Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Como vocês sabem, nós estamos estudando 2 Timóteo, e eu gostaria que vocês voltassem para 2 Timóteo, capítulo 3, como sendo o ponto inicial de nossa mensagem nesta manhã. O que eu gostaria que compartilhar com vocês nesta manhã é algo que sai deste texto, porém baseado no que ele afirma.

Vocês se lembram no último Dia do Senhor, nós vimos os versículos 16 e 17 que dizem, “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. Toda a Escritura é inspirada por Deus.”

Nós estudamos detalhadamente estes dois versículos dentro da estrutura do contexto deste capítulo. Eu falei para vocês na semana passada que eu não poderia deixar esta parte específica da Escritura sem ir um pouco além da ideia geral de que a nossa Bíblia é inspirada por Deus. Por isso, se eu sair um pouco deste texto e olhar para outras partes da Escritura, eu gostaria de fazer isso para que isso enriquecesse todo o nosso conhecimento do que significa ter isso em nossas mãos, a Palavra do Deus vivo.

Eu espero que você tenha uma apreciação pela Escritura. Eu espero que você tenha uma apreciação por ela, não como um hobbie, mas porque ela é o maior tesouro, além do próprio Deus, que nós temos. Ela é a sua própria Palavra, a sua auto-revelação. Quando as pessoas me perguntam porque eu ensino sistematicamente livro após livro, por que eu presto tanta atenção aos detalhes de cada versículo e cada frase e falo a respeito de todas as palavras, é porque eu a entendo como sendo as palavras que Deus nos revelou, que vieram dele. Eu nunca duvidaria da necessidade destas palavras serem apresentadas, ensinadas e entendidas por todos nós.

Nós estamos comprometidos aqui na Grace Community Church com um ministério bíblico, a um método de pregação expositivo porque acreditamos que esta é a Palavra do Deus vivo Deus se revelou no seu livro. Quando vocês lêem as palavras da sua Bíblia, vocês estão lendo as palavras que saem da boca de Deus. Esta é uma realidade tremenda. Ela nos dá confiança para tudo o que fazemos. Ela também nos amarra a uma obediência e submissão a tudo o que a Escritura ensina. Vamos conversar um pouco mais a respeito do que significa que toda a Escritura ou que cada escritura é inspirada por Deus. O que está inserido neste pensamento? Deixe-me ver se consigo levar vocês através de alguns textos para enriquecer isso e, a partir daí, levá-los a algumas coisas que estão no meu coração para compartilhar com vocês.

Abram as suas Bíblias em Hebreus, capítulo 1, e vamos olhar para a primeira parte do segundo versículo. Hebreus, capítulo 1. Ele começa da seguinte forma, “Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho.” Agora, esta é a afirmação que eu gostaria de focar. Eu não pretendo explanar todas as ramificações desta afirmação, mas em sua simplicidade, ela é abundantemente clara e grandemente profunda.

Ela está nos dando a essência da revelação. Lembre-se desta palavra. A palavra revelação em seu sentido mais simples significa revelar, revelar, tornar conhecido algo que não era conhecido antes; tornar algo entendido que não era entendido antes; revelar uma verdade que nunca foi conhecida. Deus se revelou, e aqui você tem uma afirmação com relação a sua revelação. Deus falou há muito tempo atrás e Deus falou nestes últimos dias. O escritor de Hebreus está, com efeito, dizendo que Deus falou em duas ocasiões. Ele falou uma vez há muito tempo atrás. Ele fala nestes últimos dias através do seu Filho.

Agora, eu creio que nós estamos corretos em afirmar o fato de que ele tem em mente aqui a revelação do Antigo Testamento e a revelação do Novo Testamento. Deus falou há muito tempo atrás aos Pais judeus. Estes eram os profetas do Antigo Testamento, aqueles que receberam a Palavra de Deus há muito tempo atrás na antiga aliança. Ele falou àqueles pais através dos profetas em várias partes, polumeros, em vários livros, em várias sessões, e vocês sabem disso. Existe o Pentateuco, existem os livro proféticos e históricos, e existem os livros de poesia. Em várias e várias partes e em muitos livros, Deus falou. Ele falou aos pais judeus. Ele falou através dos profetas.

Ele também falou, o texto diz, de várias formas, polutropos. Isso significa através de visão, profecia, parábola, tipologia, símbolo, cerimônia e teofania, e às vezes com uma voz audível, e outras Ele até mesmo escreveu com o seu dedo na pedra. Existiram várias formas pelas quais Deus disse muitas coisas, reuniu muitos textos, colocou em diversos livros, e Ele falou para aqueles da antiguidade através dos profetas. Esta é uma afirmação com referência ao fato de que o Antigo Testamento é Deus falando.

Agora, deixe-me esclarecer o máximo que posso para vocês que o Antigo Testamento não é uma coletânea de sabedoria dos homens da antiguidade. O Antigo Testamento não é uma coleção dos melhores pensamentos religiosos. O Antigo Testamento não é uma coleção de boas reflexões de pessoas de Deus. O Antigo Testamento é a Palavra de Deus. Ele não é o pensamento de nenhum homem; homens bons, homens de Deus, homens da antiguidade. Ele é a Palavra de Deus. O escritor de Hebreus diz, “Deus falou.” Deus falou. O Antigo Testamento foi Deus falando aos pais através dos profetas.

Nestes últimos dias desde a vinda de Cristo, Ele tem falado novamente, e Ele tem falado através do Filho. Os evangelhos registram Deus falando através do seu filho; Mateus, Marcos, Lucas e João. O livro de Atos; Deus fala através da expansão da proclamação da mensagem do Seu Filho. As epístolas; Deus fala através do entendimento profundo do significado da vida e do ministério do Filho. Até o Apocalipse, a consumação, quando o Filho voltar em glória, a consumação da comunicação de Deus ao mundo.

Portanto, o Antigo Testamento é Deus falando e revelando a respeito de si próprio. O Novo Testamento é Deus falando e revelando o seu Filho. O Antigo Testamento é a auto revelação de Deus, e este é o tema do Antigo Testamento. De Gênesis até o fim do Antigo Testamento em Malaquias e tudo o que está no meio, o personagem principal é Deus. Ele é a revelação de Deus, quem Ele é. Quais são os seus atributos? Quais são as suas atitudes? Como Ele reage a todas as situações humanas possíveis? Como Ele é? O que Ele faz? Este é o Antigo Testamento. Ele é a revelação de Deus. Ele não é a história do homem. Ele não é a história de Israel. Aquelas histórias estão ali, mas ele é a revelação de Deus, e nós vemos Deus se revelando através do homem, através da história, através de Israel, através de tudo o que acontece. Os atributos de Deus às vezes são descritos de forma muito clara, como nos Salmos. Por outro lado, às vezes nós vemos os seus atributos de forma muito clara, e Ele nem é mencionado, como vemos no livro de Ester onde não existe nenhuma menção de Deus e, mesmo assim, Ele é a força dominante e o personagem dominante ao longo do livro.

O Antigo Testamento é a revelação de Deus para mostrar aos homens como Deus é, quem Deus é, o que Deus tolera e não tolera, como Deus deseja santidade e pune o pecado. O Novo Testamento é Deus revelado pelo Seu Filho na vida do Seu Filho, na mensagem do Seu Filho, entendendo a obra do Seu Filho, na culminação e na vinda do Seu Filho para estabelecer o Seu reino eterno. Em ambos os casos, no Antigo Testamento e no Novo Testamento, Deus falou. O que nós temos é, sem dúvida, a Palavra de Deus. Esta não é a palavra do homem. Os escritores do Novo Testamento escreveram a Palavra de Deus.

Jesus prometeu, “Eu trarei todas as coisas para a sua memória. Eu te ensinarei todas as coisas. Eu te guiarei em toda a verdade. Eu te revelarei o que há de acontecer.” Ao fazer esta promessa, Ele deu aos apóstolos e, com eles, aos outros escritores do Novo Testamento, a promessa da inspiração divina; que eles, assim como os profetas do Antigo Testamento, escreveriam a Palavra de Deus. Portanto, o que nós temos em nossas mãos, amados, não é a palavra do homem. Ela não é a palavra de homens religiosos. Ela não é a palavra de homens sábios e santos. Ela é a Palavra de Deus, a Palavra de Deus.

Hebreus 1:1-2 fala a respeito da revelação, da revelação de Deus. Qual foi o processo que Deus usou para se revelar? Vamos olhar para outro texto, 2 Pedro 1. Agora, nós vamos ver o processo que Deus usou para se revelar, o que ficou conhecido como inspiração, inspiração. Em 2 Pedro 1:20 ele diz, “sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia” – a palavra profecia aqui tem um sentido bem genérico não tendo em mente nenhum tipo de predição do futuro, mas sim uma mensagem. Ele não fala a respeito do futuro. “Nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação” epilusis. Agora, preste atenção nisso, nenhuma mensagem da Escritura é uma questão da epilusis de alguém. Agora, o que isso significa? Ela pode significar lançar. Esta seria a essência mais real do termo. Alguns sugerem que a melhor forma de traduzir seria “inspiração” porque esta é a intenção da fala. Nenhuma mensagem da Escritura é uma questão da inspiração de ninguém. Isso significa, a Escritura não vem de homens inspirados com o sentido de que eles eram inspirados através de sua genialidade religiosa. O caso genitivo aqui sugere que Pedro tem em mente a origem ou fonte da Escritura, e que ele não está falando a respeito de interpretar a Bíblia com o sentido que você descreveria. No entanto, ele está falando a respeito da origem. Portanto, ele poderia ter dito, “Nenhuma profecia da Escritura tem sua origem na mente de alguém.” Nenhuma mensagem da Escritura vem de alguma fonte humana. Esta é a ideia.

“Porque”, versículo 21, “nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana.” A Escritura não é um produto dos homens. Ela não é um produto da vontade humana, mas homens, movidos pelo Espírito Santo, falaram de Deus. Isso é muito claro e muito importante. Nenhuma mensagem foi dada, indicativo aoristo passivo. O verbo é phero. Significa carregar, dar, produzir, trazer à tona, trazer. Nenhuma mensagem foi feita, nascida, carregada, produzida, trazida à tona pela vontade humana, mas homens – o mesmo verbo, phero – carregados, trazidos, trazidos à tona pelo Espírito Santo falaram da parte de Deus. O Espírito Santo os encheu. A ideia é de uma vela colocada no barco e carregada pela brisa. O Espírito de Deus os conduzia, soprava neles.

Isso diz a respeito ao processo. O conteúdo da Bíblia é a revelação. O processo pelo qual o conteúdo foi escrito é chamado de inspiração. Não era um alto nível de atividade humana. Não era um alto nível de atividade religiosa humana. Os homens faziam parte do processo, mas ela não veio originalmente deles. Ela não veio dos seus desejos e das suas vontades. Eles foram usados conforme eram conduzidos pelo Espírito Santo e capacitados para falar da parte de Deus. Eles falaram palavras divinas. Deus os usou. Ela tinha a personalidade deles. Ela tinha o seu pano de fundo, as suas percepções, as suas experiências, as suas perspectivas, mas toda palavra era a Palavra de Deus. Este é o milagre da inspiração.

Homens foram usados, conduzidos pelo Espírito Santo, para falar da parte de Deus. É isso que a Escritura diz. Por isso, quando você pega a sua Bíblia, você não está lendo as palavras de homens. Você está lendo a Palavra de Deus que foi escrita por homens que foram conduzidos ao longo do processo pelo poder do Espírito Santo, sem eliminar as suas personalidades, sem eliminar as suas experiências, sem eliminar os seus vocabulários, sem eliminar os seus corações, paixões e compulsões. Porém integrando tudo isso no poder do Espírito de Deus, nunca comprometendo a verdade de que cada palavra veio de Deus: um milagre grandioso e glorioso. Muito vital.

Portanto, Deus falou no Antigo Testamento aos pais, através dos profetas, muitas vezes e de muitas maneiras. Deus falou no Novo Testamento pelo Seu Filho nos evangelhos, e a respeito do Seu Filho no resto do Novo Testamento. O processo pelo qual Deus nos deu a revelação é a inspiração. A inspiração foi Deus colocar a sua revelação nas mãos de homens para ela ser escrita. Primeiro, para ser falada e proclamada, e depois para ser escrita conforme eles eram energizados, conduzidos pelo Espírito Santo. A totalidade da Escritura, passa grafe, toda Escritura, cada Escritura, é theopneustos, expirada por Deus. Ela é o sopro de Deus, as Escrituras.

A sua totalidade, de acordo com Romanos 3:2, é chamada de oráculos de Deus. Quando Paulo está falando a respeito do benefício de Israel, o que é que torna eles diferentes do resto das nações? Ele tem uma referência do Antigo Testamento, a qual ele chama de “oráculos de Deus”, as falas de Deus, as palavras de Deus. Jeremias é uma boa ilustração deste processo. Jeremias, chamado por Deus desde antes de nascer, “A mim me veio, pois, a palavra do Senhor” – versículo 4, capítulo 1 – “Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci. Antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações. Então, lhe disse eu: ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança.” – versículo 9 – “Estendeu o Senhor a mão, tocou-me na boca e o Senhor me disse: Eis que ponho na tua boca as minhas palavras.” Que afirmação fantástica. “Eis que ponho na tua boca as minhas palavras.” Esta era a promessa dos escritores da Escritura.

Toda Escritura é inspirada por Deus. Todo escrito divino vem da parte de Deus. Nós reconhecemos isso. Nós reconhecemos como a Escritura é divinamente única. A igreja primitiva reconheceu isso. Mesmo que tenha sido somente nos anos 393 e 397, com o Conselho de Hipona, com o Conselho de Cártago, que a igreja meio que oficialmente estabeleceu o cânon da Escritura de forma compreensiva. Não levou muito tempo para o povo reconhecer isso. A igreja não inventou o cânon das Escrituras da mesma forma que Newton não inventou a lei da gravidade. Newton descobriu a gravidade, que Deus inventou, da mesma forma que a igreja descobriu, desde cedo, os documentos inspirados, que o próprio Deus escreveu. Embora levasse um tempo para que a igreja oficial colocasse um rótulo oficial em tudo isso, era abundantemente claro à igreja primitiva o que era a Palavra de Deus, e o que não era a Palavra de Deus. Deus é o autor da Escritura.

Na verdade, nas Escrituras, os termos Deus e “Escritura” são usados indistintamente. Em Gálatas, “E a Escritura, prevendo que Deus justificaria os Gentios pela fé, pregou o evangelho de antemão a Abraão dizendo, “Todas as nações serão abençoadas em ti.” A Escritura diz, “Todas as nações serão abençoadas em ti.” Se você voltar para Gênesis 12, você percebe que Deus diz isso. Deus disse/A Escritura disse. Eles são a mesma coisa. O que a Escritura diz, Deus diz, o que Deus diz, a Escritura diz.

Em Atos, capítulo 13, existe uma nota interessante no sermão do apóstolo Paulo. Ele diz no versículo 32, “Nós vos anunciamos o evangelho da promessa feita a nossos pais, como Deus a cumpriu plenamente a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. E, que Deus o ressuscitou dentre os mortos para que jamais voltasse à corrupção, desta maneira o disse: E cumprirei a vosso favor as santas e fiéis promessas feitas a Davi. Por isso, também diz em outro Salmo: Não permitirás que o teu Santo veja corrupção.” Em outras palavras, Deus está falando nos Salmos, e é exatamente isso que o apóstolo está afirmando. Quando os Salmos falam, Deus fala.

Em Romanos. Eu estava pensando antes a respeito do capítulo 9, versículo 17. A Escritura diz ao Faraó, “Para isto mesmo te levantei,” e ela continua. A Escritura não diz que no Antigo Testamento, Deus disse. Mas que quando Deus fala, esta é a Escritura. Quando a Escritura fala, este é Deus. Por isso, você vai encontrar estes termos sendo usados indistintamente. Apenas uma observação, a Bíblia não diz que os escritores eram inspirados. Paulo não diz isso. Pedro não diz isso. O que é inspirado é a Escritura. Os próprios homens não eram inspirados, no sentido de terem alguma habilidade sobrenatural que eles pudessem usar para produzir a Escritura. A única vez que eles foram inspirados foi quando Deus deu a eles a Sua Palavra. O restante das vezes eles falaram independentemente de qualquer inspiração.

Portanto, a Bíblia não sabe nada tecnicamente a respeito de homens inspirados; apenas a respeito de palavras inspiradas, palavras inspiradas por Deus. Nem Isaías, nem Davi, nem Paulo, nem João ou qualquer outro escritor bíblico foi inspirado como pessoa para que ele pudesse escrever qualquer escritura na hora que ele quisesse. Não. Houve apenas alguns momentos muito especiais nas suas vidas em que eles receberam diretamente de Deus a Sua Palavra para ser escrita. O restante das vezes eles escreveram o que era deles, o que era deles. Por isso, os homens não foram inspirados, mas sim a Escritura. Deus soprou sobre eles e eles escreveram palavra por palavra o que Deus soprou sobre eles. Foi algo muito maior do que ditado. Eles não estavam apenas ouvindo alguma voz e escrevendo de forma mecânica cada palavra. Ela fluía através dos seus corações, de suas almas, de suas mentes, de suas emoções e de suas experiências. No entanto, o que saía de cada palavra era a Palavra de Deus.

Conforme Deus soprou sobre eles a mensagem, sendo conduzidos pelo Espírito Santo, eles disseram aquilo e alguns escreveram aqui. Este foi um processo miraculoso, sobrenatural e inexplicável que nos deu a Palavra de Deus.

Agora, deixe-me falar a respeito de um ponto de vista negativo apenas para ilustrar o impulso principal. Eu havia dito que não há nada na Escritura a respeito de homens inspirados, e o que eu quero dizer é que, quando nós falamos a respeito da Bíblia ser inspirada, nós não estamos falando que houve alguns homens que tiveram um alto nível de habilidade humana, alguns gênios religiosos. O mundo está cheio de pessoas assim. Houve gênios na música, que foram prolíficos, que foram profundos, que estavam acima da média e talvez melhores do que os melhores homens. Houve e há gênios na literatura, gênios na prosa, gênios na poesia, grandes homens e mulheres de capacidade monumentais que dizemos que foram poetas inspirados, músicos inspirados, escritores inspirados, pensadores inspirados e etc.

Todavia, quando falamos a respeito da inspiração da Bíblia, nós não estamos falando a respeito de um alto nível de alcance humano. Não. Nós não estamos falando a respeito de homens, como eu disse, que poderiam ser gênios religiosos, e escrever a Escritura quando eles quisessem. Não. Nenhum deles poderia fazer isso. Somente quando Deus deu a eles o que Ele gostaria que fosse dito e escrito é que eles poderiam fazer isso sob a obra do Espírito de Deus. Portanto, eles não produziram mais nada, nenhum outro escrito. Se Pedro fosse inspirado, por que não existe um monte de coisa passando por ai que Pedro escreveu ou disse, que estamos colecionando? Por que eles não escreveram outros livros? Por que eles não foram e escreveram mais e mais e mais e mais se isso é apenas uma questão de genialidade humana?

Os próprios escritores da Bíblia afirmam que o que eles escreveram, Deus escreveu. Eles não escreveram. É um pouco curioso para mim que eles não tinham nenhum constrangimento. Eles disseram que eles escreveram da parte de Deus, e eles nunca pareceram ser conscientes de si mesmo a respeito disso. O que eu quero dizer é que, quando você olha para os escritores bíblicos, a maior parte deles eram homens comuns, sem estudo. E mesmo assim, eles são surpreendentemente confiantes de que eles escreveram a Palavra de Deus. Na verdade, em cerca de 4000 vezes na Bíblia, os escritores afirmam estar escrevendo a Palavra de Deus. Eles nunca parecem ficar constrangidos com isso. O que eu quero dizer é que, você imagina que eles chegariam em um determinado ponto e diriam, “Esta é a Palavra de Deus. Agora, eu sei que vocês acham difícil de acreditar que eu estou lhes dando exatamente a Palavra de Deus, mas vocês precisam entender que isso é realmente verdade gente. Eu prometo e juro isso. Eu não estou enganando vocês. Isso é realmente verdade.”

Não existe nada disso. Não existe nada disso, “Eu não sei porque você deveria acreditar nisso mas, o que eu estou falando vem realmente do Senhor. Ele me falou para eu te dizer isso.” Não existe nenhuma auto-justificação. Não existe nenhum senso de defesa. Embora a maioria deles não tivesse nenhuma educação e nenhuma posição aqui na terra para fazer parte do gênios literários, particularmente, eles escreveram esta sabedoria profundamente sobrenatural, profecias a respeito do futuro, coisas que iriam acontecer que foram absolutamente precisas.

Eles escreveram a respeito da natureza e do caráter de Deus. Eles escreveram a respeito dos propósitos divinos de Deus a respeito do desenrolar do mundo. Eles estavam certos a respeito de tudo o que disseram. Todos eles afirmaram que isso veio de Deus, e eles não ficavam constrangidos em fazer tal afirmação. Incrível, incrível. Eles apenas assumiram que esta era a Palavra de Deus, e eles a escreveram desta forma.

Tiago descreveu a autoridade da Escritura quando ele disse no capítulo 4, versículo 5, “supondes que em vão afirma a Escritura?” Ela é autoritária. Paulo disse que a lei de Deus era, “Santa, justa e boa,” e aqui ele tinha em mente a lei de Deus revelada, o Antigo Testamento. Os escritores do Novo Testamento afirmam sim que eles escreveram a Palavra de Deus assim como os escritores do Antigo Testamento escreveram. Existe cerca de 320 citações diretas do Antigo Testamento no Novo Testamento. Cerca de 1000 inferências. Os escritores do Novo testamento acreditavam claramente que o Antigo Testamento era inspirado. Eles também acreditavam claramente que o seu Novo Testamento era inspirado, como nós vimos da última vez. Eles sabiam que eles estavam escrevendo a Palavra de Deus, e que ela não era nenhum alto nível de genialidade humana. Eles foram movidos pelo Espírito de Deus para fazer o que eles nunca conseguiriam fazer, nunca.

Em segundo lugar, existem algumas pessoas que dizem, “Bom, a Bíblia é inspirada, mas somente os conceitos; não as palavras.” Eu tenho lidado com isso ao longo dos anos, com pessoas que acham que eles foram inspirados por Deus com grandes pensamentos religiosos e que escreveram aquilo com suas palavras. “Portanto, nós não temos realmente as palavras de Deus. Por isso, não fique preso às palavras, entenda os conceitos e aceite as ideias e o movimento delas. Não se preocupe com as palavras. Elas são apenas detalhes que ficam no caminho.” Você ouve pessoas dizerem, “Bom, o Espírito dá a vida; a letra mata,” Esse tipo de coisa.

Bom, eu gostarei de perguntar para alguém, como você comunica ideias sem palavras. Eu não sei se eu entendo isso. Como que você comunicaria, se você fosse Deus, para alguém alguma ideia sem palavras? Isso não faz sentido. Quando Moisés queria se safar de falar pelo Senhor por não ser eloquente, Deus não falou, “Eu estarei com a sua mente e te ensinarei o que você deve pensar.” Ele disse, “Eu estarei com a sua” – o que? – “boca, e te ensinarei o que dizer.” Isaías disse, “Eu ouvi a voz do Senhor falando, e Ele disse, ‘Vai e diga isso às pessoas.’” Jeremias disse, “A palavra do Senhor veio a mim dizendo.” Ezequiel disse, “Ele disse para mim, ‘Filho do homem, eu te envio aos filhos de Israel. Todas as minhas palavras que eu falar para ti, receba-as em seu coração e ouça-as com seus ouvidos, então, vá e fale-as.’” Foram palavras; não pensamentos sem palavras, fosse o que fosse.

Amós disse, “Eu não sou profeta, nem discípulo de profeta, mas boieiro e colhedor de sicômoros. Mas o Senhor me tirou de após o gado e o Senhor me disse: Vai e profetiza ao meu povo de Israel”. Na experiência maravilhosa da conversão de Paulo, ele foi confrontado por Ananias. Ele relata isso em Atos 22, “O Deus de nossos pais, de antemão, te escolheu para conheceres a sua vontade, veres o Justo e ouvires uma voz da sua própria boca”. Deus escolheu Paulo para ouvi-Lo e falar como lhe foi mandado fazer.

João disse, “Achei-me em espírito, no dia do Senhor, e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta, dizendo: O que vês escreve em livro... Escreve, pois, as coisas que viste, e as que são, e as que hão de acontecer depois destas”. Até Cristo, o Verbo feito carne, disse que Ele recebeu sua mensagem do Pai. Isaias disse de Cristo, “fez a minha boca como uma espada aguda... O Senhor Deus me deu língua de eruditos”. Ele até ensinou a Cristo o que falar.

Você não pode ter pensamentos sem palavras. Esse tipo de conceito é tolo. Você poderia então também falar de notas ou música sem uma melodia. Você poderia também falar do sol sem luz ou uma soma sem números ou geologia sem pedras ou antropologia sem humanos, como pensamentos são sem palavras. Pelo contrário, olhe para 1 Pedro um pouco, vou lhe mostrar uma coisa interessante, 1 Pedro 1:10-11. Isso ilustra um princípio. Pedro está escrevendo com referência aos profetas do Antigo Testamento quando eles relataram a verdade quando falavam do Messias. Ele disse, “Foi a respeito dessa salvação que os profetas indagaram e inquiriram, os quais profetizaram acerca da graça a vós outros destinada, investigando, atentamente, qual a ocasião ou quais as circunstâncias oportunas, indicadas pelo Espirito de Cristo”. Em outras palavras, aqui eles estavam, profetas do Antigo Testamento, sendo transportados pelo Espirito Santo e sendo transportados sozinhos para falar sobre o Messias. Enquanto eles falavam ou escreviam sobre o Messias, eles estavam cuidadosamente procurando e pesquisando para saber de quem eles estavam falando.

O ponto é esse: a Bíblia não ensina que não existe pensamentos sem palavras, ensina que as vezes Deus dá palavras sem pensamentos nesse sentido. Eu não quero dizer que é sem pensar, uma ditação mecânica, mas existiam muitas coisas que os escritores do Antigo Testamento escreveram que eles não compreendiam totalmente. Não é uma questão de eles escreverem a destilação do gênio religioso deles. É uma questão de eles escreverem as palavras que Deus deu a eles, completamente entendendo o que Deus tinha falado ou não. Por isso em Mateus 24:35 diz, “Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras,” não os meus pensamentos, “não passarão.”

Mas então surge alguém que diz, “Bom, a Bíblia é inspirada quando ela fala de coisas sagradas; não quando fala de coisas seculares como a ciência ou geografia e tudo isso. ” Você tem que lidar com isso de vez em quando. Existem aqueles que dizem, “A história na Bíblia contém erros; a geografia na Bíblia contém erros; a matemática na Bíblia contém erros; os dados científicos na Bíblia contêm erros, mas não se preocupem, a inspiração da Bíblia só garante o sagrado e não o secular, ” que é a mesma coisa que dizer, “Deus é bom em coisas religiosas, mas ele realmente precisa de nossa ajuda nas outras áreas, ele não se dá bem com outros dados.” Existem muitas pessoas que querem atacar a Bíblia nesse sentido.

Deixe-me lhes dar algumas ilustrações, algumas bem curiosas. Bom, a primeira você já deve estar familiarizado, ela se encontra, e nós não iremos lá, em Josué 10. Ali ele fala a respeito da batalha que estava acontecendo, em Josué 10, a partir do versículo 12. Diz que no meio da batalha, o que aconteceu com o Sol? Ele ficou parado. Os críticos, por muitos anos, riram e zombaram disso dizendo, “o Sol ficou parado? Agora, quão científico é isso? Se houvesse uma relação imutável entre a terra e o Sol, o que isso significa é que a terra ficou parada. Viu, isso é científico,” eles dizem. “A Bíblia não é nada científica.”

Mas o fato é que se você estivesse ali naquele dia, pareceria para você que o Sol parou. O mesmo crítico que deseja denegrir o que a Bíblia diz é o primeiro a levantar de manhã, sair da cama, olhar pela janela de sua casa e dizer, “Que belo nascer do Sol!” Aquilo não é um nascer do Sol, mas você não vê ninguém dizendo, “Que belo girar da terra!” Ninguém diz isso a noite também. Nós dizemos coisas assim o tempo todo. Nós dizemos, “O pessoal da Austrália vive lá em baixo.” Em baixo de onde? Lá não é nada mais baixo do que aqui. Isso é apenas uma figura de linguagem. Nós dizemos, “Bom, nós procuramos pelos quatro cantos do mundo.” Quais cantos? Existem algumas coisas que nós falamos a partir da perspectiva humana sem termos a intensão de fazer afirmações usando elementos técnicos da ciência.

Existe também o registro em 2 Reis, capítulo 18, onde você tem uma transição entre Senaqueribe e Ezequias, e ali diz que ele entregou 30 talentos de ouro e 300 talentos de prata, o que não parece ser um problema até os achados arqueológicos revelarem os recibos assírios daquela transação entre Ezequias e Senaqueribe. Na verdade, eles descobriram os recibos do próprio Senaqueribe, e nos recibos dele, ele tinha 800 talentos de prata ao invés de 300. Os críticos dizem, “Está vendo, esse é o tipo de coisa que a Bíblia erra porque ela não é cuidadosa com os pequenos números.” Mais tarde, estudos arqueológicos revelaram que o padrão para calcular ouro na Judéia e na Síria era o mesmo, no entanto, o padrão para calcular prata era diferente. Os talentos judeus e sírios eram tão diferentes que 800 talentos sírios eram iguais a 300 talentos hebraicos, e é exatamente isso o que a Escritura disse. A Escritura falando em hebraico e os recibos de Senaqueribe falando em sírio.

Deixe-me lhe mostrar mais um. Existem muitos como estes onde a Bíblia supostamente está errada, mas que na verdade não está se você olhar de perto. Um muito curioso é Números 11. Abra em Números 11. É o quarto livro do Antigo Testamento. Você consegue achá-lo. Números 11:31. Este é bem interessante. “Então, soprou um vento do Senhor.” Agora, os filhos de Israel estavam caminhando pelo Sinai nesta época. Eles precisam ser alimentados, então o Senhor irá alimentá-los. É muito curioso a forma como ele vai alimentá-los. Ele disse, “um vento, e trouxe codornizes do mar.” O vento soprou e trouxe codornizes para o acampamento deles. O texto diz que, “as espalhou pelo arraial quase caminho de um dia, ao seu redor, cerca de dois côvados sobre a terra.”

Portanto, elas não estavam apenas por ali, mas elas estavam cobrindo uma área grande. Ele não diz que elas estavam apenas a um dia de distância, mas sim um dia ao seu redor, tudo cheio de codornizes, com dois côvados sobre a terra. Um côvado era originalmente a distância do seu cotovelo até o final da sua mão, mais ou menos 46 centímetros. Nós estamos falando aqui de meio metro. É esta a imagem. Vamos usar o crítico que decidiu que era quase meio metro mesmo. Então, ele pensou em fazer alguns cálculos. Ele disse que esta é uma das coisas mais ridículas que ele já leu. “Você quer dizer que toda a área do acampamento, com um dia de distância de um lado e um dia de distância do outro lado, estaria coberta com meio metro de codornizes?”

Portanto, ele calculou. Isso seriam 19,538,468,306,672 codornizes. Assim, naturalmente, isso seria um motivo de grande piada. Claro, 19 trilhões de codornizes empilhadas. Mas ele apenas demonstrou a sua ignorância.

As Escrituras hebraicas não dizem que elas estavam empilhadas desde o chão. O que a Escritura indica no texto hebraico é que Deus soprou as codornizes para o deserto desde o vale do Nilo, e os pássaros voaram a uma altura de dois côvados do chão, ainda que foram sopradas pelo Senhor. É isso que o texto diz. Codornizes normalmente não voam a dois côvados do chão, mas elas foram sopradas pelo Senhor. Era mais fácil para as pessoas pegarem-nas assim. Elas apenas estenderiam a mão e diriam, “Qual que você gostaria?” “Eu vou querer aquela.” Pega um pedaço de pau e bate na cabeça daquela. As codornizes estavam voando nesta altura até que todas as pessoas tivessem pego tudo o que precisavam.

Veja bem, quando a Bíblia fala a respeito de ciência, quando a Bíblia fala a respeito de história, quando a Bíblia fala a respeito de matemática, seja o que for que ela fale, ela é a Palavra de Deus. Deus é infalível e sua Palavra é igualmente infalível. Os críticos desejam zombar da Escritura, e mesmo assim a Bíblia é cientificamente precisa, contendo os princípios básicos da ciência. Você pode tomar a ciência como exemplo com os seus elementos mais básicos: tempo, força, ação, espaço e matéria. Herbert Spence, morreu em 1903. Ele reduziu tudo a estas categorias: tempo, força, ação, espaço e matéria. Ele disse que tudo no universo está nestas coisas. Esta é a matriz da existência.

Então, em 1903, ele morreu sendo reconhecido como um homem brilhante por ter descoberto isso. O que ele não percebeu é que isso está no primeiro versículo da Bíblia. “No princípio, (este é o tempo) Deus (esta é a força) criou (esta é a ação) os céus (este é o espaço) e a terra (esta é a matéria). A matriz da existência estava no primeiro versículo. O universo é uma continuação de tempo, força, ação, espaço e matéria. Um não pode existir sem o outro. Portanto, tudo isso deveria existir desde o início. Tudo deveria começar junto. A ciência tem que estar nesta matriz. Nenhum elemento desta matriz pode faltar senão você nào teria nada do que existe hoje.

Uma vez que o universo estava criado, os seus processos estavam projetados para funcionar de forma ordenada. Toda a energia e matéria estavam sustentadas pela sua interatividade de tal modo que não havia necessidade de se criar mais nada. Uma vez que você gera tempo, força, ação, espaço e matéria – está tudo pronto; isso é tudo o que você precisa. Gênesis 2:2 diz, “havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera.” Ele fez e terminou. Ele fez tudo de uma vez, ele criou toda a matriz. Não houve nenhuma criação desde então porque não existe a necessidade de se criar desde então. A completa cessação da atividade criativa foi chamada de A Primeira Lei da Termodinâmica, ou Lei da Conservação da Massa e da Energia, a qual Einstein gastou muito tempo nela. Este é o princípio mais básico, universal e preciso de todos os princípios científicos, e ele está bem ali na Palavra de Deus. Ele parou de fazer o que ele fez. Terminou. Ele fez tudo de uma vez e pronto. Aquilo tudo se conservaria através de sua própria natureza.

A Segunda Lei da Termodinâmica é a Lei do Aumento da Desordem, isto é, que todo o sistema na matriz está terminando, se desintegrando e que, eventualmente, vai morrer. Isso nós vemos de formas incertas. “Toda a criação,” Romanos 8 diz, “está gemendo, gemendo e gemendo esperando a maldição ser revertida.” A ciência não consegue explicar – você está pronto para isso? – a Segundo Lei da Termodinâmica. Eles não sabem porque tudo está caindo em desordem a caminho da morte. A Bíblia é o único lugar onde você pode ir para uma explicação, uma explicação que é pecado, pecado, pecado. Você nem pode ser um cientista meia boca se você não acredita no pecado porque você não pode explicar a natureza da matriz da existência.

A Bíblia é precisa em tudo o que ela fala. Ela diz, “Ele fez pairar a terra sobre o nada.” Quando você fala a respeito de geologia, meteorologia, fisiologia, biologia, antropologia, astronomia, hidrologia – seja o que for que você estiver falando, quando a Bíblia fala, ela é precisa.

Então você olha para coisas na Bíblia como profecia. Por exemplo, talvez nós tenhamos tempo para lhes mostrar pelo menos uma. Olhe para Ezequiel, capítulo 28, e eu vou lhes mostrar esta percepção, que é fantástica, para lhes mostrar a precisão da Escritura historicamente. Ezequiel 26-28. Vamos voltar para o 26. Aqui nós temos a profecia de Ezequiel a respeito da destruição da cidade de Tiro. Tiro era um forte fenício. Tiro era uma cidade significativa, grande, na costa da Fenícia, hoje conhecida como Palestina. A Palavra de Deus veio a Ezequiel no versículo 2 do capítulo 26 falando a respeito da destruição daquele lugar.

“Filho do homem, visto que Tiro disse no tocante a Jerusalém: Bem feito! Está quebrada a porta dos povos; abriu-se para mim; eu me tornarei rico, agora que ela está assolada.’” Em outras palavras, Tiro zombou de Jesuralém, “Nós vos anunciamos o evangelho da promessa feita a nossos pais, como Deus a cumpriu plenamente a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.” E então disse o Senhor Deus, “Eis que estou contra ti, ó Tiro, e farei subir contra ti muitas nações, como faz o mar subir as suas ondas. Elas destruirão os muros de Tiro e deitarão abaixo as suas torres; e eu varrerei o seu pó, e farei dela penha descalvada. No meio do mar, virá a ser um enxugadouro de redes, porque eu o anunciei, diz o Senhor Deus; e ela servirá de despojo para as nações. Suas filhas que estão no continente serão mortas à espada; e saberão que eu sou o Senhor. Porque assim diz o Senhor Deus: Eis que eu trarei contra Tiro a Nabucodonosor, rei da Babilônia, desde o Norte, o rei dos reis, com cavalos, carros e cavaleiros e com a multidão de muitos povos. As tuas filhas que estão no continente, ele as matará à espada; levantará baluarte contra ti; contra ti levantará terrapleno e um telhado de paveses. Disporá os seus aríetes contra os teus muros e, com os seus ferros, deitará abaixo as tuas torres. Pela multidão de seus cavalos, te cobrirá de pó; os teus muros tremerão com o estrondo dos cavaleiros, das carretas e dos carros, quando ele entrar pelas tuas portas, como pelas entradas de uma cidade em que se fez brecha. Com as unhas dos seus cavalos, socará todas as tuas ruas; ao teu povo matará à espada, e as tuas fortes colunas cairão por terra. Roubarão as tuas riquezas, saquearão as tuas mercadorias, derribarão os teus muros e arrasarão as tuas casas preciosas; as tuas pedras, as tuas madeiras e o teu pó lançarão no meio das águas. Farei cessar o arruído das tuas cantigas, e já não se ouvirá o som das tuas harpas. Farei de ti uma penha descalvada; virás a ser um enxugadouro de redes, jamais serás edificada, porque eu, o Senhor, o falei, diz o Senhor Deus. Assim diz o Senhor Deus a Tiro.”

Isso é uma coisa muito detalhada, pessoal. O que eu quero dizer é que não temos aqui uma profecia genérica, mas bem específica. Esta é uma grande cidade fenícia. Desde o sétimo século A.C., ela controlava a Fenícia. Ela tinha grandes muros de aproximadamente 46 metros de altura. Isso é muito alto. Cinco metros de espessura, e ela estava no seu auge na época que Josué guiou Israel para Canaã. Hirão I era o seu rei. Ele ajudou Davi a construir o palácio e, de acordo com 1 Crônicas 22, ele ajudou Salomão a construir o templo.

Três anos depois desta profecia ser dada, Nabucodonozor veio e cercou a cidade por treze anos. Elas eram cidades com muros, então a única coisa que você poderia fazer era barrar tudo de entrar na cidade, e eles eventualmente morriam de fome. Levou 13 anos. De 585 a 573. Finalmente, a cidade se rendeu pois estavam todos morrendo. Nabucodonozor quebrou os muros e as torres, destruiu a cidade, e fez tudo o que Ezequiel disse que ele faria. E claro, ele não estava lendo Ezequiel quando ele fez isso. Ele entrou na cidade. Ele não achou nenhum objeto de valor. Ele achou que ele encontraria objetos assim, mas eles usaram as suas tropas para tirar os objetos da cidade. Ele levaram todos os objetos para uma ilha na beira da costa. Mas é claro, no capítulo 29, Ezequiel diz, “Vocês não terão nenhum objeto roubado. Vocês não terão nenhum objeto roubado.” E foi exatamente isso que aconteceu. Quando ele chegou ali, eles tinham levado todos os objetos valiosos para a ilha. Nabucodonozor não tinha uma força naval para ir atrás deles. A ilha, então, se tornou a nova cidade onde ela prosperou por 250 anos naquela ilha. Somente parte da profecia foi cumprida, a parte a respeito de Nabucodonozor, a parte a respeito da destruição do muro, de derrubá-lo, de matar as pessoas e de não pegar os objetos valiosos. Mas nem tudo estava completo. As ruínas ainda estavam naquele lugar. Os destroços ainda estavam ali.

250 anos depois, um rapaz de 24 anos, chamado de Alexandre o Grande, apareceu. Ele tinha uma tropa de 33.000 homens. Ele tinha 15.000 cavaleiros. Ele tinha acabado de derrotar os Persas e estava a caminho do Egito. Ele precisava de abastecimento, então ele foi para a ilha de Tiro, a nova cidade, e enviou uma mensagem a eles, “Eu quero que vocês abasteçam todos os meus homens, todos os meus cavalos, e todo o meu exército,” e eles responderam, “Esqueça. Você não tem uma força naval e nós estamos em uma ilha. Nós não te ajudaremos.” Ele não gostou disso, e não era nada bom quando Alexandre o Grande ficava nervoso. Ele não tinha uma força naval mas ele decidiu que ele deveria achar uma forma de chegar na ilha. Então, ele fez o que Ezequiel, o profeta, disse que seria feito. Ele disse que não restaria nada no lugar e que as ruinas seriam jogadas no mar.

Bom, que conquistador em sã consciência faria isso? Por que perder seu tempo jogando tudo no oceano, todas as pedras e todo o resto? Mas era exatamente isso que deveria acontecer, e foi o que Alexandre fez. Ele pegou todas as ruinas e construiu uma estrada de 61 metros de distância até a ilha.

Agora, a ilha tinha se fortificado também com muros que chegavam até a beira do mar. Conforme Alexandre se aproximou, ele percebeu que ele teria que passar por aqueles muros. Para fazer isso, ele construiu estas torres enormes chamadas de Heliopolis, de 49 metros de altura, de acordo com os registros, 20 andares de altura. Elas possuíam artilharias, uma ponte de contato. Eles empurravam estas torres pela estrada e atiravam nas pessoas dali. Quando eles chegaram no muro, baixaram as pontes e entraram na cidade. Ao longo do processo, é claro, as pessoas estavam jogando e atirando coisas no muro, inventando algo chamado a tartaruga, que eram grandes cascas que protegiam os trabalhadores para construir a estrada.

Ele levou sete meses para construir tudo. Ele entrou e matou 8.000 pessoas em apenas alguns meses. Ele executou mais 7.000 pessoas, vendeu 30.000 como escravos, e cumpriu cada detalhe da profecia. Ainda que a cidade de Jerusalém foi reconstruída 17 vezes, Tiro nunca mais seria construída. Foi exatamente o que Deus disse. “Vocês nunca mais construirão.” Você sabe o que eles fazem hoje? Vá lá hoje. Você descobrirá o que eles fazem. Eles trabalham com redes de peixe, assim como o texto disse. Qual é a probabilidade disso? Por volta de 1 em 75 milhões.

Além disso, a cidade irmã de Tiro, conhecida pelo nome de Sidom, também recebeu uma profecia. No versículo 22 de Ezequiel 28, “Assim diz o Senhor Deus: Eis-me contra ti, ó Sidom, e serei glorificado no meio de ti; saberão que eu sou o Senhor, quando nela excutar juízos e nela me santificar. Pois enviarei contra ela a peste e o sangue nas suas ruas, e os traspassados cairão no meio dela, pela espada contra ela, por todos os lados; e saberão que eu sou o Senhor.”

Hmm. Vai ser sanguinário. Ali está o centro de adoração a Baal, a cerca de 32 quilômetros ao norte de Tiro. A profecia disse que haveria sangue nas ruas, espadas por todos os lados, mas nenhuma profecia de destruição total. E foi isso que aconteceu. Sangue por todos os lados. Espadas por todos os lados. Aquela pobre cidade foi sitiada várias e várias e várias vezes, mas ainda é uma cidade hoje. Hoje, ela é chamada de Saida, e ainda está lá.

Em 351 a.C. ela foi governada pela Pérsia. Houve uma apreensão daquela cidade através de uma revolução. Toda a esperança de salvar a cidade tinha ido embora. As pessoas sendo atacadas pelos persas, 40.000 delas preferiram morrer ao invés de se submeterem à violência persa, colocando fogo em suas casas e morrendo queimados dentro delas. Sangue correu pelas ruas da cidade muitas vezes. Aquela cidade, Sidom ou Saida, foi tomada três vezes pelas cruzadas e três vezes pelos muçulmanos. Em 1840, ela foi bombardeada pelas forças unidas da Inglaterra, França e Turquia. No entanto, ela ainda permanece porque Deus disse que ela não seria destruída. Ela ainda está lá.

Você pode estudar a Bíblia, e ela preverá coisas que são historicamente absolutamente precisas. Ezequiel 30 profetizou a destruição do Egito. Naum 1, a destruição de Nínive. Isaías 13, a destruição da Babilônia. Oséias 13, a destruição da Samaria. Ezequiel 25, a destruição de Moabe e Amom. Um matemático chamado Peter Stoner pegou 11 profecias com todos os seus detalhes e calculou a probabilidade delas ocorrerem por acaso; 1 em 5.46 x 10 à 59ª potência. Você diz, “O que isso quer dizer?” Eu não sei. Eu nem consigo pensar nisso.

Como que você calcula isso? Como você consegue compreender isso? Bom, ele estimou da seguinte forma; que se todo o universo contivesse 2 trilhões de galáxias, cada com 100 bilhões de estrelas, nós contaríamos todas as estrelas em todas estas galáxias em 2x10 à 5ª potência. Um número incrível. Estes tipos de probabilidades não acontecem.

Portanto, quando você vê a Bíblia falando cientificamente, geograficamente, historicamente ou seja lá o que for; ela é precisa. Esta é a Palavra d Deus, e qual é o benefício disso? Vamos voltar para o nosso texto original e terminar ali, em 2 Timóteo 3. Qual o benefício de tudo isso? “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” Que coisa tremenda!

Nós não apenas temos a Palavra de Deus, mas nós temos a Palavra de Deus que pode nos equipar para toda a boa obra. Seria uma coisa se nós apenas tivéssemos a boa Palavra de Deus, mas nós temos a Palavra de Deus que transforma nossas vidas. Qual deveria ser a nossa resposta a isso? Primeiramente, creia. Creia. Em segundo lugar, estude-a. Em terceiro lugar, honre-a. Deus é exaltado acima do seu nome. Ame-a. “Ó, como eu amo a Tua lei,” Davi disse no Salmo 119:97. Obedeça, faça o que ela diz. Lute por ela, de acordo com Judas 3, “Batalhem, diligentemente, pela fé.” Pregue-a, de acordo com 2 Timóteo 4:2, “Pregue a Palavra.”

Você sabia que, ao longo da sua vida, você provavelmente comerá 150 cabeças de vaca? Talvez um pouco mais. Você comerá pelo menos 3000 francos, 225 cordeiros e 26 ovelhas. Você comerá 310 porcos só atraves do bacon e do presunto. Vinte e seis acres de grãos, 50 acres de frutas e vegetais. Posso lembrá-los do que Jesus disse? “O homem não viverá apenas de” – o que? – “pão, mas de toda palavra” – que? – “procede da boca de Deus.” Meus amigos, enquanto vocês comem um pouco de tudo isso, um pouco deste livro, vamos orar juntos.

“Cada palavra procede da boca de Deus.” Que bela afirmação. Pai, nós estamos contentes em saber que é isso que nossa Bíblia é, palavras que saíram da boca de Deus, do Deus que não apenas conhece a história, mas que a escreve; que não apenas entende a ciência, mas que a criou; que não apenas entende a dimensão espiritual, mas que é esta realidade. Ó Deus, que preciosidade! Ajuda-nos a amar a Tua Palavra, a honrar a Tua Palavra, a crer na Tua Palavra, a estudar a Tua Palavra, a defender a Tua Palavra, a proclamar a Tua Palavra. Faça-nos pessoas deste livro, que embora nos alimentemos com todas as coisas desta vida, não nos esqueçamos de que realmente vivemos por cada Palavra que sai da Tua boca.

Pai, ajuda-nos a nos comprometer com aquilo que precisamos para renovar nossa devoção a tua Palavra, pois nela, Tu és revelado. Nós desejamos conhece-Lo. Que possamos perceber que conhecer a Ti é algo que vem através da Tua Palavra e através das tribulações e experiência da vida em que nós aplicamos a Palavra. Vá de encontro a cada necessidade de cada coração. Em nome de Cristo, Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

< !--Study Guide -->

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize