Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Esta manhã para a nossa lição na Palavra de Deus, chegamos ao capítulo 19 de Mateus. Pegue sua Bíblia se quiser e olhemos juntos para Mateus 19:1-12. Nesta seção particular do evangelho de Mateus temos o ensinamento do Senhor Jesus Cristo sobre o tema do divórcio. E poderia haver alguns outros assuntos como pertinentes para o nosso próprio tempo como este. Ouça enquanto leio Mateus 19:1-12 e estabeleça o cenário ao considerarmos a Palavra de Deus.

"E aconteceu que, concluindo Jesus estas palavras, deixou a Galiléia e foi para o território da Judéia, além do Jordão. Seguiram-no muitas multidões, e curou-as ali. Vieram a ele alguns fariseus e o experimentavam, perguntando: É lícito ao marido repudiar a sua mulher por qualquer motivo? Então, respondeu ele: Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? De modo que já não são mais dois, porém uma só carne.

"Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Replicaram-lhe: Por que mandou, então, Moisés dar carta de divórcio e repudiar? Respondeu-lhes Jesus: Por causa da dureza do vosso coração é que Moisés vos permitiu repudiar vossa mulher; entretanto, não foi assim desde o princípio. Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério [e o que casar com a repudiada comete adultério].

"Disseram-lhe os discípulos: Se essa é a condição do homem relativamente à sua mulher, não convém casar. Jesus, porém, lhes respondeu: Nem todos são aptos para receber este conceito, mas apenas aqueles a quem é dado. Porque há eunucos de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino dos céus. Quem é apto para o admitir admita."

Agora esta grande passagem será nossa para estudarmos nas próximas semanas enquanto vemos o desdobramento do ensinamento de nosso Senhor sobre o tema do divórcio. Na Newsweek, recentemente, um jornalista fez uma pergunta bastante simples mas profunda. Ele disse "Existe alguém na terra que não tenha ouvido um amigo, ou uma criança, ou um pai descrever a agonia do divórcio?" E eu suponho que a resposta a essa pergunta é não.

O divórcio tornou-se não só epidêmico mas pandêmico ao ponto de todos nós sermos atingidos por ele em nossa família ou círculo de amigos. Houve no ano passado, nos Estados Unidos, um milhão de divórcios a mais e este ano haverá pelo menos mais um milhão. E debaixo dos escombros dessas estatísticas entorpecentes estão as vidas esmagadas de homens, mulheres e crianças.

Se há um milhão de divórcios, há dois milhões de cônjuges e talvez dois a três milhões de crianças ou mais e talvez falemos de cinco a seis milhões de pessoas por ano sendo afetadas pelo divórcio. E isso acontece ano após o ano após o ano.

O divórcio é um problema grave e assombroso. Quarenta e oito dos 50 estados (nos Estados Unidos) não têm leis de culpa o que torna o divórcio tão fácil quanto casar, exceto que você não precisa de um exame de sangue. Agora, nos últimos anos, as famílias e os casamentos foram mantidos juntos. Este é um fenômeno relativamente novo. A taxa de divórcio na América dobrou nos últimos 20 anos e ameaça fazê-lo novamente nos próximos vinte.

Mas nos últimos anos, o casamento parecia ser capaz de se manter, e eu acho que havia três razões. Em primeiro lugar havia força moral familiar. Em outras palavras, você tinha uma família e uma família significava algo para você. Mamãe significava algo e papai significava algo, e seu marido, sua esposa, seus filhos, seus tios, suas tias, seus irmãos e suas irmãs. Em outras palavras a família era realmente importante. A vida girava em torno da família. Havia amor ali, havia cuidando ali, havia esperança, e havia conforto. E tudo o que significasse segurança encontrava seu lugar na família.

E então, à medida que a família começava a se despedaçar pela invasão da televisão, pelas pessoas que saíam para ir trabalhar, pela mobilidade da nossa sociedade, pelo automóvel e por todas as outras coisas; quando a família começou a se desintegrar, não havia mais aquela unidade coesiva que pudesse forçar um sistema de valores morais aos seus membros.

Só para dar uma ilustração disso, tenho um amigo que pastoreou uma igreja muito grande de 2000 a 3000 pessoas, e ele disse que 60% das pessoas em sua congregação eram solteiras, 60%. Pessoas que estão isoladas de relacionamentos familiares normais.

Há um segundo fator que manteve o casamento unido e essa era a expectativa da comunidade, uma certa quantidade de tradição comunitária, uma certa quantidade de pressão dos pares. A pessoa divorciada era um escândalo mesmo até a apenas 25 anos. Havia uma certa pressão aplicada pela expectativa de uma comunidade que valorizava o casamento, e que também se foi.

A comunidade hoje abandonou essa tradição, e se houver qualquer tradição deixada, é terrivelmente difícil de encontrar. Depois havia uma terceira, e talvez a mais poderosa de todas as forças que mantinham o casamento unido, e essa era a doutrina da igreja. Mas isso também foi descartado convenientemente à medida que o deslize progrediu e agora você tem até mesmo na igreja cristã uma emasculação das declarações bíblicas sobre o divórcio. De modo que a igreja moveu-se para concordar com as demandas de seu círculo eleitoral, que está pedindo cada vez mais concessões o tempo todo.

E assim o divórcio se tornou literalmente uma realidade assombrosa. A família não pode mais manter um casamento, a comunidade não pode, e parece que a igreja está disposta a abandonar seu papel assim como os outros. Interessa-me que das principais questões legais em nosso país, as que chegam às salas de audiências, o caso número um pertence ao direito da família. É a maior lista nos registros de nossos tribunais civis, nos Estados Unidos, e às vezes os casos se prolongam por anos e anos anos e anos.

Agora para cada dois casamentos há um divórcio. Eu acho que o espírito de tudo se resume a um anúncio que eu vi no The Daily News, não há muito tempo. Era assim, e estava em um box pequeno, em destaque em um lugar muito visível no papel. "Divórcio $ 25,00, Centros de Divórcio da Califórnia, ligue" e deu um número e então ele disse "livre-se desse peru!" Livre-se desse peru. Isso mostra onde chegamos.

Uma bem conhecida senhora da TV e do cinema, que todos vocês conhecem se sabem alguma coisa sobre TV, afirma ser cristã, nascida de novo, e representa a atitude de muitas pessoas hoje na igreja. Ela está se divorciando do marido, ela diz, para prosseguir sua carreira. Ele é um passivo. Ela disse isso. "Estou mais feliz do que antes do divórcio, porque sou minha própria pessoa tomando decisões por conta própria". O egoísmo é uma virtude tão maravilhosa. Ela não acredita, ela disse - eu adicionei essa parte, ela não acredita, ela diz - você sabia disso, certo?

Ela não acredita, diz ela, que o divórcio afete suas crenças religiosas de forma significativa. Citando ela "Em minha mente Deus é um pai que perdoa e ele me ama apesar do divórcio. Então eu estou esperando que eu não seja julgada como cristã com base em um divórcio. Chuck e eu somos ambos mais felizes sendo amigos divorciados do que inimigos casados." Tudo parece tão bom.

Somos forçados hoje a reconhecer e lidar com o fato, um fato muito perturbador, de que o vínculo sagrado do casamento está sendo rompido a um ritmo incrível. Mesmo a igreja não se provou imune a isso, mas tem aderido à perspectiva do mundo mais do que deveria e tem emasculado a doutrina bíblica.

Agora você diz "Mas mesmo quando você diz isso, John, você ainda encontra um problema, porque parece haver muita confusão sobre o que a Bíblia ensina. Você pode encontrar alguém que alegue pegar a Bíblia e ensinar quase qualquer coisa sobre o divórcio." Deixe-me ver se posso ajudá-lo a pensar um pouco sobre isso. Estou realmente espantado, quer dizer, estou espantado francamente que há tanta discrepância. Porque eu não acho que a Bíblia é tão obscura. Acho que a Bíblia é muito clara sobre o que diz sobre o divórcio e o novo casamento. É tão clara quanto poderia ser. Tem estado dizendo a mesma coisa desde que foi escrita.

Acho que o problema não é que a Bíblia não é clara, mas que o pensamento é confuso. E o que confunde o pensamento das pessoas é que elas vão para a Bíblia com certos preconceitos. Por exemplo, você tem algumas pessoas que estão olhando para a taxa de divórcio e dizendo, "Nós temos que parar com o divórcio." E assim, a fim de parar o divórcio, aparecemos com uma doutrina que diz: sem divórcio, em situação nenhuma, para ninguém, sem motivo. Então temos pessoas que estão fazendo isso, e elas estão defendendo o fato de que não há divórcio para ninguém para sempre por qualquer razão e absolutamente nenhum novo casamento em qualquer momento para nada.

Isso soa como uma coisa muito boa. Na verdade eu gostaria de poder acreditar nessa doutrina porque iria acabar com um monte de problemas. Nós apenas diríamos, "todo o divórcio é errado, ponto final e parágrafo." Portanto, nenhum novo casamento e nós não teríamos que aconselhar as pessoas. Seria muito bom se fosse hermético desse jeito. Mas você não pode olhar para o problema no mundo e dizer para parar o problema, vamos pegar o padrão da Bíblia e erguê-lo. Isso não está certo.

Mas por outro lado, você tem as pessoas que olham para o mundo e dizem "Vejam o problema. Temos de ministrar a essas pessoas. Temos que cuidar dessas pessoas. Temos que amar essas pessoas. Temos que aceitar essas pessoas. Então vamos reduzir o padrão para acomodar todo mundo para que não ponha qualquer pressão indevida sobre eles. E basicamente queremos que todos sejam felizes, então diremos a eles que trabalhem da melhor maneira possível e o Senhor os perdoará".

Então por um lado você tem pessoas que querem elevar o padrão, por outro lado você tem pessoas que querem baixar o padrão, e o que devemos fazer é voltar e ver o que Jesus disse e o que Deus diz nas páginas da Escritura. E vamos fazer isso nos versículos 1-12.

Vamos começar nos dois primeiros versículos e esse é o cenário para o ensinamento do Senhor. Versículo 1 "E aconteceu que, concluindo Jesus estas palavras, deixou a Galiléia e foi para o território da Judéia, além do Jordão. Seguiram-no muitas multidões, e curou-as ali." Agora essa é uma passagem muito importante e a maioria das pessoas que estudam a Bíblia pode apenas correr os olhos e chegar ao material mais substancial no versículo 3 com os fariseus e o questionamento, e tudo isso.

Mas eu quero que você pare comigo, por um momento, sobre esses dois primeiros versículos, porque eles marcam uma transição muito, muito significativa na vida de nosso Senhor. Estes dois versículos soletram o fim do ministério galileu. É um momento monumental na vida de nosso Senhor. Desde o capítulo 4 de Mateus e em torno do versículo 12, quando o Senhor começou o ministério na Galiléia, ele tem estado fluindo através daquela área da Palestina, ministrando, pregando, ensinando e curando. É para a Galiléia dos gentios que a luz veio, mas como sempre os homens amam - o quê? - as trevas em vez da luz, e enquanto a luz estava lá a massa da população nunca veio realmente à luz. Agora a luz se apaga no sentido de que parte do seu ministério terminou.

Por dois anos ou mais ele ministrou na Galiléia, nos últimos meses de dois anos, principalmente, com os discípulos, preparando-os para o que estava à frente. Mas isso marca o fim desse ministério, e o Senhor partiu da Galiléia no norte para ir para o sul. E para onde ele está indo? Ele está indo para Jerusalém, e agora estamos entrando na última fase da vida de nosso Senhor, quando ele começa a se dirigir para a cruz para a sua paixão e sua ressurreição.

Portanto é um ponto muito crítico. E a pequena declaração "deixou a Galiléia" talvez você deveria sublinhar, porque marca o fim do ministério galileu. As pessoas tiveram sua oportunidade, tiveram seu dia no sol, tiveram seu momento da verdade, e agora termina para elas. E quão triste, quão patético que ele foi rejeitado, e até mesmo em sua própria cidade eles tentaram matá-lo.

Também diz, "concluindo Jesus estas palavras". Essa é uma pequena frase muito interessante. A que se refere? Bom, obviamente às palavras do capítulo 18, quando Jesus tinha terminado de ensinar sobre a semelhança a uma criança do crente. Você se lembra que o capítulo 18 foi um discurso? Um "discurso" significa "um sermão uma lição uma unidade de ensino". E você sabe que, ao passarmos por Mateus, encontramos muitos desses discursos, sermões, ou lições dadas pelo Senhor.

O capítulo 18 foi admirável sobre a semelhança a uma criança do crente. Ele estava em Cafarnaum. Estava em uma casa. Ele tinha em seu colo uma criança pequena e ele usou esse bebê como uma ilustração e ensinou todas as grandes verdades que aprendemos no capítulo 18. Agora ele diz "concluindo Jesus estas palavras". Agora, essa pequena afirmação é uma afirmação muito interessante porque aparece várias vezes em Mateus, e aparece na conclusão dos principais discursos. É quase como assinar um discurso importante.

Por exemplo, o primeiro grande discurso em Mateus está nos capítulos 5, 6 e 7 e esse é conhecido como o sermão do monte, certo? O sermão do monte termina da mesma maneira. Em 7:28 "Jesus terminou estas palavras". É idêntico ou muito próximo da mesma frase. Você vem ao capítulo 10, você tem o próximo grande discurso. No capítulo 10 está o discurso sobre o discipulado. O capítulo 11 começa do mesmo modo. "Jesus terminou essas palavras". Você chegou ao capítulo 13, você tem o grande discurso sobre as parábolas do reino ele termina do mesmo modo 13:53 "quando ele terminou essas palavras".

E você o encontra aqui no capítulo 19 quando olha para o capítulo 18. Você o encontrará no capítulo 26 no final do discurso do Monte das Oliveiras "Jesus tinha terminado estas palavras". Portanto é uma assinatura muito importante usada por Mateus para nos mostrar que o Senhor acaba de concluir um grande discurso, um grande sermão, uma grande lição de significado.

Assim, o Senhor terminou esse discurso e então diz que partiu da Galiléia. Onde ele foi? Ele veio para a região, ou área, ou fronteiras da Judeia além do Jordão. Agora você conhece a terra da Palestina, não é mesmo? É dividida no meio pelo Rio Jordão. Ele corre do extremo norte até o lago de Quinerete ou o Mar da Galiléia, e desce de lá até o Mar Morto.

E o rio Jordão é um ponto muito importante no centro de Israel. Galiléia está no norte e Judá está no sul. Galileia é uma área rural. Judá é a área mais povoada, onde está Jerusalém. O Senhor está saindo da Galiléia, mas em vez de ir direto para Judá, ele vai para o leste, cruza o rio Jordão, desce a parte de trás do Jordão no lado oriental e cruza outra vez ao sul por Jericó, subindo a montanha para Jerusalém. Essa é a rota que ele toma.

E é de grande importância que ele tome esse caminho porque ele o leva a uma região muito interessante. A área além do Jordão era chamada pelos judeus de "o além". Isso é o que eles chamavam de "o além". Por quê? Porque estava além do Jordão? O termo é peran e peran é o nome ou o termo do qual obtemos o nome Peréia que significa "o além".

Então Jesus entra no que é conhecido como a área de Pereia P-E-R-E-I-A. Assim, do ministério galileu - tome nota agora - entramos no ministério Pereiano e os capítulos 19 e 20 descrevem o nosso Senhor na área de Pereia a área além do leste do rio Jordão. Nos últimos anos não havia sido uma área muito densamente povoada, mas havia se tornado densamente povoada, e na época de nosso Senhor a população havia aumentado muito. Era um território também sob o controle - e isso é muito importante - de Herodes Antipas. Era o seu território e você se lembra que ele foi o que decapitou João Batista.

Assim, o Senhor tendo ministrado na Galiléia, vai para o leste e para além do Jordão, para ministrar em Pereia por causa dos muitos judeus que lá se estabeleceram. Além disso, qualquer judeu que viajasse do norte para o sul, iria por esse caminho porque se ele fosse direto para o sul ele teria que passar pela terra dos samaritanos e eles não queriam fazer isso porque pensavam que os samaritanos era um povo contaminado e também um povo bastante perigoso. Assim eles iam para o leste e para baixo naquela área de Pereia o que significava que estava perto da Páscoa e da época da festa, haveria um grande número de peregrinos indo dessa forma também. Assim o Senhor seria capaz de ministrar aos habitantes de Pereia bem como aos peregrinos em seu caminho para Jerusalém. Assim, foi algo muito cuidadoso o que Senhor fez enquanto ele se aproximava de Jerusalém a partir desta rota.

Assim ele vai para o leste e para baixo, em direção a Jerusalém do lado de trás do Jordão. Agora, o versículo 2 diz "Seguiram-no muitas multidões." Este é o caso da Galiléia, 4:25 diz que quando começou seu ministério lá "grandes multidões o seguiram" e diz que "ele os curou ali". Essas curas eram a manifestação de suas credenciais messiânicas. Elas mostravam seu poder e sua compaixão.

Marcos 10:1 é uma passagem paralela por sinal, e em Marcos 10:1 diz também que "os ensinou". Assim é muito parecido com o ministério galileu: A multidão se reúne: ele ensina e os cura Dando-lhes a Palavra de Deus e afirmando a sua veracidade e a Si mesmo como o porta-voz de Deus, pela sua miraculosa compaixão e poder miraculoso.

Assim, lá está ele, embora ele se movesse em direção à cruz e sua própria morte, ele ainda é consumido pelas necessidades das pessoas, o ensino da verdade de Deus, levando-as a um entendimento de que ele é de fato o Messias. Portanto este é um ponto muito importante. Você deixa o ministério galileu, entra no ministério Pereano de nosso Senhor, e seguem padrões iguais ou similares. E nós estaremos no ministério Pereano, como eu disse nos capítulos 19 e 20.

Você também pode notar em algum lugar em sua mente ou na margem de sua Bíblia ou suas anotações, que começando no capítulo 19 agora entramos na fase final do evangelho de Mateus. Daqui em diante temos a apresentação final do rei e a rejeição final da nação de Israel. Então estamos entrando na seção final. Ele se apresenta e finalmente é rejeitado, crucificado. Enquanto isso parece ser o grande foco desta fase final de Mateus, tenha em mente também que o tempo todo ele está ensinando seus discípulos.

Então você tem Jesus se apresentando na Judéia e em Jerusalém, você o leva em direção à sua paixão, as multidões estão lá, as pessoas estão lá, a população está lá, mas intercaladas e tecidas através de todas essas lições e mais lições e mais lições para os discípulos que devem continuar o ministério. Portanto é um grande momento de transição para o Senhor.

Agora enquanto ele se move junto com esta multidão e as curas, chegamos ao versículo 3 e isso nos atrai diretamente para o nosso assunto. "Vieram a ele alguns fariseus" vamos parar por um momento. Seus passos foram perseguidos pelos fariseus. Não o deixaram em paz. Eles são seus arquiinimigos. Tramas sinistras que chocam incessantemente para tirar sua vida e desacreditá-lo. Encontramos eles no capítulo 3, encontramos eles no capítulo 5, encontramos eles no capítulo 9, capítulo 12, capítulo 15, capítulo 16, e agora os encontramos novamente no capítulo 19 e ainda não terminamos com eles.

Os fariseus eram o estabelecimento religioso, e eles estavam sendo atacados em virtude da verdade que Jesus estava pregando. Odiavam-no, desprezavam-no, queriam fazer tudo o que podiam para tirá-lo e eliminá-lo. E assim, quando chegamos ao versículo 3 encontramos os fariseus, e chegamos ao primeiro ponto em nosso esboço enquanto estudamos esta passagem. Nós o chamaremos de "ataque" o ataque versículo 3.

"Os fariseus chegaram a ele -" e diz que eles estavam "- testando-o." Obviamente eles queriam que ele falhasse no teste. Eles queriam levá-lo a um teste que não podia passar. Eles tinham duas coisas em mente. É muito importante que você entenda isso. Eles queriam desacreditá-lo com o povo para que ele perdesse popularidade. Em segundo lugar, eles queriam destruí-lo. Eles queriam que ele se tornasse impopular antes de tudo e então eles queriam que ele fosse morto. E isso estava em suas mente.

E assim eles inventaram um teste. Esta não é uma pergunta caprichosa que fazem. Isso não é algo que algum fariseu tirou do topo de sua cabeça. Esta é uma pergunta calculada, estudada e pensada, e eles vêm testá-lo, desacreditá-lo e causar sua destruição e dizem isso, versículo 3. "É lícito -" e eles estão falando sobre a lei divina, "ao marido repudiar a sua mulher por qualquer motivo?" Essa é a pergunta.

Agora na superfície parece uma pergunta um pouco inocente mas eles pensaram muito bem nisso. É uma pergunta inteligente, é uma pergunta astuta, é uma pergunta sinistra, uma pergunta astuta destinada a atacar Jesus Cristo para desacreditá-lo em primeiro lugar, e em segundo lugar para destruí-lo. Agora deixe-me dizer-lhe porquê.

Primeiramente, deixe-me dizer-lhe como eles pretendiam desacreditá-lo. O divórcio era uma questão volátil entre os judeus. Era uma situação muito, muito importante. Todo mundo sabia disso, e o divórcio era muito, muito comum. As mulheres eram tratadas como se não tivessem direitos. E os fariseus eram líderes nisso, não apenas pelo que ensinavam, mas pelo exemplo de suas vidas. Eles estavam constantemente e continuamente se divorciando de suas esposas. Eles também estavam ensinando que você poderia se divorciar de sua esposa por qualquer motivo. Essa era basicamente sua doutrina. Isso é o que eles acreditavam, a maioria deles. Pode ter havido alguns que estavam segurando a linha dura, mas a maioria deles, o consenso deles, e a propósito a doutrina mais popular de todas as pessoas era que você poderia se divorciar de sua esposa por qualquer motivo. É especialmente uma doutrina popular entre as pessoas que querem obter o divórcio. Ele joga para o nível mais baixo. Ela acomoda os pecadores no nível de seu pecado.

Agora você se lembra de que houve uma disputa rabínica reinante, porque havia um rabino com o nome de Rabi Shammai, e Shammai disse que não haveria divórcio. Mas ele não encontrou um grande seguimento porque não era uma visão popular. Há outro rabino chamado Hillel e Hillel por sinal acabara de morrer 20 anos antes do ministério de Cristo de modo que sua influência ainda estava por aí e sua visão era a visão popular dominante e ele disse que você pode se divorciar de sua esposa por qualquer razão que você queira.

Na verdade ele disse que você pode se divorciar de sua esposa por ter ela queimado sua comida. Você poderia se divorciar de sua esposa por queimar seu jantar. Você poderia divorciar sua esposa por colocar demasiado sal em seu alimento. Você poderia se divorciar de sua esposa se ela andasse na rua e alguém visse seus joelhos. Você poderia se divorciar de sua esposa por ter soltado o cabelo ao falar com os homens. Você poderia se divorciar da sua esposa se ela dissesse algo desagradável sobre a sogra. Você poderia divorciar-se se você encontrasse alguém mais bonita, porque então ela ficou impura à sua vista, porque ela não era tão bonita como a que você viu.

Você poderia divorciar-se dela por qualquer coisa. Você poderia se divorciar dela se fosse infértil. Você poderia se divorciar dela se ela não lhe desse um filho que fosse um menino. Agora veja, essa se tornou a visão popular. Descarte esse peru. Essa era a visão popular. Se você quiser dispensar sua esposa dispense-a. Essa era a visão que os fariseus ensinavam.

Agora creio que os fariseus sabiam que Jesus não ensinava isso e eles sabiam porque ele tinha dito isso antes. Em um confronto com eles em Mateus capítulo 5 ele tinha dito a eles "Vocês dizem para não cometer adultério. Eu digo a vocês que são os piores tipo de adúlteros e vocês proliferam o adultério por todo o lugar" disse ele em Mateus 5:31-32 porque vocês conseguem o divórcio sem motivo. E quando você se divorcia sem motivo você causa adultério em todos os lugares, porque a pessoa divorciada que se casou de novo é um adúltero e torna em adúltero aquele com quem se casa, e você se torna um adúltero quando se casa com alguém, você está fazendo alguém se tornar um adúltero. Você está fazendo adultério por todo o lugar por seus divórcios sem motivo.

Então eles sabiam que Jesus tomara uma linha dura. Eles sabiam que ele tinha uma linha firme sobre o divórcio e que não era uma doutrina popular. Ele tinha ensinado isso anteriormente. Está registrado em Mateus 5, como acabo de mencionar, e também em Lucas 16:17-18. E deve ter sido como uma chama incontrolável que sua visão do divórcio era por causa do grande interesse naquela questão específica.

Então, eu acho que o que eles estão esperando aqui é que Jesus saia com alguma declaração muito forte sobre o divórcio, e aliene e intimide todas as pessoas que realmente não querem concordar com isso, porque talvez eles já divorciaram alguém e ele ira, certamente,dizer a eles "Vocês são um bando de adúlteros perversos." E eles estão esperando que possam prendê-lo em um ponto de vista tão rígido, mente curta e inflexível que sua popularidade seria devastada entre as pessoas. Eles querem mostrar a Jesus como sendo intolerante, e eles também querem mostrar que ele não está comprometido com o grande ensinamento dos rabinos e o grande ensinamento dos fariseus. Estão esperando que eles possam desacreditá-lo forçando-o em um canto como tipo um legalista linha dura, inflexível e ranzinza, contrário à visão popular.

Se Jesus simplesmente tivesse deixado escapar uma resposta "Eu estou dizendo que isso é exatamente correto. Você não pode se divorciar sem motivo algum. Se você se divorciar por qualquer motivo além da prostituição" como ele diz no versículo 9, "você comete adultério e todo mundo que se envolve, comete adultério." Isso é o que eles querem que ele simplesmente deixe escapar, na esperança de que o povo, portanto, vá embora, porque eles não querem consentir com esse tipo de doutrina, e como um bando de pecadores, você sabe, que eles sempre querem viver no nível mais baixo, e eles o rejeitarão, eles esperam.

Mas, mais do que isso, eles não estão apenas interessados ​​em desacreditar Jesus, mas também estão interessados ​​em destruí-lo. Eles o querem morto. Mesmo que ninguém acredite no que ele disse ele é uma aflição para eles por causa de seu confronto intimidador de seus erros na vida e doutrina. Então eles querem destruí-lo. Você diz, "Bom, como isso poderia fazer com que ele fosse destruído?" Eu vou lhe dizer como.

Nós não sabemos muito sobre Perea, mas nós sabemos de algumas coisas sobre ela. Sabemos que havia uma cidade ali chamada Betânia além do Jordão, é mencionada no Novo Testamento. Sabemos também que lá havia uma fortaleza, um palácio lá, chamado Maqueronte, e Maqueronte tinha nele uma prisão e Herodes Antipas tinha um lugar lá, eu acho que uma casa de verão, e ele também tinha uma prisão lá onde ele mantinha prisioneiros. Um dos prisioneiros ali mantidos era um homem muito famoso chamado João Batista, e João Batista era prisioneiro e foi mantido no palácio de Maqueronte, na região da Perea. Você diz, "Isso é importante?" Sim é. Eu vou lhe mostrar o porquê. Volte para o capítulo 14 de Mateus e você vai se lembrar disso. Você vai, assim que nós olharmos para ele.

Muito interessante, o versículo 3 diz, "Porque Herodes" Herodes Antipas, que governava aquela área "havendo prendido e atado a João" tomou-o como prisioneiro, “o metera no cárcere”. Por quê? "por causa de Herodias, mulher de Filipe, seu irmão." Essa é uma declaração muito importante. Sabe quem era Herodias? Herodias era a esposa de Herodes Antipas. Você diz, "Por que a Bíblia diz" a esposa de seu irmão Filipe"? Porque ela costumava ser a esposa de seu irmão Filipe antes que ele a seduzisse e a roubasse. Mas, Deus em sua Palavra, não reconhece uniões adúlteras e os chama de casamento. Você entende isso?

Quando diz na Bíblia que Herodias era a esposa de seu irmão Filipe, é para dizer que aos olhos de Deus é assim que deve ser. O que aconteceu foi que Herodes Antipas havia seduzido a mulher de seu próprio irmão tirou-a dele e casou-se com ela. Não só era esposa de seu próprio irmão mas era seu parente de sangue então não era só adultério era incesto. Então ele teve uma união incestuosa adúltera que a Palavra de Deus não reconhece. E diz quem ela é. Ela é a esposa de seu irmão Filipe. Não reconhece a união adúltera com Herodes.

Você diz, "Bom, o que isso tem a ver com Jesus falando sobre o divórcio?" Olhe para o próximo versículo. "Porque João lhe disse Não te é lícito possui-la." Quer saber por que João foi preso? Ele foi preso porque falou sobre a lei divina do divórcio. Você viu isso? E é por isso que ele foi jogado na prisão, e em última instância teve a cabeça cortada porque ele tinha confrontado esse homem maligno e sua parceira má no adultério, Herodias. Ele os havia confrontado com o fato de que não era lícito diante de Deus fazer o que eles fizeram, e eles cortaram sua cabeça por isso.

Agora se custasse a João Batista a sua vida crer nisso e confrontá-lo com Herodes, talvez se Jesus chegasse com a mesma visão, ele também teria a cabeça cortada. Você entende o ponto? Então eu acredito que eles estão trazendo Jesus ao mesmo ponto onde ele será levado a declarar publicamente que o monarca reinante da região era um adúltero perverso e portanto colocaria sua vida em perigo. Portanto, esta não é apenas uma pergunta caprichosa. Você entende agora? Eles querem desacreditá-lo com o povo e querem destruí-lo. Um ataque sinistro.

Mas quero que você perceba sua resposta. Simplesmente faz você cambalear. É tão profunda e tão astuta e ele os evade tão maravilhosamente. É brincadeira de criança para ele. Ele é Deus. Mas para nós é um grande gênio. E esta é a resposta. O ataque no versículo 3 a resposta nos versículos 4-6. "Então, respondeu ele" Eu amo isso. "Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem".

Jesus não respondeu sua pergunta imediatamente de seu próprio ponto de vista. Ele foi além de si mesmo, além dos costumes, além dos rabinos, além das tradições. Ele foi por todo o caminho de volta até Deus. E ele diz, "Deixe-me citar Deus." E rapaz isso realmente coloca em perspectiva. "Seu argumento" ele está dizendo "não está comigo. A Palavra de Deus é o fundamento desta questão. A Palavra de Deus é a base. Vamos voltar à Palavra de Deus." E então eu amo seu começo ele diz - é tão sarcástico. Eles passam o tempo todo lendo a Bíblia interpretando a Bíblia e sarcasticamente ele diz "Não tendes lido?"

Você sabe que eles estão lendo isso, e ele cita Gênesis 1:27 Gênesis 2:24. "Vocês não leram" ele diz. E ele apenas aponta para a sua total ignorância. Isso é uma bofetada em seu orgulho religioso, seu alardeado conhecimento da lei, e ao invés de afirmar isso, ele os acusa por causa de sua total ignorância. Vocês que são tão espertos, vocês que dizem ser os que possuem e mantêm a lei, e interpretam a lei, vocês não leram nem o princípio? E então ele continua a citar Deus em Gênesis e ele dá - e aqui está a parte principal do que vamos ter esta manhã - quatro razões pelas quais não é lícito se divorciar por qualquer motivo. "Vamos pegar isso de Deus" diz ele. "Vamos deixar Deus falar."

Quatro razões pelas quais não é lícito o divórcio. Razão número um. Um homem foi criado para uma mulher. Você pegou isso? Um homem foi criado para uma mulher. Veja o versículo 4, e ele cita Gênesis 1:27. "Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher?" Agora a palavra "fez" aqui significa "criados". Ele disse "Vocês não leram sobre a criação, homens, companheiros? Vocês não estão cientes disso? Vocês não entraraam nesse texto? Vocês se lembram do que diz? Que ele os fez um homem e uma mulher."

E aliás, eles estão na posição enfática no texto. O homem e a mulher é a ênfase. Você vê, quando Deus criou, ele criou Adão e ele criou Eva. É isso aí. Você entende isso? Adão e Eva, foi isso. Não havia peças sobressalentes. Ele não criou Adão e Eva e Ethel, pra no caso de precisar. Ele não criou Adão e Eva e Alberto por precaução. Ele não criou oito pessoas, nem nove, nem sete, nem treze, nem três, e disse "Façam funcionar. Se isso não funcionar tente outra pessoa." Quando Deus criou, ele criou Adão e Eva e ponto final. Não havia peças sobressalentes. Não existem opções. Não havia alternativas. E essa era a intenção divina no princípio: um homem, uma mulher, o plano divino, nenhuma outra opção.

Ele não previu a poligamia. Ele não fez provisão para o divórcio criando qualquer pessoas de reposição. Parece um ponto bastante óbvio. Não havia mais ninguém por perto. Você vê, o divórcio para Adão e Eva não era aconselhável. Você entende isso? Poderia ficar muito solitário no jardim. Não havia uma opção. Se tivessem se divorciado, meus amigos, Gênesis teria terminado no capítulo 1, assim como o resto. Não havia opção e esse é o ponto principal do que ele está dizendo.

Quando os fez ,fez deles um homem e uma mulher e foi isso. Não um macho e duas fêmeas não quatro pessoas que pudessem funcionar de maneira melhor. Muito básico. Assim, no caso de Adão e Eva, o divórcio não era apenas errado, era desaconselhável. Não só isso, era impossível. Era absolutamente impossível. Não havia alternativas. Não havia para onde ir, ninguém para conversar, nada. Essa é a maneira que Deus quis dizer. Se não são vocês dois, não é nada. Esta é a criação pretendida de Deus, uma união não-opcional, indissolúvel. Você entende isso? Um homem, uma mulher, criados dessa forma.

Quando Deus fez isso, ele colocou em movimento, para toda a história humana, como deveria ser. Um homem, uma mulher, nenhuma outra opção, indissolúvel. E só porque as peças sobressalentes vieram ao longo do tempo, não mudou a intenção original de Deus, você entende? Não mudou nada. E Deus nunca quis que duas pessoas se casassem e estivessem andando por aí vendo se gostariam de alguém melhor. Essa não é uma alternativa que Deus sempre quis, e isso é óbvio em virtude de sua criação.

Segunda razão pela qual o divórcio não é permitido por qualquer motivo é um vínculo forte. O primeiro é um homem criado para uma mulher. O segundo é um vínculo forte. Quando Deus trouxe um homem e uma mulher para estarem juntos ele realmente os uniu. Diz no versículo 5 "Por esta causa -" isto é por causa desta união entre um homem e uma mulher "deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher".

Agora ele sai, ele quebra a relação em sua casa, e ele se une a sua esposa. Isto está em Gênesis 2:24. Agora passamos de 1:27 para 2:24, ainda na revelação muito primitiva da Escritura, antes da queda do homem. A divina e maravilhosa ordem de Deus. O propósito e plano perfeito de Deus, e que eles devem deixar seus pais e se unirem.

E a palavra "unir" é a palavra que queremos notar. Significa basicamente "ter um laço que não pode ser quebrado." É uma palavra que é usada realmente para a colagem. Significa "ficar preso". E você diz, "Eu estou nesse contexto bíblico. Fiquei preso com esse sujeito por 25 anos." Bom, desculpe isso é exatamente o que isso significa. É um feliz preso e não um triste preso. Essa é a idéia aqui. Mas você está preso. Você está se unindo, a idéia de cola. Na verdade há uma tradução, não me lembro qual é, eu estava lendo onde ele mesmo usa a palavra "cola" em Gênesis 2 para se referir a isso. "Um homem deve ser colado a sua esposa."

Há também, inerente na palavra, um outro pensamento que leva isso ao coração um pouco mais, e às vezes é usado para falar de buscar insistentemente alguma coisa. E então você tem a idéia de duas pessoas que estão presas e são assim porque buscam avidamente uma à outra. Então você tem dois corações diligentemente e totalmente comprometidos em buscar um ao outro em amor, preso em um vínculo indissolúvel. Colados na mente, colados na vontade, colados no espíritos colados na emoção.

Há um vestígio bonito, penso eu, desta intenção da criação original de Deus, que se encontra na linguagem judaica. Eles têm uma palavra para o casamento, e a palavra para o casamento que eles usaram em hebraico foi kiddushin e essa é uma palavra muito bonita. Kiddushin basicamente significa "consagração" ou "santificação". "Consagrar" significa "separar algo a Deus". Santificar significa a mesma coisa "separar algo para Deus". Falamos de ser consagrado a Deus ou santificado, colocado de lado para Deus, santificado. Isto é, pertence apenas a Deus.

Quando um judeu dizia que algo era kiddushin eles queriam dizer que tinha se tornado posse pessoal de Deus. Qualquer coisa totalmente entregue a Deus era kiddushin e essa é a palavra deles para o casamento. Assim o casamento é uma consagração de duas pessoas entre si. É uma consagração que diz, "Eu estou totalmente separado de qualquer outra coisa para você. Eu sou totalmente consagrado e dedicado a você." É uma união então de duas pessoas cuja devoção total é para o outro, que se torna a posse pessoal da outra pessoa.

É por isso que 1 Coríntios 7 diz, que você não pertence a você, você pertence ao seu cônjuge e seu cônjuge pertence a você. É uma troca. É um absoluto e total abandono de mim mesmo para com meu parceiro. Isso é kiddushin. E eu vejo também inerente na palavra judaica a idéia de que o casamento não é apenas um conjunto separado uns para os outros, e um consagrando uns aos outros, mas é uma separação e uma consagração dessa união a Deus. E essa é a perspectiva mais pura do casamento.

Assim quando falam de casamento em hebraico, falam de total comprometimento, consagração total, separação total, santificação total, onde uma pessoa se torna a possessão total e exclusiva da outra pessoa, tanto quanto um sacrifício trazido por um judeu ao altar era kiddushin para Deus. Estou oferecendo-me totalmente, completamente e absolutamente entregue a meu parceiro. Essa é a essência do casamento, uma união indissolúvel sem opção. Ligação forte, buscando um ao outro, um homem, uma mulher.

Há uma terceira razão pela qual o casamento não permite ser quebrado e isso é por causa de uma só carne. Um homem, uma mulher, forte vínculo e em terceiro lugar uma só carne. Ele diz isso no final do versículo 5, "tornando-se os dois uma só carne." E o ponto da segunda afirmação "De modo que já não são mais dois" é isso. Você não pode dividir um. Um é um número indivisível. Eles não são mais dois, então você não pode separá-los mais. Eles se tornaram um, e um é indivisível. Você não pode ter metade de uma pessoa. Metade de uma pessoa é ninguém. Tornaram-se uma pessoa na união do casamento. É um número indivisível.

Agora você diz "O que essa uma pessoa significa?" Eu acho que é uma percepção divina. Quando essas duas pessoas se unem literalmente, na visão de Deus, tornam-se uma pessoa, uma pessoa. Eles se entregam um ao outro. Eles se tornam a posse total um dos outro. Eles são um em mente, em espírito, em metas, em direção, em emoção, em sentimento, em vontade, e essa unidade, em última análise, é melhor vista na criança que produzem, que é o emblema perfeito da sua união. Porque aquela criança carrega tudo o que está em um, e se torna o emblema, ou o símbolo, ou a representação de sua unicidade.

Um é um número indivisível. Você não pode falar sobre dividir duas pessoas em um casamento. Quando você quebra um casamento você corta uma pessoa ao meio e o que você tem? Você tem duas metades e isso não é ninguém, para seguir a mesma metáfora.

Então finalmente a quarta razão e isso para mim é o golpe da graça, sendo esta a mais forte de todas as razões bíblicas, porque, o divórcio não é o desejo de Deus, o fim do versículo 6. "o que Deus ajuntou não o separe o homem". Agora a palavra "separar"que dizemos com tanta frequência é chōrizō, significa divórcio. É usada dessa maneira em 1 Coríntios 7:11, a mesma palavra. Significa "divórcio". O que Deus uniu, não se divorcie.

E você sabe, eu ouvi esse versículo tão mal usado. Eu até li em livros, e eles dizem, "Bom, essa é a saída que estávamos procurando, pessoal, porque Deus não pôs nosso casamento em primeiro lugar, assim, podemos divorciar." Poderia dizer-lhe quantas vezes eu ouvi as pessoas dizerem isso e eu li isso na versão impressa. "Bom, Deus não aprovou nosso casamento, então podemos nos divorciar."

Isso é estúpido. Isso é anti-bíblico. Isso está violando toda a intenção da passagem. Você diz, "O que você quer dizer?" Isso não está falando sobre como vocês vêem um ao outro. Isto é Deus estabelecendo a verdade sobre o casamento. E Deus disse, "Eu faço os casamentos e é melhor que você não os separe." E ele não está necessariamente falando sobre casamentos cristãos ou casamentos não cristãos. Ele está dizendo "Eu faço casamentos. Coloquei duas pessoas em uma união." É uma instituição ordenada por Deus. É Deus que fez um homem e uma mulher se complementarem de modo que eles se juntam com a capacidade de desfrutar um do outro, de serem preenchidos um pelo outro, de serem força para as fraquezas um do outro, de produzirem filhos, de povoarem o mundo. Creio que é um milagre de Deus que toda união existe.

Toda vez que um casal se une e experimenta a alegria da companhia, ou a alegria da amizade, ou a alegria do sexo, ou qualquer outra coisa, eles estão experimentando o milagre de Deus. O milagre de que o homem ame tanto uma mulher, e uma mulher ame tanto a um homem que podem se entregar um ao outro na plenitude de um relacionamento significativo que é um ato de Deus.

Mesmo as pessoas incrédulas podem desfrutar da alegria, da emoção e da significação de uma união amorosa. Nós sabemos disso. Isso é um milagre de Deus, todo casamento é. Não é uma questão se você se casou ou não "na vontade de Deus". Isso não é o que está dizendo aqui. Está simplesmente definindo que no início Deus disse, "Eu faço casamentos" e quando você se divorcia como pagão você está despedaçando algo que Deus montou como se fosse cristão.

Você pode fazer uma comparação do mesmo. É como uma criança nascendo. Creio que toda criança nascida no mundo é uma criatura de Deus. Você acredita nisso? Deus criou a todos. Não importa se seus pais são ambos incrédulos. Não importa se eles são pagãos no meio de uma tribo na África que não têm idéia sobre Deus. Essa criança é um milagre de Deus e o mesmo vale para o casamento. O casamento que produz a criança é um ato de Deus pelo qual duas pessoas complementando-se são reunidas para desfrutar a plenitude da vida humana. É plenamente um ato de Deus.

É por isso que digo isso. O aborto é para o parto infantil o que o divórcio é para o casamento. Como o aborto mata a criação de Deus, o divórcio também, e é exatamente isso que o versículo significa. "o que Deus ajuntou não o separe o homem." É melhor você não romper um casamento, meu amigo, seu ou qualquer outro. É melhor você não fazer isso porque está manipulando a obra do Deus Todo-Poderoso que faz o casamento.

Então, eles dizem a Jesus, "É lícito ao marido repudiar a sua mulher por qualquer motivo?" Ele diz, "Ouça o que Deus disse. O que Deus disse é isto. Um homem, uma mulher e nenhuma outra opção. O que Deus disse é um forte vínculo. O que Deus disse foi uma carne, número indivisível. O que Deus disse foi "Faço casamentos. Se você os rasgar você está rasgando o que eu fiz, e você está em uma posição muito, muito séria.

Então da próxima vez que você sair com outra pessoa que não seja sua esposa, lembre-se, se você quebrar um casamento você acabou de romper algo que Deus fez. E não nos diga nada sobre o fato de que o Senhor lhe guiou. Ah, como eu odeio ouvir isso. O Senhor nos levou para fora de nossos casamentos e nos uniu. Não o Senhor, você que simplesmente violou o que o Senhor fez, com aquilo que você fez.

Então o que Jesus está fazendo é levá-los de volta ao começo. E em vez de perder credibilidade com as pessoas elea ganha, não é mesmo? Porque tudo o que ele diz é o que Deus disse na Bíblia, e os faz parecer estúpidos dizendo, "Vocês não leram isto?" E eu digo a você o mesmo, antes de você pensar em divórcio, enquanto você se senta e tenta julgar se está certo ou errado, você leu isso? É bastante claro.

Essa é a resposta dele mas essa não é toda a resposta. Vamos vê-la da próxima vez. Vamos curvar-nos juntos em oração.

Pai nosso, sabemos que o mundo nos pressiona tão facilmente em suas próprias opiniões, nos faz conformar-nos com seu próprio molde, intimida-nos a acreditar em suas próprias teorias, nos domina com um mar de mentiras. Mas Senhor ajuda-nos a permanecer firmes na Tua Palavra, no fato de que Tu ordenaste o casamento para duas pessoas por toda a vida, sem opções, para buscarem avidamente uma à outra, para manterem esse laço forte, uma só carne, para que possam ter a emoção e a alegria de manterem juntos o que Deus fez. Em vez de despedaçar a obra de Deus, estarem comprometidos com a sua realização. Abençoe cada casamento neste lugar. E Pai, todas as pessoas que vieram de um casamento quebrado, cure suas feridas, dá-lhes um coração arrependido e o desejo de neste momento andarem em sua vontade. Obrigado por nos restaurar.

Pai, ajuda-nos a manter o padrão da Tua verdade e a aplicá-la ao nosso mundo confuso. E nunca baixar o padrão, nunca mudá-lo, mas deixá-lo exatamente onde Tu o puseste. Dá-nos a graça de sermos obedientes a ele e força para proclamá-lo. E oramos para que por nossa obediência a Ti, sejas glorificado.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize