Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Estamos em um estudo contínuo de 1 Pedro. Encontramo-nos hoje à noite no capítulo 4 olhando pela segunda vez nos versículos 1 a 6, e discutindo o assunto que está no coração de Pedro, ou seja, uma memória que evita o pecado. John Owen o grande puritano que eu tenho lido parece bastante freqüente nas últimas semanas disse isso "O pecado no crente é um fardo que o aflige e não um prazer que o agrada". Todo verdadeiro crente vive em uma tremenda batalha entre o desejo da carne não redimida e as compulsões do novo homem. A nova natureza. Como o apóstolo Paulo, em Romanos 7, amamos a lei de Deus. Como o apóstolo Paulo em Romanos 7, nós lutamos contra a lei do princípio do pecado e embora haja algo profundo dentro de nós plantado lá pelo próprio Deus no maravilhoso milagre da regeneração, há um novo princípio de vida que anseia pelo que é certo, o que é verdadeiro, o que é bom, o que é honrado, nobre, santo e puro. Há também aquela carne não redimida na qual essa novidade está encarcerada e portanto, a batalha. E a pergunta que fazemos, à medida que olhamos para este texto hoje à noite é, como vamos lidar com essa guerra? Como enfrentar a realidade desse conflito e conhecer esse caminho de vitória? Deixe-me sugerir-lhe que um fator que é muito importante é ter uma perspectiva tripla em relação ao pecado. Em primeiro lugar, temos de ter um olhar para a frente. Devemos ter uma espécie de orientação futura. Nisso estamos fazendo o que Jesus disse, observando e orando para que não entremos em tentação. Para fazer o que o apóstolo Paulo disse, andando com circunspecção para estar em alerta sabendo que à nossa frente em qualquer momento um fôlego é uma formidável tentação.

E assim deve haver um sentido em que vivamos em antecipação. Vivamos em vigilância vivamos em alerta. Mas então não há apenas uma dimensão futura em nossa perspectiva mas também deve haver uma dimensão presente. Não devemos apenas estar antecipando temos de estar lidando com o que está presentemente aqui. Devemos odiar o que é mau. Devemos nos apegar ao que é bom. Como disse Paulo, devemos revestir-nos do Senhor Jesus Cristo e não fazer, no tempo presente, nenhuma provisão para que a carne satisfaça suas concupiscências. Assim, sentir o que é iminente no futuro, viver no que é real no presente, nos ajudará a lidar com o pecado. Mas há um outro olhar e que é o olhar que Pedro realmente se concentra em seu texto e que é um olhar para trás. Tem que haver uma visão do passado também. E creio que qualquer pessoa que lida com o pecado deve ter uma boa memória. Pedro vai nos ajudar a entender o que precisamos lembrar quando vemos o texto por isso vamos começar no versículo 1. "Ora, tendo Cristo sofrido na carne, armai-vos também vós do mesmo pensamento; pois aquele que sofreu na carne deixou o pecado, para que, no tempo que vos resta na carne, já não vivais de acordo com as paixões dos homens, mas segundo a vontade de Deus. Porque basta o tempo decorrido para terdes executado a vontade dos gentios, tendo andado em dissoluções, concupiscências, borracheiras, orgias, bebedices e em detestáveis idolatrias. Por isso, difamando-vos, estranham que não concorrais com eles ao mesmo excesso de devassidão, os quais hão de prestar contas àquele que é competente para julgar vivos e mortos; pois, para este fim, foi o evangelho pregado também a mortos, para que, mesmo julgados na carne segundo os homens, vivam no espírito segundo Deus.”

Agora lembre-se que Pedro está escrevendo para os cristãos que estão experimentando sofrimento. Cristãos que estão experimentando rejeição. Cristãos que estão sofrendo perseguição diretamente. E como ele tem, em várias ocasiões, falado sobre a dificuldade de uma pessoa piedosa em uma situação ímpia, ele enfatiza no final do capítulo 3 o ponto muito forte de que, no maior sofrimento, pode haver o maior triunfo. É claro que, quando você estuda 1 Pedro, o sofrimento é o pano de fundo, e que há um sentido no qual o ponto culminante, para ver o sofrimento, entra no capítulo terceiro, versículos 18 a 22 com a compreensão de que o maior sofrimento pode levar ao maior triunfo. E o exemplo disso não é outro senão Jesus Cristo. E você vai se lembrar do nosso estudo de Cristo que apontou, quando nós atravessamos essa passagem, que Jesus, na hora da sua maior dificuldade, na hora de Sua mais alta dor, a mais severa perseguição ou seja a hora de Sua morte obteve a maior vitória que o mundo já conheceu.

E o ponto de Pedro é, não importa quão difícil seja a hostilidade, por mais severa que seja a perseguição, entenda que o que pode ser o momento mais difícil também pode ser o momento mais triunfante. Lá estava Cristo sendo assassinado na cruz e através dessa mesma morte Ele estava triunfando sobre o pecado. Ele estava triunfando sobre Satanás. Ele estava triunfando sobre os demônios. Ele estava triunfando sobre a morte. Ele estava triunfando sobre o inferno. Ele estava triunfando, por assim dizer, até mesmo sobre o julgamento de Deus, e no final Ele foi altamente exaltado pelo próprio Deus. E o versículo 22 diz que Ele foi posto à destra de Deus depois que tudo foi sujeitado a Ele.

Assim, cristão, o sofrimento pode ser triunfante. Com base nisso chegamos ao versículo 1. Portanto, uma vez que há um grande triunfo no sofrimento, já que Cristo sofreu na carne, arme-se também com o mesmo propósito porque quem sofreu na carne cessou do pecado. Pedro diz, Cristo sofreu na carne triunfantemente, faça você o mesmo. Você pode ter a vitória que é paralela, de certa forma, à vitória de Cristo. Agora o que especificamente ele tem em mente? Deixe-me lembrá-lo.

Quando ele diz que Cristo sofreu na carne, ele quer dizer Cristo morreu. Ele está falando lá sobre a crucificação como observado no versículo 18, Cristo também morreu. Alguns manuscritos dizem que sofreu, supomos que o intercâmbio tem a intenção de apontar um para a morte e outro para o sofrimento associado a isso, mas ambos vão juntos, obviamente, quando no versículo 1 do capítulo 4 diz que Cristo sofreu, está implícito nisso que ele morreu. É um sinônimo aqui para a morte.

Ele diz então arme-se com o mesmo, ennoia, arme-se com a mesma idéia, o mesmo propósito, o mesmo princípio, o mesmo pensamento, e que pensamento é esse, que idéia e que finalidade? Que você está disposto a morrer por causa da justiça, porque, você sabe que você pode triunfar nele. Agora se você está armado contra a perseguição com a disposição de morrer, se você está disposto a fazer o que Jesus disse em Mateus 10:38 e 39, e Mateus 16, tome sua cruz e siga-O, o que implica uma disposição de morrer ali também. Se você está disposto a morrer por causa de Cristo, então você se armou com a mesma idéia que Cristo teve quando Ele morreu. Pois Ele morreu por causa da alegria que lhe estava proposta. Ele sabia o que isso faria. Ele entendeu o triunfo nela. E você também precisa entender.

E o que é esse triunfo?, olhe para o fim do versículo 1, "pois aquele que sofreu na carne deixou o pecado" esse é um aspecto disso. Nós observamos em nosso último estudo, algumas das discussões sobre essa frase e eu compartilhei com você a conclusão que eu tenho deste texto e o que ele está falando lá é muito simples, o que ele está dizendo é, se eles matam você, você vai cessar com o pecado. A frase "sofreu na carne" novamente no final do versículo 1, significa o mesmo que significava no início do versículo 1, e tem a ver com a morte de Cristo, tem a ver com a morte. O que ele está dizendo é que se você morrer você deixa de pecar. O ponto é este, o pior que seus perseguidores poderão lhe fazer é matá-lo, e se o matarem a batalha terminou. Isso soa convidativo? Deveria. Essa é a ideia. E se você está armado com essa idéia você não vai retrair. Você terá coragem e ousadia e confiança e força no meio de qualquer julgamento. Qualquer dificuldade, qualquer perseguição, qualquer ameaça. Então esse tipo de atitude produzirá a atitude do versículo 2, de modo a viver o resto do tempo na carne não mais para os desejos dos homens. Essa é a chave. Se você está disposto a morrer sabendo que você cessará com o pecado, então você acabou de tirar a maior arma que os inimigos têm contra você e que é a ameaça de morte, e se isso não é uma ameaça para você então isso não é arma para eles . E se você entender que o objetivo de sua vida é parar de pecar, e o que toda morte pode fazer é trazer essa meta para a realidade, se você entender que essa é a meta de sua vida, então você vai viver o resto de sua vida na carne, não mais para os desejos dos homens.

Em outras palavras Pedro está dizendo que, uma vez que você se arma com a realidade de que seu objetivo é estar livre do pecado, ele irá difundir a ameaça de morte e irá controlar a maneira como você vive a sua vida. Você deve viver a sua vida evitando o pecado, não mais guiado pelo desejo carnal, nunca abrindo concessão, porque a morte só poderia ser a libertação do pecado e assim que ameaça poderia fazer você se comprometer. Isso então se torna um estímulo muito importante para gerar o desvio do pecado. Agora, Pedro, então, começa a explorar esse conceito de lembrar. E eu quero apenas levá-lo através disto, simplesmente passarmos por dois pontos do esboço, e eu estou apenas condensando brevemente isso. Lembre-se disto em primeiro lugar, Pedro nos dará vários pontos, lembre-se o que o pecado fez a Jesus Cristo, versículo 1. Ele o matou. Se vamos lidar com o pecado e se vamos ter a vitória sobre o pecado, teremos que odiar o pecado. Parte de odiar o pecado é entender o que o pecado faz. Nenhuma ilustração maior do que o pecado faz do que olhar para o que fez a Cristo. Cristo sofreu. Cristo morreu como diz o versículo 18 do capítulo 3.

Em segundo lugar em nosso último estudo notamos que você deve ter uma boa memória sobre o que o pecado fez a Cristo e em segundo lugar uma boa memória sobre o que o pecado fez aos cristãos. Segunda parte do versículo 1. Ele os mata também. Não só os mata de tempos em tempos, há mártires aqueles que morreram por causa de Cristo. Mas isso faz com que eles notem isto e batalhem toda a sua vida até morrerem. A implicação no final do versículo 1 é que a única maneira de cessar o pecado é morrendo.

Devemos odiar o pecado porque matou a Cristo. Devemos odiar o pecado porque ele impede os crentes de serem o que Deus pretende que eles sejam: perfeitos, santos, semelhantes a Cristo, livres do pecado. Ele nos impede de sermos o que devemos ser. Isso nos leva fazer o que não queremos fazer e a não fazer o que queremos fazer. Cria um conflito terrível. Fornece para nós um certo tipo de escravidão da qual nunca poderemos ser totalmente libertados, e é por isso que clamamos pela redenção de nosso corpo em Romanos capítulo 8. Agora, em terceiro lugar, e aqui é onde realmente pegamos nosso estudo esta noite. Devemos nos lembrar se vamos evitar o pecado não só pelo que ele fez a Cristo e pelo que ele fez com os cristãos, mas pelo que tem feito a Deus, e isso apenas por implicação, mas eu acho que é um ponto que precisa ser feito. O versículo 2 diz que o crente deve viver o resto do tempo na carne não mais pela concupiscência dos homens, mas segundo a vontade de Deus. E aqui queremos lembrar o que o pecado faz a Deus. O que ele faz a Deus é violar o que? Sua vontade. Essa é a implicação.

Pedro nos chama a perceber que devemos fazer a vontade de Deus pelo resto do tempo na carne porque antes de nossa salvação, obviamente, fizemos tudo menos a vontade de Deus. Ele contrasta viver para os desejos dos homens e viver para a vontade de Deus. Um ou outro. Pedro está simplesmente dizendo para lembrar que devemos olhar para trás e entender que o pecado viola a vontade de Deus. E quando vivemos em pecado, quando seguimos os desejos dos homens, violamos a vontade de Deus.

A Bíblia está cheia de muitas exortações a esta questão de obediência, e gostaria apenas de levar você a algumas que são bastante familiares para você. Mateus capítulo 7 diz-nos isso no versículo 24 que "Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína." Essa coisa toda pode ser resumida dizendo que o julgamento virá no final e virá sobre aqueles que não fizeram a vontade de Deus. No versículo 21 Jesus disse, "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus".

Esta é então uma exortação à obediência à vontade de Deus. Em Mateus capítulo 28 todos somos lembrados do fato de que na Grande Comissão Jesus disse que devemos ensiná-los a observar tudo o que tenho ordenado. Isso é parte integrante de fazer discípulos, é levar o homem à obediência aos mandamentos que expressam a vontade de Deus. Você se lembra bem talvez de sua infância memorizando Romanos 12:2 "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." Em Efésios capítulo 5 e versículo 7 a Escritura diz, que não devemos ser participantes daqueles que são enganadores, sobre os quais vem a ira de Deus, que são chamados filhos da desobediência. Em Efésios 6:6 diz que devemos ser escravos de Cristo fazendo a vontade de Deus de coração. Eu amo Colossenses 4:12 fala de Epafras "que é dentre vós, servo de Cristo Jesus, o qual se esforça sobremaneira, continuamente, por vós nas orações, para que vos conserveis perfeitos e plenamente convictos em toda a vontade de Deus." E assim vai e vai e passa pelo Novo Testamento, o chamado à obediência. O pecado, por outro lado, começando com Lúcifer e sua queda, é uma expressão de desobediência, recusa em fazer a vontade de Deus.

O pecado é rebelião, diz a Escritura, o pecado é hostilidade contra Deus. Agora, amados, este é um ponto simples que eu faço, e essas Escrituras são apenas para lembrá-lo de quão importante é a obediência. Mas esse é um ponto simples. A questão é esta, como podemos pecar quando compreendemos que isso viola a vontade de Deus? Deus que tem sido tão gentil conosco. Deus que tem sido tão amoroso, misericordioso e bondoso, como podemos viver, para colocar isso nas palavras de Pedro, o resto do nosso tempo nas concupiscências dos homens em vez de na vontade de Deus.

Não podemos. Não podemos. Se você deseja evitar o pecado em sua vida você deve olhar para trás, você deve entender o que o pecado fez a Cristo, ele o matou. É uma coisa desprezível, odiosa, você deve entender o que tem feito aos cristãos. Ele os retardou e os impediu de serem tudo o que podiam, e de serem separados dele. Você deve lembrar o que faz a Deus. Viola a Sua santa vontade. Há um sentido em que dá um golpe em Seu rosto abençoado. Rebela-se contra Ele. Veja isso pelo que é. Jeremias capítulo 22, versículo 21 e Jeremias 35:14 diz, "Eu tenho falado com você de novo e de novo, mas você não me ouviu." Essa é a essência do pecado, rebelião.

Em quarto lugar creio que Pedro nos sugere aqui que, se quisermos evitar o pecado devemos nos lembrar do que o pecado fez à humanidade perdida. Não só o que ele fez a Cristo, o que fez aos cristãos, em retardá-los de ser o que poderiam ser, não só o que tem feito a Deus, mas o que tem feito à humanidade perdida. E este é o coração dos versículos 3 a 5 aos quais chamo sua atenção. O que você tem nos versículos 3, 4 e 5 é uma descrição bastante gráfica e trágica dos efeitos devastadores do pecado sobre a humanidade que deve fornecer a sua memória com abundância de razões para evitar o pecado. Ele diz que você deve viver o resto do tempo na carne não mais para os desejos dos homens mas para a vontade de Deus porque o tempo já passado é suficiente para você ter realizado o desejo dos pagãos, ou dos gentios ou das nações. Em outras palavras, você já teve tempo suficiente. Você já teve oportunidade suficiente para viver em pecado. Por que arrastá-lo por mais tempo. E ele aqui refere-se à sua vida de pré-conversão, até o tempo antes de você conhecer a Cristo, e ele diz que sua experiência pré-cristã de pecado é suficiente. O sentido da palavra, aliás, suficiente, o sentido dessa palavra é realmente "mais do que suficiente". O sentido disso é "mais do que suficiente". Você já teve mais do que suficiente desse tipo de vida. Você realizou o desejo dos gentios de tal forma que você não precisa mais fazê-lo.

A propósito o desejo aqui é boulēma que parece ter a idéia de um desejo que é um propósito é um desejo proposto e quando você não foi salvo e quando você estava sem Deus e sem Cristo seu coração se propôs a cumprir o seu desejo maligno . É o que Pedro chama no capítulo 118 um modo de vida inútil. Você já gastou mais do que tempo suficiente nisso. Tempo suficiente para ter trabalhado para fora para ter produzido para ter realizado o estilo de vida pagão ao seu limite; Agora deixe-o sozinho.

Então lembre-se do que fez com a humanidade perdida, lembrando-se de como você era antes de se converter e, o resto do tempo, faça a vontade de Deus. Você tinha o suficiente disso. Agora, Pedro nem sequer para com essa injunção, mas lembra com eles e fica um pouco mais específico. Note novamente no versículo 3. Ele descreve esse estilo de vida anterior como tendo seguido um curso. O verbo significa "conduzindo a própria vida" essa é a sua idéia. Você conduziu sua vida ao longo deste curso. Movendo-se ao longo do curso do pecado como se fosse a batida hipnótica de um baterista diabólico, é o diabo que dá a cadência para a marcha solene para o pecado, e você estava fazendo isso, e isso é suficiente. Olhe para o seu passado, não é o suficiente? Há muitos de vocês aqui esta noite que olham para o seu passado e dizem, sim foi o suficiente mais que suficiente. Vamos olhar para isso um pouco mais de perto. Como era? Seis palavras descrevem isso. Você seguia um curso de sensualidade, aselgeia, a palavra é usada para descrever o espírito que não conhece restrição. O espírito que se atreve a cometer qualquer pecado. Desenfreado. Vício sem restrições. Na verdade a palavra antiga para isso é "deboche".

E essa palavra significava uma indulgência excessiva ao prazer sensual. Ele está dizendo que era assim, antes de você vir a Cristo em sua condição perdida, você vivia em iníquo descrédito, aberto, ultrajante contra Deus. Você exibia seu vício. E certamente isso é verdade na cultura em que vivemos, o que teria de ser definido como uma cultura pornográfica. A segunda palavra que ele usa está intimamente associada à primeira. Ele usa a palavra "luxúria" "paixão"; Isso significa mal desejo.

É ser movido pelo instinto animal para ser conduzido pela paixão. É indulgência estúpida nos prazeres que a paixão persegue. Em seguida, ele usa outra palavra "embriaguez". Esta palavra significa literalmente vinho borbulhando e fala de intoxicação, embriaguez habitual; poderia muito bem falar da embriaguez que vem de drogas também. A quarta palavra que ele usa é traduzida por orgia. Kōmos, realmente refere-se a uma festa selvagem, uma orgia selvagem. O termo foi usado na literatura extra-bíblica para se referir a um bando de bêbados, pessoas agindo com selvageria, que estavam cambaleando, balançando, contando vantagens e cantando pelo caminho, pelas ruas, fazendo algazarra, causando estragos a selvageria. Embriaguez pública. E aliás, era geralmente associado com a adoração de deuses falsos, os cultos do tempo antigo - como o culto de Dionísio ou Baco. E em seguida ele acrescenta uma palavra que é muito semelhante: festas com bebedeiras, potos, bebedice. Apenas beber por beber e ficar bêbado.

E então ele acrescenta idolatrias abomináveis. A adoração de ídolos. Isso é uma abominação para Deus. Agora, queridos amigos, é a caracterização de uma pessoa não regenerada. Nem todo mundo, é claro, é tão ruim quanto eles poderiam ser, mas isso é muito tipicamente o estilo de vida de uma pessoa não regenerada em nossa cultura, e era no tempo de Pedro também. Ele disse que você fez o suficiente disso, o suficiente de uma vida vil pervertida; o suficiente sendo conduzido pela paixão. O suficiente de embriaguez. O suficiente de festas selvagens. O suficiente de bebedices. O suficiente de idolatrias abomináveis de adoração a falsos deuses. O suficiente. De agora em diante não viva dessa maneira. Lembre-se de como você viveu. Lembre-se do que o pecado fez com você. Lembre-se da dor de sua sensualidade e sua luxúria. Sua embriaguez e suas orgias. A dor de suas bebedices e de idolatrias abomináveis. O interessante em tudo isso - que foi empacotado e amarrado em uma fita chamada "religião" nos tempos antigos. Foi justificada como uma forma de adoração a uma divindade.

E no versículo 4 Pedro acrescenta, e é muito interessante que "Por isso, difamando-vos, estranham que não concorrais com eles ao mesmo excesso de devassidão". Rapaz, isso é sempre verdade. Eles ficam surpresos quando você diz que minha vida está mudada eu não faço mais isso; Eles ficam surpresos. Eles ficam chocados quando sua vida é diferente. Isso é normal para eles. É tanto um modo de vida, que quando você não vive dessa maneira eles são surpreendidos. O verbo significa estar surpreso chocado. E inclui a idéia de tomar uma ofensa. Eles se ressentem de você. Por quê? Eles se ressentem de você porque você não corre com eles para o mesmo excesso de dissipação. Você vê, primeiro de tudo, quando eles vêem você transformado e você não está vivendo sua vida dessa forma isso causa admiração neles eles. É uma surpresa.

J.B. Nichols escreve "Os licenciosos ligados por hábitos que não podem quebrar, inflamados por concupiscências que não podem extinguir, gravitados por um poder que não podem, por eles mesmos, resistir, ficam espantados com a mudança completa na vida daqueles crentes cujo objetivo total na vida é, agora a vontade de Deus." E como M.B. Welch escreveu há muitos anos naquele adorável poema, "Mas o mestre vem e a multidão insensata nunca consegue entender o valor de uma alma na mudança que é operada pelo toque da mão do Mestre". Eles não entendem e isso os incomoda muito e acumula a culpa em cima de sua cabeça porque você não corre com eles.

Você não faz mais o que eles fazem. Você não está continuando, literalmente, a concorrer com eles. Enfatizando que houve uma vez que você fazia e agora eles estão ofendidos que você não faz mais. Essa pequena frase "no mesmo excesso de devassidão" é frase muito vívida. O retrato é de uma grande multidão que corre junta em uma corrida selvagem, louca. Um mergulho numa disputa alucinada. William Kelly diz ser uma debandada eufórica numa corrida de buscadores por prazer. O termo "excesso", usado apenas aqui, significa principalmente "a confluência de águas". Tem a idéia de que as águas se juntam para fluir. Alguns sugerem que tem a idéia de uma cisterna. Outros sugerem a idéia de refugo derramando em uma fossa. Ele retrata a vida de pré-conversão como esta corrida selvagem e louca, de idólatras libidinosos, bêbados, sedentos por prazer e apaixonados que estão correndo como algumas águas sujas em uma fossa de devassidão. "Devassidão" significa o estado de mal em que uma pessoa não pensa em nada além de mal. Não pensa em saúde, não pensa em dinheiro, não pensa em reputação. Não pensa no caráter. Apenas paixão indulgente. Há uma paixão tão ardente no pecado que as pessoas estão perseguindo sua paixão irresistivelmente, compulsivamente, correndo para a fossa em devassidão. Eles são atraídos por isso. E Pedro diz que dificilmente é um spa para um cristão. Dificilmente um lugar para você. Lembre-se como era, lembre-se como era. E ele diz, difamam você.

Blasphēmeō. Eles blasfemam de você; Para difamar, para atacar a reputação de alguém, para difamá-los. Eles falam mal de você porque você não está mais correndo na mesma fossa que eles estão correndo. Novamente Kelly diz, "Há muitas evidências de fontes pagãs e cristãs de que foi precisamente a relutância dos cristãos em participar da rotina da vida contemporânea, particularmente as diversões convencionalmente aceitas, cerimônias cívicas e qualquer função envolvendo o contato com a idolatria, ou o que eles consideram imoralidade que os fez ser odiados desprezados e suspeitos de práticas ilícitas".

Foi justamente por isso que as pessoas as odiaram. A humanidade perdida é um bando feio. Eles difamam os cristãos. Eles desprezam os cristãos. Eles correm como águas sujas em uma fossa de devassidão. Essa é uma imagem feia e o que Pedro está dizendo é, "lembre-se que você costumava correr com eles. Você costumava praticar aquela mesma devassidão de sexualidade pervertida, bebedice, idolatria e loucura. E você foi salvo disso. E você se tornou o objeto de seu amargo azedume. E agora vocês vão se entregar aos pecados que fizeram no passado?

Seria melhor ser justo e sofrer triunfantemente do que entrar naquela fossa. E ele acrescenta uma nota no versículo 5, "os quais hão de prestar contas àquele que é competente para julgar vivos e mortos". Esse verbo "hão de prestar contas" significa "pagar de volta". Pagar de volta. Na verdade, pessoas que fazem isso, que vivem assim, e que causam dispersões em cristãos e que difamam os crentes, estão acumulando uma dívida para com Deus em que eles irão gastar toda a eternidade pagando de volta. Eles serão obrigados a pagar. Este verbo é um termo de contabilidade. Deus tem registrado em seus livros, e eles vão pagar. As Escrituras descrevem esse pagamento. Você lê Mateus capítulo 18 versículos 23 e seguintes. Você lê Apocalipse capítulo 20 versículos 11 a 15, há um momento em que eles vão pagar. E eles prestarão conta àquele que está pronto para julgar quando eles estiverem diante do Grande Trono Branco do juízo. Ele diz isto, aquele que julga, julgará os vivos e os mortos. Os vivos aqueles vivos na época de Pedro. Os mortos, os já mortos, todos eles serão julgados, todos eles. Como Romanos 3:19 diz, Paulo escreve que toda boca será amordaçada e ninguém terá uma defesa. Eles não escaparão do julgamento. Eles serão espancados diante de um Deus santo diante do trono do juízo, sem defesa, sem um advogado, sem uma desculpa, e eles serão julgados. De fato a severidade de seu julgamento talvez seja tão graficamente descrita em 2 Tessalonicenses quanto em qualquer lugar "se, de fato, é justo para com Deus que ele dê em paga tribulação aos que vos atribulam e a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição." O seu dia virá. Seu dia virá. Uma nota no capítulo 4, versículo 5 - a palavra "àquele". Eles darão contas àquele que está pronto para julgar. Quem é o juiz? Quem é o identificado como "aquele"? Poderíamos dizer de primeira mão que é Deus. Primeira Pedro 1:17 "Ora, se invocais como Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo as obras de cada um"; isso se refere a Deus, mas se lemos João 5:22 a 27 ele nos diz que todos os julgamentos foram perpetrados por Jesus Cristo, e por isso acreditamos que Deus os julgará, mas Deus os julgará por intermédio de Seu filho, o Senhor Jesus Cristo a quem Ele cometeu todo juízo. O que o pecado fez aos que não foram salvos? Ele tem feito suas vidas corrompidas. Ele os mergulhou em uma fossa imunda de devassidão. E fez deles inimigos do povo de Deus. Isso os tornou inimigos de Deus. Inimigos de Cristo e objetos de um julgamento eterno e condenatório.

Eu acho que o que Pedro tem em seu coração é de nos lembrar e dizer "Olhe para isso, e não se esqueça disso." Isso deve ajudá-los a evitar o pecado. Deve ajudá-los a estarem dispostos a sofrerem por causa da justiça com alegria, assim evitar o pecado requer uma boa memória. Uma boa lembrança do que o pecado fez a Cristo. Ele o matou. O que o pecado fez aos cristãos. Isso nos impede de ser o que poderíamos ser, porque a única maneira que podemos deixar de pecar é morrendo. Estamos tão ligados na carne. Olhar novamente e vermos o que isso tem feito a Deus. Isso o ofendeu grandemente, porque o pecado é rebelião contra Sua vontade e veja o que fez aos perdidos. Tornou-os sujos e vis, lançando-os na perdição.

Finalmente, Pedro tem mais uma lembrança magnífica em nos ajudar a evitar o pecado e alegremente estarmos dispostos a sofrer por causa da justiça, e é isso, lembrem-se, em quinto lugar, do que Deus prometeu a você sobre vencer o pecado. Lembre-se do que Deus prometeu a você sobre vencer o pecado, veja o versículo 6. "pois, para este fim, foi o evangelho pregado também a mortos, para que, mesmo julgados na carne segundo os homens, vivam no espírito segundo Deus". Este é um versículo simples e profundo. "foi o evangelho pregado" significa a mensagem salvífica de Jesus Cristo. "também a mortos", significa simplesmente aqueles que estão agora mortos. Ele tem em mente alguns crentes que ouviram o evangelho e agora estão mortos. Alguns deles talvez tenham sido martirizados. Talvez alguns em associação com aqueles dois que esta carta foi enviada tinham morrido por sua fé em Cristo. E assim toda a idéia abrangente aqui é que o crente sob perseguição, sob tratamento injusto, sob punição e até mesmo a morte, até a morte, deve estar disposto a sofrer sabendo que há triunfo. Porque embora ele possa morrer na carne como homem, viverá no espírito de acordo com a vontade de Deus.

O que Pedro está dizendo é que Deus prometeu que pela morte você vencerá o pecado. Então ele lembra aos seus leitores que o evangelho foi pregado aos mortos para este propósito. Que embora sejam julgados na carne como homens literalmente condenados à morte por sua fé em Cristo, viverão no espírito de acordo com Deus. E então ele nos leva de volta para onde começamos. Tudo o que morte pode fazer é trazê-lo para a vida eterna na presença de Deus. Você vê, é um paralelo com tudo o que temos aprendido no final do capítulo 3 versículo 18. Cristo morreu mas ele não ficou morto. Ele foi vivificado no espírito. Seu corpo estava morto, Seu espírito estava vivo. O mesmo ponto aqui. Eles podem matar seu corpo, mas seu espírito estará vivo. E você entrará na promessa da vida eterna. Portanto evitando o pecado diante de grandes ameaças diante da perseguição e até da morte - é possível, nobre e justo; é ordenado. E uma maneira de ajudar nessa vitória é lembrar e lembrar o que o pecado fez a Cristo, o que ele faz com os cristãos, o que faz com Deus, o que faz com os perdidos. E então lembre-se do que Deus lhe prometeu no futuro.

Não importa o que nos façam podemos ser vitoriosos. Eu acho que Jesus disse muito a mesma coisa quando Ele disse "Não temais aqueles que destroem o corpo. Mas temei aquele que destrói a alma e o corpo no inferno." Amados, todos nós, como aqueles que vieram a Cristo, combatemos o pecado. Esta tem sido uma apresentação um pouco cuidadosa e talvez até técnica, eu não quero que você perca o toque com o impacto, mas todos nós lutamos contra o pecado. E o que lhe dá vitória não é alguma apreensão mística. Não é alguma percepção esotérica, mas simplesmente focando no dano e na devastação do pecado. Se podemos vê-lo pelo que é vamos odiá-lo como Deus odeia. Ver o que fez a Cristo, ver o que faz a Deus. Ver como ele aleija os crentes. Devasta suas vidas, seus casamentos, suas famílias. Retarda-os de serem o que Deus quer que eles sejam e entender como ele leva toda a raça humana a uma fossa de devassidão e finalmente o julgamento deve nos fazer odiar o pecado. E então quando você inverte isso e compara o outro lado que Deus nos prometeu, que no final não importa o que eles fazem para nós, vamos viver no espírito para Deus para sempre, não deve haver pressão deste mundo ímpio que pode nos fazer cair a seu nível de vida. Nem mesmo a ameaça da vida. Bem que Deus nos ajude a ser combatentes fiéis guerreiros contra este inimigo. Vamos nos curvar em uma palavra de oração.

Pai lembramos que no versículo seguinte nesta passagem, Pedro fala sobre a importância de se envolver na oração fervorosa. Pai possamos perceber que mesmo quando cultivamos a memória e quando compreendemos os terríveis, terríveis efeitos do pecado ainda devemos orar e depender de Ti como os recursos para a vitória em nossas vidas. Pai, faça-nos santos, justos, puros, continuemos a nos mover para a imagem de Cristo que é tanto nosso objetivo como nosso destino. E nós lhe daremos graças e louvor em Seu nome querido. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize