Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Como vocês sabem foi no último domingo à noite que chegamos à mensagem final na epístola de Judas, aquela declaração maravilhosa com a qual Judas fecha a carta, "Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória, ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém!" E Judas encerrou sua epístola com aquela grande declaração de que somos impedidos de cair. Somos mantidos por Deus e portanto, Deus merece toda a glória.

E isso nos introduziu a uma doutrina que é conhecida como a "perseverança dos santos." A perseverança dos santos. Os verdadeiros crentes perseverarão na fé até o fim. Muitas vezes essa doutrina é chamada a doutrina da "segurança eterna". Às vezes é uma espécie de enigmaticamente ser dito, "Uma vez salvo, sempre salvo." E é claro todas essas coisas são verdadeiras.

Quero que você entenda que essa é uma doutrina histórica. Afirmei, da última vez, que é o componente mais importante da salvação, porque se a salvação não fosse permanente então a doutrina da eleição seria questionada, a doutrina da justificação seria questionada, a doutrina da santificação seria questionada, e a doutrina da glorificação seria questionada. O chamado de Deus seria questionado, e portanto a obra do Pai, do Filho e do Espírito também seria questionada.

E assim o que faz com que todas as doutrinas da salvação se unam e permaneçam juntas é a eternidade da salvação, a perseverança dos santos. E esta tem sido a doutrina histórica da verdadeira igreja.

O ano foi 1644, o lugar era a abadia Westminster, aquela famosa igreja de Londres. A sala dentro da abadia era chamada de "Sala Jerusalém". A reunião no ano de 1644 foi um encontro das melhores mentes teológicas e dos maiores estudiosos bíblicos da Inglaterra. Os puritanos eram a força dominante ali, os conhecidos puritanos, amantes das escrituras, amantes de Deus, amantes de Cristo, amantes da verdade. E estes puritanos se reuniram, cerca de uma centena deles, com senhores e plebeus juntos. E iniciaram um esforço de cinco anos, cinco anos de intenso estudo das Escrituras, cinco anos de intenso diálogo, cinco anos de intenso esforço escolar, cinco anos de discussão, cinco anos para produzir uma declaração de doutrina.

Cinco anos depois, no ano de 1649, eles completaram sua tarefa, e o que produziram é conhecido como "A Confissão de Fé de Westminster". A Confissão de Fé de Westminster. Os puritanos conhecidos como Thomas Goodwin, James Usher, Jay Lightfoot, Samuel Rutherford, Jeremiah Burroughs e o presidente deste grupo um homem chamado Twisse - T-W-I-S-S-E - trabalharam durante estes cinco anos para produzir o que se tornou o mais importante credo cristão chamado, "A Confissão de Fé de Westminster".

Nesse credo, entre outras coisas, há uma declaração sobre a segurança da salvação, sobre o fato de que a salvação é eterna. Eles estavam convencidos disso, era o que a Bíblia ensinava. Eles não a chamavam de "segurança da salvação", eles realmente a chamavam de "perseverança" e a chamavam corretamente. Na Confissão de Fé de Westminster há uma declaração breve e inequívoca.

A Confissão diz isso - e eu cito. "Aqueles a quem Deus aceitou em seu Filho amado, efetivamente chamados e santificados por seu Espírito, não podem nem totalmente, nem finalmente cairem de um estado de graça, mas certamente perseverarão nisso até o fim e serão eternamente salvos".

Essa é a declaração biblicamente precisa e bem resumida da perseverança dos santos na Confissão de Westminster. E francamente, essa afirmação não precisa ser alterada. Não precisa de alteração. Como está, é biblicamente precisa. Qualquer pessoa que tenha sido aceita no Filho amado de Deus, eficazmente chamada para a salvação e santificada pelo Espírito, não pode nem total, nem definitivamente cair do estado de graça, mas certamente perseverará nesse estado de graça até o fim e será eternamente salva.

Isso é apoiado, é claro, por muitas, muitas escrituras. Não era como se eles tivessem que olhar um longo tempo para encontrar passagens da escritura. Esta foi apenas uma das coisas que eles estavam empenhados em esclarecer ao longo desses cinco anos. Mas passagens por exemplo como João 5:24. "Em verdade em verdade vos digo que aquele que ouve a minha Palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não entra em juízo mas passou da morte para a vida". João 3:16 e 18. "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Quem crê nele não é julgado".

Outras passagens talvez também familiares para nós João 6:37. "Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou. E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia".

Há aquele texto monumental em que vemos que ninguém cai através das rachaduras no processo de salvação. A quem o Pai escolhe, o que ele atrai, a quem Ele atrai, chama a Cristo, quem é atraído para Cristo vem, e quando vem, Cristo o recebe, o guarda e o ressuscitará no último dia. A mesma coisa é afirmada, de outra maneira, por Jesus em João 10:27-29.

"As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão. Aquilo que meu Pai me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar.”

Muitas outras escrituras merecem nossa atenção. Penso em João 4:14. "aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna." Uma vez que o poço é aberto, nunca seca. É uma fonte da vida eterna. Em 1 Coríntios capítulo 1, lemos que aqueles que estão em Cristo - versículo 8, 1 Coríntios 1 - são "confirmados até o fim, irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo." Estamos confirmados até o fim e achados irrepreensíveis ao final. Bom, e se pecarmos? Nós pecamos. Mas nossos pecados, tendo sido cobertos por Cristo, nos deixa irrepreensíveis.

E o versículo 9, tão importante. "Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor." Deus é fiel, que os chamou para confirmar-los, até o fim e apresentá-los irrepreensíveis à sua presença eterna.

E ainda 1 Tessalonicenses 5:23-24, "O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo." Há a mesma afirmação de que Deus, que nos santificou, nos preservará intactos e irrepreensíveis novamente na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. O versículo seguinte, versículo 24, diz, "Fiel é o que vos chama, o qual também o fará". Ele foi fiel ao chamá-lo para a salvação. Ele será fiel para preservá-lo até que a salvação esteja completa.

E volto a lembrá-lo de 1 João 2:19. "Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos." Os verdadeiros crentes permanecem, não porque tenham o poder de fazê-lo - eles não têm, como eu apontei semana passada - mas, porque o mesmo Deus que os chamou, o mesmo Deus que os justificou o mesmo Deus que os está santificando, prometeu glorificá-los.

A Confissão de Westminster afirma com precisão que a fé salvadora não pode falhar. Não pode falhar. E neste ponto eu acho que é crucial para nós entender o que a perseverança dos santos não é. Isso nos ajudará a entender o que isso significa.

Em primeiro lugar, não significa que os cristãos nunca falham. Não significa que os cristãos não falhem seriamente e severamente em suas vidas cristãs. Nós falhamos. O que significa é o que a Confissão diz que significa: Eles não falham completamente nem finalmente. Falham, sim. Falham severamente, sim. Falham repetidamente, sim. Falham completamente, não. Falham finalmente, não.

A Confissão de Westminster passou a dizer isso e cito novamente, "No entanto, os crentes podem através das tentações de Satanás e do mundo, através da prevalência da corrupção permanecer neles, por negligência de seus meios de preservação, cair em pecados penosos e por um tempo continuam neles pelo que incorreram no desgosto de Deus e entristecem seu Espírito Santo, vêm a ser privados de alguma medida de suas graças e confortos, têm seus corações endurecidos e suas consciências feridas, machucam e escandalizam outros, e trazem julgamentos sobre si mesmos".

E os escritores da Confissão de Westminster entenderam que isso não quer dizer que somos perfeitos. Dizer que perseveramos não é dizer que somos perfeitos. Há corrupção em nós. Há a negligência dos meios da graça. Há tropeço em pecado grave e continuando por algum tempo nele. Há o incorrer do desagrado de Deus e a aflição do Espírito, trazendo sobre nós mesmos a privação de algumas medidas de graça e conforto. Existe a realidade de pecado duro e consciência ferida que não funciona como deveria. Há a realidade de ferir e escandalizar os outros na igreja e fora dela, trazendo sobre si mesmos julgamentos e disciplinas temporais.

Em outras palavras, perseverança não significa perfeição. Não é isso que estamos dizendo. E assim, em certo sentido isso nos descreve a todos em um grau ou noutro. Então, quando dizemos que os crentes perseveram não estamos falando de perfeição. Não estamos falando de alcançar um estado de impecabilidade. Estamos falando de perseverar na fé não desacompanhado do fracasso.

Em segundo lugar é importante entender que não só a perseverança não significa perfeição, mas também não significa que qualquer um e todos que "aceitem" a Cristo podem portanto viver como quiserem sem qualquer receio do inferno. Não basta ter uma fé superficial em Cristo. Não basta ter um compromisso superficial com Cristo, um interesse superficial em Cristo. Não é suficiente ter alguns bons sentimentos sobre Jesus e assumir algum compromisso momentâneo com ele. Isso não é o que a Confissão de Westminster estava dizendo.

E é por isso que - e isto é importante - a maneira correta de descrever esta doutrina é a "perseverança dos santos" em vez de "segurança eterna". Não é apenas que estamos eternamente seguros, é que estamos eternamente seguros porque a nossa fé persevera. Em João 8:31-32 Jesus disse "Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos". Os verdadeiros discípulos continuam com fé e não vivem como os incrédulos.

Sustentados por seus frutos, vocês podem conhecê-los, porque como Efésios 2 diz, "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas".

Uma pessoa que "aceitou" Jesus, tomou uma decisão por Jesus, fez uma oração e continua a viver em um padrão pecaminoso de vida, sem medo do inferno, porque pensa que está eternamente segura, está iludida. É por isso que temos de ter cuidado quando falamos sobre a doutrina da segurança eterna como se uma única oração o tornasse seguro para sempre. E aliás, isto é o que é ensinado por muitas pessoas. Todas aquelas pessoas que negam a doutrina do Senhorio de Cristo, todos aqueles que não defendem o Senhorio, afirmam que uma oração feita uma vez torna você eternamente seguro, sem perseverança. Isso é uma deturpação do que as escrituras ensinam, e é por isso que eu escrevi o livro O Evangelho Segundo Jesus e na sequência O Evangelho Segundo os Apóstolos. Isso não é verdade.

Assim, falar da segurança do crente não é em si mesmo errado. Estamos seguros. Mas a outra expressão é mais cuidadosa e mais precisa. Não é verdade que alguém esteja seguro não importa o quanto vivam em pecado por mais que se voltem contra Cristo e até o negem categoricamente como muitos disseram. A segurança é simplesmente uma realidade por causa da perseverança. Um crente pode pecar, como eu disse, pode pecar seriamente, pode pecar repetidamente mas não se deixará levar pelo pecado. Ele não voltará sob a total dominação do pecado. Ele não perderá a fé em Cristo e não negará o seu Senhor e o evangelho.

Nenhum crente verdadeiro evitará a santidade e abraçará o pecado tudo junto. 1 João 3:10 - muito simples. "Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus". É assim, muito simples. Quem não pratica a justiça não é de Deus. E o versículo anterior diz, "Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado". Não é o padrão ininterrupto de sua vida. Assim, não basta dizer que se você fez uma oração uma vez, fez uma decisão uma vez, não importa como você vive, não importa qual seu padrão de vida, não importa se você negar a Cristo mais tarde, você ainda está eternamente seguro. Não. A doutrina da segurança do crente está ligada à fé perseverante do crente.

A doutrina da perseverança então é esta. Na salvação lhe é dada uma fé sobrenatural de Deus para crer no evangelho, para crer no testemunho do Espírito Santo concernente a Cristo e por isso crer em Cristo e vir a Cristo, conhecer o Deus verdadeiro e vivo. Esta fé é um dom sobrenatural de Deus. É um dom da graça e é um dom de misericórdia.

Novamente Efésios 2:8-9. "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus" A graça é de Deus e assim a fé. E que tipo de fé ele lhe dá, uma fé temporária? Se a fé salvadora é um dom de Deus então que tipo de dom Deus lhe daria? Ele não lhe daria um dom temporário de fé. E se a sua salvação depende de uma fé humana, prometo a você que morrerá, e foi o que eu disse na semana passada. Se pudéssemos perder nossa salvação, a perderíamos.

É por isso que Jesus disse "Aquele que perseverar até o fim esse será salvo". Você pode dizer quem são os salvos. Você pode dizer quem são aqueles que vão entrar na salvação completa na próxima vida. São aqueles cuja fé persiste até o fim porque é uma fé duradoura. Esse é o tipo de fé que Deus dá. Muito diferente da fé humana, muito diferente.

Posso dar-lhe uma simples ilustração de como a fé humana funciona. Vivemos pela fé humana. Quer dizer vivemos pela fé humana todos os dias de nossas vidas. Você vai a um restaurante você requisita algo e você o come. Isso é um ato de fé. Isto é. Você não sabe o que é. Você não sabe o que foi colocado ali. Você não sabe de onde veio. Você não sabe em que condição está. Você não sabe quem o cozinhou. Você não tem ideia. Eles colocaram algo em um copo e você bebe. Eles dizem o que é mas você não sabe o que é. Isso é um ato de fé.

Ainda mais do que isso, você abre a torneira em casa, enche o copo e bebe, e não tem idéia do que estão jogando em seus tubos. É um ato de fé. Você entra em um automóvel dá a partida e desencadeia uma série de explosões, entre quatro e oito, e você não tem medo de explodir, mesmo que você tenha um motor de combustão interna próximo aos seus joelhos. Você vai rugindo pela auto-estrada a 100 quilômetros por hora, nunca esperando que alguém venha pela pista na direção oposta. É um ato de fé.

Você vai ao médico e diz "Doutor me faça dormir, e me corte e tire tudo o que quiser." Você não conhece o médico ou qualquer outra pessoa na sala e você não tem idéia do que eles estão fazendo lá. Eu diria que é um ato de fé bastante significativo. Vivemos pela fé o tempo todo. O tempo todo.

Mas há uma razão para isso. Essa é uma fé educada. Essa é uma fé humana treinada. Conhecemos o suficiente para saber que os motores não explodem, e também que os médicos geralmente removem a coisa certa para fora e não deixam suas ferramentas dentro de você quando eles acabam. Temos conhecimento para saber o suficiente que a comida que você recebe está ok porque você a come durante anos, bebe água e está bem, porque você a bebe durante anos. E assim este é um tipo educado e treinado de fé humana.

Mas quando se trata de colocar sua fé em Jesus Cristo você literalmente tem que negar a si mesmo, abandonar a si mesmo completamente a alguém que você nunca viu e nunca experimentou e não pode saber ou experimentar até chegar a esse abandono completo. Isso requer uma fé que está além da fé humana normal. Requer uma fé que é um dom de Deus uma fé sobrenatural. E o único tipo de fé que Deus dá é uma fé que perdura.

Você não poderia reunir sua própria fé para ser salvo, nem poderia reunir o suficiente de sua própria fé para ficar salvo. E se você dependesse de sua própria fé, falharia quando Deus não fizesse o que você pensava que deveria fazer quando ele não cuidou de sua vida da maneira que você pensou que deveria e quando você teve seus muitos desapontamentos, tragédias e tristezas, etcétera, etc. A sua própria fé humana seria constantemente mais fraca e mais fraca, e você começaria a questionar todos os tipos de coisas, porque sua experiência não estaria sustentando - pelo menos visivelmente para você - o que você esperava de Deus, particularmente, se alguém lhe dissesse "Venham a Jesus e tudo será ótimo".

É o dom da fé, fé sobrenatural dada por Deus que perdura, para que você acredite, mesmo quando tudo não vai do jeito que você acha que deveria. Esta fé duradoura é humanamente inexplicável. É humanamente inexplicável. Levou mártires por toda história até a estaca, até a guilhotina até a perda de tudo. Não é explicável humanamente. A segurança em Cristo, portanto, está ligada a uma fé perseverante que perdura até o fim.

E qualquer idéia de salvação que deixe de lado a segurança é uma distorção da verdade. E qualquer idéia de segurança que deixa de lado a perseverança é uma distorção da verdade. Você não pode ter salvação sem segurança. Você não pode ter a vida eterna que não seja eterna, e você não pode ter uma salvação segura sem uma fé perseverante.

Então obviamente isso não significa que somos perfeitos mas isso significa que perseveramos. E não é suficiente fazer uma oração de uma só vez e depois viver como um incrédulo o resto de sua vida e achar que você a tem e você está seguro. Isso é uma distorção terrível. Vou dizer de novo. Qualquer idéia de salvação que deixe de lado a segurança é uma distorção da verdade. E qualquer idéia de segurança que deixe de fora a perseverança é uma distorção da verdade.

Agora, há tantos textos para estudar a respeito disso, mas deixe-me levá-lo a um texto que acho que será muito útil para nós. Abra em 1 Pedro capítulo 1. 1 Pedro capítulo 1. Este é um texto muito, muito rico. Este é um tipo que se expande diante de seus próprios olhos. Mas eu quero que você veja os versículos 3 a 9 - versículos 3 a 9. E eu quero lê-los para você. Isto vem como uma espécie de doxologia muito parecido com o fim de Judas, e é uma pronúncia de bênção gloriosa em Deus para a nossa salvação eterna. Ouça o que Pedro escreve.

Versículo 3, "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros", aqui está a frase chave, "que sois guardados..." Você pode sublinhar isso. Esse é o coração da passagem. Pedro está bendizendo a Deus pela proteção divina. "que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo".

Agora note que essas duas coisas estão ligadas. Somos guardados para o recebimento desta herança eterna, e essa proteção vem até nós por meio da fé. Versículo 6. "Nisto exultais..." Claro. Quem não iria? Você se alegra muito de estar protegido. "embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações" e elas vêm "para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo; a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória, obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma."

Agora eu só quero lhe dar o coração da passagem. Versículo 5. Você está protegido, e você está protegido por meio da fé versículo 5. Versículo 8. "no qual, não vendo agora, mas crendo". Lá também a ênfase está na fé. "obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma." E ele se refere ali à salvação final a glorificação.

Você vê, este assunto de segurança, de ser guardado, está ligado a uma fé duradoura. Agora antes de analisarmos os detalhes dessa passagem quero apenas dar-lhe um quadro maior. Eu não acho que vou ser capaz de passar por isso então vamos terminá-lo no próximo domingo à noite ou talvez vamos terminá-lo no outro domingo à noite eu não sei.

Isso foi escrito por Pedro. Agora deixe-me falar sobre Pedro. Todos nós sabemos sobre Pedro, certo? Se alguém - se alguém - deveria escrever um tratado sobre a perseverança dos santos deveria ser Pedro. Realmente deveria. Ele é a pessoa certa para dar testemunho de perseverança, porque se houve alguma pessoa do Novo Testamento que estivesse constantemente sujeita ao fracasso, quem era? Era Pedro. Foi o próprio homem que escreveu estas palavras, porque ele foi o homem que mais freqüentemente experimentou a proteção de uma fé perseverante. Eu acho que no seu caso foi uma espécie de fé de retorno.

Com base no registro dos evangelhos nenhum dos discípulos de nosso Senhor - exceto Judas é claro - falhou mais miseravelmente do que Pedro. Impetuoso, errático, ambicioso, egoísta, vacilante, fraco, covarde, esquentado. Em várias ocasiões ele recebeu fortes repreensões do Senhor. Eu não acho nada mais severo do que Mateus 16:23 onde Jesus olhou para ele na cara e disse: "Arreda - quem? - Satanás." Agora, quero dizer, esse é o limite. Quando o Senhor o identifica como o instrumento de Satanás você tropeçou seriamente. E você se lembra que o ponto baixo ocorreu quase imediatamente após o ponto mais alto de sua vida registrado no mesmo capítulo no versículo 16 quando ele disse "Tu és o Cristo o Filho do Deus vivo." E Jesus disse, "Carne e sangue no lhe revelou isso senão o meu Pai que está nos céus ".

Mas Pedro é este grande exemplo do alto e do baixo, do extremo alto e do extremo baixo. Pedro é a prova de que um verdadeiro crente pode tropeçar e tropeçar seriamente, fracassar e fracassar seriamente, ser fraco e covarde e fazer recusas temporárias; mas porque lhe foi dada proteção por uma fé duradoura, produzida em seu coração pela obra soberana de Deus, ele nunca falha completamente e ele nunca falha finalmente.

Não demorou muito depois dessa negação que ele saiu e fez o quê? Chorou amargamente desejando desesperadamente ser restaurado. Jesus até lhe contou em Lucas 22 que isso ia acontecer. Disse-lhe em Lucas 22:31 "Simão Simão eis que Satanás pediu permissão para te peneirar como trigo". Você entende que Satanás não pode fazer nada a ninguém a menos que ele tenha permissão? Satanás é servo de Deus, ele não pode fazer nada além do que Deus permite que ele faça. Ele queria derrubar Pedro, porque sabia o quanto Pedro era importante para a missão do evangelho. Mas olhe para o versículo 32. Isto é algo para sublinhar, pessoal, algo para nunca esquecer.

Lucas 22:31. Ouça. "Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo;" Para lhe sacudir, para descobrir se você é real. Eu amo isto. Versículo 32 "Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça;" Uau. "Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça" e eu vou lhe dizer uma coisa. Se é assim que Jesus orou é isso que vai acontecer. Sua fé não falhará.

Pedro, você sabe, pensou que o Senhor não entendia o quão forte ele realmente era. Pedro pensou que ele estaria bem e ele dá testemunho disso no versículo 33. "Ele, porém, respondeu: Senhor, estou pronto a ir contigo, tanto para a prisão como para a morte. Mas Jesus lhe disse: Afirmo-te, Pedro, que, hoje, três vezes negarás que me conheces, antes que o galo cante."

Jesus deixou acontecer. Satanás não poderia tentar Pedro se o Senhor não o tivesse permitido. E permitiu isso sabendo que a fé de Pedro não poderia falhar porque orou para que sua fé não falhasse. E sua oração é sempre ouvida e respondida pelo Pai porque Jesus sempre ora de acordo com a vontade do Pai, assim como o Espírito intercede de acordo com a vontade do Pai.

Você diz "Por que, afinal de contas, ele deixou isso acontecer?" De modo que o julgamento provasse a Pedro o caráter duradouro de sua fé. O Senhor não precisava saber que sua fé era real, mas Pedro sim. E eu vou lhe dizer por que mais tarde no texto. Você diz, "Bom, sim, o Senhor orou por Pedro para que sua fé não falhasse, e sobre nós?" Abra em João 17. Abra em João 17. Aqui você encontra o Senhor orando. Esta é a sua grande oração sacerdotal.

E podemos buscá-lo no versículo 9 "É por eles que eu rogo" orando por aqueles que crêem, "não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus; ora, todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e, neles, eu sou glorificado." Jesus está orando por crentes não apenas aqueles vivos então, mas os do futuro também. E o versículo 11, "Já não estou no mundo -" ele estava sentindo que já estava saindo "mas eles continuam no mundo" Eu vou ter que ir e deixá-los aqui. "ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo - diz ele - "guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós".

Uau, essa é uma oração incrível. Pai guarda-os. Não apenas Pedro, não apenas a fé de Pedro não falhe, mas a de nenhum deles. Guarda-os todos, todos os que me deste, todos os eleitos, todos os justificados, todos os santificados, guarda-os, guarda-os em Teu nome, consistentes com quem Tu és, o grande, poderoso, onipotente, para que juntos possamos ser um na glória daquele dia em que toda a humanidade redimida será reunida em Tua presença.

Mais especificamente desça até o versículo 15. Jesus vai orar, diz "Não peço que os tires do mundo -" Nós precisamos deles no mundo para evangelizar "e sim que os guardes do mal". Aqui está Jesus intercedendo como nosso grande Sumo Sacerdote, em nosso favor, pedindo ao Pai que nos guarde, nos guarde, nos proteja, para que nossa fé não falhe. Versículo 17 Ele acrescenta "Santifica-os na verdade; A tua Palavra é a verdade". Versículo 18. "Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade. Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra." Não apenas para os crentes agora, mas também para aqueles que crerem através da Palavra que esses crentes pregam. “a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste. Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam um, como nós o somos; eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim.”

Jesus diz isto "Pai eu quero que Tu lhes mostre a glória. Quero que os traga para a glória eterna. Eu quero que os proteja. Quero que se apegue a eles. Quero que os guarde. Eu quero que Te certifiques de que fé deles nunca falhe, de modo que todos estejamos unidos como um, na glória eterna, como foi planejado e pretendido na fundação do mundo quando definiste este plano redentor em movimento. Guarda-os do mal. Santifica-os pela Tua Palavra. Traga-os para a glória eterna para que eles compartilhem conosco naquela glória e não apenas estes" diz o versículo 20, "mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra." E você e eu estamos incluídos nesse versículo, versículo 20. Porque nós creremos através das palavras que foram escritas pelos apóstolos.

Então você vê, o Senhor Jesus Cristo está intercedendo por Pedro como uma ilustração em Lucas 22. Não é uma estranheza, não é única. É a mesma intercessão que ele realiza em João 17, e não é apenas pelos apóstolos, mas para todos os que creem que o Pai os guardaria e os traria à glória eterna intactos, como um nele e no Filho.

E a propósito, esta não foi apenas uma oração momentânea que Jesus ofereceu ali em João 17 no jardim naquela noite. Ele ora assim hoje e todos os dias e todo o tempo. Hebreus 7:25. Ouça este grande versículo. Hebreus 7:25. "Por isso, também pode salvar totalmente" que é o que essa frase deve ser. "Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus." "Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus" aqui está o porquê "vivendo sempre para interceder por eles”.

Esta oração em João 17 é uma oração que Jesus continua a orar em todos os momentos, nosso grande Sumo Sacerdote, à direita do Pai, intercedendo por nós, capaz de nos salvar para sempre, porque ele sempre vive para interceder por nós. Somos mantidos por uma fé duradoura que é sustentada e mantida até o fim pela intercessão do próprio Senhor Jesus Cristo.

E como eu mencionei anteriormente o Espírito Santo pesa sobre este mesmo grande ministério de guarda. Romanos 8 o Espírito Santo ajuda em nossas fraquezas. Nós não sabemos como orar como deveríamos. "O Espírito intercede por nós com gemidos muito profundos para serem expressos em palavras -" isso não é falar em línguas ou algo assim. Não é o que você diz, é o que o Espírito Santo diz e não está em algo proferido é em algo que não foi proferido. Trata-se de uma comunhão trinitária, interior, silenciosa, privada, onde o Espírito intercede por nós com gemidos profundos demais para serem expressos em palavras. Não há palavras. É o Espírito que intercede em nosso favor. "E aquele que sonda os corações" aquele, aqui, é Deus "sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que ele intercede pelos santos".

Assim Cristo ora de acordo com a vontade de Deus para que nossa fé não falhe para que o Pai nos guarde. O Espírito ora de acordo com a vontade de Deus. E como resultado "Todas as coisas -" versículo seguinte "cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito ... aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou".

A intercessão de Cristo garante nossa glória futura. A intercessão do Espírito Santo garante nossa glória futura. E o propósito do Pai garante nossa futura glória que ele nos conheceu, nos predestinou, nos chamou, nos justificou e nos glorificará, porque seu propósito no começo era conformar-nos à imagem de seu Filho. Ele não lhe salvou por um empreendimento temporário, ele o salvou para conformar-lo à imagem de seu Filho em glória eterna, para lhe dar a própria santidade de Cristo.

Quando você pensa sobre o céu não é que nós vamos olhar como Jesus fisicamente é, que seremos como Jesus em termos de perfeita santidade. Nós fomos escolhidos, chamados, justificados, santificados, e seremos glorificados. Somos mantidos até aquela hora, e somos mantidos por uma fé duradoura sustentada pela obra intercessória de Jesus Cristo que ora para que sejamos protegidos de qualquer coisa que possa atacar essa fé, seja ela a carne ou o mundo ou o próprio Satanás.

E acrescentado à intercessão, à mão direita do Pai no céu, está a intercessão do coração do Espírito Santo, que está orando de maneira que nem sequer sabemos orar numa comunhão trinitária, interior, silenciosa pela vontade de Deus, e Deus ouvindo e respondendo essa oração faz com que tudo funcione para o bem - tudo.

E assim somos sustentados por nossa fé sobrenatural dada a nós por Deus. E quando Jesus disse a Pedro "Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça" ele estava dizendo a ele o que é verdade sobre todos nós, o Senhor intercede por nós para que nossa fé possa perseverar. E ele sempre ora de acordo com a vontade do Pai que sempre responde orações de acordo com a sua vontade.

Como eu disse, na semana passada, se sua salvação dependesse de você, você nunca seria salvo. Se guardar sua salvação dependesse de você, nunca seria salvo. Sua fé humana não pode salvá-lo. Sua fé humana não pode mantê-lo. Portanto você precisa de uma fé que não é humana, uma fé que é sobrenatural que tem que vir de Deus. A fé para crer no evangelho, no princípio, veio de Deus e é uma fé duradoura que sempre crê.

Ouça Jeremias 32:40. Isso amplia sua compreensão disto, porque nos leva ao Antigo Testamento. Jeremias 32:40. Ouça esta grande declaração. Esta é a declaração sobre a Nova Aliança, a Aliança que nos salva. "Farei com eles aliança eterna, segundo a qual não deixarei de lhes fazer o bem; e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se apartem de mim.”

Que afirmação! É a natureza desta aliança de salvação eterna que Deus nunca se afastará de nós e ele colocará em nós, em nossos corações, o temor daquele que é sobrenatural para que não nos afastemos dele. É um pacto eterno, de uma salvação eterna baseada em uma fé duradoura. Essa fé nunca falha. Não há cristãos verdadeiros que sejam abandonados.

Você diz "Bem espere um minuto. A Escritura não está cheia de advertências para as pessoas não caírem como lemos em Hebreus 6:4 para não cair e colocar Cristo numa vergonha aberta? Como lemos em 1 Timóteo, capítulo 1 aquelas pessoas que naufragaram da fé, não são avisadas ​​sobre isso? Aqueles que foram entregues a Satanás para aprender a não blasfemar, não há avisos?" Sim é claro. E essas são advertências para falsos crentes. Essas são advertências para pessoas que não estão comprometidas. Essas são advertências para pessoas que se aproximaram do evangelho e fizeram um reconhecimento superficial do evangelho mas não um real.

Por isso é muito importante para nós compreender que a doutrina da perseverança dos santos não significa que as pessoas que fazem uma oração, ou "aceitam" Jesus, ou tomam uma decisão por Jesus em alguma experiência emocional, estão necessariamente seguras e podem viver de qualquer maneira que queiram viver. Não. Se realmente vierem a Cristo haverá neles uma fé duradoura que será caracterizada por um amor pela justiça, um amor por Cristo e um ódio pelo pecado. Não será perfeição, mas indicará direção no caminho da justiça.

Bom, nosso querido Pedro, ele entendeu o poder de Deus. Eu vou lhe dizer uma coisa, se Pedro pudesse perder sua salvação, ele teria perdido. Quão perto você pode chegar de Satanás para que o Senhor olhe para você e diga "Arreda de mim Satanás?" Você não vai conseguir chegar mais perto de Satanás a ponto de ser agarrado por seus desejos. Mas Pedro nunca se recuperou disso. Olhe para João 21. Depois de todas essas negativas, e elas foram em três ocasiões. Se você multiplicar todos elas, ele fez isso seis vezes em três ocasiões. Mas quando você chega a João 21 Jesus finalmente confronta Pedro.

Apenas para lhe dar uma breve história, Jesus após sua ressurreição se encontrou com os apóstolos, Jesus disse aos discípulos "Ide para a Galiléia e esperai-me ali." Bom, eles foram. Quando ele finalmente chegou - 21:1 - os discípulos estão no Mar de Tiberíades e lá estavam eles, Simão Pedro - sempre chamado primeiro por ser o líder - Tomé, Natanael, Tiago, João, os filhos de Zebedeu e dois outros provavelmente Pedro e André. Eles tinham experiência em pesca.

E Simão lhes disse, "Eu vou pescar." E a língua grega aqui tem uma certa finalidade sobre isso. Ele diz, "Eu vou voltar a pescar." E o que ele ia fazer era voltar para sua antiga carreira. E é claro, eles saíram entraram no barco e não conseguiram pegar nada. Por quê? Porque o Senhor reencaminhou todos os peixes. Eles conheciam o lago como a palma de suas mãos, eles cresceram pescando lá, eles sabiam exatamente que hora do dia, que época do ano encontrariam peixes e em que local.

E Jesus apareceu e fez a pergunta que você nunca iria fazer a alguém que pescou a noite toda e não pegou nada, "Vocês não tem peixe nenhum, não é mesmo?" Eles disseram "Não." E então Ele disse essa coisa ridícula, "Lançai a rede à direita do barco e achareis." Isso é muito insultante. O que você acha, que nós pescamos de um lado só? Ou talvez você acha que o barco permaneceu em um ponto só? Ou talvez você ache que o peixe distingue a direita da esquerda? Que tipo de declaração é essa?

Mas Jesus sempre falou com autoridade, então eles fizeram o que ele disse. E eles ficaram com tantos peixes, que não conseguiram lidar com eles. E então aquele discípulo a quem Jesus amava - esse é João - disse a Pedro "Huh é o Senhor". E Pedro, Deus abençoe seu coração, ele tinha fé duradoura? Com certeza. Estava fraca? Sim. Ele falhou? Sim. Mas ah, ele se recuperou.

Versículo 7. "Quando Simão Pedro ouviu que era o Senhor ele pôs a sua veste (porque se havia despido para trabalhar) ele mergulhou no mar. Os outros discípulos vieram em um barco. "Ele estava com tanta pressa para ser restaurado. Ele odiava tanto o pecado que via em si mesmo. Ele odiava sua própria desobediência. E impetuosamente mergulhou e ficou a cem metros de distância, e é claro o resto dizia "Esse é Pedro, ele nos deixou para arrastar essa enorme quantidade de peixe para a costa".

Eles vieram e o Senhor preparou o café da manhã. Você sabe como o Senhor prepara o café da manhã, não é mesmo? Café da manhã. E trouxeram alguns dos seus peixes, 153 peixes diz o versículo 11. "Jesus disse 'Venham e tomem o café da manhã'. E ninguém disse 'Quem é você?' Eles sabiam. E depois do café da manhã - "no versículo 15 - Jesus disse a Simão Pedro" Simão você me ama mais do que estes?" Que pergunta provocativa e penetrante. Você me ama mais do que estes peixes, estas redes, este modo de vida? Você me ama mais do que estes outros discípulos? Você disse que se todo mundo o abandonasse nunca o faria. Disse que estava disposto a morrer comigo. Você não me negou.

E eu acho que a pergunta certa é "Simão filho de João ou Jonas você me ama?" E ele lhe disse "Sim Senhor Tu sabes que te amo." E ele disse "Então apascentai as minha ovelhas." "Então faça o que eu te digo, eu te chamei para pregar e ensinar, não para pescar." E lembre-se, Pedro o negou três vezes então o Senhor ia restaurá-lo três vezes.

"Tornou a perguntar-lhe pela segunda vez: Simão, filho de João, tu me amas? Ele lhe respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo.” Você sabe disso. "Disse-lhe Jesus: Pastoreia as minhas ovelhas". Faça o que eu lhe disse para fazer. “Pela terceira vez Jesus lhe perguntou: Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo".

Por quê? Porque o próprio Deus havia dado a Pedro uma fé duradoura um amor duradouro por Cristo. Fraco? Sim. Vacilante? Sim. Tropeçando? Sim. Mas nunca completamente e nunca finalmente e sempre o primeiro a estar ansioso por ser restaurado. E Jesus disse "Isso é tudo que eu peço. Cuide das minhas ovelhas. Você é o pastor que eu estou procurando." "Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço", versículo 18, "tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias; quando, porém, fores velho, estenderás as mãos", Ele estava falando da crucificação de Pedro que é como ele finalmente morreu, "outro te cingirá e te levará para onde não queres." E isso ele disse indicando por que morte ele iria glorificar a Deus. Você vai ser um mártir. E Pedro foi fiel até o fim, e quando chegou a hora de ser crucificado não permitiu que eles o crucificassem da maneira normal, porque ele não era digno, ele disse, de ser crucificado como seu Senhor, então eles o viraram e o crucificaram de cabeça para baixo, uma maneira mais excruciante de morrer. Ele suportou até o fim.

Não há ninguém melhor, realmente, para escrever sobre a perseverança dos santos sobre uma fé duradoura sobre um amor duradouro sobre permanecer fiel até o fim. Não há ninguém melhor para escrever isso do que Pedro, o homem que se arrependeu com lágrimas, o homem que estava tão sofrido por seu próprio fracasso, que mergulhou na água para nadar o mais rápido que podia até Jesus, aquele que estava tão confiante de seu próprio amor e fé genuína, que ele pediu ao Senhor para ler o seu coração sabendo que o que ele viu lá, Ele saberia, era a coisa real. E assim é apropriado que Pedro nos fale sobre a fé perseverante.

Volte agora a 1 Pedro - um comentário final. Quando no versículo 5 Pedro diz "que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé", quando diz no versículo 8, "mas crendo", quando ele diz no versículo 9, "obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma", Pedro está falando por experiência pessoal. Ele sabia o que era, apesar de sua fraqueza, ter uma fé duradoura e eterna. E essa é a fé que pertence a cada pessoa que é verdadeiramente salva. E como eu disse, no final, Pedro foi fiel para proclamar Jesus Cristo em face da morte.

Agora, nos versículos 3 a 9 há seis elementos de nossa proteção. Seis elementos. E eu vou dizer quais são eles na próxima vez. Somos protegidos por uma fé que tem seis elementos, seis realidades espirituais, dinâmicas, operando nela, e Pedro as desdobrará para nós na próxima vez.

Senhor, obrigado por esta confiante verdade, que a nossa salvação é para sempre, que a vida eterna é obviamente eterna, que aqueles a quem o Pai escolheu ele os conformará à imagem do Teu Filho, que todos os que ele efetivamente chama, alcançarão a glória, são predestinados a serem feitos à imagem de Cristo, de fato serão feitos à Tua imagem para que todos os que estão cobertos pela sua justiça, um dia se apresentarão diante de Ti no céu, irrepreensíveis, para que todos os que estão sendo santificados sejam glorificados.

Senhor, nós te agradecemos por esta fé duradoura, e embora às vezes lute, tropece e caia, e apesar de nós pecarmos, pecarmos seriamente, pecarmos severamente e pecarmos repetidamente, nós nos vemos em Pedro correndo de volta chorando, desejando ser obedientes, ser úteis, desejando ser restaurados, desejando ser perdoados, desejando ser lavados. Lembramo-nos de Pedro tropeçando na última ceia, deixando escapar coisas que indicavam sua ignorância. Mas quando confrontado disse, "Senhor purifica-me de cima até embaixo", nele está a essência daquela fé duradoura.

Amou-o apesar de como agiu, amou-o apesar de sua fraqueza e falha, e anseou pela restauração, anseou pela purificação. Esta é a verdadeira fé salvadora. Este é o dom que nos deste, pelo qual Te agradecemos. Agradecemos e estamos confortados na confiança de que perseveraremos até o fim porque este dom da fé é uma fé duradoura e que perdura, porque sempre vives para interceder, porque o Espírito ora por nós, e tanto o Filho como a o Espírito, oram sempre de acordo com a vontade do Pai e a vontade do Pai é que tudo o que ele dá ao Filho o Filho exalte para a glória eterna e ninguém se perca. Nós te agradecemos ó Deus que toda a Trindade esteja reunida para nos sustentar para essa glória eterna, nisto nos regozijamos, no nome do Salvador. Amém.

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize