Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Recebemos muitas cartas na Grace Church de pessoas que ouvem fitas, programas de rádio, lêem livros, visitam a igreja e assim por diante; centenas, centenas e centenas de cartas por semana. De vez em quando uma carta chama a atenção de todos. Recebemos uma assim que chegou a apenas algumas semanas atrás, e eu quero compartilhá-la com vocês esta manhã porque se relaciona tão bem com o assunto. É de um homem que é prisioneiro no norte de Nova York, em uma penitenciária. Ele está escrevendo para nos agradecer pelo ministério de fitas que ele tem recebido. Ele tem estudado as fitas com bastante diligência e está expressando sua gratidão. Isto é o que diz em parte.

"Irmão, recebi seu lindo presente de um conjunto de fitas de John MacArthur, seu pastor. Eu ainda estou ouvindo e compartilhando com alguns dos irmãos conforme o Senhor dirige. Estou tomando notas em cada fita enquanto escuto, louvado seja o Senhor. Eu não somente posso entender melhor Sua Palavra, mas talvez eu possa ensinar e orientar aqueles a quem Ele me capacitou e colocou sob meus cuidados". Eu apenas acrescentaria uma nota de rodapé; Aparentemente, este homem se tornou o pastor do que ele chama de Igreja da Prisão de Haven Green. Ele disse "Quero agradecer-lhe o seu belo presente e compartilhar um pouco do que o Senhor está fazendo na minha vida como prometi em uma carta anterior. Irmão, o Senhor me salvou há sete anos. Naquela época eu estava em uma cela suja e escura esperando a oportunidade de terminar o que eu tinha começado alguns dias antes na minha vida sem valor e miserável.

"Minha família veio para os Estados Unidos de Porto Rico quando eu tinha nove anos de idade. Meu pai foi morto em um acidente de carro quando eu tinha 12 anos. Nós tínhamos nos mudado para o estado de Nova York naquela época e eu estava crescendo na cidade grande. Mamãe estava grávida quando nosso pai morreu e ela ficou comigo meu irmão Tony e então minha irmã nasceu. Éramos pobres de um grupo minoritário e vivendo em uma pequena cidade onde não muitas pessoas nos conheciam. Mas nenhuma dessas coisas me impediu, nem eram uma desculpa. Eu cresci em Rockland County na cidade de Haverstraw, Nova York. Eu fui para a escola lá e pratiquei todos os esportes. Eu realmente gostei da escola, e depois da formatura me casei com minha namorada de infância que conheci desde a sexta série."

"Nós dois tínhamos bons empregos, e alguns anos depois eu me tornei um policial aos 21 anos. Naquela época Deus nos deu dois filhos e estávamos prosperando materialmente. Eu nasci e cresci católico, mas nunca ouvi dizer que nascer de novo era necessário. Eu odiava a cena da igreja seca e morta então eu parei de ir. Mergulhei numa vida de adultério e prostituição. O julgamento de Deus não veio de repente sobre mim, embora eu tivesse muita advertência. Eu pensei que eu era algo grande. Nada ou ninguém podia me tocar, e Deus era a coisa mais distante da minha mente. Eu tinha muito dinheiro, agora que eu estava trabalhando com o escritório do procurador distrital. Eu era o único policial de língua espanhola no condado e estava em grande demanda por minhas habilidades de interpretação."

"Minha esposa estava fazendo um bom dinheiro como secretária. Nós tínhamos nossa própria casa e eu era o Sr. Cidadão Respeitável a caminho para o inferno. Com todos esses benefícios materiais e prazeres carnais, bem como a satisfação de ser reconhecido entre meus amigos na comunidade, eu estava vazio e entediado com a vida. Eu estava sempre à procura de uma nova aventura e nada realmente me satisfazia permanentemente. Finalmente como membro do Bureau de Narcóticos comecei a usar drogas. Eu comecei com maconha, então eu usei pílulas e ácido. Eu nunca injetava drogas porque eu tinha medo de agulhas, mas eu ingeria, cheirava, bebia e fumava tudo exceto liquor forte, porque eu tinha visto o que isso fazia com os outros. Desnecessário dizer que a minha vida familiar, bem como o meu trabalho começou a sofrer e deteriorar-se logo que comecei a usar as drogas. E como eu disse, não aconteceu de imediato, mas a Palavra de Deus diz que podemos ter certeza de uma coisa e é que nossos pecados vão nos encontrar.”

Demorou um período de cerca de 10 anos, mas desde o momento em que comecei a sair com minha esposa até o momento em que fiz três coisas que eu nunca pensei que poderia fazer, meus pecados estavam me alcançando e acabariam por seguir seu curso natural: destruição. Ainda assim eu me dirigia a minha esposa, eu sempre alegava amá-la e eu acredito que eu a amava. É claro que eu não conhecia o amor de Deus, por isso era apenas o amor humano que não é suficientemente forte. Quando eu fiz a primeira coisa que eu nunca pensei que faria, deixei minha esposa e filhos. Eu parti para a Califórnia com uma moça e abandonei minha família. As drogas, a minha consciência ferida e o pecado me deixavam paranóico, e eu sempre ficava alto em São Francisco e sempre olhava por cima do meu ombro. Como policial antes, às vezes eu ia ao serviço com um revólver descarregado porque eu nunca poderia me ver ferindo alguém fisicamente. Eu não era uma pessoa violenta apesar de eu ser perverso. Eu não lembro de estar envolvido em mais do que duas brigas em toda a minha vida, mas acabei assassinando outra pessoa."

"Fiz a segunda coisa que eu nunca pensei que poderia fazer, e então eu quis morrer. Eu não poderia viver comigo mesmo. Durante três dias cheios de horror tentei várias maneiras de terminar com minha vida em um quarto de motel mas Deus não permitiu. Tentei tomar uma overdose só para acordar 17 horas depois de ter vomitado o veneno e por todos os meios eu deveria ter afogado em meu próprio vômito como é geralmente o caso com overdoses de álcool e barbitúricos. Quando eu acordei, tentei eletrocutar-me em uma banheira mas quando eu estava prestes a colocar os cabos na água os fios tocaram e eu fui deixado na escuridão quando todas as luzes se apagaram. Mas eu estava longe demais. Eu era um homem possuído. Eu subi na banheira e cortei-me com uma lâmina até que eu desmaiei por causa da perda de sangue só para acordar para um terceiro dia de loucura e horror. Deus estava tentando me alcançar por um longo tempo. Minha mãe se tornou cristã alguns meses antes. Outras pessoas tinham tentado me falar sobre Jesus mas eu não as ouvia. Finalmente me entreguei às autoridades e confessei um crime do qual nem sequer tinham conhecimento. Quando fui levado para a prisão fiquei sob observação por alguns dias porque eles sabiam que eu era suicida e, irmão, eu tinha todas as intenções de me matar. Eu mesmo peguei uma colher e estava aguardando o momento certo para afiá-la na minha garganta. E então chegou uma carta. Ela me falava de Jesus Cristo."

"'Ray' dizia 'Jesus é real. Ele te ama e quer ser seu amigo. Ele pode abrir um caminho onde não há caminho nenhum. Faça isso pela sua família Ray. Venha a Jesus.' Bom, eu acreditei que Jesus era real na vida dela e que Ele era seu amigo mas que Ele me amava? - nunca. Eu nem sequer gostava de mim. Como Jesus poderia me amar? De que maneira ele poderia amar? Eu tinha tentado todas as maneiras possíveis. O que eu poderia fazer pela minha família? Eu os tinha abandonado e espalhado. A resposta veio. Pensei ser coisa da minha cabeça, mas agora eu sei quem foi que colocou essas palavras ali. A melhor coisa que você deve fazer é matar-se e sair da vida de todos. Mas Deus usou essa carta para brecar minha mão autodestrutiva, e pessoas vieram e me contaram mais sobre o amor de Deus para com os pecadores e até com os assassinos como eu. Eles me falaram sobre as boas novas de Jesus Cristo e não só ele exigiu uma nova vida de mim mas ele era o único que poderia me dar o poder de vivê-la. Devo nascer de novo, disseram-me, e disseram que se alguém está em Cristo todas as coisas já passaram. Eu precisava me livrar dessa velha vida. Eu precisava de uma nova vida. Finalmente por desespero caí de joelhos na minha cela. Eu estava contemplando o suicídio e realmente sendo pressionado pelo diabo. Eu fiz um telefonema para casa. Eu confiei à minha mãe e lhe disse que o diabo estava lá me dizendo para me matar. Ela entregou o telefone a outro cristão novo que estava lá com ela e em vez de ser gentil comigo como eu esperava, ele disse "Ray, você deve se arrepender diante de Deus. Você deve pedir a Ele para lhe dar uma nova vida e perdoá-lo.”

“Bom, isso tipo que me abalou, porque eu esperava que ele me mimasse. Percebi que apesar de ter me arrependido das coisas que fizera, não pedira a Deus que me perdoasse. Eu tinha a tristeza do mundo de obras de mortas, mas a tristeza de Deus opera arrependimento para a salvação. Então, de joelhos, eu clamei a Deus e pedi a Ele para me perdoar e para tirar o fardo da culpa que estava me deixando louco. Eu pedi a Ele para me dar uma nova vida. Eu disse a ele que eu nem sabia se ele estava lá fora ou não, mas se ele me ouvisse que por favor, por favor me perdasse e me ajudasse a viver uma nova vida por meio dele. Bom, pela primeira vez na minha vida eu sabia que Deus tinha me ouvido e que eu tinha sido perdoado. Eu sabia que ele tinha me perdoado porque o fardo que eu carregava, o ônus da culpa e da vergonha foi tirado de cima de mim. Eu senti uma paz que eu nunca tinha experimentado antes. Senti uma liberdade que eu nunca tinha conhecido do outro lado daquelas paredes. Eu poderia viver comigo mesmo porque eu sabia que minha consciência estava limpa. Eu tinha sido perdoado e minha consciência estava remida. Eu sabia o que eram a verdade e a realidade. Eu tinha tirado uma vida e eu tinha que enfrentar um julgamento. Eu fiz muitas coisas pelas quais eu tinha me envergonhado e havia conseqüências. Os homens não perdoariam nem esqueceriam, mas eu sabia que o meu Deus sim, e que pela primeira vez na minha vida eu poderia estar em paz com Ele e comigo mesmo. A partir daí eu serviria a Ele e todos aqueles que seriam de mente semelhante entenderiam que eu tinha sido perdoado que eu era um homem novo. O velho Ray estava morto. A Bíblia ganhou vida para mim. Eu me tornei um fanático. E os caras me avisaram para não ler a Bíblia demais ou eu ficaria louco. Cara eu estava louco antes. A Bíblia é a única coisa que me ajuda a conhecer a verdade. Agora eu posso entender a palavra espiritual de Deus e não é mais o gigantesco quebra-cabeça de palavras cruzadas que uma vez foi para mim. Eu nasci de novo e agora eu podia ver o reino de Deus. Fui condenado a 15 anos de prisão. Isso significa que devo servir um mínimo de 15 anos, antes mesmo que eu seja considerado para liberdade condicional e então eles não têm que me deixar ir."

"Mas irmão, eu não trocaria a liberdade que Jesus Cristo me deu atrás dessas prisões pelas prisões que eram minhas e que o mundo chama de liberdade. Eu certamente adoraria estar em casa com minha família algum dia mas Jesus me deu algo nesta prisão que muitos do lado de fora não conhecem nem têm. Minha família estava espalhada por aqueles anos. Por dois anos clamei ao Senhor e reivindiquei a promessa de que minha esposa e filhos viriam a Cristo pois embora eu não tivesse ouvido da minha esposa, em todo esse tempo continuava confiando nele e servindo-o. Ele me deu um ministério. Durante três anos eu não li nada além da Bíblia; sem livros, sem comentários, sem jornais, sem revistas, apenas a Bíblia, e Sua Palavra se tornaram reais para mim. E finalmente Deus estendeu a mão e salvou minha esposa e ela veio me ver. Mais tarde ela trouxe minha filha Debbie e eu tive o prazer de levar minha própria filha ao Senhor e minha Christine de nove anos recebeu o Senhor também. Irmão, o que posso dizer? Perdoe por ter prolongado tanto, mas há muito mais que eu poderia dizer. Deus me deu o ministério de ensinar e pregar Sua palavra. Eu quero servi-Lo ao máximo. Eu vi muitos homens quebrados e desesperados conhecerem nosso Senhor e serem transformados. Louvo a Deus. Saudai os santos. Seu irmão em Cristo, Ray.

Então, vocês são os santos e vocês foram saudados. É ótimo, não é mesmo? Posso adicionar uma nota de rodapé? Havia um prisioneiro na prisão de Green Haven. Ele nos escreveu pedindo algumas fitas e quando ele saiu ele as deixou lá e pediu a Deus para ajudar a que caíssem nas mãos certas. Elas caíram nas mãos de Ray. Ele é um ouvinte de segunda geração na prisão de Green Haven e através do estudo da Palavra de Deus tornou-se o pastor da igreja na prisão. É disso que se trata o perdão. Eu não sei o que o futuro tem para ele neste mundo, mas eu sei o que ele tem para ele na eternidade e por isso podemos ficar animados. Vamos voltar para nossas Bíblias novamente esta manhã para Mateus 6, enquanto continuamos em nossa série sobre a Oração dos Discípulos. Hoje chegamos a uma continuação do que começamos na última vez quando olhamos para o versículo 12, mas devemos vê-lo em seu contexto então vamos ler novamente a oração e os dois versículos seguintes. Mateus 6 começando no versículo 9 "Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia dá-nos hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal [pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém]!Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens [as suas ofensas], tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas.”

Como você sabe, se você esteve conosco na semana passada, começamos a olhar o versículo 12 o segundo dos três pedidos relacionados a nós. O primeiro dos quais se refere ao sustento físico; O segundo e o terceiro são os de natureza espiritual. Voltando ao versículo 12 somos lembrados novamente desta petição "perdoa-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores". E essa petição é apontada nos versículos 14 e 15. Agora estamos nos esforçando ao examinar esta petição tremendamente importante para realmente entender toda essa questão de lidar com o pecado em nossa vida cristã. Mesmo sendo crentes ainda temos um problema de pecado e precisamos encarar esse problema. Esta petição no versículo 12 é feita por alguém que já pertence a Deus. A oração começa "Pai nosso" a oração que afirma que existe um relacionamento vivo e vital com Deus por meio da fé, para que como crentes oremos "Perdoa-nos as nossas dívidas" depois de ter afirmado que é o nome de Deus que é santificado e é o reino de Deus que está para vir e é a vontade de Deus que deve ser feita. E depois de termos reconhecido novamente que é Deus que é a fonte de nosso sustento físico chegamos ao nosso problema espiritual de pecado e devemos reconhecer novamente que precisamos do perdão de Deus.

Estamos falando de cristãos. Eu sei que há algumas pessoas que pensam que quando você se torna um cristão você não se preocupa em confessar o pecado nem procura a purificação e o perdão de Deus. Mas isso não é verdade, porque aqui encontramos aqueles que podem chamar Deus de "Pai Nosso", devemos também dizer "Perdoa-nos as nossas dívidas". Agora ao compreender a plenitude do significado nos versículos 12, 14 e 15 tivemos que descobrir que existem quatro palavras-chave para nós estudarmos. Começamos esse estudo na última vez. Não vamos terminar hoje mas faremos isso na próxima vez. E a composição de todos os três dias do Senhor, examinando isso, eu acho que nos dará um novo, abrangente e amplo estudo de toda esta área do pecado na vida do cristão. Em primeiro lugar o problema é o pecado. Vimos da última vez. "Perdoa-nos" implica que fizemos algo para o qual precisamos de perdão. "Dívida" no versículo 12 implica um pecado. A transgressão, nos versículos 14 e 15, implica igualmente o pecado. O problema aqui é o pecado. O pecado é uma realidade na vida de um cristão. Quando você se torna cristão não pára de pecar de repente. Você não perde, de repente, a sensibilidade ao pecado. A verdade é que, quando você se torna um crente, você se torna mais sensível ao pecado. E à medida que amadurece como cristão e em sua experiência de amadurecimento, há uma freqüência decrescente de pecado junto com uma sensibilidade crescente a ele, quando ocorre.

Conhecemos o nosso pecado. Esse é o problema. Número um, o pecado nos faz culpados e traz julgamento. O pecado nos torna culpados e traz juízo. Onde há pecado em nossa vida há julgamento. A quem o Senhor ama Ele o quê? Corrige. E a cada filho ele disciplina. E parte disso é o castigo por nossa pecaminosidade. Falamos, na última vez, sobre cinco palavras usadas no Novo Testamento para o pecado hamartia, que significa errar o alvo. Não atingimos o alvo, ficamos aquém da glória de Deus. Parabasis é ultrapassar. Deus desenha uma linha e diz "Fique aqui" e nós cruzamos. Anomia, significa ilegalidade. Nós quebramos Suas leis. Paraptōma, que é transgressão nos versículos 14 e 15, significa que escorregamos ou caímos. Não conseguimos ficar na linha reta e estreita. Nós caímos. Nós somos incapazes de nos manter eretos em justiça. A quinta palavra é opheilēma. Essa é a palavra dívida. Por causa de todas essas coisas, violamos a santidade de Deus e estamos em dívida com Ele, e temos que lidar com essa dívida buscando o Seu perdão. Portanto, o problema é o pecado, e se você negar que esse é o maior problema de todos, ou seja, se dissermos que não temos pecado, então nós fazemos Deus um mentiroso e a verdade não está em nós.

Em segundo lugar, da última vez vimos que há a provisão. O problema é o pecado, a provisão é o perdão. Está seis vezes na passagem, duas vezes no versículo 12, duas vezes no 14, e duas vezes no 15. Seis vezes a palavra perdão. Número dois, é "O perdão é oferecido por Deus no terreno da morte de Cristo". Nosso problema pode ser tratado porque há perdão. Devemos reconhecer o problema e então buscar o perdão. Um cristão que diz que não peca está em uma situação desesperada, porque não procura a solução. Há alguns que ensinam que um cristão pode alcançar um certo nível em sua vida onde ele não peca mais. Isso não é verdade. Ele continuará pecando, ele simplesmente não buscará o perdão e perderá o significado de seu relacionamento com Deus. Agora como é possível que Deus possa nos perdoar e como esse perdão funciona? Bem é possível por causa da morte de Cristo, portanto com base na morte de Cristo o perdão está disponível, porque o preço foi pago. Agora, quando partimos da última vez foi neste ponto. Eu sugeri a você que há dois aspectos do perdão, e é isso que eu quero que você veja novamente esta manhã. Há dois aspectos do perdão. Isso é emocionante para mim. O número um foi perdão judicial e conversamos sobre isso. Perdão judicial. Este é o total e completo perdão posicional concedido por Deus como o juiz moral do universo, e por ele nossos pecados passado, presente e futuro são totalmente, completamente perdoados para sempre. Somos justificados, declarados justos eternamente. Isso acontece quando você é salvo. Quando você coloca sua fé em Jesus Cristo, naquele momento a justiça de Cristo é imputada a você e você que pecou e estava aquém da Glória de Deus é instantaneamente feito justo em Cristo Romanos 3.

A justiça de Cristo é imputada a você. Deus deixa cair o martelo de Sua soberania. Ele bate na mesa com ele e diz: declarado justo em Cristo. Isso é um absoluto, essa é uma verdade posicional que é tão eterna como Deus é eterno. Isso é inviolável, imutável e para sempre. No momento em que deposito minha fé em Cristo a justiça de Deus é imputada a mim. É concedida a mim. É colocada sobre mim. É colocado em minha conta. É eterno. Deus está satisfeito. Isso está resolvido. E é por isso que Romanos 8 diz "Ninguém jamais nos separará do amor de Cristo". É por isso que Romanos 8 diz "Ninguém pode jamais acusará os eleitos de Deus". Isto está estabelecido. Vimos não foi?, quando olhamos para o perdão judicial, que há muitas palavras para descrevê-lo. Nós dissemos que envolve Deus tirando nosso pecado, cobrindo nosso pecado, Deus apagando nosso pecado e Deus esquecendo nosso pecado. Está feito; judicialmente estabelecido para o bem. Agora se temos cristãos, então, fazendo esta oração, "Pai nosso" e todos os seus pecados para sempre são perdoados, e Deus deixou cair o martelo e nos declarou justos, então por que estamos dizendo "Perdoa-nos as nossas dívidas"? Por que pedimos perdão a Deus? Se tudo isso é uma questão estabelecida, qual é o objetivo de fazer esse tipo de oração? O ponto é respondido em um segundo tipo de perdão. Não há apenas perdão judicial há perdão parental. E talvez você possa ter uma palavra melhor do que parental, mas é uma que tipo se prende em minha mente com base no fato de que "Pai nosso" começa a oração. Perdão parental.

Agora não estamos lidando com Deus como um juiz justo, estamos lidando aqui com Deus como um pai amoroso. Agora, ouçam, mesmo que tenhamos sido perdoados judicialmente e para sempre que é resolvido eternamente e nunca mudará, nós ainda pecamos, não é mesmo? E quando pecamos algo acontece em nosso relacionamento com Deus. O relacionamento não termina, mas algo está perdido na intimidade com ele, certo? Se meus filhos, meus meninos ou meninas, pecam contra mim desobedecendo-me, o relacionamento não termina. Eles ainda são meus filhos. Eu ainda sou seu pai. E há um certo perdão em meu coração que é automático porque eles estão na minha família. Mas algo está no relacionamento que causa uma perda de intimidade até que eles venham e digam "Papai me desculpe" e então a intimidade é restaurada. Sou feliz casado com minha esposa. Não poderia ser de outra maneira; melhorando o tempo todo. E se eu pecar contra a minha esposa por uma ação, ou uma palavra irrefletida, ou algo que seja cruel isso não muda nosso relacionamento. E há um sentido em que eu sou perdoado apenas porque estou sob o guarda-chuva de seu amor constante. Mas há algo perdido na intimidade até que eu lhe peça perdão, que é recuperada novamene assim que eu o faço. É disso que ele está falando aqui. Este não é um incrédulo orando por salvação. Este não é algum cristão implorando que Deus por favor o perdoe seus pecados. Como o sujeito que eu ouvi na televisão, e as pessoas estavam fazendo perguntas, e uma pessoa disse: "Se eu pecar e morrer antes de eu confessar vou para o céu?" E o homem disse: "Não, você vai para o inferno." Que terrível, terrível mentira é essa, colocar alguém sob esse tipo de medo. Não estamos falando sobre isso. Estamos falando aqui do perdão que nos dá a plenitude da alegria na intimidade com Deus. É tudo o que o relacionamento pode ser. É disso que ele está falando.

Deixe-me ilustrá-lo a partir do Salmo 51. Abra no Salmo 51. Aqui está o Davi. Agora, Davi foi redimido. anote isso. Davi foi salvo. Davi tinha recebido a salvação do Antigo Testamento. A justiça foi imputada a Davi. Ele cria em Deus. Ele amava a Deus. Ele confiava em Deus. Sua fé estava em Deus. Ele tinha recebido redenção. A justiça de Cristo, ainda que futura, já tinha sido imputada em seu favor por sua fé. Ele era um homem regenerado, redimido, mas caiu em pecado. Terrível pecado, pecado não muito diferente do nosso amigo Ray sobre o qual lemos esta manhã, pois ele cometeu adultério e depois cometeu assassinato, e se ele tivesse sido qualquer outra pessoa além do rei ele provavelmente teria perdido sua vida. Mas ele era algo diferente da lei; algo acima da lei e mesmo que os pecados fossem hediondos ele foi poupado por causa de sua posição. Quero que você note a natureza de sua oração no Salmo 51, porque esta é a oração que sai do seu coração cheio de culpa ao refletir sobre o seu pecado. E eu quero que você saiba isso, primeiro o versículo 14. "Livra-me dos crimes de sangue" - agora observe - "Ó Deus, Deus da minha salvação." Ouça. Davi afirma sua salvação. Davi afirma que Deus ainda é o Deus da sua salvação. Ele clama a um Deus cuja presença está lá, cujo espírito está lá, cuja salvação é sua ainda. Creio que Davi foi verdadeiramente redimido. Ele foi redimido e Deus ainda estava lá em Sua presença e em Seu espírito, e ele ainda era o Deus da minha salvação. Mas mesmo ao afirmar que o perdão judicial estava lá, Davi não pode deixar de sentir a perda de algo íntimo na relação, e isso é o que ele quer dizer quando clama no versículo dois. "Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado. Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim." Não consigo esquecê-lo. "Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mal perante os teus olhos." Versículo sete, "Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo. Lave-me, e ficarei mais alvo que a neve.”

Você vê, há um sentido em que o perdão judicial e o perdão parental, se você quiser, são tão diferentes. Davi foi salvo, mas havia algo entre ele e Deus que o fez perder o significado dessa salvação. É por isso que ele diz no versículo oito, "Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que exultem os ossos que esmagaste." Ele queria a alegria de volta, não é mesmo? Era isso que ele queria. "Criai em mim um coração puro ó Deus" versículo 10. "renova dentro de mim um espírito inabalável." O que está escrito no versículo 12 "Restitui-me" - o quê? - "a alegria da tua salvação". Não diz "restaura-me a tua salvação". Ele diz que me restaure o quê? A alegria dela. Agora aqui está, pessoal. O perdão judicial cuida do fato da salvação. O perdão de Pai cuida da alegria dela. Entende? Eu posso ser perdoado mas se eu sou pecador e não confessando e não me arrependendo daquela pecaminosidade, eu perco a alegria da plenitude dessa relação. Esse é o problema. Olhe comigo por um momento em 1 João 1. 1 João 1. João começa esta epístola maravilhosa dizendo que ele prega Cristo, a palavra da vida, como experiência de primeira mão. "O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam". Ele diz "Tivemos uma experiência pessoal com Cristo" no versículo primeiro. "com respeito ao Verbo da vida (e a vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a vida eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada)." Em outras palavras, estamos pregando a Cristo. Estamos pregando o evangelho. Por quê?

Versículo três. "o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo." João diz que nós pregamos para trazer você para a comunhão, vê? Queremos que você fique na comunhão. Queremos que você esteja ligado com Deus e Cristo e com todos os que crêem em Deus e em Cristo. Queremos trazê-lo para a família. Isso é perdão judicial. Queremos que você fique na comunhão participando da vida eterna comum, para ser um na koinonia. É por isso que nós pregamos a Cristo. Então ele vai um passo adiante no versículo quatro, "Estas coisas" - que coisas? As coisas que nós escrevemos para vocês, essa epístola que escrevemos que a sua alegria seja completa. Agora por um lado pregamos o evangelho para que você entre na comunhão e por outro lado escrevemos a epístola para que na comunhão você conheça a plenitude da alegria. Ser salvo coloca-o em comunhão. Ser obediente aos padrões e princípios que estabelecemos faz com que você desfrute da alegria dessa comunhão.

Entendeu? Por um lado está o perdão judicial, colocando-o em comunhão, e há o perdão parental que faz você conhecer a plenitude da alegria de está na comunhão. E logo depois, se você estiver na comunhão, versículo nove, você estará confessando seu pecado e Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. Agora veja, ele diz que estou escrevendo isto para você, para que sua alegria seja completa. A primeira coisa que ele diz é se você quer alegria completa, se você quiser alegria total então continue confessando o quê? os pecados. Essa é a questão. O evangelho traz justiça judicial, perdão judicial, obediência. E a obediência na confissão, para começar, traz a você a plenitude da alegria que vem do perdão parental. Olhe para João 13. Espero que você esteja acompanhando isso. João 13 um dos meus capítulos favoritos. Eu compartilhei com você muitas vezes mas eu vou tirar um pensamento dele que talvez não tenhamos coberto. João 13, nosso querido Senhor está falando de Seu amor por Seus discípulos, aqui neste capítulo, apesar de sua obstinação e pecaminosidade, apesar de estarem sentados discutindo quem seria o maior no reino. Eles eram egocêntricos, egoístas, possessivos, indiferentes a Cristo, despreocupados com Sua morte, discutindo orgulhosos, egoístas. Eles eram muito repulsivos neste momento. No meio de tudo isso o querido Senhor tira Sua capa exterior e coloca uma toalha sobre o seu ombro e começa a lavar os pés; humilhando a Si mesmo e a eles, pois deveriam ter feito isso por Ele. Ele não deveria ter precisado fazê-lo para eles.

Ele vem a Pedro no versículo oito. Pedro diz, você nunca lavará meus pés. Isso não vai acontecer. Eu não vou permitir isso. Creio que Pedro está sob convicção. Creio que ele não permitiria que o Senhor fizesse isso. Eu acredito que ele está enfrentando seu pecado. O fato de ele estar discutindo sobre quem é o maior no reino, que ele tem sido egoísta, egocêntrico, insensível a Cristo, ele simplesmente não vai permitir isso. Você não vai lavar meus pés. Jesus lhe respondeu, "Se eu não te lavar não tens parte comigo". E ele toma toda essa cena física e transforma-a em uma tremenda verdade espiritual. Ele diz, Pedro, se você quer realmente saber o que é ter comunhão comigo, se você quer saber o que é ser parte e parcela do que eu sou, se você quer a plenitude de um relacionamento, é melhor você deixar eu lavar você. Pedro diz, "Senhor não me laves apenas os pés. Lave minhas mãos e a minha cabeça." Faça o negócio inteiro. Novamente uma declaração estúpida. Jesus disse-lhe "Aquele que é lavado ou banhado não precisa aceitar lavar os pés. Ele já está inteiramente limpo e está limpo. Pedro eu só quero lavar seus pés." Primeiro ele está dizendo a ele o que não fazer, e então ele está dizendo a ele o que fazer. Pedro, apenas fique quieto, eu só estou interessado em seus pés, porque há uma enorme verdade espiritual aqui. Você está sentando ao redor desta mesa pecando. Você já está limpo, diz o versículo 10, exceto Judas. Nem todos vocês estão limpos; Um de vocês não está. Um de vocês não é redimido. Mas o resto de vocês já está limpo. Você já foi redimido. Você já foi feito justo pela fé. Eu não estou falando sobre banhar você outra vez. Você só se torna justo quantas vezes? Uma. Você não precisa disso novamente.

O que me interessa é manter a sujeira fora de seus pés. Agora, naqueles dias, naturalmente, você tomava um banho de manhã quando você se levantava, e banhava seu corpo inteiro, e então você começava seu dia, e desgastava as sandálias, nessa parte do mundo as estradas seriam enlameadas ou poeirentas; lamacentas quando chovia. Você pode imaginar o lodo. E quando secava a poeira, em todos os lugares, seus pés estariam sujos. E toda vez que você fosse para uma casa ou um local de negócios, ou ter comunhão com as pessoas, ou comer uma refeição, seria necessário lavar os pés, apenas como uma questão de propriedade muito óbvia. E o Senhor está lhe dando uma grande verdade espiritual. Ele está dizendo para ele simplesmente isso. Você já teve perdão judicial. Você teve seu banho espiritual quando você creu. Tudo o que é necessário eu fazer para manter a plenitude do nosso relacionamento aberto, é lavar os pés. Isso é perdão parental, você vê. E diariamente enquanto caminhamos pelo mundo coletamos a poeira do mundo. Esses são os pecados que cometemos, e quando os confessamos, eles são lavados. E quando confessamos 1 João 1:9 diz, "ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça." Que gloriosa verdade. Ele está simplesmente dizendo que uma vez que você foi limpo, banhado no sangue salvador de Jesus Cristo, você recebeu o perdão judicial. Isso não precisa ser feito de novo, mas o perdão parental é algo que acontece todos os dias enquanto mantém a plenitude da comunhão aberta. A remissão posicional não precisa de repetição mas a remissão prática tem de ser repetida todos os dias. Ouça, amado, quando orar é melhor orar de acordo com Mateus 6. Em algum lugar em suas orações, depois de ter reconhecido Seu nome, ser santificado, Seu reino vir, Sua vontade for feita e depois de ter reconhecido que Deus é a fonte de seu sustento físico e diário, você precisa enfrentar o fato de que seus pés estão sujos e você precisa reconhecer o fato de que enquanto eles estão sujos e você não confessa e nem se arrepende desse pecado, há uma perda na plenitude da alegria, na intimidade da comunhão que você pode ter com Deus. Os crentes precisam abrir seu coração diariamente para esse perdão que mantém os pés limpos.

Penso em Davi. Natã disse a Davi, "Davi, o Senhor afastou o teu pecado." Ah, que alívio. Quero dizer que Davi havia cometido este terrível pecado de Bate-Seba e Urias e o Senhor o havia posto de lado. Ele disse que você tem perdão judicial. O guarda-chuva está sobre você, rapaz. Isso está feito. Você pode, hoje, encontrar alguém que diria no mesmo arranjo, eu percebo isso, mas o Senhor já cuidou disso. Eu não vou me preocupar com isso. Não Davi. Não demorou muito para que Natã lhe dissesse "O Senhor te livrou do teu pecado." Deus cuidou disso. Isso está na redenção. O que Davi escreveu no Salmo 32, e isto é o que ele disse, "Confessei-te o meu pecado e a minha iniqüidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões." Você entende isso? Ouça, quando ele já sabia que o elemento judicial já havia sido cuidado, ele ainda clamava em confissão para abrir o canal parental, para manter a intimidade da relação. Então qual é a mensagem na parte um desta petição? Perdoar-nos as nossas dívidas? É simplesmente uma súplica que experimentamos a purificação momento a momento que vem quando reconhecemos nosso pecado para com o Senhor. Muito básico, muito necessário, e você sabe o que me emociona tanto, é que Deus está tão ansioso para perdoar. Sabe, você poderia pensar que se estivesse em alguma religião pagã ou algo assim, e acreditasse que os deuses seriam como homens, que Deus ficaria tão cansado de ouvi-lo que um dia ele diria, "Você sabe, essa é a última vez que estou quebrando essa para você, meu amigo. Daqui em diante assuma as conseqüências. Eu te dei mais perdão do que 10 pessoas pudessem merecer." Mas não é assim que Deus é. Creio que foi Neemias quem disse, "Tu és um Deus pronto a perdoar". Tu és um Deus pronto para perdoar. Isso mesmo. Ansioso. Eu amo Miquéias. Ele se deleita em misericórdia. Você diz, "Mas eu volto todos os dias e continuo dizendo Senhor eu fiz isso de novo e Senhor eu tenho esse problema novamente." Você volta todos os dias e Deus não se cansa disso? Não, porque Ele se deleita em misericórdia, porque a misericórdia é um ato de Sua natureza que lhe dá glória, pois glorificamos tal Deus misericordioso.

É por isso que em Romanos 5 diz, "onde abundou o pecado," o que? "superabundou a graça". Deus ama perdoar e você sabe, você pode ter todo o perdão que ele tem e não vai diminuir seu recurso em nada. E você pode voltar tantas vezes quiser e nunca diminuirá Seu amor. Nunca. Ele vai perdoar tantas vezes quanto você venha. Alguém me disse na semana passada, "Seu sermão sobre o perdão judicial acho que arruinou meu filho." Eu disse "Por quê?" "Bom, você disse que ele poderia simplesmente pecar - simplesmente pecar e tudo estava coberto pela eternidade, então ele saiu, pecou, e disse que estava tudo coberto mesmo." Bom, eu pergunto se ele conhece a Cristo primeiro, porque se eu sei que Deus perdoou todo o meu pecado e se sei que, não importa quantas vezes eu volte e peço a Ele perdão, Ele está ansioso e desejoso para fazê-lo, esse tipo de amor me retarda em pecar ao invés de me obrigar a pecar, porque eu não posso negociar com esse amor. Eu não posso abusar disso. Dr. Barnhouse contou uma grande história para ilustrar isso. Ele estava conversando com um professor universitário e contou uma história sobre um casal. Isto é o que ele disse. O homem tinha vivido uma vida de grande pecado e imoralidade mas tinha sido convertido e acabou por se casar com uma bela mulher cristã. Ele lhe havia confiado a natureza de sua vida passada em apenas algumas palavras. Como ele lhe dissera essas coisas, a esposa tomou sua cabeça em suas mãos e ela o puxou para seu ombro e beijou-o suavemente e disse "John eu quero que você entenda algo muito claramente. Conheço bem a minha Bíblia e portanto conheço a sutileza do pecado e os vícios do pecado que operam no coração humano. Eu sei que você é um homem completamente convertido John, mas eu sei que você ainda tem uma natureza pecaminosa e que você ainda não está tão plenamente instruído nos caminhos de Deus como você será. O diabo fará tudo o que puder para arruinar sua vida cristã. Ele cuidará para que tentações de toda espécie sejam colocadas em seu caminho e poderá chegar um dia John - por favor, Deus, que nunca isso aconteça - mas poderá chegar um dia quando você irá sucumbir à tentação e cair em pecado. E John, imediatamente o diabo lhe dirá que não adianta tentar. Você pode muito bem continuar em seu caminho de pecado. E acima de tudo ele vai lhe dizer para não me contar, porque vai me machucar. Mas John, eu quero que você saiba que há uma casa para você em meus braços. Quando me casei com você eu me casei com sua antiga natureza assim como com sua nova natureza e quero que você saiba que há um perdão total e completo de antemão para qualquer mal que alguma vez ocorra em sua vida.”

Agora, isso é algo como Deus. Quando Barnhouse terminou a história o professor da faculdade ergueu os olhos com reverência e disse, "Meu Deus, se há alguma coisa pudesse manter um homem reto, esse tipo de amor perdoador de antemão faria isso". Essa é exatamente e precisamente a maneira com que Deus observa sua relação conosco. Ouça, nós vimos o problema do pecado. Vimos a provisão do perdão. Quero encerrar com uma confissão de súplica - a confissão de súplica. O terceiro princípio é simplesmente que recebemos seu perdão pela confissão do pecado. Recebemos seu perdão pela confissão do pecado. Todo este versículo implica em confissão. Você pode saber sobre o pecado e saber sobre o perdão mas se você não confessar o seu pecado você nunca irá recebê-lo. Enquanto eu abrigar o meu pecado e eu nunca confessar, me arrepender, me desviar dele, entregar isso a Deus e concordar com Ele sobre isso, eu nunca ficarei livre para conhecer a alegria que ele quer que eu conheça porque a barreira está lá, e quebra a intimidade da comunhão. E assim devo confessar. Devo abrir meu coração e admitir meu pecado, e isso é difícil, não é mesmo? É duro. Basta tentar tirá-lo de seus filhos quando eles fizerem algo errado. Resistente. Lembro-me de quando era menino que eu vandalizei a escola com um outro menino pequeno onde meu pai estava realizando um encontro bíblico, em uma cidade pequena em Indiana. No meio da semana o menino e eu fomos lá e fizemos algumas coisas ruins. Eles foram de casa em casa na cidade, era tão pequena, e eles vieram na casa em que estávamos hospedados, e meu pai e o homem que nos hospedava, atenderam à porta. O homem disse, "Tivemos vandalismo na escola, seus filhos saberiam algo sobre isso?"

Eu estava segurando a mão do meu pai e fazendo meu rosto mais angelical possível, fazendo tudo o que podia para mostrar que eu era tão espiritual quanto meu pai evangelista. Eu nunca seria pego fazendo algo assim. "Meu filho nunca faria isso" e ele me deu um tapinha em minha pequena cabeça. "Não o Johnny, por que ele é um menino maravilhoso." O outro homem estava dizendo, "E nosso menino é um menino maravilhoso também e eu não entendo como isso poderia acontecer." Eles deram a ele esta coisa longa e meu pai que estava expressando tal amor para comigo e tal confiança em minha vida. Naquela noite na reunião fui adiante quando ele fez o convite. Eu orei com ele nos degraus. Eu disse que acho que preciso de Jesus no meu coração. Ele nunca soube o porquê. Dez anos mais tarde falei a ele sobre isso. Dez anos. Eu não poderia ter coragem para fazê-lo. Mas eu não estou sozinho. Adão e Eva pecaram, e eles estavam acostumados a andar e conversar com Deus no frescor do dia, mas no minuto em que eles pecaram, o que mais aconteceu? Eles ocultaram. É difícil confessar. Enquanto você não o faz, você perde a alegria. Provérbios 28:13 diz que o que encobre as suas transgressões jamais prosperará. Cubra seu pecado e você não prosperará. Quem confessar e deixar terá misericórdia. Nossa prosperidade espiritual está em jogo. É por isso que ele diz que é melhor você dizer "Perdoa-nos as nossas dívidas". A confissão do pecado é vital. É vital. Davi disse a Natã, "Eu pequei contra o Senhor" 2 Samuel 12:13. Davi disse a Natã novamente em 2 Samuel 24:10 "Tenho pecado contra o Senhor muito no que tenho feito". Em 1 Crônicas 21:7 Davi disse a Deus "Eu sou aquele que pecou e cometeu perversidade." Isaías disse, "Eu sou um homem de lábios impuros e habito no meio de um povo de impuros lábios." Daniel disse, no capítulo nove versículo 20, "Falava eu ainda, e orava, e confessava o meu pecado." Pedro disse em Lucas 5:8, "Afasta-te de mim porque eu sou um homem pecador Senhor". Paulo disse, "É uma declaração digna de confiança que mereça a plena aceitação de que Jesus Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores entre os quais eu sou" - o quê? - "o principal.”

Confessar o pecado não é fácil, mas é necessário para apropriar-se da alegria que vem com o perdão parental. Não esconda seu pecado, confesse seu pecado. John Stott diz, e é verdade, um dos mais seguros antídotos para o processo de endurecimento moral é a prática disciplinada de descobrir nossos pecados de pensamento e visão bem como de palavra e ação e o arrependimento abandonando o mesmo. Se você não fizer isso você vai endurecer. Eu vi cristãos perdoados judicialmente e eternamente seguros tão endurecidos, tão penitentes, tão incondicionais, tão insensíveis ao pecado e tão totalmente sem alegria, que nem sequer sabiam o significado de uma comunhão amorosa e íntima com Deus. Eles o bloquearam pela barricada de seu pecado não confessado. Confissão. Esta semana eu sentei no meu quarto de volta em Indiana e assisti a neve cair pela janela. Eu pensei comigo mesmo, o mundo parece tão branco. A cidade em que eu estava tinha três ruas e um sinal de parada. Era isso. Havia apenas campos brancos por toda parte. Pequenos caminhos onde as pessoas andavam e as árvores estavam cobertas de neve. Pensei em nossos pecados serem brancos como a neve. E então enquanto eu olhava para minha própria vida eu estava lendo um pequeno livro que eu tenho As Orações dos Puritanos que às vezes eu compartilho com vocês. Eu me deparei com um que estabeleceu minha vida em contraste, de início, com a pureza que eu vi na janela. Eu pensei que poderia ser um pensamento apropriado para nós hoje. A confissão é tão necessária às pessoas ou você perde a pureza que lhe dá alegria. Isto é o que eu li. "Deus da graça tu imputaste o meu pecado ao meu substituto e imputaste Tua justiça à minha alma. Veste-me com a túnica de um noivo adornando-me com jóias de santidade. Mas em minha caminhada cristã ainda estou em farrapos. Minhas melhores orações estão ficando com o pecado. Minhas lágrimas penitenciais são de muita impureza. Minhas confissões do erro são mais agravamentos do pecado. Receber o espírito é matizado de egoísmo. Preciso me arrepender do meu arrependimento. Preciso que minhas lágrimas sejam removidas. Eu não tenho manto para trazer para cobrir meus pecados nem tear para tecer minha própria justiça. Eu estou sempre de pé vestido com roupas sujas, e pela graça estou sempre recebendo mudança de roupa, para sempre justificar o ímpio. Estou sempre indo para o país distante e sempre voltando para casa como um pródigo, sempre dizendo, Pai me perdoe, e Tu estás sempre trazendo a melhor roupa novamente. Todas as manhãs deixa-me usá-la, todas as noites devolvê-la, sair para fazer o trabalho do dia nela, estar unido a ela, ser ferido na morte nela, ficar diante do grande trono branco nela, entrar no céu brilhando como o sol. Concede-me que nunca perca de vista a excessiva pecaminosidade do pecado, a suprema justiça da salvação, a glória suprema de Cristo a suprema beleza da santidade e a maravilha da graça. Eu sou culpado mas perdoado. Estou perdido mas salvo. Estou vagando mas encontrei. Estou pecando mas limpo. Dá-me a coragem total e perpétua. Mantenha-me sempre agarrado à Sua cruz. Alimenta-me a cada momento com graça descendente e abra-me as fontes do conhecimento divino, brilhando como cristal, fluindo claro e imaculado através do meu deserto de vida.

Confissão; remissão da alma. Esse é o fundamento desta petição. Faz parte de sua oração?

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize