Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Pegue a sua Bíblia e vamos ver Mateus capítulo 2. Mateus capítulo 2. E nós estamos examinando os versículos 13-23 em nosso estudo contínuo do Livro de Mateus. E sei que muitos de vocês realmente foram abençoados já que compartilhamos. Deixe-me voltar e começar a correr neste texto. O tema central de toda a profecia do Antigo Testamento é o próximo rei. O próximo rei que governará no reino prometido de Deus.

Se há uma grande ênfase de toda a profecia do Antigo Testamento é que Deus vai estabelecer seu governo Deus vai ter um reino como nenhum outro reino jamais foi e haverá um indivíduo muito especial que será O rei naquele reino. E esse indivíduo é claro não é outro senão o próprio Senhor Jesus Cristo.

Esse é o tema da profecia do Antigo Testamento. Uma e outra vez o Antigo Testamento promete que há quem venha a cantar quantas como circunstâncias oportunas indicadas pelo Espírito de Cristo que neles estivessem ao lado de um testemunho sobre os sofrimentos referentes a um Cristo e sobre as quais o seguidores Aquele que tem o caráter aquele que tem a sabedoria aquele que tem o poder necessário para ferir a cabeça do usurpador como diz em Gênesis 315 aquele que é capaz de retomar o domínio perdido do homem e estabelecer o reino de Deus Na terra e por toda a eternidade. E este este especialmente ungido o Messias o Ungido o rei. Essa é a mensagem dos profetas do Antigo Testamento.

Na verdade como eu observei na última vez para você provavelmente há 332 profecias específicas cumpridas pelo Senhor Jesus Cristo para que cada faceta de sua vida esteja coberta nas profecias do Antigo Testamento. E os profetas é claro de acordo com 1 Pedro capítulo 1 - você pode olhar para ele por um momento - como eles escreveram estas coisas realmente não entendeu a plena importância. Eles sabiam que estavam escrevendo sobre alguém que viria mas não tinham certeza exatamente todos os detalhes.

E assim em 1 Pedro 1 9 fala sobre "a salvação de nossas almas da qual a salvação os profetas têm investigado e procurado diligentemente que profetizaram da graça que deve vir a você". Em outras palavras embora eles profetizaram Este rei salvador eles olharam em suas profecias para obter uma compreensão completa do que eles queriam dizer com o que eles disseram.

Versículo 11. "investigando, atentamente, qual a ocasião -" literalmente "- ou quais as circunstâncias oportunas, indicadas pelo Espírito de Cristo, que neles estava, ao dar de antemão testemunho sobre os sofrimentos referentes a Cristo e sobre as glórias que os seguiriam." Eles receberam profecias, mas eles olhavam para elas e as procuravam para tentar entender quem e quando cumpriria essas tremendas profecias. Assim, o Antigo Testamento nos apresenta um rei, e não apenas um rei, mas um rei humano. E não apenas um rei humano, mas um rei divino, o Deus Jeová, o rei encarnado.

E a maravilha do Novo Testamento, e a maravilha dos Evangelhos, em particular Mateus,, Marcos Lucas e João, é que eles reuniram a resposta a muitas dessas profecias e as focalizaram diretamente na pessoa de Jesus Cristo como algum foco divino e ele se torna o único que pode cumprir essas profecias. Todos os impostores são desmascarados por sua incapacidade de corresponderem à imagem, e Jesus Cristo é solidificado como aquele que foi profetizado, porque em cada parte ele se encaixa no que os profetas disseram.

A partir de Mateus, que começa o Novo Testamento, desde o primeiro capítulo de Mateus, a partir do primeiro versículo de Mateus, a genealogia real do rei é apresentada. Por todo o caminho até o Apocalipse, e quando você chegar ao livro do Apocalipse, ele termina com o Rei dos reis reinando em Sua glória. O Novo Testamento, desde o início de Mateus, até o fim da revelação tem a intenção de nos apresentar aquele que cumpriu as predições do rei aquele que é o rei.

O termo, por exemplo, o termo para reino no Novo Testamento, é a palavra grega basileia. O termo para reino é usado 144 vezes no Novo Testamento para falar do reinado de Jesus Cristo. O reinado de Jeová Deus. Cento e quarenta e quatro vezes fala sobre seu reino. O termo para o rei, basileus, em uma forma do termo para o reino, obviamente, é usado 115 vezes no Novo Testamento e pelo menos 35 daqueles tempos em referência direta a Jesus Cristo.

E a forma verbal basileuō, um verbo que significa "reinar", é usada em referência a Cristo dez vezes. Cento e oitenta e nove vezes, pelo menos, no Novo Testamento, Jesus Cristo está associado com o reino que Deus prometeu, nos profetas, que ele traria. E esse é um grande e vasto uso da terminologia para o Novo Testamento, isso nos ajuda a ver que o Novo Testamento enfatiza o fato de que ele é um rei.

E toda o motivo para Mateus 1 e 2, é para vindicar as mesmas palavras de Jesus que eu sou um rei. Para este fim eu nasci. E eles, pelo menos do povo judeu, deveriam ter sabido, pelos acontecimentos de seu nascimento, que de fato ele era um rei. Mesmo desde o início era evidente. Era evidente em sua genealogia no capítulo 1. Era evidente no nascimento virginal que contornou a maldição. Era evidente na adoração dos nomeadores de reis persas que o viam como o monarca que ele era. Era evidente no antagonismo de Herodes, que como um rei só teria sido ameaçado por outro rei e assim, de volta à camuflagem desonesta, Herodes reconhece Jesus como rei por seu medo de ele tomar seu próprio trono.

Os dois primeiros capítulos de Mateus são para solidificar que ele nasceu um rei. Agora, a maneira final em que Mateus faz isso é tirando da palavra profética, tirando da era do Antigo Testamento, quatro profecias que apontam para o rei e mostrando como Cristo cumpre cada uma. O rei cumpre a profecia. Quatro profecias mostrando que Jesus é o rei. Quatro figuras do passado que se cumprem nele.

E elas são muito interessantes. Estão conectadas cada uma com uma localização geográfica. Belém, Egito, Ramá e Nazaré. São uma unidade literária que aparece no segundo capítulo. Há um método pelo qual Mateus estava dizendo aqui, como ele puxa essas quatro profecias juntas. E sempre foi incrível para mim, quando eu estudava estas quatro, como seria impossível, humanamente falando, para o nascimento de uma pessoa, ter envolvido Belém, Egito, Ramá e Nazaré.

Quer dizer, isso em si, uma pessoa nasce em um lugar e geralmente é isso. Mas ter rotacionado em quatro posições diferentes no significado, ou ter tido pelo menos eventos significativos em quatro lugares, todos servindo ao seu nascimento, compondo a situação de modo que a possibilidade seja eliminada. "Quem quer que seja capaz de cumprir estas quatro" diz Mateus "é digno de ser coroado rei". A profecia nos diz que ele é um rei.

Agora, da última vez, discutimos o número um, e o primeiro estava nos versículos 2:4-6 o nascimento em Belém. E em 2:4 Herodes "então, convocando todos os principais sacerdotes e escribas do povo, indagava deles onde o Cristo deveria nascer. Em Belém da Judéia, responderam eles, porque assim está escrito por intermédio do profeta."

E então Mateus acrescenta o que o profeta disse com algumas de suas próprias palavras sob a inspiração do Espírito Santo e diz "E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar a meu povo, Israel.”

A primeira profecia foi a de Miquéias 5:2 de que o Cristo nasceria em Belém. Esse foi o primeiro que deveria ter apontado para o fato de que este era o rei. O segundo vimos nos versículos 13 a 15, não é mesmo? E chamamos-lhe o êxodo para o Egito. O nascimento em Belém o êxodo para o Egito. E você se lembra do que aconteceu "quando eles foram embora -" versículo 13 "- eis que o anjo do Senhor -" isto foi depois que os magos tinham partido, sendo advertido por Deus o anjo "is que apareceu um anjo do Senhor a José, em sonho, e disse: Dispõe-te, toma o menino e sua mãe, foge para o Egito e permanece lá até que eu te avise; porque Herodes há de procurar o menino para o matar." Quando ele se levantou pegou a pequena criança e sua mãe de noite, e partiu para o Egito. E ficou ali até a morte de Herodes, para que se cumprisse o que foi dito pelo Senhor através do profeta" E isso foi Oseias capítulo 11:1, "Do Egito chamei meu filho."

E assim Cristo cumpre o segundo elemento. Ele foi chamado para fora do Egito assim como nasceu em Belém. E vimos a bela tipologia ao comparar Israel como o filho de Deus, em Oséias, com o Senhor Jesus Cristo como filho de Deus em Mateus.

Agora isso nos leva à terceira profecia, e onde queremos começar em nosso estudo hoje à noite, e estamos chamando isso de devastação de Ramá. A devastação de Ramá. O nascimento em Belém, o êxodo do Egito, o assolamento de Ramá. Versículos 16 a 18. Esta não é uma passagem fácil para se relacionar com a profecia, então eu quero que você pense claramente comigo enquanto caminhamos.

Agora lembre-se, Jesus nasceu, sem dúvida, num estábulo, numa caverna ao lado de uma colina em Belém. Quando os magos chegaram ele já estava com alguns meses de idade. Eles fugiram para o Egito e ficaram ali por alguns meses, e então o anjo lhes disse que podiam voltar. Com toda a probabilidade depois que Herodes morreu haveria muito pouco tempo perdido e eles começariam a retroceder.

Mas isso ainda não era para ser, porque algo está aqui em um interlúdio. Antes do regresso deles, voltamos para a terra de Israel, e é o que encontramos acontecendo versículo 16. "Vendo-se iludido pelos magos, enfureceu-se Herodes grandemente" E aliás, a palavra "iludido", empaizō, no grego significa "zombar", geralmente, mas por causa de um uso dele na Septuaginta em Jeremias 15:10, é usado lá para enganar.

Também tem a implicação de enganar alguém não apenas zombando mas zombando deles por truques. E isso é o que Herodes supôs que os magos haviam feito a ele. Tinham-no enganado voltando por outro lado.

E assim "quando ele viu que ele foi iludido -" ou enganado, "- pelos sábios -" os magos "enfureceu-se Herodes grandemente e mandou matar todos os meninos de Belém e de todos os seus arredores, de dois anos para baixo, conforme o tempo do qual com precisão se informara dos magos."

Agora você vai se lembrar que mais cedo, na narrativa, no versículo 7 Herodes tinha investigado diligentemente os sábios em que momento o Cristo nascera, o tempo em que o rei nasceu. Não porque quisesse que a informação validasse o rei mas porque queria matar o rei e queria determinar a idade. E então ele fez essa pergunta. E aqui nos diz que quando ele descobriu essa informação ele começou a "matar todas as crianças de dois anos para baixo" porque isso estava dentro do intervalo de tempo que os sábios tinham dito.

Agora vamos olhar para o versículo 16 e apenas tomat um pouco de tempo e ajudá-lo a entender. Herodes, é claro, a esta altura, se já esteve conosco sabe que ele era um homem horrível, cruel, inacreditável, matando pessoas durante todo o seu reinado como rei edomita de Israel. Mas aqui diz que foi enganado pelos magos e ficou extremamente irritado.

Esta é a palavra grega thumoō é uma palavra muito forte. Significa literalmente "raiva violenta". Raiva violenta. Ele literalmente ficou com raiva. Ficou furioso. Interessante, acho eu, se bem me lembro é uma forma passiva. Em outras palavras ele estava fora de controle. Ele não estava fazendo isso voluntariamente. Estava sendo feito com ele. Ele estava fora de controle com sua raiva.

E isso realmente cegou seu senso. Quer dizer, se ele tivesse senso de alguma coisa, ele teria perdido totalmente. Ele teria dito "Bom, se os homens sábios, os magos, foram inteligentes o suficiente para não voltar, eles provavelmente foram também inteligentes o suficiente para ter avisado a família que tinha o bebê, certo? E a família que teve o bebê teria fugido. Se ele tivesse usado sua cabeça ele teria pensado nessa linha. Se me enganassem certamente teriam avisado essa família. Se eles zombaram de mim, certamente eles teriam cuidado disso.

Mas como a raiva o cega, e ele nem sequer pensa nisso, ele ordena o massacre de todos os meninos na região. Enviou seus soldados para matá-los todos. E sem dúvida você pode imaginar os bandos de soldados indo de casa em casa e perseguindo mães em fuga que agarravam em seus seios seus pequeninos e vendo os soldados arrancar o bebê dos braços das mães e com a espada perfurar seu coração até estarem morto. Foi o que aconteceu em Belém por causa da raiva desse homem.

Agora ele diz não só Belém mas em todas as suas fronteiras circundantes. E você vai notar também que foi a partir de dois anos de idade e abaixo. É muito interessante para mim que Herodes nunca se incomodou se este era o verdadeiro rei. Poderia ter sido o verdadeiro rei se ele tivesse pensado nisso. Ele provavelmente até pensou que era, porque os profetas haviam dito que nasceria em Belém, e eu realmente acredito que ele percebeu em sua mente que isso era provavelmente a coisa real, e eu consegui me livrar dele. Então ele começou a executar o verdadeiro rei de Israel o verdadeiro rei Messias.

Assim, ele matou, diz, todas com dois anos de idade e abaixo. É interessante porque ele fez isso, porque eu estou convencido de que o bebê não teria mais do que - bem talvez no máximo cerca de seis meses de idade neste momento. Por que o estenderia a dois anos? Alguns comentaristas acreditam que qualquer bebê que tivesse passado seu primeiro aniversário, seria constituído de dois anos de idade. Mas quando um bebê completava 13 meses, pensava-se como se tivesse dois anos de idade. Estava em seu segundo ano. E então ele estava realmente trazendo tudo para baixo desse nível.

Outros dizem, não, isso significa dois anos de idade, e o que ele estava tentando fazer era ter certeza, no caso de os magos estarem errados ou terem calculado mal, ou talvez no caso de eles tentarem enganá-lo um pouco da primeira vez, ele estava querendo abranger todos que tinham essa idade ou aproximadamente. E assim ele calculou dois anos. Seja lá o que for, sentia em sua mente que se ele matasse todos os meninos menores de dois anos conseguiria o que queria.

Bem nós não precisamos falar sobre quão perverso é. É obvio. É inconcebível que um homem faça isso. Mais inconcebível, quando você percebe que ele provavelmente sentiu que este era o Cristo, este era o Messias, este era o rei. Que crime mau, vil, incrivelmente hediondo. E a ação perversa, é claro, foi o que eu acho que poderíamos chamar de início de tristezas para Israel ao rejeitarem seu rei. Este foi apenas o começo. Sinto que Mateus quer que vejamos que quando o início da vida de um Messias ocorre, há rejeição que resulta na morte desde o início, incredulidade, maldade, calamidade, tragédia.

E aliás, amados, se vocês acham que a chacina em Belém era alguma coisa, ouçam. Isso não era absolutamente nada. Isso não era nada comparado ao desastre que aconteceu em 70 d.C. quando 1.100.000 judeus foram abatidos pelos exércitos de Tito. Isso foi apenas o começo.

E vou lhe dizer uma outra coisa. Essas duas coisas não são nada, comparadas com o que acontecerá na grande tribulação, quando o falso messias, maior do que Herodes jamais sonhou em ser, virá e derramará muito mais do sangue de Israel do que jamais foi derramado. Este foi apenas o começo. Apenas o começo.

Você diz "Bom, por que isso está incluído aqui?" Porque cumpria a profecia. Veja o versículo 17. Na morte desses bebês "se cumpriu o que fora dito por intermédio do profeta Jeremias: Ouviu-se um clamor em Ramá, pranto, [choro] e grande lamento; era Raquel chorando por seus filhos e inconsolável porque não mais existem." Ou seja, eles não existem mais. Eles estăo mortos. Eles se foram.

Agora eu quero que você fique comigo nisso, para que você entenda. Mateus diz que isto foi feito para cumprir a profecia. Este é o único dos Evangelhos que se refere a este incidente, e isso é interessante. Mas se encaixa no tema de Mateus, de profecia cumprida no nascimento de Cristo para estabelecer que ele era o rei.

Quais foram as circunstâncias em que essa profecia foi proferida? E para isso você deve se voltar para Jeremias 31:15. E isso é fascinante. Jeremias 31:15. E já aprendemos nas duas primeiras profecias que, às vezes os escritores do Novo Testamento, realmente nos surpreendem pela maneira como usam o Antigo Testamento.

Às vezes simplesmente não entendemos esse tipo de uso, e temos que ampliar nosso pensamento um pouco. E eu quero que você veja o que acontece aqui. A profecia está em Jeremias 31:15 e o que é interessante sobre isso é que não parece aqui ser uma profecia. É uma profecia - agora observe - porque Mateus disse que era, não porque é inerente a este texto.

Jeremias 31:15. "Assim diz o SENHOR: Ouviu-se um clamor em Ramá, pranto e grande lamento; era Raquel chorando por seus filhos e inconsolável por causa deles, porque já não existem." Agora, aí está o texto. Existe a profecia. Agora vamos falar sobre a configuração para que possamos entender como ela se aplica.

A profecia de Jeremias foi talvez a mais trágica profecia de todas na história de Israel porque ela proferiu a condenação de uma nação moribunda. O seu tipo era como a canção do cisne e ele a proferiu com lágrimas. Ele sabia que ninguém a ouvia e ninguém se arrependia, e o cativeiro era realmente inevitável. E assim Jeremias pronunciou condenação.

E mais tarde veio um, maior que Jeremias, que novamente iria pronunciar o mesmo destino para a mesma nação e ele também o faria com lágrimas. Um dia ele se sentou sobre Jerusalém, e a Bíblia diz que ele disse, "Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes!"

E a Bíblia nos diz que ele chorou. E assim, Jeremias se senta, em vista de um povo que está condenado, e chora. E Jesus se senta em ista de um povo que está condenado e chora. Agora - fique comigo e veremos como tudo isso se encaixa. Não me deixe agora. Mesmo na profecia de Jeremias há uma grande esperança acredite se quiser.

Na verdade isso é muito interessante. De Jeremias capítulo 30 a Jeremias capítulo 35 - ou melhor 33, de 30 a 33 há 4 capítulos no coração deste livro que estão cheios de esperança alegria e conforto. Jeremias está falando sobre a condenação e o cativeiro babilônico que veio, não muito tempo depois, e levou todos eles, e foi uma terrível tragédia. Mas no meio dessa desgraça há um grande conforto e grande esperança nos capítulos 30 a 33.

Então note isso. Esta declaração sobre choro e lamentação e as crianças e tudo isso, está bem no meio da esperança, bem no meio do conforto, bem no meio da seção de alegria. Por quê? Porque mesmo que haja choro, e mesmo que haja lamentação, e mesmo que haja choro, esses capítulos olham para frente, para o Messias que vem. Esses capítulos contemplam o futuro Messias. Estes capítulos olham para a frente, para quem vai vir e fazer a coisa certa. Vai haver uma mudança.

Na verdade veja Jeremias 31:16 o versículo seguinte, da profecia. "Assim diz o Senhor; "Guarda a tua voz de chorar e os teus olhos de lágrimas; porque a tua obra será recompensada" diz o Senhor; E voltarão da terra do inimigo. "E há esperança no teu fim" diz o Senhor "para que os teus filhos voltem para a sua fronteira".

Em outras palavras, Deus diz a Jeremias "É um dia triste e há condenação e você tem o direito de chorar, mas não chore mais porque eu os redimirei". E ele o fez, 70 anos depois, 70 anos depois. E a mesma coisa é verdade no uso da profecia por Mateus. Havia pranto. Havia Raquel chorando por seus filhos. Houve uma lamentação. Houve lamentação.

Por causa da tragédia, da destruição, da desgraça que veio sobre uma nação que rejeitou o seu Messias. Mas ao mesmo tempo havia esperança porque mesmo assim havia um remanescente e um dia, de acordo com Romanos 11, Deus vai reunir toda essa nação não é mesmo? E ele vai trazê-la de volta e eles vão ver seu Messias.

E como Zacarias diz, "olharão para aquele a quem traspassaram; pranteá-lo-ão como quem pranteia por um unigênito" e haverá salvação novamente na nação de Israel. E Paulo diz, "E, assim, todo o Israel será salvo". Então você pode ver que há um paralelo geral e é tudo o que eu estou falando agora. Há um paralelo geral.

Jeremias falou sobre a condenação. E o povo de Israel chorou sobre o castigo, mas Jeremias disse, "Não chorem porque se reverterá. Será salvação." E a mesma coisa é verdade de Cristo. Quando Cristo veio houve choro, porque a rejeição trouxe condenação. Mas não continuem a chorar porque isso tudo se reverterá e haverá salvação para Israel. Esse é o paralelo.

Havia pranto. Quando chegou o cativeiro e o povo se dispersou, houve choro. Quando as mortes em Jerusalém vieram no início, um sinal da rejeição odiosa e vingativa de Herodes, e um sinal da rejeição indiferente dos principais sacerdotes, dos escribas e do povo que haveria um preço a pagar.

Mas a Palavra do Senhor é a justiça. Deve ter havido esperança nos corações das mães do tempo de Jeremias. Deve haver esperança no coração das mães do tempo de Jesus porque haveria uma reviravolta. Ainda há esperança. Ainda há salvação.

Agora notamos que todo esse conceito está conectado a Ramá e a Raquel. E esse é o problema. Olhe para trás comigo agora em Mateus e vamos discutir isso. Ramá e Raqueel. Agora isso é fascinante. O que Ramá tem a ver com isso e o que Raquel tem a ver com isso?

Vamos falar sobre Ramá. Ramá era uma cidade - agora observe - cinco milhas ao norte de Jerusalém. OK? Cinco - não era realmente uma cidade, era mais como uma vila. Agora quero que você note algo. Veja. Em Israel havia dois reinos O reino do norte e o reino do sul. OK? A fronteira - agora observe isto - a fronteira entre os dois cruzava direito em Ramá. OK? Ora Ramá era a cidade fronteiriça entre o reino do norte e o reino do sul. Você pode verificar isso em 1 Reis 15:17. Estava localizada a oito quilômetros ao norte de Jerusalém.

Agora, Ramá era o lugar onde os conquistadores estrangeiros ordenavam que a multidão derrotada fosse reunida para deportação para lugares distantes. Quando os conquistadores entraram para deportar os Filhos de Israel no cativeiro, Ramá era a cidade de deportação. E por causa de sua localização tornou-se simbólica do norte e do sul, ambos os reinos.

Era como se Ramá fosse o único lugar onde Israel se unisse. Ramá tipo que tocava os dois. Ramá sempre esteve associada ao choro, porque foi em Ramá que ocorreu a deportação para o cativeiro. E assim Rama era um lugar de choro.

Agora, por que Jeremias está falando sobre Raquel? Bom, Jeremias está realmente desenhando um quadro. Não é que Raquel realmente fosse a Ramá necessariamente e chorasse. Raquel é um símbolo das mães de Israel. E Ramá é um símbolo da deportação dos filhos e filhas de Israel. E as mães de Israel estão chorando porque vêem seus filhos serem levados. Essa é a ideia.

E o mais interessante Raquel era a esposa mais querida de Jacó. E Raquel deu à luz a José. E José foi pai de Efraim e de Manassés. E eles representam o reino do norte. Na verdade o reino do norte é muitas vezes chamado de "Efraim". Assim o reino do norte realmente, se tomarmos esse conceito, é visto como Efraim, filho de José filho de Raquel. De modo que Raquel do seu ventre levou o reino do norte. Certo? Ela suportou o reino do norte.

Em segundo lugar, Raquel também aborreceu Benjamim. Raquel também aborreceu Benjamim. E Benjamim foi para o sul e é identificado com o reino do sul. E então o que você vê aqui é que Raquel é uma figura, e Jeremias, em Jeremias 31 vê como se Raquel estivesse viva e ele vê Raquel de pé em Ramá e o reino do norte é deportado pela Assíria em cativeiro. E o reino do sul é deportado pela Babilônia para o cativeiro.

E o norte e o sul vieram dos lombos de Raquel. Assim Raquel está chorando quando vê os dois lados de sua família levados para o cativeiro. Ela é o símbolo das mães chorosas da história do povo de Deus quando seus filhos e filhas são deportados. Ela ouve seus choros e ela mesma começa a chorar. Ela chora amargamente.

Primeiro ela está privada de Israel e Efraim, e depois de Judá e Benjamim. Foi ela Raquel que em Gênesis 30:1 disse, "Dê-me filhos ou eu morro." Foi ela que de todas as mães, desesperadamente queria, ser uma. E agora ela está, por assim dizer, no meio dessas duas nações por sua semente em uma, e sua semente na outra e vê a ambos sendo levados em diferentes cativeiros e ela chora amargamente.

E assim Jeremias, pelo símbolo de Raquel, que estava em Ramá, diz "Israel está chorando por causa do cativeiro de seus filhos." Quando a população da terra foi levada, parecia que Deus tinha abandonado seus filhos, como se Deus tivesse abandonado seu povo.

Mas assim que Jeremias apresentou a imagem de Raquel chorando, então ele veio logo atrás e diss,e "Pare seu choro porque está vindo uma restauração." Está vindo uma mensagem de salvação. Eles vão voltar. E eles voltaram. Eles voltaram.

De fato, no capítulo 33 ele fala sobre o ramo justo, o Senhor Jesus Cristo, que será o agente para trazê-los de volta. E no final, a dor será transformada em alegria na salvação do remanescente, cumprido no cativeiro e depois.

Agora ouça, Mateus - eis como Mateus entra - Mateus mostra que o Espírito Santo também pretendia que essa imagem, este quadro, revelasse o tempo do nascimento de Cristo. E quando Mateus vê a matança dos bebês de Belém diz, "Se ele visse Raquel começando a chorar de novo" e assim ele pega essa analogia fantástica de Jeremias. E vê Raquel chorando por seus filhos. E por que Raquel? Porque Raquel era como a mãe de Israel. E o túmulo de Raquel - marque isso - estava bem fora da cidade de Belém. É até mesmo indicado a você hoje, quando você pega um táxi.

E alguns comentaristas da Bíblia nos dizem, muito interessante, que a palavra "Ramá" significa "altura". E qualquer lugar em Israel que é uma altura é um ramá. E Belém é uma altura. E alguns acreditam que Belém naqueles dias era referida como Ramá. Havia muitos Ramás incidentalmente na história de Israel. Muitos lugares chamados "altura.”

E alguns acreditam que Raquel chorando em Ramá como Mateus usa é por causa da proximidade do túmulo de Raquel a Belém e porque Belém tornou-se conhecido como Ramá, uma altura, um lugar alto de modo que, o que Jeremias usou como figura em seu livro, era nada mais do que um retrato do que aconteceria outra vez quando o Messias veio.

Então Rachel chora novamente. E desta vez ela não chora porque Babilônia ou Assíria destruíram seu povo, mas porque Herodes sim. Herodes sim. E desta vez não é por causa de algum poder político estrangeiro. É até o rei da própria nação de Israel. A consolação segue-se imediatamente porque mesmo que o rei tenha sido exilado e a matança esteja acontecendo o rei vai voltar, não é mesmo? Do Egito. E seu evangelho será pregado e um remanescente será salvo.

Então Raquel, você não precisa mais chorar. Você pode parar. A tristeza das mães enlutadas de Belém, bebês assassinados por Herodes, com certeza isso era um sinal da desgraça que se aproximava. Claro, era um sinal do terrível cativeiro espiritual de Israel que ainda está acontecendo hoje. Mas no final havia um destino, e o destino era bênção e salvação para o restante que crê.

Esses bebês não sabiam disso. Aqueles preciosos pequeninos em Belém naquela época foram as primeiras vítimas na guerra travada entre os reinos deste mundo e os reinos de seu Cristo. Foram as primeiras vítimas. Mas em última instância a vitória seria ganha.

Os bebês, certamente se eu ler a minha Bíblia direito, no momento em que eles morreram foi instantaneamente na presença de Deus que reúne os pequenos em seus braços e diz "Não as impeçais porque das tais é o reino." E as mães poderiam parar de chorar porque esse mesmo exilado no Egito voltaria para oferecer-lhes uma salvação que pudesse uni-las com seus próprios bebês.

Que interessante. O profeta nos deu uma imagem. Não entendemos a imagem. Você vê amado, toda a profecia do Antigo Testamento nós realmente não entendemos. Algumas delas nós temos que esperar até que o Novo Testamento se abra, porque, lembre-se disto, a vinda de Cristo é repetidamente chamada pelo apóstolo Paulo, do que? Mistério. E está escondida. E é o escritor do Novo Testamento sob a inspiração magnífica e igual do Espírito Santo que desvenda o mistério.

E descobrimos que o que Jeremias estava dizendo quando ele nem sequer compreendia isso, quando ele teria desejado olhar para ele, procurá-lo e desdobrá-lo e em sua própria mente nunca seria capaz, até que Deus enviou Mateus e o inspirou com o Espírito Santo para dar sentido e interpretação a esse versículo lá atrás, que o enriqueceu de uma maneira magnífica e aplicou-o a Cristo.

Então o rei, ele chegou a Belém como Miquéias disse. Ele foi para o Egito como disse Oséias. E ele fez chorar Raquel em Ramá, as mães de Israel, como disse Jeremias. Finalmente, finalmente na magnífica apresentação de Mateus sobre as imagens do próximo rei dos profetas ele inclui mais uma. O nome de Nazaré.

Versículo 19, "Tendo Herodes morrido...", e por falar nisso Josefo em suas antiguidades - pensei que você poderia estar interessado nisso - diz que morreu disso, "Vísceras ulceradas, órgãos putrefatos e cheios de vermes, constantes convulsões, respiração horrível, e nem os médicos, nem os banhos quentes levaram à recuperação." Eu diria um final adequado para esse tipo de homem.

Mateus 2:19. "Tendo Herodes morrido, eis que um anjo do Senhor apareceu em sonho a José, no Egito..." e você se lembra que o anjo lhe disse para esperar até que ele avisasse. Versículo 13. Ele disse "Foge para o Egito e permanece lá." E eu não acho que foi muito tempo depois que a família estava lá que ele morreu. Agora ele estava morto. O próximo movimento, o anjo veio e disse que o próximo lugar no cumprimento da palavra profética é Nazaré.

Versículo 20, "Dispõe-te, toma o menino e sua mãe" e outra vez eu assinalo cada vez que você tem os dois juntos a criança vem primeiro "e vai para a terra de Israel; porque já morreram os que atentavam contra a vida do menino." Aparentemente Herodes não era o único. Havia outros envolvidos, e o Senhor os tinha posto de lado também. Nós não temos nenhuma palavra sobre isso mas é plural aqui. "Você pode voltar agora. Eles estão mortos."

"Ele se levantou tomou o menino e sua mãe e veio para a terra de Israel." Agora você vai notar que não há lugar específico. Eles simplesmente voltaram para Israel sem dúvida vindo da direção do Egito, eles provavelmente vieram pelo sul e eles teriam vindo a Belém e Jerusalém. Talvez em seu próprio pensamento, aquele teria sido o lugar para ficar.

Afinal, o conhecido era o menino Emmanuel, Deus conosco. Eles sabiam que ele deveria ser o Salvador Jesus porque, ele salvará o seu povo, era o seu nome. Sabiam que ele era o Messias de Deus. Eles sabiam disso porque os anjos de Deus lhes haviam dito, e provavelmente pensaram que Jerusalém era o lugar ou talvez Belém, onde ele nasceu na proximidade, uma vez que ele é o rei, é melhor ficar por perto. Mas isso mudou muito rápido.

Versículo 22. E José diz "Tendo, porém, ouvido que Arquelau reinava na Judéia em lugar de seu pai Herodes, temeu ir para lá". Ele teve medo de ficar na parte sul, em Jerusalém, na área de Belém. E de acordo com isso ele foi advertido "prevenido em sonho, retirou-se para as regiões da Galiléia"

Agora eu quero que você saiba por que eles estavam com medo. Quando Herodes morreu, Herodes tinha governado tudo bem. Mas quando ele morreu, o reino foi espalhado ao redor. Um homem chamado Herodes Antipas assumiu a área da Galiléia ao norte. Arquelau tomou a área da Judéia.

Ambos, aliás, eram filhos de Herodes que não foram mortos, obviamente. Eles eram menos poderosos do que o pai e eles não eram realmente reis. Eles eram mais como governadores ou príncipes territoriais. E assim havia Antipas na região da Galiléia, o norte. E havia Arquelau no sul. E então quando José ouviu que Arquelau estava na Judéia, teve medo de se estabelecer ali, e aqui está o porquê.

Enquanto Herodes ainda estava vivo, Arquelau ganhou sua reputação. Herodes decidiu que queria levar uma enorme e grande águia dourada - que era o símbolo que os romanos gostavam - de uma enorme águia dourada, e erguê-la sobre o portão do templo judaico. OK? Que não era muito grande para dizer o mínimo. Para os judeus era uma abominação.

De fato para eles era uma violação de Êxodo 20:4 porque estavam tendo outros deuses. E a razão pela qual eles acreditavam que era isso, era porque os romanos - anote isto - equipararam a águia com Zeus e Júpiter. Assim a águia representou um de seus deuses ou dois de seus deuses. E estavam literalmente colocando um ídolo sobre o templo.

Bom, havia dois mestres judeus famosos neste tempo com o nome de Judas e Matias para não ser confundido com a Bíblia. Esses são nomes muito comuns. Judas e Matias, estes dois famosos mestres judeus, especialistas na lei de Deus, reuniram seus alunos e disseram, "Vocês vão defender isso? Vocês vão permitir isso? Vocês vão deixar aquele sujeito colocar aquela águia lá no templo?" E eles conseguiram que os alunos todos despertassem. E claro os alunos são bons para isso. Você os agita todos.

Lembro-me sempre do livro de William Wilberforce chamado Revolução para o Inferno, onde ele disse que alguns estudantes vieram até ele e lhe perguntaram "Nós temos um grupo que gostaria de se revoltar. Você sabe de uma boa causa?" Os alunos às vezes podem ser assim. E assim estes estudantes foram agitados e tiveram uma causa boa realmente. Eles tinham seu próprio nacionalismo sua própria religião.

E então ele os agitou e eles subiram o teto do templo e começaram a fazer a águia em pedaços com seus machados. Eles estavam lá em cima cortando aquela coisa em pedaços. Bom, eles foram presos, trazidos a Herodes. Para evitar uma insurreição em massa, ele os enviou para Jericó para seu julgamento. Eles receberam um castigo leve. Os dois professores foram executados.

Agora, Herodes morreu e na páscoa seguinte uma rebelião estourou em Jerusalém por causa do assassinato desses dois mestres. Isto é, logo depois, pouco antes do tempo em que Jesus volta do Egito. Esta tremenda insurreição por causa do assassinato desses dois grandes mestres. E Arquelau que agora estava no controle sufocou a revolução ao abater 3.000 judeus. Ele apenas os alinhou e os matou. A maioria deles - bem não a maioria - muitos deles, eram peregrinos presentes na páscoa. Então foi uma época incrível, quando a consciência religiosa de Israel era tão alta para se mudar e apenas criar derramamento de sangue e o abate de 3.000.

Então odiaram o homem e temeram a este Arquelau. Na verdade ele era tão perverso, que ele excedeu seu pai em perversidade, como alguns dos reis do Antigo Testamento. Os romanos até o afastaram. E você sabe, um dos sujeitos por quem o substituíram foi um homem chamado Pôncio Pilatos.

É por isso que José teve dúvidas sobre ir para a Judéia, e seus pensamentos foram confirmados porque ele foi "advertido por Deus" - o versículo 22 diz "prevenido em sonho, retirou-se para as regiões da Galiléia." O anjo disse "Vá Para a Galiléia." Então o verículo 23. Aqui está a razão. "E foi habitar numa cidade chamada Nazaré, para que se cumprisse o que fora dito por intermédio dos profetas: Ele será chamado Nazareno".

Agora, aqui está o quarto elemento nas profecias em torno de seu nascimento, para mostrar que ele nasceu um rei. Ele devia voltar para Nazaré. A propósito, esta era a casa original de José e Maria, não era? De acordo com Lucas 2:4 eles eram de Nazaré. Eles deveriam voltar e viver a previsão dos profetas, que disseram que ele seria um Nazareno.

O termo "Nazareno" - agora observe isto - esta declaração, "Ele será chamado de Nazareno", não aparece em nenhum lugar no Antigo Testamento, certo? Agora, olhe novamente. "Para que se cumprisse o que fora dito por intermédio dos profetas" plural, "Ele será chamado Nazareno." Bom, se você está procurando os profetas que disseram isso, você não vai encontrá-los no Antigo Testamento. Você diz "O que você quer dizer?" Eles não estão lá. Não temos registro disso no Antigo Testamento. Não temos nenhum registro de qualquer profeta dizendo isso.

Algumas pessoas querem conectar isso com Isaías 11:1, onde fala sobre Cristo sendo um rebento, netser, que é hebraico, e eles dizem netser e Nazaré - é uma má conexão. Ele realmente não faz isso para mim. Não é boa etimologia. Além disso você ainda tem que lidar com os profetas, plural, não apenas Isaías 11:1. Parece tão obscuro para mim que nunca seria uma conexão.

Agora, Mateus diz "os profetas." Você diz "Bom, como você explica isso?" Muito simples. É muito simples de explicar. Os profetas disseram isso. Ele nunca foi escrito no Antigo Testamento até agora, e finalmente foi escrito por Mateus. "Bom" você diz "Mas ele diz que os profetas do Antigo Testamento o disseram. Eles disseram algumas coisas que não foram escritas?" Espero que isso não o abale muito. Sim. Aliás, há uma abundância de coisas que foram ditas, muito significativamente, que não foram escritas no Antigo Testamento.

Por exemplo Judas versículo 14, "Quanto a estes foi que também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que veio o Senhor entre suas santas miríades". Enoque disse isso. Quer saber de uma coisa? Ele não disse isso no Antigo Testamento. Não está lá. Como vocę sabe que ele disse isso? Porque Judas disse que ele disse. Como Judas sabia? Porque Judas era o quê? Inspirado pelo Espírito Santo de Deus.

Você sabe quem disse que ele seria um Nazareno? Os profetas disseram isso. Ele só não foi escrito até aqui, mas foi escrito aqui. Mas, quer saber o que é tão bonito? Mateus nem sequer dá uma explicação. Ele apenas diz "que fora dito por intermédio dos profetas: Ele será chamado Nazareno", o que me diz que deve ter sido do conhecimento comum, que o povo sabia que os profetas disseram isso sobre o Messias. Isso era de conhecimento comum, eu acredito.

Nosso Senhor, seu nascimento, Belém, êxodo para o Egito, devastação a Ramá e um nome de Nazaré. O lugar era tão desprezado - agora ouça - o lugar era tão desprezado que Nazaré e Nazareno se tornaram sinônimo de alguém desprezado. Quando alguém lhe dizia "Oh, você Nazareno", isso era um termo de escárnio. De fato quando a igreja primitiva foi iniciada, eles costumavam dizer isso aos cristãos como uma espécie de piada.

Em Atos 24:5 "Porque, tendo nós verificado que este homem..." dizem eles de Paulo "... é uma peste e promove sedições entre os judeus esparsos por todo o mundo, sendo também o principal agitador da seita dos nazarenos", É usado como escárnio. E eu acho que isso é parte da razão pela qual a profecia está aqui. Amados, o Antigo Testamento disse repetidas vezes sobre Jesus que ele seria desprezado. Ele seria desprezado. Ele seria desprezado. Ele seria rejeitado. Ele seria odiado. Ele seria desprezado.

Isso é o que diz o Salmo 22. É o que diz o Salmo 69. Isso é o que Isaías 49 diz. Isso é o que Isaías 53 diz. Isso é o que diz Daniel 9:26. O Talmude, os escritos rabínicos judaicos, chama Jesus Yeshu Ha-Notzri que significa "o Nazareno." Eles nunca o chamam como sendo de Belém, nunca, mesmo tendo ele nascido lá. Nunca o chamam assim. Eles o chamam de Nazareno, porque isso é sarcástico.

Jerônimo relata a oração da sinagoga em que os cristãos são amaldiçoados como nazarenos. Eles dizem, "Que eles sejam apagados do Livro da Vida e não sejam escritos com os justos, esses Nazarenos". Se Jesus tivesse sido ressuscitado em Belém, se tivesse sido ressuscitado em Jerusalém, não teria sido desprezado da mesma maneira. Mas Deus disse que seria desprezado, e ser de Nazaré apenas intensificou isso. Era para ser de Nazaré. Nazaré lhe daria o nome de "Jesus o Nazareno" e isso lhe daria um título de reprovação que Deus predisse que viria. Ele foi desprezado, rejeitado e finalmente morto. O Nazareno.

Você vê, cada local, era vital para o caráter de Jesus Cristo, Mateus pinta uma obra-prima de um quadro. Miquéias disse que o rei viria a Belém, e a Belém ele veio. Oséias que o rei viria através do Egito. Através do Egito ele veio. Jeremias que haveria choro como Raquel em Ramá de antigamente, e a figura de Jeremias e seus filhos, como as mães choravam sobre os bebês ao lado do túmulo de Raquel em Ramá de Belém. E os profetas de antigamente disseram que seu nome seria Nazareno, que ele seria de Nazaré. E assim foi.

E em cada ponto cumpre uma profecia que solidifica seu direito de reinar. E assim diz Mateus. Este é o rei. Por genealogia, por nascimento, por adoração, pelo ciúme, pelo ódio e pelo cumprimento da profecia, este homem nasceu rei. Por esta causa veio ele ao mundo. Vamos orar.

Pai, sabemos que a majestade de Jesus não é uma majestade pintada. Não é um domínio limitado. Não é um cometa com chama de esplendor transitório. É uma monarquia eterna. Jesus reina e reinará pelos séculos dos séculos. Não pela força de seu exército, não pela multidão de seus soldados, não pela grandeza de seu estado terreno, mas em virtude de quem ele é. E Pai, percebemos que nada pode impedi-lo de colocar a coroa na cabeça coroa após coroa em comparação com todos os outros monarcas mesquinhos que vieram e se foram.

Vemos na história, Senhor, três reações. A reação daqueles que eram indiferentes que ignoravam tudo. Os principais sacerdotes e os escribas. A reação de Herodes e daqueles que se ressentiam e odiavam, queriam esta criança morta, os antagonistas e a reação dos sábios, os magos que adoravam.

E sabemos que o que Mateus está pedindo que Israel faça, como escreveu há muitos anos atrás, e o que ele está pedindo aos homens através dos corredores da história, é reconhecer Jesus como rei, não ficarem ressentidos e não ficarem indiferentes.

E assim Pai, oramos para que possamos vê-lo novamente como Rei dos reis e Senhor dos senhores, e para que possamos inclinar nossas vidas a seus pés e adorá-lo. Oramos em Seu nome maravilhoso e glorioso. Amém..

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize