quarto item inegociável, e você sabe estas coisas, e qeuro apenas lembrá-las a você. A quarta é a santidade pessoal. Santidade pessoal. Temos que sejamos todos vitimizados por uma sociedade absolutamente ímpia. Quer dizer, eu simplesmente me encolho no meio da sociedade em que vivemos. A sujeira, o lixo que é bombeado interminavelmente, não só filosoficamente, que, que corrompe a mente em relação a Deus, mas toda a coisa imoral, como um mar disso gotejando de um esgoto quebrado. Na verdade o esgoto não está apenas quebrado, mas completamente destruído e inundando o lugar todo. Eu, eu não sei se isso é novo ou não, mas eu, eu sempre tive problema com a música contemporânea, porque eu acho—não só odeio e muito, o estilo em si, mas o, eu tenho problema com isso, mas basicamente—que as insinuações sexuais das letras são tão vis e miseráveis. E eu, você tenta algumas vezes dizer isto às crianças e elas dizem, "Bom, você não entende. Você já está velho. O que você sabe, você sabe? E você não entende onde estamos; e, eu, eu, as letras são todas boas. Eu as entendo do jeito que quero." E blah-blah.

Bom, recentemetne, eu liguei em um destes—na TV, e eu—eu vi um desses vídeos de música. Aquilo se instalou em mim. Quando colocam esse tipo de música de modo visual, é uma imundicie. É. É, em primeiro lugar, suas conotações sexuais são excessivas. Em segundo lugar, é totalmente desconectada com qualquer forma da realidade, a qual divorcia as pessoas do raciocínio claro, são e lógico e de uma compreensão da realidade. É como tentar induzir uma droga alta; totalmente desconexa. Assisti a tudo aquilo totalmente desconexo, totalmente desarticulado e sem sentido, sem ritmo ou razão, sem conexões lógicas com o que estava em andamento. Na verdade era tudo absolutamente bizarro. Ou seja, eu posso estar com 43, mas eu não estou completamente senil. E se você cooca esa coisa de modo visual, então é isso que você tem, iso é um lixo. E então você, você tem toda uma geração de pessoas, você sabe, atolada nisso.

Ouça, pessoal, começamos a esboçar algumas linhas, quando isso chega na santidade pessoal, e sendo cuidadosos, onde expomos a nós mesmos nossos filhos e as pessoas à nossa volta. Você não pode ficar desfilando dentro e fora da sala de cinema e assistir a qualquer coisa que seus olhos possam definir e expor-se a tudo isso e não pagar um preço. Eu fui atingido por isso, e disse a mim mesmo, "É assim que se encontra nossa sociedade?" Eu não vou a cinemas, então não vejo essas coisas, por isso foi um choque para mim. É assim que está nossa sociedade? É isso que se passa on pensamento e nas mentes confusas e caóticas das crianças sendo soprado em seus cérebros, esse tipo de coisa? Eu acho que somos chamados a uma pureza de vida e não podemos negociar isso. Não há nenhuma compreensão lá. Não há nenhuma. Não transigimos com isso, queremos cumprir com a pureza da santidade, com o padrão da pureza da santidade.

Segundo Coríntios 7 sempre vem à mente. Versículo 1: "Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus." Queremos reforçar isso. Por isso temos disciplina eclesiástica. Por isso, se alguém peca, temos ue ir a eles. Você tem que ir a eles. Eu tenho que ir a eles. Nós temos. Nós temos. Recebi a carta de uma pessoa, ele me escreveu e disse, "Quero lhe dizer isso. Uma das pessoas da diretoria da sua igreja é isso, isso e aquilo, e ele fez isto, isso e aquilo, e tudo aquilo outro." Ele estava depenando um membro da equipe pra mim. E respondi dizendo, "Caro amigo, Se você tem algo contra um irmão vá para aquele irmão. Você não deve caluniar esse irmão na minha frente. Eu não aceito o que você disse. Você deve ir até ele se você tem um problema. Você resolve isso. E se está resolvido eu nem preciso saber. Mas não acuse um servo de Jesus Cristo para mim que você nem sequer foi até ele." Bem ele me escreveu de volta uma bela carta e confessou o pecado que ele havia cometido e pediu que eu o perdoasse e disse que ele tinha aprendido uma lição para a vida toda. Bom, tudo bem, e ele pode resolver aquilo com o irmão com quem se sentiu ofendido. Eu nem tenho certeza de que havia tal ofensa. Mas se você acha ser isso teimosia, isso é simplesmente ser bíblico. Nós só queremos que a igreja seja pura, certo? E por isso queremos lidar com esse tipo de coisa em amor é claro, em amor.

Você chega na área de santidade pessoal e, e você pode ver quanto já perdemos nessa área. Quer dizer, o que dizer sobre a nossa vida de oração que cultiva essa santidade? Como é? E sobre o estudo da palavra de Deus? E sobre o jejum? E sobre meditar? Quando você se senta e medita na palavra de Deus? Quando você faz isso? Você diz, "Bem, eu sou um ancião. Eu sou um diácono. Eu, eu, eu preparo meu estudo da Bíblia." Não, não, quando você se senta e medita na palavra de Deus? Quando você medita por um período prolongado de tempo e se aproxima de Deus em um momento de oração que se estende para além de um momento? Onde estamos em termos de santidade? Onde estamos em termos de verdadeira comunhão com o Deus vivo? Você vê, não são só os líderes. São os líderes. Sou eu e outros na liderança, mas é também de vocês. Quero dizer, nós não podemos sentar e viver vidas cristãs comprometidas pela metade e esperar que a obra de Deus seja feita da maneira de Deus.

Bem, há apenas mais um último, e eu vou lhe falar este brevemente. Autoridade espiritual. Autoridade espiritual. Eu acredito, de todo meu coração, que uma igreja deve entender que há autoridade sobre as pessoas na igreja e que a autoridade é Cristo, que é a cabeça, que media seu governo por meio de anciãos tementes a Deus. É só isso que a Bíblia diz. Ou seja, que eu não inventei isso. A Igreja Presbiteriana não inventou isso. Isso é o que a Bíblia diz; que os anciãos governam sobre vocês no Senhor. É simples assim. Eles têm autoridade.

Agora, isso pode ser abusado. Há homens que conseguem ser esse lugar de autoridade, e exercem essa autoridade, como se fosse uma autoridade dada a eles pelo escritório ou por sua própria personalidade. Não é isso. É a autoridade da Palavra de Deus nas mãos de um homem de Deus. Em outras palavras eu não tenho qualquer autoridade para lhes dizer "Escute gente construam aquele edifício lá fora." Ou "Escute gente eu quero um pouco mais de férias ou aumentar o meu salário ou exijo que estas paredes sejam pintadas de verde porque eu estou em posição de autoridade." Eu não tenho qualquer autoridade sobre a pintura. Eu não tenho qualquer autoridade sobre essas coisas. A única autoridade que eu tenho é de falar e aplicar a Palavra de Deus certo? E quando você, quando um homem fica fora disso ele viola; mas quando se trata da Palavra de Deus há autoridade lá. Há autoridade.

Rapaz, algumas pessoas são tão paranóicas com isto. Quando eu estava em Nova York neste verão, um sujeito me deu um jornal de vinte-cinco páginas. Ele disse, "Eu acho que você vai se interessar com isto." Ele me deu este jornal xerocado, grande e grosso, vinte e cinco páginas, o título era "A Heresia do MacArthurism" e ele não estava falando sobre o geral; "A Heresia do MacArthurism". E então eu estava ansioso para descobrir o que eu era--de que forma era um herege; e então eu, eu comecei. "Em primeiro lugar atente para John MacArthur porque por fora ele parece ser um bom homem; mas aqui estão os fatos. Um, ele é anti-evangelismo. Dois, ele é anti-missões," e em seguida ele continuou por cerca de dez itens; e a última foi, "Ele acredita em anciãos e isso é o mais mortal de todos." Vê? Como se eu tivesse inventado os anciãos, como alguns herege? A verdade é que algumas pessoas simplesmente não querem estar sob autoridade espiritual; e talvez, em favor deles, podemos dizer que estavam meio cansados em seu entendimento disso, porque alguns abusaram da autoridade. Mas a igreja deve entender, amados, que Deus deu aos homens piedosos da igreja, que têm a autoridade, que representem Jesus Cristo pelo exemplo e preceito naquela igreja; e a igreja, em amor deve estar sob sua liderança; e não será impecável; não vai ser perfeito.

Ouçam, oramos constantemente para que estejamos o mais perto disso o quanto possível; mas sabemos que haverá falhas. Alguém disse, "A única diferença com os cristãos em seu exército é que eles atiram em seus feridos," o que significa dizer que quando alguém faz algo errado no corpo cristão às vezes eles são atacados impiedosamente. Não é errado fazer errado. Ou seja, é errado fazer errado, mas não é, em última análise, um desastre fazer errado se você confessa e segue em frente, só se você continuar naquilo. E assim quando algo é feito que não é tudo o que deveria ser, seremos os primeiros a querer saber disso e seguir em frente, glória ao Senhor. Mas temos de entender que foi dado à igreja aqueles que devem ser nossos líderes; e em 1 Tessalonicenses 5, diz para honrar essas pessoas, estima-las grandemente por causa do amor por seu trabalho. E em Hebreus 13, diz para submeter-se a eles, pois eles velam por suas almas. Sigam seu exemplo. E nós temos uma pluralidade de líderes aqui. Eu sou, eu sou apenas um deles.

Você diz "Bem como é que você é o cara que sempre prega?" Bom, essa é apenas a maneira como os dons operam. Ou seja, você tinha, você tinha doze apóstolos certo? Mas cada vez que há uma lista deles - e há quatro listas em Mateus, Marcos, Lucas e Atos - em todas as listas Pedro sempre é nomeado primeiro; e ele sempre foi o porta-voz. Essa é apenas a maneira que é. Não significa que eles eram – que ele é melhor do que ninguém. Na realidade, se a verdade fosse conhecida, ele provavelmente seria o pior da maioria deles; mas ele tinha os dons a esse respeito; e há variedade de dons. Pedro e João viajaram juntos. Você acha que João não tinha algo a dizer? Tente de novo. Ele escreveu Apocalipse, 1, 2, 3 João, o evangelho de João e, sem dúvida, com a sua intimidade com Jesus Cristo poderia ter oferecido grandes coisas. Mas cada vez que ele está com Pedro por 12 capítulos ele nunca abre a boca. Por que? Porque Pedro tinha o maior dom em termos da fala, ou o dom mais original em termos de falar. Quando você chega em Paulo e Barnabé sabemos que Barnabé era um grande mestre e um grande orador, e provavelmente um dos líderes na igreja até que Paulo chegou; mas ele e Paulamo viajar juntos; e até mesmo os pagãos diziam que Paulo era o orador principal. Assim há variedades de dons. Mas no todo, há uma igualdade de autoridade espiritual e liderança dada àqueles que a Bíblia chama de anciãos ou pastores, bispos. Temos que entender isso e esta igreja estará sempre sob os cuidados dessas pessoas, sempre.

Então o que dissemos? Se a igreja vai ser o corpo de Cristo tem que ter a estrutura certa. Tem que ter uma visão elevada de Deus e sua busca de ser: a de conhecê-Lo conhecê-Lo conhecê-Lo. E na busca por conhecê-Lo ela tem que ter uma visão elevada das Escrituras, pois só esse é o lugar onde Ele pode ser conhecido. Assim teremos essa elevada visão da Escritura; e estaremos comprometidos com a clareza doutrinária, a sã doutrina, a santidade pessoal; ebmeteremos nossas almas ao cuidado daqueles que estão sobre nós no Senhor como autoridade espiritual. Eu digo isto a estes pastores o tempo todo. Se você não te essas cinco coisas trabalhando por você em sua igreja, tudo o mais que você faça fará com curto alcance, superficial, porque estas são as coisas. E eu lhe digo isso também. Vejam, homens, vocês não vão conseguir isso em 18 meses. A permanência média de um pastor agora em uma igreja é de dois anos e seis meses. Você não pode fazê-lo. Leva anos para estabelecer este tipo de fundamento e isso é apenas o esqueleto. Nós nem sequer falamos sobre os sistemas internos, os músculos e em seguida ad carne.

Eu quero que você saiba que eu só tenho uma vida para viver, e sinto o Espírito de Deus dizendo que vou vivê-la e dá-la aqui, e eu não poderia estar mais feliz. Para mim a aventura está apenas começando, e eu não estou dizendo, "Ei, fizemos esse grande negócio, agora vamos todos nos espalhar e ir para todos os lugares e fazer tudo." Não, senhor, esta é a paixão do meu coração, esta igreja; e eu acredito que Deus tem um grande futuro para nós se pudermos ver onde a verdadeira guerra está, estando comprometidos com as coisas realmente fundamentais, e isso significa vocês. Você, como indivíduo, você é nossa esperança. Vamos nos curvar em oração.

Pai, realmente tocamos em algumas coisas importantes para Ti. Nem sempre podem ser tão importantes para nós, mas deveriam ser, porque elas são as coisas mais importantes para Ti, porque Tu és importante para Ti. Tu és Deus; e Tua Palavra é importante; e o que ela ensina é importante; santidade é importante, porque isso é o que Tu desejas; autoridade espiritual é importante, porque Tu desejas governar sobre Tua própria igreja, em Teu próprio reino, porque Tu és o Rei. Ajuda-nos a considerar importante o que consideras importante e não gastemos todo nosso tempo brincando com trivialidades que não importam. Ou pior, tornando-nos apáticos e indiferentes porque fomos separados do mundo ou porque demos por certo as coisas que fizeste, porque não faziamos parte da batalha. Ou talvez, Senhor, fizemos parte da batalha, mas tipo que nos aposentamos. Traga-nos de volta, ó Pai. Faça uma obra em meu coração e em cada coração que será para a Tua glória.

This sermon series includes the following messages:

< !--Study Guide -->

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize