Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Agora esta noite vamos continuar nosso estudo de Romanos, e estamos olhando para o capítulo 12 e passagens muito, muito práticas que estão diante de nós que eu acredito que o Senhor vai usar de maneiras maravilhosas em nossas vidas quando respondermos em obediência. É realmente uma espécie de lista de mercearia, apenas uma coisa após a outra começando no versículo 9 e correndo todo o caminho até o versículo 21. Há alguma estrutura e alguma ordem que veremos à medida que avançamos, mas basicamente apenas uma lista, dos deveres do cristianismo prático como é que o Senhor quer que vivamos a nossa vida cristã.

Agora deixe-me apenas dizer, logo de início, algo que espero que possa ajudá-lo. Se ao mencionarmos cada uma dessas coisas e elas vierem rapidamente, há mais de vinte exortações separadas aqui, como mencionamos - e digo isso também ao meu coração - sinto profundamente a sua importância e urgência, e eu me sinto um pouco convencido sobre a falta delas em minha vida, então isso é o Espírito de Deus causando um impacto direto.

Haverá algumas delas, quando você as ouvir e você pensar nelas, e enquanto nós brevemente apresentarmos o significado de cada uma, você não terá uma grande luta, você não responderá no sentido de ter uma grande convicção, e isso é, provavelmente, porque estas são coisas que estão se manifestando em sua vida. E eu realmente acredito que, se você pertence ao Senhor Jesus Cristo e você está andando no Espírito, estas coisas serão verdadeiras em sua vida. Então você não precisa se sentir de certa forma derrotado enquanto atravessamos isso.

Poderá haver momentos em que você se sinta convicto. Sei que houve algumas vezes no meu próprio estudo ao passar por essas coisas na última semana que algumas delas me atingiram muito diretamente, outras não tão diretamente mas quando sinto coisas que atingem direto minha vida, eu preciso ser sensível a isso, então eu sei que o Espírito de Deus está trazendo convicção. Por outro lado, quando sinto que isso realmente não me fala tão fortemente, então sei que isso é algo que o Espírito de Deus já começou a fazer na minha vida. E assim, eu tenho uma espécie de reação mista à experiência de aprender essas coisas. Um, é o de receber a ordem, e o outro é ter uma sensação de confiança de que o que eu vejo que Deus está fazendo na minha vida está realmente acontecendo e isso é muito reconfortante.

Eu deveria ser capaz de dizer "Ei eu me sinto assim eu concordo com isso esse é o meu sentimento é assim que eu quero viver eu vejo isso na minha vida". E eu acho que você vai encontrar isso também quando você atravessar. Portanto não espere apenas receber alguma convicção. Eu acho que você vai encontrar aqui algum elogio. Eu acho que você vai dizer a si mesmo, aqui que eu vejo Deus fazendo isso em minha vida. Vejo que o Senhor mudou minha vida do que é natural para o que é sobrenatural e essas coisas são verdadeiras em minha própria experiência, e que deve ser nesse sentido, uma experiência muito gratificante, passar por esta seção de Romanos capítulo 12.

Huxley, o grande romancista inglês fez uma declaração interessante uma vez. Ele disse, "Não é preciso muito de um homem para ser cristão. É preciso tudo." Henry Drummond que era um amigo muito querido de D.L. Moody colocou assim em uma de suas mensagens. Ele disse, "Senhoras e senhores, o preço da entrada para o reino de Deus não é nada, mas as dívidas anuais são tudo."

A vida cristã é um modo consumado de viver. A vida cristã é um estilo de vida próprio que literalmente desenha os parâmetros em torno de toda a nossa vida. Quando Jesus disse "Vocês passam por um portão estreito e andam por um caminho estreito" isso é exatamente o que Ele quis dizer. A vida cristã é muito definida. Não tem qualquer latitude, em um sentido, e tem grande liberdade em outro sentido. Nossa liberdade é a liberdade de fazer o que é certo. Nossa liberdade é a liberdade de honrar a Deus. O confinamento é que devemos fazer o que Ele ordena.

E assim, de certo modo, poderíamos dizer que Romanos 12:9 a 21 é uma espécie de lei do Novo Testamento. Não é realmente negociável. É a lei que somos livres para cumprir, e digo livre porque na liberdade da obediência encontramos a nossa bem-aventurança. E você sabe, de seu estudo de Efésios capítulo 2, que fomos criados para as boas obras que Deus de antemão preparou para que andássemos nelas. Fomos feitos, como diz Paulo, para manifestar os frutos da justiça. E assim é a definição de uma vida cristã que ele vive de modo único, e os parâmetros, os muros e as linhas de sua vida são circunspectos e eles são desenhados pelo próprio Deus.

Então aqui temos alguns dos princípios para viver a vida cristã. Em certo sentido eles são gerais. Em outro sentido eles são específicos. Eles são gerais no sentido de que eles podem tocar todos os tipos de áreas da vida. Eles são específicos no fato de que eles devem ser aplicados em cada incidente da vida, em cada ação e reação da vida. Agora, isso não é absolutamente abrangente. Há outras coisas pelas quais somos responsáveis. Existem outros elementos do nosso estilo de vida que Deus quer que sigamos que não estão listados aqui mas esta é uma amostra maravilhosa de coisas que devem ser verdadeiras na vida do cristão.

E outra coisa, só para lembrar, é que a vida cristã não é mística. Não é uma espécie de mentalidade flutuante efêmera, ilusória, sobrenatural que não pode ser reduzida à vida real. É bastante prático. Não é místico. É muito pragmático. Trata-se de pensar, falar, agir e fazer de uma certa maneira, e é assim que os cristãos devem viver.

Agora trata-se de uma parte muito essencial do Livro de Romanos, e a maioria das pessoas pensa que a maior parte de Romanos acabou, mas não. Do momento em que você atravessou pelos primeiros onze capítulos, e então você passou pelo compromisso glorioso do capítulo 12, versículos 1 e 2, e talvez esboçou a grande seção sobre dons espirituais no capítulo 12, versículos 3 a 8, as pessoas pensam que esse é o verdadeiro coração do livro, mas não é.

O verdadeiro coração do livro começa agora. Toda a intenção desta epístola era convidar os crentes a viverem de determinada maneira. Os primeiros onze capítulos eram simplesmente a base para esse viver. Foi a maneira de Paulo dizer "Veja, aqui estão onze capítulos do que Deus fez para torná-lo possível. Agora você, dedique sua vida a Ele" capítulo 12. "Use seu dom ao máximo de sua capacidade e então comece a viver assim ". Esta é realmente a mensagem de Romanos e daqui em diante através da primeira parte do capítulo 15 vamos nos encontrar frente a frente com algumas injunções muito práticas para a vida cristã, como devemos viver uns com os outros na família, como devemos viver com os que estão fora da família, como devemos responder àqueles que são nossos inimigos pessoais declarados, como reagir ao governo, como lidar com aqueles que são mais fracos na fé do que nós. E essas injunções práticas nos capítulos 12, 13, 14 e um pouco em 15 são realmente por onde Paulo tem ido o tempo todo.

E você poderia perguntar, "Bom, por que ele gastou tanto tempo naquilo que é fundamental?" Porque ele queria colocá-lo bem, em segundo lugar, porque precisávamos conhecer a riqueza da nossa salvação, e em terceiro lugar porque deveria fazer-nos tão infinitamente gratos, que o tipo certo de padrão de vida é uma resposta muito óbvia e imediata. Quer dizer, se eu entendo o que o Senhor fez por mim em Romanos 1 a 11, parece uma coisa pequena para mim devolver a Ele o amor demonstrado por mim com uma vida de obediência, como indicado nos capítulos 12, 13, 14 e 15. Assim, ele vem, então, no capítulo 12, versículo 9 para uma lista de deveres cristãos, coisas que são muito relacionados às realidades terrenas e muito práticas.

Agora a seção resiste a um esboço apertado. Realmente resiste, versículos 9 a 21. É muito difícil, simplesmente, cortá-la em fatias pequenas. A melhor maneira que eu posso explicar para você, de modo que você tenha alguma imagem em sua mente, é de que é um círculo em constante expansão. Começa bastante pequeno e ele só fica maior e maior e envolve mais e mais pessoas. Por exemplo, o versículo 9 se você olhar para ele é muito, muito pessoal. Começa comigo. Ele fala sobre o meu amor e meu ódio, o que é mal, segurando firmemente no que é bom. Isso é muito pessoal. Isso é um compromisso em meu próprio coração, então o círculo começa comigo e esse círculo começa a se alargar nos versículos 10 a 13.

"Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal" e continua falando sobre preferirem uns aos outros, serem zelosos e fervorosos em vosso serviço ao Senhor. E assim o círculo se alarga para incluir outros, enquanto também volta para falar de coisas na minha própria vida novamente como no versículo 12, "regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes". Então o círculo fica um pouco mais largo, mas não me perde de vista e fala sobre os outros e minha relação com eles e depois volta e fala sobre mim novamente.

E no terceiro alargamento do círculo, chegamos ao versículo 14, e de 14 a 16 o círculo se alarga além da família de Deus, meus irmãos e irmãs em Cristo, para abraçar todas as pessoas em geral se eles nos perseguem, devemos abençoá-los, se eles se alegram devemos nos alegrar com eles, se eles choram, devemos chorar com eles. E devemos considerá-los todos igualmente e não pensar em nós mesmos como melhores do que eles, versículo 16, e assim mais uma vez fala de meu próprio orgulho pessoal. Então há um sentido no qual o círculo se amplia para envolver uma nova categoria de pessoas a cada vez, mas ainda volta e toca os outros também.

E o alargamento final do círculo, vem dos versículos 17 a 21 e se alarga para envolver até mesmo aqueles que são nossos inimigos muito pessoais e declarados, que fazem coisas contra nós, além de uma perseguição geral do que cremos, mas que nos ferem, nos machucam, nos prejudicam e pecam violentamente contra nós. E há instrução a respeito de como devemos responder a isso não devolver o mal pelo mal, não ter vingança em nossos corações, assim por diante e assim por diante. E novamente eu digo que embora o círculo se alargue para envolver nossos inimigos pessoais declarados, ele também volta a tocar nas atitudes em nossos próprios corações, e a maneira como vivemos, como aprender no versículo 18, a viver pacificamente com todos os homens. Então, Paulo está realmente preso a algumas coisas aleatórias, mas em sua mente, aparentemente, ele está ampliando seu círculo de pensamento a cada vez. E eu sinto que é a melhor maneira de obter uma idéia sobre como o fluxo transcorre nestes versículos.

Agora posso lhe prometer algo. Esta seção não vai ser muito profunda no sentido de que você vai ouvir coisas que irão agradar seus ouvidos ou coisas que você nunca ouviu antes ou descobrir uma grande nova verdade. É realmente uma espécie de seção de lembrete de coisas que você já conhece e muitas coisas que você já está praticando, e eu posso testemunhar muitas coisas que já estão operando em suas vidas pelas quais louvo a Deus e O glorifico. Então que seja um momento encorajador. Que seja um tempo, se necessário, em que você seja tomado de convicção, mas um tempo também em que você seja encorajado ao ver essas coisas verdadeiramente em sua própria vida.

Vamos começar com o primeiro círculo e vamos chamá-lo de pessoal, os deveres pessoais, e ele oferece três deles no versículo 9. Na verdade, ele parece oferecer pequenos trigêmeos. Há três no versículo 9. Há três no versículo 11. Há três no versículo 12. Parece que esse é o jeito que seu pensamento corre nesta seção de abertura.

Mas, de qualquer forma, no versículo 9 é muito pessoal, três atitudes básicas, três deveres básicos que se materializam na maneira como vivemos em relação aos nossos próprios padrões de pensamento pessoal. Versículo 9, "O amor seja sem hipocrisia. Detestai o mal, apegando-vos ao bem". Realmente precisa de muito pouca explicação. É muito, muito fácil de entender e precisa ser para que não perquemos de vista.

Mas, deixe-me desmembrar esses três por um momento e ver se eu não posso reforçá-los, dando-lhe um pouco de sentimento para o que a Escritura diz sobre eles. Em 1 Coríntios capítulo 13 Paulo diz "Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes", qual é? "é o amor". Todos nós sabemos disso.

No capítulo 13 de Romanos, você poderia ver isto por um momento, no versículo 8. Paulo diz, "A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei". Então no versículo 10, o fim do versículo, "de sorte que o cumprimento da lei é o amor". E você se lembra de que o Senhor disse se você quiser guardar toda a lei de Deus, faça isso. Ame o Senhor seu Deus com todo o seu coração, alma, mente e força, e ame o próximo como a si mesmo.

O amor é a coisa suprema. E assim não nos surpreende que Paulo comece aqui e não nos surpreende quando lemos em Gálatas 5, que ele escreve sobre o fruto do Espírito e diz "O fruto do Espírito é" e qual é o primeiro? "Amor" então alegria paz e assim por diante, e assim por diante. Tudo começa com amor.

O ponto de partida da experiência cristã é o amor. Jesus em João 13 disse a Seus discípulos "que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos". E ele escreveu aos seus amados na igreja e disse, "E também faço esta oração: que o vosso amor aumente mais e mais." O amor é o que há de maior, o amor é a realidade suprema, e assim ele começa com o fato de que devemos viver vidas de amor.

Em 2 Coríntios capítulo 6 uma passagem pouco mais obscura talvez, não tão familiar como outras, mas ouça o que diz. Paulo está falando sobre seu ministério e ele diz que é ministro de Deus, então ele começa a descrever seu ministério "na muita paciência, nas aflições, nas privações, nas angústias, nos açoites, nas prisões, nos tumultos", que muitas vezes faziam parte de seu ministério, "nos trabalhos, nas vigílias", que é ter que estar em guarda para com sua vida e a vida dos outros, "nos jejuns, na pureza, no saber, na longanimidade, na bondade, no Espírito Santo," então, este você deve sublinhar, "no amor não fingido, na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça, quer ofensivas, quer defensivas", e assim por diante, e assim por diante.

Em outras palavras, quando ele começa a descrever sua abordagem ao ministério, descreve sua atitude, uma delas é o amor não fingido. Isso é puro amor, amor, para colocá-lo em termos de Romanos 12:9, sem hipocrisia. Amor que não é amor falso, amor que é amor verdadeiro, amor genuíno, esse é o primeiro dever de um cristão listado aqui.

E você se lembra de 1 Pedro 1:22? Pedro diz, "Tendo purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade" ou seja vendo que vocês foram redimidos, aqui o resultado deve ser, "o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente, pois fostes regenerados."

Em outras palavras, o resultado do novo nascimento é um amor não fingido um amor sem hipócrita. E então ele diz, "amai-vos, de coração, uns aos outros." Ele usa uma palavra muito interessante "de coração", Pedro usa, é a palavra ektenes, e é basicamente usada do alongamento de um músculo, mesmo em um cavalo. Uma ilustração humana também para chegar o mais longe possível estendendo esse músculo até seu limite absoluto, e essa é a palavra que Pedro escolhe, um termo anatômico que quer dizer "esticar-se até o limite" em mostrar seu amor um ao outro, uma vez que você nasceu de novo. E o primeiro e básico dever prático de um cristão é o amor.

E você se lembra de 1 Pedro capítulo 4, versículo 8, aquele versículo muito bonito e um tanto familiar que diz "Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros" a mesma palavra ektenes "porque o amor cobre multidão de pecados." O amor tem uma maneira de jogar um cobertor sobre o mal de alguém, não é mesmo? Ele tem uma maneira de jogar um cobertor sobre alguém que esteja errado, sobre a culpa de alguém, a lesão de alguém e assim o amor é o ponto de partida.

Mas o tipo de amor que vemos na epístola de Pedro e em 2 Coríntios 6, quando li para vocês, e aqui está um amor não fingido, um amor não fingido, não um amor falso, não um amor superficial, mas um verdadeiro e genuíno amor profundo. Como D.L. Moody disse "Há muita gente que fala creme e vive leite desnatado." Mas o que ele está falando aqui não é o tipo de amor leite desnatado. É a coisa real, amor cristão que está limpo de auto-motivação, auto-realização e auto-engrandecimento, um amor cristão que ama de uma forma pura de um coração puro por causa de Cristo não uma atuação. E assim devemos amar as pessoas com um amor puro.

Eu posso me lembrar de ouvir as pessoas dizerem, quando eu era criança, "Bom, nós amamos tal e tal no Senhor." Você já ouviu alguém dizer isso? Eu os amo no Senhor. Bom, isso costumava significar que eu pessoalmente não consigo, mas estou sob uma obrigação espiritual. É como se você tivesse uma mangueira correndo de você em algum lugar e você pode esguichá-la com o amor divino. "Aqui, tome isso, não é meu, mas você o tem como uma virtude de Deus". Não é isso que ele está falando, e eu não quero tomar tempo para desenvolver toda uma teologia bíblica do amor. Basta dizer que é o tipo de amor que alcança e atende às necessidades.

Jesus disse "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei" em João 13 e Ele os tinha amado lavando os pés imundos. Eles tinham uma necessidade, Ele supriu a necessidade. É uma condescendência, mas não de forma negativa, não de uma maneira humilhante. É descer ao nível de alguém com uma necessidade e, francamente, não há nada no mundo do pecado pior do que a hipocrisia. O maior pecador que já existiu, foi o maior pecador que existiu por causa da profundidade de sua hipocrisia e esse foi Judas.

A hipocrisia é o mais desagradável e feio de todos os pecados pois finge afeto e é cheio de ódio. Nenhum pecado é pior do que a hipocrisia. Nenhum vício é mais destrutivo do que a hipocrisia e nenhuma virtude é mais maravilhosa do que o amor. Assim, o amor hipócrita é uma inacreditável combinação, da qual o teólogo John Murray diz, "Se o amor é a soma da virtude e a hipocrisia é o epítome do vício, que contradição é unir os dois". Os cristãos recebem a ordem de viver um amor puro, verdadeiro e genuíno.

E eu suponho que a melhor maneira de defini-lo sem gastar muito tempo seria simplesmente chamar sua atenção para 1 João capítulo 3, versículo 14. Ele diz "Nós sabemos que já passamos da morte para a vida". Como sabemos disso? Como sabemos que somos salvos? "Porque amamos os irmãos", porque há um amor em nossos corações para com o povo de Deus. "aquele que não ama permanece na morte". Então no versículo 18, uma declaração muito, muito importante, "Filhinhos" e aqui está a prova do amor genuíno puro e fervoroso, ele diz, "não amemos", o que? "de palavra, nem de língua, mas" O que? "de fato e de verdade."

O amor genuíno se manifestará, não em algum sentimentalismo, mas em atos de bondade, atos de cuidado, de suprimento de necessidades, de apoio. O Dr. Barnhouse costumava dizer, o grande mestre da Bíblia na Filadélfia da décima Igreja Presbiteriana, ele está agora com o Senhor, ele costumava dizer, "O verdadeiro amor sai do palco e caminha pela estrada da vida real." E a antítese disso é Lucas 22:48 onde Jesus olha para Judas nos olhos e diz, "Você me trai com um beijo?" E Ele usou a palavra de um beijo de amor.

O primeiro dever cristão, o supremo dever cristão é viver uma vida de amor não hipócrita, honesto, legítimo, genuíno, verdadeiro, que se manifesta em serviço altruísta e sacrificial aos que têm necessidade. E você se lembra quando o Senhor foi perguntado depois de ter dito, "Ama o teu próximo como a ti mesmo" a pergunta feita a Ele, "Quem é o meu próximo?" E Jesus contou uma história sobre um homem deitado na estrada, você se lembra, no caminho para Jericó. E o ponto da história era que, quem quer que esteja caído em seu caminho, com uma necessidade, é esse que você precisa para mostrar o seu amor. O dever principal é o amor.

Na verdade você se lembra da carta do apóstolo Paulo aos Coríntios, na qual ele diz, "de maneira que não vos falte nenhum dom?" E no capítulo 12 ele descreve todos os dons espirituais e como todos esses dons espirituais devem funcionar E depois de toda aquela descrição de dons espirituais no capítulo 12, ele chega ao último versículo e diz, "E eu passo a mostrar-vos ainda" o quê? "um caminho sobremodo excelente." Em outras palavras, uma maneira melhor do que até mesmo o uso de dons espirituais, e ele vai direto para o capítulo 13 e começa essa descrição monumental do amor que todos nós conhecemos tão bem. "Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará." Em outras palavras, tudo sem amor é igual ao que? a nada nada nada.      Assim a prioridade é dada ao amor e tem que começar em seus próprios relacionamentos com sua própria família, seus próprios amigos, sua igreja, todas aquelas pessoas no círculo de sua amizade e influência. Os cristãos demonstrarão a autenticidade de seu cristianismo ao mundo pela autenticidade de seu amor. Não é verdade? "Nisto conhecerão todos os homens que sois Meus discípulos" disse Jesus em João 13 "Se tiverdes amor uns pelos outros".

Nunca vou esquecer uma mulher que veio a esta igreja. Ela foi na a sinagoga aqui na rua mais abaixo para ser aconselhada, e eles não a aconselhariam em seu problema matrimonial porque ela não tinha pago suas dívidas, e então ela estava chateada. Isto foi há alguns anos atrás, e ela desceu a rua para o edifício religioso mais próximo para obter alguma ajuda e nós éramos o mais próximo. Isso foi antes que o povo budista tivesse estacionado na esquina, e então ela veio por aqui e entrou.

Era domingo e ela estava vindo pela calçada. Eu realmente não sei se ela queria entrar ou não, mas quando ela soube onde ela estava, ela estava em um grupo, encontrou-se nesse lugar. Ela veio a Cristo. Ela pode estar aqui esta noite. Ela veio a Cristo e mais tarde ela me contou seu testemunho. Ela disse "Eu fiquei tão chateada que eles não me aconselharam. E acabei vindo para cá." Ela disse "Eu estou lhe dizendo que isso mudou minha vida." Eu disse "Bom, você gostou do culto naquele dia?" E eu disse - ela disse, "Eu nem sei o que você disse. Eu nem saberia que você estava lá. Fiquei impressionada com o amor dessas pessoas um pelo outro. Era muito diferente de qualquer coisa que eu já experimentei e foi isso que me atraiu para o meu Messias."

E esse tipo de história pode ser contada repetidamente. Se você não acha que o mundo está procurando amor, basta ouvir as músicas no rádio. É apenas um fluxo constante de pessoas clamando por amor significativo que não pode ser encontrado em um nível humano, não na dimensão que eles estão procurando. Temos a melhor coisa a oferecer ao mundo quando lhes oferecemos amor.

Bom, uma segunda coisa que ele diz no versículo 9 - não se preocupe nós não iremos até o versículo 21. Você pode relaxar. Só porque eu cobri 16 verículos esta manhã, não significa que eu vou fazer isso de novo, mas pelo menos nós vamos passar pelo versículo 9. Tudo bem?

Mas no versículo 9 a segunda coisa que ele diz é "Detestai o mal", odeie o que é mal. Isso é tão simples. Obviamente, segue o primeiro, "Se você ama a Deus com todo o seu coração, ama seu próximo e você ama a irmandade, você vai odiar o que é mal, porque o mal mancha a comunhão." Como posso dizer, eu te amo e tolerar o pecado? Eu não posso, porque o pecado destrói meu relacionamento com você, e seu relacionamento comigo. O pecado é uma invasão desastrosa em um relacionamento amoroso. Assim, quem ama, verdadeiramente, tem que odiar o mal. Na verdade no Salmo 97:10 há uma palavra maravilhosa e simples que diz "Vós que amais o SENHOR, detestai o mal. Vós que amais o SENHOR, detestai o mal." Os dois são absolutamente opostos. O pecado é a antítese de Deus.

Deixe-me dar-lhe um breve olhada sobre a doutrina de Deus. A característica básica essencial de Deus é Sua santidade. Ele é santo, santo, santo. Essa é a definição mais distintiva de Deus, e santo significa ser separado, e o que está dizendo é que Deus é completamente diferente do que nós somos. Ele não é como nós, e a razão pela qual Ele não é como nós é porque Ele é santo, sem, o que?, pecado. E é Sua absoluta falta de pecado que equivale a Sua absoluta singularidade, Sua absoluta desigualdade se pudermos dizer dessa maneira.

E assim Deus é um Deus de total e absoluta, absoluta pureza e sem pecado. Conseqüentemente Ele não pode olhar para o mal, não pode tolerar o mal, e quem realmente conhece o amor de Deus e ama a Deus, em troca, teria que odiar o mal. E eu quero que você note o que diz lá, por causa do uso do imperativo no tempo presente "Seja continuamente ou esteja constantemente odiando o que é mal". Odeie constantemente o que é mal. É um termo muito forte.

O mal não é algo que possamos tolerar em qualquer nível. O mal é algo que devemos odiar com certa paixão. Não pode haver trégua para com mal. Não pode haver tolerância mínima do mal. Devemos constantemente odiar qualquer coisa, tudo e todas as coisas que são más. Ouça o Salmo 101, que basicamente é um salmo que convoca para isso, "Cantarei a bondade e a justiça; a ti, SENHOR, cantarei. Atentarei sabiamente ao caminho da perfeição" diz Davi "Oh! Quando virás ter comigo? Portas a dentro, em minha casa, terei coração sincero. Não porei coisa injusta diante dos meus olhos; aborreço o proceder dos que se desviam." Isso é desviar-se da palavra e da vontade de Deus. "nada disto se me pegará. Longe de mim o coração perverso; não quero conhecer o mal. Ao que às ocultas calunia o próximo. a esse destruirei; o que tem olhar altivo e coração soberbo, não o suportarei. Os meus olhos procurarão os fiéis da terra, para que habitem comigo; o que anda em reto caminho, esse me servirá. Não há de ficar em minha casa o que usa de fraude; o que profere mentiras não permanecerá ante os meus olhos. Manhã após manhã, destruirei todos os ímpios da terra, para limpar a cidade do SENHOR dos que praticam a iniqüidade."

Rapaz, Davi está realmente exercitado. Não é mesmo? Ele está dizendo, "Senhor eu andarei de maneira perfeita, manterei um coração puro. Afastarei um coração perverso, e quando eu encontrar um homem que é perverso eu o colocarei fora de minha presença. Quando eu me encontrar com um homem que é enganoso, eu vou colocá-lo fora da minha vida. Quando eu encontrar um homem que é um mentiroso, vou colocá-lo fora da minha casa. Eu não tenho nada a ver com a maldade. Nada a ver com pessoas perversas." Em outras palavras, Davi sabe que você não pode atacar assentamentos com o mal. Você deve fugir dele. Você não pode tolerá-lo. Deve ser constantemente odiado, e então ele diz, "Eu farei tudo que eu puder para cortar essas pessoas." Cortar é uma antiga expressão hebraica para matar. Eliminarei a maldade, eliminarei os malfeitores" diz ele.

E você se lembra do que nosso Senhor disse em Mateus 18? Ele disse se o seu olho direito te ofende faça o quê? Arranque-o fora. Se a tua mão direita te ofende corta-a." E o que o Senhor estava dizendo era basicamente uma espécie de afirmação proverbial, uma declaração de grande exagero verbal para fazer um ponto, e o ponto é este, você lida com o pecado drasticamente. Lida com o pecado dramaticamente, porque o pecado é uma realidade terrível, realmente anti-Deus.

Você se lembra de Provérbios 8:13? Eu me lembro de aprender isso quando menino. Dois versículos que aprendi de Provérbios, Provérbios 9:10 e eu me lembro deles desde a minha infância. "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria e o conhecimento do Santo é prudência". "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria." O lado oposto disso é Provérbios 8:13 "O temor do SENHOR consiste em aborrecer o mal". O temor do Senhor é amar a sabedoria. O temor do Senhor é odiar o mal. "a soberba, a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu os aborreço." Você odeia isso? Você odeia o orgulho? Você odeia a arrogância? Você odeia os maus caminhos dos homens? Você odeia uma boca perversa ou você se acostumou à perversão da boca das pessoas? Você aperfeiçou seus hábitos ao estilo da vida perversa? Você tolera isso? Você não se sente doente em sua presença? Você pode suportar quando está na companhia de alguém que está vivendo uma vida perversa, cuja boca fala coisas perversas, cujo coração está cheio de orgulho e arrogância, ou você acha que essas coisas são tão odiosas para você que como Davi você diz, "Eu vou tirar tal pessoa da minha presença porque eu não posso ser uma vítima do rompimento dos padrões santos de minha própria vida?"

Deixe-me mostrar-lhe outro versículo que pode falar com você sobre esta questão. Judas, aquela pequena epístola, logo antes do livro de Apocalipse, o versículo 23 é uma declaração muito muito poderosa e vigorosa e diz no versículo 20 que devemos nos edificar sobre a nossa fé santíssima. E no versículo 21 diz "guardai-vos no amor de Deus". Em outras palavras mantenha-se banhados no amor de Deus. Continuem vivendo uma vida de santidade, uma vida de amor.

E quando você estender a mão, versículo 22, Tenha compaixão. Quando você vê pessoas necessitadas, seja compassivo, e o versículo 23 diz, "sede também compassivos em temor." Em outras palavras, quando você alcança para redimir um pecador você faz isso com um senso de temor. Por que? "salvai-os, arrebatando-os do fogo; quanto a outros, sede também compassivos em temor, detestando até a roupa contaminada pela carne." E a palavra para a roupa aqui é uma palavra interessante, é a palavra que tem a ver com o vestuário interior, a roupa de baixo, se você quiser o chiton, que era usado junto da pele, o manto interior, o símbolo de tudo o que tocava a carne.

E o que Judas está dizendo é que, quando você mesmo sai para o mundo para alcançar alguém para Cristo, quando você alcança com o evangelismo, você tem que perceber que precisa ter um temor saudável, você precisa perceber que você deve odiar tudo o que é manchado, que é tocado pela impureza do mundo. Então você a arrebata como um farelo do fogo, para que sua própria roupa não seja manchada ou respingada.

É um aviso muito sério. Quer dizer, é como as pessoas que trabalham em hospitais que são muito sensíveis à nova estirpe de doença que chamamos de AIDS e que conhecem seu caráter infeccioso e fatal, que têm de lidar com as pessoas que a têm, e ainda viver com medo das consequências de até mesmo se aproximar dessa doença. E assim é na dimensão espiritual, odiamos o pecado e odiamos qualquer um que vive uma vida de pecaminosidade desafiadora contra Deus, no sentido de que odiamos seu pecado embora os amemos como uma pessoa perdida. E quando chegamos a essas pessoas tem que ser com um grande sentimento de temor para que não sejamos manchados por seus pecados, para que ao chegar tão perto deles alguma poluição em sua vida nos manchasse alguma infecção de sua doença fosse nos pegar.

Aparentemente havia um homem que viajou com o apóstolo Paulo que não foi capaz de lidar com esta questão. Seu nome era Demas e embora ele fosse tão próximo a Paulo, o melhor dos homens, ele abandonou Paulo porque ele amava este mundo presente. Ele não poderia ser um missionário eficaz. Ele não poderia ser um evangelista eficaz, porque quando se aproximou do sistema, isso provocou o pior dele e em vez de mudá-lo, ele foi mudado pelo sistema.

E assim nós odiamos o pecado porque sabemos o que ele pode fazer, o quão determinante ele pode ser. Como um escritor disse há muito tempo "Nossa única segurança contra o pecado é ficar chocado com isso e quando deixamos de ficar chocados com ele não estamos seguros contra as suas incursões em nossa consciência". E eu ouso dizer que na sociedade em que vivemos é difícil ficar chocado por qualquer pecado não é mesmo? Nós nos acostumamos com tudo isso, mas devemos odiar o pecado. Essa é a palavra da Escritura para nós.

      Apenas duas outras escrituras que gostaria de chamar a sua atenção, há tantas. Podemos olhar para Amós 5:15 onde Amós diz "Aborrecei o mal, e amai o bem." E você se lembra de Miquéias? Miquéias pregou juízo contra os líderes de Israel no capítulo, eu acho - não me lembro exatamente o capítulo, mas ele disse isso "O problema com vocês é que vocês odeiam o bem e vocês amam o mal." Eles tinham acabado de inverter isto. Em 1 Tessalonicenses você se lembra do capítulo 5 versículo 22? "abstende-vos" do que "de toda forma do mal". E não é - não é a idéia de que algo parece ser mal e não é. O que significa é que assim que o mal aparecer saia. Saia. Não permaneça. Quando você ouve uma boca perversa ou vê um caminho mal saia. Tão logo apareça, saia e não fique por perto tempo bastante para saber se é mal ou não. Se houver alguma dúvida continue no seu caminho.

Você quer ouvir uma das mais belas descrições do Salvador em Hebreus 1 versículo 8? "mas acerca do Filho:" Este é o Pai que fala ao Filho, "O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino. Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos teus companheiros." Jesus foi exaltado acima de tudo porque tinha um amor puro pela justiça e um ódio puro pelo mal. Tod cristão precisa ver a infinita beleza da santidade e a infinita maldade do pecado.

Agora, como sabermos o que entendemos por mal? Bom, não é muito difícil descobrir. Deve ser óbvio para todos nós, mas no caso de você estar preso a uma definição, deixe-me sugerir algumas coisas. Volte por um momento ao livro de Provérbios capítulo 6 e vamos descobrir o que o Senhor odeia. Tudo bem?

Ele odeia o mal. Vamos descobrir o que Ele odeia, e aqui em Provérbios 6, temos uma boa visão desse começo no versículo 16. "Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina:". Sete coisas que o Senhor odeia. "Olhos altivos." Você odeia o orgulho. Você realmente odeia? "língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmãos."

Agora, o Senhor odeia o orgulho, odeia mentiras, odeia assassinatos, odeia esquemas perversos de qualquer tipo, atos imorais, pés que correm ansiosamente para o mal que tramam. Ele odeia aqueles que falam falsamente e aqueles que criam discórdia, desunião, tumultos e problemas. Essas são as coisas que o Senhor odeia e pode haver outras listas chegando a essas coisas de ângulos diferentes.

Mas por um momento olhe para o primeiro capítulo de Isaías e teremos outro olhar sobre isso. O Senhor está condenando Seu povo, Ele está condenando Judá e Jerusalém. No versículo 12 diz "Quando vindes para comparecer perante mim, quem vos requereu o só pisardes os meus átrios?" Você pode imaginar isso? Deus diz ao Seu povo "Quem te pediu para vir? Eu te disse para vir?" A implicação é que ninguém lhe perguntou, nem eu nem ninguém. "Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e também as Festas da Lua Nova, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniqüidade associada ao ajuntamento solene. As vossas Festas da Lua Nova e as vossas solenidades, a minha alma as aborrece; já me são pesadas; estou cansado de as sofrer. Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue. Lavai-vos, purificai-vos".

Você sabe o que Deus odeia? Falsa religião. Falsa religião. Não é difícil descobrir qual é o mal que Deus odeia, e qualquer um que queira viver a vida cristã, começa com um dever prático muito simples e esse dever prático é odiar o mal e odiá-lo constantemente, odiá-lo em todas as suas formas, e odiá-lo não só quando está evidente, mas mesmo quando começa a se assemelhar, odiá-lo, abster-se dele, ficar longe dele e não fazer nada que possa ser confundido com o mal. Não há lugar para isso, e isso entristece meu coração, saber que em nossa sociedade as pessoas são basicamente entretidas pelo mal. Ninguém é realmente obediente a isso, e esta é uma nota importante. Ninguém é verdadeiramente obediente a esta ordem que apenas teme a conseqüência do mal. Você ouviu isso? Ninguém é verdadeiramente obediente a esta ordem que teme apenas a conseqüência do mal.

A questão aqui não é a conseqüência do mal. Um homem verdadeiramente bom apaixonadamente odeia o mal por causa do que o mal não é, por causa do que ele receberá se ele fizer isso. Ele o odeia porque é a sua natureza santa. Ele odeia porque Deus odeia, e ama a Deus, e há algumas pessoas que não odeiam o mal. Eles simplesmente odeiam ter que enfrentar a conseqüência, e isso é muito infantil, muito imaturo, muito egoísta e não é o motivo, enfim, que deveria estar no coração do crente. Um homem bom odeia o mal não porque teme a conseqüência mas porque ama a santidade.

E então ele diz no final do versículo 9 "apegando-se" a palavra "agarrar" é a mesma palavra kollaō usada de um vínculo matrimonial. É uma palavra para significar cola. "Apegue-se ao que é bom, fique preso ao que é bom, não o deixe nunca, não se separe dele." Eles têm todas essas colas novas. Eles fazem grandes ilustrações. Eu os vejo colocar uma gota de cola em um pedaço de metal. Eles colocam outro pedaço de metal sobre ele e levantam um caminhão. Isso é realmente estar preso a essa coisa.

Esteja colado. Fique preso ao que é bom, agathos, inerentemente bom, genuinamente bom, qualitativamente bom. E não é isso que o salmista disse no Salmo 1? "Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios nem se detém no caminho dos pecadores nem se assenta na roda dos escarnecedores." Rapaz, esse é um versículo tão profundo. Você notou isso? "Bem-aventurado o homem que não anda entre os ímpios não fica no caminho dos pecadores não se senta na roda dos escarnecedores" e é exatamente isso o que acontece. Primeiro você caminha, depois pára para ver o que está acontecendo, e na sequencia você toma seu lugar.

Bem-aventurado o homem que não faz nada disso. "Mas o seu deleite está na lei do Senhor e na sua lei" o que? "medita de dia e de noite". Odeie o mal, ame o bem, odeie o mal, ame o bem. Filipenses nos diz como fazer isso, "Finalmente irmãos", 4:8 de Filipenses, "tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe" o quê? "seja isso o que ocupe o vosso pensamento." Qual é a chave? Pense nessas coisas. Pense nessas coisas. É assim que você se apega ao que é bom. Agora, este era o coração de Paulo. Volte comigo por um momento e deixe-me refrescar você de Romanos 7 onde temos a atitude do coração de Paulo. É muito interessante para mim no versículo 15 o que ele diz. Ele é um crente aqui. Ele diz "O que eu faço eu não entendo." Você já se deparou com essa verdade? Às vezes você cometeu um pecado, talvez um pecado de atitude, um pecado de expressão verbal, um pecado de indiferença e você diz a si mesmo "Eu não entendo isso. Eu odeio isso. Não só odeio nos outros mas odeio vê-lo em mim". Essa é a minha. Foi a reação de Paulo. "O que eu faço eu não entendo. Por que eu faço isso? Pois o que eu quero fazer não faço mas o que eu "o quê" odeio eu faço."

Esta é a melhor coisa que sei para indicar um verdadeiro cristão. Um verdadeiro cristão é aquele que odeia o mal e ama a justiça. Essa é a marca. Não é se você, entre aspas, tomou uma decisão. É se você ama a justiça e odeia o mal. Ah, você pode amar a justiça e odiar o mal e ainda fazer o mal. Certo? Isso é o que Paulo está dizendo "Eu não entendo isso. Por que faço o que detesto" diz ele. - Não sou eu. Não é o que eu quero fazer."

O versículo 17 diz "quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim". E é por isso que ele diz "quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim?" Quer dizer, eu acho que cada um de nós como cristãos pode se identificar com essa luta. Você ama a justiça. Você ama as coisas de Deus. Você não gosta de ter uma atitude amarga. Você não gosta de ouvir a si mesmo sendo crítico, julgador, condenador, indelicado. Você não gosta de encher sua mente e seus olhos com coisas que você não deve ver. Não gosta de ter pensamentos que você não deve ter. Você não gosta de ser orgulhoso e egocêntrico. Você não gosta de ser indiferente e você diz a si mesmo, "Eu odeio isso. Por que eu faço isso?" E você diz com Paulo, frustrado, "É o pecado que habita em mim não é o que eu realmente desejo, é esse pecado que está em mim". E você diz "Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?" E você se rende ainda mais ao Espírito Santo, eu espero, para que Ele possa operar em você o que é justo, mas mesmo assim, você almeja pelo dia em que você sairá dessa confusão, certo? Quando você abandonar a carne e seu pecado e for para estar com o Senhor.

E em Romanos 8 ele diz, "gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo." Estamos esperando a redenção do nosso corpo, a libertação gloriosa dos filhos de Deus quando Paulo diz este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, quando formos semelhantes a Cristo.

Assim, Paulo nos ajuda a entender que devemos ser caracterizados como pessoas que em nosso mais profundo e verdadeiro "eu", odeiam o pecado e odeiam o mal mesmo que as coisas que fazemos e que odiamos. E esse é o melhor teste que eu sei para você colocar no seu "eu" para ver se você está na fé. Quando você peca, você odeia isso? É a inclinação do seu coração fazer o que é certo e quando você faz o que é errado é algo que você detesta e odeia, e quer se livrar disso? Essa é a marca, que Paulo diz, que é um princípio do dever cristão.

Assim, em primeiro lugar, amor sem hipocrisia. Em segundo lugar, odiamos o mal e em terceiro lugar, nos apegamos ao que é bom. E Paulo diz no versículo 19 de Romanos 7. "Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço." Mas o que ele diz é o bem que eu prefiro. Apegue-se ao que é bom. Ele quer se unir ao que é bom. Aliás, não há neutralidade aqui. Não há meio-termo. Você quer manter o que é bom ou você se move para o que é mal.

Você diz, "Bom, como eu sei o que é bom?" Bom, isso é muito fácil. Onde estão as coisas boas? Estão na Palavra de Deus. Se você estudar a Bíblia descobrirá o que é bom. Um homem me disse, "Eu vim a Cristo mas" ele disse, "Eu tenho tanto lixo em minha mente. Como faço para colocar isso para fora? Como faço para limpá-la?" E eu disse, "Bom, você tem que ser reprogramado. Veja, você foi programado por um longo tempo e seu cérebro está cheio de sujeira e tem que ser reprogramado, completamente lavado." E a única maneira que pode ser feito, é lavando com a Palavra, não é isto?

Outro elemento de saber o que é bom está no capítulo 12 versículo 2. Lá diz, "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente." E é isso que eu estou dizendo. Quando você deixa o mundo e satura-se com a Palavra de Deus, você terá uma mente renovada, e então você será capaz de provar qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Você vai saber o que é bom quando você começa a ser reprogramado e saturado na Palavra de Deus, porque você não só recebe a Palavra de Deus, mas quem é o que ensina você enquanto você estuda? O Espírito Santo.

Bom, existem algumas bases, de qualquer maneira, para esta noite. O dever cristão começa com um amor puro, um ódio do mal e um apego ao que é bom. Muito simples, não é mesmo? Quer dizer, esses são os aspectos mínimos irredutíveis da experiência cristã, e sei que, em muito de suas vidas, talvez na maioria de suas vidas, se você fizesse um pequeno inventário espiritual agora diria "Sim amo os irmãos." Vocês percebem que uma pessoa que vem a Grace Church e não conhece Jesus Cristo, não sente essa afinidade, esse amor, esse espírito de sacrifício para com o povo de Deus. Em vez disso, há provavelmente uma espécie de - não só uma indiferença, mas um pouco de ressentimento entre essa pessoa e essa comunhão.

Então se você, em seu coração, sente um amor, se você sente uma alegria quando está com o povo de Deus, se deseja alcançar aqueles que estão em necessidade, essa é a indicação de que você está se movendo no caminho do dever cristão aqui. E se ao olhar para a sua vida você puder identificar-se com a luta do apóstolo Paulo e dizer, "Sim quero me apegar ao que é bom, embora nem sempre o faça. Sim, eu odeio o que é mal, ainda que às vezes eu o faça", se os desejos mais profundos de seu coração são amar o povo de Deus, fazer o que é bom, fugir do mal, você está se movendo no caminho certo e tudo o que você precisa fazer é manter-se nesse caminho por gratidão pelo que o Senhor fez por você. Não é isso que Paulo está dizendo?

Com base nas misericórdias de Deus, capítulo 12 versículo 1, apresente seu corpo em sacrifício vivo e siga adiante. E o que isso significa? Isso significa começar a amar ao máximo de sua capacidade pelo poder do Espírito, comecar a odiar o mal de maneira constante como um padrão de vida e se apegar firmemente ao que é bom e nunca se deixar levar pelo que é mal. Viva sua vida inteira com um senso de temor para que não se aproxime demais disso, porque mancha tão profundamente e tão desastrosamente.

Bom, esse é um bom começo e vamos considerar um trecho maior no próximo dia do Senhor. Vamos nos curvar em oração.

Nós Te agradecemos Pai esta noite por apenas nos lembrar de algumas dessas coisas muito básicas. Preciso ser lembrado. Todos nós precisamos. Isso é óbvio por causa de tantas vezes que falhamos. Nós não amamos como devemos. Nós não odiamos o mal. Nós nos entregamos a ele num grau ou noutro. Não nos mantemos firmemente ao que é bom. Nós nos deixamos o bem de lado em favor do mal.

Pai nós Te agradecemos por teu perdão. Senhor queremos viver a vida que te agrada. Queremos fazer as coisas que lhe dão glória. Queremos honrar Teu nome abençoado, e assim, Pai, pedimos que possamos aprender a amar, não na força human,a mas a amar com o amor que é derramado em nossos corações, Teu amor, para que possamos aprender o que é odiar o mal, odiar até mesmo o manto que é manchado pela carne, para evitar qualquer coisa que até mesmo a toque.

E Pai, que possamos aprender a nos unir firmemente ao que é bom, dá-nos um grande amor pelas coisas boas, pelas coisas justas, pelas coisas certas, para que Cristo seja exaltado em nós.

Com a sua cabeça curvada por um momento, você poderia apenas, enquanto começamos a olhar para estas coisas práticas, apenas tipo que fazer uma aliança em seu coração com o Senhor, que você queira tomar estes três elementos muito pessoais de comportamento cristão, e queira que o Senhor os produza em toda a sua plenitude em sua vida. Apenas comprometa-se ao Senhor nesse sentido.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize