Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Vamos olhar juntos para Mateus capítulo 6. Mateus capítulo 6. Estamos em nossa décima primeira mensagem da Oração do Discípulo, e eu quero ler a oração para você e depois os dois versículos de nota de rodapé, versículos 14 e 15, e então iniciaremos o estudo desta manhã. Mateus 6, começando no versículo 9, "Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia dá-nos hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal [pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém]! Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens [as suas ofensas], tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas." O versículo 12 é a petição a que chamamos novamente sua atenção esta manhã, pela terceira vez. "Perdoa-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores." A palavra perdão nos atinge imediatamente. O perdão pode ser a palavra mais maravilhosa em qualquer idioma. Não há nada mais maravilhoso saber, então, que seus pecados são todos perdoados por Deus. Não há nada no reino humano, mais maravilhoso, do que saber, então, que você foi perdoado por alguém que você feriu gravemente, ou machucou ou feriu. Perdão é uma palavra emocionante.

Há um epitáfio em um cemitério fora da cidade de Nova York. É uma grande lápide. Não tem na lápide o nome da pessoa que está lá no túmulo. Não tem quando ele ou ela nasceu ou quando ele ou ela morreu. Não diz amados mãe, pai, marido, esposa, irmão, irmã, filho, filha. Apenas uma palavra se estende de uma extremidade da lápide à outra e é a palavra "Perdoado". Alguém quis tornar do conhecimento que ele poderia morrer em paz porque lhes foram perdoados. E isso é tudo o que realmente importa.

Henry Ward Beecher disse, "Deixe-me ir e ver um ramo de uma das árvores que está agora brotando no meu jardim e durante todo o verão haverá uma cicatriz feia onde o corte foi feito. Mas no próximo outono ela estará perfeitamente coberta pelo crescimento, e no outono seguinte estará escondida, fora de vista, e em quatro ou cinco anos haverá apenas uma leve cicatriz onde ela esteve, e em dez ou vinte anos você nunca suspeitará que alguma vez houve uma amputação. Agora as árvores sabem como superar suas lesões e escondê-las, e o amor não espera enquanto as árvores o fazem." Eu gosto disso. Pedro disse que o amor cobre uma multidão do quê? de pecados. O amor está com pressa, muito mais do que as árvores. O perdão é uma mercadoria vital do amor.

Agora Deus tem falado muito nas Escrituras sobre esta área de perdão. Perdoar, você vê, é a mais profunda necessidade espiritual do homem. Tome nota disso. É a mais profunda necessidade espiritual do homem. Pois sem o perdão o homem nunca entra em um relacionamento com Deus. Sem o perdão ele paga sua própria penalidade por seu pecado. Sem o perdão ele passa a eternidade no inferno. O perdão, então, torna-se a mais profunda necessidade espiritual do homem. Isso é algo que ele deve ter se quiser conhecer a Deus, se quiser desfrutar o céu. É a necessidade espiritual mais profunda do homem também, porque é a única maneira que ele é liberto da ansiedade e da pressão que a culpa do pecado traz sobre sua vida. E assim quando você chega ao versículo 12, a primeira de duas petições espirituais nesta oração, você está tocando o homem no ponto mais profundo de sua necessidade. Vir a Deus para o perdão é a coisa mais vital de todas.

Acho que precisamos fazer algumas perguntas hoje de manhã. Sendo esse perdão a mais profunda necessidade espiritual do homem, você experimentou o perdão que vem em Cristo? Essa é a primeira pergunta. Se você o tem, então, mesmo como um cristão, enquanto você anda pelo mundo, você está trazendo seus pecados ao Senhor no dia-a-dia para a limpeza que vem a você no dia a dia, enquanto Ele lava a poeira do mundo de seus pés, quando você os deixou empoeirados? Você está experimentando a utilidade, a alegria e a intimidade com Deus, que vem da confissão diária? Que tal perdoar os outros? Você tem libertado os outros da escravidão de uma ofensa, perdoando-os abertamente e com todo o coração? Essas são perguntas, eu acho, que precisamos fazer a nós mesmos. O perdão é uma virtude abençoada.

Agora, nós falamos sobre Deus nos perdoando, já por duas semanas. Hoje eu quero falar sobre nós perdoando aos outros. Porque, no final do versículo 12 diz, "Assim como nós perdoamos aos nossos devedores" e os versículos 14 e 15 dizem se perdoamos somos perdoados; se não perdoarmos não seremos perdoados. E assim eu quero ir para o conceito de nós perdoando uns aos outros. Agora, deixe-me começar dizendo isso, e quero que você marque isso, existem várias razões pelas quais devemos perdoar um ao outro. E vou lhe dar uma lista. Anote-os porque acho que você precisa conhecê-los.

Número um, devemos perdoar uns aos outros porque esse é o caráter dos santos. Esse é o caráter dos santos. Os cristãos são caracterizados como aqueles que perdoam. Mateus capítulo 5, versículo 43. Volte ao capítulo cinco, descobrimos que os rabinos judaicos tradicionais ensinavam: amarás o teu próximo odiarás o teu inimigo. Eles ensinavam que o princípio era amar o próximo e odiar seu inimigo. Mas o Senhor disse: Amai os vossos inimigos. Abençoai os que te amaldiçoam. Fazei bem aos que te odeiam. Orai por aqueles que vos maltratam e vos perseguem para que se manifeste que sois filhos de vosso Pai. Em outras palavras, perdoar os outros, abençoar aqueles que amaldiçoam, equivale ao perdão, amar seus inimigos, que é a mesma idéia, é tudo uma característica que manifesta que você é um filho de Deus. É característica dos santos perdoar. Quer dizer, somos os perdoados, não somos? Já esquecemos tão cedo o que nos foi perdoado e não perdoaríamos alguém? Você sabe, como cristão, quando você não perdoa alguém você se configura como um tribunal maior do que Deus, pois Deus perdoa infinitamente. E isso é idolatria, pois você está adorando a si mesmo como se fosse Deus; você usurpou o lugar Dele.

Em segundo lugar, creio que devemos perdoar uns aos outros, não só porque caracteriza os santos, mas para seguir o exemplo de Cristo. Primeira João 2:6 diz, "aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou." Certo? Como Ele andou? Ele andou em perdão. E é por isso que em Efésios 4:32 diz que devemos perdoar uns aos outros assim como Deus, por amor de Cristo, tem o quê? Nos perdoado. Cristo estabeleceu um modelo, um padrão de que a morte de Cristo e o perdão de Deus por meio de Cristo dado a nós, não é apenas por sua própria causa. É para o seu próprio bem e além, para nos dar um padrão de perdão. Na cruz, aos próprios que haviam cravado os pregos em Suas mãos, aos mesmos que haviam cuspido nele, que escarneciam e lhe colocaram uma coroa de espinhos em sua cabeça, Ele disse, Pai, o quê? Perdoa-os.

E aí está o modelo. A severidade de qualquer ofensa contra nós não pode igualar-se a isso, como diz o escritor de Hebreus: você não tem sofrido até sangue. Nenhum de nós suportou o que Cristo suportou, e Ele nos perdoou a todos, Ele estabeleceu o modelo, o exemplo e o padrão. Devemos perdoar uns aos outros porque é a característica dos santos fazê-lo, e em segundo lugar porque é seguir o padrão de Cristo.

Em terceiro lugar, devemos perdoar uns aos outros porque expressa a mais alta virtude do homem. A mais alta virtude do homem. Creio que o homem manifesta muito mais a majestade de sua criação à imagem de Deus, quando expressa o perdão. E eu creio que isso está indicado em Provérbios capítulo 19, versículo 11. Ele diz "A discrição do homem o torna longânimo." E ouça isto "e sua glória é perdoar as injúrias". A virtude de um homem é que ele perdoa a transgressão. Devemos perdoar uns aos outros porque é característico dos santos, por causa do exemplo de Cristo e porque é a mais alta virtude de um homem.

Em quarto lugar, devemos perdoar uns aos outros porque liberta a consciência da culpa. Liberta a consciência da culpa. Quando há necessidade de ser perdoado e de perdoar há culpa. Penso em Davi que no meio de uma situação implacável, tem todos os tipos de problemas. Seus sucos de vida secam, o sistema linfático, o sistema de sangue, o fluxo em seu sistema nervoso, a saliva. Tudo estava errado. Ele estava doente. Seus ossos estavam envelhecendo, por assim dizer, e seu gemido estava acontecendo o dia inteiro. Há uma conexão com um coração implacável, uma vantagem para Satanás de acordo com 2 Coríntios capítulo 2, uma raiz de amargura que cria todos os tipos de ligação da consciência. E assim devemos perdoar uns aos outros para libertar a consciência.

Você sabe, as pessoas que carregam rancores e amargura e que carregam uma atitude de raiva para com um indivíduo, e isso repetidas vezes, e isso sem alívio, estão literalmente ferindo-se. Dale Carnegie conta uma história sobre visitar Yellowstone para alimentar os ursos pardos. Aparentemente você os alimenta a uma certa distância. Mas eles fizeram uma clareira quando ele estava lá e eles empilharam um monte de lixo na clareira e o guia estava dizendo, agora o urso virá comer o lixo. E com certeza o urso chegou. E um urso pardo é provavelmente o animal mais feroz do continente norte-americano. O único animal que pode talvez, fora um urso pardo, seria um urso Kodiak ou um bisão selvagem que estivesse realmente enfurecido. Mas um urso não tem muitos inimigos. Ele domina muito bem sua própria cena. E este acinzentado entrou e começou a comer e eles não gostam de qualquer pessoa se intrometendo em seu território, o guia estava dizendo. E de repente esta pequena coisa preta e branca atravessou a clareira: um gambá. E o gambá enfiou seu nariz bem ali onde o urso estava e começou a comer e desfrutar, se deliciando em tomar a comida do urso.

Agora, Carnegie disse que ele percebeu que o gambá era muito impudente, mas o urso não fez nada. Juntos eles compartilhavam a comida. Carnegie disse, Por quê? A resposta é simples: o alto custo de ser incluso. O urso não queria pagar o preço. Urso esperto. Mais inteligente do que muitas pessoas que conheço, que se vêm complicadas com bócios tóxicos, ataques cardíacos e colite porque guardam rancor.

Um pai com seu filho de 14 anos entrou no consultório do médico um dia e ele disse ao médico, "Doutor eu vim pegar mais pílulas para a colite de minha esposa." Seu filho imediatamente respondeu, "Com quem ela está entrando em colisão agora?" O doutor McMillan escreveu um livro em que tem um capítulo intitulado, "Não é o que você come, é o que come você." Esse é o problema real. Por que devemos perdoar uns aos outros? Primeiro porque caracteriza os santos. Em segundo lugar, segue o exemplo de Cristo. Em terceiro lugar, é a mais alta expressão da virtude do homem. E em quarto lugar, liberta a consciência da culpa e a culpa traz muitas doenças da mente e do corpo.

Em quinto lugar, devemos perdoar uns aos outros porque nos livra do castigo. Nos livra do castigo. Onde há um espírito imperdoável há pecado e onde há pecado há castigo. E todo filho que o Senhor ama açoita e castiga, Hebreus 12 diz. E em 1 Coríntios a sua animosidade uns para com os outros, e a sua amargura, o seu espírito de partidarismo e as suas facções, tinham transformado a festa de amor em algo horrível, algo muito vil. E por causa disso muitos deles eram fracos e doentes e alguns estavam mortos, e o Senhor os havia castigado até aquele ponto por falta de uma relação amorosa apropriada uns com os outros. Agora todas essas são razões importantes pelas quais você deve perdoar um ao outro. Mas, há mais uma que é mais importante do que essas cinco.

Devemos perdoar uns aos outros porque se não o fizermos, também não seremos perdoados. E isso está em nossa passagem. Agora esse é um conjunto chocante e surpreendente de versículos, versículos 14 e 15. E muitas pessoas não entendem esses versículos. E eu tenho que dizer isso a você. Para aqueles de vocês que não estiveram aqui, vocês precisam ouvir as duas últimas mensagens para ter todo o significado do que eu tenho a dizer hoje porque eu não posso repetir tudo isso. Mas vou tentar dar-lhe o mais brevemente possível. Agora lembre-se disso, nesta oração estamos nos concentrando nisso, a primeira petição sobre a necessidade espiritual do homem. Os três primeiros dizem respeito a Deus, "Santificado seja o teu nome, venha o teu reino, seja feita a Tua vontade.”

Em outras palavras, antes de você chegar a si mesmo, na oração, Deus tem que ter o lugar certo nela. Você irá imediatamente contornar todos os seus desejos egoístas pelo tempo que você filtrou, através da profundidade das três primeiras petições. Então você reconhece que Deus é o sustento de seu pão diário. Você não teria uma vida espiritual com necessidades se você não tivesse uma vida para começar, então Ele tem que cuidar disso. E então você vem para o espiritual, e aqui você está lidando imediatamente com o pecado. Deus está no lugar primário, e depois a necessidade do homem espiritual e física. E à medida que chegamos a este versículo compartilhamos com vocês quatro coisas que vocês precisam saber, o problema, que é o pecado expresso pela palavra dívida e nos versículos 14 e 15 a palavra transgressão. A provisão de perdão, duas vezes no versículo 12 duas vezes no versículo 14 duas vezes no versículo 15. O problema é que somos pecadores e o pecado traz culpa e condenação. A provisão é o perdão baseado no fundamento da morte de Cristo.

Agora o que dissemos sobre o perdão? Nós lhe dissemos que havia quantos tipos de perdão? Dois. Lembram? O primeiro foi o perdão judicial; O segundo o perdão parental. Se você não entender isso você nunca será capaz de interpretar esses versículos. O perdão judicial é o perdão que Deus concede a um indivíduo não regenerado, não redimido, não salvo, que vem coloca sua fé em Cristo, Deus lhe imputa a justiça de Cristo, declara-o eternamente justo, bate o martelo, perdoado, declarado justo e justificado para sempre. O perdão judicial abrange toda a eternidade e nos imputa a justiça de Cristo. É um ato estabelecido para sempre. Isso é, de uma vez por todas. Todas as suas ofensas totalmente perdoadas. Dissemos isso em detalhes duas semanas atrás. E surge a pergunta, se eu for judicialmente perdoado e todo pecado estiver sob o sangue de Cristo, passado, presente e futuro, e tudo for cuidado para sempre e nunca poderá ser alterado, o que estou fazendo ao dizer "Perdoa-nos as nossas dívidas?" Você diz talvez esta seja uma oração de um incrédulo. Não? Quais são as duas primeiras palavras na oração? O que elas são? "Pai nosso." Você não está falando de um incrédulo aqui. Você tem que estar na família de Deus para fazer esta oração. Isto é como você deve orar como um crente.

Bom, você diz, se eu sou um crente e tudo está judicialmente cuidado na questão da salvação, por que estou pedindo perdão? E isso é o que chamamos de perdão parental. Isso não tem a ver com o fato da salvação, tem a ver com a alegria dela. E usamos essa ilustração magnífica e abrangente em João 13, onde Jesus diz a Pedro: você já tomou um banho. Você não precisa de outro banho. Tudo que você precisa é de seus pés limpos, durante o dia. Deus nos banhou na justiça de Cristo. Tudo o que Ele quer fazer é tirar a poeira dos pés que recolhemos enquanto caminhamos pelo mundo.

Um é um perdão posicional; o outro é prático. Um lida com nossa posição e nosso estado diante de Deus; o outro trata da nossa vida no mundo. E o Senhor espana os nossos pés. É como João disse em 1 João, não é mesmo? "Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo. Estas coisas, pois, vos escrevemos para que a nossa alegria seja" o quê? "Completa". É a alegria, a utilidade, a produtividade e o bem-estar espiritual é que é a questão aqui. E um crente, quando é salvo, é redimido judicialmente e tudo é coberto, não pára de enfrentar o pecado tornando-se insensível ao pecado, ignorando o pecado, mas continua confessando o pecado. 1 João 1:9, certo? Como um modo de vida.

Nós entramos pela fé, depois paramos a fé naquele ponto e a abandonamos? Não. Andamos pelo quê? pela fé. Nós entramos confessando o pecado. Não paramos, continuamos. É um modo de vida. Primeira João 2 diz que se amamos a Deus e estamos no Senhor continuaremos a amar nosso irmão. Continuaremos a obedecer às leis de Deus. Você está de volta a 1 João 1, está dizendo a mesma coisa, se você é verdadeiramente um crente continuará confessando seu pecado, porque a sensibilidade ao pecado será muito maior do que nunca antes quando não era salvo, pois antes de você ser salvo, você andava em trevas. Certo? E nada era revelado. Quando você se tornou cristão você passou a andar na luz e tudo se manifesta, até mesmo o seu pecado. Então o que ele está falando aqui é que aquele lavar os pés que o Senhor faz, é quando Ele nos purifica no dia a dia remindo e purificando, não para nos trazer salvação, mas para tornar a intimidade daquela comunhão tudo o que pode ser.

Usei a ilustração da minha família. Se um filho da minha família peca contra mim e contra os padrões que eu estabeleço eles não são expulsos da família. Eles não têm que fazer algo para voltar para a família, mas eles precisam vir e fazer algumas coisas certas para que a intimidade de uma comunhão familiar possa ser mantida e restaurada, você vê. É disso que estamos falando.

E assim vimos o problema com o pecado, a provisão era o perdão; e em terceiro lugar, o apelo era a confissão. A própria súplica e a petição é que confessemos nossos pecados, que o reconheçamos diante de Deus. E eu estou dizendo a você, amado, se você não está fazendo isso você está dando um curto circuito em sua eficácia espiritual. É simples assim. Você diz, bom, quando você diz confessar o que você quer dizer? Bom, eu não quero gastar todo o tempo esta manhã sobre isso, mas deixe-me apenas dizer o seguinte. Confessar o pecado, a palavra confessar significa dizer a mesma coisa. É homologeo, dizer o mesmo. É concordar com Deus sobre o seu pecado. É reconhecer seu pecado. É arrepender-se de seu pecado. É abandonar o seu pecado. E é agradecer a Deus por perdoá-lo, e qualquer coisa menos do que isso não é confissão verdadeira.

Eu concordo com Você, Deus, sobre o meu pecado. Você está certo. E assim que fizer isso livrará Deus de lhe castigar, sem impunidade. Você percebe isso? Porque você acabou de admitir que você mereceu. E Deus tem o direito de saber que você admite isso, porque quando as pessoas não admitem o seu pecado e Deus castiga, muitas vezes culpam a Deus. É por isso que Josué disse a Acã em Josué 7:19 "Dai glória a Deus e confesse o seu pecado". Em outras palavras Deus vai julgá-los. Você pode muito bem admitir que você merece, primeiro, assim Deus ainda será glorificado. Então quando você reconhece o seu pecado você glorifica a Deus quando Ele disciplina, como Aquele que tinha o direito de fazer isso. E então, você deve arrepender-se dele. E você deve abandoná-lo e depois agradecer a Deus por perdoá-lo. Essa é a coisa que Deus quer que você faça como parte diária da vida.

Primeira João 1:9 "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça." Tempo presente. É um modo de vida. E, no entanto, acho que muitos cristãos nunca confessam seus pecados como deveriam. De vez em quando, quando você fica desesperado, a freqüência varia, a intensidade varia, e às vezes nós lançamos tudo de uma vez para Deus. Mas devemos lidar com o nosso pecado. Eu acredito que isso é parte integrante de conhecer a plenitude da bênção em nossas vidas. E cada vez que você articula o seu pecado para o Senhor e você confessa a Ele de uma forma muito específica, há algo muito difícil sobre pegá-lo de volta novamente e fazê-lo. No sentido inverso eu acho que a maioria das pessoas não confessam seus pecados especificamente, porque querem mantê-lo represado um pouco, no caso de quererem usá-lo novamente. Ruins o suficiente para serem pecadores sem serem mentirosos sobre isso, então eles simplesmente não confessam isso. Agora, o que vamos aprender então quando examinarmos o quarto ponto? Vimos que o problema é o pecado e a provisão é o perdão e isso é apenas o começo. Porque, o apelo é para confissão. Mas há um pré-requisito também, e o pré-requisito é perdoar os outros. Perdoar os outros. Um pré-requisito absolutamente significativo. Os versículos 14 e 15 elucidam a declaração no final do versículo 12, assim como nós perdoamos aos nossos devedores.

Agora pense comigo. O pré-requisito é perdoar os outros. Eu lhe dei cinco razões no começo porque vocês devem perdoar um ao outro. Cinco razões para perdoar. O caráter dos santos, o exemplo de Cristo, a glória do homem, a liberdade de consciência, a libertação do castigo e finalmente e aqui mesmo para recebermos o perdão devemos perdoar os outros.

Olhe para o versículo 12, e deixe-me começar bem ali. Você pode traduzi-lo "Perdoa-nos as nossas dívidas como nós temos perdoado." A idéia é antes a de buscarmos o perdão para o nosso próprio opheilēma para o nosso próprio pecado contra Deus por que estamos em dívida. Antes de fazermos isso já temos perdoado aqueles que pecaram contra nós. Isso é bastante potente pessoal. Primeiro nós perdoamos então somos perdoados. Essa é a ordem que está aqui. Agora, essa é outra razão, não pode estar falando de um incrédulo, porque um incrédulo não tem capacidade nem virtude espiritual para fazer um ato de perdão pelo qual ele ganharia perdão. Está falando de um crente. Antes de virmos para lavar nossos pés todos os dias, antes de trazermos nossos pecados ao Senhor e dizermos, Senhor purifica-me de novo e usa-me. Temos que ter certeza de que perdoamos os outros. Esse é o pré-requisito.

Trace seus passos de volta por um minuto, você faria isso? Você olha para a sua vida e diz, John, eu venho à igreja o tempo todo. Eu leio a Bíblia. Eu escuto fitas. Eu vou a seminários ou o que quer que seja. Mas eu não tenho a alegria que eu deveria ter. Eu sinto falta de ser usado por Deus. Eu sinto que minha vida não é tudo que poderia ser. Eu fico cansado da rotina de tentar chegar a um certo padrão espiritual. E alguém diz que você precisa orar mais e assim eu tento isso. Ou você precisa ter uma aula sobre o crescimento espiritual. Ou você precisa ler sua Bíblia; você não está lendo a Palavra o suficiente. Ou aqui está um livro que você tem que ler. Ou passar por todos esses dados. Atravesse todo esse material e todas essas pesquisas para descobrir onde a realidade espiritual está faltando.

E talvez a resposta seja muito simples. Você não está confessando seus pecados. Você não vai ao Senhor e diz Eu sou um pecador eu o reconheço. Eu admito. E aqui estão os pecados. Purifique-me. E você diz, sim, eu estou fazendo isso. John, eu fiz isso. Eu vou ao Senhor e digo Senhor tenho pecado em minha vida e aqui está. Algumas pessoas que eu conheci ainda têm uma lista, sabe? Anote-a. E eu ainda não tenho a alegria. E eu ainda não tenho o cumprimento. E eu ainda não vejo o que eu deveria ver na minha vida.

Você não foi fundo o suficiente. Mais um passo. Talvez toda essa confissão não esteja resolvendo porque o Senhor não está lhe dando a libertação desses pecados porque você ainda tem algo em você, com outra pessoa, que você não perdoou e você deu um curto-circuito em seu próprio bem-estar espiritual. Isso é o que Jesus está dizendo. Não são minhas palavras; este é o Senhor Jesus Cristo e sabemos que Ele sabe.

Comece a examinar a sua vida as pessoas a esse nível. Eu sei que estou examinando minha vida lá. Oswald Saunders diz, "Jesus está aqui afirmando um princípio e Deus está lidando com Seus filhos." Ele nos trata do modo como lidamos com os outros. Ele nos mede pelo padrão que usamos com os outros. A oração não nos perdoa porque nós perdoamos aos outros, mas perdoa-nos quando já perdoamos aos outros. Essa é a ideia. Ele vai lidar conosco enquanto lidamos com Ele.

Outra ilustração muito clara. Jesus disse isso: dê, e o quê? vos será dado. Em qualquer medida que você medir será exatamente como Deus medirá você. Hmmm. Lucas 6, que tal este? Semeie com moderação, colha o quê? moderamente. Semeie generosamente, e o quê? Colha generosamente. Deus trata conosco da maneira como lidamos com Ele. Tudo o que nós investimos em Seu reino recebemos um retorno. Se abrigamos pecados e rancores e assim por diante nos separamos da bem-aventurança que pode acumular para nós por causa dessas coisas. Nós ensinamos tantas vezes que quando você dá, você investe com Deus, você recebe um retorno sobre isso. A mesma coisa é verdade em sua confissão de pecado e busca do perdão. Deus lida com você da maneira que você lida com os outros e talvez o curto-circuito em sua vida espiritual é apenas que você tem algumas pessoas que você está segurando ressentimento amargo ou rancor contra elas e é constante.

Até os judeus sabiam disso. Em 200 a.C. os judeus disseram que o perdão da injustiça de seu próximo significa que quando você orar seus pecados também serão perdoados. Eles sabiam disso. Eles poderiam entender esse princípio espiritual. O Talmude, o comentário rabínico sobre o Antigo Testamento, diz "Aquele que é indulgente com as faltas dos outros será tratado misericordiosamente pelo próprio juiz supremo".

E sobre a sua vida? Você está perdoando? Porque se você não está com Deus não vai perdoá-lo e você vai estar atravessando o mundo com pés enlameados. Ah, judicialmente você é justificado e a justiça de Cristo é imputada a você, mas a alegria se foi e a intimidade não está lá, a utilidade desaparece. Agora você diz bem, John, se eu tenho um rancor como este com alguém, como eu cuido dele?

Três passos. Eu acho que eles são práticos. Número um leve-o a Deus como um pecado. É onde começa. Leve-o a Deus como um pecado. "Senhor há esta pessoa e é assim que eu me sinto e é um pecado e eu admito e sinto muito, e eu reconheço e me arrependo dele e eu o abandono". É ai onde você começa.

Passo dois, vá para a pessoa. Resistente, hein? Bem, eu só estou dizendo isso para que você possa conhecer a alegria espiritual. Você toma a decisão o que você quer perder para abrigar seu julgamento e seu rancor. Em segundo lugar vá para a pessoa. Você diz "Eu quero buscar o seu perdão." Você sabe, eu tenho pessoas que fazem isso comigo muitas vezes e vêem a liberdade que vem disso. Eu já os perdoei. Talvez eu nem tenha sabido que fiz alguma coisa pela qual eles ficaram ofendidos. Mas, vá até à pessoa.

Terceira coisa, apenas prática, dê à pessoa algo que você valoriza muito altamente. É uma abordagem muito prática. Deixa-me dizer-lhe porquê. Jesus disse "Onde está o teu tesouro" o quê? "É aí que seu coração estará também." Você tem rancor contra alguém ou uma amargura, e talvez seja alguém em sua família, ou fora de sua família, ou alguém na igreja. Tudo o que você segura contra alguém é para ser tratado, número um levando-o para Deus; Número dois, vá até a pessoa; E três dê-lhe algo de valor. E eu vou lhe dizer o seguinte, você coloca algo de valor, algo que é precioso para você, na mão e seu coração vai com ele, e isso vai mudar a maneira que você sente sobre eles.

Vou lhe dar uma confissão verdadeira neste momento. Eu não vou confessar tudo mas apenas coisas selecionadas. Houve momentos em minha vida em que senti algo por alguém que eu não deveria ter sentido, uma amargura, um sentimento ruim, você me ofendeu. E tem havido momentos em que eu me libertei da escravidão, através deste processo, e a chave foi quando eu fui até eles. E talvez fosse um livro que eu comprei. Talvez fosse um cheque que eu lhes dei. Variado. Mas, quando eu lhes dei o presente foi quando eu realmente comecei a expressar a liberdade em meu espírito. Não há alegria como a alegria de dar. É isso que o Senhor está nos dizendo aqui. Confesse ao Senhor tudo que você quer, mas você não vai conseguir a liberdade do perdão até que você tenha lidado com o nível humano primeiro.

Agora, vamos ver isso em várias outras passagens e então eu vou terminar. Apenas brevemente. Mateus 5:7. Só vou apontar o princípio. Não temos tempo para entrar em detalhes. Nós já os cobrimos no passado. Mateus 5:7 ouça "Bem-aventurados os misericordiosos". Temos um capítulo inteiro sobre isso no livro. Declaração tremenda. "Bem-aventurados os misericordiosos porque alcançarão" o quê? "misericórdia". Em outras palavras se você quer receber misericórdia de Deus então você deve ser o quê? Misericordioso. É um princípio da vida espiritual. As pessoas no reino de Cristo são misericordiosas. Elas suportarão os insultos dos homens maus e seu coração alcançará a compaixão. Agora nesse contexto isso tem um significado muito mais amplo. E eu não quero voltar a isso novamente mas apenas o princípio é o mesmo. Pode ser comparado. Você quer misericórdia você dá misericórdia. Vou mostrar-lhe outro, capítulo 5 versículo 21. "Ouvistes que foi dito aos antigos". Essa é uma declaração que dá uma referência à tradição rabínica. Sua tradição rabínica diz "Não matarás e quem matar estará em perigo de julgamento". Em outras palavras, seu ensinamento é esse e certamente tinha verdade nele mas não era toda a verdade porque esse era o mais longe que poderia ir.

Sua tradição diz simplesmente não mate e você estará bem, mate e você terá problemas com a lei. Mas eu digo a você que todo aquele que se indignar contra seu irmão sem causa correrá perigo de julgamento. Quem disser a seu irmão, raca, e aliás isso é um epíteto intraduzível. Isso é como dizer, bom, eu não sei o quê. Não é como dizer qualquer coisa. É mais um tom de voz que uma palavra. Para eles pode ser como dizer, "Seu idiota, estúpido e insentato. Seu rarara" seja o que for. Você já viu um desenho animado onde Charlie Brown fica louco e você só vê estrelas e rabiscos? Exatamente o que é isso. O que quer que seja. Intraduzível.

Quando você diz isso a alguém ou diz "Seu tolo" você entrou em uma categoria muito perigosa, muito perigosa. Por quê? Versículo 23, "Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta. Entra em acordo sem demora com o teu adversário".

Vamos parar por aí. O ponto é o mesmo. Novamente o contexto é um pouco diferente como vimos em nosso estudo, mas o ponto é o mesmo. Você não pode oferecer ao Senhor algum sacrifício para lidar com sua própria vida espiritual até que você tenha se entendido direito com outra pessoa. Vá em frente e acerte isso.

Agora alguns de vocês vieram adorar o Senhor esta manhã mas vocês não podem fazê-lo. Você pode receber instrução, mas não pode oferecer a Deus a adoração, porque Ele não a aceitará. Você veio oferecer a Deus a adoração. Você disse, Senhor eu quero que Tu saibas que eu Te louvo. E Senhor eu quero que Tu me purifiques hoje, e você vai embora como você veio, porque você tem relacionamentos que não estão resolvidos, e você é implacável em algumas situações. Portanto, você perde a verdadeira adoração. Deixe o altar, vá se acerte, e depois volte. E assim você realmente não pode adorar hoje, e você não pode ter seus pecados tratados, mas você pode ser instruído a iniciar o processo que vai tornar isso uma realidade.

Quem sou eu para não perdoar outra pessoa? Quem eu penso que sou? Bom, eu certamente não posso lhe perdoar. Deus os perdoou. Quem eu penso que sou? O Salmo 23 diz o seguinte "A misericórdia me seguirá todos os dias da minha vida." Por quê? Porque eu tenho que ter misericórdia toda a minha vida, por muito tempo, porque eu peco. E se Deus é tão misericordioso, sem a sua misericórdia nunca ser diminuída, quem sou eu para ser implacável com ninguém. Não admira que cristianismo entre tanto em curto-circuito em seu poder. Tantos conflitos não resolvidos com as pessoas. Então, deixe o altar até que você tenha sua vida acertada. “Se eu no coração contemplara a vaidade” o Salmo 66 diz, "O Senhor não" o quê? "me teria ouvido." Se você está abrigando algo Ele não vai ouvir você.

E Tiago diz isso de novo; Simplesmente não está nos evangelhos. Tiago diz isso 2:13, "Porque o juízo é sem misericórdia para com aquele que não usou de misericórdia". Você se coloca em posição humilhante. O Senhor realmente descarregará Seu castigo se você não for misericordioso com os outros. Quer dizer, todo mundo manifesta a mesma fraqueza de maneiras diferentes. Vamos ser perdoadores. Robert Louis Stevenson, vivia nos Mares do Sul e era seu hábito, com seus filhos, reuni-los ao redor dele todos os dias. No final de sua pequena discussão juntos, eles recitavam a Oração do Senhor, como ele a chamava. Ele começou a repetir a Oração do Senhor e ficou pela metade, e ele se levantou e se afastou. Naquela época de sua vida, sua saúde era bastante precária, e assim sua esposa supôs que ele estava se sentindo mal. E ela foi até ele e disse "Há alguma coisa errada?" "Só isso" disse ele "eu não sou digno de fazer esta oração hoje." Bom, eu acho que é onde começa, não é mesmo? Com um reconhecimento de que você não está se encaixando. Não venha pedir perdão que você não está disposto a dar. Mateus capítulo 18 nos dará uma visão final para ilustrar esta tremenda verdade. Mateus capítulo 18, versículo 21. Todo o texto anterior a este até o versículo 15, trata da mesma questão, mas não temos tempo para entrar nela. Onde alguém pecou ​​e você vai e busca a reconciliação, e então você toma alguém com você e depois o diz à igreja. E está lidando com o pecado, com tudo isso, e com o perdão. E assim Pedro em resposta ao que o Senhor disse sobre o irmão pecador na igreja e tudo, Pedro diz, Bem, Senhor quantas vezes o meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe?

Agora, os rabinos ensinavam três vezes. Três vezes você deve perdoar. Pedro pensou que estava sendo magnânimo. Sete vezes? Dobraremos a tradição rabínica mais uma? Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete. Indefinidamente, infinitamente, sem fim. Por quê? Porque nós devemos perdoar como Deus, por amor de Cristo, nos perdoou. E como Ele nos perdoou? 490 vezes? Melhor esperar que não. Porque se você chegar em 491 antes de morrer, você está em apuros. Ele nos perdoa indefinidamente. É isso que o Senhor está dizendo.

Então Ele diz, deixe-me ilustrá-lo para você, versículo 23 "Por isso, o reino dos céus é semelhante a um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos. E, passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos." Agora, pare por um segundo. Esse sujeito era um verdadeiro rato, eu quero que você saiba, a escória, o pior. Dez mil talentos é tanto dinheiro, que é muito difícil de concebermos, e ele devia 10.000 talentos. Você diz, bom, como um servo poderia ter feito isso? Ele provavelmente roubou a coroa de jóias e os amarrou e perdeu tudo em um mau investimento. De alguma forma ele estava roubando do tesouro do rei. Tornar-se endividado a esse ponto era absolutamente inconcebível, naquela época, na história do mundo. 10 milhões de dólares estariam além da capacidade de qualquer pessoa de sequer entender. O sujeito roubou o rei sistematicamente.

Então, versículo 25, "Não tendo ele, porém, com que pagar." Huh, ele explodiu tudo, todo o negócio. Se você acha que é inconcebível como ele conseguiu, imagine como ele se livrou disso. Que pessoa tola. Você diz, o sujeito não é apenas trapaceiro, ele é estúpido. Uma coisa é roubar. Isso é ser trapaceiro, mas é terrivelmente estúpido perder tudo. Assim teve que liquidar os únicos recursos que tinha e tudo que tinha era sua esposa e filhos. Assim, no versículo 25, ele disse: ordenou o senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía e que a dívida fosse paga. Veja o versículo 26, "Então, o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo, e tudo te pagarei." Ah, isso é realmente tolice. O que você quer dizer? O sujeito é estúpido de todas as maneiras que você cortar. E você sabe que sua reação normalmente seria, você ficaria furioso. E veja, o senhor daquele servo foi movido pela compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. Agora, isso é incrível. Adivinha quem é esse rei? Deus. Adivinha quem é o servo? Todos nós. Devemos uma dívida que não podíamos pagar? Hã? Melhor acreditar. E ele perdoou. Por quê? Ele era compassivo. Você diz, ah mas, como alguém poderia perdoar algo tão astronômico quanto isso?

Quero lhe mostrar mais sobre esse sujeito. O mesmo servo, versículo 28, saiu e encontrou um de seus companheiros servos que lhe devia cem denários. Sabe quanto era isso? Três meses de trabalho. Nada. O criado saiu, aquele que acabara de ser perdoado pelos 10 milhões, saiu e encontrou um sujeito que lhe devia 3 meses de trabalho. E ele o agarra pelo pescoço, toma-o pela garganta e diz "Paga-me o que me deves." E o servo se prostrou sobre seus pés e rogou-lhe dizendo, tenha paciência comigo e eu pagarei tudo a você. E ele poderia ter perdoado. Mas ele não o fez. Lançai-o na prisão até que ele pague a dívida. Agora ele não poderia pagar a dívida enquanto ele estava na prisão porque ele não podia trabalhar, enquanto ele estava na prisão, mas isso mostra-lhe o mal do coração do homem. Então, quando os servos viram o que foi feito eles se comoveram e vieram e contaram a seu senhor tudo o que foi feito. O resto dos criados foram e relataram ao rei o que esse sujeito tinha feito.

“Então, o seu senhor, chamando-o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste; não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti? E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que lhe pagasse toda a dívida. Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão.”

Essa é a imagem, pessoal, essa é a imagem de alguém que quer levar todo o perdão que Deus pode dar, mas não está disposto a dá-lo a outra pessoa. Você se vê lá? Você tem rancor? Oh você esqueceu tão cedo? Você está tão mal informado que não consegue se lembrar da misericórdia que recebeu? Thomas Manton disse, "Não há ninguém tão terno para os outros como os que receberam misericórdia, porque eles sabem como gentilmente Deus tratou com eles." Agora ouça-me, uma das razões porque você precisa reconhecer o seu pecado quando ele existe e confessá-lo pelo nome em uma base constante, é que você será constantemente lembrado o quão pecador você é, quão constante é o seu perdão, e assim no meio desse lembrete, você estará mais propenso a perdoar os outros. Mas quando você não reconhece o seu próprio pecado, quando você o encobre e não lida com ele, você não só perderá sua intimidade, sua alegria, a plenitude da utilidade, mas você vai encontrar-se tornando-se implacável para com os outros, porque você não está sendo honesto sobre o que Deus está perdoando em sua própria vida.

Lorde Herbert, penso eu, disse muito bem "Aquele que não pode perdoar aos outros, quebra a ponte sobre a qual ele mesmo deve passar". O que aprendemos? Nós temos um problema. É o pecado. Deus tem uma provisão, o perdão. O Senhor faz um apelo, confissão. Há um pré-requisito, perdoar os outros. Um cristão implacável é uma contradição, uma criatura orgulhosa, egoísta e fraca, que esqueceu que seus pecados foram lavados. Aprenda a confessar amado, e antes de confessar aprenda a perdoar.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize