Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Como eu mencionei anteriormente, no próximo domingo de manhã estarei trazendo uma mensagem especial sobre esta questão de membrezia à igreja e compartilhando meu coração com você. No domingo seguinte voltaremos ao primeiro capítulo de 2 Coríntios e ao texto que segue começando no capítulo 1 versículo 15. Mas esta manhã eu quero ficar mais um pouco nesta questão do tema da consciência. Abra se quiser em 2 Coríntios capítulo 1 e você vai se lembrar que nós olhamos os versículos 12 a 14 há algumas semanas antes mesmo das férias de Natal e nós passamos por esses versículos cuidadosamente e os discutimos.

Mas, por várias mensagens além dessa, me deti na palavra "consciência". Deixe-me ler o versículo 12 para definir o contexto, para uma discussão mais aprofundada sobre esse assunto de consciência. Paulo escreve, "Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que, com santidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria humana, mas, na graça divina, temos vivido no mundo e mais especialmente para convosco". Agora, você vai se lembrar que o apóstolo Paulo estava sendo agredido quanto à sua integridade, quanto à sua justiça, quanto à sua autoridade, quanto à sua credibilidade, quanto à sua eficácia. Ele estava sendo atacado em todas as frentes. E em defesa de si mesmo ele apela para o mais alto tribunal, o mais alto tribunal que está na terra além do próprio Deus que é a consciência. Ele não pede o testemunho de outros homens para ajudá-lo. Ele não pede que algum grupo escreva uma carta de recomendação. Ele simplesmente diz "Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência." E sua consciência afirmava que ele era santo, e era piedoso, sincero, que ele tinha conduzido a si mesmo apropriadamente na graça de Deus, no mundo e para com os coríntios.

A consciência, então, é o tribunal mais alto da terra. A consciência é o sistema de alerta da alma, como observamos em nossa última mensagem sobre isso. É a consciência segundo Romanos 2:15 que tanto nos acusa como nos desculpa. Isto é, ou afirma-nos como sendo bons, justos e santos, ou nos indaga como sendo maus, pecadores e ímpios. E francamente, a consciência é o melhor crítico, porque conhece os segredos mais íntimos do nosso coração, e ninguém mais o faz exceto Deus. Se vamos ter uma vida pacífica, se vamos ter uma vida tranquila, como Paulo chamou, uma vida tranquila e pacífica, se vamos desfrutar de felicidade e satisfação, vamos ter o tipo de alegria que faz o nosso coração se alegrar, e nos dá a liberdade de servir a Deus alegremente e felizes, sem constrangimento, então temos que ter uma consciência limpa. Esse deve ser realmente o desejo e o objetivo de cada crente poder dizer o que Paulo disse, você pode trazer toda a acusação contra mim que você queira, mas o orgulhoso testemunho da minha consciência é que eu estou vivendo em santidade e sinceridade divina.

Queremos experimentar esse tipo de afirmação de nossa consciência, e isso é desafiador, porque o pecado permeia todo nosso ser íntimo. A pecaminosidade está no cerne da alma humana. Jesus disse, por exemplo, em Mateus 15:19 e 20 "Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem". E então ele disse, "O homem ...o mau do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o coração",Lucas 6:45. Em outras palavras, no fundo do coração humano está o pecado penetrante e ele se eleva para criar o tipo de palavras e o tipo de ações que rotulamos como pecaminosas. Francamente, é da natureza humana amar o pecado e odiar a Deus. A mente carnal, Romanos 8:7 diz, é inimizade contra Deus. Nós nascemos amando o pecado, amando a nós mesmos, odiando a justiça e odiando a Deus. No entanto apesar de nascermos dessa maneira, note isso, o pecado não é uma fraqueza ou uma falha pela qual não possamos ser responsabilizados. É um antagonismo energético e proposital para com Deus que surge de nossa vontade. Pecadores livre, deliberadamente e de bom grado escolhem o pecado. Em outras palavras o pecado que está em nós se manifesta em uma rebelião deliberada e voluntariosa contra Deus.

A Bíblia diz que os pecadores irão raciocinar nos seus corações assim. Salmos 12:4 diz, "Com a língua prevaleceremos, os lábios são nossos; quem é senhor sobre nós?" Como se dissesse que Deus não está fazendo caso de minha vida, eu digo o que eu quero e eu faço o que eu quero. Isaías 57:4 caracteriza os pecadores como crianças rebeldes que abrem as suas bocas e colocam as suas línguas em Deus. O pecado destronaria a Deus, desonraria-O, usurparia Sua autoridade e se colocaria em Seu lugar. Todo pecado é, portanto, em seu coração, um ato de orgulho. O orgulho diz, "Sai da frente, Deus. Eu estou no comando; Eu farei o que eu quero." Portanto, todo pecado no seu núcleo é blasfêmia. Todo pecado no seu âmago é blasfêmia, porque ataca a Deus.

E quando chegamos a este mundo amamos o pecado e assim amamos nossa rebelião, amamos nosso orgulho e amamos nossa blasfêmia. Nós nos deleitamos e procuramos todas as oportunidades que pudermos para manifestá-la. Mas temos um problema. Temos consciência, e a consciência nos diz que somos culpados. Isso nos golpeia. É como um toque implacável em nossos ouvidos espirituais. E então o que vamos fazer? Tentamos silenciar a consciência camuflando nosso pecado, redefinindo nosso pecado, ou repudiando nossa responsabilidade. E você poderia resumir, como fazemos isso, talvez de três maneiras. Em primeiro lugar, a fim de acalmar a nossa consciência, tipicamente, tentamos encobrir o pecado, mascará-lo. Isto não é novo, Adão e Eva fizeram isso no jardim. Diz em Gênesis que quando eles pecaram os olhos de ambos foram abertos e eles sabiam que estavam nus e coseram folhas de figueira e cobriram-se com elas. E então eles se esconderam da presença do Senhor. Eles tentaram se esconder. Eles tentaram encobrir.

O rei Davi tentou inutilmente cobrir sua culpa quando pecou contra Urias. Ele cometeu adultério com a esposa de Urias Bate-Seba. Quando ela ficou grávida Davi, primeiro, conspirou para tentar fazer parecer que Urias era o pai do bebê, de acordo com 2 Samuel 11:5 a 13. Isso não funcionou. Então ele teve que planejar que Urias fosse morto. Isso só agravou seu pecado, e por todos os meses que Davi teve que lidar com a gravidez de Bate-Seba, ele continuou a tentar cobrir seu pecado. Mais tarde quando Davi foi confrontado com seu pecado e se arrependeu ele disse "Enquanto calei os meus pecados, envelheceram os meus ossos pelos meus constantes gemidos todo o dia. Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor se tornou em sequidão de estio." Salmo 32:3 e 4. Davi tentou encobri-lo e sua consciência simplesmente o atormentou de modo que seus sucos de vida secaram. O que é isso? Saliva, fluxo sanguíneo, o fluido que conduz o sistema nervoso. Ele literalmente se tornou um doente, um homem doente.

Uma segunda maneira que tentamos lidar com o nosso pecado a fim de escapar ou camuflar, e ajudar a nossa consciência a sobreviver, é tentar nos justificar. O pecado é sempre culpa de outra pessoa. Novamente você volta para Adão, e Adão culpou não Eva mas na verdade Deus. E ele descreveu Eva como a mulher que Tu me deste para estar comigo, e por isso estava culpando não apenas a sua esposa mas também o seu Deus. Normalmente, as pessoas tentam desculpar o seu ato errado porque pensam que têm alguma razão válida obrigatória. Eles se convencem de que está tudo bem porque eles realmente são vítimas de algum poder externo, alguma outra fonte. Em nossos dias até rotulamos o pecado de doença, rotulamo-nos como vítimas, negamos que alguma vez fizemos algo realmente errado. A mente humana é infinitamente criativa ao tentar se justificar. O pensamento pervertido nos leva a fazer isso.

Em terceiro lugar, e apenas brevemente, somos inconscientes de nosso pecado. Tentamos camuflar o nosso pecado cobrindo-o, tentando nos justificar como vítimas ou estamos inconscientes do nosso pecado. Em outras palavras, podemos pecar em absoluta ignorância. Somos tão ignorantes, somos tão inadivertidos em termos da lei de Deus que simplesmente pecamos inadvertidamente. E isso é característico de nós como pecadores. Nós, como o salmista, temos que orar "Quem há que possa discernir as próprias faltas?" Foi o que Davi disse no Salmo 19. Há coisas acontecendo na minha vida que eu nem sequer sei, bem como me manter de volta ao pecado de presunção. Há as coisas que conhecemos, planejamos e premeditamos; há aquelas coisas que são apenas as atividades inadvertidas de nossa queda. Naturalmente tendemos a ser insensíveis ao nosso próprio pecado. É por isso que Jesus disse que antes de você ir dar uma olhada no olho de outra pessoa, em Mateus 7, para tirar um palito, por que você não tira a tora do seu próprio olho?

E podemos ver o pecado muitas vezes melhor nos outros do que em nós mesmos. E o pecado é muito enganoso. Às vezes pensamos que, porque não vemos o ato do pecado, que não temos que lidar com as atitudes de pecado que estão em nossos corações. Então nós, como seres humanos, estamos apenas falando categoricamente em geral agora. Nós como seres humanos temos uma consciência. A consciência é desencadeada quando pecamos. É desencadeada pela lei mais elevada conhecida em nossos corações. E uma vez que mesmo os pagãos tenham a lei de Deus escrita dentro deles, para que eles saibam o que é certo e errado, sua consciência os aflige com culpa. Eles têm que lidar com isso. Como eles fazem isso? Geralmente eles acobertam, justificam de alguma forma, ou simplesmente o ignoram porque estão tão ocupados em sua vida, eles são tão desinformados sobre as coisas que Deus diz sobre o seu pecado. E mesmo que em algum momento no passado soubessem sobre isso, eles esqueceram o que eles sabiam e assim o pecado pode continuar na vida das pessoas e nem sequer são sensíveis a ele. Está se tornando um padrão em sua vida que nem sequer o rotulam de pecado. Agora essa é uma maneira perigosa de viver porque em última instância vai acabar com você. Em última análise isso vai mandar você para o inferno, porque você está camuflando exatamente aquilo que você tem que reconhecer para chegar ao Salvador. Certo? E nós conversamos sobre isso.

Agora eu quero ir um pouco mais profundamente nisto porque eu estou muito preocupado com isso por todas as nossas vidas, e eu quero apenas fazer algumas perguntas esta manhã e tentar responder-lhes para que possamos cavar um pouco mais nisto. A primeira pergunta é, o que é pecado? Vamos ter uma idéia clara do que é o pecado. Pecado de acordo com a Escritura é 1 João 3:4 a transgressão da lei. Ou seja o pecado é qualquer violação da lei de Deus. Todo aquele que pratica o pecado também pratica a iniqüidade como o Novo Padrão Americano nesse mesmo versículo e o pecado é a iniqüidade. É uma violação da lei de Deus. Qualquer falta de conformidade com o perfeito padrão moral de Deus é pecado. Agora a demanda central da lei de Deus é esta, qual é o primeiro mandamento? "Ame o Senhor teu Deus com todo o teu coração alma mente e força". E o segundo é "e o próximo como a ti mesmo". Assim, a epítome de todo pecado é violar esses dois; a epítome de todo pecado, então, é deixar de amar a Deus. Essa é a principal violação. E aparece quando João 16 diz que o Senhor vai enviar o Espírito Santo e Ele condenará o mundo do pecado. Qual é o pecado dos pecados? Porque eles não creem em Mim. Em outras palavras, esse é o parceiro de não amar o Senhor, é não amar o Senhor Jesus Cristo. É por isso que 1 Coríntios 16:22 diz "Se alguém não ama o Senhor, seja anátema.”

Assim, o pecado supremo, o epítome do pecado, o somatório do pecado é a falta de amor por Deus, a falta de amor por Cristo. Esse é o epítome de todo pecado; esse é o somatório de toda a pecaminosidade. A mente carnal, Romanos 8:7 novamente, não está sujeita à lei de Deus e não pode estar. Assim, uma pessoa não regenerada não pode guardar a lei de Deus, e portanto ela peca, e peca, e peca, e peca, e o pecado que lidera que conduz o desfile é a falta de amor a Deus, a falta de amor por Cristo, e junto com isso o amor que acompanha o eu que manifesta o orgulho. Nosso ódio natural à lei é tal que mesmo sabendo o que a lei exige, nada leva a mais desobediência. Ouça o que Paulo escreveu "as paixões pecaminosas postas em realce pela lei operavam em nossos membros, a fim de frutificarem para a morte. Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra. Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum! Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás. Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, despertou em mim toda sorte de concupiscência". Romanos 7:5 a 8. Paulo diz, Eu li sobre um pecado, e então eu soube o que era e então eu me vi fazendo-o. Em vez de a lei de Deus me ajudar a derrotar o pecado a lei de Deus apenas despertou o pecado. Quanto mais pecados eu aprendi mais coisas meu coração desejava cometer.

Tal é a propensão do pecador para o pecado que quanto mais aprende sobre a lei de Deus mais ele peca. A lei não vai ajudá-lo. A lei só vai estimular o pecado. De fato, Romanos 1 versículo 32 diz, suponho que a soma de tudo é que, "conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem." Eles conhecem a lei de Deus e eles sabem que isso leva à morte mas eles o fazem de qualquer maneira. E aplaudem os outros que o fazem. É impressionante.

Agora, toda a nossa cultura, hoje, reflete essa paixão pelo pecado. Vivemos numa cultura onde a paixão é agora legítima. Em algumas culturas não é, e por isso há restrições sociais sobre isso. Mas não na nossa. Toda a nossa cultura reflete esse amor apaixonado pelo pecado e ninguém quer parecer que o impede. Em nenhum lugar isso é mais visível do que no mundo da mídia. Os meios de comunicação tornaram-se os porta-vozes dos pecados básicos do homem. E em nenhum lugar é mais vil do que na MTV. A MTV chamada Music TV transmite imagens sem parar de sexo, drogas e violência. Sem parar. Sua programação é projetada propositadamente para atrair a concupiscência dos olhos, a concupiscência da carne e a soberba da vida. Não tem outro propósito. Não tem virtude redentora. Não se destina a tornar as pessoas morais, a torná-las boas, a fazê-las pensar profundamente. Não se destina a educá-los. Não se destina a informá-los. Destina-se a libertar a sua paixão. Isso é tudo o que se pretende fazer. Esse é o seu propósito.

O programa mais votado da MTV é uma série animada com dois personagens cujas vidas inteiras são passadas assistindo a vídeos musicais e desafiando todos os padrões de bondade e moralidade. Beavis e seu amigo cujo nome não deve ser mencionado em público mas é conhecido por você, literalmente sondaram as profundezas do niilismo moral na televisão. A linguagem, as imagens apresentadas nesses programas, são propositadamente ofensivas. São propositadamente vis. Eles são anti-moralistas, anti-cristãos, e nem sequer seria apropriado para mim discutir em um culto de adoração.

Apesar desta incrível realidade da MTV que é a escória, o esgoto da indústria de mídia, a MTV recentemente fez um especial sobre a teologia do pecado. Eu não vi isso na MTV eu quero deixar isso claro porque eu não tenho isso na minha televisão. Eu vi na PBS onde eles repetiram isto no Sistema de Transmissão Pública. Fiquei, francamente, surpreso ao ver que a MTV que sequer reconhece o conceito de pecado, iria muito menos fazer uma série especial sobre ele. Então eu estava curioso para ver sobre o que era.

Eu assisti uma fita de vídeo do programa. Era praticamente o que eu esperava uma racionalização inteiramente humanista que retratava o pecado como algo que não era mau apenas o redefiniu. Havia certos tipos de comportamento que eles disseram que eram desaconselháveis. Quer dizer, algumas coisas eram imprudentes, e às vezes é cruel fazer certas coisas, mas não havia nada inerentemente perverso em nada, e não havia nada que ofendesse um Deus porque realmente não havia Deus.

Agora a série foi construída em torno dos sete pecados mortais. E se qualquer um de vocês tem uma formação no catolicismo, provavelmente já ouviu algumas pessoas falarem dos Sete Pecados Capitais. Eles não estão listados como tal na Bíblia, mas na época medieval alguns teólogos medievais elaboraram uma lista do que eles pensavam ser os sete pecados mortais. É uma lista um pouco familiar, aqui estão eles: orgulho, cobiça, luxúria, raiva, inveja, gula e morosidade ou preguiça. Não uma lista bíblica, mas um agrupamento clássico, provavelmente reunido por alguns teólogos medievais. O propósito não era identificar todos os pecados senão identificar as atitudes fundamentais de todo pecado. Você notará que esses sete pecados, chamados de Sete Pecados Capitais, não são ações, são atitudes. Orgulho, cobiça, luxúria, raiva, inveja, glutonaria e preguiça. Tratarão de certas palavras e certas ações, mas aqueles teólogos pensavam que eram uma espécie de coisas que estavam subjacentes ao comportamento humano pecaminoso.

Agora na MTV os Sete Pecados Capitais foram retratados como qualquer coisa menos mortal. Na verdade, o que eles fizeram foi que eles receberam mordidas de personagens de desenhos animados, de trechos de filmes bem conhecidos, de entrevistas com celebridades, de roqueiros de punk, de rappers, de entrevistas com pessoas no shopping, e tudo foi editado para fornecer um comentário corrente sobre esses pecados. E aqui estão as respostas típicas. Queen Latifah cantora de rap disse "O orgulho é um pecado? Eu não estava ciente disso." A atriz Kirstie Alley concordou, e disse, "Eu não acho que o orgulho é um pecado e eu acho que algum idiota inventou isso." Um roqueiro do grupo Aerosmith disse, "A cobiça é para o que eu vivo. É para o que eu entrei na banda. Meninas na primeira fila." O rapper Ice-T disse da ira, "É necessária. Você tem que liberar essa tensão porque a vida traz tensão. Liberamos nossa raiva quando gravamos. Quando fizemos 'Cop Killer' estávamos raivosos e os policiais ficaram zangados." Alguns personagens de Michael Douglas em um filme chamado "Wall Street" disseram, "A ganância é boa.”

E, é claro, havia com tudo isso, uma reversão total da definição de pecado, o apelo inevitável à psicologia pop para defender esses pontos de vista, e a defesa sempre esteve na linha de preservar a auto-estima. A psicologia diz que não podemos estar rotulando as pessoas como pecadoras; vai bagunçar sua auto-estima. Ice-T disse, "O orgulho é obrigatório. Esse é um dos problemas do centro da cidade; as crianças não têm orgulho suficiente. Eu entrei em uma gangue por causa do orgulho." Agora, quão deturpado é isso?

John Leo escreveu uma perspectiva sobre isso no U.S. News e World Report, resumiu o sabor do programa que eu li e achei que fosse muito interessante. Ouça o que ele disse. "Em vez da linguagem da moderação e do autocontrole, todo mundo parece falar a linguagem terapeuta dos sentimentos e da auto-estima." O orgulho não é um pecado; você deve se sentir bem consigo mesmo. A inveja faz você se sentir mal consigo mesmo. "Quando você faz sexo com uma mulher" diz um roqueiro "ela faz você se sentir bem consigo mesmo." Mas eu não sei se isso salva você no final. Mesmo o arrependido opositor de gays está totalmente comprometido com a auto-fala, diz, "Perdoar a mim mesmo tem sido o desafio da minha vida." Ele escreve, "Há uma vaga sensação de que o pecado, se existir, certamente é um problema da psicologia". Kurt Loder, o narrador, diz-nos no início do programa que estamos lidando com compulsões. Ele diz "Os Sete Pecados Capitais não são atos malignos mas sim compulsões humanas universais que podem ser perturbadoras e altamente agradáveis".

A discussão da gula rapidamente se deteriora em conversa sobre vícios. Essa é a maneira como todos os hábitos e apegos são discutidos, e as terapias pop da geração MTV cresceram. "Eu sou viciado em minha namorada" diz um homem sobre glutonaria. Alguém diz que o programa de auto-ajuda de 12 passos é um presente de Deus para o século XXI. Ele está apenas narrando o caos e a confusão.

A propósito, o arrependido opositor de gays, referido nesse artigo, era um jovem que tinha realmente matado um homossexual e em seguida descreveu seus sentimentos de remorso. Ele se perguntou se ele poderia ser perdoado, então ele foi para um capelão, eu suponho que em sua prisão, e o capelão disse que o perdão é possível, mas a única maneira que ele saberá se foi perdoado, é se algum dia ele sentir isso. E assim ele vive cada dia para sentir-se perdoado. É triste.

O pecado, de acordo com a MTV, não se baseia em padrões morais absolutos. Em vez disso é uma questão de preferência de cada pessoa. Em outras palavras o que é pecado para mim não pode ser pecado para você. E o programa da MTV termina com um apelo à tolerância universal. Escute isso. O verdadeiro perigo do pecado de acordo com a MTV é qualquer coisa que cause dano ao seu ego. Isso é pecado. E nenhum pecado, ouça isto, é tão perverso quanto a atitude de matar os que pensam que o pecado é um padrão absoluto que ofende um Deus santo. Pensar que é o pior pecado.

É assim que a cultura se tornou perversa. Toda a produção, toda a defesa do pecado, me lembra que vivemos numa cultura dada por Deus às suas próprias concupiscências malignas. As pessoas amam o seu pecado e elas vão aos extremos, aos extremos para justificá-lo e racionalizá-lo. E enquanto fazem isso eles se condenam, certo? Porque se você não definir a doença corretamente você nunca vai vir para a cura adequada. Você não pode vir à salvação a menos que você compreenda o pecado. Obviamente então esse tipo de pensamento é mortal e condenatório para aqueles que são enganados por ele. Mas também é verdade, e é aqui que eu quero me mover neste momento não temos muito tempo.

Esse tipo de pensamento, e é isso que me preocupa, esse tipo de pensamento invadiu o pensamento dos cristãos. Invadiu. Os cristãos são vítimas da redefinição da cultura do comportamento humano. As igrejas são. Igrejas que uma vez não tolerariam o adultério, a prostituição, a homossexualidade, a mentira, a trapaça e quaisquer outros tipos de coisas, são muito tolerantes com elas agora. Igrejas que uma vez queriam confrontar o pecado, não o enfrentam mais. Todos nós caímos no jogo psicológico, jogando com auto-estima e a construção do ego. Isto é típico em todos os movimentos da igreja cristã. Não está em toda igreja, mas certamente é onde está o impulso. E se você falar contra isso, você é realmente anátema. Permitimos ao mundo redefinir a lei moral de Deus e até mesmo redefinir o caráter de Deus e torná-lo mais tolerante ao pecado do que Ele é.

A exposição constante à Palavra de Deus é essencial. Vou dizer a vocês, pessoal, em um tempo como este, o que mais as igrejas precisam de tudo o que precisam, é a constante exposição ao padrão divino de Deus. Em vez disso, estão formando igrejas que estão concordando com a mentalidade MTV e dando-lhes mais do mesmo material, o que é inconcebível para mim. Deveria haver tanta hostilidade contra isso que literalmente derrubaria aqueles tipos de igrejas que estão diluindo a verdade. Quer dizer, devemos estar tão furiosos com essa aquiescência que inicie uma revolução espiritual. Ou seja, é incrível para mim que numa época em que a cultura está sendo definida pela MTV, as igrejas estão tentando se adaptar à cultura. É incrível.

Por outro lado o que as pessoas necessitam desesperadamente é da constante exposição à Palavra de Deus, que é a única coisa, ouça isso, isso vai mantê-lo sensível à moral divina semana após semana após semana, enquanto você é assaltado pelas outras coisas. Quando precisamos tão desesperadamente manter nossa sensibilidade ao padrão de Deus e à verdadeira santidade, e verdadeira pureza, as igrejas estão descartando isso em favor do entretenimento do seu povo. É uma época incrível em que vivemos.

Agora eu quero fazer uma segunda pergunta vamos ver até onde chegamos. Que pecado é o mais sério? Sabemos o que é pecado. É qualquer violação da lei de Deus e nunca vamos ser sensíveis ao pecado a menos que estejamos constantemente sensíveis à lei de Deus, e você faça isso através do ensino da Palavra. Porque, a cultura está simplesmente afogando pessoas, incluindo cristãos, nesta nova moralidade, e esta nova explicação psicológica para a iniquidade, e este novo lixo sobre a auto-estima e a necessidade de construir o seu ego. Sabemos o que é o pecado somente quando estamos expostos à Palavra de Deus, e eu acho que tem que acontecer o tempo todo. Este não é um tempo para sermões curtos que são interessantes; Este é um tempo para longos sermões que são exigentes. Manter uma vida pura é muito, muito desafiador, neste tempo. E precisamos ouvir a Palavra de Deus.

Mas vamos um pouco mais fundo. Qual é o pecado mais grave? Que pecado é o mais grave? E vou lhe dizer qual é a resposta, os teólogos medievais tinham razão, são os pecados da mente. São os pecados da mente. Jesus disse isso, é do coração que a boca fala. É o que está no coração do homem, o que sai, que é tão profano. E o verdadeiro desafio em nossas vidas, amados, é manter uma mente pura e isso é muito desafiador. E eu creio que a única maneira que isso vai acontecer é ser continuamente trazido, por assim dizer, aos pés da Palavra de Deus, e tê-la convincentemente proclamada. Na verdade, os sete pecados mortais, da teologia medieval, não eram comportamentos, de forma alguma; eram pecados na mente, todos eles. E nenhum pecado é mais destrutivo para a consciência do que o pecado que ocorre na arena da mente. Os pecados na mente atacam a consciência como nenhum outro pecado porque, ouçam-me, a consciência é o único impedimento.

Um amigo cristão pode ser um impedimento para um pecado da língua, não pode? Você vai vigiar o que você diz se você estiver com outro cristão, não é verdade? Um amigo cristão, um marido, uma esposa, uma criança, vai sererá um impedimento para os pecados da ação. Mas o único impedimento que você tem em toda a sua vida para os pecados da mente é a sua o quê? Sua consciência. E você precisa alimentar sua mente com a Palavra de Deus constantemente para que sua consciência realmente funcione com pleno poder. Sua consciência precisa ser capaz de ser tão sensível aos pecados de sua mente, para que você possa desfrutar do tipo de coisa que Paulo desfrutou quando disse: "Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência". Você tem que lidar com os pecados da mente. Só você e somente Deus sabem sobre eles. 1 Coríntios 2:11 diz "Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está?" Quem sabe? Ninguém sabe, apenas você em seu próprio espírito.

Muitas pessoas que não fazem maldades são, no entanto, corajosamente malignas em seus pensamentos. Elas não realizam coisas más, porque há pressão dos outros e há razões imperiosas para não as façam, mas elas estão muito envolvidas no mal em suas mentes. Um homem que, por exemplo, se abstém da prostituição por medo de ser pego, pode convencer-se de que é bom se entregar à sua própria mente em fantasias libidinosas, porque ele acha que ninguém nunca vai descobrir um pecado tão privado. O fato da questão é: o pecado que ele deliberadamente entretém em sua mente, pode ser mil vezes mais mal do que qualquer coisa que ele jamais pensaria em fazer antes dos outros. E a Escritura diz que sua culpa é a mesma diante de Deus como se a tivesse agido. É por isso que sua consciência é tão exigente tão implacável. Você vê, entregar-se a pecados de pensamento, entregar-se a esses tipos de coisas, é molestar a sua consciência diretamente. E isso é simplesmente ter uma culpa interminável, e a ausência de alegria. Aqueles cujos pensamentos são impuros, não podem ter consciências puras. A culpa é inerente ao pensamento maligno. Quando os pensamentos são contaminados a consciência imediatamente é contaminada e a consciência grita. Para os puros, disse Paulo a Tito, no capítulo 1, versículo 15, "Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas." Quando a mente é contaminada, a consciência é contaminada. Nada prejudica a consciência mais do que o hábito de se entregar a maus pensamentos. Infelizmente, uma vez que se começou, a prática torna-se demasiada fácil.

E aliás, esse é o tipo pecado que não precisa de nenhuma oportunidade. Você notou isso? Não requer ninguém, qualquer coisa ou qualquer lugar em particular. Os pecados da mente podem acontecer a qualquer hora, em qualquer lugar, sob qualquer circunstância, e é por isso que quando você começa a cultivar os pecados da mente você está se colocando em uma situação absolutamente aterrorizante porque não pode escapar disso. Há alguns pecados que você pode fugir, não os pecados da mente.

Portanto, é destrutivo além de qualquer outra coisa. Você acha que está tudo bem porque não está do lado de fora e todo mundo acha que tudo está bem. E a verdade é que é pior por dentro, porque não é detectada pelos outros e portanto produzindo iniqüidade habitual envolvendo a mente, as emoções, o desejo, a memória e a imaginação. Pecados do pensamento. Você vai direcionar sua alma para hábitos pecaminosos que seguem um fluxo. Semeie um pensamento, colha um ato; semeie um ato, colha um hábito; semeie um hábito, colha um caráter; semeie um caráter, colha um destino.

É uma coisa trágica. E é por isso que é tão importante que você ouça a Palavra de Deus constantemente e esteja sensibilizado ao pecado constantemente. Novamente volto a esta questão porque isso me preocupa. As pessoas podem ir a muitas igrejas mais e mais e mais e mais e o pecado nunca é confrontado. Isso pode fazer com que eles se sintam momentaneamente confortáveis. Não faz nada pela sua consciência a longo prazo. Não está ajudando; está atrapalhando. E eventualmente aquelas coisas no interior virão para fora. Ninguém jamais cai em adultério. Lemos sobre isso com pastores e outros. Ninguém jamais cai em adultério. O coração do adúltero foi moldado por um longo processo de pensamentos pecaminosos e pensamentos lascivos. Ele fica moldado dessa forma. O coração do ladrão é dobrado muito antes de seu ato de roubo pela cobiça. Todo pecado é primeiro incubado na mente. E Tiago diz em Tiago 1:13 "Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte." Não se enganem, irmãos, tudo começa lá dentro.

Uma e outra vez, você se lembra que Cristo repreendeu os fariseus porque eles observaram a lei cerimonial externa e negligenciavam a parte moral? Eles estavam totalmente preocupados em parecer justos e eles eram como um túmulo brancos no lado de fora, mas no interior apodreciam com os ossos dos homens mortos. Ele diz, "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia!" E você sabia que os fariseus tinham chegado ao ponto em que eles realmente acreditavam que os maus pensamentos não eram realmente pecaminosos apenas as ações más? E é por isso que Jesus lhes disse, "Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal." "Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela." Não só o assassinato é um pecado como também a ira; não só o adultério é pecado como também a cobiça. Tente dizer isso à nossa cultura.

O que deve estar acontecendo em nossas mentes? O que deveria estar acontecendo nos recessos mais profundos de nossas mentes e corações? O que deveria estar acontecendo lá? Eu vou lhe dizer o que deveria, adoração e amor a Deus. Adoração e amor a Deus. Quando fomos salvos fomos salvos para sermos verdadeiros adoradores. O Senhor nos salvou para que fôssemos feitos verdadeiros adoradores. Ouça isto, o pecado na mente, então, é profanar o próprio santuário onde nossa maior e melhor adoração deve estar ocorrendo. Portanto, cultivar os pecados da mente não só contamina a mente, mas desvia a adoração para a qual fomos salvos. E isso, novamente, pode ser definido como uma forma de blasfêmia.

Relativamente fácil às vezes, confessar e abandonar ações de pecado, palavras de pecado, mas os pecados de nossos pensamentos continua sem serem confessados mais do que qualquer outro tipo. Eles são os pecados de escurecimento da alma. Eles são os pecados que danificam o caráter. Eles trabalham diretamente contra a consciência e há a consciência lutando com todo o seu valor contra esse ataque. É por isso que o Antigo Testamento diz em Provérbios 4:23 "Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida." Mas, sabe, além da consciência, eu tenho que dizer que Deus conhece nossos corações. Atos 15:8 diz, "Ora, Deus, que conhece os corações". Primeira João 3:20 diz, "Deus é maior do que o nosso coração e conhece todas as coisas". Davi escreveu, "de longe penetras os meus pensamentos. Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos". Portanto, Deus sabe se temos um coração voltado às paixões carnais, cobiçoso, irado, hostil, egoísta e orgulhoso que está cultivando todos esses pecados de pensamento, ou se o nosso coração se entrega ou não para adorá-Lo. O Salmo 44:21 diz, "porventura, não o teria atinado Deus, ele, que conhece os segredos dos corações?". Jesus disse aos fariseus em Lucas 16:15, "Vós sois os que vos justificais a vós mesmos diante dos homens, mas Deus conhece o vosso coração; pois aquilo que é elevado entre homens é abominação diante de Deus".

E você sabe de uma coisa? O que está acontecendo em seu coração é o teste decisivo do seu caráter. Provérbios 23:7, "Porque, como imagina em sua alma, assim ele é." Provérbios 6:12, "O homem de Belial, o homem vil, é o que anda com a perversidade na boca." Você quer saber o que você realmente é? Dê uma olhada em seu coração. Dê uma olhada no interior, "Como na água o rosto corresponde ao rosto, assim, o coração do homem, ao homem", Provérbios 27:19.

O comportamento externo não é um indicador exato de seu caráter; os pensamentos de seu coração revelam a verdade. Os pensamentos de seu coração só são conhecidos por Deus e sua consciência. E amados é tão crucial que cultivemos uma vida pura, para que possamos desfrutar do testemunho de uma consciência limpa. E você sabe, quanto mais você aprende da Palavra, e quanto mais você estiver exposto à Palavra, e quanto mais seu coração estiver cheio de sua verdade, maior será seu amor e sua adoração a Deus. E a limpeza disso vai afetar a consciência limpa. Eu honestamente não sei como os homens podem, possivelmente, alimentar seus pensamentos com sujeira, coisas sujas, obscenidades, coisas perversas e coisas que desagradam a Deus e se levantarem e ministrarem, sem serem literalmente agredidas por sua consciência.

Os consoladores de Jó, você se lembra deles? Eles vieram até ele e eles o acusaram falsamente, e não havia nada em sua vida que pudessem acusá-lo, certo? Você se lembra de Jó. Ele era mais justo do que qualquer outro homem, então, do que eles vão acusá-lo? Eu vou lhe dizer do quê eles o acusaram, de uma vida de pensamento sujo. Zofar veio e lhe disse, Jó 20, versículos 12 e 13 "Ainda que o mal lhe seja doce na boca, e ele o esconda debaixo da língua, e o saboreie, e o não deixe; antes, o retenha no seu paladar."

Em outras palavras, ele é realmente perverso por dentro. Você não vê e você não ouve mas ele é todo sujo por dentro. A imagem que ele pintou do malvado pensador é vividamente verdadeira. Os pensamentos maus são como doces para eles. Para o pensador do mal eles obtêm grande satisfação de suas iniqüidades imaginárias. Eles saboreiam suas fantasias malignas. Eles gostam delas como um bocado de doçura sob sua língua. Eles a rolam em torno de sua imaginação. Eles retornam para as mesmas reflexões perversas de onde podem recolher prazer ilícito repetidas vezes. Eles pensam sobre eles como um animal ruminando, trazendo para cima os pensamentos maus favoritos, uma e outra vez, para reagir de novo na mente. Disto é o que eles acusaram Jó, mas até agora julgaram mal a Jó. Jó tinha cuidadosamente se guardado contra isso. Isto é o que ele disse em Jó 31:1 "Fiz aliança com meus olhos; como, pois, os fixaria eu numa donzela?" Eu não faço nada. Eu não olho em nenhuma direção que vá cultivar um pensamento maligno. Ele sabia que Deus era o público para seus pensamentos. Ele diz isso, "Ou não vê Deus os meus caminhos e não conta todos os meus passos? Se andei com falsidade, e se o meu pé se apressou para o engano (pese-me Deus em balanças fiéis e conhecerá a minha integridade)." E então Jó negou que seu coração tinha seguido seus olhos. Ele negou que seu coração tenha sido seduzido por outra mulher. Isso seria um crime lascivo, diz ele, e a iniqüidade seria punida pelos juízes. Esconder a iniqüidade no seio, ele disse seria, seria como cobrir a transgressão igual a Adão. O próprio pensamento chocou-se com seu coração justo.

Não, Jó estava muito consciente do perigo dos pensamentos pecaminosos. Ele, conscientemente, deliberadamente colocou um guarda em seu coração para evitar essas coisas. E então você, sabe o que mais ele fez? Ele até oferece um sacrifício a Deus apenas no caso de seus filhos pecarem em seus corações. Quando os dias de festa tinham completado seu ciclo, esse Jó os enviava e os consagrava, levantando-se de madrugada e oferecendo holocaustos de acordo com o número de todos eles. Pois, Jó disse, talvez meus filhos tenham pecado e amaldiçoado a Deus em seus corações. Isto Jó fez continuamente. Preocupado não só com a sua própria vida de pensamento mas com a vida de pensamento de sua própria família. É por isso que o Senhor disse que não há ninguém como ele na terra. Ele é um homem irrepreensível e reto temendo a Deus e se afastando do mal.

Portanto, toda essa questão dos pecados do pensamento deve ser tratada, se quisermos lidar com a consciência, se quisermos liberar nossa consciência e desfrutar da paz, da alegria, da felicidade e da bênção na experiência cristã. Se você quer acalmar sua consciência ruidosa você tem que lidar com sua vida de pensamento.

Bom, talvez seja melhor terminar rapidamente em dois minutos. Há três maneiras pelas quais a mente se envolve no pecado. Vou apenas mencioná-las e depois vou parar. Pecados de lembrança, primeiro. Para acalentar a memória dos pecados passados trazer de volta uma memória lúgubre de um pecado anterior é repetir o pecado de novo. Não muito tempo atrás eu batizei um homem que era um ex-homossexual transformado por Cristo. Sua vida mudou. Seu círculo de amigos foi mudado. Ele se afastou o máximo possível de qualquer coisa que lembrasse a vida passada. Ele não foi tentado por velhos amantes. Ele não foi tentado por homossexuais em torno dele, mas você sabe no que ele tinha uma tentação incessante? Adivinhe. Sua memória, que recuava através de todas as relações ilícitas de seu passado. Memórias tão vivas, tão embutidas em seu cérebro, que ele pensava que às vezes ele nunca seria capaz de superá-las. Todas as relações vis do passado foram armazenadas lá. E se quisesse poderia dizer "não" a essas tentações. E se quisesse poderia dizer "sim" e voltar para a imundície do passado. O pecado tem uma maneira de imprimir-se em nossas memórias com sensações vívidas que nós não podemos sacudir para fora.

Eu vou lhe dizer, eu sofro quando eu sei que jovens, pessoas impressionáveis na adolescência, vão sentar-se em um cinema e assistir pessoas que têm 45 centímetros de altura em drama vívido, realizar atividades sexuais e assumir que essas imagens podem permanecer na mente desses jovens para sempre pelo menos nesta vida. Não pode sair deles. Você não pode descartá-los. E Satanás pode levar você de volta a eles, e sua carne também pode fazer isso.

E isso não é exclusivo dos pecados sexuais. Algumas pessoas gostam de ensaiar as lembranças do momento em que ficaram com raiva e derramaram vingança sobre alguém que se ressentia, ou quando mentiram e foram embora com isso, ou eles saboream quando enganaram em seu imposto de renda. Todos os tipos de tentações vêm da memória. Satanás tentará levá-lo de volta através do lixo de seu passado e uma vez que você implantar uma imagem chocante em sua mente, você não poderá tirá-la ele estará lá. Assim, uma maneira com que nós pecamos na mente é através da lembrança do pecado no passado.

Em segundo lugar os pecados de intrigas. A mente, como vimos em Tiago começa a cobiçar e gera seu desejo na imaginação, e desenvolve a fantasia completa. E esquematiza, enreda e planeja o pecado premeditado.

E então, se torna o terceiro tipo, o pecado imaginário. A conspiração poderia realmente terminar em uma ação real de pecado mas há pecados de imaginação, pecados puramente imaginários. Cometer adultério no coração, assassinar no coração, cobiçar no coração, estar descontente com o que você tem, com o sua posição na vida, sonhando em ser casado com outra pessoa, meditando sobre um luxo que você quer em sua vida, entregar-se à glutonaria em uma compulsão imaginária. Literalmente, milhões de pessoas vivem neste tipo de fantasia de pecado. E você sabe o que eu acredito? Você já ouviu falar dessa teologia da confissão positiva? Eu acredito que na maior parte não é nada além de fantasiar pecar. Não é piedoso, não é virtuoso, e não é fé. Dizer que quero um novo Rolls Royce, ou um Cadillac novo, ou uma casa nova, ou um emprego melhor, ou mais dinheiro, e eu vou acreditar em Deus para alcançar isso, não é um ato justo de fé. É uma iniqüidade. É um pecado de fantasia. É uma luxúria. É cobiça.

E assim a mente pode pecar lembrando, planejando pecados no futuro e desenvolvendo a imaginação. O salmista disse "Cria em mim, ó Deus, um coração" o quê? "puro e renova dentro de mim um espírito inabalável.”

Vamos nos curvar em oração. Agora enquanto suas cabeças estão curvadas, neste momento de encerramento, ouça apenas o que vou dizer e então vamos concluir em oração. Como você vai lidar com o problema dos pecados do pensamento? Primeiro, confesse, identifique e abandone. Se é imoralidade, ou raiva, ou vingança, ou amargura, ou cobiça, descontentamento. Em segundo lugar, recuse-se a entreter esse pensamento. Faça uma aliança com o Senhor para pensar em coisas honestas, corretas, puras, amáveis e boas. Então, alimente-se da Palavra, que escondida no coração impede o pecado. E então, evite atrações malignas. Não se exponha a coisas que provocam pecados de pensamento. E cultive o amor de Deus. É minha oração e meu desejo que você glorifique a Deus, honre seu Salvador e desfrutará da bênção da bem-aventurança triunfal de uma consciência limpa e você poderá dizer com Paulo "Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que, com santidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria humana, mas, na graça divina, temos vivido no mundo." Que testemunho!

Pai, trabalha isso em cada coração. Limpa todo coração, e possamos ter uma consciência afirmativa, a alegria e a paz de uma consciência afirmadora. Obrigado que o perdão está disponível e não é apenas um sentimento, é um fato dado a alguém que pede, pois se confessarmos Tu perdoas. Cria em nós um coração puro, ó Deus, em nome de Cristo. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

Donation:
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize