Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Eu penso que é muito apropriado nesta noite que nós tivéssemos um tempo muito bom de comunhão. Eu penso que isso é algo que nós realmente precisamos como Cristãos. Nós temos compartilhado disso juntos. Nós temos rido juntos. Nós temos tido um bom tempo. É assim que deve ser.

Alguém estava me dizendo hoje mais cedo no nosso momento de oração as 5 da tarde que desde quando ela se tornou uma cristã, ela diz que ama muito estar junta com Cristãos. Ela é muito enriquecida durante a comunhão dos crentes. Ela anseia muito por essa comunhão que ela nunca teve em sua vida. Quando ela volta a ter comunhão com o mundo, existe algo terrível que está faltando, e ela expressou o fato de que ela ficava com medo quando ela estava em certas situações com descrentes. Ela nunca pensou que ela teria tamanho medo, e ela expressou algumas coisas que estão no meu coração para eu dizer a vocês nesta noite.

Nós nos regozijamos em nossa comunhão; não há dúvida quanto a isso. É fantástico. É recompensador. É enriquecedor. É animador. Nós precisamos disso. Porém, existe um outro lado disso. Existe aquele lado que está fora dessas grandes paredes de pedra. Nós temos que voltar para casa, para famílias onde a mão, ou o pai, ou os irmãos ou as irmãs não conhecem Jesus Cristo. Maridos, esposa, filhos, filhas. Ou nós temos que ir para a escola onde nós encontramos pessoas que não conhecem a Jesus Cristo. Ou irmos para trabalhos com o mesmo problema. Ou para a vizinhança onde nós encaramos a realidade de pessoas não salvas por todos os nossos lados. Esse é o outro lado, não é?

Aqui nunca deveria ser um retiro para nós. Aqui deveria ser um posto de gasolina para que nós pudéssemos sair depois e com coragem ver Deus trabalhar através de nós no mundo. Eu penso que é isso que o Senhor deseja falar para nós hoje. Vamos voltar para Mateus, capítulo 5, e ver novamente as bem-aventuranças. Essa será nossa última mensagem, se Deus permitir, nas bem-aventuranças. Eu gostaria de lê-las novamente para você e então nós vamos entrar direto no que temos pra dizer nesta noite.

“Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e ele passou a ensiná-los, dizendo: Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós”.

Vamos orar juntos. Pai, nós estamos aqui nesta noite para uma mensagem muito necessária – algo muito difícil para nós entendermos; algo difícil para nós encaixarmos em uma cultura tão confortável, materialista e afluente. Deus, de alguma forma, nos ajude a enxergar. Pelo teu Espírito, penetre em nossos corações e em nossas mentes; mude as nossas vidas. Nós te damos a glória. Em nome de Jesus, Amém.

Quando nós começamos a estudar as bem-aventuranças a meses e meses atrás, nós te falamos que a palavra “bem-aventurança” significa “feliz”, e que a primeira coisa que Jesus disse era que ele gostaria que as pessoas fossem felizes. Ele não veio ao mundo para tornar as pessoas miseráveis; ele veio para torna-las felizes. É por isso que a sua primeira fala registrada a nós, o primeiro sermão que ele fez no livro de Mateus, o início do Novo Testamento, o primeiro evangelho começa com a palavra “feliz”.

Em Fevereiro de 1978, a revista Cosmopolitan teve um artigo que apresentou um teste para determinar quão felizes as pessoas realmente estão; e elas entrevistaram todo tipo de gente. Eles perguntaram todo tipo de perguntas. Eu não vou gastar tempo passando por todas as perguntas. E então, como resultado do teste, eles criaram um perfil de uma pessoa verdadeiramente feliz. Aqui estão alguns dos princípios que eles bolaram a partir da sua pesquisa:

As pessoas que são muito, muito felizes desfrutam das outras pessoas mas elas não se sacrificam. As pessoas felizes se recusam a participar de qualquer sentimento ou emoção negativa. Outra – as pessoas felizes têm um senso de realização baseado em sua auto suficiência. Que fascinante. O mundo diz, “as pessoas muito, muito felizes são auto suficientes, positivas a respeito delas mesmas, confiantes em suas habilidades e não se sacrificam por ninguém”.

Isso soa exatamente como a definição de um Fariseu para mim. Isso é certamente o oposto da definição de Jesus a respeito de uma pessoa feliz. Jesus disse que uma pessoa realmente feliz não é auto suficiente mas como um pobre, percebendo que ela não tem nenhum recurso, sendo mansa ao invés de orgulhosa. Jesus disse que uma pessoa realmente feliz não é positiva com relação a si mesma, mas ela chora pelos seus pecados e sua isolação de um Deus santo. Jesus disse que uma pessoa muito feliz não confia em sua própria habilidade mas, estando ciente de sua própria inabilidade, ela estende a mão. Jesus disse que uma pessoa realmente feliz, ao invés de não se sacrificar, faz exatamente o oposto disso. Ela é misericordiosa, pacificadora, e continuará sendo misericordiosa e pacificadora mesmo que isso leve a sua perseguição por causa daquilo que ele faz para causar paz e dar misericórdia.

Você percebe? A definição de felicidade do mundo não é a definição de Deus. Nem um pouco. Nada poderia trazer uma imagem mais clara da diferença entre a filosofia do mundo e a verdade divina do que comparar um teste de felicidade dos nossos dias com o padrão de Deus revelado pelo Senhor Jesus Cristo nas bem-aventuranças. O mundo está buscando a felicidade com seus próprios termos. E você percebe na busca corrida de felicidade nos termos do mundo, quando ele se depara com o Cristianismo, inevitavelmente haverá conflito. Haverá inevitavelmente convicção, culpa, ressentimento, que resultará em perseguição.

Agora, o nosso texto de hoje são os versículos 10 a 12 e o que o nosso Senhor Jesus está dizendo é, “Eu te darei uma garantia de que se você viver as primeiras sete bem-aventuranças, você receberá a oitava automaticamente. Se você agir conforme esses sete primeiros princípios, inevitavelmente, você será perseguido por causa da justiça”. Inevitavelmente, você será perseguido por causa do nome Dele. Isso é inevitável.

Agora, na primeira parte do nosso estudo, nós começamos a olhar para os versículos 10 a 12. Deixe-me lê-los novamente para você: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós”.

Olha pessoal, se vocês quiserem ser realmente felizes, vocês precisam ser felizes de acordo com Jesus. Se você buscar a felicidade nos termos dele, se você buscar viver de acordo com os princípios dele, se você buscar entrar no seu reino da sua forma, se você passar pela porta estreita, para o caminho estreito, se você construir a sua casa na rocha, se você chegar no julgamento e ouvir dele, “Eu te conheço” e não “Eu não te conheço”, então você perceberá que o resultado desse estilo de vida, confrontando um mundo hostil e sem Deus, é inevitavelmente uma reação negativa. Sempre foi assim.

Na Itália, no século 15, um homem chamado Savanarola entrou em cena. Ele foi um dos maiores reformadores e pregadores que o mundo já conheceu. A sua denúncia dos pecados do povo e da corrupção da Igreja Católica Romana daquele período preparou o caminho, literalmente, para a Reforma. A sua pregação, de acordo com um biógrafo, “Foi uma voz de trovão, e a sua denúncia do pecado foi tão terrível que as pessoas que o ouviam saiam nas ruas um pouco tontas, espantadas e sem poder falar nada. As suas congregações ficavam tantas vezes em lágrimas que todo o prédio ressoava os seus choros e prantos”.

Obviamente, as pessoas não aguentavam aquele tipo de pregação, portanto, elas queimaram-no em uma estaca. Isso não poderia ter sido diferente. Eu realmente acredito que se os Cristãos da nossa cultura confrontassem mais a respeito daquilo que nós cremos ser verdade, e se nós realmente vivêssemos a plenitude das bem-aventuranças em nossas vidas, nós descobriríamos que haveria hostilidade do mundo para conosco; isso se já não acontece, para muitos de nós. Isso acontece em todos os lugares o tempo todo.

Eu tenho lido recentemente um livro que Don Richardson me deu depois do nosso culto a noite. O Don Richardson estava aqui. Ele é um missionário maravilhoso e abençoado por Deus enviado para os Irian Jaya, o qual escreveu o clássico de histórias de missões, O Totem da Paz. Ele escreveu depois uma continuação chamada Senhores da Terra. Ele não é como o Totem da Paz, uma história a respeito do seu trabalho missionário, mas uma história de um amigo dele chamado Stan Dale.

Stan Dale foi para a tribo Yali no Irian Jaya, enquanto o Don estava mais nas terras de baixo trabalhando com os Sawi. Stan estava lá em cima onde é chamado de Montanhas de Neve, trabalhando com a tribo Yali. As Montanhas de Neve são muito altas e muito precárias, sendo que os vilarejos ficam do lado das ladeiras. Naquela região existe um rio chamado de Rio Heluk, que cai pelas montanhas; um rio rápido e veloz. A chuva constante faz com que ele continue se movendo nessa velocidade.

Eles estavam mergulhando em um tipo incrível de religião. Eles tinham todo tipo de pequenas peças sagradas no chão para uma ilustração. Se uma criança engatinhasse por cima de uma daquelas peças sagradas no chão, eles sentiam-se como se a criança fosse profanada e amaldiçoada, trazendo maldição para todo o vilarejo. Então, eles iriam para um penhasco e jogariam o bebê no rio, que o afogariam e levaria o seu corpo para as terras do sul.

E se alguém dissesse uma palavra – isso estava enraizado no sistema – se alguém dissesse uma palavra contra o sistema religioso, eles eram mortos na hora. Portanto, não poderia haver rebelião. Não poderia haver mudança. Não poderia haver nenhum jeito de alterar nada. Ele conta no livro de um homem da tribo que decidiu mudar as coisas. Ele buscou apontar algumas coisas que, para ele, pareciam tolas, e então eles atiraram diversas flechas nele até que ele ficasse parecido com um pântano de cana.

Não havia esperança. Sem esperança. Até que esse Australiano, de um metro e setenta, sem medo, entrou nos vilarejos Yali. De uma forma incrível, esse pequeno e incrível homem abriu o seu coração, o coração de sua esposa e seus cinco filhos para esse povo selvagem que não eram apenas caçadores de cabeça mas também canibais; que comiam carne humana. Ele veio a salva-los das trevas impenetráveis e da morte dessas terríveis crenças e práticas que eles tinham em sua cultura. Você quer saber o que aconteceu com ele? Eu vou ler do livro do Don Richardson.

“O nativo, segurando a sua respiração, colocou a sua flecha em uma pedra e apontou para o lado de Stan. Por um momento, a luz do fogo brilhou em sua brilhando lamina de bambu, escolhida especialmente para matar. Então, ele esticou o seu arco com toda a sua força enquanto os outros guerreiros ficavam atrás dele esperando cada um à sua vez. Como se estivesse compelindo o guerreiro, Stan caminhou até a porta para pegar algo em sua mochila. No próximo instante, ele se recolheu, surpreso, tirando a flecha de um metro e meio do seu lado direito. Rindo com o seu sucesso, o primeiro guerreiro saiu de trás da pedra e rapidamente atirou outra flecha na cocha direita de Stan. ‘Nós estamos em uma emboscada’, disse Stan ofegante. ‘Eles podem atirar em nós por todos os lados. O fogo, eu preciso apaga-lo’.

Stan pulou para o fogo, buscando espalhar os galhos queimados. Enquanto ele fez isso, outra flecha atingiu a sua cocha esquerda, entrando profundamente em seu músculo. Ele se jogou para o outro lado da tenda, buscando abrigo, mas não havia. Mais duas flechas atingiram-no; uma atravessou o seu braço direito e outra penetrou o seu diafragma e os seus intestinos. Stan arrancou cada flecha e gritava para os seus perseguidores em Yali, ‘Corram para casa, todos vocês. Vocês já fizeram o suficiente’. A dor das suas cinco feridas passavam por ele. O chão da tenda estava com muitas flechas, cinco delas avermelhadas com sangue. Stan fiou na parede da tenda esperando a próxima flecha. Ele viu ela vindo”.

Bom, incrivelmente, eu não vou terminar o resto aqui. Você terá que conseguir o livro. Incrivelmente, ele sobreviveu. Eles tiraram ele dali. Ele foi poupado naquele lugar. Ele fez cirurgia, deu meia volta, e voltou para aquele mesmo vilarejo, na mesma área. Ele deu, literalmente, anos de sua vida, e então nós temos a sua história:

“Além do Yendoal, o rio ficava mais razo, fluindo por uma camada de pedra bem larga. Eles caminharam nela por 275 metros e chegaram em uma praia de cascalho. Além da praia, a trilha saia do rio e subia diretamente. Depois de subir 600 metros, eles já tinham escalado tudo, caminhando para baixo em segurança. Mas o grito de guerra ressoou novamente, muito mais perto. De repente, eles apareceram no rio, com seus arcos erguidos. Outros estavam descendo pela floresta. Stan e Yemu ficaram na parte baixa da praia diante deles. Phil – “Phil Masters estava sozinho do outro lado, a 45 metros de distância.

“Os três Danis passaram mais 25 metros além do Phil. Enquanto eles observavam horrorizados, eles viram Stan levantar o seu cajado, encarando o grupo Wickboon. ‘Yemu, vai embora’ ele gritou olhando para trás. Ele manteve o seu cajado erguido, não para bater, mas para formar uma barreira contra os guerreiros que estavam vindo. ‘Todos vocês, voltem para casa!’ ele mandou. Um sacerdote dos Kemu chamado Bereway deu a volta e, de perto, atirou uma flecha em seu braço direito erguido. Outro sacerdote, Bunu, atirou uma estaca de bambu em suas costas, embaixo do seu ombro direito. Yemu estava chorando, gritando para que eles parassem.

Conforme as flechas entravam em sua carne, Stan tirava elas, uma por uma, as quebrava e as jogava fora. Dezenas deles estavam vindo por todas as direções. Ele continuou tirando as flechas, quebrando elas, e jogando eles até ele não dar conta.

Nalimo chegou naquele lugar depois que 30 flechas haviam marcado o corpo de Stan, ‘Como que ele consegue ficar em pé por tanto tempo’ Nalimo ficou surpreso. ‘Por que ele não cai? Qualquer um de nós teria caído a muito tempo! ‘ Uma lança diferente atingiu a pele de Nalimo – medo! ‘Talvez ele é imortal’. A face normalmente passiva de Nalimo ficou cheia de emoção. Por causa daquela emoção, Nalimo disse depois – alé disso, Nalimo foi batizado depois como crente em Cristo – por causa do seu medo, ele não atirou a sua flecha no corpo de Stan, embora todo o seu povo havia feito isso. Stan enfrentou os seus inimigos, firme e sem balançar, exceto pela pancada de cada nova flecha.

Yemu correu para onde Phil estava sozinho. Juntos, eles assistiam angustiados a agonia de Stan. Conforme cinquenta ou mais guerreiros se separaram do grupo principal e foram na direção deles, Phil colocou o Yemu atrás dele e sinalizou para ele sem falar nada, ‘Corre! ‘ Phil parecia não notar os guerreiros a sua volta. Os seus olhos estavam fixos no Stan. Cinquenta flechas – 60 flechas – faixas de sangue vermelha dos vários ferimentos, mas Stan permanecia no seu lugar.

Nalimo percebeu que ele não era o único com medo. O ataque começou com hilariedade, mas agora os guerreiros atiravam as suas flechas com desespero, quase que em pânico, porque o Stan se recusava a cair. Talvez Kusaho estava certo. Talvez eles estavam cometendo um crime monstruoso contra o mundo sobrenatural ao invés de defende-lo como era o seu propósito. ‘Caia! ‘ eles gritavam para Stan. ‘Morra! ‘ Era um clamor. ‘Por favor, morra! ‘

Yemu não ouviu Phil dizer nada aos guerreiros conforme eles apontavam as suas flechas para ele. Phil não tentou fugir ou lutar. Ele encarou perigo muitas vezes mas nunca a morte certa. Porém, Stan mostrou para ele como encarar isso. Se ele precisasse de um exemplo, ele estava ali. O exemplo não poderia ser seguido por nada mais do que uma coragem maior. Novamente, foi Bereway que atirou a primeira flecha, e levou praticamente o mesmo tanto de flechas que derrubou Stan para derrubar o Phil. Yemu e os três Danis esperaram até que Phil estivesse demasiadamente ferido para sobreviver.

Diante das mortes, depois que os dois missionários caíram na praia, os Yali levaram os seus corpos batidos para longe das pedras e os colocou em alcovas na floresta separados pendurados por flechas. Embora os Yali não decapitavam ninguém, Bunu, movido pelo medo, decapitou Stan e Phil. Ainda insatisfeitos, os assassinos tiraram toda a roupa dos corpos, os cortaram sistematicamente em pedaços, e espalharam os seus ossos pela floresta para tornar a ressurreição mais difícil de acontecer. Desde o início, Nalimo e seu amigo planejaram um banquete canibal depois de matarem Phil e Stan”.

Existe um preço a ser pago, não é? O final maravilhoso da história é que o vilarejo Yali e todo o território veio a Jesus Cristo, e eles não e juntam mais para comer missionários. Eles se juntam ao redor da mesa do Senhor; porém, o preço foi muito alto.

Uma das coisas mais maravilhosas que eu sei a respeito dessa história é que o quinto filho de Stan, que foi um bebê quando ele morreu, foi salvo lendo esse livro a respeito do seu pai. Esse é o preço. Se você vai confrontar o mundo, existe um preço a ser pago. Sempre foi desse jeito. Foi assim com Savonarola. Foi assim com Stan Dale nos anos 60 quando isso aconteceu. E será no futuro porque quando nós olhamos para o Apocalipse, o que nos encontramos no capítulo 9? Um grupo de pessoas debaixo do altar clamando, pessoas que foram mortas, martirizadas pela causa de Cristo. Sempre será dessa forma.

Agora, vamos olhar novamente para Mateus 5:10-12 e ver três pontos que nós introduzimos em nosso último estudo: a perseguição, a promessa e a postura. A perseguição está nos versículos 10 e 11, e nós iremos recapitular isso brevemente. “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus”. E então ele fica personalizado. Eu penso que é tudo uma só bem-aventurança e não duas. Isso porque as pessoas que passaram por isso são duplamente bem-aventuradas.

Você tem, então, uma afirmação genérica no versículo 10, e nós vimos isso da última vez. Essa é uma recapitulação. Então ele personaliza no versículo 11, “Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e mentindo, disserem todo mal contra vós”.

Vamos fazer algumas perguntas básicas: Quem são os perseguidos? Quem? Eu vou te dizer quem – aqueles que vivem um estilo de vida das bem-aventuranças; aqueles que vêm a conhecer Deus através de Jesus Cristo; aqueles que são o povo do reino; aqueles que vivem a vida nos termos de Deus. Amados, eu quero que vocês entendam isso – essa piedade gera antagonismo. Você precisa esperar isso. Eu não estou tentando dizer isso pra você para que você saia e seja ruim com todo mundo. Eu não estou te falando isso para que você saia e faça inimigos. Eu estou falando isso para que você não fique chocado.

Em Filipenses, capítulo 1, versículo 29, “Porque vos foi concedida a graça” – do que? – “de padecerdes por Cristo e não somente de crerdes nele”. “Porque vos foi concedida”, ele diz. Isso deve ser esperado. Isso não é anormal.

Paulo diz as Tessalonicenses em 1 Tessalonicenses 3:3, “a fim de que ninguém e inquiete com estas tribulações”. Você não deveria ficar surpreso. Você não deveria ser pego de surpresa. Você não deveria querer repensar se você fez o compromisso certo. “Porque vós mesmos sabeis que estamos designados para isto”. Isso não deveria te pegar de surpresa. Isso não deveria te surpreender. Nós fomos chamados para essas coisas.

Em 2 Timóteo, capítulo 3, versículo 12, novamente, o mesmo pensamento, “Ora todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos”. Nós fomos chamados para isso pessoal, e isso é algo muito básico. Um mundo sem Deus, nervoso, hostil e pecaminoso confrontado pelo Cristianismo deve reagir.

O “quem” – todos que vivem a vida de bem-aventurança, todos que entram no reino, todos que são filhos do reino que vivem dessa forma. Você vai ao mundo e tenta levar misericórdia para o mundo. Você vai e tenta purificar os corações dos homens ao da-los a consciência do pecado. Você vai e tenta fazer as pazes através do único pacificador, Jesus Cristo. Se você for corajoso e confrontador da forma que Deus quer que você seja, você vai descobrir que haverá uma reação.

Como? Nós vimos “quem”. E o “como”? Bom, nós seremos perseguidos. Como que eles demonstrarão a sua raiva? “Perseguição” é uma palavra grega que significa “assédio; tratar mal”. Literalmente, em sua raiz, ele significa, “perseguir”. Você virá atrás de nós.

Eu realmente penso que nos Estados Unidos, nós estamos prestes a entrar em alguns dias que serão muito diferentes do que nós temos visto no passado. Eu penso que nós temos perambulado por aqui nessa era pós Grande Avivamento. Nós temos vivido a partir dos avivalistas do passado e dos benefícios que os Estados Unidos teve da herança daqueles dias. Isso está rapidamente acabando. O governo não está apenas agindo contra a religião; mas a religião está agindo contra ela mesma ao proliferar todas as seitas e “ismos”, separações, e tudo mais.

Nós estamos vendo o governo em cima dos grupos religiosos. Nós estamos vendo mudanças em atitudes. Nós estamos vendo a IRS e outras agencias passando leis que impactarão diretamente nós que estamos na igreja de Jesus Cristo. Nós estamos vendo reações a coisas que antes eram sagradas; toda a ideia de igreja e todas essas coisas irão embora com a mãe e a torta. Isso também vai passar, e por isso, “Eles nos perseguirão”, ele diz.

Como? Versículo 11. Você se lembra do que nós te falamos? “Injuriar”. Isso é um abuso direto. “mentindo, disserem todo mal contra vós”. Isso é calúnia pelas costas. Eles virão até aqueles que são povo de Deus, de forma direta e indireta. Eles falarão a respeito de nós quando nós tivermos ido embora, e eles reagirão a nós quando nós estivermos lá. Haverá confrontações abertas, e haverá calúnia privada.

Eu recebi uma carta nessa semana, e eu achei que eu deveria compartilha-la com você: “Recentemente, você pregou a respeito da última bem-aventurança, ’Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós’. Naquele sermão, você disse que um cristão nunca fosse perseguido, existia algo de errado com o seu cristianismo.

Ontem, eu tive a oportunidade de falar com um amigo que eu não vi por muitos anos. Ela, no passado, professava o Cristianismo, mas agora ela está no processo de se divorciar do seu marido sem nenhuma causa justa. Eu sabia que eu precisava confronta-la com o que Deus diz a respeito do divórcio. Isso significaria colocar a nossa amizade em jogo com a possibilidade dela se tornar hostil para comigo. Eu estava com medo, e eu não queria confrontar ela. Mas, tendo o conhecimento de Deus dentro de mim, eu sabia que eu tinha que obedecer a Deus e, rapidamente, aconteceu o seguinte.

Eu lembrei ela do amor e da graça de Deus e de como ele queria que a família dela fosse feliz e vivesse em harmonia de acordo com o seu perfeito padrão. Eu compartilhei com ela o que Deus pensava do divórcio assim como as suas diretrizes para o casamento e para o divórcio. Quanto mais a gente conversou, mais defensiva e irritada ela ficou. Ela disse que ela não acreditava que a Bíblia era a Palavra de Deus mas sim uma interpretação de homens do que Deus disse. Ela ainda falou que cada um tinha o direito de formar a sua própria interpretação do que as Escrituras significam. A bíblia era boa para ter por causa de suas diretrizes, mas dependia do leitor decidir quais aplicavam a ele.

Eu expliquei para ela como que a interpretação particular somente levaria a um caos teológico. Quando eu peguei a minha Bíblia para ler para ela algumas passagens específicas, ela não me deixava ler, dizendo que ela não tinha vindo aqui para discutir a Bíblia. Resumindo, não tinha como argumentar com ela. Conforme ela estava se preparando para ir embora, ela ficou furiosa, e com ódios nos seus olhos, ela me acusou de manipula-la para vir a minha casa sem se importar com ela. Com aquilo, ela saiu, batendo a porta.

Eu posso dizer agora que eu sei o que significa ser odiada e falsamente acusada por ter sido firme com Cristo. Eu sei que eu poderia conviver com isso por muito tempo, pois ela está se divorciando do seu marido para começar algo com alguém da minha família. Eu a amo, e é com um pesar muito grande no coração que eu percebo o quanto ela rejeitou a Cristo. Embora isso tenha sido muito doloroso, eu agradeço a Deus, pois pela primeira vez na minha vida, eu sei o que é estar separada do mundo”.

O que é pior – ser atirado com uma flecha Yali ou ser odiado por alguém que você ama? Um terminará rapidamente; o outro durará muito tempo. Mas é assim que é, entendeu? Nunca é fácil para o povo comprometido. Se é fácil para vocês, uma de duas coisas é verdade – você não é um cristão; ou você é um cristão, mas você não está manifestando o tipo de coisas que o nosso Senhor falou aqui. Nunca é fácil para o cristão.

Veja comigo 1 Coríntios, capítulo 4. Deixe-me te mostrar algo; 1 Coríntios, capítulo 4, versículo 9. Paulo traz uma das imagens mais vivas que você encontrará em 1 Coríntios. Ele diz no versículo 9, “Porque a mim me parece que Deus nos pôs a nós, os apóstolos” – qual é a próxima palavra? – “em último lugar, como se fôssemos condenados à morte; porque nos tornamos espetáculo ao mundo, tanto a anjos, como a homens”. Pare aqui.

Paulo diz, “Sabe, eu acho que quando nós pensamos aonde nós nos encaixamos, Deus nos colocou em último lugar, condenados à morte, tornando-nos espetáculos” e você sabe o que ele tem em sua mente? Quando um general romano ganhava uma grande vitória, ele recebia o privilégio de desfilar o seu exército pelas ruas da cidade. Conforme o exército passava pelas ruas da cidade, eles carregavam com eles as recompensas, despojos e troféus de guerra. Ele estava permitindo que aquele general demonstrasse para todas as pessoas o tremendo triunfo do que ele alcançou.

E sempre, no final do longo desfile, haviam pequenos grupo de cativos, símbolos do povo conquistado, destinados para morrer. Eles eram homens aprisionados, prestes a serem jogados em uma arena para lutas contra animais a fim de morrerem, e Paulo diz, “Eu acho que Deus nos apontou, os apóstolos, em último lugar; como era, destinados para a morte. Nós somos um espetáculo para o mundo, para os anjos e para os homens”.

Paulo usa termos aqui daquela cena, e ele enxerga os apóstolos. Quem eram eles? Eles eram como os emblemas de todos os discípulos verdadeiramente comprometidos. Eles são um grupo de prisioneiros destinados a morte.

Moffatt traduz da seguinte forma: “Deus quer que nós apóstolos venhamos no final, como gladiadores condenados na arena”. A palavra “condenados à morte”, você está vendo ela aí? A palavra “condenados à morte” é a palavra “sentenciado”. É um termo raro usado para se referir a criminosos vistos como objetos de escárnio conforme eles marchavam para a sua execução. Assim, Paulo diz, “Nós apóstolos estamos condenados. Nós estamos sendo trazidos para o final como prisioneiros, espetáculos para todos verem, debocharem e matarem. Criminosos condenados”.

No entanto, ele diz, “Mesmo assim nós perseveramos. Nós somos tolos por causa de Cristo, mas você é sábio. Nós somos loucos por causa de Cristo, e vós, sábios em Cristo; nós, fracos, e vós, fortes; vós, nobres, e nós, desprezíveis”. Aqui ele está sendo sarcástico. Então ele diz, “Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Quando somos injuriados, bendizermos; quando perseguidos” – e aqui está a palavra-chave – “suportamos”.

Nós sabemos para o que nós somos chamados. Nós não somos chamados para entrar com o carrão na cidade e sermos populares. Nós não fomos chamados para sermos grandes estrelas. Nós não fomos chamados para sermos celebridades. Nós fomos chamados para sermos condenados a morte; e nós sofremos com isso. Nós somos os tolos e você o sábio. “Vocês nos enxergam como loucos”, ele diz. “Nós, fracos, e vós, fortes; vós, nobres, e nós, desprezíveis. Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nós afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Quando somos injuriados, bendizemos; quando perseguidos, suportamos”.

Como que ele reage a tudo isso? Sendo difamado, ele diz – ou “sendo injuriado”, versículo 12. “Nós bendizemos; quando perseguidos, suportamos; quando caluniados, procuramos conciliação”. Agora, veja o seguinte, “Até agora, temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos”. Preste atenção. A palavra “lixo” simplesmente significa “sujeira”. Ela é usada para descrever algo que precisa ser tirado quando você quer limpar algo. Poderia ser algum lixo deixado em algum pote ou alguma louça. Poderia ser pó na mesa. Qualquer tipo de sujeira que você queira eliminar.

Então ele usa o termo “escória”, algo que você esfrega para sair. Paulo diz, “Olha. Nós nos vemos como lixo e escória”. Então você diz, “Paulo, você é um dos apóstolos. Nós temos estatuas de você Nós temos catedrais de São Paulo”. Ele diz, “Nós somos lixo e escória”. Eles aceitaram isso. Os apóstolos aceitaram isso. Essa era a estimativa do mundo. Eles contavam o custo. Eles estavam dispostos a pagar o preço e, até onde nós sabemos, 10 ou 11 dos 12 morreram como mártires. O único que nós sabemos que não morreu assim foi João pois ele foi exilado e morreu no exílio.

Olha, pessoal. Eu não sei o que aconteceu com o tipo de Cristianismo que nós temos hoje, mas não é isso. Será que nós podemos dizer, na sociedade humana, nos Estados Unidos hoje, que os Cristãos são o lixo e a escória do mundo? Nós somos? Nós somos as estrelas. Nós temos as maiores luzes de Las Vegas para nós. Nós temos os nossos próprios programas de TV. Nós vivemos em dois mundos. Nós fazemos o nosso negócio aqui, mudando a nossa roupa, vimos para a igreja e fazermos o nosso dever.

Nós dançamos em Las Vegas e depois levantamos e damos o nosso testemunho. Nós somos as estrelas. Nós somos os presidentes, os vereadores, os atletas famosos, os atores, os cantores, e eu sou grato por todas essas pessoas que são verdadeiros crentes. Eu só fico pensando se nós estamos com a ideia certa. Nós estamos tentando dançar com o mundo ao invés de confronta-lo. Eu não sei como isso aconteceu. Nós somos a elite. Nós somos os aceitáveis. Nós somos os ricos.

Olha. Não foi dessa forma que Paulo enxergava isso. Quando Paulo deu os seus credenciais, muitas pessoas – eu recebo muita coisa no correio perguntando, “Você gostaria que tal pessoa começasse a vir para a sua igreja? “ Eles viriam por um preço, sabe? Você gostaria de ter aqui tal estrela? Aqui estão os seus credenciais”. Eles te enviam um monte de papel com tudo da pessoa – fotos de mãos dadas com todo mundo. “Você gostaria de ter essas estrelas? “ Olha. Eu não estou interessado em estrelas.

Quando Paulo veio, ele não disse, “ah, eu gostaria que você soubesse que eu graduei na Universidade de Gamaliel magna cum laude. Eu sou um homem mundial. Eu falo muitos idiomas. Eu sou amigo pessoal de diversos reis, governantes e homens famosos. Eu morri certa vez e voltei a viver”. 2 Coríntios para a respeito disso. “Eu subi para o terceiro céu”. Como ele avançaria hoje. “Eu falo em línguas mais do que todos vocês”. Olha. Não há limites para o que aquele homem poderia fazer. Um testemunho inacreditável. Ele poderia te manter aqui por horas.

Ele disse, “Você quer as minhas credenciais? Eu vou te dar as minhas credenciais”. Veja 2 Coríntios, capítulo 11. Aqui está as suas credenciais. Senhoras e senhores, eu gostaria de introduzi-los ao apóstolo Paulo. Aqui está as suas credenciais. Versículo 23, “São ministros de Cristo? “ Ah, ele é mais. Aqui está o maior ministro de Cristo. Você está pronto?

“...em trabalhos, muito mais; muito mais em prisões; em açoites, sem medida; em perigos de morte, muitas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar; em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes; em frio e nudez”. Aí está pessoal.

Hm? Versículo 5 do capítulo 12, “De tal coisa me gloriarei” eu posso entender isso. Você pode? Um ex-prisioneiro, que apanhou, foi apedrejado, naufragado, abusado. “não, porém de mim mesmo, salvo nas minhas” – o que? – “fraquezas. Pois, se eu vier a gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas abstenho-me para que ninguém se preocupe comigo mais do que em mim vê ou de mim ouve”.

Veja. Ele diz, “Eu quero dizer nada a meu respeito. Eu não quero a glória. Eu não quero dar a impressão errada a ninguém”. Veja, “E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim”.

Ele teve um problema. Algumas pessoas acham que era um problema no olho. Possível. Outras achavam que era uma doença de olho que o deixava muito feio, tornando ele alguém desprezível de estar por perto. Eu não sei o que era. Mas seja o que for, era algo não desejável. Ao invés de tirar aquilo, Deus disse, “A minha graça te basta. Eu mantive você humilde, Paulo. Porque a minha força se torna perfeita na fraqueza”.

“De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injurias, nas necessidades, nas perseguições” – você está vendo? – “nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então é que sou” – o que? – “forte”.

Olha. Enquanto você achar que você consegue fazer isso por seu próprio esforço, você não tem o poder de Deus. É isso que Ele está falando. Enquanto você der conta sozinho, você é bom. Você foi aprovado. Você tem o que é necessário para conseguir. Você está agindo dentro do princípio errado.

Ele diz, “Eu gloriarei na minha fraqueza. Eu gloriarei na minha enfermidade. Eu gloriarei na perseguição. Eu gloriarei na repreensão. Eu gloriarei na necessidade. Tudo o que me quebra, tudo que me destrói, tudo o que me humilha, nisso me gloriarei porque isso é o que me faz depender de Deus. E não, eu não tenho recursos próprios. É justamente nesse momento que Deus se move através de mim para confrontar o mundo”.

Nós vivemos em um momento em que o cristianismo, como nunca antes, está engajado em um ato de auto glorificação que deve ser repulsivo a Deus. Nós estamos criando celebridades mais rápido do que o mundo. Não é para ser assim. Quando o nosso Senhor disse, como nós aprendemos nessa manhã em Atos, capítulo 1, versículo 8, “Vós sois as minhas testemunhas”. Ele disse, “Vós sois as mou martyres”. Meus o que? Mártires. Existe um preço a ser pago.

“Quem” é a bem-aventurança que é direcionada a qualquer um que é um filho do reino. Como nós seremos perseguidos? Nós seremos confrontados face-a-face e injuriados; assim como por detrás, nós seremos caluniados. Por que? Vamos ver o porquê? Vamos voltar para Mateus 5. Por que eles farão isso a nós? Você diz que nós somos pessoas tão boas, e eu concordo. Os cristãos são as pessoas mais bondosas no mundo. Nós somos as pessoas mais bondosas porque Deus vive em nós, e Deus é bondade. Ele tira o nosso mal e nos dá a sua bondade, estando então em nós. Mas por que que o mundo faria isso?

A resposta é simples; versículo 10 diz, “...por causa da justiça...” O versículo 11 diz, “por minha causa”. Olha. Existem duas coisas que o mundo não quer: justiça e Cristo, entende? Você confronta um mundo pecaminoso que ama as trevas ao invés da luz; você confronta um mundo pecaminoso que ama o seu pecado, e esse mundo reagirá. Você traz Jesus Cristo novamente, e o mundo vai fazer o que fez com ele no passado. O mundo vai querer ele morto. Sempre foi assim, e sempre será assim.

Veja João 15 rapidamente. Em João 15, versículo 18, o nosso Senhor Jesus falou da forma mais clara possível, “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim”. João 15:18. “Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia”. O versículo 17 diz, “Isto vos mando: que vos ameis uns aos outros”. Isso é muito bom. Nós precisamos disso. Nós desfrutamos disso nesta noite e fomos enriquecidos por isso nesta noite.

E aqui nós estamos, reunidos, toda essa tremenda família de Cristo aqui na Grace. Nós amamos uns aos outros. Então nós saímos daqui e o mundo não nos ama. O mundo o que? Nos odeia. O sistema maligno nos odeia. Você diz, “Por que eles fazem isso? “ Porque nós não somos deste mundo. Se nós fossemos deste mundo, ele nos aceitaria; mas nós confrontamos o mundo.

Agora, se você não confrontar o mundo, eles nunca saberão. Mas se o mundo sabe que nós não somos parte do sistema, eles nos odiarão. No versículo 20 ele diz, “Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa”. Em outras palavras, “Quando você se identifica comigo, então eles te tratarão como eles me trataram. Aqueles que me amam te amarão, e aquele que me odiaram te odiarão; aqueles que amam a justiça te amarão, aqueles que odeiam a justiça e amam o pecado te odiarão”.

A ponto central é que eles não conhecem a Deus. Versículo 21, “Tudo isto, porém, vos farão por causa do meu nome, porquanto não conhecem aquele que me enviou”. Você viu? Eles simplesmente não conhecem a Deus. “Se eu não viera, nem lhes houvera falado, pecado não teriam; mas, agora, não têm desculpa do seu pecado. Quem me odeia odeia também a meu Pai. Se eu não tivesse feito entre eles tais obras, quais nenhum outro fez, pecado não teriam; mas, agora, não somente têm eles visto, mas também odiado, tanto a mim como a meu Pai”.

Você sabe o que Jesus veio fazer no mundo e fez? Ele veio ao mundo e ele expor o que deles? O pecado. E então eles tinham pecado. Eles viram o pecado em suas vidas. Eles foram confrontados com a realidade do pecado. Se Jesus não tivesse vindo, eles teriam passado batido por isso. Eles estavam fazendo um ótimo trabalho de guardar a sua consciência. A sua religião tinha literalmente fechado os seus olhos para a verdade e, na sua cegueira, eles estavam felizes marchando para o inferno. Cristo arrancou as vendas e disse, “Olhem para vocês mesmos”. Eles viram os seus pecados, e odiaram a Cristo por isso; eles o odiaram.

Tudo isso se passa exatamente como as Escrituras tinham dito em Salmos, “Eles me odiaram sem” – o que? – “causa”. Sem nenhum motivo. Portanto, a pergunta “Bom, por que eles nos odeiam? “ Ah, não tem motivo. Não há nada de errado com você. Você está bem. Não há nada de errado comigo também. Eu não sou tão maravilhoso como eu queria, mas eu não sou totalmente mal; mas isso não tem a ver comigo. É a justiça; é Cristo. Você vive uma vida justa. Você é o sal, e nós vamos entrar nisso na próxima semana. Você é o sal. Veja o que acontece.

Sal – você já colocou sal em uma ferida? – Au. Dói. Seja o sal. Não diga nada. Apenas seja sal. Apenas seja justo em uma sociedade corrupta. Veja o que acontece. É desse jeito que vai ser. Você diz, “Bom, então eu vou te falar o que nós devemos fazer. Nós devemos sair desse mundo. Nós temos que – puff – cair fora”. Então o monasticismo reina. Vamos todos criar um hábito, nos tornarmos monges, recuar, construir um muro e estudar as Escrituras.

Não. Mesmo com isso, eu amo fazer isso. “Quando, porém, vier o Consolador” – versículo 26 – “que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim; e vós também” – o que? – “testemunhareis”. “Não vão pra canto nenhum”, ele diz. “Não fujam. Não recuem. Não arrumem suas coisas. Não fujam a noite para estudar a Bíblia até o Arrebatamento. Vão lá fora e se tornem mártires, mártir”. Você precisa confronta-lo, pessoal.

Olha. A vinda de Jesus não trouxe apenas salvação, mas ela trouxe também a manifestação do ódio daqueles que amam os seus pecados, e isso não significa que nós viramos as costas para o mundo. Isso significa que nós devemos sair e confrontar o mundo, encarar o mundo. E, claro, o que vai acontecer? Eu vou te dizer o que vai acontecer. Ele diz no versículo 2 do capítulo 16, “Eles vos expulsarão das sinagogas; mas vem a hora em que todo o que vos matar com isso tributar culto a Deus. Isto farão porque não conhecem o Pai, nem a mim”.

Você percebeu? Não tem nada a ver com você. É porque eles não conhecem a Deus. E por não conhecerem a Deus, eles não conhecem a Cristo. E por não conhecerem a Cristo, eles não entendem a justiça. Por não estarem dispostos a obedecer a justiça, eles desejam os seus pecados e não tolerarão uma confrontação nesse momento.

É exatamente isso que as bem-aventuranças estão dizendo. Volte agora para Mateus e deixe-me te mostrar algo. Em Mateus, capítulo 5, o Senhor diz, “Você será perseguido. Você será perseguido”. Versículo 10, versículo 11, versículo 12, e você diz a mesma coisa, “Bom, vamos ser monásticos. Vamos recuar”. Não. Versículo 13 – continuem comigo pessoal, “Vós sois o sal da terra”. Versículo 14, “Vós sois a luz do mundo”. Não vão para nenhum lugar. Os homens não acendem uma lâmpada e a colocam de baixo do alqueire. Eles a colocam em um velador para que a sua luz brilhe – o que? – aonde? – diante dos homens.

Você estão vendo, pessoal? Mesmo que exista um preço a ser pago, nós não podemos fugir. Eu consigo imaginar o pequeno Stan Dale; e é incrível ler aquele livro. A primeira vez que ele foi atacado, antes do primeiro ataque daqueles nativos, eles estavam todos reunidos com os seus arcos e flechas no topo de uma montanha e ele disse, “Eu vou subir lá e vou falar pra eles que eles não podem fazer isso” e ele simplesmente subiu lá e ficou andando com eles, e eles atiraram nele. As flechas não acertavam ele e ele continuou andando.

Uau, existe algo empolgante a respeito disso. Ele seria o sal e a luz não importa o que acontecesse. Levou em torno de 60 flechas para ele cair. Ele iria salgar a situação o quanto ele aguentasse. Não fuja. Seja fiel.

Bom, claro que o mundo não gosta disso. Em Colossenses 1:24, você se lembra disso? Eu vou pular algumas coisas e ir direto para isso. Colossenses 1:24, você se lembra disso, “Agora, me regozijo nos meus sofrimentos por vós; e preencho o que resta das aflições de Cristo, na minha carne” Deixe-me lidar com isso.

Paulo disse, “Todas as vezes que alguém me bate, eles estão, na verdade, perseguindo a Cristo”. Stan Dale poderia ter dito a mesma coisa. Todos aqueles Yali que atiraram as flechas estavam, na verdade, atirando em Jesus Cristo. Não sou eu que eles desprezam; é a verdade que eu presento que eles desprezam, não é?

O mundo está perseguindo a Cristo. É Cristo que o mundo ainda está tentando matar. Eles não conseguem pegado porque ele não está aqui, então eles pegam quem estiver no seu lugar e que fala a mesma verdade. Assim como o mundo pregou os pregos em suas mãos porque eles odiavam a sua mensagem, o mundo ainda está pregando os pregos nas vidas dos crentes que estão lá fora confrontando o sistema com a mesma mensagem.

Agora, você me conhece; eu não estou buscando causar guerra. Eu não estou tentando criar inimigos por todos os lados. Mas eu estou te dizendo uma coisa, eu creio em dizer o que é certo, quando deve ser dito, aonde deve ser dito, para quem deve ser dito, e eu não me importo com as consequências por sua causa. Eu escuto o apóstolo Paulo, “ó, que eu possa conhece-lo e participar do seu” – o que? – “sofrimento”. Viu? “Eu estou disposto”. É isso que ele diz. “Eu receberei essas pancadas”.

Em Mateus 10 e depois em Mateus 24, são grandes textos a respeito do fato que ele diz, “Você será odiado por minha causa. Você será odiado por minha causa”. Quem? O povo do reino. Como? Perseguição. Por que? Por sua causa? Quando? Quando nós seremos perseguidos? Bom, veja o versículo 11, “bem-aventurados sois quando...” Quando – hotan? O que isso significa? Isso significa “em qualquer momento”. Em qualquer momento. Isso não significa, “bem-aventurados vocês que sempre são perseguidos”. Não, “quando isso acontecer, vocês são bem-aventurados”.

Ele não traz a ideia de que nós seremos incessantemente e absolutamente perseguidos; uma perseguição contínua. Isso não era verdade nos tempos de Paulo. Isso não era verdade nos tempos de Cristo. Houveram momentos em que Cristo desfrutou dos tempos de família com Maria, Marta e Lázaro. Houveram momentos maravilhosos que Jesus desfrutou no Monte das Oliveiras. Houveram momentos maravilhosos com os doze na Galiléia.

Não, isso não será incessantemente, infindável e interminável. Mas quando – hotan – quando isso acontecer, Deus estará lá para trazer a sua bem-aventurança naquela alma disponível. Ele sempre torna aquilo sustentável, não é? “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá” – o que? – “livramento...” Sempre estará lá.

Agora, prestem atenção, amados. Quando isso acontecer, nós não buscamos isso. Nós não buscamos isso. Nós não temos um complexo de martírio, mas nós não fugimos disso também. Quando nós tivermos no meio disso, nós não comprometeremos. Bom, a perseguição é seguida, no texto, pela promessa. Você não está feliz por isso? Qual é a promessa? “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando vos injuriarem” e por aí vai. Bem-aventurados, bem-aventurados, bem-aventurados, porque deles é o reino.

Ouça, amados. O que nós abrirmos mão neste mundo, nós ganharemos um milhão de vezes mais no reino de Deus, não é? Qualquer coisa física que nós perdermos, aquela recompensa eterna compensaria infinitamente. O que o amado apóstolo Paulo disse que nós teríamos, com nossa mente e nossa capacidade, neste mundo? Ao invés disso, ele não tinha absolutamente nada, e um dia ele colocou a sua cabeça em um bloco de madeira e um machado o decapitou. O que o abençoado apóstolo Paulo disse a não ser isso, “Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós”. Certo?

Qualquer que seja a perda aqui, ela nunca poderá ser comparada com o que nós ganharemos no reino de Deus. “Bem-aventurados” ele diz. Ele diz isso duas vezes, “repetindo enfaticamente, “Bem-aventurados. Bem-aventurados novamente” porque aqueles que estaríamos dispostos a se posicionarem por Jesus Cristo conhecerão a felicidade da obediência e a bem-aventurança de fazer parte do reino eterno de Deus.

Eu penso em muitas ilustrações para isso. José viu que isso era verdade. José foi perseguido por seus irmão por causa da justiça. Ele acabou em um poço seco no deserto, desprezado e odiado, e Deus o levantou e fez dele o primeiro ministro do Egito. Tudo o que levou foi um pouco de paciência.

Jeremias foi jogado em um calabouço por causa de sua vida justa com areia movediça por todos os lados, enterrando-o. Deus levantou-o dali e tornou o seu nome mais honrável do que de qualquer homem que já viveu como profeta de Deus.

Veja. Se você está disposto a pagar o preço agora, Deus diz, “A glória que será revelada é incomparável. Bem-aventurança dupla para os perseguidos, pois deles é o reino e tudo o que possivelmente há no reino”. Você diz, “bom, de que reino ele está falando? “ Eu penso que ele está falando a respeito de todo o conceito envolvido no reino. Eu penso que ele está falando daqui e agora. O rei vivo habitando em nós nos revela e nos dá a plenitude da vida do reino espiritualmente.

Eu penso que ele está falando a respeito do elemento milenar. Haverá um momento em que o cumprimento físico da vida do reino pertencerá a nós naquela bela e renovada terra. Eu penso que ele está falando a respeito do reino eterno, quando nós estivermos face-a-face com o Filho de Deus e glória para sempre. Eu penso que ele tem tudo aqui. Eu penso que ele está dizendo que o reino pode nos dar, tudo o que pode ser do dom glorioso e grande de Deus para compensar a nossa luta, será nosso.

Em Marcos 10 nós vemos, “Pedro começou a dizer-lhe: Eis que nós tudo deixamos e te seguimos”. Nós nos despimos. Nós viemos atrás de você. Nós somos como mendigos no mundo. “Tornou Jesus: Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou pai, ou filho, ou campos por amor de mim e por amor do evangelho” – preste atenção – “que não receba, já no presente, o cêntuplo” – você está vendo isso? Esse é um cumprimento presente – “...de casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições” – nota de roda pé – “e, no mundo por vir, a vida eterna”. Você viu? Aqui e agora. Naquele lugar e naquele momento. É tudo nosso. Que cumprimento, pessoal.

Veja. Nós temos uma visão muito limitada. Nós queremos proteger esse momento. Ao invés de dar o momento a Deus e assegurar para sempre um peso eterno de glória. Preste atenção. O reino é um dom das bem-aventuranças. Você percebeu que a primeira bem-aventurança começou com uma promessa, “Deles é o reino dos céus” e a última bem-aventurança termina com a promessa “deles é o reino dos céus”? O que ele realmente está nos dizendo é que a maior promessa das bem-aventuranças é que você se torna um cidadão do reino agora e para sempre e aquelas entre as duas promessas são apenas elementos da vida do reino.

Não importa o que o mundo faz, meus amigos, não importa o que o mundo faz, ele nunca vai poder afetar a posse do reino de Cristo. Isso é nosso, agora e para sempre. Assim, a perseguição existirá, e quando nós perseveramos nela, a promessa é nossa. Nós fazemos parte do reino e tudo o que o reino pode dar será nosso.

E sabe de algo? Eu não tenho uma grande mansão aqui e agora, mas um dia eu terei, não é? Eu estarei na casa do Pai. Eu não tenho todas essas casas e terras e todas as coisas grandes que ele fala. Aqui e agora, para mim mesmo, de certo modo. Isso será no milênio e no estado eterno. Mas sabe, existe um sentido em que eu já tenho porque alguns de vocês, irmãos e irmãs minhas em Cristo, e alguns de vocês, meus pais e mães em Cristo, alguns de vocês têm casas melhores do que a que eu tenho, e eu posso ir lá e desfrutar daquilo.

Você viu? É isso que significa o aqui e agora. Todos nós compartilhamos. Você pode ter aberto mão de sua família para vir a Cristo. Eles podem te isolar. Mas eu vou te dizer algo. Dê uma olhada em sua volta. Aqui está a sua família. Você pode não ter um lugar para ficar porque você foi jogado para fora de sua casa. Dê uma olhada em sua volta. Aqui estamos nós. Nós temos casas, e elas são suas também porque nós não temos nada. Nós apenas administramos isso para Deus, e isso pertence a todos nós.

Assim, a perseguição traz uma promessa, e isso significa que nós devemos ter uma postura diante da perseguição. Esse é o ponto final. Qual deve ser a nossa postura? Qual deve ser a nossa atitude se isso é verdade? Versículo 12. “Regozijai-vos”. Você diz, “regozijar? “ Regozijar quando eles estiverem atirando flechas em você. Regozijar enquanto os seus amigos estiverem gritando furiosos com você. Regozijar enquanto eles estiverem sussurrando pelas suas costas. Regozijar enquanto eles estiverem te menosprezando. Sim, regozijar. Ele diz, “Kairo”. Isso significa “seja feliz, seja realmente feliz”. E se isso não é o suficiente, ele ainda acrescenta, “e exultai”, que é a palavra “agalliaste”. Isso literalmente significa, “pule, e grite de alegria”.

Você diz, “Você está brincando, não é? Pular e gritar de alegria? Eu estou sendo perseguido”. Você deveria ficar feliz com isso. Você diz, “Bom, por que eu deveria ficar feliz com isso? Isso não parece como algo grandioso para mim”. Existem dois motivos para você ficar feliz com isso: Motivo número um, versículo 12, “grande é o vosso galardão nos céus”.

Agora, prestem atenção, pessoal. “Grande é o vosso galardão nos céus”. Deixe-me dizer algo. Por quanto tempo dura o céu? Por quanto tempo dura o céu? Para sempre. Por quanto tempo dura esse nosso tempo? “Um vapor que aparece por um tempo breve e depois passa”, de acordo com Tiago 4. Por quanto tempo dura o céu? Para sempre. Por quanto tempo dura esse nosso tempo? Não muito tempo não. Ele está ficando cada vez mais curto.

No que você está investindo? Não é à toa que Jesus disse, “Guardem para vós mesmos tesouros no céu, onde a ferrugem não o destrói, onde os ladrões não entram e o roubam”. Não guarde aqui. Isso aqui é agora e depois passa. O céu é para sempre. “Grande é o vosso galardão nos céus”.

Você diz, “bom, você acha que nós vamos receber coroas no céu? “ Claro. Eu acho que nós vamos receber coroas no céu. A Bíblia fala a respeito delas, e eu não sei o que elas significam. Realmente, no meu coração, eu acho que isso tem a ver com a nossa capacidade de glorificar a Deus para sempre. Eu penso que quanto mais fieis nós formos, mais nós conseguiremos glorificar a Deus para sempre. Eu penso que Deus nos dará uma grande capacidade para ele, uma grande capacidade para servi-lo para sempre; um grande cumprimento, se nós formos fieis aqui.

Mas eu vou te dizer uma coisa, se eu vou estar lá para sempre e eu vou estar aqui por mais uns 20 anos, eu vou investir na eternidade. Não aqui. Eu só tenho um pouco de tempo, e eu quero dedicar o máximo dele para a conta corrente de Deus, para que eu receba um dividendo eterno – não para mim, mas para que eu posso pega-los e coloca-los diante dos seus abençoados pés em louvor.

Olha. “Grande é o vosso galardão nos céus”. Eu amo essa palavra “grande” porque a palavra “grande” realmente significa o que ela diz, como muitas coisas palavras dessas na Bíblia. Quando Deus diz, “grande”, ele quer dizer “grande”.

Polus, abundante – ele é usado em Efésios 2:4 para falar a respeito de abundância. Isso significa a plenitude da recompensa. Então você diz, “Bom, eu não sei porque você quer ser tão grosseiro”. As pessoas dizem muito o seguinte, “Você não serve ao Senhor – você o serve por amor. Você não o serve por recompensa”.

Olha. Eu não inventei o sistema. Eu sirvo ele por amor. Se ele escolhe me recompensar, esse é o seu maravilhoso prazer. Eu não vou discutir a respeito disso, e quando eu chegar no céu, eu não serei orgulhoso disso. Eu receberei tudo e eu entregarei em humildade. Você está vendo, não haverá ninguém orgulhoso no céu. Nós seremos todos perfeitos. Nós conseguiremos lidar com a recompensa. Você entende isso? É por isso que o Senhor não nos entrega isso aqui. Isso acaba com nós. Se o Senhor escolher fazer isso, essa é a sua escolha; e isso é um belo motivo.

Paulo diz, “Eu tenho feito o que tenho feito durante toda a minha vida, servindo ao Senhor”. Com isso em mente, no final de 2 Timóteo, quando ele faz um canto final, ele diz, “Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda”. Ele diz, “Não há nada de errado comigo por desejar ver aquele dia; nada de errado comigo por desejar ver aquela coroa. Se esse é o dom de amor do Senhor para mim – eu recebi o dom da salvação; eu receberei esse também”.

E então o segundo pensamento – eu preciso falar desse. Isso é absolutamente fabuloso. O segundo motivo pelo qual você deve ficar feliz é porque eles perseguiram os profetas que viveram antes de você. Você diz, “E daí? O que isso tem a ver? Eles perseguiram os profetas antes de mim. Você quer dizer que eu devo ficar feliz porque eles tiveram os mesmos problemas que eu tenho? A miséria ama a companhia? Como eu estou feliz de que eu não sou o único que teve isso. Eu estou feliz que vocês passaram por isso também”. Essa é a ideia? Não.

Não, a ideia é o seguinte: Você está muito bom acompanhado. Entendeu? Eles perseguiram os profetas de Deus. Se eles perseguirem você, isso, para mim, é o clímax das bem-aventuranças. O que ele está dizendo é o seguinte: Se você tem qualquer dúvida a respeito da sua salvação, se você tem qualquer dúvida a respeito do seu status no reino. Se existe perseguição na sua vida por não crentes, você saberá, sem sombra de dúvidas, de que você pertence a Deus porque eles estarão fazendo exatamente o que eles fizeram com os profetas de Deus. Você está vendo? Uma verdade fantástica.

Eu estou te falando. Quando a perseguição vem a mim, eu apenas digo, “Bom, eu sei que eu sou o seu filho, Senhor, e eu sei que eu estou junto com os profetas”. Você está vendo? O mundo não persegue pessoas que não são profetas de Deus que não falam a mensagem de Deus.

Em Mateus, depois – e nós entraremos nisso – mas em Mateus, capítulo 21, versículo 33, nós descobrimos que existe um belo texto aqui, uma parábola. Ele fala a respeito de uma casa que plantou um vinhedo, colocando uma cerca em volta, fazendo uma espremedeira, construindo uma torre e emprestando ela para fazendeiros, saindo então para um país distante. Esse, claro, é Deus, e eles enviou os seus servos para os fazendeiros. Esses são os profetas, e Israel, é claro, são os fazendeiros. Os fazendeiros pegaram os servos e espancaram um, mataram outro e apedrejaram outro. Ele enviou outros servos e eles fizeram o mesmo com eles. Aqui estão eles matando profetas, perseguindo os profetas. Isso foi o que eles fizeram pois eles eram, cada um deles, mensageiros de Deus.

No capítulo 22 nós encontramos uma situação parecida. No capítulo 22 – ou no capítulo 23. Vamos pular e ver o capítulo 23, versículo 31, “Assim, contra vós mesmos, testificais que sois filhos do que mataram os profetas. Enchei vós, pois, a medida de vossos pais Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno? Vai. Continuem”. Ele diz. “Continuem e me matem. Vocês não são nada diferentes do que os seus pais”.

Preste atenção. Eles mataram os profetas. Eles mataram os profetas durante toda a história de Israel. Eles mataram os profetas e continuaram a matar os profetas. Isso é uma companhia rápida, pessoal. E você lê o capítulo 11 de Hebreus, versículo 32. Que catálogo. Ele diz que todas essas pessoas que sofreram isso e sofreram, sofreram, sofreram e sofreram isso “o mundo não foi digno delas...”

Então Jesus, a Maravilha das maravilhas, diz para a multidão naquele dia, e para todos nós ao longo da história, “Se você me seguir, pregar a minha verdade, viver a minha verdade, e o mundo te perseguir, regozijai-vos pois vocês podem saber que você pertencem a uma linhagem justa que vem dos próprios profetas”. A perseguição, então, é a verificação de que você pertence a linhagem correta. Aqui está a segurança do crente. Aqui está o clímax das bem-aventuranças. Ele oferece salvação para eles e então ele diz como que eles podem saber quando eles terão isso.

Olha. Isso não vem de prescrição teológica. A sua segurança não vem de você saber que você tomou uma decisão a muito tempo atrás. A sua segurança vem de saber que você está vivendo uma vida confrontadora em meio a um mundo ímpio, e que você está sendo perseguido por causa da justiça. E quando isso acontece, você sabe que você não vai ser apenas recompensado no céu, mas que você está em uma linhagem de profetas de Deus que, ao longo da história, receberam a mesma reação.

Em Lucas, no capítulo 21, nós encontramos, nos versículos 12 e 13, essa afirmação, “Antes, porém, de todas estas coisas” – diz o nosso Senhor, “lançarão mão de vós e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, levando-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome”. Eles farão isso, mas preste atenção no próximo versículo. “e isto vos acontecera para que deis testemunho”. Em outras palavras, toda luta se tornará um testemunho para você de que você pertence a Deus. Isso não é fantástico? Isso será uma grande segurança para você.

Olha. O mundo não pode tolerar o nosso estilo de vida; o nosso tipo de vida. Eles não aguentam isso. Eles não toleram isso. Isso não é aceitável para eles. Eles nem mesmo entendem isso. A humildade de espírito vai contra o orgulho de um coração descrente. A disposição contrita de arrependimento que chora pelo pecado nunca é apreciada pelo mundo insensível, indiferente e sem compaixão. O manso e quieto de espírito que caminham na direção errada não revidando é tido como covarde indo contra as características orgulhosas, militantes e rancorosas do nosso mundo.

O desejo pelas bênçãos espirituais do nosso Senhor é uma exortação para com a cobiça da carne, a cobiça dos olhos, o orgulho da vida, assim como um espírito misericordioso é para a dureza e a crueldade do nosso mundo. A pureza do coração faz um contraste preciso e doloroso com a hipocrisia e a corrupção. Um pacificador não pode ser tolerado por uma era contenciosa e antagônica do mundo, e é exatamente por isso que eles reagem do jeito que eles reagem.

Deixe-me terminar com esses pensamentos. Um grande tributo foi feito certa vez para John Knox – o grande pregador escocês. Isso foi o que ele disse de Knox, “ele temeu a Deus tanto que ele nunca ousou temer de qualquer homem”. Crisóstomo, um grande Cristão dos tempos antigos, chamado diante do Imperador Romano Arcadio, sendo ameaçado de ser exilado se ele não parasse de proclamar a Jesus, é conhecido por ter respondido, “Senhor, o senhor não pode me exilar, pois o mundo é a casa do meu Pai”.

“Então eu irei te matar”, exclamou o imperador com raiva. “Não, você não pode. Pois a minha vida está com Cristo em Deus”.

“Os seus tesouros serão confiscados!” veio a resposta ardente. “Senhor, isso não pode acontecer; o meu tesouro está no céu, onde ninguém pode entrar e roubar”.

“Pois eu te separarei dos homens e então você não terá amigos”.

“Isso também não pode acontecer, pois eu tenho um Amigo no céus que disse, ‘Eu nunca te abandonarei nem te deixarei’”.

Ele acabou sendo exilada para Cucusus, perto da Armênia. Mas ele continuou a influenciar os seus amigos através das cartas que os seus inimigos determinaram a exila-lo mais longe, morrendo assim na jornada.

E você? Quais são as suas prioridades? Preste atenção no que você diz para você. O que você diz para você mesmo? O que parece ser verdade a respeito de você na sua mente e no eu coração? Você entende o que as bem-aventuranças estão dizendo? Não são os ricos. Não são os orgulhosos. Não são os frívolos, os fortes, os espertos, os guerreiros, ou os favoritos dos reis terrestres que entraram no reino. São os pobres, os mansos, os que choram, os que têm fome, os sinceros, os pacificadores, os perseguidos. Eles entram, e a prova da sua cidadania é que eles são odiados pelo mundo. Você pertence a isso? Vamos orar.

Obrigado, Pai, por esta noite, por nos dar um estudo incrivelmente rico e recompensador dessas verdades incomparáveis nesse primeiro sermão do nosso querido Senhor Jesus Cristo, que ele registrou nas Escrituras. Ó Deus, que nós possamos ser um povo do reino. Que nós possamos viver da forma que Tu desejas que nós vivamos. Que nós possamos vir e entrar no caminho estreito nos teus termos, e que nós possamos andar no caminho estreito, por mais difícil que seja, em tua força. Que nós possamos saber que existe um preço a ser pago, e que nós possamos estar dispostos a paga-lo por causa de Jesus. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize