Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Abra sua Bíblia em Lucas capítulo 11. Nós voltamos a Lucas capítulo 11 e novamente o inimitável e penetrante ensino maravilhoso do Senhor Jesus Cristo. Lucas 11:5 e seguintes é familiar e realmente inesquecível, essa pequena história que Jesus conta aqui. Na verdade, há muito humor nisso, embora Jesus não tenha dito coisas que necesariamente fossem engraçadas ou que nos fizessem rir, certamente vemos um calor de seu humor nesta história, porque é muito parecida com a vida.

A história começa em Lucas 11:5. "Disse-lhes ainda Jesus: Qual dentre vós, tendo um amigo, e este for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: Amigo, empresta-me três pães, pois um meu amigo, chegando de viagem, procurou-me, e eu nada tenho que lhe oferecer. E o outro lhe responda lá de dentro, dizendo: Não me importunes; a porta já está fechada, e os meus filhos comigo também já estão deitados. Não posso levantar-me para tos dar; digo-vos que, se não se levantar para dar-lhos por ser seu amigo, todavia, o fará por causa da importunação e lhe dará tudo o de que tiver necessidade. Por isso, vos digo: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e a quem bate, abrir-se-lhe-á. Qual dentre vós é o pai que, se o filho lhe pedir [pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir] um peixe, lhe dará em lugar de peixe uma cobra? Ou, se lhe pedir um ovo lhe dará um escorpião? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?"

Rapaz, o que começa como uma história simples, acaba como algo muito teológico, não é mesmo? Começa com o simples e acaba com algo profundo. Um crente maduro que foi moldado pelas Escrituras - e esse é o único meio de ser maduro - entende a natureza de Deus. Sua visão de Deus é realmente o ponto de referência da sua maturidade espiritual. Compreender a natureza de Deus é fundamental para a maturidade espiritual, porque no final você descansa na realidade de seu Deus. Um conhecimento superficial de Deus, um conhecimento raso de Deus, um conhecimento limitado de Deus, contribui para uma compreensão limitada, uma fé limitada e uma confiança limitada.

E assim quando falamos sobre a maturidade espiritual estamos realmente falando sobre a compreensão da natureza de Deus. Isso é essencial. Ou seja você entende que Deus é eterno, que Ele é poderoso, que Ele é santo, que Ele é imutável, que Ele é onisciente, que Ele é onipresente, que Ele tem propósitos, que Ele é soberano que Ele está no controle perfeito de tudo o que Ele criou, o tempo todo.

Você entende que Deus está acima e além e está fora de todas as contingências que ocorrem no universo criado? Ele é transcendente. Ele é grandioso e sublime, majestoso e exaltado, e Ele está trabalhando pelo aperfeiçoamento de Seu plano para o universo e para a humanidade. Ele tem tudo sob controle o tempo todo, e Ele tem perfeito conhecimento e realizando o plano que Ele ordenou desde o início.

Em Jó 42:2 lemos essas palavras " Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado." Agora essé o comentário de um homem maduro. Eu sei que Tu estás no controle de tudo e nenhum dos Teus propósitos podem ser frustrado. O Salmo 33:11 diz, "O conselho do Senhor dura para sempre". Isso é afirmar que o que Deus diz é estabelecido de forma permanente. Nada do que Deus diga nunca muda porque nunca há mais informações. Nunca há nada a ser esclarecido e nenhuma circunstância e ocorrência que Deus já não conheça e soubesse a respeito quando fez essa declaração.

É por isso que o Salmo 33:11 também diz, "os desígnios do seu coração, por todas as gerações." De geração em geração os planos do coração de Deus estão de pé. Nada muda porque não há mais informações, não há exigência ou contingência que Deus não conhecesse, nada muda. Ele inexoravelmente e perfeitamente opera Seu plano até o fim.

Em Provérbios 19:21 lemos "Muitos propósitos há no coração do homem, mas o desígnio do SENHOR permanecerá". Nós mudamos nossos planos o tempo todo porque recebemos mais informações, porque as circunstâncias mudam. Deus nunca muda nada. Seu conselho esta determinado.

Em Isaías 14:24 "Jurou o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará." Todas essas declarações sobre permanecer têm que ver com Deus fixando um propósito que nunca muda. Eu pretendi e é assim que acontecerá. Eu planejei e é assim que será.

Em Isaías 46, uma passagem um pouco mais prolongada, todo esse tipo de coisas se junta em termos muito claros, Isaías 46:8. " Lembrai-vos disto e tende ânimo; tomai-o a sério, ó prevaricadores. Lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade: que eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim" e aqui está a distinção “que desde o princípio anuncio o que há de acontecer". Não podemos fazer isso. Nós não conhecemos o fim desde o início. Não podemos afirmar o fim. Não podemos definir o fim a partir do início. Só Deus pode. É por isso que Ele é Deus. Não há ninguém como ele porque não há ninguém que possa dizer como vai acabar antes mesmo de comece.

Ele "que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam". E não é apenas que Ele sabe como vão acontecer. Diz, "o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade". Desde o início Deus determinou o fim, Ele planejou o fim, e Ele trabalha para esse fim. O versículo 11 diz "Eu o disse, eu também o cumprirei; tomei este propósito, também o executarei." Eu planejei isso; Eu farei. Deus nunca altera Seu plano e o plano foi estabelecido desde o início e Ele trabalha nisso até o fim.

Jesus em Atos 1:7 disse isso. "Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade." "Tempos e épocas" o que isso significa? Tempo cronológico, hora do relógio, horário do calendário, e tempo de época, eventos. Toda a história cronológica e todos os eventos que ocorrem dentro dela são determinados na própria autoridade de Deus. Tudo está determinado desde o início até o fim pelos propósitos de Deus.

Em Atos 4 lemos o testemunho dos primeiros crentes "porque verdadeiramente" versículo 27 ajuntaram nesta cidade contra o teu santo Servo Jesus, ao qual ungiste, Herodes e Pôncio Pilatos, com gentios e gente de Israel". Todos se uniram para matar Jesus. Mas o versículo 28 diz "para fazerem tudo o que a tua mão e o teu propósito predeterminaram". Que afirmação. Que afirmação. Seja o que for que fizessem havia sido predestinado por Deus e predeterminado por Seu propósito.

Agora Deus é soberano e Deus é onipotente. Ele conhece o plano e Ele tem o poder de trabalhar o plano. Ele tem conhecimento perfeito, então não há nada que possa mudar o plano. Ele não precisa de nós para lhe dar mais informações, e Ele não reage às circunstâncias.

Você diz "Por que você está nos contando tudo isso?" Porque todas essas realidades sobre Deus levantam a questão de como nossas orações são importantes, não é mesmo? Você está chegando lá? Você começou a dizer "Bom, você sabe, por que eu me incomodaria em orar? Tudo isso parece acabar com minha vida de oração e meus pequenos pedidos." E é claro essa é uma das acusações que foram feitas por pessoas que rejeitam a teologia reformada, de que se você tem uma visão forte de Deus, se você tem a visão bíblica de Deus, simplesmente tira todo o coração da sua oração.

Quero dizer, certamente não quero incomodar a Deus, não quero interromper Deus. Quer dizer, ele sabe para onde Ele está indo, sabe o que Ele está fazendo, Ele não precisa de informações sobre nada. E Ele não está prestes a mudar Seu plano e desígnio final. Então se me dizem para orar talvez tudo o que eu preciso fazer é apenas entrar em breve e dizer "Sabe, sinto muito por incomodá-lo Deus, eu vou manter isso no mínimo. Eu sei que estás realmente ocupado, e eu sei que conseguiste que o negócio funcionasse, e sabes onde isso vai dar, mas - então não vou demorar".

As pessoas dizem isso pra mim o tempo todo, "Eu sei que você está realmente ocupado e eu sei que você tem muitas coisas em sua mente mas se eu pudesse ter um minuto". Se as pessoas pensam que isso é um tipo de intrusão na minha vida, e eu não faço idéia do que está por vir no futuro, quando você pensa em Deus, poderíamos dizer a Deus "Bom, isso é ridículo, eu vir e trazer minha questão diante de Ti, quando já resolveste tudo do começo ao fim. Até mesmo o fato de eu ter nascido, que eu existo, e que eu viria até o Senhor com esse pedido, era do Teu conhecimento antes da fundação do mundo e está tudo no plano, qual é o objetivo? Bom, se eu for, vou fazer isso rápido e eu vou sair." Quer dizer, é quase embaraçoso, não é mesmo? "Desculpe Deus, sou eu de novo e eu sei que eu interrompo muito você com minhas pequenas coisas".

Mas devemos lembrar que nos é dito para orar e acabamos de passar por isso, não é mesmo? Nos versículos 2-4 não estudamos a oração dos discípulos, com 12 semanas de duração, 3 meses? E tudo isso estava nos ensinando a orar, a orar. E isso foi repetido de um padrão que Jesus originalmente estabeleceu, registrado em Mateus 6, quando Ele estava ministrando na Galiléia, muitos meses antes disso. Isso está reiterando o mesmo ensinamento.

Mas ainda ficamos com esse problema irritante, essa maravilha de como as nossas orações se encaixam. E nós dizemos, se tivermos uma visão madura de Deus, uma visão completa de Deus, e nós entendermos o caráter de Deus, a natureza de Deus, realmente tem algum tipo de efeito de acabar com nossa vida de oração?

Bom, deixe-me dar uma ilustração. Voltemos ao livro de Neemias capítulo 1, de Neemias. Israel está em cativeiro. Deus sabe disso. E a terra de Israel e a terra de Judá, em particular o reino do sul, e a cidade de Jerusalém, estão em ruínas. " Os restantes" 1:3 “estão em grande miséria e desprezo; os muros de Jerusalém estão derribados, e as suas portas, queimadas." Deus sabe tudo isso. Na verdade Deus assegurou-se de que acontecesse, porque Deus trouxe, lembra-se, os babilônios para serem seu executor, para julgar Israel por causa da idolatria. Então Deus sabe tudo isso.

Mas eu quero que você ainda veja a resposta de Neemias versículo 4, "Tendo eu ouvido estas palavras, assentei-me, e chorei, e lamentei por alguns dias". Não mudou o desgosto. Só porque Deus sabia de tudo isso e Neemias sabia que Deus sabia disso, não mudou o que Neemias sentia. "e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus".

Você diz "Bem, talvez ele não tivesse uma boa idéia. Talvez ele realmente não entendesse quem era Deus e ele estava se sobrecarregando e jejuando, orando e chorando, e de luto e ele está realmente tomado uma condição altamente emocional aqui. Talvez ele simplesmente não soubesse que Deus está no comando. Talvez ele seja realmente um Arminiano, solto flutuando no Antigo Testamento."

Mas olhe para a oração no versículo 5. "E disse: ah! SENHOR, Deus dos céus, Deus grande e temível, que guardas a aliança e a misericórdia para com aqueles que te amam e guardam os teus mandamentos!" Sim, ele entendia a Deus. Ele entendia Deus, que Deus era Senhor soberano. Ele entendia Sua grandeza, Sua excelência, todos os atributos que preenchem esses termos. Ele entendia que Ele tinha uma aliança, e que Ele era fiel a essa aliança. Ele compreendia Sua graça e Sua bondade amorosa para com aqueles que o amam e guardam Seus mandamentos. Ele entendia tudo isso e ainda no versículo 6, "Estejam, pois, atentos os teus ouvidos, e os teus olhos, abertos, para acudires à oração do teu servo, que hoje faço à tua presença, dia e noite, pelos filhos de Israel, teus servos; e faço confissão pelos pecados dos filhos de Israel".

E você sabe disso, quando você lê isso no contexto, isso faz com que você seja um pouco exagerado. Quer dizer, você já falou com Deus assim. Você já disse "Deus, ouça-me. Estou falando contigo. Abra Teus olhos e veja minha situação." Eu não acho que eu já disse isso a Deus. E ele não disse só uma vez, ele diz "Estou orando diante de Ti dia e noite, jejuo, choro, luto, orando perante o Deus dos céus" a quem Ele entende inteiramente. Ele está realmente atacando os portões. Ele está dizendo "Deus abra Teu ouvido e abra Teus olhos e veja a situação." Isso é coisa muito ousada, não é mesmo? É quase embaraçoso.

Sabe, nós tipo que adentramos a presença de Deus. "Você sabe, sou eu de novo Senhor. Oh eu apenas - seja qual for Tua vontade. Por favor deixe isso fora do caminho no início. É aí que estou. Sabe eu sei que você tem outras coisas para atender, então eu vou entender se você não pode ser incomodado com essa coisa pequena”. Essa não é a abordagem de Neemias. "Deus você sabe, acorde. Dê uma olhada. Vamos."

Veja o Salmo 17:1. " Ouve, SENHOR, a causa justa, atende ao meu clamor, dá ouvidos à minha oração." “Ouve, SENHOR”. Essas pessoas que oram no Antigo Testamento, exigiam uma audiência com Deus. Salmo 27:7 - são ilustrações, há muitos mais. Salmo 27:7 "Ouve, SENHOR, a minha voz; eu clamo". Ouve-me quando falo contigo Deus. "compadece-te de mim" e veja isso "e responde-me." Você já disse isso a Deus? Eu estou lhe dizendo Deus é melhor você me ouvir, eu quero uma resposta. Me responda.

O Salmo 55 acrescenta outro componente "Dá ouvidos" versículo 1. "Dá ouvidos, ó Deus, à minha oração; não te escondas da minha súplica." Não se esconda em qualquer lugar. Estou falando contigo. É incrível. "Atende-me e responde-me; sinto-me perplexo em minha queixa e ando perturbado." Estou dizendo que as coisas não estão indo bem e você precisa me ouvir, e você não vai sair e se esconder em algum lugar. Preste atenção. Parece como meus filhos falando comigo desse jeito, quando estou distraído.

O Salmo 102 é outro, e novamente essas são amostras que eu estou lhe dando. " Ouve, SENHOR, a minha súplica, e cheguem a ti os meus clamores. Não me ocultes o rosto no dia da minha angústia; inclina-me os ouvidos." Mais uma vez é o mesmo tipo exigente, é quase grosseiro. É quase grosseiro. É como alguém vindo até você e dizendo "Olhe. Quero falar com você. Escute-me. Quero falar com você. Olhe para mim. Não se distraia." Você diria,"Bom, espere um minuto aqui".

O Salmo 143 acrescenta um outro componente, "Atende, SENHOR, a minha oração" Salmo 143:1 “dá ouvidos às minhas súplicas. Responde-me, segundo a tua fidelidade, segundo a tua justiça". E eu amo o que vem em seguida, “Não entres em juízo com o teu servo." Não quero uma discussão. Eu não quero que você fique chateado comigo. Apenas esfrie sua ira e me escute. Uma maneira incrível de conversar com Deus. Surpreendente. Estou impressionado com isso, a ousadia, a impaciência.

Quando criança, minha avó costumava ter esse pequeno ditado. Eu não ouço isso mais. Minha mãe pegou isso e carregou consigo. Ela dizia, "Bem, Johnny, isso demorou muito." É como se você tivesse atravessado os limites da descortesia, você foi longe demais.

Você diz "Bem qual é o objetivo de falar com Deus assim? Se você sabe que Deus é soberano, sabe que Deus é todo sábio, todo poderoso e conhecedor de todas as coisas, e propôs tudo desde o início até o fim, qual afinal de contas é o objetivo dessa oração?" E a resposta é porque Deus não só ordenou o fim Ele ordenou os meios para o fim. E eu não sei sobre você, mas eu prefiro ser uma parte dos meios de Deus, do que qualquer outra coisa.

Suponho que eu poderia ser um saco de batata espiritual e não me importar se eu participei como um meio que Deus usa para chegar ao fim dele. Mas eu preferiria estar envolvido, e envolvido em ser o meio porque o impacto residual para mim é maravilhoso, é Sua bondade e benção nesta vida, e recompensa eterna na vida por vir. Não se trata de mudar a mente de Deus. Não se trata de mudar os planos de Deus. Não se trata de dar-lhe informações que ele não possui. Não se trata de ajustar as circunstâncias que Ele não poderia antecipar. É simplesmente sobre ser usado por Deus.

O Antigo Testamento - Eu lhe darei uma ilustração - o profeta do Antigo Testamento disse que Jesus nasceria em Belém. Bom, esse é o fim e tinha que ser. Ele não poderia nascer em nenhum outro lugar ou todo o Antigo Testamento teria sido desacreditado. O profeta teria errado. Como Jesus nasceu em Belém? Porque César Augusto que não sabia nada sobre Malaquias ou Jesus determinou um recenseamento a ser tomado em Israel e todos tiveram que ir a sua própria cidade natal para se registrarem no censo, Lucas 2.

E então José e Maria tiveram que ir até Belém exatamente na época do recenseamento que é exatamente o momento em que ela deu à luz o bebê. O Messias nasceu em Belém. O fim estava no plano de Deus desde o início, como articulado pelo profeta no Antigo Testamento. O meio foi um ignorante César fazendo um decreto. Deus usa os meios e determina o fim.

E em Atos capítulo 2, onde Pedro está pregando no dia de Pentecostes ele diz, "sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes". Os meios de nossa salvação - Deus determinou que Cristo seria o sacrifício para a nossa salvação. Os meios, os soldados romanos e todas as coisas que entraram nisso.

Como tudo o mais, veja, Deus determinou sua salvação antes da fundação do mundo. O meio foi através da sua fé e arrependimento. Você não será salvo sem fé. Você não será santificado sem obediência. E você não apreciará a bondade de Deus nesta vida sem participar da oração na realização dos propósitos divinos. Não consigo pensar em nada mais maravilhoso do que Deus permitindo que eu seja um meio para Seus fins. É incrível. Não quero mudar Deus.

Deixe-me dizer-lhe isso agora, não quero mudar nada. Não posso. Seria ridículo pensar nisso. Mas isso seria assumir que eu tinha uma idéia melhor e isso é idiotice absoluta. Mas pensar que Deus poderia usar-me, totalmente ignorante do futuro, totalmente inepto para ser um meio pelo qual Ele alcance seus eternos fins, e então não só abençoar-me por isso mas recompensar-me para sempre, inacreditável.

É por isso que a Bíblia nos diz para orar. A oração é o meio pelo qual a sabedoria infinita de Deus, o poder infinito e o propósito perfeito, são reunidos para cumprir Sua vontade. Você não pode ser salvo sem crer. Você não pode ser santificado sem obedecer. E você não pode desfrutar da bondade de Deus nesta vida sem participar do Seu propósito de desdobramento através de suas orações e pelo seu serviço a Ele. Isso é o que vamos ver nesta história.

Desça para o versículo 8, de Lucas 11. Você observa no versículo 8 a palavra "persistência". Isso está no New America Standard. Não sei o que outras versões têm. Algumas Bíblias dizem "importunação". É uma palavra que ninguém usa "importunação". Essa é uma boa palavra. Se você tiver alguma chance de ver isso no dicionário isso é o que você encontrará. Importunação é diferente da oportunidade. Todos usamos "oportunidade" o tempo todo porque isso tipo que funciona para nós em nosso idioma no dia a dia. "Oportunidade" é uma palavra que o dicionário diz que significa "uma circunstância favorável para nós". Você vê o que parece ser uma circunstância favorável para você e você aproveita. Você se move para aquela circunstância para alcançar aquela oportunidade, que é o que você pensa que está disponível para você lá, essa é a oportunidade.

"Importunação" não é nada disso. É algo diferente. "Oportunidade" simplesmente significa que você se move para uma circunstância favorável. "Importunação" é muito mais forte. É uma palavra que tem urgência e persistência nela, mas é maior do que a palavra "persistência". Alguns dicionários traduzem assim, "Problemático, urgente, excessivamente persistente". É uma palavra hiper ou mesmo "irritantemente implacável".

O que aconteceu aqui foi que esse sujeito, finalmente, saiu da cama e deu ao homem o que ele queria, porque ele era irritantemente persistente. Ele era excessivamente persistente. Ele era incrivelmente urgente. É a palavra anaideian, no grego é hapax legomena, ou seja, uma vez mencionada no Novo Testamento, o único lugar que ela aparece. E realmente o que isso significa - e você pode ver isso em sua leitura marginal na New American Standard - é "descaramento, alguém que acaba deixando de lado toda sensação de vergonha". É, diz um léxico, "excessivamente ousado". Outro diz, "Absolutamente desavergonhado." Alguém que é apenas impetuoso e ousado, alguém que tem muito nervo. Nós devemos orar assim?

Isso é o que Jesus vai nos ensinar aqui a orar assim, e assim participar nos meios pelos quais Deus alcança seus fins. Vamos começar com a parábola. Ok, vamos ver dois pontos hoje e eu ia fazer tudo, mas isso nunca acontece. Então estou vivendo sob uma ilusão na minha velhice.

Lucas 11:5, Jesus simplesmente entra nisso. O assunto é a oração. Ele simplesmente ensinou-lhes como orar, ainda no mesmo assunto, provavelmente no mesmo local ao mesmo tempo. "Disse-lhes ainda Jesus" porque Ele sabia que esta pergunta surgiria. Se Deus tem Seu reino, e Deus tem Sua vontade, Deus tem Seu propósito e tudo isso, o que - você sabe há essa maravilha irritante sobre, por que oramos? E talvez nós apenas oremos, você sabe, esses pequenos tipos de orações mornas, breves e rápidas, aqui e ali, para não interromper Deus. Agora, ele conta a história.

Suponha que um de vocês deve ter um amigo e você vai até ele à meia-noite e você diz para ele: "Amigo me empreste três pães". Agora o ensino sobre a oração levanta a questão: não deveríamos ser relutantes ou ficar um pouco envergonhados de incomodar a Deus com nossos problemas uma vez que, você sabe, ele vai fazer o que tiver de fazer? Então aqui está a ilustração. Jesus volta-se à vida diária, muito simples, uma história inesquecível. Suponha que você tenha um filos, um amigo, alguém por quem você tenha carinho. Significa "um vizinho".

Agora, em Israel ,como em outras partes do mundo, nos tempos antigos e nos países do terceiro mundo, as pessoas em lugares onde não têm muito, dependem de seus vizinhos. Eles são dependentes um do outro. Eles tipo que sobrevivem juntos. Você faz pão suficiente para o dia, você come o pão naquele dia e então, acabou. No dia seguinte você faz pão novamente. Você pode ter um suprimento de grãos e você pode ter um suprimento de óleo, como a viúva no Antigo Testamento, mas você não tem conservantes, e você não tem um estoque de comida. Você não tem uma lanchonete e você não tem lojas de comida que são certamente abertas à noite, e você não tem acesso a isso, então, você sabe, é a luta pelo pão todos os dias. E era assim.

Então aqui está um homem que tem um vizinho e vai até ele à meia-noite. Este é o pior momento para uma visita. Odeio quando as pessoas vêm me ver à meia-noite. Não me importo com o que eles querem. Esse não é um bom momento para chegar. E a propósito não havia TV naqueles dias então não havia nada à noite da noite. Quando a noite caiu, você basicamente ficou com um pouco de luz de uma vela, então você foi dormir porque tinha que começar a trabalhar às 6 horas de manhã. Era quando começava o dia de trabalho. E então ninguém está acordado à meia-noite.

E diz que este homem vai para o amigo à meia-noite e diz para ele - ele chega em sua casa, provavelmente em uma pequena comunidade, e ele começa a gritar seu nome. "Ei, ei, ei, sou eu." E ele o está acordando, obviamente. "Amigo, amigo" sempre é bom dizer que quando você faz isso apenas repita - vai fazer com que ele sinta algum senso de bem-estar, que você o considera seu amigo. É uma saudação sensata se você acabou de chegar sem ser convidado à meia-noite, e tornar-se um incômodo na vida de alguém. Ainda estou bastante convencido de que só aliviaria ligeiramente a irritação, de qualquer forma

"Empreste-me três pães." Agora, isso não significa três grandes pães de panificação, como costumamos ter. Um pão seria basicamente um pedaço de pão achatado. Ele quer três pedaços de pão planos, que seria uma refeição normal, mergulhada em talvez algum tipo de azeite, ou onde se espalhe algum tipo de fruta, ou seja o que for. Isso seria suficiente para uma refeição noturna.

Agora isso não é uma emergência. Ele não está dizendo "Minha esposa está tendo um bebê. Minha esposa está morrendo. Meu filho quebrou a perna. Temos um ladrão na casa." Ele está no meio da noite e ele diz, "Eu quero esses três pães". E o sujeito provavelmente está pensando, "Mas o que é isso? Ele está me acordando para um lanche da meia noite. Isso é ridículo”. Na verdade é um ato muito generoso e altruísta de sua parte porque ele foi despertado.

Porque o versículo 6 diz, "pois um meu amigo, chegando de viagem." Estou apenas transmitindo a alegria aqui. "pois um meu amigo, chegando de viagem, procurou-me, e eu nada tenho que lhe oferecer". Muitas vezes as pessoas viajavam à noite naquela parte quente do mundo, e seu amigo chegou à meia-noite e ele teve que se levantar e hospedá-lo. Ele chegou inesperadamente.

A hospitalidade por sinal era esperada no mundo antigo, muito esperada entre o povo judeu. Eles se especializaram em hospitalidade. Fazia parte de seu dever social, mais ainda, parte de seu dever religioso. Parte do seu dever para Deus de cuidar do estranho, certo? Quer dizer, isso é coisa do Antigo Testamento. Eles sabiam o que tinham de fazer. E assim este pobre homem que tinha esse hóspede que chegou à meia noite em sua casa, ele estava em um difícil dilema: eu posso ser um pobre hospedeiro ou um vizinho pobre, certo?

Ser um anfitrião pobre não era uma opção, porque a hospitalidade era do alto nível de prioridades em considerações culturais. E ele sabia que o vizinho sabia disso também. Então os dois estariam fazendo realmente fazendo o que é certo, mesmo que tenha sido um pouco inconveniente para ambos. Então ele diz "Não é para mim mesmo. Não quero um lanche da meia noite. É um amigo meu que veio a mim de uma jornada, e não tenho nada para colocar diante dele." Ele obviamente está com fome, não tinha nada para comer, nem lojas, restaurantes, nenhum estoque de comida, nada. Muito diferente do nosso mundo, não é mesmo? Quando você faz isso todos os dias com o pão que você tem.

E há uma resposta bastante previsível, versículo 7, "E o outro lhe responda lá de dentro" Esta conversa está acontecendo através da parede aqui. "Não me importunes; a porta já está fechada, e os meus filhos comigo também já estão deitados. Não posso levantar-me para tos dar." Agora isso é exatamente o que você esperaria. Você sabe, seria difícil para mim fazer o que o homem fez. Eu não sei, acho que talvez eu acabe por ser um anfitrião pobre.

Patricia diria a você, sabe, que não gosto de incomodar as pessoas. Você sabe, e se eu estivesse nessa situação e ela estivesse dizendo, "Agora você tem esse hóspede. Vá para o vizinho e consiga comida." Eu diria, "Vai você. Eu não quero ir." Não sei o que é, mas não gosto de incomodar as pessoas. Ela diria "É o que espero que você diga". Mas ele foi, e o sujeito teve uma resposta previsível. "Não me incomode. Pare de me causar problemas. O que você está fazendo?"

"A porta já foi fechada." Não era uma porta como temos que você pode fechar com facilidade. Às vezes as portas realmente caíam através de anéis uma combinação de metal e ferro, e removê-la não era apenas uma coisa simples a se fazer e a abertura faria muita barulho. E havia toda uma família lá. E ele diz "Meus filhos e eu estamos na cama." Normalmente a mesma cama. Eles tinham um tapete grande, casas de um quarto, certo? Casas de um quarto. A cozinha ficava num canto num espaço vivo aqui e o quarto no mesmo lugar. Bastava deslizar a esteira e todo mundo cair no tapete com alguns travesseiros, ou seja lá o que for. E quanto mais frio mais perto eles se juntavam. Era assim que todos se mantinham quentes.

Então, se ele se levantar, todo mundo vai se levantar, todas as crianças vão se levantar, todo mundo vai se levantar. E provavelmente os outros vizinhos vão se levantar, porque estão ouvindo a conversa. A coisa toda é muito presunçosa, muito incômoda. Realmente não é uma grande emergência. Quer dizer, será que ele - ele morreria se ele esperasse até o café da manhã? Ele não, você sabe, não estaria exagerando um pouco com essa coisa de hospitalidade? Diga ao sujeito que vá para a cama. Você vai esquecer quando você adormecer. Você sabe, dê-lhe uma bronca. Você esteve em uma longa jornada. Você provavelmente está cansado. Apenas deite-se. Você vai adormecer e você vai esquecer. O homem diz, "Eu não vou me levantar e lhe dar alguma coisa. Isso é demais."

E então Jesus, ignorando qualquer narrativa prolongada, salta ao ponto da história no versículo 8, "digo-vos que, se não se levantar para dar-lhos por ser seu amigo, todavia, o fará por causa da importunação" sua importunação, sua impetuosidade, sua ousadia “e lhe dará tudo o de que tiver necessidade." Na verdade, não faz sentido em não levantar, porque ele não vai embora. E você já me despertou, você já despertou as crianças.

Eu lhe digo que ele vai conseguir o que ele pede por causa de sua falta de vergonha. Essa é a palavra anaideian por causa de sua falta de vergonha, de sua impetuosidade, da sua persistência. A ênfase aqui é sobre essa ousadia. Não é tanto sobre a persistência e por pedir demais, é apenas a ousadia de pedir em um momento tão inoportuno, simplesmente demorou muito fazendo isso.

Bem é uma ilustração perfeita. É apenas uma ilustração perfeita de nós indo a Deus e dizendo, "Eu sei que é inapropriado interrompê-lo porque você está executando um universo e você tem todas essas coisas acontecendo. Mas eu só preciso de você para se sentar e me ouvir e olhar para isso e não se distraia. Eu tenho algumas coisas que eu preciso". Isso é só - está no topo.

Mas não é. A imagem aqui é de nervos sem vergonha, ousadia, importunação, coisas que parecem quase ridículas para entrarmos na presença do Deus do universo. Mas nosso Senhor está nos ensinando como ser invasivo, como ser ousado em nossas orações. Este homem respondeu não por amizade mas por irritação. Isso está em contraste com Deus que por sinal o Antigo Testamento diz, " É certo que não dormita, nem" o que? "dorme." Então você não o está acordando. E se este homem daria a esse outro homem o que ele queria, não por amizade, mas apenas por causa de sua ousadia, sem vergonha, o que o Deus que o ama perfeitamente lhe dará quando você entrar em Sua presença?

E assim a parábola leva a essa incrível promessa nos versículos 9 e 10 e isso é superior. Ouça isso. "digo-vos que" Eu amo isso. Egō está na posição enfática. "digo-vos que" esta não é a opinião de alguém, pessoal. Este é o Deus encarnado falando, ok? "digo-vos que" esta é a voz da autoridade divina absoluta. "digo-vos que" Eu quero ouvir isso. O que você está dizendo? Ele não diz "Não se atreva a vir e despejar na presença de Deus exigindo coisas".

Eu esperaria que ele falasse isso. "É melhor você voltar. Você não é como esse sujeito. Não venha interromper a Deus. Ele conhece sua necessidade. Ele sabe o que está acontecendo. Não precisa de informações sobre você. Ele pode ler seu coração. Ele pode ver sua preocupação." Ele não diz isso. Ele diz o contrário. "Sinta-se livre" versículo 9. " vos digo: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e a quem bate, abrir-se-lhe-á." Isso é inacreditável, não é mesmo?

Três verbos imperativos, presente do imperativo. Continue perguntando, continue buscando, continue batendo. Não hesite em ser ousado. Não fique envergonhado. Peça. Esse é o primeiro nível. "Psst, Deus, sou eu". Busque. Esse é o segundo nível. Zēteō significa "lutar" ou "exigir". "Deus eu estou te dizendo você precisa me ouvir agora. Você deve observar o que está acontecendo aqui. Não se distraia." Bata. Agora você está atacando os portões do céu. Não fique relutante em perguntar e ficar agressivo e bater na porta do céu.

Você já pensou em oração assim? Apenas tirada dessa pequena história? É simplesmente incrível. Tiago diz " Nada tendes, porque não”, o que? "pedis; pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres" ou você pede de ânimo dobre, não acredita realmente, ou você pede com um coração desobediente e você se esqueceu de que Deus ouve as orações daqueles que obedecem aos Seus mandamentos, ou você diz "Espere um minuto. Isto não é cheque em branco? Vamos lá. Você não pode simplesmente pedir, buscar, bater e assim receberá."

Bem isso é um cheque em branco? Não. Já foi qualificado pelos versículos 2-4, não é mesmo? Aqui está como você deve orar, "Pai santificado seja" o que? "o teu nome, venha o teu reino" e então acrescentamos é claro Mateus 6, "seja feita a tua vontade". Portanto é sempre de acordo com o nome de Deus, de acordo com o reino de Deus, e de acordo com a vontade de Deus que pedimos. Não é um cheque em branco.

A generosidade da afirmação nos versículos 9 e 10 é absolutamente incrível. E porque o versículo 9 é tão chocante, o versículo 10 repete a mesma coisa. Não é necessário dizer o mesmo duas vezes, especialmente quando você realmente não muda nada. Mas ele o faz por causa do primeiro versículo, versículo 9 isso meio que deixa você atordoado, "Vamos lá" diz Deus "você pode começar a sussurrar se quiser, através da parede, e você pode aumentar sua voz e começar a fazer demandas, e você pode até bater na porta se quiser, e eu lhe direi o seguinte: Quando você pedir você encontrará; quando você bater você receberá o que deseja. Vou abrir a porta." Que grande declaração.

Jeremias 29:12-13, e vamos encerrar com esses dois. Jeremias 29:12-13. Não saia só porque eu disse isso. Jeremias 29:11 isso é muito bom. "Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito." Isso não é bom? Isso é soberania, não é mesmo? "Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais". "Eu sei o que planejei para vocês". Há uma afirmação do conhecimento perfeito de Deus, da soberania perfeita, e a consumação de seu propósito.

Mas no versículo 12 ele diz " Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração." Em certo sentido os dois parecem se contradizer. "Eu conheço meus planos, eles estão definidos, eles são determinados, eles são bons. Mas eu estou lhe dizendo, venha e ore, e eu vou fazer você parte dos meios para cumprir esses planos quando você me buscar com todo seu coração ".

E no que resulta isso? Eu direi no que resulta, numa experiência da bondade de Deus. Uma experiência de comunhão com Deus. Esta é a riqueza do que desfrutamos nesta vida e na vida futura, a eterna recompensa por sermos participantes ansiosos nos propósitos de Deus. Na próxima vez que você orar, seja ousado. Da próxima vez que você orar, que deve ser uma oração contante, sem cessar, seja desavergonhado. Da próxima vez que você orar, entre na presença de Deus ansioso para derramar seu coração. Da próxima vez que você orar, peça a Deus para ouvir e ver e não se afastar, e ouvir o clamor de seu coração. E enquanto ora e Deus desenvolve o Seu propósito, você estará desfrutando a experiência de ter sido parte do que Ele realiza e desfrutar da Sua bondade.

Este conceito, essa grande verdade, essa grande promessa é construída sobre uma espécie de axioma um princípio óbvio e que é construído sobre uma base divina. E veremos essas duas coisas na próxima vez. Junte-se a mim em oração.

Pai, agradecemos a Ti neste dia por uma generosidade tão incrível. O que podemos dizer? Está apenas além da compreensão. Agradecemos a Ti que podemos entrar em Tua gloriosa presença como Neemias, compreendendo plenamente quem Tu és e ainda orando, jejuando, clamando, pedindo que possamos ser parte dos meios pelos quais Tu alcanças Teus fins. Que privilégio podemos desfrutar de tal experiência e tal benção em primeira mão, tanto agora como para sempre. Agradecemos em nome de Cristo..

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize