Grace to You Resources
Grace to You - Resource

Bom, quantos de vocês sempre quiseram ir ao seminário? Você está prestes a ir esta noite. Eu vou desafiar seu pensamento um pouco enquanto falamos sobre esta questão da pergunta, por quem Cristo morreu? Estivemos examinando, nas últimas semanas, algumas doutrinas muito importantes: A doutrina da perseverança ou a preservação dos santos; a doutrina da eleição soberana na salvação. Examinamos a doutrina da incapacidade total ou absoluta, isto é, a depravação do pecador, que torna impossível para ele responder ao evangelho. E esta noite quero falar com vocês sobre o que eu escolhi chamar, tentando dar-lhe um nome mais preciso, a "doutrina da expiação real". A doutrina da expiação real.

Agora, você precisa entender que essas doutrinas, de que estamos falando, estão no coração e na alma de nossa teologia. São as próprias doutrinas que foram tratadas na grande Reforma e resgatadas das trevas do catolicismo romano. Agora, pode parecer óbvio para a maioria dos cristãos, por quem Cristo morreu, mas é porque tendemos a levar as coisas a um nível bastante superficial e não pensar profundamente sobre elas, e assim perdemos a própria essência de algumas dessas gloriosas verdades de que precisamos escavar um pouco mais profundamente. E eu vou tentar fazer isso hoje à noite, e obviamente as preliminares levaram muito tempo, e com razão esses foram testemunhos maravilhosos e um grande momento de cânticos.

Então eu tenho certeza que isso avançará para a próxima semana, por isso, por favor, eu vou deixá-lo pendurado um pouco, esta noite, e eu sei que muitos de vocês vão me apressar depois com todas as suas perguntas de coisas que eu não tratei. Mas se você puder segurar até o próximo domingo à noite, vamos chegar lá.

Vamos começar de uma maneira simples. E espero que isso fique claro para você. Sabe, como eu digo aos jovens pregadores, é muito fácil ser difícil de entender. Isso é muito fácil. Tudo o que você tem a fazer é não saber do que você está falando, ninguém mais o saberá. E alguém poderia dizer "Bom, foi muito profundo." Mas poderia ter sido apenas uma ilusão de que foi muito profundo, foi apenas que ele não entendia isso, então como você poderia. É difícil ser claro. Para ser claro, você tem que realmente entender o assunto e trabalhar intensamente para concebê-lo de forma compreensível, e em formato compreensível. E é isso que eu tentei fazer e espero que seja claro para você.

Mas vamos começar com algumas coisas simples. Se eu perguntar ao cristão médio "Por quem Cristo morreu?" A resposta tradicional seria "Todo mundo. Todo mundo. Cristo morreu por todo o mundo, Ele morreu por todos os pecadores." E a maioria das pessoas na igreja crê - e tenho certeza que muitas pessoas fora da igreja verdadeira, muitas pessoas associadas ao cristianismo, acreditam - que na cruz Jesus pagou a dívida de pecado por todos, porque Ele ama a todos e Ele quer que todos sejam salvos. Isso é muito parecido com a visão evangélica comum. Jesus morreu por todos. Ele pagou o preço pelos pecados de todos. E tudo o que temos a fazer é dizer aos pecadores que Ele os ama tanto que Ele pagou o preço, e Ele quer que eles sejam salvos, e tudo o que têm a fazer é aceitar.

Agora, se isso é verdade, então na cruz Jesus realizou uma potencial salvação, não uma real. Isto é, os pecadores têm todos os seus pecados expiados potencialmente, e que não se torna real até que ativem isso por sua fé. Então, o que precisamos fazer é dizer aos pecadores que eles precisam lançar mão da salvação que já foi comprada para eles. Uma vez que Cristo morreu por todos, todos podem ser salvos. É apenas uma questão de eles chegarem a receberem essa salvação. E assim, nossa responsabilidade é convencer as pessoas a virem e se apossarem da salvação que lhes foi fornecida, para convencê-los a virem e aceitarem o dom.

Isto é tão profundo no tecido da teologia evangélica, que o livro mais popular sobre a igreja atualmente - A Igreja Orientada por Propósito - nele o autor diz "Eu posso levar alguém a Cristo se eu encontrar a chave para o coração dessa pessoa. A suposição é que se você pode apenas descobrir a técnica de chegar a algum ponto emocional, você pode ganhar qualquer pessoa no planeta para Cristo, porque afinal Ele morreu por todos eles. Essa é a idéia popular.

E eu sei que muitos de vocês estão pensando "Bem. Bem parece-me que isso é o que eu sempre acreditei. Nisso é o que eu fui ensinado." Bom, podemos levá-lo há alguns lugares que você nunca foi antes, mas isso é bom. Essa é a idéia popular.

As consequências disso seriam assim. O inferno está cheio de pessoas pelas quais Cristo morreu. Vou dizer isso de outra maneira. O inferno está cheio de pessoas cujos pecados foram pagos na cruz. Isso é um pouco mais perturbador quando você diz dessa forma, não é mesmo? Outra maneira de dizer seria que o lago de fogo, que queima para sempre com fogo e enxofre, está cheio de pessoas condenadas eternamente cujos pecados Cristo expiou plenamente na cruz. A ira de Deus foi satisfeita pela expiação de Cristo em favor daquelas pessoas que permanecerão para sempre no inferno.

Agora, a propósito, o céu também será povoado pelas almas daqueles por quem Cristo morreu. Assim Cristo fez exatamente a mesma coisa para os ocupantes do inferno, como Ele fez para os ocupantes do céu. Isso torna a pergunta um pouco mais perturbadora. A única diferença é que as pessoas no céu aceitaram o dom, e as pessoas no inferno o rejeitaram. Isso é mais ou menos a visão evangélica tradicional.

Mas só soa estranho quando você começa a tipo que separá-lo um pouco, não é mesmo? Que Jesus morreu e pagou na íntegra a penalidade pelos pecados dos condenados, e morreu e pagou na íntegra a penalidade pelos pecados dos glorificados, que Jesus fez a mesma coisa pelos ocupantes do inferno que Ele fez pelos ocupantes do céu, e a única diferença depende da escolha do pecador? Ou seja a morte de Jesus Cristo então não é uma expiação real é apenas uma potencial expiação. Ele realmente não comprou a salvação para ninguém em particular. Ele só removeu algum tipo de barreira para tornar possível que os pecadores escolhessem ser salvos.

Assim, a mensagem então - a típica mensagem evangélica - é para os pecadores "Deus te ama tanto que Ele enviou Seu Filho que pagou na íntegra a penalidade por seus pecados. E você não responderá a esse amor, não decepcionará a Deus, aceitará o dom e o deixará salvá-lo já que Ele pagou integralmente o preço pelos seus pecados?" A decisão final cabe ao pecador.

E isso traz a noção de que Deus te ama tanto, que você é tão especial, que Ele deu Seu Filho e Ele pagou na íntegra a penalidade por seus pecados, e supõe-se que isso irá movê-lo emocionalmente para amá-Lo de volta e aceitar este dom. E assim, você meio que trabalha o pecador, e tipo que manipula o pecador nessa direção, tentando encontrar um ponto psicológico, um ponto de necessidade sentida, tocando a música certa no órgão, cantando o hino de convite certo. Você sabe lubrificar as lâminas e levá-lo a mover-se na direção de fazer a escolha.

Agora temos um problema aqui, pessoal. Temos um grande problema. Vimos em nosso último estudo, que nenhum pecador, por conta própria, pode fazer essa escolha, certo? Esta é a doutrina da incapacidade absoluta. Ele não pode fazer isso. Ele não pode fazer essa escolha. Todas as pessoas - todas as pessoas - são pecadoras e todos os pecadores estão mortos em seus delitos e pecados. Todos eles são alienados da vida de Deus. Todos fazem somente o mal continuamente. Todos estão relutantes e incapazes de compreender, de se arrepender e de crer. Todos têm mentes obscurecidas, cegados pelo pecado e por Satanás, todos têm corações que estão cheios de maldade, todos são enganosos e desesperadamente corruptos. Todos desejam somente a vontade de seu pai que é Satanás. Todos eles são incapazes de buscar a Deus. Eles estão todos presos em absoluta incapacidade e falta de vontade.

Assim, como então o pecador pode fazer a escolha? Eu não me importo em que necessidade você possa se encontrar. Eu não me importo com o que você possa achar que você vê "em seu coração" que vai deixar você levar alguém a Cristo. Eu não me importo quantos versículos de convite você recita, ou quanta música de órgão ou música alusiva você toca para tentar induzir algum tipo de resposta, do pecador que sozinho não pode entender não pode se arrepender e não pode crer.

Lembra-se do que vimos em João 1? “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne”. Efésios 2:8-9. " Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus." É por meio Dele que vocês estão em Cristo, I Coríntios 1:30.

A salvação é de Deus. Vimos isso. Ele tem que dar vida aos mortos. Ele tem que dar vista aos cegos. Ele tem que dar ouvidos aos surdos. Ele tem que dar entendimento ao ignorante. Ele tem que dar arrependimento aos que amam o pecado. Ele tem que dar fé aos que não podem crer. Ele tem que mover o coração para buscá-Lo, que de outra forma não o faria. De modo que todos os elementos que fizeram com que o pecador viesse a Cristo são ordenados por Deus e induzidos por Deus.

E como aprendemos, a doutrina da incapacidade absoluta significa que as pessoas só serão salvas se Deus as salvar e portanto, a salvação se baseia no decreto de Deus, na doutrina soberana da eleição. Ninguém poderia ser salvo a menos que Deus o salvasse, e Deus salva aqueles a quem Ele escolhe para salvar. Você não pode esperar que o pecador sozinho, não importa como ele for emocionalmente cutucado ou psicologicamente cutucado, não importa o quanto ele seja ameaçado, não importa o que você diga a ele, por conta própria, você não pode esperar que ele se "decida por Cristo". Os que virão a Cristo são aqueles que o Pai chama e o Pai dá ao Filho porque Ele escolheu fazê-lo assim.

Agora, com isso em mente, olhando para trás, nessas doutrinas, a doutrina da eleição a doutrina da incapacidade absoluta, podemos fazer a pergunta novamente. Por quem Cristo morreu? Ele morreu uma morte que é uma salvação potencial para todos, e portanto para a maior parte foi inútil? Ou ele morreu uma morte que é uma expiação real, não um potencial? Foi por aqueles que creriam porque Deus os chama e Deus lhes concede arrependimento e fé, porque Deus na eternidade passada os escolheu?

Bom, a única resposta para a pergunta, que faz qualquer sentido real, é que Jesus Cristo morreu e pagou na íntegra a penalidade pelos pecados de todos os que creram, de modo que Sua expiação é uma expiação real e não potencial, que possa ser ignorada. Se Jesus realmente pagou na íntegra a penalidade pelos seus pecados, você não vai para o inferno isso seria um duplo risco.

Agora, alguém vai dizer "Bom, espere um minuto. Isso soa como expiação limitada." Você diz a palavra, "expiação limitada" e as antenas das pessoas logo sobem. Porque estamos acostumados com esse tipo de idéia evangélica de que Jesus pagou os pecados na íntegra, pagou o preço dos pecados por inteiro, de todos. Mas isso é uma fraude com muitos problemas óbvios. Mas é nisso que a igreja evangélica acredita, e é por isso que ela usa da manipulação para mover as pessoas emocionalmente e de acordo com as necessidades sentidas, e por outros meios que elas possam vir, crendo que a pena é paga na sua totalidade, por todos, de modo que a maioria das pessoas, pelas quais Jesus morreu, estão no inferno. Então que tipo de expiação, afinal de contas, Ele providenciou para elas?

E assim você diz, "Você deve crer que a expiação é limitada." É claro. Você também. Você diz, "Eu acredito em uma expiação ilimitada." Bom, então você deve ser um universalista. Um universalista acredita que todo mundo está indo para o céu. Não existe inferno. Todo mundo vai para o céu. E isso é consistente. Se você acredita que Jesus pagou por completo a penalidade por todos os pecados de todas as pessoas que já viveram, então você tem que ser um universalista.

Mas sabemos melhor do que isso. Sabemos que a expiação é limitada. Nós sabemos que nem todo mundo vai para o céu. Para ser um universalista você tem que ignorar a Escritura. Então, deixe-me dar-lhe apenas alguns de pontos ok? E vamos ver até onde conseguimos chegar.

Número um, a expiação é limitada. E por "expiação" quero dizer o sacrifício de Cristo pelo qual Ele pagou a penalidade pelo pecado. A expiação é limitada. Agora, vamos olhar para isso em apenas algumas passagens óbvias. Mateus 10. Mateus capítulo 10. E eu não vou esperar por você então você pode querer escrever isso. Mateus 10:28. Temos que seguir. Versículo 28. Ajeite-se na cadeira, aqui vamos nós. Mateus 10:28. " Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo." Isso também é citado em Lucas 12, como aprendemos. Há um inferno e Deus vai mandar pessoas para lá. Isso me diz que a expiação é limitada. Há um inferno e Deus vai mandar pessoas para lá.

Em Marcos capítulo 9 - e estas são apenas amostras que nos dizem que a expiação é certamente limitada. Em Marcos 9:43 " E, se tua mão te faz tropeçar, corta-a; pois é melhor entrares maneta na vida do que, tendo as duas mãos, ires para o inferno, para o fogo inextinguível." E alguns textos dizem, " [onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga]." Novamente, outra referência ao inferno.

O versículo 48 repete novamente, os versículos 47 e 48 " E, se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o; é melhor entrares no reino de Deus com um só dos teus olhos do que, tendo os dois seres lançado no inferno, onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga."

Você vai, como observei, para o evangelho de Lucas capítulo 12, você tem a mesma declaração que em Mateus 10:28. Mas vá para o Evangelho de João, e eu só quero levá-lo brevemente para este evangelho, a alguns vislumbres da realidade óbvia da expiação sendo limitada.

É limitada. O capítulo 8 deixa bem claro, 8:12, "Eu sou a luz do mundo" disse Jesus " quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida". Aqui está uma condição. Você tem que seguir a Cristo. É limitada, então, àqueles que seguem a Cristo. Você encontra no versículo 24 um provérbio semelhante. " Por isso, eu vos disse que morrereis nos vossos pecados; porque, se não crerdes que EU SOU, morrereis nos vossos pecados." Existe um inferno, e as pessoas estão indo para lá. Na verdade, Mateus 7 diz que, "Muitos estão indo para lá". E a única maneira de evitar de ir para lá, a única maneira de evitar morrer em seus pecados, isto é, morrer sem um sacrifício pelos seus pecados, a única maneira de evitar isso é crer no Senhor Jesus Cristo.

Como Jesus poderia dizer que você poderia morrer em seus pecados, se seus pecados foram pagos? Eles não teriam sido pagos se morressem sem crer Nele. E há outras partes de João. Se você voltar ao capítulo 3, " Porquanto Deus enviou o seu Filho" versículo 17 ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus."

Há um inferno, e as pessoas que não crêem em Jesus Cristo vão para lá. Assim, há muitos outros lugares onde você pode ver esta mesma ênfase sendo feita. Eu não quero sobrecarregá-lo com uma lista interminável deles mas talvez haja mais algumas outras para pensar. Mateus 22:13, " Então, ordenou o rei aos serventes: Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes." Uma descrição adicional de castigo e julgamento horríveis. 25:30, " E o servo inútil, lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes."

E então, em uma carta paulina, 2 Tessalonicenses capítulo 1 fala sobre a vinda do Senhor Jesus do céu. Segunda Tessalonicenses 1:7 "e a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder.”

Assim, a Bíblia promete que existe um inferno. A única maneira de evitá-lo é não morrer em seus pecados. E para não morrer em seus pecados você tem que crer no Senhor Jesus Cristo. E se você não crer, você vai sofrer a pena da destruição eterna. Isso prova que a expiação é limitada. Não se aplica universalmente. Deus não tinha a intenção de salvar a todos. Ele é Deus. Ele poderia ter pensado em salvar todos. Ele poderia ter salvo todos. Ele teria se essa tivesse sido Sua intenção. A expiação é limitada.

Agora, todos nós temos que aceitar isso, ou seremos universalistas. Nós sabemos que nem todos vão para o céu. Na verdade, é um pequeno rebanho, são os poucos que, se nos mantivéssemos esse tipo de idéia evangélica, significaria que a grande maioria das pessoas, por quem Cristo morreu e pagou completamente a penalidade por seus pecados, estão indo para o inferno. E isso é algo simplesmente muito difícil de acreditar. Então nós cremos em uma expiação limitada. É limitada àqueles que crêem.

Como é limitada? Esse é o segundo ponto. Número um. A expiação é limitada? Resposta, Sim. Número dois. Como é limitada? Bom, em primeiro lugar, é limitada porque nem todos são salvos, somente aqueles que se arrependem e crêem. É assim que é limitada. Somente aqueles que crêem em Cristo e O confessam como Senhor, são salvos. Somente esses têm seus pecados expiados. É limitada àqueles que crêem. É assim que é limitada, ok? É muito importante que você compreenda isso. Vamos voltar a isso.

Agora aqui vem a questão-chave. Por quem é limitada? Por quem? Sabemos que é limitada. Sabemos como é limitada. É limitada para aqueles que crêem. Só é aplicável àqueles que crêem. " Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo". Agora, por quem é limitada?

E a visão popular diria o seguinte, "A expiação de Jesus é ilimitada mas os pecadores limitam sua aplicação". E estamos de volta ao que dissemos antes. É uma potencial expiação, cuja realidade é limitada pelo pecador. Agora, temos que crer, então, que Deus forneceu um sacrifício pelos pecados, em Seu Filho, que por si só não é suficiente, em si mesmo não é real, em si não é real porque o pecador pode neutralizar isto.

Eu não me importo em crer que Deus pode limitar a expiação. Deus limita a expiação. Mas ouça com atenção. Ele limita a expiação quanto à sua extensão. Você tem que crer nisso. Porque Ele não escolheu a todos e nem todos estão indo para o céu. E isso está na mente divina, esse é o decreto de Deus e esse é o propósito de Deus, e você tem que enfrentar essa questão.

Eu não tenho problema algum ao dizer que a expiação é limitada. Eu não tenho problema algum em dizer como é limitada. É limitada para aqueles que crêem. E eu não tenho nenhum problema em dizer que aqueles que crêem são aqueles a quem Deus concede fé. E portanto, a expiação é limitada, porque Deus a limitou. Fico muito mais confortável com isso do que com o fato que os pecadores podem limitar a expiação que Cristo providenciou, ou que a expiação que Cristo forneceu é desperdiçada na grande maioria das pessoas.

Se você diz que Deus providenciou uma expiação que é apenas o potencial, que só remove as barreiras para que o pecador possa ser salvo, se ele escolher ser, você sabe o que você fez? Você disse que Deus não apenas limitou a expiação quanto à sua extensão, e você tem que acreditar nisso, mas Ele a limitou quanto ao seu efeito. OK? Em outras palavras, se você acredita em uma expiação ilimitada, e você acha que você é uma daquelas pessoas magnânimas que acreditou que Jesus morreu por todos, então, ao dizer que a expiação é ilimitada quanto à extensão, você acabou de dizer também que é limitada quanto ao efeito. Ela cobre a todos, mas não potencialmente. Cobre a todos, mas não poderosamente.

Há pouco tempo você cantou um hino "Jesus" o quê? "pagou tudo." Você crê nisso? Bem, potencialmente. Ele pagou tudo potencialmente ou realmente? Ele realmente levou em Seu corpo os seus pecados na cruz ou apenas potencialmente, se você decidir que Ele o fez? Se você vai dizer que a extensão da expiação é ilimitada então o efeito da expiação é limitado. Se você vai dizer que a extensão da expiação é limitada então você vai dizer que o efeito da expiação é ilimitado. Para aqueles a quem se estende não tem limites.

Então, quando você diz que crê em uma expiação limitada ou expiação ilimitada? Eu acredito em uma expiação limitada quanto à sua extensão. É limitada para aqueles que crêem, aqueles que são chamados, aqueles que são escolhidos. Mas acredito que é ilimitada quanto ao seu efeito. Para aqueles a quem é concedida, é uma expiação completa. Jesus pagou tudo.

Então, sabe, essas pessoas que querem dizer "Bom, você sabe, nós acreditamos que a expiação é ilimitada." Você diz, "Bem, bem espere um minuto. Você quer dizer que Jesus morreu por todo mundo em todo o mundo?" Sim. "Bom, você pode pensar que é ilimitada quanto à sua extensão mas você acaba de confessar que é limitada quanto ao seu efeito real, porque as pessoas vão para o inferno, mesmo que Ele tenha morrido por elas. Que tipo de expiação é essa?" Mas mesmo as pessoas que dizem, “Cremos que é ilimitada" não acredite nisso. Eles não querem dizer isso. Eles sabem que Deus a limitou aos que crêem, e eles acreditam que os pecadores a limitam fazendo escolhas erradas. Então eles acreditam que há alguns limites na própria expiação em si, de modo que ela realmente não faz o trabalho de expiação, apenas torna possível para o pecador ativá-la.

Você sabe, você olha para a Bíblia e está bem claro. O escritor do hino acertou. E esse hino é um hino muito simples. E eu não sei o que estava em sua mente, quando ele escreveu, mas quando ele escreveu "Jesus pagou tudo" ele quis dizer isso. O que Ele fez na cruz não foi uma expiação parcial. O que Ele fez não foi uma potencial expiação. Não era uma espécie de expiação virtual. Foi uma verdadeira expiação real.

Foi limitada, em sua extensão, àqueles que creriam, que são os chamados e os escolhidos. Mas foi ilimitada em seu efeito. Para eles, foi uma plena e completa expiação. Não há tal coisa como uma expiação por Jesus Cristo na cruz que é menos do que uma expiação verdadeira e real. Não existe tal coisa como algum tipo de expiação potencial, algum tipo de expiação a meio caminho. Não existe tal coisa como Jesus pagando por seus pecados e pagando por seus pecados para sempre no inferno. Isso diminui a obra de Cristo, isso se zomba da obra de Cristo.

O que você está dizendo? Você está dizendo que Jesus só ativou parcialmente isso, e cabe ao pecador ativá-lo completamente? Se Cristo pagou pelos pecados de todos e todo mundo não vai para o céu, então tudo o que Ele pagou não foi o preço total. Então, temos que mudar o nosso hino e dizer "Jesus pagou metade, o resto depende de você". Essa seria uma boa linha. "Jesus pagou a primeira metade. O resto é com você."

Eu simplesmente não consigo acreditar que o inferno está cheio de milhões de pessoas cujos pecados foram pagos por completo, por Cristo na cruz. Não consigo ver o Pai punindo totalmente o Filho na cruz pelos pecados das pessoas que serão punidas por esses pecados para sempre no inferno. Qual é a questão? O que Cristo fez na cruz foi uma expiação verdadeira, plena e completa pelos pecados de todos os que crerem, e como ninguém pode crer a menos que Deus lhes conceda fé, são os pecados daqueles que o Pai escolheu chamar para ele mesmo.

Você ouve as pessoas dizerem, "Bom você sabe, quando você diz que a expiação é limitada as pessoas não se sentem muito especiais." Bom, eu vou te dizer o seguinte. Eu não me sinto muito especial se você me diz, "Cristo morreu por você, Ele te ama exatamente como Ele morreu pelos milhões no inferno". Isso não me faz sentir muito especial. Isso é meio difícil de evangelizar. Cristo morreu na cruz por seus pecados e por todas as pessoas no inferno também. Isso não é especial. Isso é tudo, menos especial.

Quer dizer que Ele pagou por meus pecados e eu pago por eles para sempre? Então eu lhe direi que, qualquer que tenha sido o pagamento, foi falso. Você vê, não é bíblico limitar a expiação quanto ao seu poder. Não é bíblico limitar a expiação quanto à sua eficácia. Não é bíblico limitar a expiação quanto à sua realização. Se Ele pagou na íntegra a penalidade por seus pecados, você receberá a salvação.

A expiação de Jesus Cristo na cruz tem que estar em perfeita harmonia com o decreto eterno. Não é bíblico limitar a expiação tornando-a potencial e não real. Não é bíblico limitar a expiação pela vontade do pecador indisposto e incapaz. A expiação é limitada por Deus aos eleitos. Mas é ilimitada quanto ao seu efeito. Para eles é uma expiação completa e plena.

Agora, tudo se resume a isso. É, a morte de Cristo, uma obra que potencialmente salva pecadores dispostos, ou é uma obra que realmente fornece salvação para pecadores indispostos que pela graça soberana de Deus serão feitos dispostos? A única resposta possível é que Deus ofereceu um sacrifício em Seu Filho, um verdadeiro pagamento integral pelos pecados de todos os que crerem, e todos que crerem, crerão porque o Pai os atrairá e Ele lhes concederá o arrependimento, fé e regeneração. A morte de Jesus então deve ser entendida como uma completa satisfação à santa justiça de Deus em favor de todos aqueles a quem Deus salvará.

Eu não inventei isso. Esta doutrina remonta à Reforma, à John Owen e até mesmo a Charles Spurgeon. Ouça o que Spurgeon disse, "Muitas vezes nos dizem que limitamos a expiação de Cristo porque dizemos que Cristo não satisfez a todos os homens, ou que todos os homens seriam salvos. Agora a nossa resposta é que, por outro lado, nosso oponente é limitado. Nós não. Os arminianos dizem, ‘Cristo morreu por todos os homens’. Pergunte o que eles querem dizer com isso. Cristo morreu para assegurar a salvação de todos os homens? Eles dizem, ‘Não, certamente não’.

"Ou nós lhes fazemos pergunta seguinte, Cristo morreu para garantir a salvação de qualquer pessoa em particular? Eles dizem 'Não'. Eles são obrigados a dizer que se eles são consistentes. Eles dizem 'Não. Cristo morreu para que qualquer homem possa ser salvo se - ' e então seguem certas condições de salvação.

"Agora, quem é que limita a salvação de Cristo? Por que você. Você diz que Cristo não morreu tão infalivelmente para garantir a salvação de ninguém. Pedimos desculpas. Quando você diz que limitamos a morte de Cristo dizemos, ‘Não meu caro senhor. É você quem faz isso.’ Dizemos que Cristo morreu, tanto que Ele, infalivelmente, assegurou a salvação de uma multidão que ninguém pode contar, que pela morte de Cristo, não só pode ser salva, mas será salva, e não pode haver qualquer possibilidade de correr o risco de não ser salvo. Você é bem-vindo à sua expiação" disse Spurgeon. “Você pode ficar com isso. Nunca renunciaremos nossa posição por causa disso.”

A expiação é uma expiação real não uma potencial. É uma verdadeira expiação, não simplesmente uma barreira removida. E é em favor de todos os que crerem, e uma vez que o pecador é incapaz e não está disposto a crer a não ser pela intervenção divina e a regeneração, isso vem, então, pelo poder de Deus baseado no decreto de Deus.

Agora, você está comigo? Eu alistei aqui cerca de 50 passagens da Escritura 5-0. E esta é realmente a parte rica disto. Eu meio que fiz um arranjo esta noite e vou deixar isso lá. Porque, se eu entrar nisso, ficaremos aqui até o arrebatamento da igreja, temo eu. Assim, você entende o problema e como pensar nisso razoavelmente, logicamente e totalmente.

E no próximo domingo à noite eu quero levá-lo até às profundezas do que a Escritura tem a dizer para apoiar esta maravilhosa visão de uma expiação, que Deus tem por Sua própria soberania, limitada aos que crêem, mas uma expiação que em si é ilimitada a todos a quem é provida, a salvação será dada em sua plenitude.

Agora, eu quero acrescentar rapidamente a isso. As pessoas dizem, "Bom, como você sabe se Cristo morreu por você?" A resposta é "Todo aquele que quiser vir, e se você vier e crer no evangelho do Senhor Jesus Cristo, então a morte de Cristo foi para você." Não resista, venha a Cristo.

Sabe, havia um pregador em Londres, quando eu estava lá fazendo aquela conferência, e ele me puxou para o lado e ele disse, "Você realmente encoraja as pessoas a vir para Cristo?" E eu disse "Sim". Ele disse Acho isso muito difícil. Eu sou tão contido em meu espírito." É aí que sua teologia está ligado no lugar errado. Veja, nós não sabemos quem é, além daqueles que já vieram. Nós não sabemos quem está lá fora para completar aqueles por quem Cristo pagou uma expiação completa. Então nós imploramos aos pecadores.

E eu disse a ele, "Paulo disse, rogamos que vos reconcilieis com Deus’. Paulo disse, porque eu mesmo desejaria ser anátema, separado de Cristo, por amor de meus irmãos’. Insistimos com os pecadores. Levamos o evangelho até os confins da terra e deixamos as coisas secretas ao Senhor, mas seguimos na responsabilidade de chamar os pecadores à fé, sabendo que os que vierem terão uma expiação completa para eles. E estamos aqui para falar com você sobre isso em nossa sala de oração.

Pai, obrigado por esse grande dia e a glória de nossa fé e nossa salvação, cada vez mais clara para nós nas coisas que aprendemos hoje. E nós bendizemos Teu nome e Te agradecemos. Amém..

FIM

This sermon series includes the following messages:

Please contact the publisher to obtain copies of this resource.

Publisher Information
Grace to You
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Playlist
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time

Welcome!

Enter your email address and we will send you instructions on how to reset your password.

Back to Log In

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize
View Wishlist

Cart

Cart is empty.

ECFA Accredited
Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Back to Cart

Checkout as:

Not ? Log out

Log in to speed up the checkout process.

Unleashing God’s Truth, One Verse at a Time
Minimize