Grace to You Resources
Grace to You - Resource

“Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra”. Mateus 5:5. Eu sempre penso que esse livro que eu estou estudando agora é a coisa mais maravilhosa que eu já estudei, e eu definitivamente me sinto assim a respeito de Mateus. Eu nao sei quantas mensagens nós já fizemos em Mateus, talvez 25 ou mais. E elas têm sido muito animadoras para mim. Agora, enquanto estamos vendo o capítulo 5, o maravilhoso sermão do nosso Senhor Jesus Cristo, chamado “o Sermão do Monte”, eu me sinto literalmente maravilhado pela verdade que se encontra nele.

Eu sinto que quando chego aqui, você está vendo a ponta do iceberg porque eu mal consigo começar a tocar em todas as coisas que estão acontecendo em meu coração e na minha mente, dia após dia após dia conforme eu me exponho à verdade dessa tremenda passagem. Se sou obediente a Deus, se repondo ao Espírito Santo da forma que Ele deseja que eu responda, nesse estudo, eu serei uma pessoa diferente. Isso será revigorador para mim e tenho certeza que para você também.

A afirmação que o nosso Senhor faz no versículo, “bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra”, é uma afirmação chocante para o povo que O ouviu dizer isso. Na verdade, as três bem-aventuranças são chocantes. As duas primeiras foram chocantes para o povo que estava sentado no monte no dia em que Jesus falou. Jesus disse coisas absolutamente estranhas ao pensamento deles. Eles sabiam como ser espiritualmente orgulhosos. Eles sabiam como ser auto suficientes. Eles sabiam como fazer o papel piedoso. Eles sabiam a respeito de religião. Eles eram muito bons com o formato. Eles pensavam que estavam no grupo de “dentro”. Eles achavam que eles poderiam sobreviver com suas próprias forças, sabedoria, poder e recursos.

Eles esperavam que o Messias, quando chegasse, dissesse a eles, “eu estou aqui para felicitar vocês por sua grande religiosidade. Eu estou aqui para felicitá-los por sua maravilhosa espiritualidade. Eu estou aqui para anunciar a vocês que Deus olhou dos céus e Ele está muito satisfeito com vocês. Na verdade, nós podemos entrar direito no reino. Uma mudança mínima será necessária”. Porém, o nosso Senhor começou o seu ministério com eles dizendo no versículo 3, “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus”. Não aqueles que acham que são justos, mas aqueles que sabem que são pecadores.

“Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados”. Não aqueles que estão felizes consigo mesmos, mas aqueles que estão tristes consigo mesmos. “Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra”. Não aqueles que são orgulhosos, mas aqueles que são humildes. Eles não entendiam isso. Isso não era o que eles esperavam. Eles tinham depositado tudo em sua espiritualidade, em seu orgulho. E Jesus minou tudo isso na primeira vez que ele fala. Ele queria um espírito quebrantado. Ele queria um coração em prantos. Ele queria uma humildade que fosse necessária para entrar no seu reino.

Sem justiça própria, sem orgulho espiritual, e quando Jesus disse, “Bem-aventurados os mansos” ele deve – se havia alguém que não tivesse ficado chocado – isto deve ter causado isso. “Bem-aventurados os mansos”. Ou seja, isso seria chocante até mesmo em nossa sociedade porque não somos diferentes deles. Nós pensamos que a vitória e os despojos pertencem aos fortes, não é mesmo? Vá pegar. Pegue tudo. Seja macho. Que choque em seu pensamento.

Deixe-me descrever a cena para você. Um pouco mais de meio século antes de Jesus nascer, no ano 63 a.C., Pompeia tinha anexado a Palestina a Roma. Com isso, a independência judaica terminou. Além disso, essa independência tinha sido ganha através de uma revolução sanguinária chamada de Revolução dos Macabeus. Eles lutaram para ficarem livres da Grécia. Não demorou muito para conseguirem essa liberdade até que estivessem sob o jugo do poder imperial de Roma.

A partir desse momento, a partir do ano 63 a.C., a terra foi governada parcialmente por reis Herodianos. Os Herodianos eram uma família. É como um sobrenome. Eles eram uma família de reis apontada por Cesar. Além dos reis Herodianos – ele deu ao povo da Palestina reis porque eles gostavam muito de reis. Além disso deu-lhes procuradores ou governadores. O mais famoso deles, para nós, Pilatos.

Assim, eles estavam todos, neste momento, sob o domínio Romano desses reis fantoches, da família de Herodes, dos procuradores e dos governadores. Ao mesmo tempo, praticamente toda a terra que está descrita no Novo Testamento está de baixo da sujeição de Roma.

Esse foi um momento opressivo e triste para o povo judeu. Eles literalmente odiavam essa opressão romana. Na verdade, para ser honesto com vocês, eles nem admitiam isso. Quando Jesus estava falando com eles em João 8, falando com os líderes judeus, foi algo muito incrível porque ele disse, “vocês conhecerão a verdade e a verdade vos libertará”. Então eles responderam, “Nós somos a semente de Abraão e nós nunca fomos escravos de nenhum homem”. Uma afirmação bem tola. Eles nem admitiam que eles eram escravos de Roma. “Nós nunca fomos escravos de ninguém” eles diziam. Eles não reconheciam isso. Eles eram orgulhosos. Eles desprezavam o julgo romano.

Portanto, toda a história de Jesus, você vê, se encaixa dentro da estrutura de uma nação sob a escravidão de Roma. A sombra de César literalmente embota toda a luz que se espalha ao longo do Novo Testamento. Você vê César em todas as páginas. Ao mesmo tempo – preste atenção – houve um movimento nos corações dos judeus de acreditar que o Messias estava vindo. Havia algumas pessoas que não experimentariam a morte até que ele viesse. Vocês se lembram de Simeão e Ana? Havia um sentimento de que algo estava prestes a acontecer. O Messias estava prestes a vir. O reino de Deus seria estabelecido e o Antigo Testamento era claro a respeito disso; assim, havia um sentimento de que isso aconteceria. Então, esse indivíduo chamado Jesus Cristo entrou em cena e abriu a sua boca em Marcos, capítulo 1. Veja o que Marcos diz que Jesus disse.

Marcos 1:14, “Depois de João ter sido preso, foi Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho de Deus, dizendo” – preste atenção – “O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho”. E rapaz, como eles ficaram animados. Eles conheciam esse domínio Romano e essa opressão Romana. E agora, de repente, chegou alguém que faz maravilhas, milagres, um homem que falava como nunca nenhum outro homem falou; um homem que fazia coisas que nenhum outro homem fez. Talvez esse seja o Messias. Quando ele alimentou a multidão no monte, eles estavam prontos em acreditar nisso. Eles queriam pega-lo e faze-lo rei, começando uma revolução militar e política que acabaria com o jugo de Roma.

Eles estavam animados com isso. Eles estavam buscando por um Messias que derrubaria Roma. Eles estavam buscando um grande general que poderia estabelecer uma revolução judaica que traria a independência através da ação militar. Agora, preste atenção. Primeiramente, a destruição militar, o conceito militar do Messias pertencia a um grupo de Judeus chamados de Zelotes. Haviam quatro grupos básicos no Judaísmo: Fariseus, Saduceus, Zelotes e Essênios. Os Essênios eram místicos que viviam em Qumran, onde nós encontramos os Manuscritos do Mar Morto. Foram eles que os copiaram.

Os Zelotes eram ativistas políticos que não estavam muito preocupados com a religião. Eles estavam realmente preocupados com a política. Os Fariseus eram conservadores religiosos e os Saduceus eram religiosos liberais. Porém, os Zelotes realmente queriam que o Messias viesse e eles acreditavam que ele seria um grande general que viria para criar um poder militar para destruir Roma. Assim, o reino deles era um reino militar.

Por outro lado, os Fariseus estavam igualmente ansiosos para destruir Roma. Mas eles não estavam buscando um reino militar, eles estavam buscando um estado santo. Eles estavam buscando a restauração da teocracia do Antigo Testamento. Eles estavam buscando um Messias que governaria de forma religiosa. Assim, você pode ver dessa forma: Os Zelotes buscavam um Messias militar e os Fariseus buscavam um Messias milagroso.

Os Zelotes provavelmente acreditavam que o Messias faria uma ação militar e os Fariseus provavelmente criam que o Messias faria algo milagroso e destruiria Roma através de um grande milagre sobrenatural e divino. Enquanto os dois estavam esperando uma intervenção catastrófica de Deus e a vinda os Messias, os dois sabiam o que Daniel disse em Daniel 7:13-14. Eles sabiam que o Messias viria nas nuvens, em grande glória, mas eles não sabiam como isso aconteceria, no entanto, cada um tinha a suas próprias ideias.

Até mesmo os apóstolos, os doze apóstolos, esperavam isso. Em Atos 1:6, eles disseram, “Senhor será este o tempo em que restaures o reino a Israel? “ “Quando que você vai fazer isso? Quando nós veremos a coisa militar ou milagrosa? “ Porém, esse não era o propósito de Jesus. É por isso que em João, capítulo 18, quando Jesus estava falando com Pilatos e Pilatos estava tentando descobrir que tipo de rei é esse que não tem um reino, que tipo de rei é esse que não tem um trono, que tipo de rei é esse que não tem uma coroa. Assim, ele estava conversando com Jesus tentando ver se ele era um rei ou não. Ele perguntou, “Você é um rei? “ E ele respondeu, “O meu reino não é deste mundo”.

“Você não entende que tipo de rei eu sou. Não é o meu objetivo fazer a coisa militar. E nem sequer estou falando de promover um golpe milagroso e destruir Roma. Esse não é o meu propósito”. Ele disse que se ele quisesse ele poderia chamar legiões de anjos, legiões deles, milhares deles. Além disso, se um anjo pode matar 185 mil Assírios em um ataque, uma legião de anjos poderia lidar com qualquer um.

Portanto, você vê, a esperança da restauração religiosa política não era nada mais do que um sonho impossível. Israel estava preso sob o poder de Roma e César não permitia nenhuma independência a eles. Ainda assim, nos seus corações queimava essa esperança, e ela queimava e queimava, esperando que um Messias viesse. Francamente, pessoal, a esperança queimava tanto em seus corações que isso produziu uma pilha de falsos Messias como erupções em um corpo. Eles estavam por todos os lados. Os falsos Messias apareciam aos montes.

Os Zelotes, em antecipação ao que precisava ser feito, diziam, “Bom, nós mal podemos esperar pelo Messias”. Junto com os Sicarios, que eram assassinos em suas fileiras, eles atacariam Roma. Eles assassinavam algumas pessoas importantes ou faziam algum ato revolucionário, e tudo o que isso fazia era trazer uma reação Romana. Finalmente, no ano 70 d.C., os Romanos ficaram tão cansados das reações dos Zelotes, tão cansados dessas coisas, que eles enviaram Tito Vespasiano, no ano 70, com um exército Romano, e eles desceram e literalmente destruíram Jerusalém. Eles esmagaram a cidade, e esmagaram o povo. Eles mataram um milhão e cem mil pessoas.

Mas isso não foi o pior. Entre os anos 132 e 135 d.C., 60 anos depois, um homem chamado Adriano veio de Roma e passou por toda a terra de Israel matando todas as pessoas, destruindo todas as cidades, varrendo a nação de Israel em termos de existência nacional. Agora, estou falando tudo isso, para vocês terem uma ideia do que eles queriam. Eles queriam que alguém destruísse Roma. Os Zelotes acreditavam que isso poderiam ser feito de forma militar, e os Fariseus e outros religiosos achavam que isso poderia ser feito de forma miraculosa pelo Messias; mas eles estavam errados.

Você vê, eles estavam errados. Jesus não veio com isso em mente. Antes de haver uma independência judaica, precisava haver uma salvação judaica. Isso precisava acontecer primeiro, e eles estavam prestes a chegar nesse ponto. Assim, o plano de Deus não era o que eles pensavam. Quando Jesus começou a falar da forma que ele falou no Sermão do Monte, você pode imaginar a reação deles. Eles esperavam um Messias que viesse em um cavalo branco. Eles esperavam que o Messias viesse cavalgando e que com um ataque de sua espada ele acabasse com o inimigo. E aqui Ele vem e diz, “Bem-aventurados os humildes de espírito. Bem-aventurados os que choram. Bem-aventurados os mansos”. Eles estavam dizendo entre si, “Que tipo de Messias é esse? Que tipo de multidão ele vai juntar? Quem quer ser um bando de chorões? Um bando de mansos? Eles nunca conseguirão lidar com Roma”.

Assim, Ele decepcionou os ativistas políticos porque ele não faria uma revolução. E ele decepcionou os religiosos, porque ele somente curava as pessoas. Ele não destruiu Roma com milagres grandiosos. Ele não fez isso. É por isso que quando eles finalmente viram Jesus capturado pelos Romanos, quando eles viram Jesus lá em cima, viram-no ao lado de Barrabás,essa pessoa patética que Pilatos bateu, socou, zombou, e colocou uma coroa de espinhos em sua cabeça, sem haver nenhuma beleza nele para que o homem o desejasse, e não havia nada a respeito dele que fosse atraente – Leia Isaías 53. “olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse”. Olharam para aquilo e disseram, “Esquece. Esse não é o Messias que nós queremos”.

Assim eles gritaram, “Crucifica-o. Crucifica-o. Ficaremos bom Barrabás. Ficaremos com Barrabás, Ele está mais próximo de um Messias do que esse homem”. Eles O odiaram por isso. Eles O odiaram porque Ele os decepcionou. Eles O odiaram porque Ele não cumpriu as suas expectativas. Uma vez que ele morreu, eles não queriam saber mais dele, e essa foi a última gota d’água. Quando o resto do povo veio e disse, “Bom, ele era o Messias”, eles diziam. “Veja. Ele morreu na cruz. O Antigo Testamento diz, ‘Maldito aquele que é pendurado no madeiro’. Não nos diga que o nosso Messias foi crucificado como uma maldição. Não nos diga que o Messias veio, se foi, e não destruiu Roma. Não nos diga que o Messias veio e se foi sem mudar as nossas circunstancias no mundo. Esse não é um Messias”. Eles nem sequer acreditaram em sua ressurreição, embora tivesse sido real. E ainda que 500 pessoas tivessem visto isto, eles não acreditaram.

Quando os apóstolos se levantavam para pregar, você vê que eles sempre tinham que pregar a respeito da ressurreição e eles sempre falavam, “Vejam, o Messias precisava sofrer. Ele precisava sofrer. Ele tinha que morrer. Foi isso que o Antigo Testamento ensinou. Tinha que ser desta forma”. Jesus no caminho de Emaús disse, “Se vocês conhecessem as Escrituras, saberiam que isso tinha que acontecer dessa forma”. Mas eles estavam decepcionados; realmente decepcionados com Jesus.

E tudo começou aqui, porque a primeira vez que eles O ouviram falar, ele disse, “Os mansos herdarão a terra”. Que tipo de negócio é esse? As recompensas pertencem aos fortes, não aos mansos. Isso ia contra toda a sua filosofia de vida. Mas ele veio como servo. Você vê, eles eram ignorantes a respeito de Isaías 40 a 66, toda aquela parte de Isaías 40 a 66 que apresenta o Messias como um servo sofredor. Eles não conheciam o seu próprio Antigo Testamento. Uma seção enorme. Na verdade, quando ele anunciou quem ele realmente era, ele citou Isaías 61. E, você sabe, ele se identificou com um grupo fraco.

Ele diz em Lucas 4:18, “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres” – uau- “enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos”. Agora, esse é um grupo triste: cegos, oprimidos, pobres e cativos. Que grupo, afinal de contas, é esse?

O apóstolo Paulo disse em 1 Coríntios, “Não serão muitos nobres, nem muitos sábios, nem muitos poderosos”. Ele escolheu os loucos do mundo. Ele foi um servo. Ele não veio para destruir Roma. Ele veio para lavar os pés de discípulos desprovidos de afeto. Toda a sua vida foi uma ilustração de humildade e serviço. Ele disse, “tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.”. Eles não entenderam o ponto principal. Eles não sabiam porque que ele veio. Humildade; auto-negação.

Agora, isso estabelece o cenário para o que ele disse nesse sermão. O que ele disse aqui foi o seguinte – preste atenção. Ele disse, “Não são os que são suficientes por si mesmos. Não são os que se auto justificam. Não são os orgulhosos, os fortes, os arrogantes, os confiantes e os satisfeitos. Não são os religiosos que entram no meu reino. São os quebrantados, os que estão chorando, os mansos, os famintos, os sedentos, os misericordiosos, os puros, os pacificadores, os perseguidos, os odiados, os injuriados que nunca revidam. Estes são os cidadãos do meu reino”. E rapaz, ele os acertou no ponto certo.

Eles não conseguiam acreditar nisso. Esse não poderia ser o Messias. “Os verdadeiros cidadãos do reino”, ele disse, “são esses”. Que mensagem revolucionária. Nós esquecemos disso. Rapaz, como esquecemos disso. Achamos que Deus precisa de grandes estrelas. Achamos que Deus precisa dos altos e poderosos. Nunca foi dessa forma. Nunca. Os ricos e os famosos. Nunca foi dessa forma. O nosso Senhor veio e os acertou bem onde eles estavam machucados. Ele disse, “Vejam, vocês querem fazer parte do meu reino? Os que são do meu reino são espiritualmente quebrantados” – versículo 3 – “os que choram” – versículo 4 – “os mansos”, versículo 5.

Agora, vamos falar a respeito disso. Mansos. Isso é diferente de humilde de espírito. Deixe-me lhe mostrar como. A raiz da palavra tem a mesma ideia – uma palavra diferente, mas a mesma ideia. Mas deixe-me lhe mostrar. Na verdade, em alguns lugares na Bíblia, essas duas palavras poderiam ser usadas de forma sinônima, mas existe uma bela distinção a ser feita aqui. Preste atenção. “Quebrantados de espírito” centraliza em minha pecaminosidade, tudo bem? Versículo 3, “humildes de espírito” centraliza em minha pecaminosidade. “Mansidão” concentra-se na santidade de Deus. Dois lados da mesma coisa. Quebrado no espírito porque eu sou um pecador e mansidão porque Deus é muito santo. Dois lados da mesma coisa.

Veja de outra forma. Humilde de espírito é negativo e isso resulta em choro. Mansidão é positivo e isso resulta em justiça. Você está vendo? É o outro lado desse negócio. Essa é a beleza dessa sequência. Existe uma progressão aqui. Em primeiro lugar, existe um quebrantamento, esse tremendo senso de pecaminosidade, sendo algo negativo que resulta em choro. Depois, de repente, você começa a ver o outro lado disso. Você começa a ver um Deus santo, e isso é mansidão. E então você começa a ter fome dessa santidade. Você está percebendo a sequência? O fluxo?

“Bem-aventurados”, Jesus diz, “Bem-aventurados; Felizes”. Isso é para as pessoas assim, para pessoas que são – preste atenção – realistas a respeito do seu pecado, que se arrependem dos seus pecados; que respondem a Deus. Os que não são bem-aventurados, infelizes e estão fora do reino são os arrogantes, auto suficientes, cheios de justiça própria, que não se arrependem, duros e orgulhosos. Isso era devastador.

Os Zelotes estavam dizendo, “Nós queremos um Messias militar. Nós queremos um reino militar”. Os Fariseus estavam dizendo, “Nós queremos um Messias milagroso. Nós queremos um reino milagroso”. Além disso, os Saduceus estavam dizendo, “Nós queremos um materialista”. Eles eram os materialistas. Eu imagino que os Essênios estavam no canto dizendo, “Nós queremos um monástico”. Mas Jesus disse, “Eu vou lhe dar um manso”. O reino não é para o materialismo. Ele não é para o monasticismo. Ele não é militar, e ele não será de grandes milagres. Ele será para o manso.

E sabe, o nosso mundo ainda terá problemas com isso. O nosso mundo está associando alegria e sucesso com força, confiança, segurança própria, sobrevivência do mais forte, conquista e poder. Esse não era o caminho de Jesus. O seu reino é para as pessoas que são mansas.

Em Efésios 4 – vocês se lembram do que nós estudamos lá? Haverá um paralelo grande com isso hoje. Efésios 4:1, “Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados”. Como que eu ando, Paulo? “Com toda a humildade e mansidão”. É isso. O reino de Deus é para os mansos. Tito 3:2, “não difamem a ninguém; nem sejam altercadores, mas cordatos, dando provas de toda cortesia, para com todos os homens”. Bem simples. Seja manso com todos. Colossenses 3:12, “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão”.

Várias vezes na Bíblia é dito que o povo no reino de Deus era manso. Além disso, pessoal, isso não é nada novo. O padrão de Deus sempre foi o mesmo. Você volta por todo o Antigo Testamento. É a mesma coisa, você vê a mansidão lá atrás como o padrão de Deus.

Eu penso no Salmo 22:26. Preste atenção. “Os mansos hão de comer e fartar-se; louvarão o Senhor os que o buscam. Viva para sempre o vosso coração”. A vida eterna, você vê, pertence aos mansos. É para os mansos, e não para os orgulhosos. Salmo 25:9, “Guia os humildes na justiça”. Veja isso. “Ensina aos mansos o seu caminho”. Deus se identifica com o manso, e no final dos Salmos, no Salmo 147:6, ele diz, “O Senhor ampara os humildes”.

Deus sempre se identifica com isso. É prioridade para ele. Esse é o seu tipo de pessoa. Isaías 29:19, “Os mansos terão regozijo sobre regozijo no Senhor”. Vê? Salvação, ensino, benção e alegria para o manso.

Muito bem, eu já enfatizei para você que Jesus veio e pregou que o seu reino deveria ser ocupado por pessoas caracterizadas pela mansidão. Agora, eu quero fazer cinco perguntas essa noite e ver se elas são respondidas o suficiente para nos ajudar a entender o que isso significa. Pergunta número um: O que significa mansidão? O que significa ser manso? O que é mansidão? Nós precisamos responder isso. Se as únicas pessoas felizes são as pessoas mansas, e nós queremos ser felizes, é melhor sabermos o que é mansidão. O que é?

Bom, note no versículo 5 que isto segue outras coisas, aos humildes de espírito e os que choram. Assim, seja o que for que mansidão signifique, ela segue essas duas coisas. A mansidão parte dos corações que são humildes de espírito e que estão chorando. O dicionário tem algo interessante. Eu olhei “mansidão” no dicionário e lá diz que é um “déficit de coragem”. Bem-aventurados os covardes? Isso está errado. Não é essa a definição bíblica de mansidão. A mansidão não é isso.

Veja mais a fundo. Mansidão vem de uma palavra grega. A raiz dela é praus. Isso significa, a raiz, “calmo, gentil, suave”. Calmo, gentil, suave. Assim, a ideia é de uma pessoa que é gentil, calma e de bom coração. Alguém que é paciente. Alguém que é submisso, e por aí vai. Esse é o conceito da raiz: Calmo, gentil, suave, paciente, bondoso, quieto, disposto, submisso.

Deixe-me ilustrar isso a partir de alguns dos seus usos. Ela normalmente era usada como uma palavra para descrever um remédio para amenizar algo. Outras vezes era usada para descrever uma brisa suave. Outras vezes, ela foi usada para descrever um potro que foi domado e domesticado para ser usado para algo bom. Assim, era para amenizar, algo suave, algo que traria conforto. Além disso, se diz que isso era característico de Jesus. Em 2 Coríntios 10:1, fala a respeito da mansidão de Cristo. A mansidão de Cristo. Em Mateus 21:5, fala a respeito da mansidão de Cristo. Diz, “Eis aí te vem o teu Rei, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de animal de carga”.

Quando Jesus entrou na cidade, ele não veio em um cavalo branco pronto para conquistar. Ele veio em um jumento, em um jumentinho. Esse era um transporte muito simples. Ele era manso. Além disso, deixe-me dizer algo a respeito disso. Esse caráter gentil, calmo e submisso – preste atenção – não é uma fraqueza. Isso é poder sob controle. Pegue essa definição. Nós compartilhamos isso com você em nosso estudo de Efésios. Isso é poder sob controle. Tudo bem? Poder sob controle.

Ele é um subproduto de um auto esvaziamento, de uma auto humilhação. Isso é quebrantamento diante de Deus. Isso é domar o leão. Você se lembra quando eu lhe falei isso? Não é matar o leão. Isso é um poder sob controle. Isso é Efésios 4:26. Não tem problema ficar irritado, mas não peque. Em outras palavras, que isso seja uma irritação justa; uma irritação controlada para os propósitos de Deus. Não fique irado porque você foi ofendido, mas fique irado porque Deus ficou, entendeu? Essa é uma irritação pelo motivo certo, no momento certo.

Mansidão não significa impotência. Isso é um poder sob controle. Se você examinar Provérbios 25:28, ele diz, “Como cidade derribada, que não tem muros, assim é o homem que não tem domínio próprio”. Isso é poder fora de controle. Você tem poder, mas não há nada para contê-lo; é como uma cidade destruída. Por outro lado, Provérbios 16:32 diz, “Melhor é o longânimo do que o herói da guerra, e o que domina o seu espírito, do que o que toma uma cidade”. Em outras palavras, controlar o espírito é mansidão. Ter isso fora do controle é falta de mansidão. Isso é poder sob controle.

Vamos ver do ponto de vista que os gregos usam o termo. Eu falei a vocês que eles usam isso para falar a respeito de um remédio que alivia algo. O medicamento sob controle, ajuda. Fora do controle, mata. Eles usam isso para falar a respeito de um animal que era domado e que era útil. Um jumento não domado destrói. Um jumento domado é útil. Eles usavam o termo para falar de uma brisa suave. Uma brisa suave refrigera e tranquiliza. Um furacão mata; fora do controle. Poder sob controle é mansidão.

Um escritor descreve isso de uma forma bela. Ele disse o seguinte, “A mansidão é o fruto do espírito”. Isso está listado em Gálatas 5. “A mansidão é um fruto do espírito que pode ser encontrado no solo da pobreza espiritual, na contrição e no choro. Ela é uma flor nobre que cresce das cinzas do próprio amor, em um túmulo do orgulho. Por um lado, o homem enxerga a sua própria ruina, sua indignidade e miséria. Por outro lado, ele contempla a bondade e a benignidade de Deus e de Cristo Jesus. A característica interna é uma disposição do coração, que através de uma percepção precisa da sua própria miséria e da abundante misericórdia de Deus, se tornou demasiadamente flexível, gentil, calma, maleável, dócil, sem traços de sua robustez original, de sua natureza selvagem e não domesticada que ainda permanece”.

Isso é o oposto da violência e o oposto da vingança. O homem manso aprendeu como Hebreus 10:34 diz, “aceitastes com alegria o espólio dos vossos bens, tendo ciência de possuirdes vós mesmos patrimônio superior e durável”. A pessoa mansa morreu para si mesma. Agora, isso se tornará claro para você em um minuto. A pessoa mansa morreu para si mesma. Ele nunca se preocupa com suas próprias injúrias. Ele não tem rancor. Você se lembra do que eu falei que John Bunyan disse? “Aquele que já está caído não pode cair”. Não há nada a perder. Uma pessoa mansa nunca se defende porque ela sabe que ela não merece nada. Ela nunca fica irritada pelo que é feito contra ela porque ela sabe que ela não merece nada.

Mansidão. Isso é o que Cristo diz que caracteriza as pessoas do seu reino. Elas não estão se defendendo. Elas não estão correndo por aí tentando conseguir o que elas querem. Elas sabem que elas não têm nada. Elas já são humildes de espírito por causa do seu pecado. Elas já estão se lamentando e chorando pelas consequências disso. Em humildade elas aparecem diante de um Deus santo e elas nada têm para exaltar delas mesmas.

Poder sob controle. Elas confiam em Deus. Elas têm prazer nele. E Deus promete dar-lhes a terra. Isso não é covardia. Isso não é moleza. Isso não é uma falta de convicção insossa. Isso não é apenas bondade humana. A mansidão diz, “Através de mim, nada é possível. Mas em Deus, tudo é possível”. A mansidão diz, “por mim, eu não ofereço defesa. Por Deus, eu dou a minha vida. Por Deus, eu morrerei”. Isso não é uma aceitação passiva do pecado, mas uma ira sob controle. É uma indignação santa.

Ilustração. “Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos”. Aqui está a verdadeira mansidão. Ele não cometeu pecado. Nem dolo algum foi achado em sua boca. Começa aqui. Ele nunca fez nada errado. Assim, qualquer acusação que alguém fez contra ele foi uma falsa acusação. Qualquer punição que ele recebeu de alguém foi errado. Quando eles abusavam dele, eles estavam errados. Quando eles O injuriaram, eles estavam errados. Quando zombaram dele, aquilo foi uma mentira porque ele nunca fez nada de errado. Ele nunca pecou. Ele nunca enganou. Ele nunca fez nada de errado.

E mesmo que ele nunca tivesse merecido nenhuma crítica, quando ela veio – no versículo 23 – quando ele a recebeu, ele não revidou novamente. Quando ele sofreu, ele não ameaçou. Ele se entregou àquele que julga justamente.

Pare aqui. Isso é mansidão. Jesus nunca se defendeu; nunca. Mas quando eles profanaram o templo do seu Pai, ele fez um chicote e começou a bater neles, não é mesmo? A mansidão diz, “eu nunca me defenderei, mas eu morrerei defendendo a Deus”. Isso é mansidão. “Eu nunca me defenderei. Eu morrerei defendendo a Deus”.

Duas vezes Jesus limpou o templo. Ele acabou com os hipócritas. Ele condenou os líderes falsos de Israel. Ele, sem medo, decretou julgamento divino às pessoas, e mesmo assim a Bíblia diz que ele era manso. A mansidão não é impotência. A mansidão é o poder usado somente em defesa de Deus e nunca em defesa de si mesmo.

Ele nunca usou isso para ele mesmo. Ele poderia ter chamado legiões de anjos, mas ele não fez isso porque ele nunca fez nada para se defender. Ele poderia ter tido 12 legiões de anjos. O que significa ser manso? O que esse conceito significa? Isso significa poder sob controle. Você olha para você mesmo e você é humilde de espírito porque você vê o seu pecado. Você chora por causa do seu pecado e você sabe que você não merece nada. Assim, não há nada a ser defendido. Mas você vê a santidade de Deus, e quando você vê a santidade de Deus, você morrerá defendendo o Seu santo nome. Entendeu?

Isso foi um choque para aqueles judeus. Aqueles judeus passaram o tempo todo defendendo a sua própria santidade e eles eram hipócritas. Eles nunca entraram no seu reino porque eles não sabiam o significado de mansidão. O seu poder estava fora do controle. Eles estavam detonando e acabando com todos que os ofendiam. Isso não é mansidão.

Segunda questão: Como que a mansidão se manifesta? Nós podemos entende-la melhor se nós a virmos em ação. Então, deixe-me dar algumas ilustrações. Algumas delas nós compartilhamos com você na série em Efésios, e eu vou apenas passar por elas novamente. Preste atenção. Como que a mansidão funciona? Você precisa ter uma ideia de onde você está.

Em primeiro lugar, deixe-me ver com você Gênesis 13 – de volta lá para Gênesis. Uma história muito, muito fabulosa. Esse é Abraão. Eu amo essa história. Abraão estava vivendo em Ur dos Caldeus. Ur era uma cidade secular e Deus disse a Abraão, “Abraão, você é a pessoa que eu escolhi. Abraão, levante, saia dessa cidade e vá para uma terra que eu vou lhe mostrar”.

No capítulo 12, Deus faz com Abraão essa fabulosa aliança. Deus disse, “Eu vou fazer uma aliança que você não vai acreditar. Você terá sementes como as estrelas dos céus e como a areia do mar. Abraão, eu vou lhe dar uma terra. Abraão, eu vou fazer uma aliança com você como nenhuma outra jamais foi feita. Você é o meu escolhido, Abraão. De você virá uma nação”. A fabulosa aliança Abraâmica. Abraão foi o homem escolhido por Deus.

Abraão tinha um sobrinho com ele. O nome do seu sobrinho era Ló. Veja o versículo 7. Houve uma briga entre os pastores do gado de Abrão e os pastores do gado de Ló. Pare aqui. Houve uma grande discussão a respeito de quem ficaria com o pasto. Vê? Normalmente, se nós estivéssemos pensando, nós diríamos que Abraão diria, “Olha aqui, quem recebeu a aliança? Você ou eu? “ “Bom, foi você Tio Abraão”. “Não se esqueça disso, garoto. Eu tenho a aliança”. Ele poderia ter jogado essa carta, não poderia? Facilmente. Abraão tinha o direito. Ele era o homem de Deus. Abraão tinha a escolha. Ele recebeu a aliança. Ló não era nada mais do que um parente que veio junto. Você então pergunta, “Como que Abraão lidou com isso? “

Veja o versículo 8. “Disse Abrão a Ló: Não haja contenda entre mim e ti e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos parentes chegados. Acaso, não está diante de ti toda a terra? Peço-te que te apartes de mim; se fores para a esquerda, irei para a direita; se fores para a direita, irei para a esquerda”.

Uau. Ele disse, “Ló, eu não quero ter esse tipo de coisa. Você fique com a porção que você quiser. Eu pego o que restar”. Abraão, você está doido. Você vai abrir mão da melhor terra. Isso é mansidão. Abraão tinha o poder de se livrar de Ló. Ele tinha o poder, mas ele nunca usou o seu poder em sua própria defesa. Essa é uma bela submissão a Deus.

Ele sabia no seu coração que Deus estava no controle. Se Ló ficasse com a porção da esquerda, Deus resolveria isso. Se Ló ficasse com a da direita, Deus faria a mesma coisa. Mansidão. Ele tinha o direito e o poder, mas ele nunca usou isso para o seu próprio benefício. Amados, nós precisamos aprender essa lição. Isso é mansidão. Afinal de contas, quando você vê que você não é nada mais do que um pecador, você aprenderá o significado de Romanos 12:10, “preferindo-vos em honra uns aos outros”. Assim como Abraão fez.

Então havia José. José, você sabe. Eles venderam José. Os seus irmãos o venderam como escravo, você se lembra? Assim, ele foi levado para o Egito. Eles pensaram, “Finalmente nós nos livramos daquele garoto”. O favorito do pai. Eles não suporo tavam o menino. O menino favorito. O pai o prestigiava e eles acabaram com ele. Depois de um tempo houve uma fome e eles ficaram desesperados. Eles precisaram ir ao Egito para conseguir grãos. Adivinha quem era que mandava em tudo no Egito? José. Ele ascendeu no Egito se tornando o Primeiro Ministro do Egito depois do Faraó.

Então aqui os seus irmãos imploram a ele por grãos. Ele poderia ter dito, “Deixe-me contar uma história antes de falar não”. Mas ele não fez isso. Ele tinha o poder, mas estava sob controle. Você sabe o que ele fez? Não havia nenhum vestígio de vingança nele. Não havia nenhum antagonismo, amargura, nenhuma raiva. Ele olhou para eles e os amou. Ele deu tudo o que eles precisaram. Na verdade, ele notou que Benjamim não estava ali e ele desejava muito ver Benjamim. Mansidão. José não era um covarde. José era um homem poderoso, mas a mansidão, pessoal, não é covardia. Ela é poder sob controle. Eu nunca farei alguma coisa para me defender. Eu farei qualquer coisa para defender a Deus.

Então nós temos Davi. Em 1 Samuel, capítulo 24, Davi encontrou Saul, você se lembra, e Saul estava perseguindo-o. Saul estava tentando mata-lo. Saul costumava jogar lanças nele. Saul estava atrás de Davi. Saul sabia que Davi seria o próximo rei e Deus o havia ungido. Saul o odiava e o desprezava. O que tornou a situação pior foi que o próprio filho de Saul amava a Davi profundamente.

Saul perseguiu Davi por todos os lugares e Jonatas costumava avisa-lo quando seu pai estava vindo. Então, Davi, de repente, encontra Saul dormindo. Agora era a oportunidade de Davi. Pegue uma faca, mate-o e pronto. Com uma facada ele poderia ter acabado a revolução que estava acontecendo entre ele e Saul. Ele poderia ter tomado o seu trono. E você sabe o que os homens de Davi falaram para ele? “Vai Davi. Faça isso. Pegue-o. Ele está aqui. É a sua vez. Vê? Vai. Não perca tempo, Davi. Se você deixar ele fugir, você vai sofrer com isso”.

E você sabe o que o Davi fez? Ele pegou a sua faca, foi até lá, ergueu a sua faca e cortou a ponta de sua roupa, levando-a para que Saul soubesse que ele esteve ali mas que ele não o matou. Você vê? Davi não usou o eu poder. Ele tinha. Ele tinha o direito. Ele era o rei ungido. Ele tinha a habilidade. Ele tinha a faca e Saul estava dormindo. Mas ele não fez isso. Ele nunca agiria para defender a si mesmo, mas ele agiria por Deus.

Em 2 Samuel 16, Davi e seu filho Absalão estão em conflito. Absalão está planejando uma revolução, um golpe, e ele expulsa Davi da cidade. Davi está fora, no deserto, quando um dos homens de Saul vem - um dos homens de Saul chamado Simei e ele começa a amaldiçoar a Davi. Olhe para você Davi. Você está aqui fora e o seu filho te chutou para fora. Grande coisa você é, não é? Grande coisa. O grande rei de Israel, Davi, se escondendo aqui no arbusto”.

Então Abisai, o sobrinho de Davi, disse a Davi, “Davi, deixe-me ir lá e eu arrancarei a sua cabeça. Quem ele pensa que é amaldiçoando o rei?” 2 Samuel 16:9, ele diz, “Deixe-me passar e lhe tirarei a cabeça”. Davi olhou para Abisai e disse, “Não. Deixe-o. Deixe-o”. Davi não agiria em sua defesa. Ele tinha uma atitude bela, de servo e confiante, com total submissão à vontade de Deus.

Você vê, Deus pode fazer qualquer coisa no mundo se ele tiver pessoas que estejam submissas a Ele. Mas ele não pode agir com pessoas que querem fazer suas próprias coisas. O seu reino tem que estar ocupado com pessoas que são submissas. É isso que ele está dizendo. Os judeus não estavam prontos para elas. Pense em Moisés.

Números 12:3. Veja essa afirmação. “Era o varão Moisés” – preste atenção nessa linha – “era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra”. Números 12:3 disse que Moisés era o homem mais manso na face da terra. Você disse manso? Ele era manso? Uau, mas ele era um homem forte. Ele foi lá e quando aquele egípcio estava fazendo aquilo com o israelita, ele matou o egípcio e o enterrou no chão. Ele era um homem forte.

Depois ele foi e disse ao Faraó, “Deixe meu povo ir, Faraó”. O Faraó começou a trazer os seus magos. Eles começaram a fazer algumas magias e Moisés se manteve fazendo magias ainda maiores. Ele disse, “Eu vou dizer novamente, Faraó. Deixa meu povo ir”. Isso não parece ser muito manso para mim. Ele desceu do Monte Sinai, viu Arão, o seu irmão, guiando o povo em adoração ao bezerro dourado, em uma grande orgia, e ele estava tão furioso que ele quebrou as tábuas de pedra e decidiu que tinha que acabar com todos eles. Isso não parece ser muito manso para mim.

Sim, mas veja bem, se você pensar assim, você não sabe o que é mansidão. Você vê, Moisés em Êxodo 32:19-20 está furioso. Moisés está muito furioso. 32:19. “Logo que se aproximou do arraial, viu ele o bezerro e as danças; então, acendendo-se-lhe a ira, arrojou das mãos as tábuas e quebrou-as ao pé do monte; e, pegando no bezerro que tinham feito, queimou-o, e o reduziu a pó, que espalhou sobre a água, e deu de beber aos filhos de Israel”. Ele estava furioso. “Por que você está tão furioso, Moisés? “ “Eu estou furioso pelo que você fez a Deus. Eu estou furioso porque você violou o que Deus acabou de me falar quando eu estava lá. ‘Não farás outros deuses perante a mim. Não farás imagem’”. Ele não estava se defendendo, ele estava defendendo a Deus.

Na verdade, quando Deus disse a Moisés em Êxodo 3, “Moisés, eu te escolhi” ,ele disse, “Você não me quer Deus. Eu sou inútil. Eu sou inadequado. Eu tenho um problema de fala. Eu não consigo falar. Você deve estar brincando. Você quer que eu lidere todos os filhos de Israel do Egito sozinho? Olha, eu matei um egípcio e isso me custou 40 anos no deserto. Como que eu vou pegar 2 milhões de judeus de um país sem muitos problemas? Eu não consigo fazer isso. Eu sou inadequado”. Você está vendo? Ele não tinha confiança em si mesmo. Ele não conseguia defender a si mesmo diante de Deus, mas ele defenderia a Deus diante de qualquer um. Isso é mansidão.

Com Paulo foi a mesma coisa. Paulo diz em Filipenses 3:3, “Eu não confio na carne”. Filipenses 4:13, “Tudo posso naquele que me fortalece”. Deixe-me lhe mostrar o contraste. 2 Crônicas, capítulo 26. 2 Crônicas, capítulo 26. Essa é uma história fantástica. O rei Uzias. Você se lembra de quando Isaías disse, “No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor”. Isaías chorou quando o rei Uzias morreu pois foi um final muito triste.

Uzias realmente era – ele era um tipo de general. 2 Crônicas 26:6 diz, “Saiu e guerreou contra os filisteus” – esse é o Uzias. Ele lidera as tropas contra os Filisteus. “E derribou o muro de Gate” – essas são cidades dos filisteus – “o de Jabné e o de Asdode; e edificou cidades no território de Asdode e entre os filisteus”. O homem literalmente devastou toda uma nação. Ele acabou com todas as suas cidades e reconstruiu suas próprias cidades no país deles.

Na verdade, “Filisteus” é o nome antigo para Palestina. Ele literalmente os tirou dali. Acabou com ele. E Deus o ajudou. O versículo 7 diz, “contra os filisteus, e contra os arábios que habitavam em Gur-Baal, e contra os meunitas”. E por aí vai. Ele continua e ele foi fabuloso. Ele ganhou todas essas coisas. Ele tinha um exército incrível. Vá para o versículo 12, “O número total dos cabeças das famílias, homens valentes, era de dois mil e seiscentos. Debaixo das suas ordens, havia um exército guerreiro de trezentos e sete mil e quinhentos homens”. 307.500 soldados em seu exército. Quase um terço de um milhão de soldados. Um exército incrível.

E eles guerrearam com grande poder. O versículo 14 diz, “Eles tinham escudos, lanças, capacetes, couraças e arcos e até fundas para atirar pedras” – eram grandes máquinas de guerra. Ele diz no 15 que ele fabricou em Jerusalém máquinas, maquinas de guerra inventadas por homens peritos. Ele tinha engenheiros. Ele tinha literalmente um fantástico máquinário militar. O seu nome se espalhou até muito longe, pois ele foi muito ajudado até ficar forte. E de repente, Deus está conduzindo a vitória. Mas então o que aconteceu? Versículo 16, “Mas, havendo-se já fortificado, exaltou-se o seu coração para a sua própria ruína, e cometeu transgressões contra o Senhor, seu Deus, porque entrou no templo do Senhor para queimar incenso no altar do incenso”.

Ouça, só havia um grupo de pessoas que tinha permissão de queimar incenso no altar. Quem eram? Os sacerdotes. Mas Uzias teve a ideia de que ele era tão grandioso, que ele era tão invencível, que ele era tão superior, que ele estava acima dos sacerdotes. E ele disse, “Porque eu preciso de um pobre sacerdote? Olhe para mim. Eu conquistei o meu mundo”. Ele entrou lá e começou a fazer sua própria coisa religiosa. Ele estava tão ocupado se exaltando que ele profanou a Deus. E você sabe o que aconteceu? Eu vou lhe dizer o que aconteceu. Ele nos diz no versículo 21, “Assim, ficou leproso o rei Uzias até ao dia da sua morte; e morou, por ser leproso, numa casa separada”.

Quando um homem busca ser orgulhoso, ele inevitavelmente violará a Deus ao se defender. Quando um homem é manso, ele defenderá a Deus porque ele não precisa se defender. Mansidão. Quem foi o maior exemplo de todos? Jesus Cristo. Voltando para Mateus 5:5. Terceira questão. E nós caminharemos rápido para a conclusão. Qual é o resultado? Qual é o resultado da mansidão?

Bem, em primeiro lugar, ele diz, “Bem-aventurados os mansos”. Você quer ser feliz? É isso que significa. E eu não quero dizer felicidade como o tipo de felicidade circunstancial do mundo. Eu quero dizer bem-aventurança. Felicidade de acordo com a terminologia de Deus; uma alegria verdadeira que habita em você. O que ele está dizendo é, “Felizes os mansos”. Felizes.

O segundo resultado – isso é grandioso: Eles herdarão a terra. Você pode falar muito tempo a respeito disso. Nós podemos ficar horas apenas falando a respeito dessa frase: Eles herdarão a terra. Originalmente, Deus havia prometido ao homem a terra, não é mesmo? Ele não deu a ele domínio sobre a terra? Os peixes do mar, as aves do céu, os animais? Deus deu domínio sobre toda a terra. O que ele está dizendo é que quando você se torna um crente e você é manso, você entra no reino e você faz parte da herança original. É o paraíso reconquistado. E amados, no fim de tudo, nós não herdaremos a terra? No final de tudo, nós não reinaremos por toda a terra com o Senhor Jesus Cristo no grande reino vindouro? Sim.

O que ele está dizendo aqui é isso. As pessoas no reino herdarão a terra e somente aqueles que vão entrar no reino serão os mansos, não os orgulhosos. Os que estão quebrantados pelo seu pecado, e não os que acham que não têm pecado. Os que estão chorando pelo fato de estarem perdidos, e não o que estão rindo a respeito do fato de que eles aparentemente estarem bem.

Você vê, volte para Isaías, muito antes disso, em Gênesis, Deus prometeu a eles a terra. Eles nunca conseguiram tudo. Eles nunca conseguiram a terra. Era sempre uma posse parcial. Até mesmo hoje é uma posse parcial. Eles não têm toda a terra. Vocês percebem que a promessa original da terra a Abraão se estende até o rio Eufrátes? Eles não estão nem perto disso. Eles mal conseguem chegar no Jordão. Eles não têm isso. De certa forma, essa é uma promessa que ainda não se cumpriu.

Isaías capítulo 57 e Isaías capítulo 60 diz que virá um dia em que o Messias virá e ele lhes dará toda essa terra e toda a Terra, também. Mas você sabe o que os judeus pensavam? Que o reino milenar pertencia aos fortes, aos orgulhosos, aos corajosos, aos que não aturam opressão. Jesus disse, “Não, não. A terra pertencerá aos mansos”. Você diz, “Como que os mansos herdarão a terra? Como que eles farão isso? “ Bom, o ponto é, o manso apenas entra no reino de Cristo e ele então toma posse.

Eu quero adicionar isso. O pronome enfático está aqui novamente, como nos outros. Isso ajuda muito. Ele diz no grego, “Bem-aventurados são eles” – “Bem-aventurados os mansos” – agora preste atenção – “porque somente eles herdarão a terra”. As pessoas orgulhosas não conseguirão isso. Você está vendo – Você se lembra do que Jesus disse? “A não ser que um homem se torne” – o que? – “uma criança, você não poderá entrar no reino”. A não ser que você se humilhe e se torne como uma pequena criança, você não poderá entrar no reino. As pessoas orgulhosas não entram no reino.

Se você tem orgulho, existe uma boa possibilidade de que você não estar no reino, se isso domina a sua vida. A palavra “herdar”, uma bela palavra, klēronomeō. Significa “receber uma porção alocada”. Deus prometeu isso. Deus demonstrou. No Salmo 37, aliás, essa bem-aventurança é quase uma citação direta do Salmo 37:11. E no Salmo 37, você vê aqui uma promessa bem definida da terra, e os justos entre os judeus estão dizendo, “bom, porque as pessoas ímpias prosperam? Por que todas essas outras pessoas prosperam? Por que nós recebemos a pior parte de tudo?” Você se lembra de como o Salmista disse? “Não se preocupe com isso. Entregue o seu caminho ao Senhor. Confie nele também. Deleite-se nele, e ele fará os desejos do seu coração. Descanse nele”. Você se lembra daquela grande passagem no Salmo 37? Mantenha a sua perspectiva no Senhor. Não se preocupe com o que está acontecendo em sua volta. Não se preocupe a respeito de como os ímpios aparentemente prosperam. Apenas confie, comprometa-se, deleite-se, descanse no Senhor, e os dias virão em que o Senhor te dará o seu reino. Você simplesmente se mantém firme nisso.

“E o dia virá”, diz o Salmo 37, quando Deus virá em julgamento contra o mal. Assim, não tente determinar essas coisas sozinho. “Rir-se-á dele o Senhor”, diz no Salmo 37:13, “pois vê estar-se aproximando o seu dia”. Pode parecer que está tudo do avesso agora, mas ele diz, “aquelas pessoas, aqueles ímpios, serão cortados como a grama, e eles perecerão como a erva verde, mas você confie no Senhor, comprometa o seu caminho no Senhor e descanse no Senhor”. E então eu amo isso, “Os ímpios serão cortados, mas aqueles que esperam no Senhor herdarão a terra”.

Não se preocupe. Esse mundo pode pertencer ao ímpio e ao mal hoje, mas um dia ele pertencerá a nós. Algum dia ele pertencerá a nós. Você diz, “John, isso é apenas futuro? “ Bom, de certa forma, é no futuro. O verbo está na conjugação futura. Eu penso que para Israel, quando isso foi originalmente dado no Salmo 37, estava falando de uma terra futura. E eu penso que nós que somos Cristãos, entramos no reino, não é mesmo? Nós estaremos lá. Nós reinaremos com Jesus Cristo.

Em 1 Coríntios 3:21, ele diz, “Portanto, ninguém se glorie nos homens; porque tudo é vosso”. Eu amo isso. “Seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, sejam as coisas presentes, sejam as futuras, tudo é vosso, e vós, de Cristo, e Cristo, de Deus”. É tudo seu. O reino é seu. O futuro e o presente. No capítulo 6 ele diz, “Vós julgareis o mundo”. No reino, você literalmente julgará o mundo. Você julgará os anjos.

Virá um dia quando o cristão participará com Israel no reino, e isso é o futuro. Mas, existe uma conjugação presente aqui. Todas as coisas são nossas agora. É como se o reino já fosse nosso, mas que estivesse na garantia. Nós ainda não o possuímos, mas ele é nosso. Eu estou esperando pelo dia quando ele se tornará totalmente meu.

O salmo 149 diz, “Porque o Senhor se agrada do seu povo e de salvação adorna os humildes”. O que isso significa? Um dia, ele fará vingança nas nações. Ele amarrará os seus reis com correntes e os seus nobres com grilhões. O que isso significa? Um desses dias ele ajuntará os ímpios, tirará tudo deles e dará a nós. O novo céu e a nova terra. Mas eu posso adicionar uma nota de roda pé?

Os mansos herdarão a terra é futuro, mas eu acho que tem um presente aqui. Eu não sei o que você pensa, mas o fato de eu saber que um dia eu terei posse da terra me dá uma sensação de posse agora. Isso é verdade? Você se lembra daquele maravilhoso hino, “Céu acima do calmo azul, terra ao redor mais esverdeada. Os pássaros com canções alegres, as flores brilhando com profunda beleza, conforme eu sei que agora eu sou dele e ele” – o que? – “é meu”. O mundo que eu conheço agora, o mundo que vejo agora adquire um grandioso significado porque ele está garantido para mim. Está aguardando o reino.

George McDonald escreveu alguns belos pensamentos. Isso foi o que ele disse. “Nós não podemos ver o mundo como Deus o vê no futuro. Seguro como as nossas almas estão caracterizadas pela mansidão. Na mansidão somente somos seus herdeiros. Apenas a mansidão torna a retina espiritual pura para receber as coisas de Deus como elas são, não se misturando com imperfeiçoes ou impurezas”. Bom, isso é bonito. Você vê? É esse fato de estarmos no reino que nos ajuda a ver as coisas diferente. Nós não podemos ver de outra forma a não ser da forma do mundo se estivermos longe de Cristo. Assim, a terra é nossa, agora e para sempre.

Finalmente, você diz, “John, por que isso é necessário? Por que essa mansidão é necessária?” Eu preciso lhe falar isso. Ela é necessária porque somente os mansos podem ser salvos. Esse é o primeiro ponto. Somente os mansos podem ser salvos. Salmo 149:4. “de salvação adorna os humildes”. Sem mansidão, sem salvação. Me escute, pessoal, se você não vier a Deus com um espírito humilde, chorando pelo seu pecado, com humildade diante da sua santidade, você não pode ser salvo. É por isso que é importante.

Além disso, isso é um mandamento. Deus diz, “Busque mansidão”. Busque mansidão. Você quer saber mais? Você sabe porque um cristão precisa ser manso? Você nem mesmo consegue receber a palavra de Deus a não ser que você seja manso. Tiago 1:21 diz, “acolhei, com” – o que? – “mansidão, a palavra em vós implantada”. Se você não é manso, se você não tem um espírito humilde, você nem mesmo escuta a palavra de Deus. Você nem mesmo pode recebe-la.

Você vê? Nós precisamos de mansidão porque você não pode ser salvo sem isso, porque isso é ordenado por Deus, porque você não consegue receber a palavra de Deus sem ela. Eu vou lhe falar outra razão. Você precisa de mansidão porque você não pode testemunhar sem isso. Você pergunta, “o que você quer dizer com isso?” Você não consegue testemunhar efetivamente com orgulho. É por isso que Pedro diz, “dê a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, fazendo-o, todavia, com mansidão”. 1 Pedro 3:15. Eu vou lhe dizer outra coisa, você não deve apenas ser manso porque isso é um mandamento de Deus, isso é necessário para a salvação. É necessário receber a palavra de Deus e é necessário dá-la para outras pessoas. Mas pessoal, vocês precisam ser mansos porque somente a mansidão dá glória a Deus.

Pedro, escrevendo em 1 Pedro 3:4 diz, “Se você quer glorificar a Deus, não se importe com o exterior, mas adorne o seu interior com mansidão, ou adorne o seu interior com mansidão”. O que isso significa? Poder sob controle. Como ele é manifestado? Em todas as vicissitudes da vida, você nunca busca se defender, mas somente a Deus. Quais são os resultados? Bem-aventurança e a herança do reino. Por que isso é necessário? É a única forma de ser salvo. Isso é uma ordem dada por Deus. Isso é necessário para receber a sua palavra. Isso é necessário para dar a sua palavra. Essa é a razão da existência, para glorificar a Deus.

Finalmente, você diz, “John, como eu sei se eu sou manso? Eu quero ser manso. Existe alguma forma de eu examinar o meu coração?” Deixe-me concluir com isso. Preste atenção. Eu vou pedir para você fazer algumas perguntas. Você quer saber se você é manso? Responda essas perguntas. Número um. Eu experimento domínio próprio? Eu simplesmente fico irritado? Eu apenas reajo? Eu apenas revido quando Deus é desonrado?

Segundo. Eu sempre respondo com humildade e obediência à Palavra? Porque se eu sou manso, eu farei isso. Eu receberei a Palavra com mansidão. Faça a si mesmo essa pergunta. Eu experimento domínio próprio? Eu fico somente irado quando Deus é desonrado? Segundo. Eu respondo com humildade e obediência à Palavra? Terceiro. Eu sempre faço as pazes? Eu sempre faço as pazs? Eu sou um pacificador? Porque isso é mansidão. A mansidão perdoa, restaura e faz as pazes. É por isso que em Efésios 4 ele diz que nós devemos “ser caracterizados com humildade e mansidão, buscando manter a unidade do espírito no vínculo da paz”. Somente as pessoas mansas promovem a unidade. Somente as pessoas mansas fazem as pazes. Ou eu sou o tipo de pessoa que fica causando problemas?

Outro. Número quatro. Eu recebo bem as críticas e amo as pessoas que as fazem? A mansidão faz isso. Eu recebo bem as críticas e amo as pessoas que as fazem? 2 Timóteo 2:25 diz, “disciplinando com mansidão os que se opõem”. Eu adicionaria esse também. Eu dou instrução com mansidão ou com orgulho? O que você faz? Você recebe crítica com mansidão e ama quem faz isso? Você faz crítica com mansidão? Faça essas perguntas a você. Veja se você conhece a mansidão verdadeira. Eu resumirei com esta palavra. Mansidão significa dar um fim em mim mesmo de vez. Vamos orar.

Pai, nós sabemos que se não nos vemos desta forma, uma de duas coisas é possível. Primeiro, se eu olhar para a minha vida e eu não passar no teste e não vir mansidão, existe uma possibilidade de eu não ser um cristão não importa o que tenha acontecido comigo no passado.

Em segundo lugar, existe a possibilidade de que eu seja um cristão, mas neste momento, eu estou agindo em desobediência. Senhor, ajude todos aqui a verem isso. Onde não existe mansidão, pode haver uma alma a caminho do inferno. Ou pode haver um crente no caminho para a disciplina. Em qualquer caso, Senhor, nós sabemos que tu não desejas que seja assim.

Ainda com suas cabeças abaixadas, deixe-me sugerir algo. Você pergunta, “John, eu quero aprender a ser manso. O que eu preciso fazer?” Deixe-me dar duas opções. Você realmente deseja ser manso? Você realmente quer experimentar isso em sua vida? A primeira coisa que você precisa fazer é o que Jesus disse, “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração”. Se você deseja ser manso, a primeira coisa que eu sugiro que você faça é aprender com Jesus. Estude os evangelhos, estude todos os dias de sua vida, a beleza do seu caráter; e aprenda a mansidão de Jesus.

Em segundo lugar, Gálatas diz, “o fruto do Espírito é a mansidão”. Deixe que o Espírito de Deus controle a sua vida. Se você aprender de Cristo e se render ao Espírito, você conhecerá a mansidão. Pai, nós oramos para que em cada um de nossos corações, lidemos com isso enquanto o Espírito nos convence. No nome de Cristo. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize