Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Eu gostaria de convidá-lo, como eu tenho feito nas últimas seis semanas, a abrir comigo em Mateus capítulo 6 versículos 9 a 13 enquanto consideramos o tema seguinte em nossa série na oração dos discípulos, mais conhecida pela maioria de vocês como a Oração do Senhor. Em nosso estudo através do livro de Mateus chegamos a esta porção particular seguindo versículo por versículo, parágrafo por parágrafo, que naturalmente é uma passagem muito familiar que qualquer pessoa que está familiarizada com a Igreja, ou que cresceu na Igreja, ou que frequentou, veio a conhecê-la, porque é recitada com muita freqüência e, no entanto, quando comecei a estudá-la, conhecendo-a tão bem desde a minha infância, eu descobri percepções, verdades e pensamentos que eu nunca percebi estarem aqui ou em qualquer outro lugar da Bíblia a respeito dessa matéria. Ela abriu muitas, muitas novas dimensões para a minha própria compreensão. Eu só queria poder compartilhar com você um décimo do que estou descobrindo mas o tempo nunca me permite fazer isso então eu vou arquivá-lo para algum momento no futuro onde eu possa injetá-lo em outra passagem, em outro momento. Mas eu tenho sido muito enriquecido neste estudo.

Deixe-me ler para você novamente versículo 9 a 13 para que você tenha a oração em mente. "Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia dá-nos hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal [pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém]!"

Durante seis semanas temos aprendido a orar. Esta oração está registrada no Evangelho de Lucas em resposta à pergunta dos discípulos, "Senhor ensina-nos a orar". Creio que é um padrão para a oração. Eu acredito que é o padrão; É a estrutura que nos dá uma visão de como devemos orar. Quando Deus disse a Moisés para construir um tabernáculo, Deus, em Êxodo 35, deu-lhe um padrão, e eu acredito que quando Jesus nos diz para orar aqui ele nos dá o padrão. Você não constrói uma casa sem um plano. Você não constrói um projeto sem um modelo. Eu acredito que este é o modelo para a oração. Esse é o padrão. Este é o esqueleto. Esta é a estrutura.

Eu realmente não acredito que estamos muito ligados às palavras. Eu não acho que a idéia é apenas para recitar as palavras, embora as palavras são verdadeiras, adoráveis e boas. Mas eu acho que a idéia é que esta é a estrutura na qual construímos nossa vida de oração. Tenha em mente que o impulso principal que temos visto nesta oração é que ela se concentra em Deus, não em nós.

Jesus em Mateus 5, 6 e 7 está confrontando o falso sistema religioso dos fariseus e dos escribas. Sua oração entre outras coisas era inadequada. Assim no capítulo 6 começando no versículo 5 ele começa a atacar sua oração e ele ataca basicamente o fato de que é egocêntrico. Eles oravam desfilando diante dos homens, para que os homens pudessem ver como eram piedosos. Eles não queriam nada com a oração em particular.

Eles só queriam estar envolvidos na oração pública, que os colocava em exposição. Eles faziam como o próprio cerne de sua oração, sua própria vontade, e seus próprios desejos egoístas, e assim envolveram-se em repetição vã, constante aborrecimento de Deus, que era característico dos pagãos que estavam tentando apaziguar ou forçar seu Deus a responder simplesmente por causa de sua teimosia. Suas orações eram caracterizadas por uma espécie de egoísmo que diz, "Deus É melhor você ouvir porque eu tenho algumas informações interessantes que você poderia usar" como se Deus não fosse onisciente.

Assim suas orações eram egocêntricas. Como Tiago diz, "Eles pediam para consumir em suas próprias concupiscências." Então Jesus vira tudo iso de cabeça para baixo. Ele diz "Quando você fizer suas orações, devem ser centradas em Deus". Aprendemos que a maneira correta de orar é começar com uma concentração em Deus. A introdução "Pai nosso que estás no céu" postula Deus. Afirma Deus, não só que Deus existe, mas que Deus é amor, que Deus é um pai e que Deus, como um pai amoroso, terá desejos amorosos por seus filhos a quem ele pode atender porque ele é um pai no céu que significa que recursos eternos estão à Sua disposição para a concessão em favor de Seus filhos.

Assim estamos, então, chegando a um Deus santo, a um Deus todo-poderoso, a um Deus justo, a um Deus soberano, ao grande Deus do universo, e ainda assim é um pai amoroso. Assim nos aproximamos dele não com medo mas com alegria, não chegamos perguntando se Ele pode fornecer o que precisamos, mas sabendo que, porque Ele está no céu, ele tem os recursos da eternidade à Sua disposição. Então quando nos introduzimos em Sua presença começamos a nos preocupar com Ele. Assim as três primeiras petições são: Santificado seja o seu nome, venha o teu reino e seja feita a tua vontade assim na terra como no céu, forçando-nos a ver que antes que possamos dar-nos perdoa-nos e conduz-nos devemos lidar com Deus. A oração começa com Ele com Seu santo nome com Seu reino e com Sua vontade.

Vimos até mesmo quando seguimos através de todos os elementos da oração que eles se concentram em Deus. Mesmo as petições que nos dizem "Dá-nos hoje o pão nosso de cada dia perdoa-nos as dívidas e não nos deixes cair em tentação" realmente dependem de Deus, não é mesmo? É Ele quem deve dar. É Ele quem deve perdoar e só Ele pode nos guiar ao lugar apropriado. Toda a oração se concentra nEle.

Vimos por exemplo "Pai nosso que estás no céu -" é a paternidade de Deus "- Santificado seja o teu nome -" essa é a prioridade de Deus "- venha o teu reino -" O programa de Deus "- seja feita a tua vontade -" O plano de Deus "o pão nosso de cada dia dá-nos hoje" provisão de Deus "perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores" perdão de Deus "Não nos deixe cair na tentação mas nos livra do mal" proteção de Deus e finalmente a preeminência de Deus "pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém". De modo que a oração em seguida é principalmente um ato de adoração. É um engajamento no processo de santificação. A oração não é mudar a Deus. A oração é para nos mudar. Isso é muito importante, muito importante.

Agora, para o nosso estudo desta manhã, voltamos à petição "faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu". Esta é a quarta declaração da terceira petição. A primeira petição - "santificado seja o teu nome" - a segunda petição "- venha o teu reino" - e a terceira "seja feita a tua vontade assim na terra como no céu". Isto é, essencialmente, amado, que em nossas orações o ponto de partida é que a vontade de Deus será feita. Nós nunca desejamos usurpar Sua vontade. Nós nunca desejamos mudar Sua vontade, forçar Sua vontade a ser conformada a algum pensamento nosso.

Amy Carmichael disse, "E eu rogo para mudar a tua vontade, meu Pai, até que seja segundo a minha? Mas não, Senhor, não isso nunca será mais do que eu te rogo misturar a minha vontade humana com a tua." Ela estava certa. A oração não é dobrar Deus à minha vontade mas dobrar minha vontade à de Deus. Santificado seja o teu nome, venha o teu reino, seja feita a tua vontade.

Sua vontade já está feita no céu, não é mesmo? Os anjos fazem Sua vontade. Na verdade esta semana tive um pensamento interessante, "Acho que vou olhar para a minha Bíblia e ver como os anjos fazem a vontade de Deus", porque se quisermos saber como isso deve ser feito na Terra, precisamos saber como é feito no céu. Sem entrar em todos os versículos, porque isso seria uma série em si, eu cheguei a cerca de oito palavras que eu vejo como a forma como os anjos fazem a vontade de Deus.

Em primeiro lugar, sem hesitar ou inabalávelmente nunca há uma discussão. Não é a maneira que ocorre na terra, necessariamente. O Senhor estimula e empurra, e talvez nos movamos, mais cedo ou mais tarde, mas no céu é um compromisso inabalável de fazer Sua vontade. Outra palavra que caracterizou os anjos que fazem a vontade de Deus é completamente. Completamente. Não há outras alternativas. Não há lacunas. Não há omissões.

Outra palavra que encontrei foi sinceramente. Eles estão ansiosos. Eles parecem estar em pé esperando o próximo comando para que possam se apressar para realizar o que quer que seja. Acho que isso me levou à palavra de boa vontade. Você sabe quantas vontades há no céu? Uma. Seja feita a tua vontade assim na terra como onde? No paraíso. Só existe um. Havia dois uma vez mas aquele segundo foi expulso. Só existe um. Então os anjos fazem isso de boa vontade porque é a única vontade que existe.

Creio que outra palavra que caracteriza o modo como os anjos funcionam é fervorosamente. Eles são muito agressivos em fazer a vontade de Deus. Depois a palavra prontamente, e então a palavra rapidamente e depois a palavra constantemente. Eu acho que tudo poderia ser resumido no Salmo 103, versículo 20, que diz, "todos os seus anjos, valorosos em poder, que executais as suas ordens e lhe obedeceis à palavra." "Seja feita a tua vontade assim na terra como no céu" significa que na terra deve ser feita sem vacilar, completamente, sinceramente, voluntariamente, fervorosamente, prontamente, rapidamente e constantemente. É assim que os anjos fazem isso no céu.

Você diz, "Isso está bem. Estou comprometido com isso." Mas o que isso significa? O que isto realmente significa? Bom, isso significa, como vimos da última vez, que o ponto de partida em seu coração é que as causas de Deus são as coisas que lhe dizem respeito. Deixe-me dar-lhe uma pequena declaração que você pode tipo que sublinhar em seu pensamento. Acho que é uma afirmação-chave. A morte de si mesmo é o início de uma verdadeira vida de oração. A morte de si mesmo é o início de uma verdadeira vida de oração. Somente quando o eu morre, a oração verdadeira começa, porque quando o eu está vivo o eu irá dominar e isso não é oração.

A verdadeira oração é dominada pelo Seu nome Seu reino e Sua vontade, não a nossa. Assim dizia Davi, "Eu me deleito em fazer a tua vontade ó meu Deus" e assim Jesus disse "Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou." Seu nome, Seu reino, Sua vontade a ser feita na terra como no céu ". Seu nome é santificado no céu. Seu reino veio no céu. Ele governa supremo mas não sobre a terra. Sua vontade é feita no céu e assim deve ser feito aqui.

Na semana passada nós olhamos o aspecto negativo disto. Dizer em sua oração "fça-se a tua vontade" tem uma conotação negativa e eu apontei três coisas que isso não significa. Número um, não significa ressentimento amargo. Isso não significa que você diga "Oh, sua vontade seja feita. Eu não posso lutar contra isso. Você é muito grande. Eu desisto." Como se Deus fosse uma espécie de desmancha-prazeres cósmico que vai por aí dizendo" Há alguém se divertindo; encontre-o ". Que Deus está empenhado em fazer chover no desfile de todos, ressentimento amargo de que o inevitável, o destino vai tomar de qualquer maneira.

Em segundo lugar dizer "faça-se a tua vontade" não significa resignação passiva. Esse é o tipo de indiferença que diz "Bom, o que quer que seja será". Costumava haver uma música chamada Que Sera Sera. É a maneira que é. Não posso lutar contra isso. Renúncia passiva. Acho que o ressentimento amargo se baseia na falta de conhecimento. Eu acho que a resignação passiva é construída sobre a falta de fé. Você realmente não acredita que Deus pode mudar as coisas ou fará o que você pedir a ele se de acordo com Sua vontade.

Em terceiro lugar, o negativo que às vezes se rasteja nisso é o que eu chamei de reserva teológica. Algumas pessoas apenas dizem "faça-se a tua vontade" e arquivam-na em sua caixa teológica. Ouça; Se sua teologia causou a eliminação de sua persistência na oração você tem uma má teologia. Tive um colega que me disse uma vez, "Bom, eu realmente acredito que até mesmo o seu pecado é a vontade de Deus. Deus está realmente envolvido em fazer com que você peque afinal de contas Ele é soberano. "Ele tinha uma visão tão dominante da soberania de Deus que ele considerava Deus responsável por tudo em um sentido direto.

A reserva teológica sugou a vida de muita oração. Se você veio ao lugar onde sua teologia e sua perspectiva em Deus o levou a um ponto de indiferença na oração, então sua teologia não é bíblica. Agora, assegurado que Deus é soberano e como sua vida de oração se encaixa nisso, é um mistério muito difícil que eu não posso explicar mas a questão é a obediência, e que tem que fazer parte de sua teologia também e persistência como nosso querido Senhor orou três vezes no Jardim, persistentemente, clamando a Deus. E como ele deu ilustração daqueles que oraram com persistência, então devemos orar dessa maneira.

Portanto, negativamente não dizemos, "faça-se a tua vontade" com amargo ressentimento. Não o dizemos com resignação passiva e não o dizemos com algum tipo de reserva teológica que apenas classifica tudo naquela área. Na verdade eu acho que fechamos da última vez dizendo que, quando proferimos "faça-se a tua vontade" que esse tipo de oração tem no próprio cerne uma atitude de rebelião, não é mesmo? Quando dizemos "faça-se a tua vontade" não estamos simplesmente caindo mortos como Jesus disse em Lucas 18:1. Devemos orar sempre e não esmorecer. Não estamos apenas desmaiando sob isso. Estamos resistindo a algumas coisas. Estamos nos rebelando contra o mundo e sua queda.

Estamos dizendo, "Tua vontade não está sendo feita neste mundo. Satanás tem muito poder aqui. Tua vontade não está sendo feita no coração dos homens. Eles estão virando as costas para Ti. Tua vontade não está sendo feita em minha vida e na vida de outros crentes que estão vivendo em desobediência, e estamos nos rebelando contra o mundo e sua queda. Estamos nos rebelando contra a rejeição de Cristo. Estamos nos rebelando contra a desobediência dos crentes ".

David Wells disse e penso que é bem falado, "Chegar a uma aceitação da vida como ela é, aceitá-la em seus próprios termos, o que significa reconhecer a inevitabilidade da maneira como ela funciona, é render uma visão cristã de Deus". Deus não a aceita da maneira que é, ou não estaria ocupado mudando-a. Ele não diria que Ele veio ao mundo para destruir aquele que tinha o poder da morte, se quisesse tolerar a morte. Ele não faria um milênio no qual existisse a ausência de doença, se quisesse tolerar a doença. Ele não iria aniquilar cada lágrima na eternidade se ele quisesse tolerar a tristeza.

Não, não aceitaremos as coisas da maneira que são. Quando dizemos "faça-se a tua vontade" nós nos rebelamos contra o mundo, e toda a sua queda, e a tristeza, o pecado, a doença e todas as coisas que vêm como resultado do pecado. Eu lhes disse na semana passada que essas não são a vontade específica de Deus, embora Ele tenha permitido que elas aconteçam a fim de que o pecado possa seguir seu curso naqueles que desejam vê-lo cumprido. Mas essa não é a expressão de Sua vontade amorosa para o homem. "Faça-se a tua vontade" não aceita o que é.

Acho que a ilustração clássica disso é Jesus. Jesus não veio ao mundo e disse, quando entrou no templo, em João 2. Zacarias disse que ele veio de repente ao seu templo e quando chegou ao templo, no início de seu ministério, entrou e disse Bem, veja o que está acontecendo; Bem, é a vontade de Deus, é a vontade de Deus " e foi embora. Ele se rebelou. Tudo dentro dele se rebelou. Estava indignado. Estava furioso. Ele estava irado, com uma ira justa. Ele fez um chicote. Ele começou a virar as mesas. Ele começou a perseguir as pessoas. Ele começou a atacar as pessoas. Ele não só fez isso uma vez em sua vida, mas ele fez isso duas vezes. Eles saíram de lá rápido. Eles estavam lá para ganhar dinheiro e se deixaram sem qualquer imagine a fúria que Jesus desencadeou.

Por quê? Porque ele não aceitaria o status quo, porque ele não toleraria a maneira como é. Ele não toleraria o modo como está na tristeza, no pecado e na doença. É por isso que ele morreu. É por isso que ele curou as pessoas. É por isso que ele ressuscitou os mortos, para deter as lágrimas e trazer a Si mesmo a glória. Ele não aceitou o mundo como era, e nem você, nem eu. Nossas orações devem ser "faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu".

Ora Jesus não era fatalista, embora conhecesse o fim desde o princípio. Isso me espanta. Isso me espanta. Isso é algo da tensão que eu tenho em minha própria mente, que Jesus sabia o fim desde o início, e mesmo assim nunca aceitou o status quo. Quando foi a manifestação do pecado ele lutou contra isso. Ele nunca se resignou a isso. Ele buscou a vontade de Deus.

Eu tenho que acreditar que quando ele ia e se comunicava com o Pai, noite após noite, no Jardim, ele realmente acreditava que faria algum bem. Ele realmente acreditava que havia algum benefício. Eu acho que ficamos tão confortáveis ​​em nossa sociedade porque o status quo como é, é bastante confortável para nós. Certo? Agora está ficando menos confortável nos Estados Unidos e pode ficar cada vez menos confortável. Mas, há muito tempo que nos sentimos muito confortáveis, ​​e acho que em muitos casos realmente teve um tremendo efeito dramático na vida de oração da Igreja.

Cerca de 25 pastores coreanos entraram no saguão do prédio de escritórios outro dia e eu estava voltando de ensinar uma aula de pregação no seminário. Eu entrei e aqui estavam estes 25 ou mais pastores coreanos todos sentados lá. O homem aproximou-se de mim "Sr. Koe" e ele disse, "Queremos falar com você." Eu fiquei meio surpreso. Eles queriam que eu fosse para a Coréia para fazer uma conferência de pastores ali. Mas eles disseram "Queremos fazer perguntas." Eu disse "Ok vá em frente."

Então ele ficou perto de mim e eles me disseram "Como você faz uma igreja grande?" Eu disse "Eu não faço uma igreja grande." Eu expliquei a eles que acreditamos em apenas ensinar a Palavra de Deus e não promover as coisas e deixamos Deus edificar Sua própria igreja. Eu disse a ele que um repórter me disse uma vez "Você não tem um grande desejo de construir a Igreja?" Eu disse "Não eu não, porque Cristo disse que ele iria edificar a Igreja e eu prefiro não competir com ele." Então nós somos parte do que ele está fazendo. Vê? Eles todos então diziam "Oh sim, oh. Amém. Amém.” Eles gostam disso.

Então eles me disseram "Quantas horas você estuda?" Eu disse "Bem, eu estudo" e eu lhes dei essas horas todos os dias, quatro cinco, seis horas por dia estudando a Palavra de Deus. Então um deles me disse "Seu povo estuda?" Eu disse "Bom, eu espero que eles estudem." Então um homem me disse "Quantas horas você ora todos os dias?" Vê? "Seu povo eles oram muitas horas?" Eu disse "Nós temos uma doença na América. Chama-se conforto.”

As pessoas na Coréia passaram por muita coisa com a invasão do comunismo, com os terríveis desastres que aconteceram quando outras nações entraram e mataram, mataram cristãos. Eu lhe contei a história de um homem que me disse que os japoneses vieram e cortaram os polegares de seu pai que era um líder na Igreja. Mas você vê que eles foram colocados em um lugar onde eles foram forçados a orar. Eu meio que sinto que ficamos tão distantes disso em nossa própria cultura que às vezes eu oro por coisas que virão sobre nós para nos levar a esse lugar, não porque eu sinta que Deus precisa de nós para orar, mas porque eu sinto que precisamos ser mais dependente Dele.

Eu estava pensando sobre isso e eu mencionei para você na semana passada, mas eu estava pensando "Por que oramos tão pouco pela Igreja?" A Grace Church tem problemas. Nós passamos por muitas coisas ultimamente também, muitas mágoas. Temos problemas. Parece-me que não oramos como deveríamos pela Igreja. Alguém poderia dizer "Bem, o que precisamos" - as pessoas disseram isso "Precisamos de um seminário de oração". Eu digo "Não é má técnica".

Não é técnica. Dizemos, "Bom, precisamos ensiná-los o que a Bíblia diz." Eu nem penso que seja isso. Acho que sabemos o que a Bíblia diz. "Bom, as pessoas têm vontade fraca." Não, porque elas realmente se ativaram sobre algumas coisas. "Bom, é uma falta de preocupação." Eu nem penso nisso. Você sabe o que eu acho que é basicamente? Eu penso que nós não oramos bastante porque nós realmente não acreditamos que importa. Eu não acho que nós pensamos que vá fazer a diferença de qualquer maneira.

O ponto é que, é porque percebemos isso como fazendo a diferença em nossas circunstâncias ao invés de fazer uma diferença em nós. Vê? A oração não é mudar as minhas circunstâncias quase tanto quanto é mudar a forma como me relaciono com elas. Nas minhas orações aproximo-me de Deus e depois, adoro-o quando digo "Santificado seja o teu nome. Venha o teu reino, seja feita a tua vontade.”

Eu sou atraído para a conformidade com Sua pessoa abençoada e em seguida, não importa quais sejam minhas circunstâncias, elas se tornam diferentes porque eu trago atitudes diferentes para elas. Eu acredito que mesmo além disso Deus muda as circunstâncias. Eu orei por pessoas e elas foram salvas. Você já teve essa experiência? Deus não só escolhe aqueles para serem salvos, mas Ele escolhe os métodos que Ele usa. Às vezes fazemos parte desse método.

Tiago 5:16 diz, "Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo". Ouça, a impotência na oração nos leva, no entanto, a contragosto, a fazer uma trégua com o que está errado. Perdemos nossa raiva. Perdemos nossa paixão. Perdemos nossa indignação. Nós não atacamos o trono de Deus, como Beiderwolf costumava dizer, "Deus ama ter um herói vindo com uma fé heróica". Nós não invadimos os portões. Então vimos pela última vez que a oração deve ser rebelião.

Agora quando dizemos "faça-se a tua vontade", em um sentido positivo, o que queremos dizer? Nós falamos da última vez sobre o aspecto negativo. E quanto ao positivo? O que realmente estamos dizendo quando falamos "faça-se a tua vontade"? Deixe-me compartilhar com vocês que há três termos distintivos da vontade de Deus que eu acho que irão ajudá-lo a entender isso. Quando você diz "faça-se a tua vontade" o que você está dizendo? O número um, é o que eu chamo de vontade de Deus de propósito, a vontade de Deus de propósito. Aliás, estes são os meus termos e eu só tentei encontrar algumas alças que você pudesse segurar para ver algumas distinções. Porque quando dizemos que a vontade de Deus é como um grande cobertor então as pessoas dizem "Bem, Sua vontade permissiva, Sua vontade diretiva e isso e isso e isso." Vamos ver se podemos obter alguns termos para termos uma alça sobre o que queremos dizer.

Número um é a vontade do propósito de Deus. Eu gosto de usar palavras bíblicas a vontade do propósito de Deus. Agora com isso quero dizer a vastidão da vontade inclusiva, abrangente e tolerante de Deus. Esta é a consumação de tudo. Esta é a vontade que incorpora toda a terra, todo o céu, todo o inferno e em tudo isso Sua vontade está sendo feita. Em outras palavras neste conceito maciço de Sua vontade de propósito, está englobando a permissão do pecado, e pecado seguindo seu curso, a consumação das eras, o estabelecimento do reino, o estado eterno e tudo o que abrange do céu ao inferno e o que está entre eles. Essa compreensão maciça da vontade do propósito de Deus.

Por exemplo Jeremias 51:29 diz, "Porque todo propósito do Senhor será realizado." Não há dúvida de que isto está sendo feito. Não há dúvida de que o plano das eras está no seu caminho. Não há dúvida de que Deus está desenvolvendo seus propósitos.

Por exemplo, no capítulo 14 de Isaías há alguns versículos que são apenas versículos muito, muito essenciais para entender o conceito da vontade de Deus. Em Isaías 14, versículo 24 diz, "Jurou o SENHOR dos Exércitos, dizendo:” - aqui vem agora, observe isto; É carregado com o significado rico teológico. "Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará." Quando Deus tem um pensamento, algo vai acontecer. Quando os propósitos de Deus acontecerem.

Versículo 26, "Este é o desígnio que se formou concernente a toda a terra; e esta é a mão que está estendida sobre todas as nações. Porque o SENHOR dos Exércitos o determinou; quem, pois, o invalidará?" Em outras palavras, Deus tem esses propósitos maciços que estão acontecendo. Por exemplo, não é a vontade direta de Deus para as pessoas estarem doentes mas é dentro de Seu propósito permitir que a doença atinja seus próprios fins. Não é a vontade direta de Deus que a morte entre no fluxo humano e as pessoas morram, mas está dentro de Seu propósito abrangente que Ele use a morte para Seu próprio fim e Sua própria glória. Este é o termo mais amplo, a vontade ou o propósito de Deus.

Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados de acordo com a Sua, o que? Finalidade. Em outras palavras porém, Deus não faz o mal. Deus toma as coisas que acontecem em nossas vidas junta-as para o bem, porque esse é o Seu propósito. É o conceito abrangente. Em Efésios capítulo 1, versículo 9, eu quero que você pense comigo agora porque isso vai ajudar você a ter algumas categorias. Em Efésios 1:9 "desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo.”

Em outras palavras, aqui ele está falando sobre a salvação, o perdão incrível, a redenção, que é uma parte do grande e abrangente propósito de Deus. Então, ele continua a falar sobre o judeu e o gentio como sendo um, a dispensação da plenitude do tempo, reunindo todos juntos como um em Cristo, no céu e na terra que é "segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade." O grande propósito de Deus para um povo redimido, para uma igreja unificada, para um corpo de santos para a eternidade. Esse é o Seu propósito. Assim refere-se ao plano eterno. Tenha isso em mente a vontade do propósito de Deus.

Agora você diz "John, oramos em relação a isto 'faça-se a tua vontade'?" Sim. "Como?" Deixe-me dar-lhe uma ilustração. Em Apocalipse 22 versículo 7 Jesus disse, "Eis que venho depressa." Versículo 12 Jesus diz, "Eis que venho depressa." Versículo 20 Jesus diz "Eis que venho depressa." Essa é a consumação do Seu plano eterno.

Você sabe qual é a resposta de João no versículo final? "Amém" o que "- vem Senhor Jesus." Como oramos de acordo com Sua vontade de propósito? Ao nos envolver alegremente na antecipação da realização de Seus próprios fins divinos. Vê? Essa é uma ótima maneira de orar. "Oh Senhor eu sei que algum dia Tu vais chamar a Tua igreja e trazer de volta Jesus Cristo para nos levar para estar com Ele. Pode ser Senhor. Pode ser." Isso vai acontecer. É inevitável. Ele pensou nisso, Ele o propôs, está no plano, vai acontecer. No entanto, oramos sobre isso no sentido de que nos juntamos a uma alegre antecipação daquela grande hora.

Você já se cansou de viver na carne? Você já se cansou do corpo físico? Você já se cansou da ansiedade deste mundo? Você nunca espera pem seu coração pelo dia em que você conhecerá a liberdade dos filhos de Deus, quando você for como Cristo e você puder habitar em glória eterna com Ele, livre de todas as coisas que esta terra traz sobre nós? Eu sim. Então às vezes minha oração vai dizer, "Senhor eu sei que Tu vais fazer isso e eu só quero que você saiba que você tem meu voto. Continue. Faça. Quanto mais cedo melhor." Isso é orar de acordo com a vontade de propósito.

Em segundo lugar, Deus tem uma vontade que eu vou chamar a vontade de desejo, Sua vontade de desejo. Agora, ao invés de um plano abrangente, estamos nos reduzindo ao desejo de um coração, ao desejo de um coração. Você é assim. Você tem um plano geral. Você sabe, você elabora um plano para a sua vida e sua carreira, você traça tudo, você coloca num gráfico tudo e em seguida estreita para baixo para os desejos pessoais que você tem dentro disso. Nem tudo o que acontece em sua vida é um desejo pessoal, mas de alguma forma você tenta encaixá-lo no plano para que você fique na pista. Assim é com Deus. Ele tem vontade de desejar.

Sabe de uma coisa? Isso nem sempre é feito. Nesse ponto, Deus está de alguma forma insatisfeito. Eu detesto usar esse termo, porque é um termo tão humano, e não é realmente verdadeiro de Deus, mas estamos tentando usar uma declaração antropomórfica para lhe dar uma compreensão. Em outras palavras, há coisas que Deus quer que simplesmente não pareçam acontecer. São os Seus desejos mas os homens os rejeitam.

Por exemplo Jesus desejou que Jerusalém fosse salva. Em Mateus e em Lucas 13:34 ele disse "Jerusalém Jerusalém...Quantas vezes quis eu reunir teus filhos" mas você não conseguiu. E em João 5:40 ele disse, "Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida" e Jesus chorou. Ele chorou. Voltando lá em Jeremias capítulo 13, você sabe que Deus diz, "Mas, se isto não ouvirdes, a minha alma chorará em segredo por causa da vossa soberba.”

Vocês vêem que Deus deseja - de acordo com Pedro, ele diz que Ele não está disposto a que qualquer um se perca, mas que todos cheguem ao arrependimento. Deus nosso salvador que terá todos os homens para serem salvos e chegar ao conhecimento da verdade. Creio que é o desejo do coração de Deus e contudo haverá muitos que dirão, "Senhor Senhor" e ele dirá "Afastai-vos de mim. Eu nunca o conheci." Eu acredito que Ele deseja que todos sejam salvos mas eu não acredito que todos serão.

Esse é o mistério, pessoal, de como você tem um Deus absolutamente soberano e ainda assim você tem volição. Eu não entendo como isso vem junto. Creio que o desejo de Deus é que as pessoas sejam salvas. Eu acredito que Jesus chorou mesmo sobre pessoas que ele sabia que nunca seriam redimidas, por que ele choraria? Suas lágrimas mostram seu desejo. Então ele tem uma vontade de desejo.

Há uma terceira vontade. Eu a chamo de a vontade de comando, a vontade de comando. Creio que isso está relacionado com os cristãos. Eu acredito que a vontade de propósito está relacionada com todo o universo e abrange tudo, e é aí que você tem as provações, os sofrimentos, as dores, as enfermidades, tudo misturado e levados a bons termos para o propósito eterno de Deus e nessa grande vontade, mas que engloba o universo. Então eu tenho o conceito de Sua vontade de desejo, e eu gosto de confinar isso aos incrédulos. Eu acho que a vontade de desejo é aquele anseio no coração de Deus de que o evangelho seja levado ao mundo. É a vontade do desejo.

Agora você vem à vontade de comando e eu acho que é para os cristãos, porque não faz a Deus nenhum bem de qualquer forma, ordenar aos incrédulos que façam Sua vontade, porque eles não têm capacidade. Certo? A vontade de comando é o ardente desejo do coração de Deus que nós, Seus filhos, lhe obedeçamos completamente e imediatamente, com um coração disposto. Portanto ouçam, amados, quando eu digo em minha oração "faça-se a tua vontade" o que estou dizendo?

Estou dizendo, "Oh Deus cumpre o teu propósito no mundo. Oh Deus, traga-o à consumação. Deus pegue todas as lutas e provações na minha vida, todas as dores e ansiedades, todas as tristezas, todas as doenças, todas as mortes e de alguma forma reverta as coisas que são o resultado do pecado e as encaixe no Teu plano eterno por Tua mente infinita.” Quando digo, "faça-se a tua vontade" eu também estou dizendo "Oh Deus há pessoas na minha vida e pessoas ao redor deste mundo que não te conhecem. Eu oro para que de alguma forma o Evangelho penetre em seus corações." Essa é Sua vontade de desejo.

Em terceiro lugar, eu tenho que dizer "Senhor, sobre a tua vontade de comando, oro para que eu possa ser obediente" e eu o trago diretamente para mim. Lembra que eu disse que havia três maneiras de trazer o reino? O número um, através de conversão. "Venha o teu reino" quando Cristo reinar em um coração. Número dois, o compromisso, quando um crente vive de acordo com a justiça, paz e alegria no Espírito Santo, o reino entra em sua vida em plenitude.

Em terceiro lugar, na sua segunda vinda, o reino vem à terra. Vejo as mesmas três coisas aqui. Sua vontade de propósito abrange o fim último, a segunda vinda e a criação de um reino eterno. Sua vontade de desejo abraça a conversão, e Sua vontade de obediência abraça a idéia de compromisso em minha vida. Como Pedro disse tão bem a João em Atos 5:29 "Devemos obedecer a Deus antes que aos homens." Como Paulo disse em Romanos 6, "Veja, agora vocês se tornaram servos de Deus. Vocês devem obedecer àquele a quem vocês se entregam como servos." Devemos ser obedientes.

Na magnificência no Salmo 119, "Afasta de mim o caminho da falsidade e favorece-me com a tua lei. Escolhi o caminho da fidelidade e decidi-me pelos teus juízos. Aos teus testemunhos me apego; não permitas, SENHOR, seja eu envergonhado. Percorrerei o caminho dos teus mandamentos, quando me alegrares o coração. Ensina-me, SENHOR, o caminho dos teus decretos, e os seguirei até ao fim. Dá-me entendimento, e guardarei a tua lei; de todo o coração a cumprirei. Guia-me pela vereda dos teus mandamentos, pois nela me comprazo". O coração da obediência. Assim como oramos "faça-se a tua vontade" estamos abraçando a conversão, o compromisso e a Sua segunda vinda.

Mas você sabe que é difícil orar assim. Você sabia disso? É difícil estar preocupado com Deus em suas orações, e há uma razão básica. Porque o maior pecado do coração humano, qual é? O orgulho. Foi o primeiro pecado. Lúcifer - Isaías 14 diz cinco vezes que eu vou eu vou eu vou eu vou eu vou e isso foi a queda de Lúcifer. Pela primeira vez na história de Deus houve duas vontades. Duas vontades.

Foi multiplicado de lá e agora há pelo menos 4 bilhões na terra e ainda apenas 1 no céu. Era um para um. Agora é 4 bilhões para 1. Você sabe de uma coisa? Apenas uma dessas vontades é justa. Todas as outras são corrompidas. Todas as outras. Isso nem sequer inclui todas as hostes angelicais caídas. Há apenas uma vontade e essa vontade, amado, é feita no céu e precisa ser feita na terra. Mas o orgulho sempre está no caminho. Sempre.

Você diz, "Bom, como você lida com isso? Como você tira o orgulho do caminho?" Bem, eu acho que você tem que ir para Romanos 12, não é mesmo? "Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por" o que? "sacrifício vivo”. Abnegação, humildade. "que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita” o que? "vontade de Deus".

Até que você coloque sua vida no altar, até que você seja um sacrifício vivo, até que sua vontade esteja morta, a vontade de Deus não pode ser manifestada. Você diz, "O que é um sacrifício vivo?" Bom, é muito diferente do que você poderia pensar. Pegue Abraão. Abraão levou Isaque, madeira amarrada às suas costas, e marchou até o Monte Mariá. Por todo o caminho até a montanha Abraão deve ter dito a si mesmo, "Este é um Deus muito estranho. Você me disse para ir lá em cima e matar meu filho no altar e, no entanto, meu filho é o cumprimento da tua aliança. Disse-me para deitá-lo em um altar e matá-lo. Não faz sentido.”

Mas você sabe que é uma das maiores ilustrações de um sacrifício vivo no mundo, porque Abraão foi todo o caminho até lá pôs Isaque deitado, amarrou-o, ergueu a faca e estava pronto para mergulhá-la em seu coração. Se ele tivesse feito isso Isaque teria sido um sacrifício morto mas Abraão teria sido um vivente. Por quê? Porque Abraão teria crucificado todos os seus próprios sonhos todas as suas próprias esperanças todas as suas próprias ambições todos os seus próprios objetivos todos os seus próprios desejos. Ele literalmente teria morrido para si mesmo em obediência a Deus.

A questão não é "Você pode morrer por Cristo?" A questão é "Você pode viver abnegadamente por ele?" Essa é a pergunta. Se você puder então você pode conhecer Sua boa vontade. Portanto aquilo que sempre está no caminho de orar pela vontade de Deus é a nossa própria vontade. Quando você aprende a orar como você deve orar, de acordo com vontade de Deus, você perceberá que você vai mudar drasticamente.

A oração então é uma graça santificadora. Isso nos muda. Nós não oramos para manipular Deus. Não oramos para que Deus faça o que queremos. Nós não oramos com encantamentos e demonstração pública e repetição vã apenas para tentar fazer um show. Nós entramos na presença de Deus. Queremos santificar Seu nome e trazer Seu reino e cumprir Sua vontade, porque ao fazê-lo entramos em conformidade com Sua pessoa abençoada.

Eu acho que eu poderia resumir tudo e dizer isso; A oração é um meio de santificação progressiva. John Hanna diz isso e é ótimo "O fim da oração não é tanto respostas tangíveis como uma vida de dependência cada vez mais profunda". Isso não é ótimo? É isso aí. Todas as respostas virão, mas a dependência é a questão. "O chamado à oração -" - ele diz "- é um apelo ao amor, submissão e obediência. A avenida da comunhão doce, íntima e intensa da alma com o criador infinito." Então devemos orar, "faça-se a tua vontade assim na terra"- e aliás, a terra somos nós. Certo? Somos nós.

Posso ilustrar isso de Phillip Keller? Uma ilustração gráfica. Ele viveu no Paquistão quando menino, e eu vou concluir com isso, mas eu quero que você ouça isso. É poderoso. Phillip Keller viveu no Paquistão quando menino menino. Ele estava lendo em Jeremias 18:2 e encontrou um versículo que dizia, "Levanta-te e desce à casa do oleiro e ali eu te farei ouvir as minhas palavras." Ele ficou meio curioso sobre o oleiro e que lições o oleiro tinha para ensinar.

Então desceu à casa do oleiro na cidade em que vivia. E ele escreveu o seguinte, "Com sinceridade e seriedade pedi ao velho mestre artesão para me mostrar cada passo na criação de uma obra-prima. Em suas prateleiras havia copos brilhantes e adoráveis ​​vasos e taças requintadas de beleza deslumbrante. Então estendendo um dedo ósseo em direção a mim ele conduziu o caminho para um pequeno galpão escuro, fechado, na parte de trás de sua loja. Quando ele abriu a porta raquítica, um cheiro repulsivo e avassalador de matéria decadente me envolveu.

"Por um momento eu me afastei da beira do poço escancarado, escuro, no chão do galpão. - É aqui que começa o trabalho - disse ele. Ajoelhando-se ao lado do buraco negro nauseante com seu braço longo e fino ele alcançou a escuridão. Seus dedos esbeltos e habilidosos sentiram ao redor em meio à argila grumosa procurando um fragmento de material exatamente adequado para sua tarefa. "Eu adiciono um tipo especial de grama à lama" observou ele "e enquanto ela apodrece e se desfaz, seu conteúdo orgânico aumenta a qualidade coloidal do barro e em seguida adere melhor".

"Finalmente suas mãos levantaram um pedaço de lama escura e mal cheirosa do poço horrível onde o barro tinha sido pisoteado e misturado por seus pés duros e ossudos. Com tremendo impacto o primeiro versículo do Salmo 40 veio ao meu coração. "Tirou-me de um poço de perdição, de um tremedal de lama". Da mesma maneira que o oleiro havia escolhido o barro, assim Deus me escolheu.

"Então a grande laje de granito cortada da rocha áspera das altas montanhas de Hindu Kush, atrás de sua casa, começou a girar quietamente. Foi operado por um pedal muito grosseiro como o dispositivo que era movido por seus pés muito parecido com uma máquina de costura antiga. À medida que a pedra ganhava impulso fui lembrado de Jeremias 18:3 "Desci à casa do oleiro, e eis que ele estava entregue à sua obra sobre as rodas".

"O que mais se destacou diante de minha mente, neste momento, era o fato de que de cada lado da banqueta do oleiro estavam duas bacias de água." Então ele continuava a dizer como todo o tempo que a roda estava girando com a argila ele continuava mergulhando suas mãos na água e então ele moldava a argila, e então ele mergulhava na água e moldava a argila, e nunca poderia moldar sem a água porque ela ficaria em suas mãos e isso a estragaria. Então suas mãos sempre tinham que estar molhadas. E ele disse que era fascinante ver como rapidamente, mas com certeza, o barro respondia à pressão aplicada através dessas mãos umedecidas. Silenciosamente, uma taça graciosa começou a tomar forma entre as suas mãos.

A água era o meio através do qual a vontade do mestre artesão e seus desejos, eram transmitidos para o barro. Sua vontade estava realmente sendo feita na terra através da água. Imediatamente ele diz, "Pensei na água da Palavra que é a agência de Deus para fazer Sua vontade na terra. Quando Deus toca minha vida - "- ele disse" - ele me toca com Sua Palavra. É a água da Palavra que expressa a vontade do mestre e encontra satisfação em moldar o homem segundo Sua escolha ".

De repente para sua surpresa notou a parada da roda. Suavemente o homem estendeu a mão e apanhou um pedaço de pedra e então começou a girá-lo novamente e parou de novo e alcançou novamente para pegar um pedaço maior de pedra. Você percebe agora que com a ternura de sua mão ele podia sentir cada ponto áspero, cada pedra, cada pequeno grão de areia. Os dois que ele havia tirado eram muito grandes. A taça estava manchada. Então ele a esmagou em suas mãos.”

Keller disse para ele "Oh isso é triste. O que vai acontecer com isso?" " Oh - "- ele disse" - Eu vou fazer disso uma tigela." Eu disse, "Nunca será uma taça?" Ele disse, "Não, está muito marcada." "E pensei novamente em Jeremias 18:4 - diz Keller "- e o vaso que ele fez de barro estragou-se na mão do oleiro. Raramente - "- diz ele" - alguma lição veio para mim com tremenda clareza e força. Por que essa rara e bela obra-prima estava arruinada nas mãos do mestre? Porque ele encontrou resistência. Foi um trovão explodindo em minha mente.

"Por que é a vontade de meu Pai, Sua intenção, de transformar pessoas verdadeiramente bonitas partindo do ponto zero de novo e de novo? Por causa de nossa resistência, por causa de nossa dureza. Apesar dos Seus melhores esforços e da infinita paciência conosco, além da água da Palavra aplicada a nós, acabamos sendo nada além do que uma tigela.

"A questão séria, meticulosa e sedutora que tive de me perguntar, no ambiente humilde daquele galpão de oleiro foi, "Vou ser um pedaço de porcelana fina ou uma tigela? Será que minha vida vai ser um lindo cálice apto para reter o bom vinho da própria vida de Deus, a partir do qual os outros podem beber e serem refrescados, ou eu vou ser uma tigela bruta em que os transeuntes simplesmente tocam seus dedos brevemente e em seguida vão embora e se esquecem disso? Foi um dos momentos mais solenes de toda a minha vida, e orei "Pai seja feita a tua vontade na terra em barro em mim como no céu".

E você? Keller continua a dizer que quando o oleiro termina seu trabalho, enquanto ainda está girando, ele pega um fio longo e e o puxa através do fundo e corta. E ele diz, "Pensei em ser separado para boas obras." Então o oleiro toma e coloca em um forno e através de dificuldades está finalmente terminado.

O Deus amado quer fazer Sua vontade em você. Deus quer tornar você naquela taça bonita, mas porque você resiste você é uma tigela. Em vez de ser usado para o bom vinho dos grandes propósitos de Deus, você é algo que as pessoas entram e passam. A principal coisa é, você está disposto a deixá-lo fazer a sua vontade no barro da terra como é feito no céu? Esse é o coração de suas orações. Vamos orar.

Pai, Tu fostes bom para conosco através de todas as nossas vidas desde que conhecemos a Cristo. Nós temos sido o destinatário de todo o bem e dom gracioso, e esta manhã Tu nos destes outro privilégio de adorá-lo e compartilhar juntos Tua preciosa verdade. Que possamos aceitar este bom dom e não usá-lo mal. Ó Deus leva-nos ao lugar de oração para que possamos buscar a tua vinda novamente, para que busquemos a conversão nos corações dos perdido,s o cumprimento da Tua vontade de propósito e vontade de desejo, e para que possamos cumprir a Tua vontade de obediência, Tua vontade de comando enquanto ouvimos e obedecemos Tua palavra preciosa, para que não sejamaos resistentes em Tuas mãos, à água da Palavra enquanto nos forma para o Teu uso. Faça-nos vasos aptos para o uso do Mestre. Em nome de Cristo, amém.

Fim

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize