Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Primeira Pedro capítulo 4 é o nosso texto para a mensagem desta noite. Primeira Pedro capítulo 4 e versículos 7 a 11. Deixe-me lê-los para você como pano de fundo para o que o Espírito de Deus nos ensinará esta noite. "Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações. Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados. Sede, mutuamente, hospitaleiros, sem murmuração. Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!"

Quero falar com você a partir deste texto, e nas próximas semanas, sobre "O Dever do Cristão em um Mundo Hostil". Vamos começar simplesmente definindo um pouco o cenário do tempo em que nos encontramos, particularmente em relação à igreja. A igreja hoje precisa urgentemente de um avivamento espiritual, e esse avivamento só pode ocorrer quando nós, como cristãos, começarmos a cumprir nosso dever espiritual. Então, o que Pedro está nos dizendo aqui é pertinente para toda a questão da vida cristã. Se quisermos ser o que devemos ser de acordo com o plano e o desígnio de Deus neste mundo, convém que sigamos em obediência as verdades que nos são dadas nesses grandes versículos. A igreja precisa de um avivamento, e este virá quando os cristãos levarem sua vida cristã a sério. E somente quando a igreja for reavivada e restaurada, o mundo começará a realmente tomar conhecimento de nós.

É interessante, até mesmo dizer que a igreja precisa de um avivamento no nosso tempo porque, parece que não faz muito tempo, passamos por uma espécie de avivamento. De fato, essa condição desesperadora da igreja parece ser algo novo. Se você voltar, por motivos de ilustração, nos anos 70, você se lembrará de algo chamado "O Movimento de Jesus". O Movimento de Jesus testemunhou francamente um aumento sem precedentes no evangelicalismo bíblico conservador. Foi, na minha vida, o grande florescimento do interesse na Bíblia, o maior florescimento do interesse em evangelismo, estudo da Bíblia, discipulado, todas aquelas coisas que são o coração do evangelicalismo conservador. Houve, também, a explosão de novas traduções da Bíblia, começando com o New American Standard, e depois veio a Bíblia Viva, que não é realmente uma tradução mas uma paráfrase. Um grande interesse no estudo pessoal da Bíblia veio como resultado disso. A transmissão cristã pela mídia começou a explodir de forma exponencial, muito além da imaginação mais bravia da maioria dos profetas do futuro da igreja. No decorrer disso veio a publicação cristã, e para todo lugar que nos virávamos havia uma nova editora publicando novos materiais para a vida cristã.

E então vieram fitas e depois uma inacreditável, incansável, inundação da música cristã, proliferando até ao ponto em que não precisamos mais ouvir nada que não seja cristão e nunca conseguimos superar tudo o que está disponível. Houve uma tremenda explosão nas igrejas que creem na Bíblia. Eu lembro quando a maior igreja que conheci tinha 1.500 pessoas. Hoje, uma igreja com 1.500 pessoas seria considerada uma igreja de tamanho médio. Mesmo agora, as igrejas estão construindo auditórios para acomodar 5.000, 6.000, 7.000 e 10.000 pessoas, isso tudo como um subproduto desta explosão florescente que foi chamada de "O Movimento de Jesus". Todos nós agradecemos a Deus pelo que parecia ser um real avivamento, e talvez em retrospectiva, enquanto olhamos para trás, podemos avaliar dessa forma

Mas francamente, à medida que entramos na década dos anos 90, torna-se cada vez mais evidente que a tendência prevalecente na igreja deixou aquele momento de avivamento. Não há mais o que eu chamaria de movimento de avivamento na igreja, um movimento florescente, conduzido pelo Espírito Santo. O que tem acontecido agora é uma espécie de institucionalização popularizada da igreja.

Em um editorial recente na revista Masterpiece, que espero que você receba, escrevi sobre o que é chamado de "Cristãos Pop ou Cristianismo Pop", que é o que temos hoje. Temos um tipo de cristianismo popularizado e institucionalizado. É uma forma socialmente favorável do cristianismo, e de fato, torna-se cada vez mais socialmente aceitável, à medida que se desnuda cada vez mais de qualquer mensagem ofensiva. É surpreendente o quão rápido este movimento veio mas, francamente, com uma mídia com capacidade de comunicação de alta velocidade e alta tecnologia, eu me pergunto se algum movimento conseguirá durar muito tempo. Eles se movem muito rapidamente porque a comunicação se move muito rapidamente. Então aqui estamos saindo dos anos 70 e início dos anos 80, um momento de avivamento em uma mentalidade completamente diferente na igreja, um tempo de vida egocêntrica na igreja, um tempo de psicologia na igreja, um tempo de cristianismo popularizado, um tempo de cristianismo pragmatizado, em que perguntas estão sendo feitas: isso funciona? O que isso vai fazer por mim? Qual o sucesso que produzirá? Quanto dinheiro vai trazer? Em vez das coisas que honrarão o coração de Deus.

E a igreja pop, francamente, está em toda parte. Mais evidente, suponho, na televisão cristã e secundariamente na rádio cristã, espectáculos de variedades, de celebridades, e entretenimento de celebridades substituíram a adoração. E juntamente com isso o orgulho substituiu a humildade, o sucesso substituiu a excelência, e a astúcia substituiu o caráter e assim por diante. Programas de rádio cristãos apresentam a participação de qualquer convidado que você possa imaginar, com pouco comentário sobre se esse convidado está certo, errado ou indiferente. Os talk shows cristãos têm anfitriões que se sentam de forma onipresente com uma série de pessoas que atravessam a cena reivindicando todo tipo de coisa imaginável de Deus, e o anfitrião não faz nenhum comentário sobre qualquer coisa, apenas oferece uma plataforma para isso tudo. O rádio cristão é proliferado com psicoterapia, substituindo o ensino da Bíblia por um grampo. As igrejas locais estão se tornando rapidamente em zonas de conforto, clubes de campo cristãos, centros comunitários com impacto cada vez menos redentor e muito pouca ameaça contra o pecado.

E as tendências desse tipo de cristianismo pop, penso eu, são mais sutis do que o liberalismo teológico. O liberalismo teológico ataca a igreja de frente. É muito fácil vê-lo; é muito fácil lidar com ele. Mas a igreja pop age com hipocrisia à verdade, enquanto vai minando-a silenciosamente. O cristianismo pop tende a tornar a base da fé algo diferente da Palavra de Deus. A base da fé agora é a experiência. A base da fé é a emoção. A base da fé é resolver problemas; é a necessidade da teologia novamente. O Movimento Carismático liderou o caminho com uma nova base de fé e é uma revelação privada, com palavras particulares de Deus, ideias privadas, profecias particulares, visões particulares e assim por diante. A psicologia secular tem sido um tanto santificada e oferece uma terapia de auto-ajuda que também reflete esse afastamento da Palavra de Deus como base do viver da vida cristã. O ministério cristão foi crivado de cima a baixo com pragmatismo, manipulação, profissionalismoe consumismo; todas essas coisas indicam menos do que o fundamento bíblico para nossa fé.

E ao longo dessa linha o foco do cristianismo pop e da igreja pop não se afastou apenas da base bíblica da fé, mas se afastou da pessoa de Jesus Cristo. Isso precisa ser enfatizado. Outra coisa ou pessoa está no centro do palco, não Cristo. É a celebridade, é o evangelista, é o projeto, é a campanha de angariação de fundos, é o novo edifício, são os supostos milagres, são as chamadas curas, é tudo, menos Jesus Cristo. E temos um cristianismo pop que não é centrado em Cristo nem na Bíblia. Ela tem uma nova base de fée é um novo objeto de afeição. Eles estão apaixonados pela celebridade, pelo sistema, pelo prédio, pela instalação, pelo programa ou pelo que quer que seja. Há uma espécie de fé fantasiosa, não fixada em Cristo, mas uma espécie de fé nebulosa que quer vincular-se a milagres, curas, saúde, riqueza, prosperidade, conforto e ganho pessoal.

E, é claro, nesse tipo de ambiente, de crença fácil, um evangelho barato floresce. E temos que nos perguntar: onde está aquela fé que é forte? Onde está aquela fé centrada em Cristo que permanece e mantém seu fundamento em meio a provações difíceis, ao invés do frágil emocionalismo chamado de fé, que é pouco mais do que escapismo egoísta? Cristo não é mais a mensagem. Embora ele seja mencionado de tempos em tempos, o foco está no homem; O homem é a mensagem, e como o homem pode resolver seus problemas e viver uma vida mais confortável é a questão. O foco do cristianismo pop da igreja está menos interessado na Segunda Vinda de Jesus Cristo porque isso seria acabar com sua agradável viagem neste trem pop particular.

De fato, eu gostaria de acrescentar uma terceira nota: o foco da igreja pop está em algo diferente da santidade. É a felicidade. É a satisfação. A busca da igreja de hoje, sua base, não é a Palavra de Deus, o foco não está em Cristo. E portanto, seu objetivo não é a santidade, seu objetivo é a felicidade. Tudo o que faz você feliz, o que lhe satisfaz, é o que você busca. E eu realmente acredito que tudo isso está comendo o coração da igreja pelas beiradas.

Pense nisso. O que Satanás poderia fazer para tentar destruir a igreja que seria mais eficaz do que minar a base da fé, que é a Palavra de Deus ou o objeto da fé, que é Cristo, e o objetivo da fé, que é a santidade? Ainda falando sobre fé, ainda falando sobre Cristo, ainda falando sobre virtude, mas realmente prejudicando tudo isso. Uma nova base de fé se torna a experiência pessoal. Um novo objeto de fé se torna meu herói, meu programa, meu reino espiritual, seja o que for. E um novo objetivo na vida se torna felicidade e não santidade. Não poderia haver uma estratégia melhor. Essa é a estratégia de Satanás.

Mas o que fazer para trazer avivamento para a igreja? Onde está o foco a ser colocado? Como vivermos para não perder nosso poder e para ser úteis para Deus? Pedro nos dá a resposta aqui neste texto. E eu acredito que o que você tem nestes poucos versículos, de 7 a 11, é realmente uma visão da capacidade inimaginável do Espírito Santo de Deus. É somente o Espírito Santo que em poucas palavras pode dizer uma eternidade de verdade. E é isso que você tem aqui. Tudo em nossa vida cristã pode ser reduzido a essas afirmações dos versículos 7 a 11. E eu confesso que é uma coisa muito difícil pregar sobre esse texto sem ficar aqui o resto de sua vida, porque cada palavra nesta passagem particular fornece-me um número infinito de tangentes possíveis que eu vou lutar muito para evitar com o intuit de ser misericordioso com vocês, pessoas queridas e fiéis.

Mas esta é uma parte carregada da Escritura. Na verdade, estudei pessoalmente e preguei essa parte particular da Escritura por 25 anos, provavelmente; não aqui na Grace Church, pois nunca estudamos 1 Pedro aqui, exceto um momento quando cheguei, há 21 anos, mas em muitos outros lugares voltei a esta passagem por causa de seu ensino básico e saliente. Ela nos dáa soma de tudo o que Pedro quer dizer sobre o dever do viver cristão em um mundo hostil.

Agora deixe-me compartilhar um pouco do sentimento do cenário desse texto, à medida que avançamos para o versículo 7. Lembre-se que em cada capítulo desta epístola, até agora, o apóstolo Pedro apontou que os crentes são os leitores desta carta. Lembre: eles estão espalhados, estão sendo perseguidos, são difamados, censurados, abusados, são cristãos em sofrimento. Eles estão vivendo em um mundo muito difícil e hostil e em cada capítulo Pedro os convoca para se concentrarem na verdade, no Senhor Jesus Cristo e na vida santa. Em outras palavras, ele disse-lhes: "Certifique-se de manter a base da sua fé na Palavra de Deus; Certifique-se de manter o foco da sua fé na pessoa de Jesus Cristo; E certifique-se de manter o objetivo de sua fé, a santidade." Sejam piedosos, vivam essa vida de alegria pura e exemplar, mesmo que vocês devam sofrer no processo. E de fato, se olharmos essa epístola desse ponto de vista, podemos encontrar aqui vários motivos para que seus destinatários cristãos vivam no sofrimento.

Ele começa, por exemplo, dizendo que você deve viver a vida cristã mesmo que você sofra, primeiro por causa de nossa preciosa salvação. E desde o capítulo 1, versículo 1 ao capítulo 2, versículo 10, ele fala sobre nossa preciosa salvação. Nossa salvação é tão preciosa que deve exigir o melhor de nós. E então, em segundo lugar, do capítulo 2, versículo 11 ao capítulo 4, versículo 6, ele diz que você deve viver uma vida santa em meio ao sofrimento, não só por sua preciosa salvação, mas por sua situação presente. E sua situação atual é que você é chamado a ser uma comunidade de testemunho, não importa o quão difícil isso seja. E agora ele vem para a terceira seção da epístola, dizendo: "Você deve continuar com sua vida cristã focada na Palavra, em Cristo e na santidade, não só por sua preciosa salvação ou sua situação atual, mas em terceiro lugar, por causa de Sua Segunda Vinda." Você deve viver à luz da volta de Jesus Cristo e esse é o tema do capítulo 4, versículo 7 ao capítulo 5, versículo 11. Essa seção inteira é dada tendo em vista a Segunda Vinda de Jesus Cristo. Na verdade, Pedro menciona a Segunda Vinda, alude a ela no versículo 7, menciona especificamente no versículo 13 a revelação de Sua glória e novamente no versículo 4 do capítulo 5, refere-se à aparição do Supremo Pastor que trará a coroa de glória incorruptível.

E assim, aqui ele está levando sua igreja sofrida e movendo-a de uma visão de sua salvaçãoe de sua situação presente, para uma visão da Segunda Vinda de Cristo. Essas três seções apresentam os motivos básicos pelos quais devemos viver a vida cristã: por causa da preciosa salvação que Deus nos deu, por causa de nossa situação atual, na qual devemos ser testemunhas, e por causa da Segunda Vinda de Cristo, quando responderemos a Ele pela vida que vivemos. Esta noite, então, chegamos a essa terceira seção.

Agora eu quero que você perceba que dizer que este é o cerne e o tema desta terceira seção não significa que não houve referência prévia à vinda de Cristo. Esse não seria o caso. Houve referências anteriores à Segunda Vinda de Cristo. Na verdade, de volta ao capítulo 1, ele falou sobre o fato de que nos espera uma herança imperecível, imaculada, que não desaparecerá e está reservada no céu para nós. E a implicação é que um dia ele vem nos levar até lá para receber essa maravilhosa herança. Nós encontramos o versículo 13 do capítulo 1, em que ele diz "cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo". No capítulo 2, versículo 12, ele fala sobre o dia da visitação, ou seja, o dia em que os homens estarão diante de Deus. Então há um tempo por vir quando Jesus voltará, e Pedro já fez alusão a isso, e aqui novamente, ele faz deste o tema da seção final. Ele está nos chamando para uma vida santa baseada na imanência da vinda de Jesus Cristo.

Então, nesta seção, duas coisas se juntam: devemos viver uma vida piedosa no sofrimento, à luz da Segunda Vinda de Cristo. Essas duas coisas se fundem. Se queremos cumprir o nosso dever cristão, devemos saber o quanto a nossa salvação é preciosa, e o quanto o cumprimento de nossos deveres demonstrará nossa gratidão pela salvação. Devemos saber que ele nos deixou nesta situação atual, como estrangeiros e estranhos para levar homens e mulheres ao conhecimento de Jesus Cristo, e devemos viver à luz da eternidade, à luz do céu e à luz de Sua breve vinda.

Agora, como devemos viver? Qual é o nosso dever cristão enquanto sofremos neste mundo, em busca da santidade à luz da volta de Cristo? O primeiro ponto vem no versículo 7, e vamos chamá-lo de incentivo. Então, na próxima semana veremos as instruções, e finalmente nossa atenção será a intenção. Mas por agora, sera o incentivo. Versículo 7: "O fim de todas as coisas está próximo". Pare aí mesmo. Esse é o incentivo: o fim de todas as coisas está próximo. Se não fixar mais nada, eu quero que você retenha essa declaração. O termo "fim" é a palavra grega telos, uma palavra muito familiar para qualquer estudante da Bíblia. E quando é traduzida, "fim" poderia transmitir a ideia errada, passando a ideia de cessação, de término. Mas a palavra original não significa nenhuma dessas coisas. Nunca é usada de um fim temporal em todo o Novo Testamento. Nunca é usada como algum tipo de final cronológico, como se simplesmente significasse que alguma coisa parasse. Sempre tem a ideia de uma consumação.

Em outras palavras, tem a idéia de um objetivoou um resultado alcançado, ou um propósito consumado. Tem a ideia de realizado plenamente, do destino final. Não é apenas o fim de alguma coisa, é o ponto culminante, a conclusão, o sucesso, o objetivo, a realização, o cumprimento, a consumação. Então ele diz: a consumação de todas as coisas está próxima.

Agora, amado, isso deve se referir à volta de Cristo. Se ele tivesse dito que a consumação do seu problema está próxima, poderíamos dizer: bem, talvez ele estivesse se referindo a algo temporal. Ou se ele dissesse que a consumação de sua perseguição está próxima, poderíamos supor que talvez um tipo diferente de governo pudesse assumir e tratá-los mais gentilmente. Mas ele não diz isso. Ele não diz: a consumação de sua dificuldade, seu problema, sua situação. Ele diz “a consumação de todas as coisas”. E a consumação de todas as coisas aponta diretamente para a Segunda Vinda de Jesus Cristo. É a isso que Pedro deve estar se referindo. Ele não pode se referir a nada menos do que isso, porque isso e somente isso ocorrerá quando todas as coisas forem consumadas. E nos leva de volta a 1 Pedro 1:5, onde ele diz que somos protegidos pelo poder de Deus através da fé para uma salvação preparada para ser revelada no último tempo. E então, no versículo 7, ele diz que seremos encontrados em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo.

Então, ele tem a revelação de Cristo, que é outra maneira de falar de Sua Segunda Vinda, conectada aos tempos finais do capítulo 1. E é a isso que ele está se referindo aqui. Quando diz que o fim de todas as coisas está próximo, Pedro está se referindo à consumação, o tempo da grande recompensa na vinda de Jesus Cristo.

Agora, preste atenção no termo , muito simples mas que precisa de nossa de nossa compreensão: "está próximo". Essa é apenas uma palavra no grego. É a palavra próximo. Poderia ser lida assim "O fim de todas as coisas está prestes a chegar" ou “está se aproximando”. É um tempo perfeito e tem a ideia de um processo consumado com uma proximidade consequente. E acredito que isso se refere à iminência. Ou seja, a vinda de Cristo é iminente; O próximo evento pode acontecer a qualquer momento. Está perto. Pedro está lembrando então que eles devem viver em antecipação à proximidade do retorno de Jesus Cristo. Podemos dizer que eles devem viver com, aqui está a palavra, expectativa. Você percebe que cada geração, desde então, viveu na mesma expectativa? Todos nós vivemos hoje, ou deveríamos viver, na expectativa da vinda de Jesus Cristo. Deixar de fazer isso é deixar de ser uma igreja fiel.

Primeira Tessalonicenses foi escrita para uma igreja fiel, e você lembrará que ele os recomendou, porque estavam esperando por Jesus Cristo vindo do céu. Primeira Tessalonicenses 1:10. Lá estavam, há 2.000 anos , à espera de Jesus Cristo. E essa espera cria uma mentalidade de peregrinação. Isso cria uma mentalidade de residente temporário. Isso cria uma sensação de alheamento. Isso me lembra que eu sou um cidadão do céu. Só espero ser levado para lá. Estou apenas esperando que Cristo apareça, que chegue.

Você diz "Bem, como eles poderiam estar esperando, então, e nós estamos esperando agora? Quando ele virá?" Bom, em Atos 1:7 estão as palavras de Jesus: "Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade". Em linhas gerais, Deus optou por não nos dizer quando Jesus virá. Ele não está disposto a fazer isso, por razões óbvias. Se soubéssemos quando Jesus virá, isso removeria os motivadores da vida da igreja. Em outras palavras, ficaríamos muito preguiçosos se soubéssemos que ele não chegaria em breve, e se soubéssemos que ele chegaria em breve, entraríamos em pânico. Então Ele eliminou ambos e todos nós temos que viver na expectativa. Para mostrar-lhe quão secreto é todo esse assunto, lembro a você de Mateus 24:36, em que Jesus disse: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu nem o Filho, mas o Pai somente". Deus sabe, e Jesus, em suas limitações humanas auto-impostas nem sequer sabia. Pedro está dizendo aos seus leitores "Vocês devem viver na expectativa constante, como se Jesus viesse a qualquer momento".

E lembro-lhe novamente, amado, que hoje é uma doutrina impopular, a maioria das pessoas não está interessada nisso. Na verdade, acredito com todo o meu coração que uma das razões convincentes pelas quais as pessoas hoje querem ensinar um arrebatamento pós-tribulacionista é porque pelo menos isso lhes daria muitas advertencies de que Jesus está vindo, e as pessoas gostariam de pensar que eles vão viver durante todo esse tempo. Isso remove essa pressão da iminência, da expectativa que nos chama a um alto nível de responsabilidade. "Afinal de contas, se eu for passar pela grande tribulação, ei, eu posso viver d jeito que eu quiser agora, porque reconhecerei a abominação da desolação no meio quando eles sacrificarem no altar no templo de Jerusalém. Isso estará no jornal. Eu saberei quando estivermos lá, e saberei quando os selos forem quebrados e todas essas coisas começarem a acontecer, e todas essas terríveis pragas chegarem ao mundo. Nós saberemos disso. Eu vou ver isso. E quando o mar se transformar em sangue, eu vou ver. E eu poderei ver tudo isso, então vou saber exatamente onde estou e posso lidar com isso quando chegar." Isso remove qualquer responsabilidade que me obrigue a lidar com isso agora.

Você vê, você tira a expectativa, tira a iminência, alimenta o monstro, de certa forma, e agora é com base que você toma suas decisões, mas acho que isso faz parte da motivação dessa nova onda de preocupação com o pós-tribulacionalismo, o que significa que Jesus não virá até o final da grande tribulação de sete anos. E podemos traçar o nosso caminho através disso facilmente, então vamos saber quando Ele voltará ou pelo menos quando estiver prestes a acontecer.

Mas essa não é a mensagem de Pedro. A mensagem de Pedro é "Ei, isso está perto." E se você voltar para o versículo 5 de 1 Pedro 4, que estudamos na nossa última lição, no último domingo à noite, você vai se lembrar que o texto diz que eles vão prestar contas Àquele que está pronto para julgar os vivos e os mortos. Agora, Deus confiou todo o juízo a Cristo. Cristo julgará os vivos e os mortos em Sua grande Segunda Vinda. Então Pedro está falando sobre isso. Ele diz no versículo 5 que Ele está pronto para vir, e no versículo 7, que o fim de todas as coisas está muito perto, é iminente, é o próximo evento no calendário de Deus. Então devemos viver na expectativa de que aquele que está vindo, virá como juiz dos vivos e dos mortos, e que Ele está muito próximo.

Agora, o Novo Testamento está cheio de passagens que lidam com essa expectativa. Deixe-me mostrar-lhe algumas delas. Pegue sua Bíblia agora e me acompanhe numa pequena rota, começando em Romanos 13. O capítulo 13 de Romanos, versículo 12, diz: "Vai alta a noite, e vem chegando o dia". E novamente, esse é o conceito de proximidade ou iminência. A noite quase desapareceu e o dia está próximo. O versículo 11 nos diz o que está na mente. Ele diz: "porque a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio cremos." É melhor você acordar. Você está mais perto da salvação total que será sua no céu do que quando você creu. A noite quase se foi; O dia em que Deus romperá está próximo. É melhor deixar de lado as obras das trevas, é melhor armar-nos com a armadura da luz, é melhor nos comportarmos corretamente, diz o versículo 13. Livrar-se da farra, da embriaguez, da promiscuidade sexual, da sensualidade, das contendas, e dos ciúmes. É melhor colocarmos nossa atenção no Senhor Jesus Cristo e deixarmos de prover para a carne. Por que? Porque Ele poderá vir a qualquer momento.

Em 1 Coríntios capítulo 7 o versículo 29, diz: "Isto, porém, vos digo, irmãos: o tempo se abrevia; o que resta é que não só os casados sejam como se o não fossem; mas também os que choram, como se não chorassem; e os que se alegram, como se não se alegrassem; e os que compram, como se nada possuíssem; e os que se utilizam do mundo, como se dele não usassem; porque a aparência deste mundo passa. O que realmente eu quero é que estejais livres de preocupações." Estamos em um mundo que está morrendo. Estamos nos movendo rapidamente para a vinda de Cristo, diz Paulo. É melhor manter tudo nesta vida muito frouxamente. Você pegou isso? Muito vagamente. Não fique tão envolvido nesta vida, nas suas emoções, nas suas posses, nas suas relações, nas suas economias. Não se envolva demais. Tudo se move muito rápido em direção ao seu fim.

O tempo foi reduzido. A palavra "tempo" aqui não é cronos, é kairos. O épico, a estação, o tempo fixado tornou-se mais breve enquanto esperamos a vinda de Jesus Cristo.

Agora, alguém diz: "Bom, veja, todos estão esperando e Ele não vem. Quer dizer, como todos nós podemos crer que Ele vai vir se Ele nunca vem em nosso tempo de vida?" Esse é o ponto principal. O Senhor nunca disse quando Ele ia voltar, então ele deixou todos na iminência. E aqueles primeiros cristãos acreditavam que Jesus viria a qualquer momento. É claro que eles iriam acreditar, já que o Senhor não lhes contou o tempo e lhes disse que Sua vinda estava próxima. E tendo estado tão perto de Sua primeira vinda, teria sido fácil para eles esperar que viesse imediatamente. Deus não os estava enganando; Ele não os estava iludindo. Ele estava apenas dizendo a eles "Vocês precisam viver todos os momentos em antecipação da vinda de Cristo e manter as coisas desta vida muito frouxamente". Jesus poderia vir a qualquer momento. O que pode parecer muito tempo para nós, 2 mil anos, não é um tempo muito longo. Todos sabemos dessa afirmação "para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia".

Veja 1 Corintios capítulo 15, versículo 51. Aqui, novamente encontramos esse mesmo tipo de expectativa, a antecipação da vinda de Cristo. Ele diz "Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade". Em outras palavras, tudo vai mudar. E isso vai acontecer em um piscar de olhos. O que é um piscar de olhos? Isso não é um pestanejar, é o tempo necessário para refrear a luz de sua pupila. Isso é o quão rápido vamos mudar. E a idéia aqui é que é um mistério, não revelado no passado, que vai acontecer de repente. A trombeta soará e, instantaneamente, quando a trombeta soar, nós iremos. E isso pode acontecer a qualquer momento.

1 Tessalonicenses o capítulo 4 é outra mensagem sobre a iminência e a expectativa em que devemos viver. Primeira Tessalonicenses capítulo 4, versículo 15 diz: ”Haverá um grande evento”, e continua: "Ora, ainda vos declaramos isto por palavra do Senhor ". Em outras palavras, isso é revelação do próprio Senhor. "Nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor". E o tom da linguagem de Paulo aos tessalonicenses é de iminência. Ele não está dizendo aquelas pessoas que estão vivas agora ou aquelas pessoas que estarão quando isso acontecer. Ele diz: nós, nós, nós, nós, nós. É sempre responsabilidade da igreja viver à luz da volta de Cristo.

Em Tiago capítulo 5, versículo 8, você tem isso novamente. Tiago, escrevendo aos crentes perseguidos que atravessam alguns momentos muito difíceis, diz a eles no versículo 7: "Sede vós, também, pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima". Bom, o Senhor estava vindo no tempo de vida deles? Como sabemos, ele não veio. No entanto, eles viveram naquela expectativa. Tiago diz no versículo 8: "Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima". Aqui há a mesma idéia de "próximo, iminente, em breve".

Isso sempre está no coração do verdadeiro crente: Jesus está voltando e Ele pode estar chegando a qualquer momento. Em Hebreus capítulo 10, no versículo 25, o escritor diz que não devemos abandonar nossa assembléia, isto é, não devemos deixar de nos reunirm como estamos fazendo hoje a noite. Devemos ser fiéis a isso, não devemos deixar de fazer isso, como é o hábito de alguns. Há alguns que habitualmente não vêm. Não devemos fazer isso. Nós nos reunimos para encorajar uns aos outros. Agora ouça, e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.

Agora, se eles podiam ver a iminência do dia se aproximando, nós, que aqui estamos, 2 mil anos depois, quanto mais próximos estamos? É melhor você se reunir com o povo de Deus, à medida em que você vê que dia está se aproximando. Em Hebreus 12 eu aponto para um versículo, o versículo 27 "Ora, esta palavra: Ainda uma vez por todas significa a remoção dessas coisas abaladas, como tinham sido feitas, para que as coisas que não são abaladas permaneçam". O versículo anterior "Ainda uma vez por todas, farei abalar não só a terra, mas também o céu". Deus havia prometido, pelo profeta Ageu, que Ele faria algo que sacudiria este mundo. E aqui, o escritor de Hebreus nos lembra que há um abalo por vir, a remoção das coisas que podem ser abaladas. Ou seja, a remoção deste mundo material, e o estabelecimento de coisas que não podem ser abaladas, o Reino eterno e a glória de Deus.

Devemos viver à luz disso como fizeram aqueles no tempo do Novo Testamento. Olhe para Apocalipse, em duas passagens que eu chamo à sua atenção. Capítulo 1, versículo 3 "Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem as palavras da profecia". Em outras palavras, se você quer uma benção, há uma: leia o Apocalipse. As pessoas dizem "Ah, eu gostaria de ser abençoado eu realmente gostaria de uma benção." Bom, há uma, leia o Apocalipse. "Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as coisas nela escritas." Por que? "Pois o tempo está" o quê? "próximo". Novamente, eles sempre estavam vivendo à luz de que Jesus poderia vir a qualquer momento.

O que temos no final do livro de Apocalipse? Estas palavras, do capítulo 22, versículo 20, "Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora". E qual é a resposta de João? "Amém! Vem, Senhor Jesus!" João também viveu na expectativa da volta, sem demora, de Jesus Cristo.

Você diz "Bom, Jesus não deveria retornar nos últimos dias?" Isso mesmo. Mas você sabe quando os últimos dias começaram? Deixe-me ajudá-lo. Primeira João 2:18: "Filhinhos, já é a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também, agora, muitos anticristos têm surgido; pelo que conhecemos que é a última hora." A última hora já havia começado quando João escreveu 1 João. A última hora, ouça atentamente, começou com a primeira vinda de Jesus Cristo. Isso deu início aos últimos dias. É por isso que o apóstolo Paulo, ao escrever para Timóteo, é tão explícito sobre os últimos dias. O Espírito diz explicitamente que nos últimos tempos alguns se afastarão da fé, em 1 Timóteo 4:1, e esses tempos posteriores já haviam chegado, e essa debandada já estava ocorrendo. E 2 Timóteo 3:1 que nos foi lido nesta manhã, reconhece que nos últimos dias os tempos difíceis virão. E aqueles eram os últimos dias, e os tempos difíceis já haviam chegado a Timóteo.

Veja, os últimos dias chegaram quando o Messias veio. Você diz "Em que sentido?" Ouça com muito cuidado e eu lhe darei essa pequena imagem. Os judeus e as pessoas vivas no momento da chegada de Cristo tinham visto o fim de uma era inteira. Eles viram o fim da dispensação do Antigo Testamento. Eles viram o fim da velha aliança. O Messias veio ao mundo para acabar com isso e para inaugurar a nova aliança. Os últimos dias eram os dias do Messias. Os profetas do passado disseram que o Messias viria nos últimos dias, que Ele viria no fim dos tempos. Ele viria na última hora.

E então, quando Ele chegou era a última hora. Ele expressou o fim de todas as eras e estações épicas anteriores. Eles haviam visto todo o sistema de cerimônias, rituais e sacrifícios, templos, sacerdotes e ofertas, tudo entrar em colapso quando o véu do templo foi rasgado de cima para baixo e Deus abriu o Santo dos Santos a todos, Ele disse que esse era o fim do sistema. E então, no ano 70 d.C., quando Deus enviou o juízo por meio dos romanos, Ele destruiu o templo, destruiu Jerusalém e aniquilou até hoje o sistema cerimonial sacrificial. Isso tudo aconteceu no tempo de vida deles.

Jesus havia dito na cruz: "Está consumado". O que ele terminou foi a inauguração da nova aliança. O véu do templo estava rasgado. Poucos anos depois, o templo foi destruído. Jesus disse em Mateus 24:2: "Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada." Por que? Ele simbolizava a devastação de toda uma economia do Antigo Testamento. A ordem antiga terminou e uma nova ordem foi iniciada: a ordem do Messias, a ordem dos últimos dias.

Hebreus 9:26 coloca assim: "Ora, neste caso" diz, falando de Cristo, "seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou de uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado." Que declaração tremenda. Jesus veio, afastou o pecado pelo sacrifício de si mesmo na consumação dos tempos, no fim dos tempos. Cristo veio, oferecido uma única vez para carregar os pecados de muitos. Ouça isso: Ele aparecerá uma segunda vez para a salvação, sem referência ao pecado, para aqueles que o aguardam ansiosamente. Você pegou isso? A primeira vez que Ele veio, na consumação das eras, Ele se manifestou para remover o pecado. Na segunda vez que Ele vem, não é para remover o pecado. Ele vem estabelecer Seu Reino de salvação.

Mas os últimos dias começaram quando as eras foram consumadas, na chegada do Messias. Quando o Messias veio, quando o Messias morreu, quando Ele ressuscitou, Ele encerrou o antigo sistema da aliança e estabeleceu Seu próprio Reino. Ele disse que o Reino de Deus está no nosso meio, e através do evangelho de Jesus Cristo, somos retirados do reino das trevas e colocados no reino do Seu Filho amado, em quem temos a redenção, o perdão dos pecados, diz Paulo aos colossenses. Cristo derrotou o pecado. Cristo derrotou a morte. Cristo derrotou o inferno. Cristo derrotou a pena da lei. Cristo derrotou Satanás. Cristo derrotou os demônios. Cristo estabeleceu Sua autoridade, e Cristo começou a edificar o Seu Reino. E agora estamos vivendo no Reino dos últimos dias. O Reino agora é espiritual e interior, e algum dia será exterior e universal, quando Ele estabelecer Seu trono na terra e no universo.

Então, há uma Segunda Vinda. Mas os últimos dias começaram na primeira vez que ele veio. Então, vivemos nos últimos dias, nos últimos tempos e nos últimos dias dos últimos dias. Você pode colocar dessa maneira: o Reino veio em um estado de graça; mas Ele virá em um estado de glória. A morte de Jesus Cristo, Sua ressurreição, Sua exaltação à direita de Deus, o Pai, trouxe uma nova partida ao curso da história. E isso aconteceu uma vez por todas no final dos tempos, e trouxe o início de um novo dia. O Reino do Messias está aqui em sua realidade espiritual e logo estará aqui em sua forma visível.

Então, quando Pedro diz que o fim de todas as coisas está próximo, ele está falando sobre o encerramento? Sim, no sentido de que as eras antigas terminaram. Mas tem mais. Ele está falando sobre a consumação, e o fim total está muito, muito perto.

Amado, quero encerrar dando a você uma visão de como vivermos à luz disso. Nas Escrituras, achamos que porque a vinda de Jesus Cristo é iminente, pode acontecer a qualquer fração de segundo, a qualquer momento, e isso nos leva a um tipo de atitude correta. A atitude de expectativa não deve transformar-nos em fanáticos zelosos, como as pessoas que colocam o pijama e se sentam no telhado. Não deve nos transformar em sonhadores preguiçosos que não fazem nada além de mentir, por assim dizer, esperando que isso aconteça. Mas ela deve nos transformar em vigilantes buscadores de santidade, vigilantes buscadores de santidade.

Deixe-me mostrar-lhe o porquê. Segunda Coríntios capítulo 5, versículo 9 diz: "É por isso que também nos esforçamos, quer presentes, quer ausentes, para lhe sermos agradáveis". Se você é cristão, isso é verdade para a sua vida. Você escutou? Se você está presente ou ausente, seu desejo tem que ser agrada-lo. Isso deve ser sublinhado como a marca de um verdadeiro cristão: querer agradar a Cristo. Se você não quer agradar a Cristo, então é evidente que a nova vida não está em você. Então, nós queremos agradar a Cristo. Agora, no versículo 10, por que? "Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo". Em outras palavras, teremos que dar conta de nossa vida. "para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo". O apóstolo Paulo diz "Olha, eu vivo à luz do fato de que algum dia eu vou ter que estar diante de Jesus Cristo, e vai estar claro para mim, em Sua presença, se minhas obras foram boas ou inúteis." Não será exibido o pecado que já foi tratado, coberto na cruz, mas se minha vida foi ou não efetiva, dedicada, útil, isso será manifesto. E uma vez que é o desejo do coração de um verdadeiro cristão querer agradar a Cristo, ele tem que viver à luz do fato de que algum dia essas coisas serão reveladas, seja em qual grau ele tenha agradado Cristo.

Em 2 Pedro, se eu puder tomar emprestada essa passagem do nosso estudo futuro dessa grande epístola, no capítulo 3 Pedro está falando sobre a vinda de Cristo. Ele está falando sobre isso no capítulo 3, versículo 10, quando o dia do Senhor virá como um ladrão, sem aviso prévio. Os céus vão passar, e tudo o que está associado com isso acontecerá. Ele então diz que estamos esperando, no versículo 12, e apressando a vinda do dia de Deus. Para aqueles de nós que somos crentes, estamos buscando por isso, queremos que ele se apresse a chegar aqui para que possamos viver com perfeição abençoada com Ele. Nós estamos esperando, versículo 13, por aquele novo céu e nova terra em que a justiça habita. Se somos verdadeiros cristãos, devemos estar cansados do pecado deste mundo e desejando um lugar justo. Então, o versículo 14 reduz isso à praticidade. "Por essa razão, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis." Quando Ele chegar aqui, você vai querer estar em paz, sem pecado, sem culpa. E para fazer isso, o versículo 18 diz que você precisa estar crescendo em graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Vá para 1 João capítulo 3, a epístola seguinte, versículo 2. "Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é." Este é o clamor do nosso coração: sermos como Ele, sermos como Ele. Você se lembra de Filipenses 3? "prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus." O que é isso? É ser como ele. E o versículo 3: "E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro." Se você quer ser como Ele, e sabe que vai conseguir ser como Ele, e você sabe que vai estar face a face com Ele, você vai querer ser puro. Você vai querer ser puro.

Em primeira João 2:28, João diz: "permanecei nele, para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e dele não nos afastemos envergonhados na sua vinda." Queremos viver de tal maneira que estejamos diante de Cristo com um coração alegre e confiante, não como os incrédulos, que serão envergonhados. E se realmente ansiamos por Sua vinda, como Paulo escreveu a Timóteo, se amarmos a Sua vinda, então procuraremos ser puros para que nossas vidas estejam corretas, caso Ele venha a qualquer instante.

Eu termino com Lucas 12. Jesus, fazendo muitos ensinamentos aqui, dirige nossa atenção para essa mesma ideia. No versículo 35, ele diz: "Cingido esteja o vosso corpo e acesas as vossas candeias. Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram. Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá." Isso não é incrível? Se você estiver pronto quando Ele vier, ele vai te servir. "Quer ele venha na segunda vigília, quer na terceira, bem-aventurados serão eles, se assim os achar. Sabei, porém, isto: se o pai de família soubesse a que hora havia de vir o ladrão, [vigiaria e] não deixaria arrombar a sua casa. Ficai também vós apercebidos, porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá."

Este é um aviso para o mundo não regenerado. Este é um aviso para os falsos religiosos. Mas eu acredito que ele fala diretamente também para aqueles de nós que somos crentes, que também devemos estar prontos, porque não sabemos o momento em que nosso Cristo virá. O fim de todas as coisas está muito perto, mais perto do que nunca antes. Isso é um incentivo para viver uma vida santa. Vamos nos curvar em oração.

Pai, obrigado novamente por este lembrete. Que nossos corações estejam empenhados em amar Tua volta, esse ótimo momento em que receberemos nossa recompensa, sendo feitos como Cristo. Ó Deus, que possamos viver à luz disso e dizer com João: "Ora vem Senhor Jesus". Não poderia ser mais breve. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize