Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Bem, vamos abrir nossas Bíblias, para o nosso tempo na Palavra de Deus, capítulo 5 de 1 Tessalonicenses, capítulo 5 de 1 Tessalonicenses. No último dia do Senhor e nesta manhã estamos estudando os versículos 12 e 13. Deixe-me lê-los para você - 1 Tessalonicenses 5:12 e 13. "Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam; e que os tenhais com amor em máxima consideração, por causa do trabalho que realizam. Vivei em paz uns com os outros.”

Estes dois versículos discutem como as ovelhas devem tratar o pastor e como os pastores devem tratar as ovelhas no âmbito da comunhão cristã na igreja. Na semana passada, você vai se lembrar, falamos sobre a responsabilidade dos pastores de ovelhas, como os pastores devem cuidar de suas ovelhas. Essa, claro, foi uma mensagem perto do meu próprio coração como um pastor que tem ovelhas e uma responsabilidade diante de Deus para fazer esse tipo de atendimento. Foi também uma mensagem que reflete todos os nossos pastores e presbíteros na Grace Church.

E enquanto eu estava meditando sobre o que eu disse na semana passada e as responsabilidades, as alegrias, as dificuldades, as provações tribulações, o entusiasmo de ser um pastor, fui lembrado de que há alguns meses Phil Johnson e eu estávamos almoçando e ele me disse, "sabe John você precisa escrever mais um editorial para a revista Masterpiece que está chegando muito em breve; sobre o que você gostaria de escrever no editorial?" E como eu estava comendo o meu sanduíche de frango na rua eu disse, "Você sabe Phil, eu acho que gostaria de escrever um artigo sobre por que eu sou um pastor, apenas para que todos entendam que não importa o perfil que eu possa ter no mundo exterior, o coração de tudo é pastorear e foi para isso que Deus me chamou e é isso que realmente sou.”

E ele disse "Bem como você faria isso?" Eu disse "Bem o que me diria se eu escrevesse um artigo sobre dez razões pelas quais eu sou um pastor?" E eu impulsivamente disse "dez". E ele disse "Bom, você pode pensar em dez?" E eu disse, "Eu aposto que posso. Você tem um lápis?" E então ele começou a escrever enquanto eu articulava dez razões pelas quais eu sou um pastor. Bom, aquilo se tornou um artigo que saiu na última edição da revista Masterpiece, na seção editorial, onde eu sempre escrevo um artigo.

Meu pensamento foi originalmente estimulado quando eu li a biografia de Jonathan Edwards escrito por Ian Murray e aprendi sobre todas as mágoas pessoais que tivera em sua igreja. Ele pastoreou uma igreja; eles votaram e o chutaram para fora. Depois de todo esse tempo de um ministério profundo e abençoado - Jonathan Edwards ainda foi o líder chave no Grande Despertamento Americano, o maior avivamento que jamais atingiu esta nação. Sua igreja não parecia levar isso em conta.

E embora eu esteja no vigésimo segundo ano, não antecipo tal destino, sei o que é sofrer críticas. Eu sei o que é ser o tema constante de acusação tanto dentro da igreja como fora da igreja. Houve momentos, acredite, em mim quando deixar a igreja me era atraente. E ne fazem quase que uma consulta constante, "Por que você não deixa Grace Church e faz outra coisa?" Mas eu nunca contemplei seriamente tais sugestões porque eu amo o meu chamado de Deus, eu amo o meu lugar e eu amo minha gente. Continuo totalmente plenamente comprometido com o dever de um pastor. E há uma série de razões. Deixe-me apenas ensaiar para você brevemente essas dez razões pelas quais eu sou um pastor ou porque eu sou um pastor.

Número um, a Igreja é a única instituição que Cristo prometeu construir e abençoar. Ele disse "Eu edificarei a minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela." E eu sou grandemente confortado e cheio de confiança no fato de que sou uma parte da maior instituição sobre a face da terra, a igreja local, e sou grato por ter uma pequena parte da nossa grande obra de construção da igreja do Senhor.

Em segundo lugar, eu sou um pastor porque as funções corporativas do corpo, todas elas, têm lugar na igreja. Tão logo você se mova para fora da igreja você se divorciar do local de celebração, o local de culto, o lugar da mesa do Senhor, o lugar do batismo, o lugar de encorajamento, o lugar da edificação, o lugar da instrução. E se vamos para onde, como o salmista disse, podemos adorar e nos inclinar, tomar da mesa do Senhor, chegar às águas do batismo, sermos alimentados, ensinados, nutridos, discipulados e desfrutar as riquezas da comunhão, tudo isso acontece na igreja local.

Em terceiro lugar, eu sou um pastor porque a pregação é o principal meio que Deus usa para dispensar Sua graça. O apóstolo Paulo ordenou a Timóteo para pregar a Palavra. É através da Palavra pregada, através do anúncio da Palavra que as pessoas são edificadas, erguidas, encorajadas, fortalecidas, motivadas, confrontadas, condenadas, repreendidas, reprovadas e restauradas. Tenho o privilégio a cada domingo de proclamar a mensagem de Deus uma vez pela manhã e outra à noite. E para ser realmente honesto com você, a razão pela qual temos um culto à noite de domingo é simplesmente porque nós queremos mais uma oportunidade para proclamar a verdade e todas as coisas que a acompanham.

Em quarto lugar, eu sou um pastor porque eu posso ser consumido com o estudo e comunhão com Deus toda a minha vida. Eu odiaria ser envolvido na administração de alguma organização onde eu ficasse preso nas minúcias, trivialidades e os detalhes das coisas que estão além da Palavra de Deus, porque eu sou consumido pelas coisas da Escritura. Alguém me perguntou isso na semana passada "O que motiva você?" E eu disse "É o meu amor pela Palavra de Deus; isso é o que me motiva." E o fato de que eu posso passar minha vida inteira fazendo o que eu amo fazer, é para mim uma grande emoção. Eu estava falando com um jogador de beisebol profissional há algumas semanas e eu disse "O que você gosta de melhor do que você faz?" E ele disse "O que eu mais gosto é estar fazendo o que eu amo." Assim sou eu.

Na verdade o que eu amo fazer é me deixar levar pela constante comunhão pessoal, privada com Deus nas páginas da Escritura. O Dr. Rosscup, no seminário, faz parte de nossa faculdade escrevendo um livro sobre pregação expositiva sobre o qual estamos muito animados. E ele está escrevendo um capítulo sobre a oração e a pregação expositiva e ele me escreveu uma pequena nota, e na nota ele disse "Você me escreveria um parágrafo ou algo assim sobre como a oração entra na sua preparação?" E eu fiquei feliz de escrever o rascunho disso, que está na minha mesa à espera de ser revisada no dia seguinte ou algo assim e para dizer que a realidade da oração é absolutamente inseparável do exercício da preparação.

Não posso, no processo de preparação, me divorciar de uma conversa com Deus, enquanto busco conhecer Sua mente, Seu coração, Sua vontade e aplicá-las ao meu coração o que quer eu esteja estudando, aprendendo e pregarei mais cedo ou mais tarde. Você vê o meu lado público, mas há um lado pessoal para mim que Deus sabe e só Deus sabe. Você me vê por duas horas no domingo, uma de manhã e uma à noite, se você realmente é espiritual. Você me vê por apenas uma hora, se você não é. Isso sequer chega perto das 30 horas, pelo menos, que eu gasto em comunhão pessoal para preparar uma ou duas horas que você me vê. Essa é a alegria, o amor, a paixão do ministério.

Em quinto lugar, eu sou pastor porque sou diretamente responsável diante de Deus para com a vida das pessoas que Ele me deu para pastorear. E eu amo essa prestação de contas. Não me importo de ser professor no rádio. Não me importo de escrever livros. Eu não me importo de enviar minhas palavras a pessoas que não conheço, se elas me ouvem no rádio, se ouvem uma fita ou lêem um livro. Mas eu tenho um relacionamento com o meu povo como a de um pastor com as ovelhas e tenho o privilégio e o chamado de Deus para cuidar de suas almas como alguém que vai dar contas a Deus. E a única maneira que eu posso cumprir esse chamado é numa igreja local. Eu não posso ser responsável pelas almas de pessoas em um programa de rádio. Eu não posso ser responsável pelas almas das pessoas que me escutam em uma fita ou lêem um livro. Eu só posso ser responsável diante de Deus pelas almas das ovelhas em meu próprio rebanho. E para isso fui chamado e a isso desejo ser fiel.

Em sexto lugar, eu também sou responsável perante o povo da minha igreja. Não só vou prestar contas a Deus pelas pessoas em minha igreja, mas sou responsável perante o povo da minha igreja para ser fiel a Deus. Tudo é exposto a você. Depois de quase 22 anos - vou completar o vigésimo segundo aniversário em 09 de fevereiro - mas em todos estes anos está tudo aí para você ver; Tudo está exposto aí. Minha esposa, meus filhos, minha vida familiar, meus pontos fortes pessoais, minhas fraquezas pessoais, as coisas que eu amo, as coisas que eu odeio, o estilo de vida que eu vivo, tudo está aí e eu estimo essa prestação de contas.

Você diz, “Por que?” Porque isso me mantém seguro - me segura onde eu preciso ser segurado. É um incentivo constante para mim refletir Cristo em tudo o que digo e faço porque essa é a única maneira que eu posso embasar uma mensagem. As pessoas podem me ouvir no rádio, elas não têm idéia de como eu amo. Podem ouvir uma fita, podem ler um livro, mas elas não têm idéia de como é minha vida. Mas vocês têm, e eu sei que vocês têm, e esse tipo de prestação de contas é muito muito bom para mim.

Número sete, sou pastor porque eu amo o desafio de construir uma equipe de liderança eficaz com as pessoas que Deus colocou na igreja. Eu realmente acredito que ser um líder eficaz na igreja é o empenho mais desafiador que existe na face da terra. Há uma série de razões. Uma delas, por exemplo, é quando você inicia um negócio ou uma empresa e você quer ser bem sucedido, você pode contratar quem quiser. Mas quando você constrói uma igreja você tem que trabalhar com o que Deus lhe dá. Isso é muito diferente - muito diferente. E é uma organização voluntária. Você não só toma o que Deus dá, mas dispõe das pessoas que Deus dá, aquilo que estão dispostas a dar. E é a esse tipo de desafio que você é chamado para construir uma equipe de liderança que pode fazer avançar o Reino de Deus.

E francamente, eu não estou dizendo isso para causar desespero, mas quero que você saiba que a Bíblia diz "não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento" 1 Coríntios 1:26. Somos basicamente pessoas comuns do mundo, não somos? E agradeço a Deus continuamente por não ter-me colocado em algum tipo de igreja elitista. Eu nunca quis pastorear uma igreja composta de elite. Eu queria uma igreja que fosse o corte transversal do conjunto do corpo de Cristo onde haveria apenas uns poucos que seriam considerados poderosos e nobres e a maioria de nós seria apenas pessoas fiéis. Vejo-me entre eles e tem sido uma tremenda alegria ver o Espírito de Deus construir uma equipe de liderança e fazer avançar Seu Reino através da nossa igreja. E que desafio é esse.

Número oito, Eu sou um pastor porque o pastorado abraça toda a vida - toda a vida. Eu não sei sobre vocês mas eu amo aventura e a variedade. E se você quiser uma vida de aventura e variedade seja um pastor. Não existem dois dias que sejam iguais. Não há dois dias que sejam os mesmos. Eu não fui feito para trabalhar em uma linha de montagem. Eu estaria em algum lugar debaixo de uma esteira recitando o alfabeto grego em algumas semanas se eu estivesse trabalhando em uma linha de montagem; me deixaria maluco. Minha mente gravita pela variedade e isso é porque Deus me projetou para isso. E isso é verdade no ministério. Ele abrange toda a vida. Eu posso compartilhar a alegria dos pais sobre o nascimento de uma criança. Eu posso compartilhar a dor dos pais sobre a morte de uma criança. Eu posso compartilhar a alegria de um casamento. Eu posso compartilhar o consolo necessário em um funeral.

A gama da vida é exposta ao pastorado. Todas as alegrias, euforias, momentos da vida felizes, todas as tragédias, dificuldades provações e dores da vida; é uma aventura incrível que pode começar a qualquer momento, porque a qualquer momento alguam coisa incomum acontece, e eu estou de alguma forma envolvido nisso. É uma alegria ir além do sermão, que é uma parte previsível do ministério, para a parte imprevisível, enquanto você fica na brecha por Deus no lugar de Cristo na vida das pessoas.

Sou um pastor por duas outras razões. Número nove, eu tenho medo de não ser um pastor. E essa é a verdade. Quando eu tinha 18 anos Deus me jogou para fora de um carro indo a mais de 100 quilômetros por hora. Caí de costas e deslizei por cem metros na calçada. Pela graça de Deus não morri, e pela graça de Deus eu estava comprometido em me tornar um pastor, porque antes que eu soubesse o Senhor tinha me chamado para isso. Eu estava sendo rebelde, e decidi que se o Senhor fosse lutar desse jeito, eu cederia e seria um pastor ou qualquer outra coisa que Ele quisesse que eu fosse. Toda vez que eu coço minhas costas sinto as cicatrizes porque elas ainda estão lá para me lembrar que eu deveria ser fiel ao pastorado. Mas tudo bem.

E finalmente eu sou um pastor porque as recompensas do pastoreio são absolutamente maravilhosas. Eu tenho que lhe dizer que me sinto amado, me sento apreciado, sinto-me necessário, sinto-me confiável, todas essas coisas. Por quê? Não por causa de mim, mas porque ser um instrumento de Deus muda a vida das pessoas. Quando Deus usa você para pregar Sua Palavra, ensinar Sua Palavra, aplicar a Sua Palavra, a vida das pessoas muda e você tem a sensação maravilhosa, maravilhosa do sentido à vida. A vida é tão valiosa para mim por causa do que Deus usa para realizar.

Eu sei que você ora por mim. Sei que você se importa comigo. Eu sei disso. Tenho uma dívida de gratidão para com Deus por isso, porque eu não sou digno, mas eu entendo isso. Isso passa pelo território de ser um canal através do qual a graça de Deus pode fluir para as pessoas. Embora seja Deus fazendo tudo isso e o Espírito de Deus fazendo tudo, na medida que a gratidão retorna a Deus, de alguma forma ela passa através do canal por onde veio. Isso é uma realidade maravilhosa e emocionante.

Quando tudo é dito e feito, a alegria e satisfação de ser um pastor é a resposta, bem como o amor mútuo que as ovelhas e o pastor compartilham. Eu quero que você saiba que em todos os anos que eu estive aqui eu nunca ministrei sem alegria, eu nunca ministrei sem satisfação, eu nunca ministrei sem amor, vocês sempre incentivaram o meu coração. E tem sido a resposta da ovelha para com o pastor que fez este ministério tão emocionante para mim. Acho que ninguém no ministério diria isso. Com todas essas dez coisas que lhe dei a conclusão é esta, estou no ministério porque as recompensas são tão grandes, são eternas e eternamente o valor de uma relação entre um pastor e suas ovelhas - que grande verdade!

Suponho que todos os pastores neste rebanho, todos os anciãos desta igreja concordam que a alegria do ministério está ligada à atitude da ovelha para com o pastor. Quando Deus transmite Sua verdade através de mim para você, e você responde com gratidão através de mim para Ele, isso é uma tremenda alegria. Vou lhe dizer, nem todos experimentam isso. As calçadas de muitas igrejas são enegrecidas com as marcas de derrapagem das saídas precipitadas de pastores que foram abusados e surrados por um povo ingrato e sem coração. Que não é o meu caso.

Mas ele levanta a questão para nós no texto, como os pastores devem ser tratados? Como você deve tratar o pastor? Agora, prego esta mensagem com um pouco de relutância, porque alguém vai certamente dizer, "Bom, alguém deve estar atrás de John para que ele pregue esta mensagem para endireitá-lo." Não é verdade. Você sabe que isso só aconteceu porque chegamos no capítulo 5 no versículo 12 e 13, certo? E você sabe que somos compelidos pelo plano de Deus não por alguma agenda pessoal minha.

Como as ovelhas devem tratar os pastores? Na semana passada foi como são os pastores devem tratar as ovelhas? E eu disse a vocês que poderiam viver irresponsavelmente por mais uma semana - tempo acabou. O tempo acabou. É isso aí, pessoal. Aqui está sobre a responsabilidade das ovelhas para com os pastores. Agora para algumas pessoas nem sequer pensam sobre isso. Às vezes esse assunto é um pouco mais do que uma piada. Como o pastor que ficou literalmente incomodado pela distração de um homem que caia no sono todos os domingos durante seu sermão. E o homem era um membro proeminente da igreja. E ele dormia durante todo sermão. Finalmente o pastor decidiu "Eu não me importo se ele é proeminente, não me importo se ele é um grande doador eu tenho que enfrentá-lo." E ele disse "Por que o senhor cai no sono quando estou pregando meu sermão? Isso mostra uma falta de respeito.” Ao que o homem respondeu "Você acha que eu ia dormir se eu não confiasse em você?" Veja, eu não preciso desse tipo de confiança, se o mesmo acontece com você.

Como as ovelhas devem tratar os seus pastores? Como as ovelhas devem tratar seus pastores? O seguinte artigo intitulado "Como se livrar de um Pastor" apareceu no boletim de uma igreja. Escute isto. "Não muito tempo atrás um grupo bem-intencionado de leigos veio de uma igreja vizinha para me ver. Eles queriam que eu os aconselhasse sobre algum método conveniente e indolor de se livrar de seu pastor. Receio porém que não fui de grande ajuda para eles. Na época eu não tive a chance de dar à matéria uma reflexão mais séria. Mas desde então eu ponderei a questão como sendo de grande importância e da próxima vez que alguém vier para um aconselhamento sobre como se livrar do pastor aqui está o que eu vou dizer-lhe.

“Primeiro, olhe o pastor diretamente nos olhos enquanto ele está pregando e diga 'amém' de vez em quando e ele vai pregar para si mesmo até a morte. Segundo, bata-lhe nas costas, elogie seus pontos positivos e ele provavelmente vai trabalhar para si mesmo até a morte. Terceiro, dedique sua vida a Cristo e peça ao pregador algum trabalho para fazer, de preferência algumas pessoas perdidas que você poderia ganhar para Cristo e ele vai morrer de insuficiência cardíaca. Quarto, leve a igreja a se unir em oração pelo pastor e ele logo vai se tornar tão eficaz que uma igreja maior vai arrancá-lo de suas mãos.”

Isso levanta algumas questões vitais quando pensamos sobre isso; como devemos tratar o pastor? Uma pesquisa com 3.000 igrejas, pastores e leigos incluídos na pesquisa, fea a pergunta "Quais são as principais razões para as pessoas abandonarem a igreja?" Uma das respostas mais comuns foi "Eu não gosto do pastor." Qual é o nosso dever? Vamos voltar ao nosso texto. Já vimos a responsabilidade dos pastores para com suas ovelhas e observamos que eles devem trabalhar entre as ovelhas em primeiro lugar. Em segundo lugar eles devem exercer autoridade sobre as ovelhas. Eles devem dar instrução para as ovelhas. Nós cuidadosamente delineamos essas três coisas.

O primeiro ponto, trabalhar entre as ovelhas você vai notar isso no verso 12 "Aqueles que trabalham diligentemente entre vós" pastores, presbíteros, bispos, pastores, devem trabalhar duro. Trabalhar até ao ponto ponto de exaustão em uma vida de sacrifício e serviço junto com as ovelhas. Total dedicação é visto ali. Esse é o papel do servo de humildade. Em seguida, note por favor, também presidem sobre vocês no Senhor. Eles têm autoridade sobre as ovelhas em virtude do chamado do Senhor. Por amor a Ele, por Sua vontade, para a Sua glória que deve presidir, dirigir e liderar. Em seguida, no final do versículo 12 eles devem dar-lhes instrução, instrução para as ovelhas. O ensino é o elemento principal. Eles devem ser professores qualificados; hábeis em delinear e divulgar a Palavra da verdade.

Agora vamos para a responsabilidade das ovelhas aos seus pastores. E isso é muito, muito básico. Quer dizer a igreja tem que saber isso. Isto é fundamental em nosso relacionamento. Às vezes as ovelhas pode ser muito duras com os pastores. Alguém disse "Achamos que as ovelhas são pequenas criaturas fofas, porque as únicas com que lidamos são empalhadas." Isso é verdade. Se você já trabalhou com ovelhas, e eu fui exposto a elas apenas o suficiente para saber que são fracas, indefesas, desorganizadas, propensas a vagar, exigentes, sujas e têm cascos afiados. E quando o Senhor estava descrevendo-nos como ovelhas Ele estava falando sobre ovelhas como ovelhas e não ovelhas como animais empalhados.

A ovelha pode tornar a vida sem alegria para o pastor se não cumprir seu dever. Elas podem tornar a vida miserável se não forem obedientes. Então vamos olhar para as três características ou princípios que somos intimados como ovelhas para com nossos pastores.

Número um, acatar com apreço os seus pastores. O versículo 12 diz "Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam". A palavra "acatar com apreço" por um momento é eida no grego; que significa "saber". É uma palavra comum utilizada em todo o Novo Testamento para "saber". Mas significa o tipo de conhecimento que vem pela experiência; ter aprendido a conhecer, ter chegado a conhecer por experiência, chegar ao conhecimento. E aqui ele tem a idéia de um conhecimento profundo, um conhecimento que inclui nele respeito e apreço; conhecer e valorizar é a implicação aqui. Talvez a melhor tradução é a palavra "apreciar." Outra poderia ser que você valoriza aqueles que trabalham entre vocês, que respeitem aqueles que trabalham entre vocês.

Isso não significa saber seus nomes, não esse tipo de conhecimento simplista. Isso não significa saber apenas os nomes de seus filhos, ou de sua esposa, ou seu código postal, ou onde moram, ou a escola que se formou, ou que tipo de carro dirigem ou seja lá o que for. Isso significa que você alcançou um conhecimento pessoal profundo e íntimo que leva à apreciação. Vocês o conhecem bem, o suficiente para se preocupar com ele. Essa palavra "conhecer" é às vezes traduzida para se referir ao ato físico entre um homem e uma mulher o tipo de profundidade do conhecimento, o tipo íntimo de conhecimento, onde um homem conhece uma mulher e ela se torna a portadora de uma criança. É a sensação de conhecer alguém e a dignidade desse alguém.

Constantemente recebo comentários de pessoas que me ouvem pregar. Muito, muito frequentemente eles me dizem, "Eu sinto como se o conhecesse. Eu nunca fui pessoalmente familiarizado com você eu não passei muito tempo com você mas eu sinto que eu conheço." E o que eles estão realmente dizendo é que por terem escutado por tanto tempo o derramamento do coração do pregador, há um sentimento de que você conhece essa pessoa. E eu sempre respondo dizendo, "Bem se você estiver me ouvindo você me conhece porque o que você está ouvindo é o que eu sou." Eu não sou o que pareço. Na verdade eu digo às pessoas o tempo todo quando me encontram e dizem, "Ah, eu escutei você no rádio por anos.” Eu digo "Eu sei que pareço melhor no rádio." Não é uma questão do que eu pareço. Você não me conhece por saber o que eu pareço; você me conhece por saber o que eu sinto, certo? Você me conhece por saber o que sai do meu coração. Você me conhece conhecendo as paixões da minha vida.

É fácil ser cruel, é fácil de ser crítico e é fácil ser indiferente para com alguém que você não conhece profundamente e intimamente. Mas quando você conhece alguém e você chega a conhecê-la pela experiência e você entende a paixão do seu coração há um certo respeito que nasce desse tipo de conhecimento. E assim cabe a vocês a incumbência de conhecer seus líderes. Se vocês os respeitarem, apreciá-los, admirá-los, compreender o seu valor, isso significa que vocês os conhecerão melhor. E então quando vocês os conhecem vocês lhes mostram respeito.

Agora, eu preciso dizer que isso tem algumas conotações relativas ao apoio financeiro e de novo eu quero dar um aviso. Eu não quero um aumento, não vou aceitar um aumento, eu não estou pedindo um aumento. Mas é importante você saber que a ligação no texto implica que este assunto de apreciação consiste em dar apoio financeiro. Para lhe mostrar isso, você só precisa dar uma olhada em 1 Timóteo 5:17, brevemente lá onde ele diz, "Os presbíteros que presidem bem" - aqueles que o fazem com excelência - "Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários...com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino.”

Agora aqui estão presbíteros regentes, eles são homens dignos. Sua dignidade requer dupla honra, time. Agora o que isso significa? Bem isso pode significar respeito. Pode significar alta consideração. Mas no contexto aqui mostra que ele inclui pagamento. Ele acabou de considerar nos versículos anteriores, versículos 3-16, o apoio às viúvas; agora ele discute o apoio aos ministros, pastores. E ele está dizendo que se eles governam bem eles são dignos de dupla time. Aliás, em diversas ocasiões no Novo Testamento - Mateus 27:6 e 9, 1 Coríntios 6:20 - a palavra time está associada com o dinheiro. E assim ele está dizendo para lhes pretar respeito e remuneração, e fazer isso de maneira dobrada: dupla honra, duplo respeito e remuneração generosa. Por quê? Porque você está recompensando os anciãos que presidem bem, aqueles que são diligentes, anciãos fiéis; eles são dignos. Eles merecem isso.

E a propósito, como uma nota de rodapé não há ninguém melhor para ser confiável do que um homem piedoso com os recursos que você dá a ele. Em que melhores mãos você poderia colocar isso senão na de um homem de Deus que o utilizará para a glória do Senhor? E no final do versículo, "com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino" - aqueles que trabalham duro na Palavra – confie neles com o dinheiro de Deus. Recompense-os. Mostre a sua honra para com eles de uma forma tangível.

Portanto há uma espécie de fluxo aqui. Anciãos são dignos de honra. Anciãos são dignos de honra com remuneração. Anciãos, excelentes, e trabalham duro são dignos de dupla honra; presbíteros excelentes e que trabalham duro na pregação e ensino são particularmente dignos de respeito e remuneração. Assim todo pastor fiel deve ser apreciado, respeitado, admirado, honrado, e apoiado. Há um versículo muito simples que afirma isso. Volte lá em 1 Coríntios 9 - e vamos mais rapidamente nos próximos dois pontos - mas volte em 1 Coríntios 9 - Não vou ter tempo para insistir nesse ponto. Há um princípio no versículo 14, 1 Coríntios 9:14, que ele resume. "Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho." Aqueles que proclamam o evangelho devem obter seu sustento do evangelho. Isso significa que se você passar a vida fazendo isso você está a ser mantido no que você está fazendo. Então agora você pode voltar novamente ao nosso texto em 1 Tessalonicenses capítulo 5.

A primeira coisa que a congregação deve dar aos líderes, os anciãos, os pastores é o respeito que incorpora o cuidado na remuneração - para sustentá-los, dar-lhes honra em dobro, serem generosos, não oferecendo apenas um mínimo de modo que fiquem sempre na raspa, mas mostrando grande generosidade, respeito e admiração para com eles sabendo que vão ser bons administradores do que vocês lhes dão. Qual é a responsabilidade da congregação? Respeito, admiração, honra, apreciação.

Em segundo lugar - e isso se baseia extamente sobre isso - estime-os. Ele diz isso no versículo 13 "e que os tenhais com amor em máxima consideração, por causa do trabalho que realizam." Agora isso é muito parecido com o primeiro ponto, não com muita diferença; estima hēgeomai significa considerar ou respeitar; pensar. Significa ir um pouco mais a fundo do que o primeiro dever, porque ele diz que você de estimá-los como? - da maneira mais elevada. Você sabe o que está no grego? Além de qualquer medida - além de qualquer medida. E em seguida a palavra-chave "com amor - com amor por causa da sua obra" Não por causa de sua personalidade - isto não é um concurso de personalidade - por causa do seu trabalho. Você deve considerá-lo além de qualquer medida. Você deve considerar um pastor fiel além de qualquer medida. O ponto é que não há limite. Não há limite para o respeito que você deve ter para com esse homem para com o amor que você deve ter para com esse homem. Você deve amar esse homem.

O que o amor significa? Significa serviço sacrificial a ele. Significa afeição por ele. Não por causa de sua personalidade, não porque ele prestou favores a você, mas por causa do seu trabalho - porque ele ministra a você a Palavra de Deus, porque ele alimenta sua alma carente. Em Gálatas você vai notar no capítulo 4 e versículo 14 que Paulo diz, "posto que a minha enfermidade na carne vos foi uma tentação, contudo, não me revelastes desprezo nem desgosto." Paulo tinha alguma condição física que o tornou repulsivo e ele diz "não me revelastes desprezo nem desgosto." não havia nada atraente sobre o homem, absolutamente nada. "não me revelastes desprezo nem desgosto. antes, me recebestes como anjo de Deus, como o próprio Cristo Jesus.”

Este é o espírito. Essa é a atitude. Não importa a personalidade, não importa como possam ser as coisas se não são bem-vindas, tais como alguma doença repugnante "me recebestes como anjo de Deus, como o próprio Cristo Jesus." E então ele diz no versículo 15 "se possível fora, teríeis arrancado os próprios olhos para mos dar." pode ter sido, alguns pensam, que era algum tipo de doença feia, de corrimento ocular. E ele diz "se possível fora, teríeis arrancado os próprios olhos para mos dar.”

Agora, essa estima vai além de qualquer medida. "Vocês me amaram apesar de estar repugnante em minha condição. Vocês me amaram apesar do fato de eu não ser nada que se admirasse. E vocês teriam arrancado seus próprios olhos por mim "- esse tipo de amor sacrificial. Em Gálatas você será lembrado, não vai?, que enquanto Paulo escreve a carta, ele realmente está dizendo a eles "Era assim que costumava ser; o que aconteceu que mudou isso?" E ele escreve de forma a estar com o coração partido. "O que aconteceu que mudou tudo? O que eu fiz para fazer você mudar o seu amor?”

As ovelhas sdevem então tratar com apreço. Mais do que isso, não só devem prestar respeito e remuneração por aqueles que eles sabem ser seu pastor, mas também devem amar o pastor, além de qualquer medida, ao ponto de qualquer sacrifício pessoal. Por quê? Não por causa de sua personalidade mas por causa de seu trabalho. Eles foram chamados por Deus. Eles foram separados para uma obra especial e as pessoas devem apreciá-los e reconhecer em amor esse trabalho a que foram chamados para fazer. Ouça a João 13:20 "Em verdade, em verdade vos digo: quem recebe aquele que eu enviar, a mim me recebe; e quem me recebe recebe aquele que me enviou." Quando você recebe o pastor você está recebendo o Grande Pastor que o enviou, o Deus que enviou o Grande Pastor em amor.

Você estima seus anciãos, seus pastores e sua estima para com eles não tem limites. Seja qual for o nível de apreciação que você tem agora, aumente-o em amor. Vocês devem amá-los por causa do que eles fazem. E se vocês não fizerem isso estarão em desobediência a estas palavras diretas da Escritura. Esse amor significa que você procura o seu melhor. Esse amor significa que você ignora suas fraquezas e fragilidades. Esse amor significa que você fala bem deles. Esse amor significa que você os incentiva. Esse amor significa que você os reconhece como homens chamados por Deus que trouxeram a você a verdade.

E finalmente, em terceiro lugar, ele diz no versículo 13 "vivei em paz uns com os outros." Essa é a terceira coisa submetam-se a seus pastores. Não há nada mais lamentável, mais perturbador, mais difícil, mais doloroso do que a discórdia na igreja. Esse conceito de viver em paz uns com os outros é uma exortação muito familiar no Novo Testamento. Sabemos disso. Está em todo o Novo Testamento e você pode encontrá-lo em Romanos 14:19, em 2 Coríntios 13:11, em Efésios 4:3, Colossenses 3:15, Tiago 3:18 – insistentemente o Novo testamento convoca para a paz. Mas aqui é muito específico. Aqui é neste contexto da relação entre a ovelha e o pastor e que deveria ser pacífica. Submeter-se a seus pastores é o ponto. Submeter-se. Sem conflitos. Eliminar o conflito. Obviamente isso pressupõe um pastor fiel. E onde um homem é fiel em fazer o melhor que pode com a força do Espírito de Deus você deve se submeter a isso. Essa é uma ordem da Escritura.

Vá para Hebreus 13 e nós vamos envolver este ponto acima nessa Escritura em particular. Hebreus 13:7 você tem três Escrituras em Hebreus 13 que são dirigidas à congregação, de como devem lidar com o pastor. No versículo 7 diz "Lembrai-vos dos vossos guias" seus líderes - lembrem-se deles. Quem são eles? "os quais vos pregaram a palavra de Deus." E a lembrança aqui é uma lembrança do amor. É uma lembrança de afeto. E "os quais vos pregaram a palavra de Deus; e, considerando atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram." Eles falaram com vocês através da Palavra. Lembrem-se do resultado de sua conduta, como Deus abençoou sua vida e os usou poderosamente. Imitar a sua fé e saber que Jesus Cristo, que é o mesmo ontem, hoje e sempre, vai lidar com você em obediência da mesma maneira como lidou com eles em obediência. "Não vos deixeis envolver por doutrinas várias e estranhas." Você se lembra daqueles que ensinaram a verdade, e você tem apreço por eles, você os ama e você os estima.

Depois abaixo no versículo 17, ele acrescenta mais diretamente - em primeiro lugar ele diz "Lembrem-se deles" – lembrem-se deles com um coração agradecido e agora ele diz no versículo 17 "Obedeçam a seus líderes" Obedeçam aos seus líderes e submetam-se a eles." Você diz, "Bem, eu acho que eles podem estar errados." Tudo bem obedeça-os e submeta-se de qualquer maneira. Eles têm que prestar contas, mas não a você. Nunca pense que você pode ignorar a sua liderança; eles prestarão conta. A menos que eles lhe peçam para fazer algo antibíblico, ímpio, e pecaminoso, você deve segui-los. Temos um dever sóbrio como pastores; nós prestamos contas, e vocês seguem a liderança. "Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas.”

Essa é uma afirmação muito forte, e muito formidável para uma pessoa na liderança espiritual como eu ou qualquer outro pastor ou presbítero. Temos um dever sóbrio. Prestaremos conta diante de Deus. Isso é uma coisa difícil o suficiente com que viver. Eu vivo com isso o tempo todo. Eu sou responsável diante de Deus pela condição das ovelhas. Eu sou responsável diante de Deus pelas decisões que eu tomo. E nós como um grupo somos responsáveis perante Deus pelo que decidimos enquanto buscamos a sabedoria do Espírito. É por isso que nunca fazemos qualquer coisa que não seja unânime entre nós como anciãos, porque queremos ter certeza que conhecemos a mente de Deus enquanto guiamos vocês, porque temos de prestar contas.

Então ele diz "obedeçam". Pessoas teimosas, obstinadas vão roubar a alegria de seus pastores e causar-lhes dor. Veja o versículo 17 "para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros." Você quer uma igreja miserável? Tenha um pastor miserável. Você quer um pastor infeliz? Não se submeta, e você vai manter a alegria dele distante, ele será um homem miserável e vocês serão um povo miserável. Pessoas obstinadas roubam a alegria de seus líderes e dão a eles nada além de dor. "porque isto não aproveita a vós outros" diz ele. Isso não vai ajudar você. Isso não vai funcionar para você, ter um pastor sofrido, ter um pastor sem alegria.

Jeremias certamente sabia sobre isso. Jeremias teve um ministério sem alegria porque havia muito conflito. Ele estava com dor constante porque o povo se rebelou e recusou-se a submeter-se às coisas que ele disse apesar de serem as palavras de Deus. No capítulo 9 ele diz "Prouvera a Deus a minha cabeça se tornasse em águas, e os meus olhos, em fonte de lágrimas! Então, choraria de dia e de noite os mortos da filha do meu povo. Prouvera a Deus eu tivesse no deserto uma estalagem de caminhantes! Então, deixaria o meu povo e me apartaria dele, porque todos eles são adúlteros, são um bando de traidores; curvam a língua, como se fosse o seu arco, para a mentira; fortalecem-se na terra, mas não para a verdade, porque avançam de malícia em malícia e não me conhecem, diz o SENHOR." Jeremias foi o profeta chorão. Jesus teve a mesma experiência "Jerusalém, Jerusalém...Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes!" e ele chorou. Ele chorou.

E assim a congregação deve viver em paz com a sua liderança. Você não cultiva contenda, você não cultiva conflito, você se submete e obedece. Eles têm que dar conta a Deus por aquilo que fazem, não você. E se você seguir a sua liderança fielmente, respeitosamente e eles enganarem você, de alguma forma, tomarem decisões insensatas, eles vão dar contas a Deus. Você será abençoado por ser obediente, contanto não estejamos falando de alguma coisa pecaminosa, e lá você está no seu próprio para aplicar a verdade da Escritura.

Deveres simples, não são?, realmente. Se a igreja é para ser um lugar rico, doce, feliz, abençoado, então os pastores devem ser responsáveis para cumprir seu dever para com as ovelhas e as ovelhas devem ser responsáveis para cumprir seu dever para com os pastores. Isso significa que você tem apreço por eles, com respeito e remuneração. Você os estima além de qualquer medida em amor a tal ponto que você faz qualquer sacrifício por eles. E isso significa que você lhes dá importância, que você fala bem deles, você os incentiva, você faz tudo para que o ministério deles seja positivo porque eles são o canal de bênção que Deus usou para trazer a verdade para você. E em terceiro lugar, você se submete a eles para que você torne a igreja em um lugar de paz e elimine todos os conflitos.

Quando as pessoas agem assim e pastores agem assim, então a igreja se torna um lugar de alegria e paz que Deus quer que seja. Lembro-me quando Saul foi o primeiro a ser feito rei. Estavam com ele, diz em 1 Samuel 10:26, um grupo de "homens cujo coração Deus tocara." E enquanto notícias de Naás ferindo o povo de Deus chegavam, o Espírito Santo se apoderou de Saul, diz a Escritura, e como resultado da convocação, diz que eles saíram como um só homem no capítulo seguinte, o capítulo 11. Aqui estava um grupo de homens cujo coração Deus tocou, que com seu rei sairam como um só homem.

Esse tipo de unicidade, esse tipo de unidade é o que Deus pede na igreja; pastor e ovelhas em perfeita harmonia. Enquanto o pastor trabalha diligentemente, lidera, dirige, alimenta, as pessoas o têm em grande apreço, sustentam-no em amor e submetem-se. Pastores fiéis e povo fiel fazem com que o reino avance, glorificam a Deus. Eu não posso imaginar que iríamos querer fazer algo além do que ser obedientes a estas coisas de nossa parte e de sua parte, para que possamos conhecer a plenitude da bênção de Deus que Ele promete a quem obedece. Vamos orar.

Pai o tempo voou muito rapidamente mas nós sentimos que foi preenchido com algumas instruções simples e úteis para todos nós. Pai eu Te agradeço pelo privilégio glorioso de ter sido chamado para o ministério embora totalmente indigno. Agradeço-Te pela bênção especial que esta congregação é para mim. Não muios homens têm sido tão privilegiados em estar em um lugar de amor, apreço, respeito, remuneração, submissão. Pai eu Te agradeço por isso; Eu não tomo isso como garantido. Sei que não é algo que você ganha ou orquestra é algo que lhe é dado pela graça. Agradeço-Te por isso. Agradeço-Te, também, por causa deste povo, que Tu tens dado a eles ao longo dos anos muitos pastores fiéis que os guiaram, não só deste púlpito mas em todos os outros ministérios da igreja; o ministério das crianças, o ministérios dos jovens, todos os tipos de ministérios para adultos, ministérios de alcance.

Pai, o Senhor ter dado muitos pastores fiéis, que têm trabalhado intensamente entre as ovelhas, que têm fielmente exercido a supervisão. Tens dado muitos pastores fiéis que têm instruído na Palavra de Deus. E Pai nós queremos preservar esta unidade no vínculo da paz que o Senhor concedeu a nós, continuando a ser fiéis. Oro em nome desta congregação que Tu enchas seus corações com apreço, com estima no amor grademente por aqueles que servem por causa de seu trabalho, não por causa de sua personalidade ou algo neles que desperte simpatia. E que Tu os leve a viver em obediência e submissão à sua liderança para que haja grande alegria nesta igreja. Se houver qualquer coração que esteja lutando para reconhecer essas coisas por há amargura, ou porque há animosidade, conflito, rebelião, nós oramos Senhor que Tu limpes isso e dá-nos uma doce harmonia. Faça todos os pastores fiéis e bem como ovelhas fiéis para que possamos representá-lo neste mundo da maneira correta; para que pussamos conhecer a alegria da bênção completa e o poder que uma comunidade tão abençoada de crentes no mundo tem enquanto toca em tantos que precisam desesperadamente de nosso Cristo. Com este objetivo oramos para a Tua glória em nome de Cristo. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize